SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015
1
Pequena viagem a planeta do sistema solar.
Nave já conhecida e guia.
Planeta cinza e alaranjado. Marte, que precedeu
muito o nosso planeta e hoje tem civilização bem
mais avançada que a nossa. Existem seres
desencarnados, não há encarnados, com alto
conhecimento. Depois de passarem por muitas
modificações, lutas imensas para chegar onde
chegaram. Atmosfera foi sobrevoada e adentrada
a superfície.
Cidade grande e vegetação verde. Postes altos,
luminosos, muita água em outro nível de vibração,
em dimensão não física, mais etérea. Imaginar o
nosso plano espiritual em sintonia com o plano
espiritual de Marte e vamos encontrar muitas
coisas. Encontro com irmãos nossos que virão nos
ajudar nos momentos mais difíceis que se
aproximam. Iremos criar na Terra uma civilização
similar à deste planeta irmão nosso. Irmãos
entram na nave para nos cumprimentar. A
vestimenta é diferente e possuem semelhanças
físicas conosco. Não caminham, se deslocam. São
amigáveis, parecem conhecer-nos. O diálogo é
feito por telepatia. Encontro de amor com os
irmãos que seguem o Cristo como nós. Cristo é o
guia de todos os planetas ao nosso redor.
Local que nunca estivemos antes. Houve troca de
instrutor e seguimos irmão que nos acompanhava
no trabalho e nos dirige agora. Ida ao Umbral
Médio muito escuro, muito atrasado. Levamos luz
e seguimos juntos em fila. O caminhar se torna
mais claro para nossa visão espiritual. Montanhas
e clareira. Cidade medieval, paralelepípedos
disformes, escuros, umidade, sentimento de
muito sofrimento. Cidade abandonada há muito
tempo e há irmãos sofredores presos e
abandonados lá. O trabalho é descobri-los.
Seguimos os batedores índios que seguem a
jornada e encontrarmos os irmãos que estão nas
furnas abaixo da cidade.
Ele abre uma estradinha para caminharmos e
enxergarmos alguns irmãos aprisionados em celas
fechadas há muito tempo. São quebrados os
grilhões e o local será transformado em algo
diferente. Serão abertas as portas para a liberdade
dos irmãos que sofrem, choram por estarem
livres. São recolhidos e levados para fora da furna
onde outros irmãos se preparam para o
transporte.
Recebemos ajuda de fraternidades especializadas
na retirada dos irmãos que estão intricados na
massa das paredes da cela. São muitos irmãos que
aparecem e pedimos forças à Jesus para retirá-los.
Naves de transporte rapidamente recolhem os
irmãos que estão agrupados fora das furnas e
serão levados para um local especializado. A
entrada é bloqueada, porém não conseguimos
retirar todos e mais uma atividade é necessária
para completar o trabalho. Serão levados paras as
colônias de refazimento e cura para que possam
reiniciar suas vidas dentro de suas possibilidades.
Houve alguns ataques durante o trabalho e
geraram sentimento de perigo iminente. Voltamos
guiados pelo irmão bondoso que nos levou.
COMENTÁRIOS INDIVIDUAIS COM O INSTRUTOR
Instrutor:
Foi um trabalho complexo e não teremos outras
atividades. Mas tudo deu certo dentro das
possibilidades do grupo e dos irmãos que
trabalharam. As irmãs de Maria nos auxiliaram e
foram fundamentais na tarefa: vibrações sutis
para o rompimento dos laços muito fortes entre
os irmãos e o lugar onde se encontravam.
Norberto:
Cidades azuladas saindo da água, mais águas que
na Terra. Cidades belas, muito belas. Os seres
eram brancos, claros, com as asas encolhidas (o
instrutor afirma que não eram alados). Foi
preparado para participar, mas foi colocado em
torpor e as suas energias foram utilizadas.
