SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
SERRITA – PE
2015
RESUMO DE IMPLANTODONTIA
JOÃO RICARDO
JR P á g i n a | 2
Aula 1
MEDIDAS DO IMPLANTE
Diâmetros:
 Padrão 4 a 4.1 m6m (3,75 a 4,5) médio (Mais usados)
 Inferior ao padrão 3.3. mm (3,25 a. 3,5) fino (incisivos laterais
superiores e incisivos inferiores)
 Superior ao padrão de (5 a 7 mm) largo (molares)
Parâmetros para escolha:
 Perfil de emergência e anatomia do elemento a ser substituído
 Espaço mésio distal e vestíbulo lingual disponível
 Características da área a ser implantado:
 Volume ósseo
 Fatores biomecanicos
Obs: Na região de ICS Canino e PRE está indicado pela biomecanica e
diâmetro X estética o uso de implantes de 3,75 a 4 mm e 5 a 6 mm nos
molares por que do contrário fica evidente na gengiva no caso de 5,5 mm, Nos
incisivos inferiores usar de 3 a 3,25 mm, Nos caninos pres e molares usar 3,75
e 4
Levar em consideração a quantidade e a qualidade do tecido ósseo se
aporta o diâmetro do implante
Comprimento
 Está diretamente ligado a estabilidade primária do implante
 Sabe-se que o comprimento padrão é de 10 a 13 mm pois tem
boa estabilidade primária com boa irrigação
JR P á g i n a | 3
 O prolongamento excessivo do implante dificulta a irrigação e
causa aquecimento e necrose óssea o que dificulta a
ósseointegração nas regiões além de 13 mm
JR P á g i n a | 4
Aula 2
QUANTO A SUPERFÍCIE DO IMPLANTE
 O tipo de superfície é muito importante para a ósseointegração,
os implantes torneados sem tratamento são bons apenas no osso
cortical
 O tratamento da superfície consiste em adicionar alguma
característica que atraia as células formadoras de tecido ósseo
para a superfície fazendo com que o osso se deposite mais
favoravelmente sobre o implante melhorando a ósseointegração.
 Isso causa rugosidades muito importantes para melhorar a
integração e são criadas por adição ou subtração (Duas maneiras
de tratamento de superfície)
Existem dois tipos de superfícies
 Usinadas: Por torneamento, são lisos
 Rugosas, tratadas ou texturizadas: Por adição ou remoção. São
rugosos.
 Os usinados só integram em osso cortical (ósseointegração a
distância) por corticalização.
 Já os rugosos integram em cortical ou trabécular
(ósseointegração por contato) por trabeculação
Os usinados permitem a mineralização do osso rumo ao implante mas
não o estimula, em alguns casos sofrem fibrointegração que é muito fraca.
Já os tratados tem a capacidade indutora (osseoindução), Impedem a
proliferação epitelial e favorecem a migração de células formadoras de osso.
Tipos de superfície
JR P á g i n a | 5
 Tratada por Adição de titânio
 Tratada por Adição de hidroxiapatita (O melhor de todos os
Tratamentos)
Os implantes tratados por adição liberam alguma substância que atraem
as células formadoras para a superfície o que melhora a ósseointegração.
Nisso eles melhoram a retenção SECUNDÁRIA
No caso de adição o titânio ou a hidroxiapatita são usados como
revestimento da superfície o que aumenta a mesma
Vale lembrar que o titânio causa osseocondução pois é bioinerte e a
hidroxiapatita causa osseocondução e osseoindução pois é bioativa
A adição de titânio se da por projeção por tocha de plasma de spray de
titânio
Muitos fatores são importantes para essa adição:
 Tamanho dos grânulos
 Tempo de exposição
 Força do jateamento
Esse tratamento aumenta a molhabilidade o que facilita muito a perfusão
sangüínea e acelera a ósseointegração pela difusão de células formadoras de
osso.
Tratamentos por subtração:
 Tratada por Subtração física
Mais simples, barata, porem menos homogênea, se faz por
bombardeamento da superfície com titanio, óxido de alumínio, hidroxiapatita,
sílica é o mais usado no Brasil é o óxido de alumínio que é duro, barato mas
causa muita impregnação na superfície e reduz a osteointegração
JR P á g i n a | 6
 Tratada por Subtração química
Se da pelo desgaste da superfície com ácidos fortes o até causa
microrretencoes e microrrugosidades, ainda causa a limpeza, Se usa ácido
clorídrico, fluoridrico ou sulfúrico, Apresenta bom controle de qualidade e
Homogeneidade.
Pode se dar por corrosão ou decapitação (contra-indicada pois reduz a
resistência)
 Tratada por Subtração físico-química
Se realiza um primeiro jateamento (Cria macrorretenções)
Depois o implante é submetido a subtração química (Criando
microrretencoes). A união dos dois métodos eleva a qualidade do tratamento
da Superfície
JR P á g i n a | 7
Aula 3
PLANEJAMENTO INTEGRADO PROTETICO-CIRÚRGICO
Indicações e contra-indicações do tratamento com implantes
osseointegrados.
É preciso avaliar:
 Fatores de risco
 Avaliação dos sinais clínicos e uso de medicamentos que podem
interferir no tratamento
 Avaliação de exames complementares
 Imaginologia aplicada ao tratamento por implantes
Objetivo da Implantodontia é oferecer a solução mais simples eficiente e
prognosticável para o paciente
Durante a Consulta inicial é importante:
 Apurar a queixa principal
 Conversar com o paciente
 Exame clínico na cadeira odontologica
 Solicitação de exames complementares pre-operatórios
 Repasse de informações de orçamento (comercialização do
implante)
 Assinatura das documentações cabíveis ao momento
 Identificar o desejo do paciente
 Cuidado com exigências surreais
 Quanto maior a exigência maior deve ser a cooperação do
paciente
O paciente deve ter consciência de que:
JR P á g i n a | 8
 O tratamento com implantes requer dedicação por parte do
mesmo
 Na fase protetica do implante são necessárias várias provas e
vários retornos
 Sempre ter em mente a possibilidade do insucesso
 Que ele deve se comprometer com o tratamento
 Que o prognóstico do tratamento requer revisões e
acompanhamentos periódicos
Situações possíveis na consulta inicial:
 Situação 1: Paciente já chega com exames e orçamentos de
outros profissionais
 Situação 2: Paciente sem exames buscando o tratamento desde o
início
Comercialização do implante (Escolher o tipo de implante a ser usado):
 Exame clínico
 Avaliar o estado físico do paciente
 Avaliar a qualidade e o tipo de osso, margens de mucosa,
lindonodos, atm, freios, lábios e etc.
Obs importante: O melhor momento para indicar um implante é na
consulta de retorno
Indicações para colocação de implantes:
 A enorme maioria das ausências dentárias
 Mesmo na falta de tecido ósseo ou com complicações sistêmicas
sendo necessário apenas uma adequação prévia
Contra indicações temporárias e soluções
JR P á g i n a | 9
 Ma oclusão (Ortodontia)
 Relações maxilares desfavoráveis (Cirurgia Ortognaticas)
 Quantidade insuficiente de tecido duro e mole (Enxertos)
 Patologia dos dentes e gengiva (Tratamento prévio)
 Doenças sistêmicas controláveis (Controle) e gravidez (Aguardar
que passe)
Definitivas:
 Contra-indicações temporárias não tratadas
Fatores de risco:
 Idade
 Fumo
 Alcoolismo
 Outras drogas
Pacientes idosos tem menor exigência e mais aceitação do tratamento
porém deve-se atentar para alterações sistêmicas que são mais freqüentes,
caso haja algum fator sistêmico que interfira no procedimento cirúrgico o
mesmo deve ser adiado até que a situação se normalize
Obs: uma contra-indicação real é a idade quando pouca, pois antes que
o paciente termine o seu desenvolvimento ósseo não se deve fazer a
colocação dos implantes pois os mesmos podem atrapalhar o desenvolvimento
ósseo
Cuidado com pacientes com osteoporose pois os mesmos podem utilizar
bifosfonatos e isso causa um risco quase certo de osteonecrose ainda que em
procedimentos minimamente invasivos especialmente quando se usa o
injetável (mensal) no qual de deve esperar no mínimo 3 anos sem o uso para
que se possa realizar procedimentos invasivos enquanto que os de uso oral
JR P á g i n a | 10
são de uso semanal e podem ser submetidos a procedimentos normalmente
após 6 meses após o uso.
O paciente que tem osteoporose mas faz uso de outros medicamentos
desde que tenha osso suficiente ou que possa passar por enxerto não está
contra-indicado a colocação de implantes
Diabetes
Quando descontrolada:
 Reduz a formação óssea
 Atrasa a cicatrização
 Eleva o risco de infecções
 Reduz a formação de tecido cartilaginoso
 Exige a necessidade de controle prévio
Tabagismo
 Reduz a regeneração
 Modifica o tipo ósseo para pior (ex: 2 para 4)
É necessário entender a etiologia do edentulismo se o mesmo ocorreu
por:
 Cárie
 Problemas períodontias
 Trauma
 Problemas oclusais
Na consulta inicial se deve avaliar:
 As relações inter-maxilares
JR P á g i n a | 11
 Biotipo periodontal (Fino se mostra transparente (ruim), espesso
menos transparente (melhor) )
 Oclusão
 Características de mucosa
 Espessura e altura do osso
 Altura de oclusão (Dimensão vertical)
 Abertura de boca
 Espaços protéticos
 Tecido Querarinizado
 Altura da Linha do sorriso
 Solicitar exames pré-operatórios
 Realizar moldagens e fotografias
 Enceramentos diagnósticos
Exames de rotina:
 Hemograma
 Coagulograma completo
 Glicemia
 Creatinina
 Dosagem de Cálcio
 Fósforo
 Proteínas totais
 Uréia
Fotografias:
 Oferecem previsibilidade estética para as futuras restaurações
sobre implantes bem como servem de documentação Odontolegal
JR P á g i n a | 12
Exames radiograficos:
 Presentes desde o planejamento até o acompanhamento pós-
operatório
 A tomografia computadorizada é o exame de primeira escolha
Utilizasse para:
 Determinar o tipo ósseo
 Mensurar altura e expessura
 Observar presença de lesões e demais estruturas ósseas
 Mensurar o rebordo residual
A mais utilizada é a Cone Beam que permite a geração de imagens 3D é
o planejamento virtual facilitando tanto o planejamento do procedimento quanto
a instrução ao paciente e a confecção de guias cirúrgicos que melhoram o
procedimento cirúrgico, possibilita o teste de vários planos de tratamento
Após esse planejamento pode se fazer a prototipagem que é a
confecção de um modelo real da situação óssea do paciente que possibilita o
ensaio prévio do procedimento
 Radiografias periapicias: As mais indicadas para
acompanhamento pós-operatório
 Panorâmicas: Utilizadas para visualização geral, mas não para
planejamento
Montagem em articulador:
 Sempre realizar em casos em que o paciente não tiver
estabilidade oclusal
 Registram a situação inicial do paciente
JR P á g i n a | 13
Permite:
 Observação dos contatos dentais
 Observação das relações internaxilares
 Reprodução ou modificação Da MIH e da RC
 Permite enceramento diagnóstico prévio
 Possibilita a simulação dos movimentos funcionais
Mas consultas de retorno
 Avaliar os exames
 Fazer as indicações necessárias
 Planejar a adequação do meio
 Informações relativas ao investimento necessário inclusive com
cronograma de despesas
É possível que o paciente postergue ou decida realizar o procedimento
Ao realizar o orçamento final é necessário levar em consideração a
sequência de apresentação:
