SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
1- Embora a periodontite seja muito mais comum em adultos mais velhos, também pode ser
um problema significativo em crianças e adultos jovens. Assinale a opção onde se
encontram as formas de periodontite precoce.
A) Periodontite pré-puberal, periodontite juvenil e de progressão rápida.
B) Periodontite pré-puberal, periodontite associada à doença sistêmica e periodontite
juvenil.
C) Periodontite juvenil, periodontite ulcerativa necrosante e periodontite de progressão
rápida.
D) Periodontite pré-puberal, periodontite de progressão rápida e periodontite
ulcerativa necrosante.
E) Periodontite ulcerativa necrosante, periodontite pré-puberal e juvenil.
2- A periodontite juvenil representa, mais provavelmente, um processo de doença específica,
que começa por volta de 11 a 13 anos de idade, com uma forte tendência familiar. Dadas as
proposições a seguir sobre as características clínicas da periodontite juvenil
I. Ocorre perda de inserção e osso alveolar.
II. Ocorre na dentição decídua.
III. Somente foi observada a forma generalizada da doença.
IV. Afeta principalmente molares e incisivos permanentes.
Verifica-se que estão corretas:
A) I e IV, apenas.
B) I e II, apenas.
C) II e III, apenas.
D) III e IV, apenas.
E) I, II, III e IV.
3- Criança do sexo feminino, 6 anos de idade, apresenta tumefação do tecido mole
localizada sobre o rebordo alveolar do elemento dentário 11, ainda não erupcionado. A
tumefação revela coloração azulada pela presença de sangue no espaço tecidual e a
criança não relata sintomatologia dolorosa. Essa alteração é denominada hematoma de
erupção. Qual a conduta a ser instituída para a paciente?
(A) Acompanhamento clínico, aguardando a erupção do elemento dentário.
(B) Drenagem do conteúdo da lesão.
(C) Biópsia excisional.
(D) Antibioticoterapia.
(E) Tratamento cirúrgico, por meio da remoção do tecido gengival que recobre o
elemento dentário não erupcionado e tracionamento ortodôntico do dente 11.
4- O periodonto de crianças na fase de dentição decídua, quando comparado ao periodonto
do adulto, apresenta:
(A) gengiva marginal mais vascularizada;
(B) maior quantidade de fibras conjuntivas;
(C) epitélio mais espesso;
(D) mucosa alveolar com coloração mais pálida.
5- Estudos indicam que a prevalência de doença periodontal destrutiva em crianças é baixa,
mas nem por isso deve ser negligenciada. Crianças e adolescentes podem adquirir qualquer
das formas graves de periodontite, como a periodontite agressiva, por exemplo, que
apresenta como característica primária uma história familiar de perda de osso e ligamento
periodontal. A profundidade de sondagem é uma das formas de identificação de sítios com a
doença instalada. Ao redor de dentes decíduos, a profundidade de sondagem é de
aproximadamente:
(A) 0,5 mm.
(B) 1,0 mm.
(C) 2,0 mm.
(D) 3,0 mm.
(E) 3,0 a 5,0 mm.
6- Alguns pacientes têm dificuldade para obter um correto controle do biofilme dentário. Para
esses pacientes, pode-se indicar um agente químico como medida suplementar às
manobras mecânicas de remoção do biofilme. Informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que
se afirma a seguir e, em seguida, assinale a alternativa com a sequência correta.
( ) A clorexidina, mesmo na concentração de 0,12%, não deve ser utilizada por crianças,
pelo risco de ingestão acidental e provável toxicidade.
( ) A clorexidina ainda pode ser considerada o mais efetivo suplemento da higiene bucal
mecânica habitual.
( ) Agentes antimicrobianos, como a clorexidina, têm sido indicados principalmente para o
controle do biofilme subgengival, onde a escova e o fio dental têm pouca ação.
(A) V – V – V
(B) F – F – V
(C) V – F – V
(D) F – V – F
(E) V – V – F
7- O tratamento da gengivite eruptiva deve consistir em:
A) gengivectomia.
B) gengivoplastia.
C) remoção do dente.
D) manutenção de uma boa higiene bucal.
E) raspagem subgengival.
8- A prática da odontologia restauradora possui relação recíproca com a saúde periodontal.
A doença periodontal sem tratamento poderá comprometer o sucesso da terapia
restauradora. Uma restauração inadequada pode ter efeito iatrogênico sobre o periodonto. O
papel do clínico é manter ou restituir o equilíbrio entre a relação de virulência bacteriana e a
resposta do hospedeiro. Considerando o tema do texto acima, assinale a opção incorreta.
