SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Centro de Capacitação Shalom
Seminário Teológico
•Provérbios
•Eclesiastes
•Cantares
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Introdução aos Poéticos
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
O conjunto de livros bíblicos
que denominamos Poéticos:
Jó, Salmos, Provérbios,
Eclesiastes, e Cânticos dos
Cânticos) de uma forma ou
de outra se ajustam no
contexto histórico do
Pentateuco e dos chamados
livros Históricos .
Os livros poéticos
tem a função de
descrever:
• A experiência com
Deus
• O templo presente
com Deus
• Os caminhos de Deus
• A poesia (adoração)
• O Pacto Prático
Introdução aos Poéticos
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Introdução aos Poéticos
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Introdução aos Poéticos
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Os cinco livros poéticos ilustram três
tipos de poesia:
1. A poesia lírica – originalmente
acompanhada musicalmente ao
som da líra, esta poesia às
vezes contém fortes elementos
emocionais (a maioria dos
Salmos)
2. A poesia didática – ensina
princípios sobre a vida por
meio de máxima (Provérbios e
Eclesiastes) e
3. A poesia dramática – diálogo
em forma poética (Jó, Cantares
de Salomão)
A poesia hebraica caracteriza-se também
por figura de linguagem vívidas
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
É provável que Provérbios seja o livro mais prático do
Antigo Testamento, uma vez que ele ensina a sabedoria
(literalmente a ”habilidade de viver”) nos múltiplos
aspectos da vida diária. Em expressões, máximas e
histórias breves, porém incisivas, Salomão e outros
contribuintes formularam cerca de novecentos
provérbios – preceitos inspirados que tratam de
sabedoria e estúlticia, orgulho e humildade, justiça
e vingança, indolência e trabalho, pobreza e
riqueza, amigos e vizinhos, amor e lascívia, ira e
contenda, patrões e empregados, vida e morte
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Estas máximas não
são teóricas, e, sim,
práticas; podem ser
memorizadas com
facilidade, verdades
perenes que
atingem cada faceta
das relações
humanas. Ler um
provérbio não leva
mas que uns poucos
segundoa, aplicar
um provérbio pode
levar a vida inteira.
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
A Doutrina dos Provérbios.
A essência do Livro dos Provérbios é o ensino da moral
e dos princípios éticos.
A peculiaridade deste livro é que ele ensina principalmente
por meio de contrastes. Especialmente dignos de nota são os
capítulos 10-15, onde quase todo versículo distingue-se pela
palavra "mas".
Provérbios 10
1 PROVÉRBIOS de Salomão: O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é a tristeza de
sua mãe.
2 Os tesouros da impiedade de nada aproveitam; mas a justiça livra da morte.
3 O SENHOR não deixa o justo passar fome, mas rechaça a aspiração dos perversos.
4 O que trabalha com mão displicente empobrece, mas a mão dos diligentes enriquece.
5 O que ajunta no verão é filho ajuizado, mas o que dorme na sega é filho que envergonha.
6 Bênçãos há sobre a cabeça do justo, mas a violência cobre a boca dos perversos.
7 A memória do justo é abençoada, mas o nome dos perversos apodrecerá.
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Peculiar a esta seção de Provérbios é a
personificação da sabedoria como se fosse
uma mulher. Pela primeira vez aparece em
3:15. Provérbios 7:4 abre o caminho à
personificação: "4 Dize à sabedoria: Tu és
minha irmã; e à prudência chama de tua
parenta". Ela se completa nos capítulos 8 e 9,
onde a Sabedoria convida os tolos a
participarem de sua festa. Só em Provérbios e
só nesta primeira parte a sabedoria foi assim
personificada.
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
