SlideShare uma empresa Scribd logo
Soteriologia
Pr. Ricardo Gondim
pastorgondim@hotmail.com
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo
do céu não há nenhum outro nome dado aos
homens pelo qual devamos ser salvos". Atos 4:12
Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo
do céu não há nenhum outro nome dado aos
homens pelo qual devamos ser salvos".
www.teologiafacil.net
A salvação segundo Deus - Soberania
 "Israelitas, ouçam estas palavras: Jesus de Nazaré foi
aprovado por Deus diante de vocês por meio de
milagres, maravilhas e sinais, que Deus fez entre
vocês por intermédio dele, como vocês mesmos
sabem.
Este homem lhes foi entregue por propósito
determinado e pré-conhecimento de Deus; e
vocês, com a ajuda de homens perversos, o
mataram, pregando-o na cruz. Atos 2:22,23
Pr. Ricardo Gondim
www.teologiafacil.net
Consciência humana na Salvação
 Assim, meus amados, como sempre vocês
obedeceram, não apenas em minha presença, porém
muito mais agora na minha ausência, ponham em
ação (efetuai a vossa salvação A.R.) a
salvação de vocês com temor e tremor,
pois é Deus quem efetua em vocês tanto o
querer quanto o realizar, de acordo com a
boa vontade dele.
Filipenses 2:12,13
Pr. Ricardo Gondim
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O que Cremos
O Filho – Co-existente e Co-eterno com o Pai que, concebido
pelo Espírito Santo e nascido da Virgem Maria, assumiu a
forma de homem, suportou nossos pecados, e levou
nossas tristezas e, pelo derramamento de Seu precioso
sangue sobre a cruz do calvário, adquiriu a redenção
para todos os que n’Ele creiam; então, quebrando os
grilhões da morte e do inferno levantou-Se da sepultura e
subiu às alturas levando cativo o cativeiro, para que, como o
grande Mediador entre Deus e o homem, pudesse estar à
direita do Pai intercedendo por aqueles por quem entregou
a Sua vida. http://fontedavidaitz.blogspot.com.br/p/declaracao-de-fe.html
Confissão de Fé (parte)
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
A Doutrina da Salvação
Na verdade, existe uma relação de caráter orgânico
entre duas questões essenciais:
Quem é Jesus Cristo? - O que ele realizou?
Podemos perceber, portanto, que é possível
conceber a identidade e a função desempenhada
por Jesus Cristo como os dois lados de uma
mesma moeda.
Ele é o nosso Salvador - Redenção & Reconciliação
Credo IAFV
[...] que Ele, voluntariamente, deu Seu Filho Unigênito, para redimi-los e
reconciliá-los Consigo mesmo.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O conceito de ―salvação‖ é algo
bastante complexo.
Em primeiro lugar, por não estar
necessariamente ligado a um
significado especificamente cristão.
O termo salvação pode ser utilizado
conforme um entendimento
totalmente diferente e mais amplo.
 Por exemplo, em particular, no final da década de 1920, era comum os escritores
soviéticos referirem-se a Lênin como o ―salvador‖ do povo soviético.
 Muitos dos golpes militares ocorridos em vários países tiveram, muitas vezes,
como resultado a instituição de ―conselhos ou movimentos para salvação
nacional‖, que se preocupavam com a recuperação da estabilidade política e
econômica desses países.
 Dessa maneira, vemos que a salvação pode ser um conceito que se reveste de um
caráter puramente religioso ou secular que pode admitir uma visão mais ampla.
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
A salvação está ligada a Jesus Cristo
 Em primeiro lugar, entende-se que a salvação — seja qual
for a definição que se lhe atribua posteriormente — é algo
ligado à vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo.
 A existência desse vínculo é uma característica marcante
da teologia cristã ao longo dos séculos.
 A segunda posição de acordo com essa perspectiva,
Cristo é visto como aquele que conquistou algo que
tornou possível uma nova situação para o ser humano.
 A salvação, portanto, resulta diretamente da vida, morte e
ressurreição de Jesus.
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Jesus Cristo é o modelo da Salvação
Ao lado da característica ênfase cristã sobre a questão da salvação estar
ligada a Jesus Cristo, podemos encontrar outra declaração de ordem
cristológica:
 Jesus Cristo é quem dá forma à salvação. Em outras palavras, é
Jesus quem nos fornece um modelo ou paradigma de uma vida
redimida. Há um consenso em torno da idéia de que Cristo, em certo
sentido, dá forma e modela a vida cristã.
A noção de que a mera imitação exterior de Cristo dê origem à vida
cristã tem sido em geral considerada como pelagiana.
A perspectiva cristã dominante tem apresentado a tendência de alegar
que a vida cristã se torna possível por meio de Cristo, ao mesmo tempo
que reconhece duas maneiras bastante distintas pelas quais a vida
cristã resultante é ―modelada‖ por ele.
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
1. A vida cristã assume a forma de uma constante tentativa por parte do
cristão de imitar a Cristo. Havendo se convertido, o cristão agora tem
em Cristo um exemplo de relacionamento ideal com Deus e com o
próximo e se esforça para reproduzir em sua vida este tipo de
relacionamento. Talvez esta perspectiva esteja mais bem retratada em
obras de alguns escritores inclusive Pelagio. Ela destaca o aspecto da
responsabilidade do ser humano em pautar sua vida no exemplo de
Cristo.
2. A vida cristã é um processo em que ―somos conformados à imagem
de Cristo‖ e de acordo com o qual os aspectos exteriores da vida do
cristão são realinhados conforme seu relacionamento interior com
Cristo, fundamentado na fé. Essa perspectiva é típica de escritores
como Lutero e Calvino, e fundamenta-se na idéia de Deus estar
tornando o cristão conforme à imagem e semelhança de seu Filho,
pelo processo de renovação e restauração que se dá por meio da
atuação do Espírito Santo.
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
A cruz e o perdão
 Um dos efeitos do pecado é cegar a percepção do nosso
próprio estado.
 Fomos infectados de tal forma, que nem conseguimos
avaliar a profundidade dos danos causados.
 O pecado entrando no mundo fez com que perdêssemos a
comunhão com Deus e nos trouxe a morte.
 Toda a descendência de Adão, portanto, nasce com a sua
natureza corrompida e corrupta (suja).
 Da mesma forma a morte que entrou por meio de Adão
nos afetou para sempre, até a vinda de Jesus.
 Então, a Salvação de Cristo na cruz cumpre duas funções,
redenção (eternidade) e reconciliação (justificação)
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O estado humano
 Assim está escrito: "O primeiro homem, Adão, tornou-se um
ser vivente"; o último Adão, espírito vivificante. Não foi o
espiritual que veio antes, mas o natural; depois dele, o
espiritual. O primeiro homem era do pó da terra; o segundo
homem, do céu. Os que são da terra são semelhantes ao
homem terreno; os que são do céu, ao homem celestial.
Assim como tivemos a imagem do homem terreno, teremos
também a imagem do homem celestial. 1 Coríntios 15:45-49
 Toda a descendência de Adão, portanto, nasce com a sua
natureza corrompida e corrupta (suja).
 Toda a descendência de Cristo (filhos de Deus) renasce
com a sua natureza ESPIRITUAL regenerada a sua imagem
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O digrama do pecado
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O digrama da Salvação
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O alcance da Salvação
 A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos?
 Existem três posições a cerca do alcance da salvação
1. O universalismo: todos serão salvos
2. O batismo: somente os que crerem serão salvos
3. A salvação particular: somente os eleitos serão salvos
 A grande dificuldade para a interpretação bíblica é que ela
oferece opções, e eu diria diante desta questão: Sim e Não
 E não faço isso para evitar a resposta ou porque não
tenho convicção dela, mas porque eu entendo que as
ações de Deus podem mudar de acordo com as reações
do homem
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Naquele tempo Ezequias ficou doente, e quase morreu. O profeta
Isaías, filho de Amoz, foi visitá-lo e lhe disse: "Assim diz o Senhor:
Ponha em ordem a sua casa, pois você vai morrer; não se recuperará".
Ezequias virou o rosto para a parede e orou ao Senhor:
"Lembra-te, Senhor, como tenho te servido com fidelidade e com
devoção sincera. Tenho feito o que tu aprovas".
E Ezequias chorou amargamente. Antes de Isaías deixar o pátio
intermediário, a palavra do Senhor veio a ele:
"Volte e diga a Ezequias, líder do meu povo: ‘Assim diz o Senhor, Deus
de Davi, seu predecessor: Ouvi sua oração e vi suas lágrimas; eu o
curarei. Daqui a três dias você subirá ao templo do Senhor.
Acrescentarei quinze anos à sua vida. E livrarei você e esta cidade das
mãos do rei da Assíria. Defenderei esta cidade por causa de mim
mesmo e do meu servo Davi’ ". 2 Reis 20:1-6
A salvação de Ezequias
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O alcance da Salvação
 A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos?
 A resposta do homem à salvação é necessária?
 Podemos afirmar segundo a teologia reformada que a
morte de Cristo é suficiente, poderosa e eficaz para salvar
todo aquele que Crê.
 A pessoa salva em Cristo, pela fé, regenerada, tem a vida
eterna e redimida, tem os seus pecados justificados.
 Deus não a trata mais de acordo com a sua natureza e
pecados, mas sim de acordo com a condição que recebe
de Cristo, como um filho que se torna herdeiro.
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O alcance da Salvação
 A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos? SIM e NÃO
 A resposta do homem à salvação é necessária? SIM
 A 1ª. Questão está no alcance salvação – Cristo morreu
POTENCIALMENTE por todos, mas, a salvação alcança
somente os que CREREM.
