SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Baixar para ler offline
O OLHAR DO PROFESSOR

                                                                        RUBEM ALVES1

[...] Nietzsche disse que a primeira tarefa da educação é ensinar a ver. É a primeira
tarefa porque é através dos olhos que as crianças, pela primeira vez, tomam
contacto com a beleza e o fascínio do mundo. Os olhos têm que ser educados para
que a nossa alegria aumente. Os olhos das crianças não vêem a fim de… Seu olhar
não tem nenhum objetivo prático. Elas vêem porque é divertido ver.

Já li muitos livros sobre psicologia da educação, sociologia da educação, filosofia da
educação, didática – mas, por mais que me esforce, não consigo me lembrar de
qualquer referência à educação do olhar, ou à importância do olhar na educação,
em qualquer um deles. Acho que a experiência de Walt Whitman teria sido
diferente se sua professora tivesse feito pós-graduação em educação.


O que é um olhar? O olhar não se encontra nos olhos. Observação de Sartre: “O
olhar do Outro esconde seus olhos”. Observação de Cecília Meireles: “O sentido
está guardado no rosto com que te miro”. Eu não te miro com os meus olhos. Eu te
miro com o meu rosto. Os olhos são peças anatômicas assustadoras em si mesmas.
Olhos não têm sentido. Eles nada dizem. Mas o rosto com que te miro guarda um
segredo. Não miro com os olhos. Miro com o rosto. É o rosto que desvenda o
mistério do olhar.

O rosto da mãe revela à criança o segredo do seu olhar. Isso é verdade até para os
animais: o olhar de um cão… Roland Barthes é uma exceção. Ele não tinha medo de
pensar seus próprios pensamentos, mesmo que não pudessem ser cientificamente
comprovados. Às vezes, a exigência de provas é uma manifestação de burrice. Acho
que se ele tivesse que resumir o que pensava sobre educação numa única frase, ele
diria: “No princípio é o olhar…”.

A educação acontece na subtil trama entre os olhares da mãe e do filho. Pois é aí
que se revela o desejo. Vejam esta deliciosa descrição da mãe ensinando o filhinho
a andar: quando a criança aprende a andar a mãe não discorre, nem
demonstra, ela não ensina a andar, ela não representa (não anda diante da
criança), ela sustenta, encoraja, chama (recua e chama), ela incita e cerca, a
criança pede a mãe e a mãe deseja o andar da criança.


Van Gogh tem uma delicada tela que representa esta cena: o pai, jardineiro,
interrompeu seu trabalho; está ajoelhado no chão, com os braços estendidos para
criança que chega conduzida pela mãe. O rosto do pai não pode ser visto. Mas é
certo que ele está sorrindo. O rosto-olhar do pai está dizendo para o filhinho: “Eu
quero que você ande”.




1   ALVES, Rubem. Gaiolas e Asas. Edições ASA, 2004. Coleção Em Foco.
É o desejo de que a criança ande; desejo que assume forma sensível no rosto da
mãe ou do pai, que incita a criança no aprendizado dessa coisa que não pode ser
ensinada nem por exemplos, nem por palavras. Os educadores acadêmicos dirão
que isso é piegas, romântico – não é científico. É verdade. O que eu disse não pode
ser dito cientificamente. Só poeticamente.
Acontece que, como disse Bernardo Soares, o fato é que somos incuravelmente
românticos! Assim, sendo a educação uma coisa romântica (não consigo pensar
uma criança sem ternura), eu lhe digo: “Professor: trate de prestar atenção no
seu olhar. Ele é mais importante que seus planos de aula. O olhar tem o poder
para despertar e para intimidar a inteligência. O olhar é um poder bruxo!”.

Sartre concorda comigo: “De repente ouço passos no corredor. Alguém está
olhando para mim. Significa que eu, repentinamente, sou afetado no meu ser, que
modificações essenciais aparecem na minha estrutura…” Ele não vê o rosto. Os
passos o informam de que há olhos que o observam. Ele perde sua naturalidade. Os
olhos que ele não vê, mas que – ele sabe sem ver – estão olhando para ele provoca
alterações no seu corpo.

O seu olhar, professor, produz alterações no corpo da criança. Adélia Prado,
brincando, disse a mesma coisa: “O meu lábio zombeteiro faz a lança dele
refluir”. Lança? Símbolo fálico. A lança não deixa de existir. Mas o lábio zombeteiro
que revela o mistério do rosto-olhar a altera. A lança, humilhada, esconde-se, foge,
torna-se incapaz do ato do amor. Lança? Já sugeri a relação metafórica entre a
lança fálica e a inteligência.

