SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
• Oração
• É um dos assuntos mais difíceis de estudar na Bíblia
é a oração, porque não se aprende a orar ensinando, e
sim praticando a oração.
• A oração não é um dever piedoso.
• O apóstolo Paulo dá ênfase total a oração, mostrando
que ela deve ocupar lugar de destaque em nossas vida
(I Tm2:1).
• Analogia:
• (do Gr. αναλογία – analogia, "proporção) é um
processo cognitivo de transferência de informação ou
significado de um sujeito particular (fonte) para outro
sujeito particular (alvo), e também pode significar uma
expressão linguística correspondendo a este processo.
• Num sentido mais específico, analogia é uma inferência
ou um argumento de um particular para outro particular,
em oposição à dedução, indução e abdução, nas quais
pelo menos uma das premissas ou conclusão é geral.
• A palavra analogia também pode se referir à relação
entre fonte e alvo, que pode ser, não necessariamente,
uma similitude, como na noção biológica de analogia.
• William James disse que "a razão pela qual oramos é
que simplesmente não podemos evitar a oração".
• De verdade, todos temos a intuição de buscar a Deus
através da oração. Prova disso é que, como uma
criança chora quando está com fome, nos momentos de
maior angústia e adversidade nossas entranhas
clamarão pelo Senhor. Ao invés de enxergar a oração
como um sacrifício ou uma penitencia, a palavra a
revela como uma disciplina, não é um sacrifício, ou um
esforço para se obter um prêmio, devemos compreender
que a oração é o desenvolvimento de um
relacionamento natural com Deus.
• 1º - Ensinamentos de Jesus.
• Jesus está ensinando como orar.
• Depois de expor a oração do Pai Nosso, ele traz uma
figura bastante conhecida de todos os seus ouvintes
mostrando uma analogia de súplica em exposição: O
que um amigo faz ao outro? Ele sabe que a oração é o
ambiente onde transcorre a melhor amizade, pois
podemos abrir nosso coração, necessidades, ou
simplesmente estarmos juntos pelo prazer da
convivência.
• a) Um relacionamento entre amigos.
• O relacionamento de amigos (v. 5-8 NVI "...
suponham que um de vocês tenha um amigo...")
• Amigo que é amigo será sensível, atenderá nos
momentos de lutas, muitas vezes oferecendo seu ombro
e capacidade de ouvir.
• Assim como temos amigos na terra, podemos ter um
amigo nos céus.
• Somos convidados a desenvolvermos essa amizade
através da oração, afinal Jesus nos chamou de amigos
(João 15.15).
• b) Um relacionamento de Pai pra Filho.
• O relacionamento pai/filho (v 11-13 – NVI) "... qual
pai, entre vocês, se o filho pedir um peixe, em lugar
disso lhe dará uma cobra?..."
• A segunda analogia de Cristo é ainda mais chocante.
• Como pai você consegue imaginar-se dando uma pedra
(Mateus 7:9) para seu filho comer? Ou, pior ainda,
dando-lhe um escorpião? O Senhor nos vê como filhos.
Por essa razão ele abre-se para um relacionamento
nessa dimensão.
• Como pai ele é provedor, responsável, cuidador,
orientador e tantas virtudes mais que possam ser
elencadas. Nós recebemos espírito de filhos, por isso
podemos chamá-lo de papai (Romanos 8.15; Gálatas
4.6-7).
• Só os filhos têm acesso ao quarto dos pais, desfrutam
das refeições juntos, levam "palmadas", são herdeiros e
levam em seu DNA a semelhança hereditária.
• c) Um relacionamento de Noivo pra Noiva.
• Esse trecho não apresenta expressamente Jesus
como noivo e seus discípulos como noiva, mas o
narrador já havia revelado anteriormente essa analogia
(Lucas 5.34-35). Aqui temos uma nova e amplificada
dimensão de nosso relacionamento em oração. Essa
analogia expressa o prazer de estar juntos, a alegria de
sonhar juntos, o amor latente, as confidências, a
proteção, o comprometimento.
• A oração é um grande momento de prazer, mas poucos
se entregam nesta dimensão. Ela contém um potencial
de alegria e júbilo, pois é o próprio Deus se movendo
em nós através do seu Espírito Santo.
• 2º - Como devo Orar.