 Explicar as diversas etapas do tratamento
 Transformar todas as etapas em produto
 Oferecer o valor final
 Dividir esse valor global nas diversas etapas
 Sempre relacionar o valor com o tempo de execução (Ex:
implantes integram em 4 meses... Dividir em 4 parcelas.)
 Escutar a analise possíveis propostas do paciente
 Procurar finalizar a negociação nessa consulta de retorno.
JR P á g i n a | 14
Aula 4
PLANO DE TRATAMENTO EM IMPLANTODONTIA
Tem Por objetivo oferecer a melhor opção dentro das possibilidades do
paciente e do caso
Diverso a fatores influenciam nisso:
 Saúde geral
 Condições financeiras
 Longevidade e índice de sucesso do tratamento
 Número de consultas
 Expectativas do paciente
 Condições locais
Em Implantodontia é necessário fazer o planejamento reverso com
modelos de diagnóstico confeccionados previamente ao procedimento cirúrgico
(Planejar as próteses primeiro e depois planejar os implantes)
Necessita de modelos precisos, enceramentos diagnósticos, montagem
de dentes, confecção de guias e provisórios
Com isso se estuda o espaço protético, a forma dos dentes artificiais, a
posição e o contorno da futura coroa assim como a Posição ideal dos
implantes.
Uma correta avaliação das possíveis reabilitações protéticas guiará a
colocação e o planejamento dos implantes no tocante ao número, inclinações e
etc.
A confecção do guia cirúrgico é fundamental para o sucesso da
colocação do implante pois permite a perfeita colocação do implante na
posição concordante
JR P á g i n a | 15
O guia otimiza a realização do procedimento, a distribuição do Número
de implantes, melhora o paralelismo e tripoidismo (apoio em 3 pontos vestibular
língual e central) e a angulação vestíbulo - língual
O guia permite a visualização precisa do local e posição dos implantes
Deve ser confeccionado em Material (resina acrílica incolor) estável,
bem apoiada que não permita báscula, incolor para permitir a visualização da
passagem da broca
Quando o paciente tiver uma prótese total bem adaptada a mesma pode
ser usada para duplicação e confecção de um guia cirúrgico pois a futura
prótese sobre implante poderá ter a mesma posição
O guia Permite a visualização da parte protéica do Implante na
radiografia e confeccionado nos modelos de estudo Encerados (Confecciona-
se uma guia em acrílico, e na área a ser reposta se. Usa um material radiopaco
para simular a posição da futura coroa em relação ao osso)
Obs: em regiões posteriores se da preferência as coroas parafusadas
(perfuração passa pelo sulco central)
Na região anterior preferir as coroas cimentadas
Obs: a posição ideal para a perfuração e uso de guia cirúrgico tem dois
pontos de referência na região anterior (cíngulos dos vizinhos (prótese
parafusada) ou suas incisais (próteses cimentadas) já na região posterior se
usa o sulco central Para todas.)
Depois de confeccionado o guia deve-se escolher:
 As dimensões do implante (tamanho da plataforma: regular, a
baixo do padrão ou estreita, acima do padrão ou larga) de
preferência quando possível escolher uma dimensão próxima a
JR P á g i n a | 16
da dimensão natural da raiz. O comprimento geral deve ser até
13mm (maior que isso causa necrose)
 Desenhos do implante (cilíndricoconico ou cônico para osso tipo 3
ou 4, cilíndrico para osso 1 ou 2)
 As Superfícies (tratadas e não tratadas). Escolher
preferencialmente os tratados
Escolha do Número de implantes QUANDO DO TIPO H.E
Reabilitações unitárias: para o implante em incisivos centrais, caninos e
pré molares é necessário de 7 a 8 mm de distância mésio-distal (eles usam
plataforma regular chamada RP)
Para incisivos laterais é necessário 6mm para plataforma mínima
também chamada NP
Região posterior: Se o espaço mésio-distal for entre 8 e 10 mm deve-se
usar um implante RP, já quando esse espaço for de 10 a 12 deve-se usar um
implante LP (plataforma larga), se houver uma distância de 14mm pode-se usar
dois implantes RP com 3mm de distância entre eles, pois cada um necessita de
7mm de espaço)
Deve-se considerar também a distância interoclusal de ao menos 7mm
para garantir um espaço adequado para a base e material restaurador da futura
coroa
Reabilitação de 2 elementos: Distância mínima de 14 a 16mm em região
anterior (isso garante os 7mm de cada implante H.E do tipo RP a distância
adequada entre eles)
Região posterior: Pelo menos 14 a 16 para implante RP ou 18 a 20 para
implante LP, para espaços de mais de 21mm coloca-se 3 implantes RP
JR P á g i n a | 17
Reabilitação de 3 elementos: Região anterior: Com 21 a 24 se usa 2
implantes RP (superior) ou 3 implantes NP.
Na região posterior entre 20 e 24 se usa 3 implantes RP
Reabilitação de 4 elementos: 28 a 32mm se usa 3 ou 4 implantes RP (3
é mais estético)
Reabilitação de 5 ou 6 elementos: 5 elementos exigem de 35 a 40mm de
espaço se usa 3 RP. (Mais que isso não é Necessário para região anterior
superior
Na região inferior com 30mm de espaço se usa 3 implantes NP (já é
suficiente essa quantidade)
Reabilitações totais: Pode-se resolver cada arcada com 4 a 6 implantes
RP para cantilever
Ou optasse por sobredentadura (apenas 2 ou 3 implantes) para
pacientes com dificuldade de higienização
Posição Apico-Coronal: Em implantes H.E não deve haver mais de 2 ou
3mm de distância entre o topo da crista óssea e o início da plataforma (os
Conemoss podem adentrar mais)
Posicionamento vestíbulo-lingual: Deve haver ao menos entre 1 e 2 mm
de osso sobre a superfície do implante tanto na superfície vestibular quanto
lingual do osso
LEMBRANDO QUE ESSES MESMOS ESPAÇOS SÃO EXIGIDOS
TAMBÉM ENTRE AS RAÍZES
OBS: Nos implantes H.E a distância mínima da superfície lateral do
implante para a raiz vizinha deve ser no mínimo 1,5 mm e de 3mm para a
JR P á g i n a | 18
superfície de um outro implante vizinho para que não estrangule a crista óssea
e mantenha a papila interdental
Sendo que a distância nos implantes H.I e Conemoss essas distâncias
diminuem para 1mm para raiz vizinha e 2 para outro Implante
JR P á g i n a | 19
IMPLANTODONTIA 6 AV2
PROTOCOLO CIRÚRGICO PARA INSTALAÇÃO DE IMPLANTES
É fundamental que se realize as instruções pré operatórias e as
medicações que sempre são realizadas previamente a todas as colocações de
implante
Medicações prévias:
 Analgésicos e Antiinflamatórios, Antibióticos e
Descongestionantes nasais
 Variáveis com a extensão e tempo cirúrgico
 Controlar a ansiedade com benzodiazempinicos, não prescrever,
mas sim entregar ao paciente e recomendar que ele tome na
noite antes do procedimento.
 Controlar a dor com AINES: Dipirona 500 mg 1 comprimido a
cada 6 horas, Ibuprofeno 600 mg, nimesulida 100 mg, diclofenaco
de potássio ou sodico 50 mg, ou usar analgésicos opioides: Tilex
30 mg (Codeína 30 mg + Paracetamol 750 mg). Ou Tilex 7,5 mg
(Codeína 7,5 mg + Paracetamol 500 mg). Usar também para
casos de cirurgias longas os antiinflamatórios esteroidais:
Decadron (dexametazona) 4mg usar dois comprimidos de 4mg
uma hora antes, Celestone (betametazona) 2mg 2 comprimidos
uma hora antes.
 Antibióticos: Penicilinas (Amoxicilina 500 mg) usar dose de ataque
2g uma hora antes do procedimento e um comprimido a cada 8
horas pós operatório com ou sem clavunonato de potássio.
Também se pode usar azitromicina para pre e pós operatórios
principalmente em casos simples.
JR P á g i n a | 20
 Prescrever descongestionantes em casos que envolvam seio
maxilar para que o seio se mantenha limpo e arejado. Pode ser
qualquer descongestionante
OBS: Sempre se prescreve pre operatório: Antibiótico, Analgésicos,
Anestésico (Livre escolha entre Lidocaina, Articaina ou Mepivacaina)
 Sempre evitar que o paciente coma alimentos pesados antes do
procedimento para evitar mal estar
 Reduzir o fumo
 Nunca beber
 Manter as medicações rotineiras
 Usar roupas confortáveis
OBS: Casos simples são considerados as colocações de até 3 implantes
em paciente sem infecção e sem comprometimento sistêmico.
Usar nesses pacientes sempre: Medicação antibiótica prévia:
Azitromicina uma hora antes. Analgesia com AINES (Preferir o LISADOR logo
após o fim do procedimento antes que a anestesia acabe o efeito), Usar
antiinflamatório ( Nimesulida, AFLEX)
 Casos menos simples (mais de 3 implantes).
 Fazer antibióticoterapia prévia e de manutenção por 7 dias com
amoxicilina 500 mg
 *Fazer analgesia com dipirona (500 mg) ou paracetamol para
alérgicos.
 Em casos mais extensos ou demorados usar .
 Em casos relacionados a infecção prévia
Reforçar a amoxicilina com clavunonato prévio e de manutenção,
analgésico e antiinflamatório normal
JR P á g i n a | 21
 Em casos muito extensos e demorados (Como levantamento de
mandíbula, enxertos e outros) SEMPRE utilizar corticoides
previamente a cirurgia ( 2 comprimidos de Decadron 4mg uma
hora antes), considerar a clindamicina em pacientes alérgicos a
penicilinas.
OBS: Não usar Azitromicina para combate a infecção apenas para
prevenção
 Pacientes com alta ansiedade: Usar Diazepan de 5 ou 10 mg.
 Sempre prescrever bochechos de Clorexidina 0,12% duas vezes
ao dia por 7 dias em todos os casos
 Recomendar: Não fumar, consumir alimentos frios e pastosos,
seguir as medicações rigorosamente, cuidar da higienização.
JR P á g i n a | 22
IMPLANTODONTIA 7
INSTRUMENTAIS UTILIZADOS EM CIRURGIA DE COLOCAÇÃO DE
IMPLANTE
Os normais da cirurgia: cubas, seringas, Porta Agulha, material de
sutura, Fios sempre de Nilon, afastador de minessota ou Farebeut, sternberg,
brenemark (para enxertos de mento)
 Decoladores de molt e free
 Pinça porta enxerto
 Pinça porta implante
 Tesouras delicadas
 Bisturis 15c
 Bisturis circulares (Para reabrir o implante)
 Dissector (usado para incisionar e descolar)
 Períotomo (Para romper ligamento periodontal é realizar
extrações atraumaticas)
 Curetas de Lucas e Grace
 Fórceps (Quanto mais finos melhor)
 Alavancas de Seldin.
 Motor para implante
 Contra ângulo (Específico pra implante)
 Peça reta (normal ou angulada)
 Frezas ( de sistema pieso elétrico, tem por vantagem não ferir os
Tecidos moles o que protege nervos)
 Retrival (Para remover implantes por alguma razão)
 Brocas Max e Minicut (para aplainar a superfície óssea)
Campo cirúrgico
 Pijama cirúrgico, luvas e gorros
JR P á g i n a | 23
INCISÕES E RETALHOS
PRÉ REQUISITOS PARA UMA BOA INCISÃO
 Garantir uma boa visibilidade direta
 Não arriscar estruturas anatômicas
 Incisionar em tecido sadio
 Planejar antecipadamente e se preparar para a realização
 Assegurar o suporte sanguíneo (Relação de base x ápice do
retalho)
 Assegurar o recobrimento do implante ou enxerto
 Garantir que há disponibilidade de tecido queratinizado suficiente
TIPOS DE INCISÃO:
 Na crista do rebordo: Dividi-se o tecido queratinizado meio a
meio, uma incisão bem simples que pode ser deslocado para
vestibular ou palatina a depender da necessidade de tecido
queratinizado (quando se deseja por vestibular se faz por palatina