• Na segunda seção, os Provérbios de Salomão, 10:1 –
22:16, a doutrina é apresentada quase que
exclusivamente através de versículos isolados.
• Através do capítulo 15, o ensino é feito por meio de
contraste, indicado por um 'irias" no meio de
quase todos os versículos. Subseqüentemente há
paralelos de idéias mais freqüentes que os
contrastes.
• Esta seção cobre uma larga escala de assuntos e torna
difícil fazer um esboço. O ponto de vista, contudo, é
bastante consistente. Salomão faz um contraste
entre a sabedoria e a loucura.
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Autoria.
O nome de Salomão aparece em três partes do livro - 1:1;
10:1; 25:1. Há portanto uma reivindicação de autoria
salomônica para a maior parte das seções, na realidade
para quase todas com exceção das Partes III, 22:17 –
24:22; IV, 24:23-34; e VI 30:1 – 31:31. Esta reivindicação é
discutida por mestres da crítica.
O fato é que por mais que se dê atenção a estas evidências
internas não se consegue datar corretamente o livro ou as
suas coleções. Assumindo que provérbios seculares tenham
precedido os religiosos, ou as máximas mais simples às
variedades mais desenvolvidas, ainda se pode considerar
que o desenvolvimento até o complexo e o religioso já
estava completo antes do tempo de Salomão
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Propósito:
O conhecimento é nada mais do que uma acumulação de
fatos brutos, mas a sabedoria é a capacidade de ver as
pessoas, eventos e situações como Deus os vê.
No Livro de Provérbios, Salomão revela a mente de Deus
em assuntos superiores e nobres, assim como em assuntos
ordinários e situações cotidianas.
Parece que nenhum assunto escapou à atenção do rei
Salomão. Questões relativas à conduta pessoal, relações
sexuais, negócios, prosperidade, amor, ambição, disciplina,
dívidas, educação infantil, caráter, álcool, política, vingança e
piedade estão entre os vários temas abordados neste rica
coleção de provérbios.
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Versículos-chave:
Provérbios 1:5: “Ouça o sábio e cresça em prudência; e o
instruído adquira habilidade.”
Provérbios 1:7: “O temor do SENHOR é o princípio do saber,
mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino.”
Provérbios 4:5: “adquire a sabedoria, adquire o
entendimento e não te esqueças das palavras da minha
boca, nem delas te apartes.”
Provérbios 8:13-14: “O temor do SENHOR consiste em
aborrecer o mal; a soberba, a arrogância, o mau caminho e a
boca perversa, eu os aborreço. Meu é o conselho e a
verdadeira sabedoria, eu sou o Entendimento, minha é a
fortaleza.”
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Resumo:
Resumir o livro de Provérbios é um pouco difícil, pois
ao contrário de muitos outros livros da Bíblia, não há
nenhuma conspiração ou enredo encontrado em
suas páginas; da mesma forma, não existem
personagens principais do livro.
A sabedoria é o seu foco - uma sabedoria grande e
divina que transcende toda a história, povos e
culturas. Mesmo uma leitura superficial deste
tesouro magnífico revela que os provérbios do sábio
rei Salomão são tão relevantes hoje como eram há
cerca de três mil anos atrás.
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Aplicação Prática:
• Há uma inegável praticidade encontrada neste livro, pois em seus
trinta e um capítulos encontramos respostas sensatas a todos os
tipos de dificuldades complexas.
• Provérbios certamente é o melhor “manual” já escrito e aqueles
que têm o bom senso de seguir de coração as lições de Salomão
vão descobrir rapidamente que piedade, prosperidade e
contentamento estão disponíveis aos que pedem.
• A promessa recorrente do Livro dos Provérbios é que aqueles
que escolhem obter sabedoria e seguir a Deus serão