Como a lança fálica, a inteligência ou se alonga e se levanta confiante para o
ato de conhecer (lembre-se de que, na Bíblia, quando se quer dizer “fazer
amor” se diz “conhecer”…), ou se encolhe, flácida e impotente. O olhar do
professor tem poderes semelhantes. É um poder bruxo. O olhar de um professor
tem o poder de fazer a inteligência de uma criança florescer ou murchar. Ela
continua lá, mas se recusa a sair para a ventura de aprender.

A criança de olhar amedrontado e vazio, de olhar distraído e perdido. Ela não
aprende. Os psicólogos se apressam em diagnosticar alguma perturbação
cognitiva. Chamam os pais. Aconselham-nos a enviá-la para terapia. Pode até ser.
Mas outra hipótese tem que ser levantada: que a inteligência dessa criança
que parece incapaz de apreender tenha sido enfeitiçada pelo olhar do
professor. Por isso lhe digo, professor: cuide de seus olhos…


Fonte: https://contadoresdestorias.wordpress.com/2012/02/19/o-olhar-do-professor-
rubem-alves/
Acesso em: 25/02/2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Texto milho,pipoca e o piruá
Texto milho,pipoca e o piruáTexto milho,pipoca e o piruá
Texto milho,pipoca e o piruáCarla Matos
 
SAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdfSAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdfjuscelinocdd
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarBelister Paulino
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemGerdian Teixeira
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOEdlauva Santos
 
Texto Reflexivo a Loja da Educação
Texto Reflexivo a Loja da EducaçãoTexto Reflexivo a Loja da Educação
Texto Reflexivo a Loja da EducaçãoAdilson P Motta Motta
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de paisColmanetti
 
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência VisualPlano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência VisualCarla Cristina Alves
 
O monstro das cores
O monstro das coresO monstro das cores
O monstro das coresPamela Nunes
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresdriminas
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Arivaldom
 
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Rosicler Casal Bueno Cardoso
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curricularesElisete Nunes
 
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)lucianacarvalho
 
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Ana Macanario
 
Descritores e distratores
Descritores e distratoresDescritores e distratores
Descritores e distratoreslouisacarla
 

Mais procurados (20)

Texto milho,pipoca e o piruá
Texto milho,pipoca e o piruáTexto milho,pipoca e o piruá
Texto milho,pipoca e o piruá
 
SAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdfSAEB 2023 Apresentação.pdf
SAEB 2023 Apresentação.pdf
 
Plano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão EscolarPlano de trabalho para Gestão Escolar
Plano de trabalho para Gestão Escolar
 
Relatório estágio
Relatório  estágioRelatório  estágio
Relatório estágio
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
Texto Reflexivo a Loja da Educação
Texto Reflexivo a Loja da EducaçãoTexto Reflexivo a Loja da Educação
Texto Reflexivo a Loja da Educação
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência VisualPlano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
Plano de Aula de Ciências Inclusiva - Aluno com Deficiência Visual
 
O monstro das cores
O monstro das coresO monstro das cores
O monstro das cores
 
Slides da reunião com professores
Slides da reunião com professoresSlides da reunião com professores
Slides da reunião com professores
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...Oficina 3  avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
Oficina 3 avaliar, registrar e refletir as práticas docentes e o desenvolvim...
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
 
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
 
Saeb
SaebSaeb
Saeb
 
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
Pnaic - Leitura deleite - A professora e a maleta
 
Descritores e distratores
Descritores e distratoresDescritores e distratores
Descritores e distratores
 

Destaque

Pedagogia do olhar rubem alves
Pedagogia do olhar rubem alvesPedagogia do olhar rubem alves
Pedagogia do olhar rubem alvesJose Rosa
 
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010francisleide
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipeWelton Matos
 
A fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacao
A fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacaoA fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacao
A fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacaoMarcelo Silva
 
Crônicas rubem alves reflexões
Crônicas rubem alves  reflexõesCrônicas rubem alves  reflexões
Crônicas rubem alves reflexõesGabrielaMansur
 
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010francisleide
 
Formar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - Perrenoud
Formar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - PerrenoudFormar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - Perrenoud
Formar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - PerrenoudLúcio Aguiar
 
Minha Lista De Nunca Mais
Minha Lista De Nunca MaisMinha Lista De Nunca Mais
Minha Lista De Nunca MaisTop Cat
 
Pedagogia do olhar - Rubem Alves
Pedagogia do olhar - Rubem Alves Pedagogia do olhar - Rubem Alves
Pedagogia do olhar - Rubem Alves Marta Caregnato
 
