Insufici%E Ancia%20 Vascular

6.186 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Esportes
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.186
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
105
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Insufici%E Ancia%20 Vascular

  1. 1. Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas Centro Universitário Federal INSUFICIÊNCIA VASCULAR ALFENAS - MG SETEMBRO - 2003
  2. 2. Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas Centro Universitário Federal ALFENAS - MG SETEMBRO - 2003 Discentes : Adriana Ayres Ana Elisa Cirto Carla Trevisan Fábio Terra Marina Lapa Renata Evangelista Doscentes : Elisa Rezende Silvana Leite
  3. 3. REVISÃO ANATÔMICA FISIOLÓGICA <ul><li>Circulação pulmonar - lado D </li></ul><ul><li>Circulação sistêmica - lado E </li></ul>ANATOMIA DO SISTEMA VASCULAR <ul><li>Artérias e arteríolas </li></ul><ul><li>Capilares </li></ul><ul><li>Veias e Vênulas </li></ul><ul><li>Vasos Linfáticos </li></ul>
  4. 6. FUNÇÃO DO SISTEMA VASCULAR <ul><li>Necessidades circulatórias dos tecidos determinado por: </li></ul><ul><li>ritmo do metabolismo tecidual </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>disponibilidade de O 2 </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>função dos tecidos </li></ul><ul><li>Fluxo sangüíneo: unidirecional arterial - venoso </li></ul><ul><li>Filtração e reabsorção capilares: são dadas pelo equilíbrio entre a força hidrostática e a pressão osmótica </li></ul><ul><li>Resistência hemodinâmica: fator - raio do vaso </li></ul>
  5. 7. <ul><li>Mecanismo de regulação vascular periférica: influências do SNC, hormônios e subst. Químicas circulantes e na atividade independente da própria parede arterial </li></ul>FISIOPATOLOGIA DO SISTEMA VASCULAR <ul><li>Redução do fluxo - doenças vasculares periféricas </li></ul><ul><li>Necessidade aumentada - isquemia tecidual </li></ul><ul><li>Insuficiência cardíaca </li></ul><ul><li>Alterações nos vasos sangüíneos e linfáticos </li></ul><ul><li>ARTÉRIAS: placa aterosclerótica, trombo ou êmbolo, lesão por trauma químico, infecções ou processos inflamatórios, distúrbios vasoespásticos e mal formações congênitas </li></ul>
  6. 8. Súbita = isquemia arterial profunda - morte tecidual Gradual = circulação colateral - menor risco de morte tecidual VENOSO: trombo, válvulas venosas incompetentes, redução da eficácia da ação de bombeamento dos músculos circunvizinhos  do fluxo =  da pressão venosa e hidrostática capilar =  filtração de líquidos para fora dos capilares e dentro do espaço intersticial = edema VASOS LINFÁTICOS: tumores, lesão por trauma mecânico ou processos inflamatórios
  7. 9. HISTÓRICO DE SAÚDE E MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS <ul><li>Dor </li></ul><ul><li>Claudicação intermitente </li></ul><ul><li>Alterações na aparência e temperatura da pele </li></ul><ul><li>Coloração vermelho azulado </li></ul><ul><li>Rubor - sugere lesão arterial periférica grave </li></ul><ul><li>Cianose </li></ul><ul><li>Perda de pêlos, unhas quebradiças, pele seca ou descamativa, atrofia e ulcerações </li></ul><ul><li>Edema </li></ul><ul><li>Gangrena </li></ul><ul><li>Pulso </li></ul>
  8. 10. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA <ul><li>EXAME DE FLUXO POR ULTRA-SOM EM DOPPLER </li></ul><ul><li>Pulsos não palpáveis </li></ul><ul><li>Empregado para ouvir o fluxo sangüíneo nos vasos </li></ul><ul><li>TESTE DE ESFORÇO </li></ul><ul><li>Determinar caminhada e medir PA sistólica do tornozelo </li></ul><ul><li>Técnica </li></ul><ul><li>Resultado = PS  ou permanece </li></ul><ul><li>claudicação  </li></ul>