A) O termo doença periodontal deve ser adotado para indicar perda ativa de
inserção e osso alveolar. O limite entre saúde e doença periodontal é a evidência de
perda de inserção.
B) As gengivites podem ser mantidas, mesmo na inexistência de terapia periodontal,
por períodos indeterminados, sem se converterem em periodontites.
C) O sangramento à sondagem é o sinal mais sensível de inflamação e indica a
necessidade de controle químico da placa bacteriana.
D) A extensão do preparo cavitário ao fundo do sulco gengival pode promover a
migração desse epitélio apical com permanente perda de inserção.
9- Sobre a periodontite juvenil localizada, é correto afirmar:
A) é uma forma de periodontite de progressão lenta.
B) está associada à ausência de evidência clínica pronunciada de inflamação.
C) radiograficamente, a destruição óssea tem um caráter horizontal.
D) localiza-se mais ao redor dos caninos.
10- Quanto às características diferenciais de normalidade gengival de crianças e adultos, é
correto afirmar que:
A) na criança, a gengiva inserida é menos vermelha que no adulto.
B) a gengiva inserida da criança é mais fibrótica que a do adulto.
C) na criança, a gengiva inserida apresenta um pontilhado característico. D) na
criança, a profundidade do sulco gengival normal pode ser > 2mm.
11- “Inicia-se como inflamação difusa da mucosa, acompanhada de dor, febre e mal-estar.
Dois ou três dias após, aparecem pequenas vesículas que se rompem, transformando-se em
úlceras cobertas por um exsudato amarelado e contornadas por uma zona avermelhada”.
Marque a alteração patológica do periodonto, correspondente a essa descrição.
A) Gengivite ulcerosa necrosante aguda.
B) Fibromatose gengival hereditária.
C) Gengivoestomatite herpética.
D) Hiperplasia gengival dilantínica.
12- O termo periodonto sintetiza todos os tecidos envolvidos no mecanismo de proteção e
sustentação do dente. Didaticamente, pode ser dividido em periodonto de proteção e
periodonto de sustentação. Assinale a alternativa que NÃO representa um dos componentes
constituintes do periodonto de sustentação:
a) Cemento radicular.
b) Ligamento periodontal.
c) Gengiva.
d) Osso alveolar.
13- Em virtude das constantes modificações que ocorrem em função da idade da criança
(esfoliação e erupção dentárias), torna-se uma tarefa difícil estabelecer um quadro
específico dos dados clínicos de 8 normalidade gengival nas crianças. As seguintes
alternativas representam características clínicas de normalidade gengival na criança,
EXCETO:
a) A cor da gengiva inserida, normalmente, apresenta-se mais avermelhada em
relação à gengiva do adulto. Isso ocorre devido ao fato de que o epitélio gengival da criança
é mais delgado e menos queratinizado e, portanto, reflete maior vascularização do tecido
conjuntivo.
b) A superfície da gengiva inserida apresenta pontilhado menos pronunciado e,
muitas vezes, inexistente.
c) A gengiva marginal posiciona-se mais coronariamente em relação à junção
cemento-esmalte.
d) A consistência da gengiva inserida da criança apresenta-se mais fibrótica
que a do adulto, e o sulco gengival pode apresentar uma profundidade de até 1mm.
14- A doença periodontal acomete crianças, adolescentes e adultos. As prevalências das
gengivites na infância são
a) restritas à fase de dentição mista
b) baixas para a forma localizada e altas para a forma generalizada
c) mais elevadas que a sua severidade
d) baixas devido às peculiaridades desse período da vida
15- Quanto às doenças periodontais necrosantes, é incorreto afirmar que:
a) Podem estar acompanhadas por febre, mal estar e linfadenopatia.
b) A periodontite ulcerativa necrosante é caracterizada por crateras interdentais
profundas.
c) Na genvivite ulcerativa necrosante, ocorre perda óssea alveolar e de inserção
clínica.
d) Sangramento espontâneo, odor fétido e aumento da salivação são sinais clínicos
característicos da gengivite ulcerativa necrosante.
e) Periodontite ulcerativa necrosante não relacionada à AIDS acontece após
episódios repetidos de gengivite ulcerativa necrosante em um longo período.
16- Leia a afirmação abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que preenche correta e
respectivamente as lacunas.
Segundo Toledo O.A., a _________ caracteriza-se, clinicamente, pela vermelhidão devido à
hiperemia, hipertrofia devido ao edema e sangramento provocado. A primeira região a ser