e desloca o retalho pra vestibular)
 Incisões circulares: Usa bisturi circular, pouco usado por que
desperdiça o tecido queratinizado o que atrapalha na proteção da
região perimplantar, vantagem por ser pouco traumático, evita
sutura.
 Relaxantes: vantajosas por aumentar a área de visualização,
preserva as papilas, evita áreas de tensão no retalho. Tem o
problema de ser mais traumática, lesionar o tecido queratinizado
 O relaxante periosteal é interessante para proteger os implantes
em cirurgia de 2 estágios
TIPOS DE RETALHO
JR P á g i n a | 24
 Retalho total: envolve o periósteo
 Retalho parcial: Não descola o periósteo
 Retalho misto: parcial e total em diferentes áreas
JR P á g i n a | 25
SEQUÊNCIA DE COLOCAÇÃO DO IMPLANTE
Cada fabricante tem kits diferentes
Seu escalonamento é crescente, semelhante a endodontia
Começa da broca mais fina até a mais próxima do diâmetro do implante
(nunca igual pois não permite a estabilidade primária)
 Primeiro Passo: Começa com uma broca esférica ou de lança que
tem por função romper a cortical óssea, criando um caminho para
as próximas brocas
 Segundo passo: Broca de diâmetro 2.0 mm até o comprimento
final do implante (lembrar de sempre fazer essa perfuração aos
poucos em movimento de entrada e saída para evitar o
aquecimento)
 Usar o profundimetro para ver se foi alcançada a profundidade de
perfuração
 Se não houver guia se usa o paralelizador para ver se houve
desvio do trajeto
 Terceiro passo: Broca Piloto 2-3: Usada para preparar o osso
para receber a broca 3 (Não precisa ir até o comprimento final,
apenas abre caminho para a 3)
 Quarto passo: Broca 3.0 mm (A última que atinge o comprimento
total, pois o implante normal tem mais de 3 mm e se deixa 0,75 ou
1 mm para dar retenção primária)
 Quinto passo: A depender da densidade óssea se usa uma broca
a mais nos casos de osso 1 ou 2 para melhorar a adaptação do
implante. (Counter sink usada para dar espaço a acomodação da
plataforma do implante do tipo H.E. Em ossos 1 ou 2)
JR P á g i n a | 26
 Sexto passo: Instalação. Colocar o implante com a chave manual,
ou com chave de contra ângulo até obter um travamento inicial,
depois se termina com o torquimetro (catraca)
 Sétimo passo: Por fim se coloca o tapa implante para proteção do
mesmo e se faz as suturas
As suturas tem por função reposicionar os tecidos, sem jamais causar
isquemia, a cicatrização ocorre após 7 a 15 dias, é fundamental que haja o
recobrimento do implante, usar sempre Nilon (Pois tem muito menos acúmulo
de placa bacteriana e proteje os tecidos periimplantares)
JR P á g i n a | 27
TIPOS DE SUTURA:
 "X"
 Simples
 Contínuo
 Festonada
 Colchoeiro vertical (Muito importante em áreas estéticas, mantém
e ajuda na formação de papilas que são muito importantes na
implantodontia) Tem a vantagem de ser resistente, protege
enxertos, e mantém as papilas Pode-se usar os fios reabsorvíeis
por exemplo nos casos de enxerto de mento
FATORES QUE ALTERAM A CICATRIZAÇÃO DE UMA SUTURA:
 Alimentação
 Fatores sistêmicos
 Tipo de fio
 Maus hábitos: Tabagismo e alcoolismo
Aguardar os meses adequados (2-4 mandíbula, 4 -6 maxila)
Reabrir e colocar o cicatrizador
Protocolo Protético: 2º Estágio
Passada o período inicial da osseointegração (de 2 a 6 meses
dependendo da região e do tipo de implante), vem a fase protética onde o
componente protético é colocado.
É nessa fase em que está o foco da expectativas do paciente, onde sua
satisfação está intimamente dependente.
Tem por objetivo fazer a reabertura do implante e adaptar o cicatrizador.
JR P á g i n a | 28
A reabertura objetiva acessar o parafuso do implante, acessar o implante
para a confecção da prótese, valorizar a estética na região perimplantar.
Incisões para reabertura:
 Bisturi Circular
 Linear (Incisão na crista)
 Em H
 Incisão Palatal com Retalho
 Pendiculo proximal
 Associada a Enxerto
 Retalho em rolo
OBS: O bisturi circular está caindo em desuso por que ele exige muita
quantidade e qualidade de tecido queratinizado na região perimplantar
CICATRIZADOR: Dispositivo de titânio rosqueavel ao implante,
necessita de superfície bem lisa para proporcionar aos tecidos moles uma
cicatrização adequada a colocação da prótese
Seu formato segue o diâmetro dos implantes e das coroas dentais,
seguindo o perfil de emergência do dente a ser reposto se apresentando como
finos, médios e largos
O período de cicatrização é de 2 a 6 semanas
A chave usada na sua colocação pode ser de 0,9 ou 1,2 mm
(IMPORTANTE LEMBRAR ESSA NUMERAÇÃO)
Permite o desenvolvimento perimucoso ao redor do implante e protege
os tecidos moles
Deve seguir a silhueta dos elementos dentais, sendo que existe o de
silhueta divergente (Região anterior) ou de silhueta Reta (região posterior)
JR P á g i n a | 29
O diâmetro do cicatrizador é determinado pelo diâmetro da plataforma e
da coroa dental a ser reposta existindo o de 3.3, 4.1 e 5mm
Já a altura do cicatrizador é dada pela altura da mucosa perimplantar,
Sua altura varia de 2mm em diante, sendo que ele deve ficar no mínimo 0,5
mm a cima da margem gengival
INCISÕES LINEARES permitem boa visualização porém também
necessitam de muito tecido queratinizado semelhante ao circular
A INCISÃO EM H (uma incisão linear central com duas relaxantes
laterais) é indicada para os casos unitários pois descola as duas partes da
mucosa uma para vestibular outra para palatina
INCISÃO PALATAL COM RETALHO: visa alimentar a porção de tecido
queratinizado na região vestibular. Faz-se uma incisão por palatina com retalho
parcial (deixando o periósteo íntegro) reposiciona-se o retalho para vestibular
expondo o implante e aumentando a porção de tecido mole na região vestibular
e se coloca o cicatrizador
TÉCNICA DO PEDÍCULO PROXIMAL
Também visa aumentar a quantidade de tecido queratinizado na
vestibular e repõe papila
TÉCNICA PARA MANUTENÇÃO DE PAPILA
Quando se faz o uso de bons provisórios o contorno e a margem
gengival são restabelecidos com naturalidade, para manter isso a incisão deve
ser feita de modo que essas papilas sejam preservadas.
TÉCNICA ASSOCIADA COM ENXERTO DE TECIDO MOLE
JR P á g i n a | 30
Pode-se fazer um enxerto gengival livre (o enxerto é feito com a
remoção de epitelio e conjuntivo) ou por enxerto conjuntivo (se remove apenas
o conjuntivo da área doadora)
O mais indicado é o retalho conjuntivo pois é menos doloroso para o
paciente e tem um resultado final é mais estético (o enxerto gengival livre gera
por vezes um tecido esbranquiçado e menos estético)
Áreas doadoras mais usadas são o túber da maxila e o palato
Vale ressaltar que o túber só pode ser usado como doador se o paciente
não tiver o 3º molar e por vezes o segundo
A remoção de tecido mole no palato deve se restringir até a mesial do 1º
molar pois além disso a incisão chega perto dos vasos palatinos maiores e
ocorre um sangramento maior.
RETALHO EM ROLO
Se faz uma incisão por palatina com duas relaxantes laterais e se enrola
o tecido em direção a vestibular para resolver defeitos de tecido queratinizado
ACESSO COM PRÓTESE PROVISÓRIA
Muitas vezes um provisório bem adaptado e aumentado
progressivamente vai condicionando o tecido mole a fim de torná-lo bem
adaptado a peça definitiva. Tem a vantagem de dar ótimos resultados no
condicionamento do tecido queratinizado, o problema é que leva mais tempo
clínico (necessita de ajustes semanais) e prolonga o tempo de tratamento. Mais
indicado para região anterior.
JR P á g i n a | 31
COMPONENTES E INTERMEDIÁRIOS PROTÉTICOS PARA
PRÓTESE SOBRE IMPLANTE
O intermediário tem a mesma função dos núcleos em próteses fixas
portanto sustentam o componente protético
O grande desafio na implantodontia hoje em dia é a adaptação do
componente protético
Dentro da biomecânica o mais importante é entender o tipo de conexão
protética sendo fundamental conhecer a marca, o tipo, e o diâmetro da
plataforma.
Algumas limitações do H.E são a instabilidade rotacional e estética
fizeram surgir novas conexões H.I e cone moss.
INTERMEDIÁRIO X COMPONENTE PROTÉTICO
O intermediário compreende a porção que liga a plataforma do implante
ao componente protético (Semelhante aos núcleos de prótese fixa)
Componente protético é a estrutura sobre a qual se confecciona a
prótese (Semelhante ao núcleo de próteses fixas)
Coping tanto para prótese fixa quanto prótese sobre implante, é o
componente sobre o qual se confecciona a coroa dental
JR P á g i n a | 32
ÁREAS DOADORAS:
INTRA ORAIS:
 Tuberosidade da maxila (particulado)
 Mento (osso cortical e esponjoso) o osso coletado se
revasculariza mais facilmente na área receptora, corpo e ramo da
mandíbula (osso cortical) cicatriza mais lento e o osso removido
se vasculariza menos na área receptora (blocos)
EXTRA ORAIS:
 Crista ilíaca
 Calota craniana
 Tíbia (blocos)
Escolher baseado na morbidade (remoção na região do mento causa
parestesia na região anterior inferior por um longo período), preferência do
paciente e profissional, Quantidade de osso necessário.
Vale lembrar q o osso autógeno sofre contração cicatricial (reduz até
50% após os 4 meses iniciais de cicatrização)
TIPOS DE ENXERTO AUTÓGENO
 ONLEY: ganho de altura (fica sobre osso residual)
 INLAY: osso fica dentro de uma cavidade ex: seio maxilar
 INTERPOSTO: osso autógeno colocado entre 2 lâminas ósseas
OBS: uma das maneiras de se reduzir a reabsorção do osso autogeno
particulado é misturando-o com osso heterógeno ou aloplastico
OBS importante: para levantamento de seio maxilar só se usa xenógeno
puro, autógeno com aloplastico ou autógeno com xenógeno
JR P á g i n a | 33
GERENCIAMENTO DAS COMPLICAÇÕES EM IMPLANTODONTIA
A implantodontia necessita de um planejamento cirúrgico protético
(planejamento reverso) para que as complicações sejam minimizadas
Deve-se considerar a situação física do paciente, características bucais
e expectativas do mesmo
Atualmente o insucesso da colocação de implantes gira em torno de
apenas 4% o que é uma média muito boa de sucesso
Esses 4% estão muito relacionados a problemas motivados pelo dentista
que erra no planejamento ou execução muitas vezes tentando fazer um
procedimento que extrapola os limites da técnica Ou alguma negligência
Existem duas categorias de complicações:
Cirúrgicas: Divididas em Trans (deglutição de instrumental, fraturas
ósseas, perfuração do seio maxilar, lesão à nervos, hemorragias, exposição do
implante, fratura de instrumentais) pos (infecções, hemorragias, parestesia,
perda do implante, deiscência do enxerto ou sua contaminação), cirúrgicas ou
durante a cicatrização
Proteticaa: fraturas de cerâmica, afrouxamento de parafuso, fratura da
prótese, fratura do implante, problemas de higiene relacionado a prótese,
fratura de intermediário, fratura da solda.
Obs: sempre montar a prótese em infra oclusão para evitar a sobrecarga
do implante