• Como Jesus Nos Ensinou...
• A oração deve ser pessoal, praticada e refletida.
• A oração que Jesus ensinou aos seus discípulos deve
ser um modelo estrutural, e não uma “reza” ou uma vã
repetição, como está escrito em (Mateus 6:7) “E,
orando, não useis de vãs repetições, como os
gentios; porque pensam que pelo seu muito repetir
serão ouvidos”. (BLH)
• 3º - Para que devemos Orar...
• Para enfrentarmos as agruras deste mundo, e
mantermos nossa comunhão com nosso Pai Celestial.
“...A oração feita por um justo pode muito em seus
efeitos...” (Tiago 5:16), o poder da oração atua em
nossas vida: nos educando, trazendo a confiança,
esperança e paciência, para esperar-nos na soberana
vontade de Deus e no seu tempo.
• Pois tudo esta sob seu controle absoluto em conhecer
todas as coisas.
• As recomendações bíblicas abaixo, nos estimulam a
orar porque o homem natural precisa ser educado a
esperar em Deus.
• “...Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te
perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o
louvarei pela salvação que há na sua presença...”
(Salmos 42:5)
• § Vigiar - Disse Jesus: “Vigiai e orai, para que não
entreis em tentação. Na verdade o espírito está pronto,
mas a carne é fraca” (Mt 26:41). O apostolo Paulo nos
recomenda vigiarmos sempre: “Orai sem cessar” (1Ts
5:17).
• § Dar Graças - Por tudo que o Senhor nos tem
concedido “A ti, ó Deus de meus pais, eu te rendo
graças e te louvo, porque me deste sabedoria e poder”
“Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus
em Cristo Jesus para convosco” (Dn 2:23; 1Ts 5:18).
• § Recebermos - “E tudo quanto pedirdes em oração,
crendo, recebereis” (Mt 21:22);
• § Alcançarmos Graça – “Isaque orou ao Senhor por sua
mulher, que era estéril; e o Senhor lhe ouviu as orações,
e Rebeca concedeu” (Gn 25:4);
• § Cura - “Aconteceu achar-se enfermo de disenteria,
ardendo em febre, o pai de Públio, Paulo foi visitá-lo e,
orando, impôs-lhe as mãos e o curou” (At 28:8);
• § Libertação – “Por volta de meia-noite, Paulo e Silas
oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais
companheiros de prisão escutavam. De repente
sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces
da prisão; abriram-se todas as portas; soltaram-se as
cadeias de todos“.(At 16:25 e 26);
• § Termos Discernimento - “Para que Deus do Senhor
Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de
sabedoria e de revelação do pleno conhecimento dele”
(Ef 1:17);
• § Mudar O Destino - “... quando me buscardes de todo
vosso coração. Serei achado de vós, diz o Senhor, e
farei mudar a vossa sorte...” (Jr 29:13 e 14);
• § Expulsar - “...esta casta não pode sair senão por meio
de oração e jejum” (Mc 9:29)
• 4º - Jejum
• O QUE É JEJUM ?
• É Um Processo De Abstenção De Alimentos...
• Se abster de alimentação sólida ou líquida (com
exceção da água – vital) ou mesmo restringir sua dieta
por um período de tempo ou por dias (Mt 4:2; At 9:9; Dt
9:9; I Reis 19:8; Dn 10:3).
• Tem Como Propósito...
• A santificação individual, como exercício espiritual de
domínio sobre a própria carne, com propósitos bem
definidos e não como uma dieta estética.
• § O jejum é um exercício espiritual; nos prepara, quebra
o orgulho e enfraquece os instintos humanos. (Salmo
69:10; 35:13);
• § Para fazer com que Deus mude a direção das coisas.
No livro de Jonas, a cidade prevaleceu pelo jejum e
oração. (Jonas 3:4-10);
• § Para soltar os cativos e derrotar a Satanás.
• O jejum nos fortalece para “em nome de Jesus”
enfrentarmos os principados e potestades. (Isaías 58:6;
49:24-25);
• § Para receber revelação específica de Deus para
nossas vidas (Daniel 9:2-3; 21-22);
• § Para subjugar o corpo O jejum nos ajuda a disciplinar
o corpo.
• Os apetites do corpo são lícitos mas temos que tê-los
sob controle; o físico submisso ao espiritual. (I Cor 9:27;
Êx 16:3; Nm 11:4-5).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipuladoValdinar Viana
 