  9. 11. <ul><li>TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA </li></ul><ul><li>Fornece imagens transversais do tecido mole </li></ul><ul><li>Identifica áreas de alterações volumétricas </li></ul><ul><li>Injeta contraste (visualizar os vasos) </li></ul><ul><li>ANGIOGRAFIA POR TC </li></ul><ul><li>Utilizados para imagear cortes muito finos da área </li></ul><ul><li>Visualiza melhor a aorta e principais artérias viscerais </li></ul><ul><li>Grande volume de contraste: paciente sensibilidade ao contraste e função renal comprometida </li></ul>
  10. 12. <ul><li>ANGIOGRAFIA POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA </li></ul><ul><li>Programa de intensificação de imagem ajustada para isolar os vasos </li></ul><ul><li>Não utiliza contraste: sensibilidade contraste e função renal ruim </li></ul><ul><li>Tempo de imageamento é longo: restringe o uso a segmentos curtos do SV </li></ul><ul><li>ANGIOGRAFIA </li></ul><ul><li>Técnica: injeta contraste - localizar os vasos e alguma obstrução vascular ou aneurisma </li></ul><ul><li>Irritação no local e calor c/ o contraste </li></ul><ul><li>Manifestações: dispnéia, náuseas e vômitos, sudorese, taquicardia e dormência. Relatar e medicação </li></ul>
  11. 13. <ul><li>BLOQUEIO SIMPÁTICO LOMBAR </li></ul><ul><li>Avalia a circulação periférica (Raro) </li></ul><ul><li>Anestesia local no espaço epidural lombar </li></ul><ul><li>Avalia a necessidade da simpatectomia: elimina vasoespasmo e melhora o fluxo </li></ul><ul><li>FLEBOGRAFIA COM CONTRASTE </li></ul><ul><li>Contraste radiográfico dentro do sistema venoso - veia dorsal do pé </li></ul><ul><li>Veia com segmento não cheio = presença de trombo </li></ul><ul><li>Utilizado: terapia trombolítica </li></ul><ul><li>Contraste: inflamação e dor </li></ul>
  12. 14. <ul><li>LINFOCINTIGRAFIA </li></ul><ul><li>Colóide (radioatividade) = subcutâneo do 2º espaço interdigital </li></ul><ul><li>Após = exercita o membro (captação do colóide pelo SL) </li></ul><ul><li>Imagens seriadas </li></ul><ul><li>LINFANGIOGRAFIA </li></ul><ul><li>Detecta: carcinoma metastático, linfoma ou infecção </li></ul><ul><li>Técnica: contraste vasos linfáticos dos pés ou mãos </li></ul><ul><li>Após: série de radiografias </li></ul><ul><li>Diagnóstico de linfedema </li></ul>
  13. 15. TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS ARTERIAIS <ul><li>Arteriosclerose </li></ul><ul><li>Aterosclerose </li></ul><ul><li>FISIOPATOLOGIA </li></ul><ul><li>Aterosclerose: </li></ul><ul><li>- Resultados diretos </li></ul><ul><li>- Resultados indiretos </li></ul><ul><li>Pontos mais vulneráveis:áreas de bifurcação ou ramificação dos vasos </li></ul><ul><li>- Aorta abdominal distal </li></ul><ul><li>- Artérias ilíacas comuns </li></ul><ul><li>- Orifício das artérias femorais superficial e profunda </li></ul><ul><li>- Artéria femoral superficial de canal adutor </li></ul>
  14. 16. TEORIA DE REAÇÃO A LESÃO Lesão da célula endotelial vascular  Forças hemodinâmicas  A lesão endotelial  Aumento da agregação plaquetária e monócitos no local da lesão  Células musculares lisas  Matriz de colágeno e fibras elásticas
