Sequência didática na educação infantil

196.605 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
5 comentários
159 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
196.605
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30.786
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5.732
Comentários
5
Gostaram
159
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sequência didática na educação infantil

  1. 1. SEQUÊNCIA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Mestranda Luiza Carvalho de Oliveira
  2. 2. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – O QUE É? • É uma forma de planejamento utilizada quando se trabalha com a pedagogia de projetos. • É um conjunto sistematizado de atividades ligadas entre si, planejadas para ensinar um conteúdo etapa por etapa. • Essa proposta envolve atividades de aprendizagem e avaliação, organizadas de acordo com os objetivos que o professor quer alcançar.
  3. 3. É possível não trabalhar com projetos e criar sequências didáticas? Sim, mas o efeito desta prática pode levar à falta de conexão entre as inúmeras sequências feitas durante o ano, o que configura, em última análise, a antiga fórmula dos livros didáticos e da educação tradicional (no seu pior sentido). A sequência didática não é o contexto, ela esta inserida em um contexto mais amplo que, no caso, é o projeto didático.
  4. 4. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – PARA QUE SERVE? a) Organizar as intenções pedagógicas através de temas, objetivos, conteúdos que atendam as necessidades do projeto didático, dos professores e das crianças; b) Organizar as intenções pedagógicas de tal forma que garanta a transversalidade de seus conteúdos, temas e objetivos; c) Preparar técnica e academicamente o professor, tornando- o capaz de fomentar e propiciar a construção de conhecimentos específicos com o grupo crianças sob sua responsabilidade, posto que é fundamental que se procure, através de pesquisas, ter conhecimentos prévios que ultrapassem o senso comum, o óbvio.
  5. 5. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – VANTAGENS A elaboração de sequências didáticas permite ao professor: • aquisição de novos conhecimentos (amplia seus horizontes); • ampliação de repertório; • previsão de materiais e novas possibilidades de trabalho.
  6. 6. Além de ampliar seus horizontes, garante segurança em relação as suas intenções pedagógicas. Um profissional seguro, é capaz de deixar a condução do projeto nas mãos de suas crianças, do coletivo do grupo e, sabemos, que adotar esta metodologia de trabalho é uma questão de princípios, confiança e muita coragem. É a preparação do profissional para que possa captar, através de uma escuta atenta de seus alunos, quais são suas as hipóteses (sondagem de repertório) e necessidades, e o momento certo de provocá-los.
  7. 7. Ao trabalhar coletivamente, são colocados, à mesa, os conhecimentos e as habilidades de cada professor (formação inicial, criatividade, inciativa, escrita, dança, artes). Portanto, é a convergência das competências que garante a qualidade dos serviços educacionais oferecidos à comunidade. Seria ingênuo desconsiderar que, ao mesmo tempo, divergências surgem e, acreditem é por elas que amadurecemos profissionalmente. Trabalhar as competências do grupo, ao invés de investir, insistentemente, nas dificuldades individuais, não esquecendo que é preciso reconhecê-las para superá-las. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – COLETIVA?
  8. 8. A IMPORTÂNCIA DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL • Preocupação com a formação integral; • As sequências didáticas nos obrigam a pensar, antecipadamente, sobre nossas ações. • A improvisação não tem lugar. A leitura de histórias, o filme, o desenho e as brincadeiras são atividades planejadas e, portanto, possuem finalidades pedagógicas específicas. • Portanto, adotá-la como documentação obrigatória através do Projeto Pedagógico, é uma opção consciente.
  9. 9. O RIGOR NO CUMPRIMENTO DA SEQUÊNCIA DIDÁTICA • Em uma sequência didática, não há uma cronologia a ser seguida, o professor tem total autonomia para colocá-la em prática, considerando sempre o interesse e o momento vivido por seu grupo. • O professor, ao adquirir novos conhecimentos, provoca situações para que seu grupo de crianças descubra o que ele próprio descobriu. Há, nestes momentos, o que chamamos de “prazer em conhecer”.