1º módulo 4ª aula
1º módulo   4ª aula1º módulo   4ª aula
1º módulo 4ª aulaJoel Silva
 
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da FéLição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da FéÉder Tomé
 
5º módulo 1ª aula
5º módulo   1ª aula5º módulo   1ª aula
5º módulo 1ª aulaJoel Silva
 
2º módulo 3ª aula
2º módulo   3ª aula2º módulo   3ª aula
2º módulo 3ª aulaJoel Silva
 
Doutrina sal da terra.
Doutrina  sal da terra.Doutrina  sal da terra.
Doutrina sal da terra.Joel Silva
 
2º módulo 2ª aula
2º módulo   2ª aula2º módulo   2ª aula
2º módulo 2ª aulaJoel Silva
 
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaLição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaÉder Tomé
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaÉder Tomé
 
Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018Hamilton Souza
 
Lição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo NascimentoLição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo NascimentoÉder Tomé
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusRicardo Gondim
 
Errata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Errata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a MoisésErrata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Errata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a MoisésÉder Tomé
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de HebreusRicardo Gondim
 

Mais procurados (17)

Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
 
1º módulo 4ª aula
1º módulo   4ª aula1º módulo   4ª aula
1º módulo 4ª aula
 
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da FéLição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
Lição 12 - Exortações Finais na Grande Maratona da Fé
 
5º módulo 1ª aula
5º módulo   1ª aula5º módulo   1ª aula
5º módulo 1ª aula
 
2º módulo 3ª aula
2º módulo   3ª aula2º módulo   3ª aula
2º módulo 3ª aula
 
Doutrina sal da terra.
Doutrina  sal da terra.Doutrina  sal da terra.
Doutrina sal da terra.
 
Lição 5 Hebreus
Lição 5   Hebreus Lição 5   Hebreus
Lição 5 Hebreus
 
2º módulo 2ª aula
2º módulo   2ª aula2º módulo   2ª aula
2º módulo 2ª aula
 
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação GrandiosaLição 2 - Uma Salvação Grandiosa
Lição 2 - Uma Salvação Grandiosa
 
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem LevíticaLição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
Lição 5 - Cristo é Superior a Arão e à Ordem Levítica
 
Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018Revista dulto 1° trimestre 2018
Revista dulto 1° trimestre 2018
 
Meus esboços 1
Meus esboços 1Meus esboços 1
Meus esboços 1
 
Lição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo NascimentoLição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
Lição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
 
Errata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Errata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a MoisésErrata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
Errata Lição 3 - A Superioridade de Jesus em relação a Moisés
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 

Destaque

16 ise - livros históricos - ii
16   ise - livros históricos - ii16   ise - livros históricos - ii
16 ise - livros históricos - iiLéo Mendonça
 
17 ise - livros sapienciais e poéticos
17   ise - livros sapienciais e poéticos17   ise - livros sapienciais e poéticos
17 ise - livros sapienciais e poéticosLéo Mendonça
 
Store Owner
Store OwnerStore Owner
Store OwnerRyan Yue
 
Calendario Agosto 2016
Calendario Agosto 2016Calendario Agosto 2016
Calendario Agosto 2016moonmentum
 