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaCamilla Bringel
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOAlex Albanese
 
Implantes osseointegrados historia
Implantes osseointegrados historiaImplantes osseointegrados historia
Implantes osseointegrados historiaAlex Albanese
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMarlus Pedrosa
 
Complicações, sucessos e
Complicações, sucessos eComplicações, sucessos e
Complicações, sucessos eClaudio Fleig
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
Protese Protocolo Overdenture.pdf
Protese Protocolo  Overdenture.pdfProtese Protocolo  Overdenture.pdf
Protese Protocolo Overdenture.pdfFagnerJunio3
 
IMPLANTES DENTARIOS
IMPLANTES DENTARIOSIMPLANTES DENTARIOS
IMPLANTES DENTARIOSEVMAGICA
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas ProvisóriasLeidy Any
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Guilherme Terra
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalItalo Gabriel
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]André Milioli Martins
 
Implante Brasil Cursos
Implante Brasil CursosImplante Brasil Cursos
Implante Brasil Cursosimplantebrasil
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILACamilla Bringel
 
Biomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaBiomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaCamilla Bringel
 

Mais procurados (20)

Biomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontiaBiomateriais em implantodontia
Biomateriais em implantodontia
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
 
Implantes osseointegrados historia
Implantes osseointegrados historiaImplantes osseointegrados historia
Implantes osseointegrados historia
 
Apostila de ppr
Apostila de pprApostila de ppr
Apostila de ppr
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
Moldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcionalMoldagem anatômica e funcional
Moldagem anatômica e funcional
 
Complicações, sucessos e
Complicações, sucessos eComplicações, sucessos e
Complicações, sucessos e
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Protese Protocolo Overdenture.pdf
Protese Protocolo  Overdenture.pdfProtese Protocolo  Overdenture.pdf
Protese Protocolo Overdenture.pdf
 
IMPLANTES DENTARIOS
IMPLANTES DENTARIOSIMPLANTES DENTARIOS
IMPLANTES DENTARIOS
 
Implante Dental com Protese Fixa Protocolo
Implante Dental com Protese Fixa ProtocoloImplante Dental com Protese Fixa Protocolo
Implante Dental com Protese Fixa Protocolo
 
Coroas Provisórias
Coroas ProvisóriasCoroas Provisórias
Coroas Provisórias
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
Considerações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese TotalConsiderações gerais sobre Prótese Total
Considerações gerais sobre Prótese Total
 
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
Resumo de Periodontia - Classificação dos Retalhos Periodontais [Parte #2]
 
Tudo sobre Implante Dentário
Tudo sobre Implante DentárioTudo sobre Implante Dentário
Tudo sobre Implante Dentário
 
Implante Brasil Cursos
Implante Brasil CursosImplante Brasil Cursos
Implante Brasil Cursos
 
Slide pti
Slide ptiSlide pti
Slide pti
 
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILATÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
TÉCNICAS ANESTÉSICAS DA MAXILA
 
Biomateriais em Implantodontia
Biomateriais em ImplantodontiaBiomateriais em Implantodontia
Biomateriais em Implantodontia
 

Destaque

AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIAAV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIARayssa Mendonça
 
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALAPOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALRayssa Mendonça
 
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoCapítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoRayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSAV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSRayssa Mendonça
 
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoCapítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoRayssa Mendonça
 
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIAV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIRayssa Mendonça
 
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaAV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaRayssa Mendonça
 
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalCapitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalRayssa Mendonça
 
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSOESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSORayssa Mendonça
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Rayssa Mendonça
 
Tratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresTratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresRayssa Mendonça
 
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)Rayssa Mendonça
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoRayssa Mendonça
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas Ines Jacyntho Inojosa
 