Instrutor: Foi um trabalho meio especializado e
todos participaram de acordo com a capacidade
energética do momento. Uns foram ativos,
conscientes e outros serviram de suporte
energético, para que as entidades benéficas
pudessem agir com as energias do ambiente, etc,
realizando os trabalhos do Cristo.
Júlia:
Teve sensação da viagem (até fisicamente). Viu
todos dentro da nave, em círculo e como se cada
um tivesse seu lugar. Chegando viu algo escuro,
sem natureza, sem nada e pensou que estava em
outro lugar e estranhou. Antes do instrutor falar
entendeu (veio pra ela) que precisava tirar a
imagem humana do concreto e ver com outros
olhos. Em seguida viu algo claro, de luz azulada.
Quando os seres se aproximaram ela viu pequenas
partículas flutuando e disseram que ela não
precisaria do corpo, porque iria visitar o planeta
de outra forma. Era como se estivéssemos em
treinamento da terceira visão, com o chakra
frontal ativo, muito forte e com energia. No
umbral ela se viu fazendo algo mais físico no
resgate e que era necessário usar o treinamento
do frontal e que cada um faria o resgate de uma
forma diferente.
REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015
2
Ana:
Também teve sensação da viagem, olhou pela
janela e era a mesma nave da semana passada. No
planeta viu luzes e a cidade. Quando entraram os
moradores ela os sentiu nitidamente, eram muito
alegres, pareciam que nos conheciam e estavam
felizes por estarmos lá. Pareciam mais calorosos
que outros que já encontramos. Pareciam-se
conosco, tinham roupas um pouco diferentes. Na
descida ao umbral médio a sensação era de local
apertado, como se as paredes fossem de carvão,
não muito sólidas. Viu as pessoas acorrentadas e
quando o instrutor chama a atenção ela vê muito
mais seres em celas. Teve vontade de cantar e
parecia que mais pessoas estavam cantando. Eram
vozes mais femininas filhas de Maria (Pai Celeste).
Havia uma luz que dava pra ver até o fundo das
celas. Pergunta por que usamos a nave para ir (já
que não usamos o corpo físico que fica na sala) e
por que na volta apenas mentalizam e regressam
sem a nave.
Instrutor: Porque é necessária uma proteção
nessa viagem em função da condição de cada um.
São naves feitas para viagens rápidas e
conseguiremos bastante produtividade através
delas. Na volta viajamos com elas facilitando o
trabalho, permitindo que tenhamos condições
melhores de retorno para que continuemos as
tarefas. As naves são úteis, porque nós estamos
ainda numa condição não perfeita para nos
transportarmos de um mundo para outro sem ter
uma ajuda. Mas vocês são uns poucos que, um
dia, poderão se transportar sem ter uma ajuda.
Um dia, não agora.
Daniel:
Viu a nave, mas não viu a viagem. Viu Marte. Na
aproximação se assustou e via muita vegetação,
quando a imagem física é de planeta deserto. Uma
cidade muito grande à esquerda, uma cidade
circular. Lembrou um pouco a cidade de Nosso Lar
(Norberto também viu algo assim), com pontas.
Não via ninguém. Via objetos inanimados. No
resgate não viu ninguém. Sentia vibrações, como
se as antenas estivessem ligadas. Nas ruelas sentia
a vibração de muita dor, muito desespero que
vinham de baixo. Quando entramos sentiu que
cresceu, que ficou maior do que a escala do local.
Encostou as costas no teto do local e estranhou.
Falaram que sua função era derreter as barras, as
paredes. Passava a mão e elas derretiam, sendo
arrancadas. Falaram para vibrar luz e as paredes
derretiam. Olhos para direita e colocou a mão e
abriu um corredor imenso cheio de celas. Via
entidades de branco entrando correndo no
corredor, mas não os via saindo. Estava bem
consciente. Sentiu sensação de alerta nesse
momento (uma sirene vermelha piscando), que
tínhamos que sair dali, porque os espectros
estavam chegando. Uma sensação muito forte.