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O alcance da Salvação
 A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos? SIM e NÃO
 A resposta do homem à salvação é necessária? SIM
 A questão existe porque em todo a bíblia existem
passagens que nos levam a este entendimento, que Cristo
morreu por todos.
 Assim, também, como existem muitas passagens que
falam da responsabilidade humana de se colocar, pela fé,
diante da salvação oferecida por Cristo.
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O alcance da Salvação
 A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos? SIM e NÃO
"Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer
não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar
o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê não é condenado, mas
quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus. João 3:16-18
1 Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo,
12 Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a
morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram;
15 Entretanto, não há comparação entre a dádiva e a transgressão. Pois se muitos morreram por
causa da transgressão de um só, muito mais a graça de Deus, isto é, a dádiva pela graça de um
só homem, Jesus Cristo, transbordou para muitos!
18 Conseqüentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os
homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os
homens. Romanos 5
Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam
salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. Pois há um só Deus e um só mediador entre
Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, o qual se entregou a si mesmo como resgate por
todos. Esse foi o testemunho dado em seu próprio tempo. 1 Timóteo 2:3-6
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O alcance da Salvação
 A resposta do homem à salvação é necessária? SIM
9 Eu rogo por eles. Não estou rogando pelo mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus
16 Eles não são do mundo, como eu também não sou. 20 "Minha oração não é apenas por eles. Rogo
também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles, João 17
Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Marcos 16:16
333 Pois o pão de Deus é aquele que desceu do céu e dá vida ao mundo". 37 Todo o que o Pai me der virá
a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei. 39 E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não
perca nenhum dos que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. 40 Porque a vontade de meu Pai é
que todo o que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia―. 44
Ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu o ressuscitarei no último dia. 47
Asseguro-lhes que aquele que crê tem a vida eterna. 48 Eu sou o pão da vida. João 6
9 Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem. 11 "Eu sou o
bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. 15 assim como o Pai me conhece e eu conheço o
Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. João 10
2 e vivam em amor, como também Cristo nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de
aroma agradável a Deus. Efésios 5
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
A graça
 Agostinho explorou a natureza da graça por meio duas
análises possíveis:
1. Em primeiro lugar, a graça e entendida como uma forca libertadora, que livra
a natureza humana da escravidão do pecado a que esta sujeita. Agostinho
usou o termo ―o livre arbítrio cativo‖ (liberum arbitrium capdvatum) para descrever o
livre arbítrio que e tão fortemente influenciado pelo pecado, assim como
argumentou que a graça e capaz de libertar o desejo humano de suas
inclinacoes e de conceder ao homem o ―livre arbítrio liberto‖ (liberum arbitrium
liberatum).
2. Em segundo lugar, a graça e entendida como o fator responsável pela
restauração da natureza humana. Uma das analogias favoritas de Agostinho
para a igreja e a de um hospital repleto de pessoas doentes. Os cristãos são
aquelas pessoas que reconhecem o fato de estar doentes e procuram a ajuda
de um medico, para que possam se curar.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
A graça
 Em sua essência, o termo ―graça‖ (gratia) apresenta uma
ligação com a ideia de ―presente‖. Essa ideia teve inicio
com Agostinho, que destacou a noção de que a salvação
é um presente de Deus, e portanto, um favor imerecido.
 A graça salvadora é a dispensa especial da graça pela
qual Deus soberanamente concede imerecida assistência
divina sobre os seus eleitos para a sua regeneração e
santificação.
28 Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que
o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Romanos 8
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus,
porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do
pecado e da morte. Porque, aquilo que a lei fora incapaz de fazer por estar
enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança
do homem pecador, como oferta pelo pecado. E assim condenou o pecado na
carne, a fim de que as justas exigências da lei fossem plenamente satisfeitas em
nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Quem vive
segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem, de
acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. Romanos
8:1-5
Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam,
dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.
Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem
conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre
muitos irmãos. E aos que predestinou, também chamou; aos que chamou,
também justificou; aos que justificou, também glorificou. Romanos 8:28-30
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O chamado
 São dois os chamados de Deus, aos escolhidos.
1. Em primeiro lugar, o chamado externo. O apelo do evangelho estende uma chamada
geral externa à salvação a todos que ouvem a mensagem realizado pelos homens pela
pregação, ROM 1.6 entre os quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo; MC 16.15-
16 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será
salvo; mas quem não crer será condenado. I COR 1.9 Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a
comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor. I COR 1.24 mas para os que são chamados, tanto
judeus como gregos, Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus.
2. Em segundo lugar, o chamado interno. Realizada pelo Espírito Santo em adição à
chamada externa contida na mensagem do evangelho. Através dessa chamada
especial, o Espírito Santo realiza uma obra de graça no pecador que, inevitavelmente, o
traz à fé em Cristo. A mudança interna operada no pecador eleito o capacita a entender
e crer na verdade espiritual. ROM8.14 Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses
são filhos de Deus. I COR2.10 Porque Deus no-las revelou pelo seu Espírito; pois o Espírito esquadrinha
todas as coisas, mesmos as profundezas de Deus. 11 Pois, qual dos homens entende as coisas do
homem, senão o espírito do homem que nele está? assim também as coisas de Deus, ninguém as
compreendeu, senão o Espírito de Deus. 12 Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, mas sim o
Espírito que provém de Deus, a fim de compreendermos as coisas que nos foram dadas gratuitamente por
Deus;
A Doutrina da Salvação
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio
 O termo ―livre arbítrio‖ (liberum arbitrium) não é bíblico, mas
originário do estoicismo. Foi introduzido na igreja ocidental pelo
teólogo Tertuliano, que viveu no século II. Agostinho conservou o
termo, mas tentou dar a ele um significado mais próximo ao
entendimento de Paulo.
 As ideias básicas de Agostinho podem ser resumidas da seguinte
forma:
1. ele afirma a existência da inerente liberdade humana: não fazemos as coisas
por obrigação, mas por uma questão de liberdade;
2. ele declara que o livre arbítrio foi debilitado e enfraquecido - mas não
totalmente eliminado ou destruído - pelo pecado. Para que o livre arbítrio seja
restaurado e recuperado, é necessária a atuação da graça de Deus. O livre
arbítrio realmente existe; entretanto, ele se encontra debilitado pelo pecado.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
A balança de Agostinho
 Agostinho utiliza uma analogia significativa como forma de explicar
essa questão.
 Pense em uma balança com dois pratos. Um dos pratos e utilizado
para pesar o bem, e o outro prato, o mal. Se os dois pratos
estivessem em equilíbrio, os argumentos favoráveis ao bem ou ao
mal poderiam ser pesados, e chegaríamos, portanto, a uma
conclusão.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
A balança de Agostinho
 Mas o que faremos, conforme nos pergunta Agostinho, se os pratos
da balança estiverem cheios? O que acontece se alguém puser um
peso excessivo no prato do mal?
 A balança ainda funcionara, mas ela se inclinará para o lado mal.
Agostinho argumenta que isso e exatamente o que aconteceu a
humanidade por meio do pecado. O livre arbítrio inclinou-se para o
lado do mal.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio
 O livre arbítrio realmente existe e pode, de fato, ajudar-nos a tomar
decisões - assim como a balança ainda funciona quando esta cheia.
Mas em vez de chegar a uma conclusão equilibrada, existirá uma
séria inclinação para o mal.
 Agostinho, usando essa e outras analogias relacionadas, argumenta
que os pecadores, na verdade, possuem o livre arbítrio, mas que este
livre arbítrio se encontra corrompido pelo pecado
 Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em
Cristo Jesus. Portanto, não permitam que o pecado continue dominando o corpo
mortal de vocês, fazendo que obedeçam aos seus desejos. Não ofereçam os