Destaque (20)

AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIAAV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
AV1 - APOSTILA DE FOTOGRAFIA NA ODONTOLOGIA
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALAPOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
 
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusaoCapítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
Capítulo 5 - Tratamento das desordens temporomandibulares e oclusao
 
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOSAV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
AV1 - APOSTILA DE TRAUMATISMO DOS DENTES DECÍDUOS
 
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e OclusãoCapítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
Capítulo 4 - Tratamento das Desordens Temporomandibulares e Oclusão
 
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL IIAV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
AV1 - APOSTILA DE ODONTOINFANTIL II
 
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatriaAV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
AV2 - Tratamento medicamentoso em odontopediatria
 
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusalCapitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
Capitulo 6 - Determinantes da morfologia oclusal
 
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSOESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
ESQUEMA PADRÃO MEDICAMENTOSO
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
Trauma dental
Trauma dentalTrauma dental
Trauma dental
 
Tratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molaresTratamento endodôntico em dentes molares
Tratamento endodôntico em dentes molares
 
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
ODONTOPEDIATRIA - QUESTÕES PERIO (Gaba não oficial)
 
Clareamento dental
Clareamento dentalClareamento dental
Clareamento dental
 
Retratamento endodôntico
Retratamento endodônticoRetratamento endodôntico
Retratamento endodôntico
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
 
APOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA IIAPOSTILA DE ENDODONTIA II
APOSTILA DE ENDODONTIA II
 
Urgências endodônticas
Urgências endodônticasUrgências endodônticas
Urgências endodônticas
 
Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas  Tratamento das Urgências Endodônticas
Tratamento das Urgências Endodônticas
 

Semelhante a Implantação dental: medidas, superfícies e planejamento do implante

traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdfJessikaFreireMidlejL
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdfJessikaFreireMidlejL
 
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral OtimizandoO Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral OtimizandoJonas Ferreira
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarGuilherme Terra
 
Cirurgia ortognatica
Cirurgia ortognaticaCirurgia ortognatica
Cirurgia ortognaticaSorriso-Ideal
 
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoArtigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoClaudio Britto
 
Simposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaSimposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaThiago Dant
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃO
APOSTILA  DE  IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃOAPOSTILA  DE  IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃO
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃOMarianaViana82
 
Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1
Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1
Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1Peclab Implantes
 
Enxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificadoEnxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificadoGino Kopp
 
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.Gino Kopp
 
Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?Nadia Morais Tonussi
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasAna Araujo
 
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodonticaAlterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodonticaAdalberto Caldeira Brant Filho
 
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...Marlio Carlos
 
Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008diegosouzaad
 

Semelhante a Implantação dental: medidas, superfícies e planejamento do implante (20)

traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
 
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdftraumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
traumabuco-dento-alveolar-120119002641-phpapp02.pdf
 
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral OtimizandoO Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
O Tratamento Ortodôntico Antes Da ReabilitaçãO Oral Otimizando
 
Trauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolarTrauma buco dento-alveolar
Trauma buco dento-alveolar
 
Cirurgia ortognatica
Cirurgia ortognaticaCirurgia ortognatica
Cirurgia ortognatica
 
Tratamento de suporte periodontal
Tratamento de suporte periodontalTratamento de suporte periodontal
Tratamento de suporte periodontal
 
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velascoArtigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
Artigo dentalpress-cicatrização-de-áreas-doadoras-de-enxerto-rogério-velasco
 
Cantilever em Implantodontia
Cantilever em ImplantodontiaCantilever em Implantodontia
Cantilever em Implantodontia
 
Simposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantâniaSimposio odontologia instantânia
Simposio odontologia instantânia
 
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃO
APOSTILA  DE  IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃOAPOSTILA  DE  IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃO
APOSTILA DE IMPLANTODONTIA CIRURGICA - RESUMÃO
 
Periimplantite
PeriimplantitePeriimplantite
Periimplantite
 
Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1
Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1
Mini Implante OIrtodôntico Ancodent pag1
 
Enxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificadoEnxerto osseo particulado modificado
Enxerto osseo particulado modificado
 
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
Enxerto Ósseo Particulado Modificado. Reconstrução Maxila Atrófica.
 
Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?Endodontia Transcirurgica é Possivel?
Endodontia Transcirurgica é Possivel?
 
Introdução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicasIntrodução às ciências odontológicas
Introdução às ciências odontológicas
 
501 2127-1-pb
501 2127-1-pb501 2127-1-pb
501 2127-1-pb
 
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodonticaAlterações pulpares durante a movimentação ortodontica
Alterações pulpares durante a movimentação ortodontica
 
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
Simpósio inter relação periodontia-cirurgia-prótese evidências científicas em...
 
Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008Autotransplante dentário ciosp2008
Autotransplante dentário ciosp2008
 

Último

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (10)

O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Implantação dental: medidas, superfícies e planejamento do implante