abençoados de várias maneiras: com longa vida (9:11),
prosperidade (2:20-22), alegria (3:13-18) e bondade de
Deus (12:21).
• Aqueles que O rejeitam, por outro lado, sofrem vergonha e morte
(3:35, 10:21). Rejeitar a Deus é escolher loucura à sabedoria e é
separar-nos de Deus, Sua Palavra, Sua sabedoria e bênçãos.
Provérbios
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Eclesiastes
Eclesiastes é um livro profundo que registra a intensa busca
do Pregador (tradicionalmente entendido como Salomão)
pelo sentido e satisfação da vida – a despeito das injustiças,
inconsistências e aparente absurdos da vida terrena,
considera-se um tratado a cerca da vida.
A palavra chave de Eclesiastes é “vaidade”, a vã futilidade de
tentar dar sentido para vida à parte de Deus. Olhar para as
coisas “debaixo do sol”, perseguir a vida, isso só leva à
frustração. Poder, prestígio, prazer – nada
preenche a lacuna da imagem divina na vida
do homem – exceto Deus mesmo. Vista, porém, do
prisma divino, a vida se torna cheia de sentido e cumpre um
propósito.
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Título.
O livro de Eclesiastes conservou o nome que tem na versão
grega, isto é, ekklesiastes, "assembléia".
A palavra hebraica, qohelet, "aquele que se reúne em
assembléia".
Considera-se que isto significa:
1) "aquele que coleciona" ditos sábios (cons. 12:9, 10), ou
2) "aquele que se dirige a uma assembléia", isto é, um
pregador ou orador, implicando na idéia de que alguém
reúne um grupo em assembléia com o propósito de lhe
falar.
3) Aceita-se de maneira geral que constitui um título técnico
para indicar um ofício.
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Data e Autoria.
Até o século dezenove cria-se de modo geral que Salomão
escrevera o livro em sua totalidade. Atualmente grande
parte dos mestres concordam que Salomão não foi o autor,
mas antes que a obra é o produto de época pós-exílica.
Contudo, costumam aceitar geralmente que a figura central
do livro é Salomão e que o autor desconhecido o usou como
artifício literário para transmitir sua mensagem. Ele não
tinha a intenção de enganar seus leitores originais, e sem
dúvida ninguém foi realmente enganado. A falta de
certeza quanto à autoria não destrói a canonicidade
do livro.
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Propósito:
Eclesiastes é um livro de perspectiva. A narrativa do “Pregador”,
ou “Sábio”, revela a depressão que inevitavelmente resulta
da procura da felicidade em coisas mundanas.
Este livro dá aos Cristãos a oportunidade de ver o mundo através
dos olhos de uma pessoa que, apesar de muito sábio, está
tentando encontrar sentido em coisas humanas e temporárias.
Quase todas as formas de prazer mundano são exploradas pelo
Pregador, e nenhuma delas lhe dá sentido algum.
No final, o pregador chega a aceitar que a fé em Deus é a única
maneira de encontrar um significado pessoal. Ele decide aceitar o
fato de que a vida é breve e, no fim das contas, inútil sem Deus. O
pregador aconselha o leitor a concentrar-se em um Deus eterno,
em vez de prazer temporário.
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Versículos-chave:
Eclesiastes 1:2: “Vaidade de vaidades, diz o Pregador; vaidade de
vaidades, tudo é vaidade.”
Eclesiastes 1:18: “Porque na muita sabedoria há muito enfado; e
quem aumenta ciência aumenta tristeza.”
Eclesiastes 2:11: “Considerei todas as obras que fizeram as
minhas mãos, como também o trabalho que eu, com fadigas,
havia feito; e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e
nenhum proveito havia debaixo do sol.”
Eclesiastes 12:1: “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua
mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos
dos quais dirás: Não tenho neles prazer.”
Eclesiastes 12:13: “De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme
a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de
todo homem.”
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Resumo:
Duas frases são repetidas muitas vezes
em Eclesiastes. A palavra traduzida
como “vaidade” aparece muitas vezes
e é usada para enfatizar a natureza
temporária das coisas mundanas.
No fim das contas, mesmo as
conquistas humanas mais
impressionantes serão deixada para
trás. A expressão “debaixo do sol”
ocorre 28 vezes e refere-se ao mundo
mortal. Quando o pregador se refere a
“todas as coisas debaixo do sol”, ele
está falando de coisas terrenas,
temporárias e humanas.
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Aplicação Prática:
Eclesiastes oferece ao Cristão a oportunidade de
compreender o vazio e o desespero com os quais
aqueles que não conhecem a Deus têm que lidar.
Aqueles que não têm uma fé salvadora em Cristo se
deparam com uma vida que no fim das contas vai
acabar e tornar-se irrelevante. Se não há salvação, e não
há Deus, então não existe nenhum sentido, propósito ou
direção para a vida. O “mundo debaixo do sol”, longe de
Deus, é frustrante, cruel, injusto, breve e total “vaidade”.
No entanto, com Cristo a vida é apenas uma sombra
das glórias por vir em um paraíso que só é acessível
por meio dEle.
Eclesiastes
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Cantares de Salomão
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Nome, Autoria e Integridade.
Este livro, pertencente aos cinco megilloth, ou
pergaminhos, era anualmente lido pelos judeus no oitavo dia da
Páscoa.
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
30 E era a sabedoria de Salomão maior do que a sabedoria de todos
os do oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios.
31 E era ele ainda mais sábio do que todos os homens, e do que Etã,
ezraíta, e Hemã, e Calcol, e Darda, filhos de Maol; e correu o seu
nome por todas as nações em redor.
32 E disse três mil provérbios, e foram os seus cânticos mil e cinco.
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
Interpretação.
Quanto ao seu gênero literário, os Cantares de Salomão obviamente
constituem um poema de amor. A dificuldade está em como
interpretá-lo. Abaixo damos algumas das variadas interpretações que
têm sido apresentadas.
1. Alegórica.
Esta é a interpretação comum dos judeus da antiguidade e
deles passou para a Igreja Cristã. Os judeus
consideravam o Hino como uma expressão do
relacionamento amoroso entre Deus e o seu povo
escolhido. A Igreja Cristã via nele o reflexo do amor
entre Cristo e a Igreja. Essencialmente, este ponto de
vista tem sido advogado por Hengstenberg e Keil.
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
2. A interpretação dramática.
A essência desta interpretação, conforme advogada
por Franz Delitzsch, é que o Hino é um drama
apresentando Salomão apaixonado pela Sulamita,
uma jovem inculta, a qual ele introduz no palácio
real em Jerusalém.
Uma forma particular desta interpretação, a
hipótese do pastor, introduz no Hino um terceiro
personagem, um pastor, ao qual a jovem sulamita
permanece fiel apesar das atitudes de Salomão.
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização
3. A interpretação típica.
Esta interpretação também defende que no Hino foi
descrito o grande amor entre Cristo e a Igreja,
sendo o Rei Salomão considerado um tipo de
Cristo, e a esposa representando a Igreja.
Este ponto de vista difere do alegórico pois tenta
justificar a própria linguagem do Hino sem buscar um
significado especial em cada frase, como faz a
interpretação alegórica.
SeminárioTeológicoShalom
ProduzidopeloProf.RicardoGondim
Proibidaareproduçãosemautorização