  15. 18. <ul><li>Lesões escleróticas de 2 tipos: </li></ul><ul><li>- artérias gordurosas </li></ul><ul><li>- Placas fibrosas </li></ul><ul><li>FATORES DE RISCO </li></ul><ul><li>- Idade, sexo, tabagismo, obesidade, estresse, sedentarismo, hipertensão arterial e dieta gordurosa </li></ul><ul><li>PREVENÇÃO </li></ul><ul><li>MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS: </li></ul><ul><li>- Dependem do órgão ou tecido afetado </li></ul><ul><li>TRATAMENTO MÉDICO </li></ul><ul><li>- modificação dos fatores de risco </li></ul><ul><li>- exercícios físicos </li></ul><ul><li>- medicamentos e procedimentos intervencionais </li></ul>
  16. 19. <ul><li>TRATAMENTO CIRÚRGICO </li></ul><ul><li>- Influxo </li></ul><ul><li>- Efluxo </li></ul><ul><li>INTERVENÇÕES RADIOLÓGICAS </li></ul><ul><li>- Aterectomia Rotacional: remove lesões por fazer abrasão da placa que oclui por completo a artéria </li></ul><ul><li>- Arteriografia (Angioplastia transluminal - PTA) </li></ul><ul><li>INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM </li></ul>
  17. 20. DOENÇA ARTERIAL OCLUSIVA PERIFÉRICA <ul><li>Indivíduos com + de 50 anos </li></ul><ul><li>Homens </li></ul><ul><li>Pernas </li></ul><ul><li>As lesões obstrutivas= segmentos do sistema arterial= a aorta abaixo das aa renais até a poplítea </li></ul><ul><li>MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS </li></ul><ul><li>- Claudicação, dor em repouso, resfriamento ou dormência, alterações ungueais e cutâneos, sopro, pulso periférico diminuído ou ausente </li></ul><ul><li>HISTÓRICO DE ENFERMAGEM </li></ul><ul><li>- História dos sintomas e exame físico, pulsos periféricos, cor e temperatura membros inferiores, unhas e pele </li></ul>
  18. 21. <ul><li>DIAGNÓSTICO </li></ul><ul><li>- Doppler, oscilometria, angiografia por subtração digital (ASD), angiografia, teste ergométrico, bloqueio simpático lombar </li></ul><ul><li>TRATAMENTO </li></ul><ul><li>- Angioplastia transluminal, terapia trombolítica, tromboliseangioplastia, simpatectomia, enxerto vascular ou endarterectomia </li></ul><ul><li>INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM </li></ul><ul><li>PÓS-OPERATÓRIO </li></ul>
  19. 22. DOENÇA ARTERIAL DO MEMBRO SUPERIOR <ul><li>Menor freqüência: circulação colateral e menor carga de trabalho </li></ul><ul><li>Manifestações clínicas </li></ul><ul><li>Histórico e achados diagnósticos </li></ul><ul><li>Intervenções de enfermagem </li></ul>
  20. 24. ANEURISMAS AÓRTICOS <ul><li>Saco ou dilatação </li></ul><ul><li>Causas:aterosclerose, traumatismo, defeitos congênitos, infecção </li></ul><ul><li>ANEURISMA DA AORTA TORÁCICA </li></ul><ul><li>Sintomas: dor, dispnéia, tosse, rouquidão, disfagia </li></ul><ul><li>Diagnóstico: Rx tórax, US, TC </li></ul><ul><li>Tratamento: cirúrgico e controle da PA </li></ul><ul><li>ANEURISMA ABDOMINAL </li></ul><ul><li>Fatores de risco: predisposição genética, tabagismo, HÁ </li></ul><ul><li>Sintomas: sensação do “coração bater” no abdome, massa abdominal </li></ul><ul><li>Diagnóstico: Rx abdominal, US, TC </li></ul><ul><li>Tratamento: cirúrgico </li></ul><ul><li>Sinais de ruptura: dor nas costas ou dor abdominal </li></ul>
  21. 26. <ul><li>ANEURISMA DISSECANTE DA AORTA </li></ul><ul><li>Associado: HA mal controlada - causando dilaceração e obstrução de artérias </li></ul><ul><li>Sintomas: dor, palidez, sudorese e taquicardia </li></ul><ul><li>Diagnóstico: angiograma, US, TC, RM </li></ul><ul><li>Tratamento: cirúrgico e controle de PA </li></ul><ul><li>EMBOLIAS E TROMBOSES ARTERIAIS </li></ul><ul><li>Oclusão vascular </li></ul><ul><li>Êmbolo- repentino  aterosclerose avançada </li></ul><ul><li>Trombose arterial  coágulo de desenvolvimento  artéria lesada devido a aterosclerose </li></ul>