  • 1. SERRITA – PE 2015 RESUMO DE IMPLANTODONTIA JOÃO RICARDO
  • 2. JR P á g i n a | 2 Aula 1 MEDIDAS DO IMPLANTE Diâmetros:  Padrão 4 a 4.1 m6m (3,75 a 4,5) médio (Mais usados)  Inferior ao padrão 3.3. mm (3,25 a. 3,5) fino (incisivos laterais superiores e incisivos inferiores)  Superior ao padrão de (5 a 7 mm) largo (molares) Parâmetros para escolha:  Perfil de emergência e anatomia do elemento a ser substituído  Espaço mésio distal e vestíbulo lingual disponível  Características da área a ser implantado:  Volume ósseo  Fatores biomecanicos Obs: Na região de ICS Canino e PRE está indicado pela biomecanica e diâmetro X estética o uso de implantes de 3,75 a 4 mm e 5 a 6 mm nos molares por que do contrário fica evidente na gengiva no caso de 5,5 mm, Nos incisivos inferiores usar de 3 a 3,25 mm, Nos caninos pres e molares usar 3,75 e 4 Levar em consideração a quantidade e a qualidade do tecido ósseo se aporta o diâmetro do implante Comprimento  Está diretamente ligado a estabilidade primária do implante  Sabe-se que o comprimento padrão é de 10 a 13 mm pois tem boa estabilidade primária com boa irrigação
  • 3. JR P á g i n a | 3  O prolongamento excessivo do implante dificulta a irrigação e causa aquecimento e necrose óssea o que dificulta a ósseointegração nas regiões além de 13 mm
  • 4. JR P á g i n a | 4 Aula 2 QUANTO A SUPERFÍCIE DO IMPLANTE  O tipo de superfície é muito importante para a ósseointegração, os implantes torneados sem tratamento são bons apenas no osso cortical  O tratamento da superfície consiste em adicionar alguma característica que atraia as células formadoras de tecido ósseo para a superfície fazendo com que o osso se deposite mais favoravelmente sobre o implante melhorando a ósseointegração.  Isso causa rugosidades muito importantes para melhorar a integração e são criadas por adição ou subtração (Duas maneiras de tratamento de superfície) Existem dois tipos de superfícies  Usinadas: Por torneamento, são lisos  Rugosas, tratadas ou texturizadas: Por adição ou remoção. São rugosos.  Os usinados só integram em osso cortical (ósseointegração a distância) por corticalização.  Já os rugosos integram em cortical ou trabécular (ósseointegração por contato) por trabeculação Os usinados permitem a mineralização do osso rumo ao implante mas não o estimula, em alguns casos sofrem fibrointegração que é muito fraca. Já os tratados tem a capacidade indutora (osseoindução), Impedem a proliferação epitelial e favorecem a migração de células formadoras de osso. Tipos de superfície
  • 5. JR P á g i n a | 5  Tratada por Adição de titânio  Tratada por Adição de hidroxiapatita (O melhor de todos os Tratamentos) Os implantes tratados por adição liberam alguma substância que atraem as células formadoras para a superfície o que melhora a ósseointegração. Nisso eles melhoram a retenção SECUNDÁRIA No caso de adição o titânio ou a hidroxiapatita são usados como revestimento da superfície o que aumenta a mesma Vale lembrar que o titânio causa osseocondução pois é bioinerte e a hidroxiapatita causa osseocondução e osseoindução pois é bioativa A adição de titânio se da por projeção por tocha de plasma de spray de titânio Muitos fatores são importantes para essa adição:  Tamanho dos grânulos  Tempo de exposição  Força do jateamento Esse tratamento aumenta a molhabilidade o que facilita muito a perfusão sangüínea e acelera a ósseointegração pela difusão de células formadoras de osso. Tratamentos por subtração:  Tratada por Subtração física Mais simples, barata, porem menos homogênea, se faz por bombardeamento da superfície com titanio, óxido de alumínio, hidroxiapatita, sílica é o mais usado no Brasil é o óxido de alumínio que é duro, barato mas causa muita impregnação na superfície e reduz a osteointegração
  • 6. JR P á g i n a | 6  Tratada por Subtração química Se da pelo desgaste da superfície com ácidos fortes o até causa microrretencoes e microrrugosidades, ainda causa a limpeza, Se usa ácido clorídrico, fluoridrico ou sulfúrico, Apresenta bom controle de qualidade e Homogeneidade. Pode se dar por corrosão ou decapitação (contra-indicada pois reduz a resistência)  Tratada por Subtração físico-química Se realiza um primeiro jateamento (Cria macrorretenções) Depois o implante é submetido a subtração química (Criando microrretencoes). A união dos dois métodos eleva a qualidade do tratamento da Superfície
  • 7. JR P á g i n a | 7 Aula 3 PLANEJAMENTO INTEGRADO PROTETICO-CIRÚRGICO Indicações e contra-indicações do tratamento com implantes osseointegrados. É preciso avaliar:  Fatores de risco  Avaliação dos sinais clínicos e uso de medicamentos que podem interferir no tratamento  Avaliação de exames complementares  Imaginologia aplicada ao tratamento por implantes Objetivo da Implantodontia é oferecer a solução mais simples eficiente e prognosticável para o paciente Durante a Consulta inicial é importante:  Apurar a queixa principal  Conversar com o paciente  Exame clínico na cadeira odontologica  Solicitação de exames complementares pre-operatórios  Repasse de informações de orçamento (comercialização do implante)  Assinatura das documentações cabíveis ao momento  Identificar o desejo do paciente  Cuidado com exigências surreais  Quanto maior a exigência maior deve ser a cooperação do paciente O paciente deve ter consciência de que:
  • 8. JR P á g i n a | 8  O tratamento com implantes requer dedicação por parte do mesmo  Na fase protetica do implante são necessárias várias provas e vários retornos  Sempre ter em mente a possibilidade do insucesso  Que ele deve se comprometer com o tratamento  Que o prognóstico do tratamento requer revisões e acompanhamentos periódicos Situações possíveis na consulta inicial:  Situação 1: Paciente já chega com exames e orçamentos de outros profissionais  Situação 2: Paciente sem exames buscando o tratamento desde o início Comercialização do implante (Escolher o tipo de implante a ser usado):  Exame clínico  Avaliar o estado físico do paciente  Avaliar a qualidade e o tipo de osso, margens de mucosa, lindonodos, atm, freios, lábios e etc. Obs importante: O melhor momento para indicar um implante é na consulta de retorno Indicações para colocação de implantes:  A enorme maioria das ausências dentárias  Mesmo na falta de tecido ósseo ou com complicações sistêmicas sendo necessário apenas uma adequação prévia Contra indicações temporárias e soluções
  • 9. JR P á g i n a | 9  Ma oclusão (Ortodontia)  Relações maxilares desfavoráveis (Cirurgia Ortognaticas)  Quantidade insuficiente de tecido duro e mole (Enxertos)  Patologia dos dentes e gengiva (Tratamento prévio)  Doenças sistêmicas controláveis (Controle) e gravidez (Aguardar que passe) Definitivas:  Contra-indicações temporárias não tratadas Fatores de risco:  Idade  Fumo  Alcoolismo  Outras drogas Pacientes idosos tem menor exigência e mais aceitação do tratamento porém deve-se atentar para alterações sistêmicas que são mais freqüentes, caso haja algum fator sistêmico que interfira no procedimento cirúrgico o mesmo deve ser adiado até que a situação se normalize Obs: uma contra-indicação real é a idade quando pouca, pois antes que o paciente termine o seu desenvolvimento ósseo não se deve fazer a colocação dos implantes pois os mesmos podem atrapalhar o desenvolvimento ósseo Cuidado com pacientes com osteoporose pois os mesmos podem utilizar bifosfonatos e isso causa um risco quase certo de osteonecrose ainda que em procedimentos minimamente invasivos especialmente quando se usa o injetável (mensal) no qual de deve esperar no mínimo 3 anos sem o uso para que se possa realizar procedimentos invasivos enquanto que os de uso oral
  • 10. JR P á g i n a | 10 são de uso semanal e podem ser submetidos a procedimentos normalmente após 6 meses após o uso. O paciente que tem osteoporose mas faz uso de outros medicamentos desde que tenha osso suficiente ou que possa passar por enxerto não está contra-indicado a colocação de implantes Diabetes Quando descontrolada:  Reduz a formação óssea  Atrasa a cicatrização  Eleva o risco de infecções  Reduz a formação de tecido cartilaginoso  Exige a necessidade de controle prévio Tabagismo  Reduz a regeneração  Modifica o tipo ósseo para pior (ex: 2 para 4) É necessário entender a etiologia do edentulismo se o mesmo ocorreu por:  Cárie  Problemas períodontias  Trauma  Problemas oclusais Na consulta inicial se deve avaliar:  As relações inter-maxilares
  • 11. JR P á g i n a | 11  Biotipo periodontal (Fino se mostra transparente (ruim), espesso menos transparente (melhor) )  Oclusão  Características de mucosa  Espessura e altura do osso  Altura de oclusão (Dimensão vertical)  Abertura de boca  Espaços protéticos  Tecido Querarinizado  Altura da Linha do sorriso  Solicitar exames pré-operatórios  Realizar moldagens e fotografias  Enceramentos diagnósticos Exames de rotina:  Hemograma  Coagulograma completo  Glicemia  Creatinina  Dosagem de Cálcio  Fósforo  Proteínas totais  Uréia Fotografias:  Oferecem previsibilidade estética para as futuras restaurações sobre implantes bem como servem de documentação Odontolegal
  • 12. JR P á g i n a | 12 Exames radiograficos:  Presentes desde o planejamento até o acompanhamento pós- operatório  A tomografia computadorizada é o exame de primeira escolha Utilizasse para:  Determinar o tipo ósseo  Mensurar altura e expessura  Observar presença de lesões e demais estruturas ósseas  Mensurar o rebordo residual A mais utilizada é a Cone Beam que permite a geração de imagens 3D é o planejamento virtual facilitando tanto o planejamento do procedimento quanto a instrução ao paciente e a confecção de guias cirúrgicos que melhoram o procedimento cirúrgico, possibilita o teste de vários planos de tratamento Após esse planejamento pode se fazer a prototipagem que é a confecção de um modelo real da situação óssea do paciente que possibilita o ensaio prévio do procedimento  Radiografias periapicias: As mais indicadas para acompanhamento pós-operatório  Panorâmicas: Utilizadas para visualização geral, mas não para planejamento Montagem em articulador:  Sempre realizar em casos em que o paciente não tiver estabilidade oclusal  Registram a situação inicial do paciente
  • 13. JR P á g i n a | 13 Permite:  Observação dos contatos dentais  Observação das relações internaxilares  Reprodução ou modificação Da MIH e da RC  Permite enceramento diagnóstico prévio  Possibilita a simulação dos movimentos funcionais Mas consultas de retorno  Avaliar os exames  Fazer as indicações necessárias  Planejar a adequação do meio  Informações relativas ao investimento necessário inclusive com cronograma de despesas É possível que o paciente postergue ou decida realizar o procedimento Ao realizar o orçamento final é necessário levar em consideração a sequência de apresentação:  Explicar as diversas etapas do tratamento  Transformar todas as etapas em produto  Oferecer o valor final  Dividir esse valor global nas diversas etapas  Sempre relacionar o valor com o tempo de execução (Ex: implantes integram em 4 meses... Dividir em 4 parcelas.)  Escutar a analise possíveis propostas do paciente  Procurar finalizar a negociação nessa consulta de retorno.