Comics and health education un’opportunità per promuovere la salute
Comics and health education  un’opportunità per promuovere la salute Comics and health education  un’opportunità per promuovere la salute
Comics and health education un’opportunità per promuovere la salute Giuseppe Fattori
 
Los árboles de mi instituto
Los árboles de mi institutoLos árboles de mi instituto
Los árboles de mi institutoMarga Casaus
 
07 ise - revisão geral
07   ise - revisão geral07   ise - revisão geral
07 ise - revisão geralLéo Mendonça
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egitoJoel Silva
 
03 ise - revisão dv e vd
03  ise - revisão dv e vd03  ise - revisão dv e vd
03 ise - revisão dv e vdLéo Mendonça
 
Calendario Enero 2017
Calendario Enero 2017Calendario Enero 2017
Calendario Enero 2017moonmentum
 
La poesía posterior a la guerra civil
La poesía posterior a la guerra civilLa poesía posterior a la guerra civil
La poesía posterior a la guerra civiljsaboritbasanta
 

Destaque (20)

16 ise - livros históricos - ii
16   ise - livros históricos - ii16   ise - livros históricos - ii
16 ise - livros históricos - ii
 
17 ise - livros sapienciais e poéticos
17   ise - livros sapienciais e poéticos17   ise - livros sapienciais e poéticos
17 ise - livros sapienciais e poéticos
 
Store Owner
Store OwnerStore Owner
Store Owner
 
Calendario Agosto 2016
Calendario Agosto 2016Calendario Agosto 2016
Calendario Agosto 2016
 
Comics and health education un’opportunità per promuovere la salute
Comics and health education  un’opportunità per promuovere la salute Comics and health education  un’opportunità per promuovere la salute
Comics and health education un’opportunità per promuovere la salute
 
Els antiinflamatoris tipus aspirina o ibuprofèn i les malalties del cor, rena...
Els antiinflamatoris tipus aspirina o ibuprofèn i les malalties del cor, rena...Els antiinflamatoris tipus aspirina o ibuprofèn i les malalties del cor, rena...
Els antiinflamatoris tipus aspirina o ibuprofèn i les malalties del cor, rena...
 
Los árboles de mi instituto
Los árboles de mi institutoLos árboles de mi instituto
Los árboles de mi instituto
 
05 A Bíblia
05  A Bíblia05  A Bíblia
05 A Bíblia
 
11 ise - o sagrado
11   ise - o sagrado11   ise - o sagrado
11 ise - o sagrado
 
02 Verbum Domini
02  Verbum Domini02  Verbum Domini
02 Verbum Domini
 
07 ise - revisão geral
07   ise - revisão geral07   ise - revisão geral
07 ise - revisão geral
 
12 ise - gênese
12   ise - gênese12   ise - gênese
12 ise - gênese
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egito
 
01 Dei Verbum
01  Dei Verbum01  Dei Verbum
01 Dei Verbum
 
03 ise - revisão dv e vd
03  ise - revisão dv e vd03  ise - revisão dv e vd
03 ise - revisão dv e vd
 
Calendario Enero 2017
Calendario Enero 2017Calendario Enero 2017
Calendario Enero 2017
 
06 caminho da bíblia
06  caminho da bíblia06  caminho da bíblia
06 caminho da bíblia
 
As três ordens de Jesus
As três ordens de JesusAs três ordens de Jesus
As três ordens de Jesus
 
La poesía posterior a la guerra civil
La poesía posterior a la guerra civilLa poesía posterior a la guerra civil
La poesía posterior a la guerra civil
 
Canterbury
CanterburyCanterbury
Canterbury
 

Semelhante a 3º módulo 3ª aula

Semelhante a 3º módulo 3ª aula (20)

Quanto vale a oração
Quanto vale a oraçãoQuanto vale a oração
Quanto vale a oração
 