  10. 10. SEQUÊNCIA DIDÁTICA – COMO FAZER? Para fazermos uma sequência didática é preciso estudo e pesquisa. Portanto, para fazê-las não há alternativa senão sairmos da zona de conforto. Uma sequência didática, assim como a música, precisa de um começo um meio e um fim e, além disso, de muita inspiração. Ao organizar uma sequência didática, é preciso preparar detalhadamente cada um dos passos do trabalho:
  11. 11. 1º passo : Recepção/emoção • Emoção • Sensibilidade • Interação social • Simbolização As emoções têm papel preponderante no desenvolvimento da pessoa. É por meio delas que o aluno exterioriza seus desejos e suas vontades. Em geral são manifestações que expressam um universo importante e perceptível, mas pouco estimulado pelos modelos tradicionais de ensino. (A origem do pensamento da criança. H. Wallon, 1989)
  12. 12. 2º passo: trabalho com a exploração dos Sentidos • Tato • Visão • Olfato • Gustação • Audição
  13. 13. 3º passo: trabalho com uma ou mais Linguagens • Pictórica – desenho • Musical – vocalização, oralidade, rota fonológica e voz • Sinestésica – movimento/psicomotricidade • Midiática – computador • Gráfica – as letras e os números
  14. 14. 4º passo: trabalho explorando uma ou mais Formas • Aplainar • Ampliar • Reduzir • Juntar • Modificar • Quadrado • Triângulo • Círculo • Retângulo
  15. 15. 5º passo: é quando o educador pode lincar conteúdos (Interdisciplinaridade) • Natureza e sociedade • Identidade e autonomia • Movimento • Música • Artes visuais • Literatura Infantil
  16. 16. Não é demais dizer que estes passos não possuem ordem definida, ou seja, o educador pode realizar uma atividade interdisciplinar antes de realizar uma atividade com formas e assim sucessivamente. O importante é lembrar que o conteúdo a ser trabalhado naquela UNIDADE CORPORATIVA precisa passar por todas as linguagens e por todas as etapas, passo a passo, pois é esta diversidade na metodologia que vai possibilitar muito mais estímulo à criança e consequentemente deixará a ela uma organicidade imprescindível para que ela possa perceber as lógicas que o mundo e os conhecimentos desencadeiam.
  17. 17. CONCEITOS ESSENCIAIS • ÓRBITA PEDAGÓGICA: sistema que apresenta os conteúdos que estão diretamente ligados uns aos outros dentro de cada temática. (Almeida, 2010) • UNIDADE CORPORATIVA: organização dos temas para compor interrelações com a vida da criança. Esta unidade tem o objetivo de unir, dar sequência, e apresentar a lógica do cotidiano. (Almeida, 2010) • SEQUÊNCIA DIDÁTICA: é uma maneira de encaixar os conteúdos a um tema e por sua vez a outro dando logicidade ao trabalho pedagógico diário. Para haver sequência didática o aluno pode ter o trabalho desenvolvido a partir da música, dos jogos, das brincadeiras, do lúdico, do material concreto, dos textos e das explorações livres.
  18. 18. • TEXTO:  conjunto de palavras de um autor, em livro, folheto, documento etc. (p. opos. a comentários, adiantamentos, sumários, tradução etc.);  redação original de qualquer obra escrita;  conjunto de palavras citadas para provar alguma ideia ou doutrina; 3 trecho ou fragmentos de obras de um autor.  diz-se do material ilustrativo de uma obra (p. ex., gravura, mapa, foto, desenho etc.) que se imprime à parte, ger. em papel especial e em folha(s), não numerada(s) ou com numeração autônoma, que se intercala(m) entre os cadernos dos livros.
  19. 19. • PORTADORES DE TEXTO: São objetos que, contendo diversos produtos, possuem marcas escritas. Pode ser também conhecido como o suporte de texto. Os portadores de textos podem ser:  uma placa de trânsito;  muitos movimentos feitos pelos guardas de trânsitos;  elementos semióticos, principalmente em embalagens, em manuais, em roteiros turísticos;  os gestos de despedidas, de tchau, de adeus, o gesto de jogar beijo, o gesto de dizer que tudo está positivo, o gesto de dizer com a cabeça uma negação, o movimento da cabeça como uma afirmação e o movimento que fazemos com as mãos no sentido de chamar alguém.
  20. 20. • SUPORTES DE TEXTO: são suportes os objetos elaborados especialmente para a escrita, como livros, revistas, papéis administrativos, periódicos, documentos em geral. • TRABALHO COLETIVO: redigir a partir de assuntos desenvolvidos nas diferentes disciplinas, trabalhos contendo: objetivo, procedimento e conclusão. Neste caso o professor vai redigir o objetivo junto com o aluno, explicando a eles o que significa objetivo, assim como procedimento e conclusão. • HORA DA LEITURA: é o momento em que o professor fará a leitura para os alunos, utilizando diversos textos (contos e fábulas). Antes de iniciar a leitura é importante que o professor faça a apresentação da obra (autor, título, editora, ano, etc.). Poderá ser feita também a troca entre os professores. O professor de uma turma realiza a leitura para outra turma, e assim sucessivamente, ou então pode-se reunir todos os alunos e a cada dia um professor realiza a leitura.