envolvida é, geralmente, a __________________.
a) doença periodontal / gengiva marginal
b) gengivite / gengiva marginal
c) gengivite / papila interdental
d) doença periodontal / papila interdental
17- Leia a afirmação abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que preenche correta e
respectivamente as lacunas.
Segundo Toledo O.A., a gengivite _________ nas crianças é comumente caracterizada por
aumento do número de células e de fibras, ou seja, por uma alteração _________. A
hiperplasia gengival pode estar associada ao edema, provocando acentuada hipertrofia da
gengiva marginal e papilar.
a) crônica / simples
b) aguda / simples
c) aguda / hiperplásica
d) crônica / hiperplásica
18- Leia a afirmação abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que preenche correta e
respectivamente as lacunas.
Segundo Toledo O.A., a manifestação conhecida como periodontite juvenil é extremamente
_______ em crianças, e pode ser encontrada na adolescência a partir do final da puberdade.
Ocorre em indivíduos saudáveis, e caracteriza-se clinicamente pela perda _________ de
osso alveolar em torno de um ou mais dentes, geralmente incisivos e molares.
a) rara / rápida
b) comum / rápida
c) comum / lenta
d) rara / lenta
19- Em relação às características que um micro-organismo deve possuir para o início e
desenvolvimento das doenças periodontais, analise as proposições abaixo, marque V para
verdadeiro e F para falso. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência
correta.
( ) Estabelecer íntima proximidade com os tecidos periodontais.
( ) Ser removido pela saliva e fluido gengival.
( ) Não resistir às defesas locais do hospedeiro.
( ) Ser capaz de induzir destruição dos tecidos periodontais.
a) V/ F/ F/ V
b) F/ V/ V/ F
c) V/ V/ V/ F
d) F/ F/ F/ V
20- A GUNA raramente ocorre em crianças em idade pré-escolar. Sua prevalência aumenta
a partir da idade escolar e torna-se significante a partir da adolescência. Em relação aos
sinais mais característicos da GUNA, analise as proposições abaixo, marque V para
verdadeiro e F para falso. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência
correta.
( ) Tecido gengival com uma cor rosa-pálido.
( ) Inversão da topografia da papila.
( ) Áreas de necrose.
( ) Ausência de sangramento.
a) F/ V/ V/ V
b) V/ F/ F/ F
c) F/ V/ V/ F
d) F/ V/ F/ F
21- Com base nas características da divisão anatômica da gengiva, correlacione as colunas
abaixo. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
I. Gengiva marginal
II. Gengiva inserida
III. Gengiva papilar
( ) corresponde à faixa que vai do término da porção apical do epitélio juncional até a linha
mucogengival. Quando sadia, via de regra, apresenta-se com textura em “casca de laranja”.
( ) é o tecido gengival que preenche o espaço interproximal. Nesta, localiza-se a área do
“col”, área de maior vulnerabilidade ao início da doença periodontal.
( ) é a gengiva que circunscreve o colo do dente. O espaço compreendido entre sua vertente
interna e o dente constitui o sulco gengival. Neste, localiza-se o fluido gengival considerado
um elemento importante na defesa do hospedeiro frente aos agentes da microbiota bucal.
a) I/ II/ III
b) II/ I/ III
c) II/ III/ I
d) I/ III/ II
22- Em relação à periodontite como manifestação de doença sistêmica em uma criança com
deficiência de aderência leucocitária (LAD), é correto afirmar que:
(A) tem início durante ou imediatamente após a erupção dos dentes decíduos;
(B) sua distribuição inclui predominantemente primeiros molares e incisivos inferiores;
(C) diminui a contagem de células brancas do sangue periférico;
(D) ausência de condições sistêmicas e de história de infecções recorrentes;
(E) alto nível de neutrófilos presentes no tecido gengival.
23- Em Periodontia, o exame radiográfico é de utilidade nos seguintes casos, exceto:
a) Para demonstrar o grau de perda óssea.
b) Para registrar a relação entre coroa e raiz suportada pelo osso.
c) Para registrar a presença de bolsa periodontal.
d) Para detectar o espaço periodontal e as alterações da cortical óssea.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a Passo
Resumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a PassoResumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a Passo
Resumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a PassoAndré Milioli Martins
 