Dp16 a oracao
Dp16 a oracaoDp16 a oracao
Dp16 a oracao
 
Grandesoracoes pg
Grandesoracoes pgGrandesoracoes pg
Grandesoracoes pg
 
4.a experiencia das disciplinas espirituais
4.a experiencia das disciplinas espirituais4.a experiencia das disciplinas espirituais
4.a experiencia das disciplinas espirituais
 
Praticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oraçãoPraticando os cinco tipos de oração
Praticando os cinco tipos de oração
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)
 
Introdução à espiritualidade
Introdução à espiritualidadeIntrodução à espiritualidade
Introdução à espiritualidade
 
Intro
IntroIntro
Intro
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
Livrodeefesios pg
Livrodeefesios pgLivrodeefesios pg
Livrodeefesios pg
 
Lição 10: O Avivamento na vida pessoal.pptx
Lição 10: O Avivamento na vida pessoal.pptxLição 10: O Avivamento na vida pessoal.pptx
Lição 10: O Avivamento na vida pessoal.pptx
 
A oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samzA oração ns escrts de samz
A oração ns escrts de samz
 
O valor da prece
O valor da preceO valor da prece
O valor da prece
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
 
Edição 13 setembro 2013
Edição 13 setembro 2013Edição 13 setembro 2013
Edição 13 setembro 2013
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
 
A oração nos escritos de samz
A oração nos escritos de samzA oração nos escritos de samz
A oração nos escritos de samz
 
Estudo Células 4
Estudo Células 4Estudo Células 4
Estudo Células 4
 
Louvorjuniores
LouvorjunioresLouvorjuniores
Louvorjuniores
 
Louvorjuniores
LouvorjunioresLouvorjuniores
Louvorjuniores
 

Mais de Joel Silva

Seguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruzSeguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruzJoel Silva
 
Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)Joel Silva
 
Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)Joel Silva
 
Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)Joel Silva
 
Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)Joel Silva
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Joel Silva
 
Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Joel Silva
 
A bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidadeA bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidadeJoel Silva
 

Mais de Joel Silva (20)

Seguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruzSeguir a cristo é carregar a cruz
Seguir a cristo é carregar a cruz
 
Colossences 4
Colossences 4Colossences 4
Colossences 4
 
Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)Colossences 3 (parte 3)
Colossences 3 (parte 3)
 
Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)Colossences 3 (parte 2)
Colossences 3 (parte 2)
 
Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)Colossences 3 (parte 1)
Colossences 3 (parte 1)
 
Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)Colossences 2 (parte 3)
Colossences 2 (parte 3)
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
 
Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)Colossences 1 (parte 4)
Colossences 1 (parte 4)
 
Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)Colossences 1 (parte 3)
Colossences 1 (parte 3)
 
Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)Colossences 1 (parte 2)
Colossences 1 (parte 2)
 
Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)Colossences 1 (parte 1)
Colossences 1 (parte 1)
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
A bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidadeA bíblia e a homossexualidade
A bíblia e a homossexualidade
 
Romanos 16
Romanos   16Romanos   16
Romanos 16
 
Romanos 15
Romanos   15Romanos   15
Romanos 15
 
Romanos 14
Romanos   14Romanos   14
Romanos 14
 
Romanos 13
Romanos   13Romanos   13
Romanos 13
 
Romanos 13
Romanos   13Romanos   13
Romanos 13
 
Romanos 12
Romanos   12Romanos   12
Romanos 12
 

Último

Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 

Último (12)

Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 

3º módulo 3ª aula

  • 1.
  • 2. • Oração • É um dos assuntos mais difíceis de estudar na Bíblia é a oração, porque não se aprende a orar ensinando, e sim praticando a oração. • A oração não é um dever piedoso. • O apóstolo Paulo dá ênfase total a oração, mostrando que ela deve ocupar lugar de destaque em nossas vida (I Tm2:1).
  • 3. • Analogia: • (do Gr. αναλογία – analogia, "proporção) é um processo cognitivo de transferência de informação ou significado de um sujeito particular (fonte) para outro sujeito particular (alvo), e também pode significar uma expressão linguística correspondendo a este processo. • Num sentido mais específico, analogia é uma inferência ou um argumento de um particular para outro particular, em oposição à dedução, indução e abdução, nas quais pelo menos uma das premissas ou conclusão é geral. • A palavra analogia também pode se referir à relação entre fonte e alvo, que pode ser, não necessariamente, uma similitude, como na noção biológica de analogia.
  • 4. • William James disse que "a razão pela qual oramos é que simplesmente não podemos evitar a oração". • De verdade, todos temos a intuição de buscar a Deus através da oração. Prova disso é que, como uma criança chora quando está com fome, nos momentos de maior angústia e adversidade nossas entranhas clamarão pelo Senhor. Ao invés de enxergar a oração como um sacrifício ou uma penitencia, a palavra a revela como uma disciplina, não é um sacrifício, ou um esforço para se obter um prêmio, devemos compreender que a oração é o desenvolvimento de um relacionamento natural com Deus.
  • 5. • 1º - Ensinamentos de Jesus. • Jesus está ensinando como orar. • Depois de expor a oração do Pai Nosso, ele traz uma figura bastante conhecida de todos os seus ouvintes mostrando uma analogia de súplica em exposição: O que um amigo faz ao outro? Ele sabe que a oração é o ambiente onde transcorre a melhor amizade, pois podemos abrir nosso coração, necessidades, ou simplesmente estarmos juntos pelo prazer da convivência.
  • 6. • a) Um relacionamento entre amigos. • O relacionamento de amigos (v. 5-8 NVI "... suponham que um de vocês tenha um amigo...") • Amigo que é amigo será sensível, atenderá nos momentos de lutas, muitas vezes oferecendo seu ombro e capacidade de ouvir. • Assim como temos amigos na terra, podemos ter um amigo nos céus. • Somos convidados a desenvolvermos essa amizade através da oração, afinal Jesus nos chamou de amigos (João 15.15).
  • 7. • b) Um relacionamento de Pai pra Filho. • O relacionamento pai/filho (v 11-13 – NVI) "... qual pai, entre vocês, se o filho pedir um peixe, em lugar disso lhe dará uma cobra?..." • A segunda analogia de Cristo é ainda mais chocante.
  • 8. • Como pai você consegue imaginar-se dando uma pedra (Mateus 7:9) para seu filho comer? Ou, pior ainda, dando-lhe um escorpião? O Senhor nos vê como filhos. Por essa razão ele abre-se para um relacionamento nessa dimensão. • Como pai ele é provedor, responsável, cuidador, orientador e tantas virtudes mais que possam ser elencadas. Nós recebemos espírito de filhos, por isso podemos chamá-lo de papai (Romanos 8.15; Gálatas 4.6-7). • Só os filhos têm acesso ao quarto dos pais, desfrutam das refeições juntos, levam "palmadas", são herdeiros e levam em seu DNA a semelhança hereditária.
  • 9. • c) Um relacionamento de Noivo pra Noiva. • Esse trecho não apresenta expressamente Jesus como noivo e seus discípulos como noiva, mas o narrador já havia revelado anteriormente essa analogia (Lucas 5.34-35). Aqui temos uma nova e amplificada dimensão de nosso relacionamento em oração. Essa analogia expressa o prazer de estar juntos, a alegria de sonhar juntos, o amor latente, as confidências, a proteção, o comprometimento. • A oração é um grande momento de prazer, mas poucos se entregam nesta dimensão. Ela contém um potencial de alegria e júbilo, pois é o próprio Deus se movendo em nós através do seu Espírito Santo.