  21. 21. • CARTAZES: trabalhar com os alunos, por exemplo, Direitos e Deveres, construindo com eles e deixando sempre que eles construam. É interessante que o professor dirija o trabalho de maneira que os itens de deveres e direitos tenham o mesmo número. COMBINADOS da sala: O que eu posso e o que eu não posso fazer. COMBINADOS do recreio: estabelecer com os alunos o objetivo do recreio. • ENTREVISTA: momento em que são convidados artistas da região ou profissionais especializados (bombeiros, eletricistas, engenheiros, professores, repentistas, contadores de histórias, etc.) para irem à escola e fazer uma apresentação/palestra/conversa. O evento demanda ação das crianças junto com o(a) professor(a): elaborar o cronograma, selecionar as pessoas, fazer o convite, organizar a apresentação da pessoa, avaliar a atividade, etc.
  22. 22. UNIDADE CORPORATIVA
  23. 23. DICAS PARA A ALFABETIZAÇÃO • Ambiente alfabetizador: Traga músicas para a sala de aula, assistam filmes, façam teatros, pendurem o que as crianças quiserem nas paredes, cultivem plantas na sala, leiam jornais, façam paródias, desenhem, pintem, façam esculturas de papel, de argila; modelem, movimentem, conversem e vivam todas estas possibilidades. Isso é um ambiente alfabetizador. • Leituras compartilhadas: É um trabalho de estimulação. Ler o jornal para os alunos, pedir para eles “lerem” pelas imagens e tentar decifrar o que estão achando; ler história, mapas, enciclopédias, gibis, revistas semanais, bulas de remédio, receitas de comidas, instruções e assim por diante. Ler, ler de tudo, ler muito, junto com os alunos.
  24. 24. • Desconstrua tudo: depois de uma boa leitura necessariamente devem surgir perguntas; se elas não surgirem, provoque-as. Faça você mesmo as perguntas que gostaria que seus alunos fizessem, mas não fizeram. Os alunos podem não fazê-las porque ainda não sabem ou ainda não pegaram o jeito da coisa, mas é só provocar que as coisas começam a acontecer. Ao desconstruir o que leu o movimento surgirá naturalmente e como movimento gera movimento, eis a maravilha da alfabetização se dando. • Use tudo em caixa alta e cursiva ao mesmo tempo: ao registrar uma pergunta feita pelo aluno, Professora, como se escreve isso?, faça sempre em caixa alta porque esta letra facilita a visualização do traço por parte da criança. Letras peladinhas, sem frufrus e em caixa alta, facilitam a compreensão. No entanto, como nós não ficaremos o resto da vida escrevendo assim, é importante já apresentar neste momento a outra forma de registro da mesma palavra, a letra em caixa baixa, ou minúscula e a cursiva.
  25. 25. JOGOS E BRINCADEIRAS • Jogos:  Só após os 3 anos uma criança consegue se sensibilizar para o jogo, antes disto, é impossível;  Os jogos podem ser divididos em: a) jogos motores – têm como principal objetivo o desenvolvimento, o aprimoramento ou a manutenção das capacidades físicas e também das habilidades motoras. b) jogos cognitivos – são aqueles que estimulam e desenvolvem funções cognitivas como a percepção, atenção, memória, linguagem, as funções executivas (raciocínio, lógica, estratégias, tomada de decisões e resolução de problemas), dentre outros. c) jogos afetivos - são aqueles que possibilitam às crianças trocas afetivas intensas na sua realização. Requerem socialização.
  26. 26. • Nos jogos as crianças aprendem: Regras; A ganhar e a perder; A esperar a sua vez; A dividir; A aguçar os sentidos; A pensar sistematicamente; A ter autonomia; A socializar-se; Etc.
  27. 27. • Brincadeiras:  A brincadeira se caracteriza por alguma estruturação e pela utilização de regras.  A brincadeira é uma atividade que pode ser tanto coletiva quanto individual.  Na brincadeira a existência das regras não limita a ação lúdica, a criança pode modificá-la, ausentar-se quando desejar, incluir novos membros, modificar as próprias regras, enfim existe maior liberdade de ação para as crianças.  A brincadeira pode ou não usar o brinquedo.  A brincadeira, sempre que possível, deve incluir o mundo adulto, na forma de faz-de-conta.
  28. 28. OBJETIVOS CONTEÚDOS TEMPO ESTIMADO MATERIAL NECESSÁRIO DESENVOLVIMENTO AVALIAÇÃO O que se espera que os alunos aprendam com a atividade proposta, tendo como foco a aprendizagem, e não o ensino. Conteúdos curriculares trabalhados na atividade. Envolve as várias etapas da atividade, as intervenções a serem feitas, a criação de situações mais adequadas à realidade da turma. Verificação do processo de aprendizagem. Parâmetros a serem usados no decorrer das etapas. Atividades específicas, como problemas e perguntas.

×