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças PeriodontaisSlides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças PeriodontaisVítor Genaro
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparprofguilhermeterra
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Guilherme Terra
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...André Milioli Martins
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfThiago Dant
 
Roteiro retentores intraradiculares
Roteiro retentores intraradicularesRoteiro retentores intraradiculares
Roteiro retentores intraradicularesMirielly Macedo
 
Farmacologia e Prescrição em Cirurgia BMF
Farmacologia e Prescrição em Cirurgia BMFFarmacologia e Prescrição em Cirurgia BMF
Farmacologia e Prescrição em Cirurgia BMFprofguilhermeterra
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostasprofguilhermeterra
 
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011Tiago Martins
 
Tratamento de lesoes Cervicais não Cariosas
Tratamento de lesoes Cervicais não CariosasTratamento de lesoes Cervicais não Cariosas
Tratamento de lesoes Cervicais não CariosasNadia Morais Tonussi
 
Periodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaPeriodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaElisabete Arruda
 

Mais procurados (20)

Resumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a Passo
Resumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a PassoResumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a Passo
Resumo de Periodontia - Gengivoplastia e Gengivetomia - Técnica Passo a Passo
 
Dentística
DentísticaDentística
Dentística
 
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças PeriodontaisSlides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
Slides de seminário: Diagnóstico e Classificações das Doenças Periodontais
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Selantes odontopediatria
Selantes odontopediatriaSelantes odontopediatria
Selantes odontopediatria
 
Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013Infecções odontogênicas 2013
Infecções odontogênicas 2013
 
Periodontia em odontopediatria
Periodontia em odontopediatriaPeriodontia em odontopediatria
Periodontia em odontopediatria
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
 
Grampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdfGrampos protese 1 pdf
Grampos protese 1 pdf
 
Roteiro retentores intraradiculares
Roteiro retentores intraradicularesRoteiro retentores intraradiculares
Roteiro retentores intraradiculares
 
Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
 
Farmacologia e Prescrição em Cirurgia BMF
Farmacologia e Prescrição em Cirurgia BMFFarmacologia e Prescrição em Cirurgia BMF
Farmacologia e Prescrição em Cirurgia BMF
 
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas CompostasAdesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
Adesivos dentinários e Restaurações Anteriores em Resinas Compostas
 
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa  MetalocerâmicaPrótese Dental Parcial Fixa  Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
 
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011Prótese  fixa inter relação com periodontia 2011
Prótese fixa inter relação com periodontia 2011
 
Tratamento de lesoes Cervicais não Cariosas
Tratamento de lesoes Cervicais não CariosasTratamento de lesoes Cervicais não Cariosas
Tratamento de lesoes Cervicais não Cariosas
 
Seminario prótese x mal oclusão
Seminario prótese x mal oclusãoSeminario prótese x mal oclusão
Seminario prótese x mal oclusão
 
Pino fibra
Pino fibraPino fibra
Pino fibra
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
Periodontia em Odontologia
Periodontia em OdontologiaPeriodontia em Odontologia
Periodontia em Odontologia
 

Destaque

Tratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresTratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresRayssa Mendonça
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoRayssa Mendonça
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSOESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSORayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIAAV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSAV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSRayssa Mendonça
 
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoCapítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoRayssa Mendonça
 
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalCapitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalRayssa Mendonça
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Rayssa Mendonça
 
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALAPOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALRayssa Mendonça
 
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoCapítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoRayssa Mendonça
 
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)Rayssa Mendonça
 
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaAV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaRayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIAV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIRayssa Mendonça
 

Destaque (20)

Tratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresTratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molares
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
 
Retratamento endodôntico
Retratamento endodônticoRetratamento endodôntico
Retratamento endodôntico
 
Clareamento dental
Clareamento dentalClareamento dental
Clareamento dental
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Urgências endodônticas
Urgências endodônticasUrgências endodônticas
Urgências endodônticas
 
Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi Apostila de estágio vi
Apostila de estágio vi
 
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSOESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
 
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIAAV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
 
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSAV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
 
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoCapítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
 