  • 10. • 2º - Como devo Orar. • Como Jesus Nos Ensinou... • A oração deve ser pessoal, praticada e refletida. • A oração que Jesus ensinou aos seus discípulos deve ser um modelo estrutural, e não uma “reza” ou uma vã repetição, como está escrito em (Mateus 6:7) “E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque pensam que pelo seu muito repetir serão ouvidos”. (BLH)
  • 11. • 3º - Para que devemos Orar... • Para enfrentarmos as agruras deste mundo, e mantermos nossa comunhão com nosso Pai Celestial. “...A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos...” (Tiago 5:16), o poder da oração atua em nossas vida: nos educando, trazendo a confiança, esperança e paciência, para esperar-nos na soberana vontade de Deus e no seu tempo. • Pois tudo esta sob seu controle absoluto em conhecer todas as coisas.
  • 12. • As recomendações bíblicas abaixo, nos estimulam a orar porque o homem natural precisa ser educado a esperar em Deus. • “...Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação que há na sua presença...” (Salmos 42:5)
  • 13. • § Vigiar - Disse Jesus: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação. Na verdade o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt 26:41). O apostolo Paulo nos recomenda vigiarmos sempre: “Orai sem cessar” (1Ts 5:17). • § Dar Graças - Por tudo que o Senhor nos tem concedido “A ti, ó Deus de meus pais, eu te rendo graças e te louvo, porque me deste sabedoria e poder” “Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (Dn 2:23; 1Ts 5:18). • § Recebermos - “E tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis” (Mt 21:22);
  • 14. • § Alcançarmos Graça – “Isaque orou ao Senhor por sua mulher, que era estéril; e o Senhor lhe ouviu as orações, e Rebeca concedeu” (Gn 25:4); • § Cura - “Aconteceu achar-se enfermo de disenteria, ardendo em febre, o pai de Públio, Paulo foi visitá-lo e, orando, impôs-lhe as mãos e o curou” (At 28:8); • § Libertação – “Por volta de meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam louvores a Deus, e os demais companheiros de prisão escutavam. De repente sobreveio tamanho terremoto, que sacudiu os alicerces da prisão; abriram-se todas as portas; soltaram-se as cadeias de todos“.(At 16:25 e 26);
  • 15. • § Termos Discernimento - “Para que Deus do Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos conceda espírito de sabedoria e de revelação do pleno conhecimento dele” (Ef 1:17); • § Mudar O Destino - “... quando me buscardes de todo vosso coração. Serei achado de vós, diz o Senhor, e farei mudar a vossa sorte...” (Jr 29:13 e 14); • § Expulsar - “...esta casta não pode sair senão por meio de oração e jejum” (Mc 9:29)
  • 16. • 4º - Jejum • O QUE É JEJUM ? • É Um Processo De Abstenção De Alimentos... • Se abster de alimentação sólida ou líquida (com exceção da água – vital) ou mesmo restringir sua dieta por um período de tempo ou por dias (Mt 4:2; At 9:9; Dt 9:9; I Reis 19:8; Dn 10:3).
  • 17. • Tem Como Propósito... • A santificação individual, como exercício espiritual de domínio sobre a própria carne, com propósitos bem definidos e não como uma dieta estética. • § O jejum é um exercício espiritual; nos prepara, quebra o orgulho e enfraquece os instintos humanos. (Salmo 69:10; 35:13); • § Para fazer com que Deus mude a direção das coisas. No livro de Jonas, a cidade prevaleceu pelo jejum e oração. (Jonas 3:4-10); • § Para soltar os cativos e derrotar a Satanás.
  • 18. • O jejum nos fortalece para “em nome de Jesus” enfrentarmos os principados e potestades. (Isaías 58:6; 49:24-25); • § Para receber revelação específica de Deus para nossas vidas (Daniel 9:2-3; 21-22); • § Para subjugar o corpo O jejum nos ajuda a disciplinar o corpo. • Os apetites do corpo são lícitos mas temos que tê-los sob controle; o físico submisso ao espiritual. (I Cor 9:27; Êx 16:3; Nm 11:4-5).