membros do corpo de vocês ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes
ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os
membros do corpo de vocês a ele, como instrumentos de justiça. Pois o pecado não
os dominará, porque vocês não estão debaixo da Lei, mas debaixo da graça.
Romanos 6:11-14
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio x Soberania de Deus
 Para Agostinho, a total soberania de Deus e as ideias da genuína
responsabilidade e liberdade do ser humano devem ser
simultaneamente defendidas, quando busca se fazer justiça a riqueza
e a complexidade do texto bíblico sobre esse assunto.
 Para simplificar a questão, negar tanto a soberania de Deus quanto a
liberdade humana representa comprometer seriamente a
compreensão cristã sobre o modo como Deus justifica o homem.
 No tempo de Agostinho, ele era obrigado a lidar com dois tipos de
heresia, que reduziam e comprometiam o evangelho.
1. o maniqueísmo, representava uma forma de fatalismo (que atraiu, a principio,
o próprio Agostinho) que defendia a total soberania de Deus, mas negava a
liberdade humana; ao passo que a
2. Outra heresia, o pelagianismo, defendia o total livre arbítrio do ser humano,
ao mesmo tempo em que negava a soberania de Deus.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio x Soberania de Deus
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio (um pouco de história)
 Tudo começa na histórica
controvérsia iniciada pelo
monge da Bretanha Pelágio,
que no século IV começa a
ensinar que o pecado afetou
apenas a natureza de Adão e
que nós, seus descendentes,
nascemos livres e sem a
influência do pecado.
 As pessoas, segundo Pelágio
aprendem a pecar porque vêm
os outros pecarem
 O homem é intrinsicamente bom e pode, portanto, escolher entre o bem e o
mal.
 O pecado original diz respeito somente a Adão, e não a humanidade.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio (um pouco de história)
 Pelágio foi enfrentado por violentamente por Agostinho, Bispo de
Hipona radicado em Roma e seu amigo Jerônimo, tradutor e
comentarista bíblico que morava em Belém na Palestina.
 Agostinho, fundamenta na bíblia, os argumentos contrários aos
ensinos heréticos de Pelágio considerando que:
 nós nascemos mortos em nossos pecados, que o ser humano está de
tal forma afetado pelo pecado que a bíblia utiliza termos como:
 Cegos, escravos da carne, escravos do mundo, escravos de satanás,
mortos em ofensas e pecados e filhos da ira.
 Esse conceito foi considerado heresia pelo Concílio de Éfeso (431) e o
ensino rechaçado pela igreja, Pelágio e seus ensinos foram
condenados no concílio, porém, ele já havia morrido.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio (um pouco de história)
 Mesmo com a morte de Pelágio, tal o alcance de seus ensinos, a
polêmica continuou e a igreja católica muitos anos depois adotou o
que eles chamaram de semi-pelagianismo.
 O Semi-pelagianismo essencialmente ensina que a humanidade é
manchada pelo pecado, mas não ao extremo de não podermos
cooperar com a graça de Deus com os nossos próprios esforços.
Essa crença é, em essência, depravação parcial, ao invés de
depravação total.
 Durante a reforma esse debate volta à tona com outros dois grandes
teólogos da época, Erasmo de Roterdão e Martinho Lutero.
 Erasmo, embora permanecesse católico era a favor da reforma,
porém, defendia sobremaneira o semi-pelagianismo.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio (um pouco de história)
 Combatendo estas ideias, Lutero escreve uma das suas melhores
obras, o livro De servo arbítrio (o arbítrio escravo), em português
Nascido Escravo.
 Assumindo a liderança da reforma, João Calvino insiste no
pensamento e nas ideias de Agostinho e Lutero, enfatizando
a Soberania de Deus e que o homem não é capaz de
fazer escolhas.
 50 anos depois de Calvino, a maioria da igreja reformada
havia adotado os ensinos de sua doutrina como a oficial.
 No início do século XVII, surge um professor na Universidade de
Leiden na Holanda chamado Jacobus Arminius que passa a
ressuscitar as ideias de Pelagio e Erasmo na sala de aula.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Livre Arbítrio (um pouco de história)
 Muito embora suas ideias tenham causado um certo desconforto a
igreja da Holanda, nunca chegou ao confronto, principalmente com
Calvino, com quem nunca se encontrou. Seu, único e bastante
adversário, foi outro professor de Leiden, Franciscus Gomarus, um
forte defensor da doutrina calvinista e um homem de profunda fé.
 A teologia arminiana não se tornou totalmente desenvolvida durante a
vida de Armínio, só após a sua morte (1609) seus alunos e discípulos
sistematizaram e formalizaram as suas ideias, enviando para a Igreja
da Holanda um pedido de revisão à doutrina calvinista/luterana
solicitando que abandonassem esta visão apresentando cinco pontos
principais de discussão.
 Este movimento, ficou conhecido como ―os remonstrantes‖, cuja
pedido foi analisado pelo calvinista Sínodo de Dorte (1618-1619) que
condenou a teologia de Armíno.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
O Sínodo de Dort
 Foi um sínodo (reunião) nacional que teve lugar
em Dordrecht, na Holanda, com o objetivo de
regular uma séria controvérsia na Igreja iniciada
pela ascensão do aminianismo.
 Esta reunião contou com a participação de oito
países, com teólogos holandeses, suíços, alemães,
franceses, ingleses e outros. Foram mais de 150
homens discutindo o pedido dos remonstrantes.
 Ao final, condenando as ideias de Armínio, o Sínodo
elaborou um documento que ficou conhecido como
―os cinco pontos do Calvinismo‖, em resposta ao
pedido feito.
 Os remonstrantes perderam os seus cargos nas
universidades e na igreja e foram expulsos da
Holanda por um período de 6 anos, Johan van
Oldenbarnevelt, o orador de 72 anos que apoiou
os remonstrantes, foi condenado à morte e
decapitado em Haia.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Predestinação (um pouco de história)
 Geralmente, diz-se que Calvino fez da doutrina da predestinação o
centro de seu sistema teológico. Contudo, uma leitura atenta de suas
Institutas não confirma esse julgamento consagrado. Calvino adota,
bem ao contrario, uma abordagem bem restrita em relação a essa
doutrina, dedicando somente 4 capítulos a sua explicação
 A predestinação é definida como ―o eterno decreto de Deus, pelo qual
ele determinou o que desejava fazer de cada pessoa‖. Ele escolhe e
predestina os eleitos e aos que Ele tem conhecimento que não vão
escolhê-lo, deixa a sorte da própria condenação.
 Em certo ponto, ao escrever sobre a predestinação, Calvino parece
referir-se a ela como ―um horrível decreto‖: ―Admito que o decreto é
horribile‖. Entretanto, a melhor tradução para palavra latina horribile é
―aterrador‖; na propria tradução para o francês, que Calvino fez
dessa passagem.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Predestinação (um pouco de história)
 Nas institutas essa discussão aparece após sua explicação a respeito
da doutrina da graça. Apenas após a explicação dos principais
tópicos dessa doutrina - como a justificação pela fé, por exemplo - e
que Calvino se dedica a analise do misterioso e complexo tema da
predestinação.
 A analise que Calvino faz da predestinação parte de fatos empíricos.
Alguns creem no evangelho. Outros não. A função primaria da
doutrina da predestinação e explicar o porque de alguns indivíduos
responderem ao evangelho, e de outros não. Representa uma
tentativa de explicar a variedade das respostas humanas diante da
graça. A teologia calvinista da predestinação deve ser considerada
como uma reflexão sobre os dados colhidos da experiência humana e
interpretados a luz das Escrituras, em vez de algo que se deduz com
base em ideias preconcebidas sobre a onipotência divina.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Predestinação (um pouco de história)
 A crença na predestinação não é em si mesma um artigo de fé, mas é
o resultado final de uma reflexão, inspirada nas Escrituras, a respeito
dos efeitos da graça sobre os indivíduos, à luz dos enigmas da
experiência.
 E preciso ressaltar que isso não representa uma inovação teológica.
Calvino não está introduzindo uma noção até então desconhecida no
domínio da teologia cristã.
 Na verdade, é possível que Calvino tenha se apropriado ativamente
desse aspecto dos ensinos de Agostinho, assim como feito por
Martinho Lutero, o qual, certamente, guarda uma estranha
semelhança com seus próprios ensinamentos.
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Visão de Armínio
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Visão de Calvino
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
Considerações
 Concordamos que a depravação humana foi total, isso quer dizer que afetou o ser humano em toda
a sua natureza inclusive o arbítrio.
 Porém, devemos também, considerar que, o estado do homem é alterado assim que houver uma
morte e um novo nascimento em Cristo, onde a sua natureza é misturada com a de Cristo.
 A predestinação é de difícil aceitação, mas, não podemos dizer que não é bíblica.
 A pré-ciência é contrária a onisciência de Deus, porque, Deus só pode prever aquilo que determinou
– seria mais ou menos como escrever um livro.
 O sacrifício de Cristo potencialmente é geral, ou seja, para todos, mas eficazmente alcança aqueles
que o aceitaram.
 A Graça é resistível naqueles a quem Deus mesmo endureceu os corações, do contrário, se ele
quiser, irresistível.
 A perseverança dos santos depende da experiência cristã de cada um, por isso, é possível sim
perder a salvação mediante a escolha errada – ver Hebreus 6
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim
www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
Jefferson Evangelista
 