A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...
A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...
A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...Eziquiel Menta
 

Destaque (20)

Poema de Rubem Alves
Poema de Rubem AlvesPoema de Rubem Alves
Poema de Rubem Alves
 
O OLHAR DO PROFESSOR _ RUBEM ALVES
O OLHAR DO PROFESSOR _ RUBEM ALVESO OLHAR DO PROFESSOR _ RUBEM ALVES
O OLHAR DO PROFESSOR _ RUBEM ALVES
 
Pedagogia do olhar rubem alves
Pedagogia do olhar rubem alvesPedagogia do olhar rubem alves
Pedagogia do olhar rubem alves
 
O defeito e sempre do outro
O defeito e sempre do outroO defeito e sempre do outro
O defeito e sempre do outro
 
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
Rubem alves
Rubem alvesRubem alves
Rubem alves
 
Texto reflexivo
Texto reflexivoTexto reflexivo
Texto reflexivo
 
A fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacao
A fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacaoA fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacao
A fabula-da-galinha-na-terra-da-tributacao
 
Crônicas rubem alves reflexões
Crônicas rubem alves  reflexõesCrônicas rubem alves  reflexões
Crônicas rubem alves reflexões
 
Pra bom professor não existe mau aluno
Pra bom professor não existe mau alunoPra bom professor não existe mau aluno
Pra bom professor não existe mau aluno
 
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
Coletânea de dinâmicas de grupo e textos reflexivos soe-colinas-2010
 
Formar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - Perrenoud
Formar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - PerrenoudFormar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - Perrenoud
Formar Professores em contextos em mudança - prática reflexiva - Perrenoud
 
Presente para a mãe de um adolescente
Presente para a mãe de um adolescentePresente para a mãe de um adolescente
Presente para a mãe de um adolescente
 
Magia - Rubem Alves
Magia - Rubem AlvesMagia - Rubem Alves
Magia - Rubem Alves
 
Minha Lista De Nunca Mais
Minha Lista De Nunca MaisMinha Lista De Nunca Mais
Minha Lista De Nunca Mais
 
Pedagogia do olhar - Rubem Alves
Pedagogia do olhar - Rubem Alves Pedagogia do olhar - Rubem Alves
Pedagogia do olhar - Rubem Alves
 
Poema de Rubem Alves
Poema de Rubem AlvesPoema de Rubem Alves
Poema de Rubem Alves
 
A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...
A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...
A educação de Jovens e adultos no município de Curitiba sob a ótica de Gênero...
 

Semelhante a O poder do olhar do professor na educação das crianças

Semelhante a O poder do olhar do professor na educação das crianças (20)

O OLHA DO PROFESSOR
O OLHA DO PROFESSORO OLHA DO PROFESSOR
O OLHA DO PROFESSOR
 
Mensagemeducacaoolhar 6ºdia
Mensagemeducacaoolhar 6ºdiaMensagemeducacaoolhar 6ºdia
Mensagemeducacaoolhar 6ºdia
 
Rubem Alves - Pedagogia do Olhar
Rubem Alves - Pedagogia do OlharRubem Alves - Pedagogia do Olhar
Rubem Alves - Pedagogia do Olhar
 
Educar
EducarEducar
Educar
 
Educar
EducarEducar
Educar
 
Educar Rubem Alves
Educar Rubem AlvesEducar Rubem Alves
Educar Rubem Alves
 
Educar rubem alves
Educar rubem alvesEducar rubem alves
Educar rubem alves
 
Educar rubem alves
Educar rubem alvesEducar rubem alves
Educar rubem alves
 
Rubem alves
Rubem alvesRubem alves
Rubem alves
 
Educar
EducarEducar
Educar
 
Técnica superior educação do olhar
Técnica superior   educação do olharTécnica superior   educação do olhar
Técnica superior educação do olhar
 
Educar
EducarEducar
Educar
 
Educar o olhar - Rubem Alves
Educar o olhar -  Rubem AlvesEducar o olhar -  Rubem Alves
Educar o olhar - Rubem Alves
 
Educar
EducarEducar
Educar
 
Educar Rubens Alves
Educar Rubens AlvesEducar Rubens Alves
Educar Rubens Alves
 
Educar A Ver
Educar A VerEducar A Ver
Educar A Ver
 
E D U C A R
E D U C A RE D U C A R
E D U C A R
 
Educar Pcop Margarete
Educar Pcop MargareteEducar Pcop Margarete
Educar Pcop Margarete
 
Educar
EducarEducar
Educar
 
Educar
EducarEducar
Educar
 

Mais de Patrícia Fernanda da Costa Santos

Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...
Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...
Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...Patrícia Fernanda da Costa Santos
 