  22. 27. <ul><li>Sintomas: palidez, dor aguda, ausência de pulsação e paralisia </li></ul><ul><li>Tratamento: embolectomia, anticoagulação venosa com heparina, agentes trombolíticos </li></ul><ul><li>DOENÇA DE RAYNAUD </li></ul><ul><li>Vasoconstrição arteriolar </li></ul><ul><li>Sintomas: resfriamento, dor e palidez nas pontas dos dedos das mãos, dos pés e na ponta do nariz, rubor, dormência, formigamento </li></ul><ul><li>Tratamento: evitar estímulos vasoconstritores, bloqueadores dos canais de cálcio, simpatectomia </li></ul>
  23. 29. TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS VENOSOS <ul><li>TROMBOSE VENOSA, TROMBOSE DE VEIAS PROFUNDAS, TROMBOFLEBITE E FLEBOTROMBOSE </li></ul><ul><li>Fisiopatologia: tríade de Virchow  estase venosa, lesão da parede vascular, coagulação sanguínea alterada </li></ul><ul><li>Complicações da trombose venosa </li></ul><ul><li>Manifestações clínicas: </li></ul><ul><li>Veias profundas: edema, inchação do membro, veias superficiais mais proeminentes, dor, </li></ul><ul><li>Veias superficiais: dor ou sensibilidade, rubor e calor </li></ul>
  24. 30. <ul><li>Histórico e Achados diagnósticos: história de veias varicosas, hipercoagulação, doença neoplásica, cardiovascular, cirurgia, lesões recentes, obesidade, envelhecimento , uso de contraceptivos orais e investigar alterações no membro </li></ul><ul><li>Prevenção </li></ul><ul><li>Tratamento médico: terapia de anticoagulação, heparina e heparina de baixo peso molecular </li></ul><ul><li>Tratamento cirúrgico </li></ul><ul><li>Intervenções de Enfermagem </li></ul>
  25. 31. <ul><li>INSUFICIÊNCIA VENOSA CRÔNICA </li></ul><ul><li>Obstrução das válvulas venosas ou refluxo do sangue </li></ul><ul><li>Estiramento dos folhetos das válvulas </li></ul><ul><li>Acomete veias superficiais e profundas </li></ul><ul><li>Síndrome pós-trombólica: estase venosa crônica, edema, pigmentação alterada, dor e dermatite </li></ul><ul><li>Outras: úlcera de estase e dilatação de v. superficiais </li></ul><ul><li>Tratamento: atividades antigravitacionais, meias elásticas </li></ul><ul><li>VEIAS VARICOSAS </li></ul><ul><li>Veias superficiais anormalmente tortuosas </li></ul>
  26. 32. <ul><li>Válvulas venosas incompetentes, MMII </li></ul><ul><li>Varizes esofágicas </li></ul><ul><li>Fisiopatologia: o refluxo do sangue venoso resulta em estase venosa </li></ul><ul><li>Manifestações clínicas: dor contínua, cãibras musculares, fadiga muscular aumentada na perna, em casos mais graves sintomas de insuficiência venosa crônica </li></ul><ul><li>Histórico e Achados diagnósticos: scan duplex, venografia </li></ul><ul><li>Prevenção: posição, pernas elevadas, escadas, meias, caminhadas </li></ul><ul><li>Tratamento médico </li></ul><ul><li>Intervenções de Enfermagem </li></ul>
  27. 33. DISTÚRBIOS LINFÁTICOS <ul><li>LINFANGITE </li></ul><ul><li>Inflamação aguda dos canais linfáticos </li></ul><ul><li>Estreptococo hemolítico </li></ul><ul><li>Faixas avermelhadas </li></ul><ul><li>LINFADENITE AGUDA </li></ul><ul><li>Dilatação dos linfonodos </li></ul><ul><li>Avermelhados e dolorosos </li></ul><ul><li>Linfadenite supurativa </li></ul>
  28. 34. <ul><li>LINFEDEMA </li></ul><ul><li>Edema dos tecidos dos membros devido ao aumento da linfa, obstrução de vasos linfáticos </li></ul><ul><li>ELEFANTÍASE </li></ul><ul><li>Obstrução linfática, filária </li></ul><ul><li>Febre alta, calafrios </li></ul><ul><li>TRATAMENTO </li></ul><ul><li>Repouso, pernas elevadas, meias </li></ul><ul><li>Farmacológicos </li></ul><ul><li>Cirúrgico </li></ul>
  29. 36. TEATRO
  30. 37. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!!!!

×