  • 14. JR P á g i n a | 14 Aula 4 PLANO DE TRATAMENTO EM IMPLANTODONTIA Tem Por objetivo oferecer a melhor opção dentro das possibilidades do paciente e do caso Diverso a fatores influenciam nisso:  Saúde geral  Condições financeiras  Longevidade e índice de sucesso do tratamento  Número de consultas  Expectativas do paciente  Condições locais Em Implantodontia é necessário fazer o planejamento reverso com modelos de diagnóstico confeccionados previamente ao procedimento cirúrgico (Planejar as próteses primeiro e depois planejar os implantes) Necessita de modelos precisos, enceramentos diagnósticos, montagem de dentes, confecção de guias e provisórios Com isso se estuda o espaço protético, a forma dos dentes artificiais, a posição e o contorno da futura coroa assim como a Posição ideal dos implantes. Uma correta avaliação das possíveis reabilitações protéticas guiará a colocação e o planejamento dos implantes no tocante ao número, inclinações e etc. A confecção do guia cirúrgico é fundamental para o sucesso da colocação do implante pois permite a perfeita colocação do implante na posição concordante
  • 15. JR P á g i n a | 15 O guia otimiza a realização do procedimento, a distribuição do Número de implantes, melhora o paralelismo e tripoidismo (apoio em 3 pontos vestibular língual e central) e a angulação vestíbulo - língual O guia permite a visualização precisa do local e posição dos implantes Deve ser confeccionado em Material (resina acrílica incolor) estável, bem apoiada que não permita báscula, incolor para permitir a visualização da passagem da broca Quando o paciente tiver uma prótese total bem adaptada a mesma pode ser usada para duplicação e confecção de um guia cirúrgico pois a futura prótese sobre implante poderá ter a mesma posição O guia Permite a visualização da parte protéica do Implante na radiografia e confeccionado nos modelos de estudo Encerados (Confecciona- se uma guia em acrílico, e na área a ser reposta se. Usa um material radiopaco para simular a posição da futura coroa em relação ao osso) Obs: em regiões posteriores se da preferência as coroas parafusadas (perfuração passa pelo sulco central) Na região anterior preferir as coroas cimentadas Obs: a posição ideal para a perfuração e uso de guia cirúrgico tem dois pontos de referência na região anterior (cíngulos dos vizinhos (prótese parafusada) ou suas incisais (próteses cimentadas) já na região posterior se usa o sulco central Para todas.) Depois de confeccionado o guia deve-se escolher:  As dimensões do implante (tamanho da plataforma: regular, a baixo do padrão ou estreita, acima do padrão ou larga) de preferência quando possível escolher uma dimensão próxima a
  • 16. JR P á g i n a | 16 da dimensão natural da raiz. O comprimento geral deve ser até 13mm (maior que isso causa necrose)  Desenhos do implante (cilíndricoconico ou cônico para osso tipo 3 ou 4, cilíndrico para osso 1 ou 2)  As Superfícies (tratadas e não tratadas). Escolher preferencialmente os tratados Escolha do Número de implantes QUANDO DO TIPO H.E Reabilitações unitárias: para o implante em incisivos centrais, caninos e pré molares é necessário de 7 a 8 mm de distância mésio-distal (eles usam plataforma regular chamada RP) Para incisivos laterais é necessário 6mm para plataforma mínima também chamada NP Região posterior: Se o espaço mésio-distal for entre 8 e 10 mm deve-se usar um implante RP, já quando esse espaço for de 10 a 12 deve-se usar um implante LP (plataforma larga), se houver uma distância de 14mm pode-se usar dois implantes RP com 3mm de distância entre eles, pois cada um necessita de 7mm de espaço) Deve-se considerar também a distância interoclusal de ao menos 7mm para garantir um espaço adequado para a base e material restaurador da futura coroa Reabilitação de 2 elementos: Distância mínima de 14 a 16mm em região anterior (isso garante os 7mm de cada implante H.E do tipo RP a distância adequada entre eles) Região posterior: Pelo menos 14 a 16 para implante RP ou 18 a 20 para implante LP, para espaços de mais de 21mm coloca-se 3 implantes RP
  • 17. JR P á g i n a | 17 Reabilitação de 3 elementos: Região anterior: Com 21 a 24 se usa 2 implantes RP (superior) ou 3 implantes NP. Na região posterior entre 20 e 24 se usa 3 implantes RP Reabilitação de 4 elementos: 28 a 32mm se usa 3 ou 4 implantes RP (3 é mais estético) Reabilitação de 5 ou 6 elementos: 5 elementos exigem de 35 a 40mm de espaço se usa 3 RP. (Mais que isso não é Necessário para região anterior superior Na região inferior com 30mm de espaço se usa 3 implantes NP (já é suficiente essa quantidade) Reabilitações totais: Pode-se resolver cada arcada com 4 a 6 implantes RP para cantilever Ou optasse por sobredentadura (apenas 2 ou 3 implantes) para pacientes com dificuldade de higienização Posição Apico-Coronal: Em implantes H.E não deve haver mais de 2 ou 3mm de distância entre o topo da crista óssea e o início da plataforma (os Conemoss podem adentrar mais) Posicionamento vestíbulo-lingual: Deve haver ao menos entre 1 e 2 mm de osso sobre a superfície do implante tanto na superfície vestibular quanto lingual do osso LEMBRANDO QUE ESSES MESMOS ESPAÇOS SÃO EXIGIDOS TAMBÉM ENTRE AS RAÍZES OBS: Nos implantes H.E a distância mínima da superfície lateral do implante para a raiz vizinha deve ser no mínimo 1,5 mm e de 3mm para a
  • 18. JR P á g i n a | 18 superfície de um outro implante vizinho para que não estrangule a crista óssea e mantenha a papila interdental Sendo que a distância nos implantes H.I e Conemoss essas distâncias diminuem para 1mm para raiz vizinha e 2 para outro Implante
  • 19. JR P á g i n a | 19 IMPLANTODONTIA 6 AV2 PROTOCOLO CIRÚRGICO PARA INSTALAÇÃO DE IMPLANTES É fundamental que se realize as instruções pré operatórias e as medicações que sempre são realizadas previamente a todas as colocações de implante Medicações prévias:  Analgésicos e Antiinflamatórios, Antibióticos e Descongestionantes nasais  Variáveis com a extensão e tempo cirúrgico  Controlar a ansiedade com benzodiazempinicos, não prescrever, mas sim entregar ao paciente e recomendar que ele tome na noite antes do procedimento.  Controlar a dor com AINES: Dipirona 500 mg 1 comprimido a cada 6 horas, Ibuprofeno 600 mg, nimesulida 100 mg, diclofenaco de potássio ou sodico 50 mg, ou usar analgésicos opioides: Tilex 30 mg (Codeína 30 mg + Paracetamol 750 mg). Ou Tilex 7,5 mg (Codeína 7,5 mg + Paracetamol 500 mg). Usar também para casos de cirurgias longas os antiinflamatórios esteroidais: Decadron (dexametazona) 4mg usar dois comprimidos de 4mg uma hora antes, Celestone (betametazona) 2mg 2 comprimidos uma hora antes.  Antibióticos: Penicilinas (Amoxicilina 500 mg) usar dose de ataque 2g uma hora antes do procedimento e um comprimido a cada 8 horas pós operatório com ou sem clavunonato de potássio. Também se pode usar azitromicina para pre e pós operatórios principalmente em casos simples.
  • 20. JR P á g i n a | 20  Prescrever descongestionantes em casos que envolvam seio maxilar para que o seio se mantenha limpo e arejado. Pode ser qualquer descongestionante OBS: Sempre se prescreve pre operatório: Antibiótico, Analgésicos, Anestésico (Livre escolha entre Lidocaina, Articaina ou Mepivacaina)  Sempre evitar que o paciente coma alimentos pesados antes do procedimento para evitar mal estar  Reduzir o fumo  Nunca beber  Manter as medicações rotineiras  Usar roupas confortáveis OBS: Casos simples são considerados as colocações de até 3 implantes em paciente sem infecção e sem comprometimento sistêmico. Usar nesses pacientes sempre: Medicação antibiótica prévia: Azitromicina uma hora antes. Analgesia com AINES (Preferir o LISADOR logo após o fim do procedimento antes que a anestesia acabe o efeito), Usar antiinflamatório ( Nimesulida, AFLEX)  Casos menos simples (mais de 3 implantes).  Fazer antibióticoterapia prévia e de manutenção por 7 dias com amoxicilina 500 mg  *Fazer analgesia com dipirona (500 mg) ou paracetamol para alérgicos.  Em casos mais extensos ou demorados usar .  Em casos relacionados a infecção prévia Reforçar a amoxicilina com clavunonato prévio e de manutenção, analgésico e antiinflamatório normal
  • 21. JR P á g i n a | 21  Em casos muito extensos e demorados (Como levantamento de mandíbula, enxertos e outros) SEMPRE utilizar corticoides previamente a cirurgia ( 2 comprimidos de Decadron 4mg uma hora antes), considerar a clindamicina em pacientes alérgicos a penicilinas. OBS: Não usar Azitromicina para combate a infecção apenas para prevenção  Pacientes com alta ansiedade: Usar Diazepan de 5 ou 10 mg.  Sempre prescrever bochechos de Clorexidina 0,12% duas vezes ao dia por 7 dias em todos os casos  Recomendar: Não fumar, consumir alimentos frios e pastosos, seguir as medicações rigorosamente, cuidar da higienização.
  • 22. JR P á g i n a | 22 IMPLANTODONTIA 7 INSTRUMENTAIS UTILIZADOS EM CIRURGIA DE COLOCAÇÃO DE IMPLANTE Os normais da cirurgia: cubas, seringas, Porta Agulha, material de sutura, Fios sempre de Nilon, afastador de minessota ou Farebeut, sternberg, brenemark (para enxertos de mento)  Decoladores de molt e free  Pinça porta enxerto  Pinça porta implante  Tesouras delicadas  Bisturis 15c  Bisturis circulares (Para reabrir o implante)  Dissector (usado para incisionar e descolar)  Períotomo (Para romper ligamento periodontal é realizar extrações atraumaticas)  Curetas de Lucas e Grace  Fórceps (Quanto mais finos melhor)  Alavancas de Seldin.  Motor para implante  Contra ângulo (Específico pra implante)  Peça reta (normal ou angulada)  Frezas ( de sistema pieso elétrico, tem por vantagem não ferir os Tecidos moles o que protege nervos)  Retrival (Para remover implantes por alguma razão)  Brocas Max e Minicut (para aplainar a superfície óssea) Campo cirúrgico  Pijama cirúrgico, luvas e gorros
  • 23. JR P á g i n a | 23 INCISÕES E RETALHOS PRÉ REQUISITOS PARA UMA BOA INCISÃO  Garantir uma boa visibilidade direta  Não arriscar estruturas anatômicas  Incisionar em tecido sadio  Planejar antecipadamente e se preparar para a realização  Assegurar o suporte sanguíneo (Relação de base x ápice do retalho)  Assegurar o recobrimento do implante ou enxerto  Garantir que há disponibilidade de tecido queratinizado suficiente TIPOS DE INCISÃO:  Na crista do rebordo: Dividi-se o tecido queratinizado meio a meio, uma incisão bem simples que pode ser deslocado para vestibular ou palatina a depender da necessidade de tecido queratinizado (quando se deseja por vestibular se faz por palatina e desloca o retalho pra vestibular)  Incisões circulares: Usa bisturi circular, pouco usado por que desperdiça o tecido queratinizado o que atrapalha na proteção da região perimplantar, vantagem por ser pouco traumático, evita sutura.  Relaxantes: vantajosas por aumentar a área de visualização, preserva as papilas, evita áreas de tensão no retalho. Tem o problema de ser mais traumática, lesionar o tecido queratinizado  O relaxante periosteal é interessante para proteger os implantes em cirurgia de 2 estágios TIPOS DE RETALHO