Mais de Patrícia Fernanda da Costa Santos (20)

V Cesta de Leitura _ Exposição de Painéis
V Cesta de Leitura _ Exposição de PainéisV Cesta de Leitura _ Exposição de Painéis
V Cesta de Leitura _ Exposição de Painéis
 
Acolhida - Educação de Jovens e Adultos
Acolhida - Educação de Jovens e AdultosAcolhida - Educação de Jovens e Adultos
Acolhida - Educação de Jovens e Adultos
 
Convite Festa de São João _ 2013
Convite Festa de São João _ 2013Convite Festa de São João _ 2013
Convite Festa de São João _ 2013
 
Convite ii
Convite iiConvite ii
Convite ii
 
Decreto nº 7.823 de 21 de março de 2013
Decreto nº 7.823 de 21 de março de  2013Decreto nº 7.823 de 21 de março de  2013
Decreto nº 7.823 de 21 de março de 2013
 
Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...
Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...
Culminância da Semana de Alimentação Saudável _ Profª Jéssica (Ciências) e Pr...
 
Apresentação iii cesta de leitura
Apresentação iii cesta de leituraApresentação iii cesta de leitura
Apresentação iii cesta de leitura
 
Ler é bom demais ....
Ler é bom demais ....Ler é bom demais ....
Ler é bom demais ....
 
Folder Cesta de Leitura
Folder Cesta de LeituraFolder Cesta de Leitura
Folder Cesta de Leitura
 
Apresentação _ Ler é bom demais!!!
Apresentação _ Ler é bom demais!!!Apresentação _ Ler é bom demais!!!
Apresentação _ Ler é bom demais!!!
 
Folder III Cesta de Leitura
Folder III Cesta de LeituraFolder III Cesta de Leitura
Folder III Cesta de Leitura
 
Atividades propostas - Projeto gêneros textuais na EJA
Atividades propostas - Projeto gêneros textuais na EJAAtividades propostas - Projeto gêneros textuais na EJA
Atividades propostas - Projeto gêneros textuais na EJA
 
Projeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJAProjeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJA
 
Apresentação _ 2ª Cesta de Leitura
Apresentação _ 2ª Cesta de LeituraApresentação _ 2ª Cesta de Leitura
Apresentação _ 2ª Cesta de Leitura
 
Ruth Rocha _ Marcelo, Marmelo, Martelo
Ruth Rocha _ Marcelo, Marmelo, MarteloRuth Rocha _ Marcelo, Marmelo, Martelo
Ruth Rocha _ Marcelo, Marmelo, Martelo
 
Sistematização Dia Internacional da Mulher
Sistematização Dia Internacional da MulherSistematização Dia Internacional da Mulher
Sistematização Dia Internacional da Mulher
 
Homenagem ao dia internacional da mulher apresentação
Homenagem ao dia internacional da mulher   apresentaçãoHomenagem ao dia internacional da mulher   apresentação
Homenagem ao dia internacional da mulher apresentação
 
Ruth rocha marcelo marmelo martelo
Ruth rocha   marcelo marmelo marteloRuth rocha   marcelo marmelo martelo
Ruth rocha marcelo marmelo martelo
 
O homem que calculava _ Capítulo III
O homem que calculava _ Capítulo IIIO homem que calculava _ Capítulo III
O homem que calculava _ Capítulo III
 
Projeto Tangram _ Professor Inaldo Lopes
Projeto Tangram  _ Professor Inaldo Lopes Projeto Tangram  _ Professor Inaldo Lopes
Projeto Tangram _ Professor Inaldo Lopes
 