Lição 08 - Laodicéia a igreja apóstata
Lição 08 - Laodicéia a igreja apóstataLição 08 - Laodicéia a igreja apóstata
Lição 08 - Laodicéia a igreja apóstata
Sergio Silva
 

Mais procurados (20)

EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica DominicalEBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
EBD - A importância da Escola Bíblica Dominical
 
Lição 5 - A Cruz
Lição 5 - A CruzLição 5 - A Cruz
Lição 5 - A Cruz
 
História da Igreja #7
História da Igreja #7História da Igreja #7
História da Igreja #7
 
Curso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deusCurso de teologia_doutrina_de_deus
Curso de teologia_doutrina_de_deus
 
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do MundoLição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
Lição 12 - A Crucificação mais Impactante do Mundo
 
O pecado de Davi
O pecado de DaviO pecado de Davi
O pecado de Davi
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
 
Introdução geral antigo testamento
Introdução geral antigo testamentoIntrodução geral antigo testamento
Introdução geral antigo testamento
 
Teologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - CristologiaTeologia sistematica - Cristologia
Teologia sistematica - Cristologia
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
Lição 6 - O temor a Deus e as atitudes corretas
Lição 6 - O temor a Deus e as atitudes corretasLição 6 - O temor a Deus e as atitudes corretas
Lição 6 - O temor a Deus e as atitudes corretas
 
Lição 09 - Arrependimento e Fé para a Salvação
Lição 09 - Arrependimento e Fé para a SalvaçãoLição 09 - Arrependimento e Fé para a Salvação
Lição 09 - Arrependimento e Fé para a Salvação
 
Educação cristã
Educação cristãEducação cristã
Educação cristã
 
Lição 3 - O Ministério de Jesus
Lição 3 - O Ministério de JesusLição 3 - O Ministério de Jesus
Lição 3 - O Ministério de Jesus
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
2º Aula de Teologia - Doutrina de Deus - 1° Bimestre
 
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
Lição 08 - Laodicéia a igreja apóstata
Lição 08 - Laodicéia a igreja apóstataLição 08 - Laodicéia a igreja apóstata
Lição 08 - Laodicéia a igreja apóstata
 
Lição 04 - Salvação - O Amor e a Misericórdia de Deus
Lição 04 - Salvação - O Amor e a Misericórdia de DeusLição 04 - Salvação - O Amor e a Misericórdia de Deus
Lição 04 - Salvação - O Amor e a Misericórdia de Deus
 
Lição 01 - Uma promessa de Salvação
Lição 01 - Uma promessa de SalvaçãoLição 01 - Uma promessa de Salvação
Lição 01 - Uma promessa de Salvação
 

Destaque

Um Evangelho Reformado - Paul Washer
Um Evangelho Reformado - Paul WasherUm Evangelho Reformado - Paul Washer
Um Evangelho Reformado - Paul Washer
materialcristao
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
antonio ferreira
 

Destaque (20)

Carnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisõesCarnalidade, imaturidade e divisões
Carnalidade, imaturidade e divisões
 
Princípios de Orígenes
Princípios de OrígenesPrincípios de Orígenes
Princípios de Orígenes
 
Ninguem é de Ninguén
Ninguem é de NinguénNinguem é de Ninguén
Ninguem é de Ninguén
 
Ministros e despenseiros
Ministros e despenseirosMinistros e despenseiros
Ministros e despenseiros
 
Meu teólogo favorito
Meu teólogo favoritoMeu teólogo favorito
Meu teólogo favorito
 
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
Aula 4  - Jesus, o grande SalvadorAula 4  - Jesus, o grande Salvador
Aula 4 - Jesus, o grande Salvador
 
Aula 7 O homem diante da salvação
Aula 7   O homem diante da salvaçãoAula 7   O homem diante da salvação
Aula 7 O homem diante da salvação
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
Aula 1 introdução
Aula 1   introduçãoAula 1   introdução
Aula 1 introdução
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de HebreusAula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
Aula 5 - Revisando a Carta de Hebreus
 
Apostila soterologia
Apostila soterologiaApostila soterologia
Apostila soterologia
 
Um Evangelho Reformado - Paul Washer
Um Evangelho Reformado - Paul WasherUm Evangelho Reformado - Paul Washer
Um Evangelho Reformado - Paul Washer
 
Qual é a tradução correta de hebreus 9
Qual é a tradução correta de hebreus 9Qual é a tradução correta de hebreus 9
Qual é a tradução correta de hebreus 9
 
Babilônia e sua Mentiras
Babilônia e sua MentirasBabilônia e sua Mentiras
Babilônia e sua Mentiras
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
Cristãos acolhedores
Cristãos acolhedoresCristãos acolhedores
Cristãos acolhedores
 
Campanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalomCampanha de evangelismo da shalom
Campanha de evangelismo da shalom
 
Olhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfícieOlhando abaixo da superfície
Olhando abaixo da superfície
 
Como nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programasComo nos tornamos uma igreja de programas
Como nos tornamos uma igreja de programas
 

Semelhante a Salvação I

Semelhante a Salvação I (20)

O chamado para o discipulado
O chamado para o discipuladoO chamado para o discipulado
O chamado para o discipulado
 
A cruz
A cruzA cruz
A cruz
 
Stephen kaung a cruz
Stephen kaung   a cruzStephen kaung   a cruz
Stephen kaung a cruz
 
A cruz stephen kaugan
A cruz   stephen kauganA cruz   stephen kaugan
A cruz stephen kaugan
 
Estudos na confissão de fé de westminster
Estudos na confissão de fé de westminsterEstudos na confissão de fé de westminster
Estudos na confissão de fé de westminster
 
Lição 11 - O processo de formação do discípulo I
Lição 11 - O processo de formação do discípulo ILição 11 - O processo de formação do discípulo I
Lição 11 - O processo de formação do discípulo I
 
Lição 9 mortos para o pecado
Lição 9 mortos para o pecadoLição 9 mortos para o pecado
Lição 9 mortos para o pecado
 
Romanos 10 palavra
Romanos 10   palavraRomanos 10   palavra
Romanos 10 palavra
 
Apostila evangelismo
Apostila evangelismoApostila evangelismo
Apostila evangelismo
 
Institutogamaliel.com crenças não removem montanhas
Institutogamaliel.com crenças não removem montanhasInstitutogamaliel.com crenças não removem montanhas
Institutogamaliel.com crenças não removem montanhas
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
 
Salvação Experimental - livro
Salvação Experimental - livroSalvação Experimental - livro
Salvação Experimental - livro
 
Curso de Batismo e Novos Membros.pdf
Curso de Batismo e Novos Membros.pdfCurso de Batismo e Novos Membros.pdf
Curso de Batismo e Novos Membros.pdf
 
Curso de Batismo e Novos Membros.pdf
Curso de Batismo e Novos Membros.pdfCurso de Batismo e Novos Membros.pdf
Curso de Batismo e Novos Membros.pdf
 
curso-de-batismo-pdf-free.pdf
curso-de-batismo-pdf-free.pdfcurso-de-batismo-pdf-free.pdf
curso-de-batismo-pdf-free.pdf
 
Lição 1 - Uma Promessa de Salvação
Lição 1 - Uma Promessa de SalvaçãoLição 1 - Uma Promessa de Salvação
Lição 1 - Uma Promessa de Salvação
 
Bxl1 por
Bxl1 porBxl1 por
Bxl1 por
 
Lição 9 - A Salvação Ofertada por Jesus Cristo
Lição 9 - A Salvação Ofertada por Jesus CristoLição 9 - A Salvação Ofertada por Jesus Cristo
Lição 9 - A Salvação Ofertada por Jesus Cristo
 
Apostila de Evangelismo das igrejas.docx
Apostila de Evangelismo das igrejas.docxApostila de Evangelismo das igrejas.docx
Apostila de Evangelismo das igrejas.docx
 
Apostila treinamento-para-batismo
Apostila treinamento-para-batismoApostila treinamento-para-batismo
Apostila treinamento-para-batismo
 

Mais de Ricardo Gondim

Mais de Ricardo Gondim (19)

Poéticos II
Poéticos IIPoéticos II
Poéticos II
 
Históricos III
Históricos IIIHistóricos III
Históricos III
 
Poéticos I
Poéticos IPoéticos I
Poéticos I
 
Históricos II
Históricos IIHistóricos II
Históricos II
 
Históricos I
Históricos IHistóricos I
Históricos I
 
Aula 2 - Pentateuco
Aula 2 - PentateucoAula 2 - Pentateuco
Aula 2 - Pentateuco
 
Aula 1 apresentação site
Aula 1   apresentação siteAula 1   apresentação site
Aula 1 apresentação site
 
Aula 1 genesis
Aula 1   genesisAula 1   genesis
Aula 1 genesis
 
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
Aula 3   A Superioridade do EvangelhoAula 3   A Superioridade do Evangelho
Aula 3 A Superioridade do Evangelho
 
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2   A mensagem de HebreusAula 1 e 2   A mensagem de Hebreus
Aula 1 e 2 A mensagem de Hebreus
 
O tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeitoO tabernáculo perfeito
O tabernáculo perfeito
 
Pedagogia pastoral
Pedagogia pastoralPedagogia pastoral
Pedagogia pastoral
 
Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)Introdução 2 (profecia e comunhão)
Introdução 2 (profecia e comunhão)
 
Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)Introdução (vocação e ensino)
Introdução (vocação e ensino)
 
Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)Introdução 3 (serviço e adoração)
Introdução 3 (serviço e adoração)
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NT
 
7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo7a aula - A cobertura do tabernáculo
7a aula - A cobertura do tabernáculo
 
Tabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da VidaTabernáculo - Água da Vida
Tabernáculo - Água da Vida
 
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de DeusTabernáculo - Os engenheiros de Deus
Tabernáculo - Os engenheiros de Deus
 

Último

Último (8)

Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
 
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
GUIA DE ESTUDO BIBLICO [Teologia sistemática e Vida Cristã]
 