  • 24. JR P á g i n a | 24  Retalho total: envolve o periósteo  Retalho parcial: Não descola o periósteo  Retalho misto: parcial e total em diferentes áreas
  • 25. JR P á g i n a | 25 SEQUÊNCIA DE COLOCAÇÃO DO IMPLANTE Cada fabricante tem kits diferentes Seu escalonamento é crescente, semelhante a endodontia Começa da broca mais fina até a mais próxima do diâmetro do implante (nunca igual pois não permite a estabilidade primária)  Primeiro Passo: Começa com uma broca esférica ou de lança que tem por função romper a cortical óssea, criando um caminho para as próximas brocas  Segundo passo: Broca de diâmetro 2.0 mm até o comprimento final do implante (lembrar de sempre fazer essa perfuração aos poucos em movimento de entrada e saída para evitar o aquecimento)  Usar o profundimetro para ver se foi alcançada a profundidade de perfuração  Se não houver guia se usa o paralelizador para ver se houve desvio do trajeto  Terceiro passo: Broca Piloto 2-3: Usada para preparar o osso para receber a broca 3 (Não precisa ir até o comprimento final, apenas abre caminho para a 3)  Quarto passo: Broca 3.0 mm (A última que atinge o comprimento total, pois o implante normal tem mais de 3 mm e se deixa 0,75 ou 1 mm para dar retenção primária)  Quinto passo: A depender da densidade óssea se usa uma broca a mais nos casos de osso 1 ou 2 para melhorar a adaptação do implante. (Counter sink usada para dar espaço a acomodação da plataforma do implante do tipo H.E. Em ossos 1 ou 2)
  • 26. JR P á g i n a | 26  Sexto passo: Instalação. Colocar o implante com a chave manual, ou com chave de contra ângulo até obter um travamento inicial, depois se termina com o torquimetro (catraca)  Sétimo passo: Por fim se coloca o tapa implante para proteção do mesmo e se faz as suturas As suturas tem por função reposicionar os tecidos, sem jamais causar isquemia, a cicatrização ocorre após 7 a 15 dias, é fundamental que haja o recobrimento do implante, usar sempre Nilon (Pois tem muito menos acúmulo de placa bacteriana e proteje os tecidos periimplantares)
  • 27. JR P á g i n a | 27 TIPOS DE SUTURA:  "X"  Simples  Contínuo  Festonada  Colchoeiro vertical (Muito importante em áreas estéticas, mantém e ajuda na formação de papilas que são muito importantes na implantodontia) Tem a vantagem de ser resistente, protege enxertos, e mantém as papilas Pode-se usar os fios reabsorvíeis por exemplo nos casos de enxerto de mento FATORES QUE ALTERAM A CICATRIZAÇÃO DE UMA SUTURA:  Alimentação  Fatores sistêmicos  Tipo de fio  Maus hábitos: Tabagismo e alcoolismo Aguardar os meses adequados (2-4 mandíbula, 4 -6 maxila) Reabrir e colocar o cicatrizador Protocolo Protético: 2º Estágio Passada o período inicial da osseointegração (de 2 a 6 meses dependendo da região e do tipo de implante), vem a fase protética onde o componente protético é colocado. É nessa fase em que está o foco da expectativas do paciente, onde sua satisfação está intimamente dependente. Tem por objetivo fazer a reabertura do implante e adaptar o cicatrizador.
  • 28. JR P á g i n a | 28 A reabertura objetiva acessar o parafuso do implante, acessar o implante para a confecção da prótese, valorizar a estética na região perimplantar. Incisões para reabertura:  Bisturi Circular  Linear (Incisão na crista)  Em H  Incisão Palatal com Retalho  Pendiculo proximal  Associada a Enxerto  Retalho em rolo OBS: O bisturi circular está caindo em desuso por que ele exige muita quantidade e qualidade de tecido queratinizado na região perimplantar CICATRIZADOR: Dispositivo de titânio rosqueavel ao implante, necessita de superfície bem lisa para proporcionar aos tecidos moles uma cicatrização adequada a colocação da prótese Seu formato segue o diâmetro dos implantes e das coroas dentais, seguindo o perfil de emergência do dente a ser reposto se apresentando como finos, médios e largos O período de cicatrização é de 2 a 6 semanas A chave usada na sua colocação pode ser de 0,9 ou 1,2 mm (IMPORTANTE LEMBRAR ESSA NUMERAÇÃO) Permite o desenvolvimento perimucoso ao redor do implante e protege os tecidos moles Deve seguir a silhueta dos elementos dentais, sendo que existe o de silhueta divergente (Região anterior) ou de silhueta Reta (região posterior)
  • 29. JR P á g i n a | 29 O diâmetro do cicatrizador é determinado pelo diâmetro da plataforma e da coroa dental a ser reposta existindo o de 3.3, 4.1 e 5mm Já a altura do cicatrizador é dada pela altura da mucosa perimplantar, Sua altura varia de 2mm em diante, sendo que ele deve ficar no mínimo 0,5 mm a cima da margem gengival INCISÕES LINEARES permitem boa visualização porém também necessitam de muito tecido queratinizado semelhante ao circular A INCISÃO EM H (uma incisão linear central com duas relaxantes laterais) é indicada para os casos unitários pois descola as duas partes da mucosa uma para vestibular outra para palatina INCISÃO PALATAL COM RETALHO: visa alimentar a porção de tecido queratinizado na região vestibular. Faz-se uma incisão por palatina com retalho parcial (deixando o periósteo íntegro) reposiciona-se o retalho para vestibular expondo o implante e aumentando a porção de tecido mole na região vestibular e se coloca o cicatrizador TÉCNICA DO PEDÍCULO PROXIMAL Também visa aumentar a quantidade de tecido queratinizado na vestibular e repõe papila TÉCNICA PARA MANUTENÇÃO DE PAPILA Quando se faz o uso de bons provisórios o contorno e a margem gengival são restabelecidos com naturalidade, para manter isso a incisão deve ser feita de modo que essas papilas sejam preservadas. TÉCNICA ASSOCIADA COM ENXERTO DE TECIDO MOLE
  • 30. JR P á g i n a | 30 Pode-se fazer um enxerto gengival livre (o enxerto é feito com a remoção de epitelio e conjuntivo) ou por enxerto conjuntivo (se remove apenas o conjuntivo da área doadora) O mais indicado é o retalho conjuntivo pois é menos doloroso para o paciente e tem um resultado final é mais estético (o enxerto gengival livre gera por vezes um tecido esbranquiçado e menos estético) Áreas doadoras mais usadas são o túber da maxila e o palato Vale ressaltar que o túber só pode ser usado como doador se o paciente não tiver o 3º molar e por vezes o segundo A remoção de tecido mole no palato deve se restringir até a mesial do 1º molar pois além disso a incisão chega perto dos vasos palatinos maiores e ocorre um sangramento maior. RETALHO EM ROLO Se faz uma incisão por palatina com duas relaxantes laterais e se enrola o tecido em direção a vestibular para resolver defeitos de tecido queratinizado ACESSO COM PRÓTESE PROVISÓRIA Muitas vezes um provisório bem adaptado e aumentado progressivamente vai condicionando o tecido mole a fim de torná-lo bem adaptado a peça definitiva. Tem a vantagem de dar ótimos resultados no condicionamento do tecido queratinizado, o problema é que leva mais tempo clínico (necessita de ajustes semanais) e prolonga o tempo de tratamento. Mais indicado para região anterior.
  • 31. JR P á g i n a | 31 COMPONENTES E INTERMEDIÁRIOS PROTÉTICOS PARA PRÓTESE SOBRE IMPLANTE O intermediário tem a mesma função dos núcleos em próteses fixas portanto sustentam o componente protético O grande desafio na implantodontia hoje em dia é a adaptação do componente protético Dentro da biomecânica o mais importante é entender o tipo de conexão protética sendo fundamental conhecer a marca, o tipo, e o diâmetro da plataforma. Algumas limitações do H.E são a instabilidade rotacional e estética fizeram surgir novas conexões H.I e cone moss. INTERMEDIÁRIO X COMPONENTE PROTÉTICO O intermediário compreende a porção que liga a plataforma do implante ao componente protético (Semelhante aos núcleos de prótese fixa) Componente protético é a estrutura sobre a qual se confecciona a prótese (Semelhante ao núcleo de próteses fixas) Coping tanto para prótese fixa quanto prótese sobre implante, é o componente sobre o qual se confecciona a coroa dental
  • 32. JR P á g i n a | 32 ÁREAS DOADORAS: INTRA ORAIS:  Tuberosidade da maxila (particulado)  Mento (osso cortical e esponjoso) o osso coletado se revasculariza mais facilmente na área receptora, corpo e ramo da mandíbula (osso cortical) cicatriza mais lento e o osso removido se vasculariza menos na área receptora (blocos) EXTRA ORAIS:  Crista ilíaca  Calota craniana  Tíbia (blocos) Escolher baseado na morbidade (remoção na região do mento causa parestesia na região anterior inferior por um longo período), preferência do paciente e profissional, Quantidade de osso necessário. Vale lembrar q o osso autógeno sofre contração cicatricial (reduz até 50% após os 4 meses iniciais de cicatrização) TIPOS DE ENXERTO AUTÓGENO  ONLEY: ganho de altura (fica sobre osso residual)  INLAY: osso fica dentro de uma cavidade ex: seio maxilar  INTERPOSTO: osso autógeno colocado entre 2 lâminas ósseas OBS: uma das maneiras de se reduzir a reabsorção do osso autogeno particulado é misturando-o com osso heterógeno ou aloplastico OBS importante: para levantamento de seio maxilar só se usa xenógeno puro, autógeno com aloplastico ou autógeno com xenógeno
  • 33. JR P á g i n a | 33 GERENCIAMENTO DAS COMPLICAÇÕES EM IMPLANTODONTIA A implantodontia necessita de um planejamento cirúrgico protético (planejamento reverso) para que as complicações sejam minimizadas Deve-se considerar a situação física do paciente, características bucais e expectativas do mesmo Atualmente o insucesso da colocação de implantes gira em torno de apenas 4% o que é uma média muito boa de sucesso Esses 4% estão muito relacionados a problemas motivados pelo dentista que erra no planejamento ou execução muitas vezes tentando fazer um procedimento que extrapola os limites da técnica Ou alguma negligência Existem duas categorias de complicações: Cirúrgicas: Divididas em Trans (deglutição de instrumental, fraturas ósseas, perfuração do seio maxilar, lesão à nervos, hemorragias, exposição do implante, fratura de instrumentais) pos (infecções, hemorragias, parestesia, perda do implante, deiscência do enxerto ou sua contaminação), cirúrgicas ou durante a cicatrização Proteticaa: fraturas de cerâmica, afrouxamento de parafuso, fratura da prótese, fratura do implante, problemas de higiene relacionado a prótese, fratura de intermediário, fratura da solda. Obs: sempre montar a prótese em infra oclusão para evitar a sobrecarga do implante