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - EclesiastesEstudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - EclesiastesRODRIGO FERREIRA
 
Provérbios de salomão
Provérbios de salomãoProvérbios de salomão
Provérbios de salomãoCorreios
 
126450661 introducao-ao-livro-de-proverbios
126450661 introducao-ao-livro-de-proverbios126450661 introducao-ao-livro-de-proverbios
126450661 introducao-ao-livro-de-proverbiosEvaldo Azevedo
 
A Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros PoéticosA Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros PoéticosGustavo Zimmermann
 
Livros Poéticos: Jó
Livros Poéticos: JóLivros Poéticos: Jó
Livros Poéticos: JóViva a Igreja
 
Lição 2 - Quem era Jó
Lição 2 - Quem era JóLição 2 - Quem era Jó
Lição 2 - Quem era JóÉder Tomé
 
Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)
Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)
Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)Éder Tomé
 
Panorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - EclesiastesPanorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - EclesiastesRespirando Deus
 
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?Éder Tomé
 
Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]
Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]
Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]Éder Tomé
 

Mais procurados (18)

Estudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - EclesiastesEstudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
Estudo dos livros Poéticos - Eclesiastes
 
23. Os poéticos: Jó
23. Os poéticos: Jó23. Os poéticos: Jó
23. Os poéticos: Jó
 
Provérbios de salomão
Provérbios de salomãoProvérbios de salomão
Provérbios de salomão
 
126450661 introducao-ao-livro-de-proverbios
126450661 introducao-ao-livro-de-proverbios126450661 introducao-ao-livro-de-proverbios
126450661 introducao-ao-livro-de-proverbios
 
Esboço do livro de provérbios
Esboço do livro de provérbiosEsboço do livro de provérbios
Esboço do livro de provérbios
 
028 proverbios
028 proverbios028 proverbios
028 proverbios
 
26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes26. Os poéticos: Eclesiastes
26. Os poéticos: Eclesiastes
 
A Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros PoéticosA Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
A Bíblia (Aula 7): Livros Poéticos
 
Livros Poéticos: Jó
Livros Poéticos: JóLivros Poéticos: Jó
Livros Poéticos: Jó
 
Os Poéticos
Os PoéticosOs Poéticos
Os Poéticos
 
Eclesiastes
EclesiastesEclesiastes
Eclesiastes
 
Lição 2 - Quem era Jó
Lição 2 - Quem era JóLição 2 - Quem era Jó
Lição 2 - Quem era Jó
 
Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)
Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)
Lição 3 - Jó e a Realidade de Satanás (Windscreen)
 
Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05Eclesiastes - AULA 05
Eclesiastes - AULA 05
 
Panorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - EclesiastesPanorama do AT - Eclesiastes
Panorama do AT - Eclesiastes
 
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?
Lição 8 - A Teologia de Zofar: O justo não passa por tribulação?
 
Aula 11 - Livros Poéticos
Aula 11 - Livros PoéticosAula 11 - Livros Poéticos
Aula 11 - Livros Poéticos
 
Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]
Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]
Lição 2 - Quem era Jó [windescreen]
 

Destaque

Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação siteRicardo Gondim
 
A Estrutura De Uma Boa Redação
A Estrutura De Uma Boa RedaçãoA Estrutura De Uma Boa Redação
A Estrutura De Uma Boa RedaçãoJoemille Leal
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06Joel de Oliveira
 
Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3
Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3
Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3Amor pela EBD
 
Equilibrando Trabalho, Família e Vida Pessoal
Equilibrando Trabalho, Família e Vida PessoalEquilibrando Trabalho, Família e Vida Pessoal
Equilibrando Trabalho, Família e Vida PessoalANCP Ribeirão Preto
 
Lição 7. As estações da vida.
Lição 7. As estações da vida.Lição 7. As estações da vida.
Lição 7. As estações da vida.André Rocha
 
65 Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)
65   Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)65   Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)
65 Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)Robson Tavares Fernandes
 
O Tempo Para todas as Coisas.
O Tempo Para todas as Coisas.O Tempo Para todas as Coisas.
O Tempo Para todas as Coisas.Antonio Fernandes
 
Grécia antiga - cultura e expansão territorial
Grécia antiga - cultura e expansão territorialGrécia antiga - cultura e expansão territorial
Grécia antiga - cultura e expansão territorialRodrigo Santiago
 
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPADTudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPADQuenia Damata
 
Eclesiastes 3
Eclesiastes 3Eclesiastes 3
Eclesiastes 3Enerliz
 

Destaque (20)

Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
 
A Estrutura De Uma Boa Redação
A Estrutura De Uma Boa RedaçãoA Estrutura De Uma Boa Redação
A Estrutura De Uma Boa Redação
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
 
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 063° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
3° trimestre 2015 Adolescentes Lição 06
 
O que é morrer ?
O que é morrer ?O que é morrer ?
O que é morrer ?
 