Salvação I

  • 2. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos". Atos 4:12 Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos".
  • 3. www.teologiafacil.net A salvação segundo Deus - Soberania  "Israelitas, ouçam estas palavras: Jesus de Nazaré foi aprovado por Deus diante de vocês por meio de milagres, maravilhas e sinais, que Deus fez entre vocês por intermédio dele, como vocês mesmos sabem. Este homem lhes foi entregue por propósito determinado e pré-conhecimento de Deus; e vocês, com a ajuda de homens perversos, o mataram, pregando-o na cruz. Atos 2:22,23 Pr. Ricardo Gondim
  • 4. www.teologiafacil.net Consciência humana na Salvação  Assim, meus amados, como sempre vocês obedeceram, não apenas em minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, ponham em ação (efetuai a vossa salvação A.R.) a salvação de vocês com temor e tremor, pois é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele. Filipenses 2:12,13 Pr. Ricardo Gondim
  • 5. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O que Cremos O Filho – Co-existente e Co-eterno com o Pai que, concebido pelo Espírito Santo e nascido da Virgem Maria, assumiu a forma de homem, suportou nossos pecados, e levou nossas tristezas e, pelo derramamento de Seu precioso sangue sobre a cruz do calvário, adquiriu a redenção para todos os que n’Ele creiam; então, quebrando os grilhões da morte e do inferno levantou-Se da sepultura e subiu às alturas levando cativo o cativeiro, para que, como o grande Mediador entre Deus e o homem, pudesse estar à direita do Pai intercedendo por aqueles por quem entregou a Sua vida. http://fontedavidaitz.blogspot.com.br/p/declaracao-de-fe.html Confissão de Fé (parte)
  • 6. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim A Doutrina da Salvação Na verdade, existe uma relação de caráter orgânico entre duas questões essenciais: Quem é Jesus Cristo? - O que ele realizou? Podemos perceber, portanto, que é possível conceber a identidade e a função desempenhada por Jesus Cristo como os dois lados de uma mesma moeda. Ele é o nosso Salvador - Redenção & Reconciliação Credo IAFV [...] que Ele, voluntariamente, deu Seu Filho Unigênito, para redimi-los e reconciliá-los Consigo mesmo.
  • 7. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O conceito de ―salvação‖ é algo bastante complexo. Em primeiro lugar, por não estar necessariamente ligado a um significado especificamente cristão. O termo salvação pode ser utilizado conforme um entendimento totalmente diferente e mais amplo.  Por exemplo, em particular, no final da década de 1920, era comum os escritores soviéticos referirem-se a Lênin como o ―salvador‖ do povo soviético.  Muitos dos golpes militares ocorridos em vários países tiveram, muitas vezes, como resultado a instituição de ―conselhos ou movimentos para salvação nacional‖, que se preocupavam com a recuperação da estabilidade política e econômica desses países.  Dessa maneira, vemos que a salvação pode ser um conceito que se reveste de um caráter puramente religioso ou secular que pode admitir uma visão mais ampla. A Doutrina da Salvação
  • 8. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim A salvação está ligada a Jesus Cristo  Em primeiro lugar, entende-se que a salvação — seja qual for a definição que se lhe atribua posteriormente — é algo ligado à vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo.  A existência desse vínculo é uma característica marcante da teologia cristã ao longo dos séculos.  A segunda posição de acordo com essa perspectiva, Cristo é visto como aquele que conquistou algo que tornou possível uma nova situação para o ser humano.  A salvação, portanto, resulta diretamente da vida, morte e ressurreição de Jesus. A Doutrina da Salvação
  • 9. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Jesus Cristo é o modelo da Salvação Ao lado da característica ênfase cristã sobre a questão da salvação estar ligada a Jesus Cristo, podemos encontrar outra declaração de ordem cristológica:  Jesus Cristo é quem dá forma à salvação. Em outras palavras, é Jesus quem nos fornece um modelo ou paradigma de uma vida redimida. Há um consenso em torno da idéia de que Cristo, em certo sentido, dá forma e modela a vida cristã. A noção de que a mera imitação exterior de Cristo dê origem à vida cristã tem sido em geral considerada como pelagiana. A perspectiva cristã dominante tem apresentado a tendência de alegar que a vida cristã se torna possível por meio de Cristo, ao mesmo tempo que reconhece duas maneiras bastante distintas pelas quais a vida cristã resultante é ―modelada‖ por ele. A Doutrina da Salvação
  • 10. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim 1. A vida cristã assume a forma de uma constante tentativa por parte do cristão de imitar a Cristo. Havendo se convertido, o cristão agora tem em Cristo um exemplo de relacionamento ideal com Deus e com o próximo e se esforça para reproduzir em sua vida este tipo de relacionamento. Talvez esta perspectiva esteja mais bem retratada em obras de alguns escritores inclusive Pelagio. Ela destaca o aspecto da responsabilidade do ser humano em pautar sua vida no exemplo de Cristo. 2. A vida cristã é um processo em que ―somos conformados à imagem de Cristo‖ e de acordo com o qual os aspectos exteriores da vida do cristão são realinhados conforme seu relacionamento interior com Cristo, fundamentado na fé. Essa perspectiva é típica de escritores como Lutero e Calvino, e fundamenta-se na idéia de Deus estar tornando o cristão conforme à imagem e semelhança de seu Filho, pelo processo de renovação e restauração que se dá por meio da atuação do Espírito Santo. A Doutrina da Salvação
  • 11. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim A cruz e o perdão  Um dos efeitos do pecado é cegar a percepção do nosso próprio estado.  Fomos infectados de tal forma, que nem conseguimos avaliar a profundidade dos danos causados.  O pecado entrando no mundo fez com que perdêssemos a comunhão com Deus e nos trouxe a morte.  Toda a descendência de Adão, portanto, nasce com a sua natureza corrompida e corrupta (suja).  Da mesma forma a morte que entrou por meio de Adão nos afetou para sempre, até a vinda de Jesus.  Então, a Salvação de Cristo na cruz cumpre duas funções, redenção (eternidade) e reconciliação (justificação) A Doutrina da Salvação
  • 12. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O estado humano  Assim está escrito: "O primeiro homem, Adão, tornou-se um ser vivente"; o último Adão, espírito vivificante. Não foi o espiritual que veio antes, mas o natural; depois dele, o espiritual. O primeiro homem era do pó da terra; o segundo homem, do céu. Os que são da terra são semelhantes ao homem terreno; os que são do céu, ao homem celestial. Assim como tivemos a imagem do homem terreno, teremos também a imagem do homem celestial. 1 Coríntios 15:45-49  Toda a descendência de Adão, portanto, nasce com a sua natureza corrompida e corrupta (suja).  Toda a descendência de Cristo (filhos de Deus) renasce com a sua natureza ESPIRITUAL regenerada a sua imagem A Doutrina da Salvação
  • 13. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O digrama do pecado A Doutrina da Salvação
  • 14. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O digrama da Salvação A Doutrina da Salvação
  • 15. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O alcance da Salvação  A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos?  Existem três posições a cerca do alcance da salvação 1. O universalismo: todos serão salvos 2. O batismo: somente os que crerem serão salvos 3. A salvação particular: somente os eleitos serão salvos  A grande dificuldade para a interpretação bíblica é que ela oferece opções, e eu diria diante desta questão: Sim e Não  E não faço isso para evitar a resposta ou porque não tenho convicção dela, mas porque eu entendo que as ações de Deus podem mudar de acordo com as reações do homem A Doutrina da Salvação
  • 16. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Naquele tempo Ezequias ficou doente, e quase morreu. O profeta Isaías, filho de Amoz, foi visitá-lo e lhe disse: "Assim diz o Senhor: Ponha em ordem a sua casa, pois você vai morrer; não se recuperará". Ezequias virou o rosto para a parede e orou ao Senhor: "Lembra-te, Senhor, como tenho te servido com fidelidade e com devoção sincera. Tenho feito o que tu aprovas". E Ezequias chorou amargamente. Antes de Isaías deixar o pátio intermediário, a palavra do Senhor veio a ele: "Volte e diga a Ezequias, líder do meu povo: ‘Assim diz o Senhor, Deus de Davi, seu predecessor: Ouvi sua oração e vi suas lágrimas; eu o curarei. Daqui a três dias você subirá ao templo do Senhor. Acrescentarei quinze anos à sua vida. E livrarei você e esta cidade das mãos do rei da Assíria. Defenderei esta cidade por causa de mim mesmo e do meu servo Davi’ ". 2 Reis 20:1-6 A salvação de Ezequias
  • 17. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O alcance da Salvação  A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos?  A resposta do homem à salvação é necessária?  Podemos afirmar segundo a teologia reformada que a morte de Cristo é suficiente, poderosa e eficaz para salvar todo aquele que Crê.  A pessoa salva em Cristo, pela fé, regenerada, tem a vida eterna e redimida, tem os seus pecados justificados.  Deus não a trata mais de acordo com a sua natureza e pecados, mas sim de acordo com a condição que recebe de Cristo, como um filho que se torna herdeiro. A Doutrina da Salvação