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalCapitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALAPOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
 
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoCapítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
 
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
AV2 Resumo de implantodontia (Autoria João Ricardo)
 
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaAV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
 
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIAV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
 
APOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA IIAPOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA II
 

Semelhante a Periodontite crianças

Patologia Bucal - Síndrome de Papillon Lefèvre
Patologia Bucal - Síndrome de Papillon LefèvrePatologia Bucal - Síndrome de Papillon Lefèvre
Patologia Bucal - Síndrome de Papillon LefèvreRauricio Vital Mendes
 
Patologia semi 001.2013 odontogência
Patologia semi 001.2013 odontogênciaPatologia semi 001.2013 odontogência
Patologia semi 001.2013 odontogênciaMarlus Pedrosa
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasAna Araujo
 
Analgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia DentáriaAnalgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia DentáriaFrancisco Vilaça Lopes
 
[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3Edson Zacqueu
 
Prevenção á doença periodontal aula 2
Prevenção á doença periodontal aula 2Prevenção á doença periodontal aula 2
Prevenção á doença periodontal aula 2Mirian Guidi
 
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdfTumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdfedvandroremos
 
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptxEmergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptxAllefAquino1
 
Trabalho citologia gengivite e periodontite
Trabalho citologia gengivite e periodontiteTrabalho citologia gengivite e periodontite
Trabalho citologia gengivite e periodontiteMichely Santos
 
Prevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontaisPrevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontaisCms Nunes
 
Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...
Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...
Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...Odontologia Com André
 
Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003Uninove
 
Etiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesEtiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesedmarchristovam
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais Daniel Ferro
 
Trauma de Face II - Fratura de Mandíbula
Trauma de Face II - Fratura de MandíbulaTrauma de Face II - Fratura de Mandíbula
Trauma de Face II - Fratura de MandíbulaBrunno Rosique
 
Estudos de formação do conceito epidemiológico da cárie
Estudos de formação do conceito epidemiológico da cárieEstudos de formação do conceito epidemiológico da cárie
Estudos de formação do conceito epidemiológico da cárieJean Santos
 

Semelhante a Periodontite crianças (20)

Restauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rcRestauração classe iii em rc
Restauração classe iii em rc
 
Patologia Bucal - Síndrome de Papillon Lefèvre
Patologia Bucal - Síndrome de Papillon LefèvrePatologia Bucal - Síndrome de Papillon Lefèvre
Patologia Bucal - Síndrome de Papillon Lefèvre
 
Patologia semi 001.2013 odontogência
Patologia semi 001.2013 odontogênciaPatologia semi 001.2013 odontogência
Patologia semi 001.2013 odontogência
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicas
 
Analgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia DentáriaAnalgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
Analgésicos e Antibióticos em Patologia Dentária
 
[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3[Repeo] numero 7 artigo 3
[Repeo] numero 7 artigo 3
 
Prevenção á doença periodontal aula 2
Prevenção á doença periodontal aula 2Prevenção á doença periodontal aula 2
Prevenção á doença periodontal aula 2
 
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdfTumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
Tumor Odontogênico Adenomatoide-Claudio Mulau-Unilurio.pdf
 
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptxEmergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
Emergencias Odontologia AULA 01.04.pptx
 
Trabalho citologia gengivite e periodontite
Trabalho citologia gengivite e periodontiteTrabalho citologia gengivite e periodontite
Trabalho citologia gengivite e periodontite
 
Prevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontaisPrevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontais
 
Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...
Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...
Cisto Dentígero - Características Clínicas, Radiográficas e Tratamento - Conc...
 
Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003Aula De Cistos Uninove 2009 2003
Aula De Cistos Uninove 2009 2003
 
Etiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusõesEtiologia das maloclusões
Etiologia das maloclusões
 
doença periodontal
doença periodontaldoença periodontal
doença periodontal
 
Manual_Periodontia.pdf
Manual_Periodontia.pdfManual_Periodontia.pdf
Manual_Periodontia.pdf
 
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais Principais
afecções da cavidade oral  de pequenos animais
Principais
afecções da cavidade oral de pequenos animais
 
Trauma de Face II - Fratura de Mandíbula
Trauma de Face II - Fratura de MandíbulaTrauma de Face II - Fratura de Mandíbula
Trauma de Face II - Fratura de Mandíbula
 