LIÇÃO 13 - TEMA A DEUS EM TODO TEMPO
LIÇÃO 13 - TEMA A DEUS EM TODO TEMPOLIÇÃO 13 - TEMA A DEUS EM TODO TEMPO
LIÇÃO 13 - TEMA A DEUS EM TODO TEMPO
 
Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3
Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3
Tempo e Trabalho - Eclesiastes 3
 
Esboço redação
Esboço redaçãoEsboço redação
Esboço redação
 
Equilibrando Trabalho, Família e Vida Pessoal
Equilibrando Trabalho, Família e Vida PessoalEquilibrando Trabalho, Família e Vida Pessoal
Equilibrando Trabalho, Família e Vida Pessoal
 
Lição 7. As estações da vida.
Lição 7. As estações da vida.Lição 7. As estações da vida.
Lição 7. As estações da vida.
 
65 Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)
65   Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)65   Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)
65 Estudo Panorâmico da Bíblia (o livro de Eclesiastes)
 
O Tempo Para todas as Coisas.
O Tempo Para todas as Coisas.O Tempo Para todas as Coisas.
O Tempo Para todas as Coisas.
 
Lição 9 - O Tempo para Todas as Coisas
Lição 9 - O Tempo para Todas as CoisasLição 9 - O Tempo para Todas as Coisas
Lição 9 - O Tempo para Todas as Coisas
 
Grécia antiga - cultura e expansão territorial
Grécia antiga - cultura e expansão territorialGrécia antiga - cultura e expansão territorial
Grécia antiga - cultura e expansão territorial
 
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPADTudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
Tudo tem o seu tempo - Lição 11 CPAD
 
Eclesiastes 3
Eclesiastes 3Eclesiastes 3
Eclesiastes 3
 
O cristão empreendedor
O cristão empreendedorO cristão empreendedor
O cristão empreendedor
 

Semelhante a Poéticos II

Lições biblicas 4 trimestre liçao 1
Lições biblicas 4 trimestre liçao 1Lições biblicas 4 trimestre liçao 1
Lições biblicas 4 trimestre liçao 1vandiney
 
Lição 1 do 4º trimestre O Valor dos Bons Conselhos.
Lição 1 do 4º trimestre  O Valor dos Bons Conselhos.Lição 1 do 4º trimestre  O Valor dos Bons Conselhos.
Lição 1 do 4º trimestre O Valor dos Bons Conselhos.Antonio Fernandes
 
12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptx
12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptx12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptx
12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptxPIB Penha
 
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1Anderson Silva
 
4º trimestre 2015 juvenis lição 06
4º trimestre 2015 juvenis lição 064º trimestre 2015 juvenis lição 06
4º trimestre 2015 juvenis lição 06Joel Silva
 
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhosAnderson Silva
 
3 eclesiastes cap 1 ao 2
3  eclesiastes cap 1 ao 23  eclesiastes cap 1 ao 2
3 eclesiastes cap 1 ao 2PIB Penha
 
1 apresentacao livros poeticos
1   apresentacao livros poeticos1   apresentacao livros poeticos
1 apresentacao livros poeticosPIB Penha
 
Livros Poéticos - Provérbios.pptx
Livros Poéticos - Provérbios.pptxLivros Poéticos - Provérbios.pptx
Livros Poéticos - Provérbios.pptxDouglasMoraes54
 
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)Antonio Filho
 
16 provérbios, eclesiastes e cantares
16 provérbios, eclesiastes e cantares16 provérbios, eclesiastes e cantares
16 provérbios, eclesiastes e cantaresPIB Penha
 
Falatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de LuzFalatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de LuzDalila Melo
 