Último

6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

O poder do olhar do professor na educação das crianças

  • 1. O OLHAR DO PROFESSOR RUBEM ALVES1 [...] Nietzsche disse que a primeira tarefa da educação é ensinar a ver. É a primeira tarefa porque é através dos olhos que as crianças, pela primeira vez, tomam contacto com a beleza e o fascínio do mundo. Os olhos têm que ser educados para que a nossa alegria aumente. Os olhos das crianças não vêem a fim de… Seu olhar não tem nenhum objetivo prático. Elas vêem porque é divertido ver. Já li muitos livros sobre psicologia da educação, sociologia da educação, filosofia da educação, didática – mas, por mais que me esforce, não consigo me lembrar de qualquer referência à educação do olhar, ou à importância do olhar na educação, em qualquer um deles. Acho que a experiência de Walt Whitman teria sido diferente se sua professora tivesse feito pós-graduação em educação. O que é um olhar? O olhar não se encontra nos olhos. Observação de Sartre: “O olhar do Outro esconde seus olhos”. Observação de Cecília Meireles: “O sentido está guardado no rosto com que te miro”. Eu não te miro com os meus olhos. Eu te miro com o meu rosto. Os olhos são peças anatômicas assustadoras em si mesmas. Olhos não têm sentido. Eles nada dizem. Mas o rosto com que te miro guarda um segredo. Não miro com os olhos. Miro com o rosto. É o rosto que desvenda o mistério do olhar. O rosto da mãe revela à criança o segredo do seu olhar. Isso é verdade até para os animais: o olhar de um cão… Roland Barthes é uma exceção. Ele não tinha medo de pensar seus próprios pensamentos, mesmo que não pudessem ser cientificamente comprovados. Às vezes, a exigência de provas é uma manifestação de burrice. Acho que se ele tivesse que resumir o que pensava sobre educação numa única frase, ele diria: “No princípio é o olhar…”. A educação acontece na subtil trama entre os olhares da mãe e do filho. Pois é aí que se revela o desejo. Vejam esta deliciosa descrição da mãe ensinando o filhinho a andar: quando a criança aprende a andar a mãe não discorre, nem demonstra, ela não ensina a andar, ela não representa (não anda diante da criança), ela sustenta, encoraja, chama (recua e chama), ela incita e cerca, a criança pede a mãe e a mãe deseja o andar da criança. Van Gogh tem uma delicada tela que representa esta cena: o pai, jardineiro, interrompeu seu trabalho; está ajoelhado no chão, com os braços estendidos para criança que chega conduzida pela mãe. O rosto do pai não pode ser visto. Mas é certo que ele está sorrindo. O rosto-olhar do pai está dizendo para o filhinho: “Eu quero que você ande”. 1 ALVES, Rubem. Gaiolas e Asas. Edições ASA, 2004. Coleção Em Foco.
  • 2. É o desejo de que a criança ande; desejo que assume forma sensível no rosto da mãe ou do pai, que incita a criança no aprendizado dessa coisa que não pode ser ensinada nem por exemplos, nem por palavras. Os educadores acadêmicos dirão que isso é piegas, romântico – não é científico. É verdade. O que eu disse não pode ser dito cientificamente. Só poeticamente. Acontece que, como disse Bernardo Soares, o fato é que somos incuravelmente românticos! Assim, sendo a educação uma coisa romântica (não consigo pensar uma criança sem ternura), eu lhe digo: “Professor: trate de prestar atenção no seu olhar. Ele é mais importante que seus planos de aula. O olhar tem o poder para despertar e para intimidar a inteligência. O olhar é um poder bruxo!”. Sartre concorda comigo: “De repente ouço passos no corredor. Alguém está olhando para mim. Significa que eu, repentinamente, sou afetado no meu ser, que modificações essenciais aparecem na minha estrutura…” Ele não vê o rosto. Os passos o informam de que há olhos que o observam. Ele perde sua naturalidade. Os olhos que ele não vê, mas que – ele sabe sem ver – estão olhando para ele provoca alterações no seu corpo. O seu olhar, professor, produz alterações no corpo da criança. Adélia Prado, brincando, disse a mesma coisa: “O meu lábio zombeteiro faz a lança dele refluir”. Lança? Símbolo fálico. A lança não deixa de existir. Mas o lábio zombeteiro que revela o mistério do rosto-olhar a altera. A lança, humilhada, esconde-se, foge, torna-se incapaz do ato do amor. Lança? Já sugeri a relação metafórica entre a lança fálica e a inteligência. Como a lança fálica, a inteligência ou se alonga e se levanta confiante para o ato de conhecer (lembre-se de que, na Bíblia, quando se quer dizer “fazer amor” se diz “conhecer”…), ou se encolhe, flácida e impotente. O olhar do professor tem poderes semelhantes. É um poder bruxo. O olhar de um professor tem o poder de fazer a inteligência de uma criança florescer ou murchar. Ela continua lá, mas se recusa a sair para a ventura de aprender. A criança de olhar amedrontado e vazio, de olhar distraído e perdido. Ela não aprende. Os psicólogos se apressam em diagnosticar alguma perturbação cognitiva. Chamam os pais. Aconselham-nos a enviá-la para terapia. Pode até ser. Mas outra hipótese tem que ser levantada: que a inteligência dessa criança que parece incapaz de apreender tenha sido enfeitiçada pelo olhar do professor. Por isso lhe digo, professor: cuide de seus olhos… Fonte: https://contadoresdestorias.wordpress.com/2012/02/19/o-olhar-do-professor- rubem-alves/ Acesso em: 25/02/2012