Estudos de formação do conceito epidemiológico da cárie
Estudos de formação do conceito epidemiológico da cárieEstudos de formação do conceito epidemiológico da cárie
Estudos de formação do conceito epidemiológico da cárie
 
Cistos odontogênicos
Cistos odontogênicosCistos odontogênicos
Cistos odontogênicos
 

Último

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 

Último (10)

Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 

Periodontite crianças

  • 1. 1- Embora a periodontite seja muito mais comum em adultos mais velhos, também pode ser um problema significativo em crianças e adultos jovens. Assinale a opção onde se encontram as formas de periodontite precoce. A) Periodontite pré-puberal, periodontite juvenil e de progressão rápida. B) Periodontite pré-puberal, periodontite associada à doença sistêmica e periodontite juvenil. C) Periodontite juvenil, periodontite ulcerativa necrosante e periodontite de progressão rápida. D) Periodontite pré-puberal, periodontite de progressão rápida e periodontite ulcerativa necrosante. E) Periodontite ulcerativa necrosante, periodontite pré-puberal e juvenil. 2- A periodontite juvenil representa, mais provavelmente, um processo de doença específica, que começa por volta de 11 a 13 anos de idade, com uma forte tendência familiar. Dadas as proposições a seguir sobre as características clínicas da periodontite juvenil I. Ocorre perda de inserção e osso alveolar. II. Ocorre na dentição decídua. III. Somente foi observada a forma generalizada da doença. IV. Afeta principalmente molares e incisivos permanentes. Verifica-se que estão corretas: A) I e IV, apenas. B) I e II, apenas. C) II e III, apenas. D) III e IV, apenas. E) I, II, III e IV. 3- Criança do sexo feminino, 6 anos de idade, apresenta tumefação do tecido mole localizada sobre o rebordo alveolar do elemento dentário 11, ainda não erupcionado. A tumefação revela coloração azulada pela presença de sangue no espaço tecidual e a criança não relata sintomatologia dolorosa. Essa alteração é denominada hematoma de erupção. Qual a conduta a ser instituída para a paciente? (A) Acompanhamento clínico, aguardando a erupção do elemento dentário. (B) Drenagem do conteúdo da lesão. (C) Biópsia excisional. (D) Antibioticoterapia. (E) Tratamento cirúrgico, por meio da remoção do tecido gengival que recobre o elemento dentário não erupcionado e tracionamento ortodôntico do dente 11. 4- O periodonto de crianças na fase de dentição decídua, quando comparado ao periodonto do adulto, apresenta: (A) gengiva marginal mais vascularizada; (B) maior quantidade de fibras conjuntivas; (C) epitélio mais espesso; (D) mucosa alveolar com coloração mais pálida. 5- Estudos indicam que a prevalência de doença periodontal destrutiva em crianças é baixa, mas nem por isso deve ser negligenciada. Crianças e adolescentes podem adquirir qualquer das formas graves de periodontite, como a periodontite agressiva, por exemplo, que apresenta como característica primária uma história familiar de perda de osso e ligamento periodontal. A profundidade de sondagem é uma das formas de identificação de sítios com a
  • 2. doença instalada. Ao redor de dentes decíduos, a profundidade de sondagem é de aproximadamente: (A) 0,5 mm. (B) 1,0 mm. (C) 2,0 mm. (D) 3,0 mm. (E) 3,0 a 5,0 mm. 6- Alguns pacientes têm dificuldade para obter um correto controle do biofilme dentário. Para esses pacientes, pode-se indicar um agente químico como medida suplementar às manobras mecânicas de remoção do biofilme. Informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e, em seguida, assinale a alternativa com a sequência correta. ( ) A clorexidina, mesmo na concentração de 0,12%, não deve ser utilizada por crianças, pelo risco de ingestão acidental e provável toxicidade. ( ) A clorexidina ainda pode ser considerada o mais efetivo suplemento da higiene bucal mecânica habitual. ( ) Agentes antimicrobianos, como a clorexidina, têm sido indicados principalmente para o controle do biofilme subgengival, onde a escova e o fio dental têm pouca ação. (A) V – V – V (B) F – F – V (C) V – F – V (D) F – V – F (E) V – V – F 7- O tratamento da gengivite eruptiva deve consistir em: A) gengivectomia. B) gengivoplastia. C) remoção do dente. D) manutenção de uma boa higiene bucal. E) raspagem subgengival. 