  • 18. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O alcance da Salvação  A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos? SIM e NÃO  A resposta do homem à salvação é necessária? SIM  A 1ª. Questão está no alcance salvação – Cristo morreu POTENCIALMENTE por todos, mas, a salvação alcança somente os que CREREM. A Doutrina da Salvação
  • 19. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O alcance da Salvação  A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos? SIM e NÃO  A resposta do homem à salvação é necessária? SIM  A questão existe porque em todo a bíblia existem passagens que nos levam a este entendimento, que Cristo morreu por todos.  Assim, também, como existem muitas passagens que falam da responsabilidade humana de se colocar, pela fé, diante da salvação oferecida por Cristo. A Doutrina da Salvação
  • 20. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O alcance da Salvação  A morte de Jesus, foi para a Salvação de Todos? SIM e NÃO "Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus. João 3:16-18 1 Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, 12 Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram; 15 Entretanto, não há comparação entre a dádiva e a transgressão. Pois se muitos morreram por causa da transgressão de um só, muito mais a graça de Deus, isto é, a dádiva pela graça de um só homem, Jesus Cristo, transbordou para muitos! 18 Conseqüentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens. Romanos 5 Isso é bom e agradável perante Deus, nosso Salvador, que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, o qual se entregou a si mesmo como resgate por todos. Esse foi o testemunho dado em seu próprio tempo. 1 Timóteo 2:3-6 A Doutrina da Salvação
  • 21. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O alcance da Salvação  A resposta do homem à salvação é necessária? SIM 9 Eu rogo por eles. Não estou rogando pelo mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus 16 Eles não são do mundo, como eu também não sou. 20 "Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles, João 17 Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Marcos 16:16 333 Pois o pão de Deus é aquele que desceu do céu e dá vida ao mundo". 37 Todo o que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei. 39 E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum dos que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. 40 Porque a vontade de meu Pai é que todo o que olhar para o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia―. 44 Ninguém pode vir a mim, se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu o ressuscitarei no último dia. 47 Asseguro-lhes que aquele que crê tem a vida eterna. 48 Eu sou o pão da vida. João 6 9 Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem. 11 "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. 15 assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. João 10 2 e vivam em amor, como também Cristo nos amou e se entregou por nós como oferta e sacrifício de aroma agradável a Deus. Efésios 5 A Doutrina da Salvação
  • 22. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim A graça  Agostinho explorou a natureza da graça por meio duas análises possíveis: 1. Em primeiro lugar, a graça e entendida como uma forca libertadora, que livra a natureza humana da escravidão do pecado a que esta sujeita. Agostinho usou o termo ―o livre arbítrio cativo‖ (liberum arbitrium capdvatum) para descrever o livre arbítrio que e tão fortemente influenciado pelo pecado, assim como argumentou que a graça e capaz de libertar o desejo humano de suas inclinacoes e de conceder ao homem o ―livre arbítrio liberto‖ (liberum arbitrium liberatum). 2. Em segundo lugar, a graça e entendida como o fator responsável pela restauração da natureza humana. Uma das analogias favoritas de Agostinho para a igreja e a de um hospital repleto de pessoas doentes. Os cristãos são aquelas pessoas que reconhecem o fato de estar doentes e procuram a ajuda de um medico, para que possam se curar.
  • 23. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim A graça  Em sua essência, o termo ―graça‖ (gratia) apresenta uma ligação com a ideia de ―presente‖. Essa ideia teve inicio com Agostinho, que destacou a noção de que a salvação é um presente de Deus, e portanto, um favor imerecido.  A graça salvadora é a dispensa especial da graça pela qual Deus soberanamente concede imerecida assistência divina sobre os seus eleitos para a sua regeneração e santificação. 28 Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. Romanos 8 A Doutrina da Salvação
  • 24. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus, porque por meio de Cristo Jesus a lei do Espírito de vida me libertou da lei do pecado e da morte. Porque, aquilo que a lei fora incapaz de fazer por estar enfraquecida pela carne, Deus o fez, enviando seu próprio Filho, à semelhança do homem pecador, como oferta pelo pecado. E assim condenou o pecado na carne, a fim de que as justas exigências da lei fossem plenamente satisfeitas em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito. Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem, de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja. Romanos 8:1-5 Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, também chamou; aos que chamou, também justificou; aos que justificou, também glorificou. Romanos 8:28-30 A Doutrina da Salvação
  • 25. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O chamado  São dois os chamados de Deus, aos escolhidos. 1. Em primeiro lugar, o chamado externo. O apelo do evangelho estende uma chamada geral externa à salvação a todos que ouvem a mensagem realizado pelos homens pela pregação, ROM 1.6 entre os quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo; MC 16.15- 16 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. I COR 1.9 Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor. I COR 1.24 mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. 2. Em segundo lugar, o chamado interno. Realizada pelo Espírito Santo em adição à chamada externa contida na mensagem do evangelho. Através dessa chamada especial, o Espírito Santo realiza uma obra de graça no pecador que, inevitavelmente, o traz à fé em Cristo. A mudança interna operada no pecador eleito o capacita a entender e crer na verdade espiritual. ROM8.14 Pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. I COR2.10 Porque Deus no-las revelou pelo seu Espírito; pois o Espírito esquadrinha todas as coisas, mesmos as profundezas de Deus. 11 Pois, qual dos homens entende as coisas do homem, senão o espírito do homem que nele está? assim também as coisas de Deus, ninguém as compreendeu, senão o Espírito de Deus. 12 Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, mas sim o Espírito que provém de Deus, a fim de compreendermos as coisas que nos foram dadas gratuitamente por Deus; A Doutrina da Salvação
  • 26. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio  O termo ―livre arbítrio‖ (liberum arbitrium) não é bíblico, mas originário do estoicismo. Foi introduzido na igreja ocidental pelo teólogo Tertuliano, que viveu no século II. Agostinho conservou o termo, mas tentou dar a ele um significado mais próximo ao entendimento de Paulo.  As ideias básicas de Agostinho podem ser resumidas da seguinte forma: 1. ele afirma a existência da inerente liberdade humana: não fazemos as coisas por obrigação, mas por uma questão de liberdade; 2. ele declara que o livre arbítrio foi debilitado e enfraquecido - mas não totalmente eliminado ou destruído - pelo pecado. Para que o livre arbítrio seja restaurado e recuperado, é necessária a atuação da graça de Deus. O livre arbítrio realmente existe; entretanto, ele se encontra debilitado pelo pecado.
  • 27. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim A balança de Agostinho  Agostinho utiliza uma analogia significativa como forma de explicar essa questão.  Pense em uma balança com dois pratos. Um dos pratos e utilizado para pesar o bem, e o outro prato, o mal. Se os dois pratos estivessem em equilíbrio, os argumentos favoráveis ao bem ou ao mal poderiam ser pesados, e chegaríamos, portanto, a uma conclusão.
  • 28. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim A balança de Agostinho  Mas o que faremos, conforme nos pergunta Agostinho, se os pratos da balança estiverem cheios? O que acontece se alguém puser um peso excessivo no prato do mal?  A balança ainda funcionara, mas ela se inclinará para o lado mal. Agostinho argumenta que isso e exatamente o que aconteceu a humanidade por meio do pecado. O livre arbítrio inclinou-se para o lado do mal.
  • 29. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio  O livre arbítrio realmente existe e pode, de fato, ajudar-nos a tomar decisões - assim como a balança ainda funciona quando esta cheia. Mas em vez de chegar a uma conclusão equilibrada, existirá uma séria inclinação para o mal.  Agostinho, usando essa e outras analogias relacionadas, argumenta que os pecadores, na verdade, possuem o livre arbítrio, mas que este livre arbítrio se encontra corrompido pelo pecado  Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus. Portanto, não permitam que o pecado continue dominando o corpo mortal de vocês, fazendo que obedeçam aos seus desejos. Não ofereçam os membros do corpo de vocês ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros do corpo de vocês a ele, como instrumentos de justiça. Pois o pecado não os dominará, porque vocês não estão debaixo da Lei, mas debaixo da graça. Romanos 6:11-14