As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015
As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015
As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015Gerson G. Ramos
 
Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Viva a Igreja
 
O tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisasO tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisasMoisés Sampaio
 

Semelhante a Poéticos II (20)

Lições biblicas 4 trimestre liçao 1
Lições biblicas 4 trimestre liçao 1Lições biblicas 4 trimestre liçao 1
Lições biblicas 4 trimestre liçao 1
 
Lição 1 do 4º trimestre O Valor dos Bons Conselhos.
Lição 1 do 4º trimestre  O Valor dos Bons Conselhos.Lição 1 do 4º trimestre  O Valor dos Bons Conselhos.
Lição 1 do 4º trimestre O Valor dos Bons Conselhos.
 
Lição 1 O Valor dos Bons Conselhos
Lição 1   O Valor dos Bons ConselhosLição 1   O Valor dos Bons Conselhos
Lição 1 O Valor dos Bons Conselhos
 
12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptx
12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptx12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptx
12 - panorama do AT -proverbios, eclesiastes e cantares.pptx
 
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1Lições Bíblicas CPAD   4º trimestre 2013 - Lição 1
Lições Bíblicas CPAD 4º trimestre 2013 - Lição 1
 
01
0101
01
 
Lição 1
Lição 1Lição 1
Lição 1
 
LIVROS POÉTICOS (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS POÉTICOS (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)LIVROS POÉTICOS (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
LIVROS POÉTICOS (AULA 03 - BÁSICO - IBADEP)
 
4º trimestre 2015 juvenis lição 06
4º trimestre 2015 juvenis lição 064º trimestre 2015 juvenis lição 06
4º trimestre 2015 juvenis lição 06
 
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhos
 
3 eclesiastes cap 1 ao 2
3  eclesiastes cap 1 ao 23  eclesiastes cap 1 ao 2
3 eclesiastes cap 1 ao 2
 
1 apresentacao livros poeticos
1   apresentacao livros poeticos1   apresentacao livros poeticos
1 apresentacao livros poeticos
 
Boletim iecjc 2014 01 05
Boletim iecjc 2014 01 05Boletim iecjc 2014 01 05
Boletim iecjc 2014 01 05
 
Livros Poéticos - Provérbios.pptx
Livros Poéticos - Provérbios.pptxLivros Poéticos - Provérbios.pptx
Livros Poéticos - Provérbios.pptx
 
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
Lição 01 (o valor dos bons conselhos)
 
16 provérbios, eclesiastes e cantares
16 provérbios, eclesiastes e cantares16 provérbios, eclesiastes e cantares
16 provérbios, eclesiastes e cantares
 
Falatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de LuzFalatórios Vinha de Luz
Falatórios Vinha de Luz
 
As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015
As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015
As bênçãos dos justos_Lição_original com textos_512015
 
Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2Como interpretar a Bíblia 2
Como interpretar a Bíblia 2
 
O tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisasO tempo para todas as coisas
O tempo para todas as coisas
 

Mais de Ricardo Gondim

Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de OrígenesRicardo Gondim
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseirosRicardo Gondim
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesRicardo Gondim
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénRicardo Gondim
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvaçãoRicardo Gondim
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteRicardo Gondim
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusRicardo Gondim
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande SalvadorRicardo Gondim
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do EvangelhoRicardo Gondim
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de HebreusRicardo Gondim
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoRicardo Gondim
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Ricardo Gondim
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Ricardo Gondim
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Ricardo Gondim
 

Mais de Ricardo Gondim (20)

Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
 
Salvação I
Salvação ISalvação I
Salvação I
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseiros
 
Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
 
Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
 
Pedagogia pastoral
Pedagogia pastoralPedagogia pastoral
Pedagogia pastoral
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
 

Último

Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoFabioLofrano
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentaçãoantonio211075
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Priscilatrigodecamar
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024LeonardoQuintanilha4
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 

Último (14)

Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 

Poéticos II