8- A prática da odontologia restauradora possui relação recíproca com a saúde periodontal. A doença periodontal sem tratamento poderá comprometer o sucesso da terapia restauradora. Uma restauração inadequada pode ter efeito iatrogênico sobre o periodonto. O papel do clínico é manter ou restituir o equilíbrio entre a relação de virulência bacteriana e a resposta do hospedeiro. Considerando o tema do texto acima, assinale a opção incorreta. A) O termo doença periodontal deve ser adotado para indicar perda ativa de inserção e osso alveolar. O limite entre saúde e doença periodontal é a evidência de perda de inserção. B) As gengivites podem ser mantidas, mesmo na inexistência de terapia periodontal, por períodos indeterminados, sem se converterem em periodontites. C) O sangramento à sondagem é o sinal mais sensível de inflamação e indica a necessidade de controle químico da placa bacteriana. D) A extensão do preparo cavitário ao fundo do sulco gengival pode promover a migração desse epitélio apical com permanente perda de inserção. 9- Sobre a periodontite juvenil localizada, é correto afirmar: A) é uma forma de periodontite de progressão lenta. B) está associada à ausência de evidência clínica pronunciada de inflamação. C) radiograficamente, a destruição óssea tem um caráter horizontal.
  • 3. D) localiza-se mais ao redor dos caninos. 10- Quanto às características diferenciais de normalidade gengival de crianças e adultos, é correto afirmar que: A) na criança, a gengiva inserida é menos vermelha que no adulto. B) a gengiva inserida da criança é mais fibrótica que a do adulto. C) na criança, a gengiva inserida apresenta um pontilhado característico. D) na criança, a profundidade do sulco gengival normal pode ser > 2mm. 11- “Inicia-se como inflamação difusa da mucosa, acompanhada de dor, febre e mal-estar. Dois ou três dias após, aparecem pequenas vesículas que se rompem, transformando-se em úlceras cobertas por um exsudato amarelado e contornadas por uma zona avermelhada”. Marque a alteração patológica do periodonto, correspondente a essa descrição. A) Gengivite ulcerosa necrosante aguda. B) Fibromatose gengival hereditária. C) Gengivoestomatite herpética. D) Hiperplasia gengival dilantínica. 12- O termo periodonto sintetiza todos os tecidos envolvidos no mecanismo de proteção e sustentação do dente. Didaticamente, pode ser dividido em periodonto de proteção e periodonto de sustentação. Assinale a alternativa que NÃO representa um dos componentes constituintes do periodonto de sustentação: a) Cemento radicular. b) Ligamento periodontal. c) Gengiva. d) Osso alveolar. 13- Em virtude das constantes modificações que ocorrem em função da idade da criança (esfoliação e erupção dentárias), torna-se uma tarefa difícil estabelecer um quadro específico dos dados clínicos de 8 normalidade gengival nas crianças. As seguintes alternativas representam características clínicas de normalidade gengival na criança, EXCETO: a) A cor da gengiva inserida, normalmente, apresenta-se mais avermelhada em relação à gengiva do adulto. Isso ocorre devido ao fato de que o epitélio gengival da criança é mais delgado e menos queratinizado e, portanto, reflete maior vascularização do tecido conjuntivo. b) A superfície da gengiva inserida apresenta pontilhado menos pronunciado e, muitas vezes, inexistente. c) A gengiva marginal posiciona-se mais coronariamente em relação à junção cemento-esmalte. d) A consistência da gengiva inserida da criança apresenta-se mais fibrótica que a do adulto, e o sulco gengival pode apresentar uma profundidade de até 1mm. 14- A doença periodontal acomete crianças, adolescentes e adultos. As prevalências das gengivites na infância são a) restritas à fase de dentição mista b) baixas para a forma localizada e altas para a forma generalizada c) mais elevadas que a sua severidade d) baixas devido às peculiaridades desse período da vida