  • 30. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio x Soberania de Deus  Para Agostinho, a total soberania de Deus e as ideias da genuína responsabilidade e liberdade do ser humano devem ser simultaneamente defendidas, quando busca se fazer justiça a riqueza e a complexidade do texto bíblico sobre esse assunto.  Para simplificar a questão, negar tanto a soberania de Deus quanto a liberdade humana representa comprometer seriamente a compreensão cristã sobre o modo como Deus justifica o homem.  No tempo de Agostinho, ele era obrigado a lidar com dois tipos de heresia, que reduziam e comprometiam o evangelho. 1. o maniqueísmo, representava uma forma de fatalismo (que atraiu, a principio, o próprio Agostinho) que defendia a total soberania de Deus, mas negava a liberdade humana; ao passo que a 2. Outra heresia, o pelagianismo, defendia o total livre arbítrio do ser humano, ao mesmo tempo em que negava a soberania de Deus.
  • 31. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio x Soberania de Deus
  • 32. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio (um pouco de história)  Tudo começa na histórica controvérsia iniciada pelo monge da Bretanha Pelágio, que no século IV começa a ensinar que o pecado afetou apenas a natureza de Adão e que nós, seus descendentes, nascemos livres e sem a influência do pecado.  As pessoas, segundo Pelágio aprendem a pecar porque vêm os outros pecarem  O homem é intrinsicamente bom e pode, portanto, escolher entre o bem e o mal.  O pecado original diz respeito somente a Adão, e não a humanidade.
  • 33. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio (um pouco de história)  Pelágio foi enfrentado por violentamente por Agostinho, Bispo de Hipona radicado em Roma e seu amigo Jerônimo, tradutor e comentarista bíblico que morava em Belém na Palestina.  Agostinho, fundamenta na bíblia, os argumentos contrários aos ensinos heréticos de Pelágio considerando que:  nós nascemos mortos em nossos pecados, que o ser humano está de tal forma afetado pelo pecado que a bíblia utiliza termos como:  Cegos, escravos da carne, escravos do mundo, escravos de satanás, mortos em ofensas e pecados e filhos da ira.  Esse conceito foi considerado heresia pelo Concílio de Éfeso (431) e o ensino rechaçado pela igreja, Pelágio e seus ensinos foram condenados no concílio, porém, ele já havia morrido.
  • 34. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio (um pouco de história)  Mesmo com a morte de Pelágio, tal o alcance de seus ensinos, a polêmica continuou e a igreja católica muitos anos depois adotou o que eles chamaram de semi-pelagianismo.  O Semi-pelagianismo essencialmente ensina que a humanidade é manchada pelo pecado, mas não ao extremo de não podermos cooperar com a graça de Deus com os nossos próprios esforços. Essa crença é, em essência, depravação parcial, ao invés de depravação total.  Durante a reforma esse debate volta à tona com outros dois grandes teólogos da época, Erasmo de Roterdão e Martinho Lutero.  Erasmo, embora permanecesse católico era a favor da reforma, porém, defendia sobremaneira o semi-pelagianismo.
  • 35. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio (um pouco de história)  Combatendo estas ideias, Lutero escreve uma das suas melhores obras, o livro De servo arbítrio (o arbítrio escravo), em português Nascido Escravo.  Assumindo a liderança da reforma, João Calvino insiste no pensamento e nas ideias de Agostinho e Lutero, enfatizando a Soberania de Deus e que o homem não é capaz de fazer escolhas.  50 anos depois de Calvino, a maioria da igreja reformada havia adotado os ensinos de sua doutrina como a oficial.  No início do século XVII, surge um professor na Universidade de Leiden na Holanda chamado Jacobus Arminius que passa a ressuscitar as ideias de Pelagio e Erasmo na sala de aula.
  • 36. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Livre Arbítrio (um pouco de história)  Muito embora suas ideias tenham causado um certo desconforto a igreja da Holanda, nunca chegou ao confronto, principalmente com Calvino, com quem nunca se encontrou. Seu, único e bastante adversário, foi outro professor de Leiden, Franciscus Gomarus, um forte defensor da doutrina calvinista e um homem de profunda fé.  A teologia arminiana não se tornou totalmente desenvolvida durante a vida de Armínio, só após a sua morte (1609) seus alunos e discípulos sistematizaram e formalizaram as suas ideias, enviando para a Igreja da Holanda um pedido de revisão à doutrina calvinista/luterana solicitando que abandonassem esta visão apresentando cinco pontos principais de discussão.  Este movimento, ficou conhecido como ―os remonstrantes‖, cuja pedido foi analisado pelo calvinista Sínodo de Dorte (1618-1619) que condenou a teologia de Armíno.
  • 37. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim O Sínodo de Dort  Foi um sínodo (reunião) nacional que teve lugar em Dordrecht, na Holanda, com o objetivo de regular uma séria controvérsia na Igreja iniciada pela ascensão do aminianismo.  Esta reunião contou com a participação de oito países, com teólogos holandeses, suíços, alemães, franceses, ingleses e outros. Foram mais de 150 homens discutindo o pedido dos remonstrantes.  Ao final, condenando as ideias de Armínio, o Sínodo elaborou um documento que ficou conhecido como ―os cinco pontos do Calvinismo‖, em resposta ao pedido feito.  Os remonstrantes perderam os seus cargos nas universidades e na igreja e foram expulsos da Holanda por um período de 6 anos, Johan van Oldenbarnevelt, o orador de 72 anos que apoiou os remonstrantes, foi condenado à morte e decapitado em Haia.
  • 38. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Predestinação (um pouco de história)  Geralmente, diz-se que Calvino fez da doutrina da predestinação o centro de seu sistema teológico. Contudo, uma leitura atenta de suas Institutas não confirma esse julgamento consagrado. Calvino adota, bem ao contrario, uma abordagem bem restrita em relação a essa doutrina, dedicando somente 4 capítulos a sua explicação  A predestinação é definida como ―o eterno decreto de Deus, pelo qual ele determinou o que desejava fazer de cada pessoa‖. Ele escolhe e predestina os eleitos e aos que Ele tem conhecimento que não vão escolhê-lo, deixa a sorte da própria condenação.  Em certo ponto, ao escrever sobre a predestinação, Calvino parece referir-se a ela como ―um horrível decreto‖: ―Admito que o decreto é horribile‖. Entretanto, a melhor tradução para palavra latina horribile é ―aterrador‖; na propria tradução para o francês, que Calvino fez dessa passagem.
  • 39. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Predestinação (um pouco de história)  Nas institutas essa discussão aparece após sua explicação a respeito da doutrina da graça. Apenas após a explicação dos principais tópicos dessa doutrina - como a justificação pela fé, por exemplo - e que Calvino se dedica a analise do misterioso e complexo tema da predestinação.  A analise que Calvino faz da predestinação parte de fatos empíricos. Alguns creem no evangelho. Outros não. A função primaria da doutrina da predestinação e explicar o porque de alguns indivíduos responderem ao evangelho, e de outros não. Representa uma tentativa de explicar a variedade das respostas humanas diante da graça. A teologia calvinista da predestinação deve ser considerada como uma reflexão sobre os dados colhidos da experiência humana e interpretados a luz das Escrituras, em vez de algo que se deduz com base em ideias preconcebidas sobre a onipotência divina.
  • 40. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Predestinação (um pouco de história)  A crença na predestinação não é em si mesma um artigo de fé, mas é o resultado final de uma reflexão, inspirada nas Escrituras, a respeito dos efeitos da graça sobre os indivíduos, à luz dos enigmas da experiência.  E preciso ressaltar que isso não representa uma inovação teológica. Calvino não está introduzindo uma noção até então desconhecida no domínio da teologia cristã.  Na verdade, é possível que Calvino tenha se apropriado ativamente desse aspecto dos ensinos de Agostinho, assim como feito por Martinho Lutero, o qual, certamente, guarda uma estranha semelhança com seus próprios ensinamentos.
  • 41. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Visão de Armínio
  • 42. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Visão de Calvino
  • 44. www.teologiafacil.net Pr. Ricardo Gondim Considerações  Concordamos que a depravação humana foi total, isso quer dizer que afetou o ser humano em toda a sua natureza inclusive o arbítrio.  Porém, devemos também, considerar que, o estado do homem é alterado assim que houver uma morte e um novo nascimento em Cristo, onde a sua natureza é misturada com a de Cristo.  A predestinação é de difícil aceitação, mas, não podemos dizer que não é bíblica.  A pré-ciência é contrária a onisciência de Deus, porque, Deus só pode prever aquilo que determinou – seria mais ou menos como escrever um livro.  O sacrifício de Cristo potencialmente é geral, ou seja, para todos, mas eficazmente alcança aqueles que o aceitaram.  A Graça é resistível naqueles a quem Deus mesmo endureceu os corações, do contrário, se ele quiser, irresistível.  A perseverança dos santos depende da experiência cristã de cada um, por isso, é possível sim perder a salvação mediante a escolha errada – ver Hebreus 6