  • 4. 15- Quanto às doenças periodontais necrosantes, é incorreto afirmar que: a) Podem estar acompanhadas por febre, mal estar e linfadenopatia. b) A periodontite ulcerativa necrosante é caracterizada por crateras interdentais profundas. c) Na genvivite ulcerativa necrosante, ocorre perda óssea alveolar e de inserção clínica. d) Sangramento espontâneo, odor fétido e aumento da salivação são sinais clínicos característicos da gengivite ulcerativa necrosante. e) Periodontite ulcerativa necrosante não relacionada à AIDS acontece após episódios repetidos de gengivite ulcerativa necrosante em um longo período. 16- Leia a afirmação abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente as lacunas. Segundo Toledo O.A., a _________ caracteriza-se, clinicamente, pela vermelhidão devido à hiperemia, hipertrofia devido ao edema e sangramento provocado. A primeira região a ser envolvida é, geralmente, a __________________. a) doença periodontal / gengiva marginal b) gengivite / gengiva marginal c) gengivite / papila interdental d) doença periodontal / papila interdental 17- Leia a afirmação abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente as lacunas. Segundo Toledo O.A., a gengivite _________ nas crianças é comumente caracterizada por aumento do número de células e de fibras, ou seja, por uma alteração _________. A hiperplasia gengival pode estar associada ao edema, provocando acentuada hipertrofia da gengiva marginal e papilar. a) crônica / simples b) aguda / simples c) aguda / hiperplásica d) crônica / hiperplásica 18- Leia a afirmação abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente as lacunas. Segundo Toledo O.A., a manifestação conhecida como periodontite juvenil é extremamente _______ em crianças, e pode ser encontrada na adolescência a partir do final da puberdade. Ocorre em indivíduos saudáveis, e caracteriza-se clinicamente pela perda _________ de osso alveolar em torno de um ou mais dentes, geralmente incisivos e molares. a) rara / rápida b) comum / rápida c) comum / lenta d) rara / lenta 19- Em relação às características que um micro-organismo deve possuir para o início e desenvolvimento das doenças periodontais, analise as proposições abaixo, marque V para verdadeiro e F para falso. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. ( ) Estabelecer íntima proximidade com os tecidos periodontais. ( ) Ser removido pela saliva e fluido gengival. ( ) Não resistir às defesas locais do hospedeiro. ( ) Ser capaz de induzir destruição dos tecidos periodontais.
  • 5. a) V/ F/ F/ V b) F/ V/ V/ F c) V/ V/ V/ F d) F/ F/ F/ V 20- A GUNA raramente ocorre em crianças em idade pré-escolar. Sua prevalência aumenta a partir da idade escolar e torna-se significante a partir da adolescência. Em relação aos sinais mais característicos da GUNA, analise as proposições abaixo, marque V para verdadeiro e F para falso. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. ( ) Tecido gengival com uma cor rosa-pálido. ( ) Inversão da topografia da papila. ( ) Áreas de necrose. ( ) Ausência de sangramento. a) F/ V/ V/ V b) V/ F/ F/ F c) F/ V/ V/ F d) F/ V/ F/ F 21- Com base nas características da divisão anatômica da gengiva, correlacione as colunas abaixo. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta. I. Gengiva marginal II. Gengiva inserida III. Gengiva papilar ( ) corresponde à faixa que vai do término da porção apical do epitélio juncional até a linha mucogengival. Quando sadia, via de regra, apresenta-se com textura em “casca de laranja”. ( ) é o tecido gengival que preenche o espaço interproximal. Nesta, localiza-se a área do “col”, área de maior vulnerabilidade ao início da doença periodontal. ( ) é a gengiva que circunscreve o colo do dente. O espaço compreendido entre sua vertente interna e o dente constitui o sulco gengival. Neste, localiza-se o fluido gengival considerado um elemento importante na defesa do hospedeiro frente aos agentes da microbiota bucal. a) I/ II/ III b) II/ I/ III c) II/ III/ I d) I/ III/ II 22- Em relação à periodontite como manifestação de doença sistêmica em uma criança com deficiência de aderência leucocitária (LAD), é correto afirmar que: (A) tem início durante ou imediatamente após a erupção dos dentes decíduos; (B) sua distribuição inclui predominantemente primeiros molares e incisivos inferiores; (C) diminui a contagem de células brancas do sangue periférico; (D) ausência de condições sistêmicas e de história de infecções recorrentes; (E) alto nível de neutrófilos presentes no tecido gengival. 23- Em Periodontia, o exame radiográfico é de utilidade nos seguintes casos, exceto: a) Para demonstrar o grau de perda óssea. b) Para registrar a relação entre coroa e raiz suportada pelo osso. c) Para registrar a presença de bolsa periodontal. d) Para detectar o espaço periodontal e as alterações da cortical óssea.