Começou a se preparar para um conflito homem e
homem. Foi solicitado que saísse para retornar à
casa. Lembrou-se de experiência anterior de ter
sido trazido pelo puxão do cordão de prata até
sentar na cadeira novamente. Pergunta sobre os
habitantes de Marte mais adiantados que nós, em
plano não físico, imaterial. Esse planeta de
regeneração para o qual migramos será material
ainda ou astral?
Instrutor:
Vamos passar pela fase material ainda na
regeneração. Vamos viver materialmente nessa
faixa de vibração durante muito tempo. Depois
com a evolução atinge-se uma situação em que a
matéria densa não seja mais necessária. Irmãos de
Marte estão muito mais adiantados.
Márcia: Teve sensação da viagem na nave. Sentiu
o amor dos amigos na chegada. Ficou tudo escuro
e não sabia se tinha ajudado. Sentiu a angústia
dos irmãos do umbral médio. Viu buracos no chão,
cavernas.
Instrutor disse que ajudou muito.
Sandra:
Entrou na nave pediram que se aproximasse do
telão para receber informações sobre onde
iríamos. No telão viu deslumbrada a viagem, as
cavernas e queria saber o que tinha lá, como
entraria lá. Pediram que se acalmasse e que
aguardasse. Sente que adormeceu e viu que saia
da caverna muito cansada, como se tivesse
andado muitos quilômetros, dores nos pés,
dormência nas mãos. Sentou-se em algum lugar.
Instrutor
disse que ajudou, mesmo que não tenha
percebido. Sugere que cada um comece a sentir
que tenha colaborado no trabalho. Essa
mentalização é importante para o avanço dos
trabalhos. É necessário amor, sentimento e essa
mentalização de que estamos ajudando
ativamente com o nosso corpo astral na tarefa de
auxílio aos que sofrem.
REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015
3
MENSAGENS
Julia
Queridos amigos, companheiros de trabalho. Não
é fácil a preparação para esse trabalho. Temos
exigido cada vez mais o envolvimento de vocês e
a preparação previa para que ele possa ser
realizado. Todos os cuidados são necessários, para
que todos possam trabalhar juntos. Os cuidados
ao longo do dia são fundamentais, pelo próprio
bem estar de vocês. O cuidado na meditação, na
alimentação é fundamental. A concentração.
Antes de dormir as reuniões espirituais ao longo
da semana fortalecem o grupo e os preparam para
as atividades daqui, de hoje. Tenham disciplina e
rigor na preparação. Muitas vezes estamos
exigindo de alguns de vocês tarefas específicas,
distintas, porque conhecemos cada um de vocês.
As experiências serão individuais. Não achem que
todos estão no mesmo local e no mesmo trabalho.
Apesar de em grupo, as atividades são
independentes. Vocês são espíritos livres, com
tarefas diferentes, com evoluções diferentes.
Então, estejam preparados mantendo sempre a
elevação do pensamento. O que une e iguala
todos vocês é o Amor ao Cristo, a vontade de
servir e a humildade de aceitação da tarefa.
Fiquem em Paz.
Irmãos Peregrinos
Ana:
Boa noite, queridos filhos. Estamos aqui, mais
uma vez, acompanhando vosso trabalho, vosso
empenho e vossa dedicação. Gostaríamos de
ressaltar, alem do que já vos foi dito aqui que
também lhe fazem companhia muitos irmãos
fraternos que se dedicam a este trabalho e que se
dedicam ao vosso adiantamento particular,
individual. Assim sendo, se faz necessário e útil
para vós que se unam em vibração a eles. Pois
assim, ascenderão a um caminho mais, podemos
dizer fácil para vós. Sentirão em vós uma leveza
maior, o que transmitirá a vós mais sentimentos
relacionados à segurança, relacionados à certeza e
à paz interior. Saibam que os caminhos, embora
traçados, dependem de vós para serem
desvendados, para serem desbravados. Não
pensem apenas, como muitos fazem durante os
dias que estão afastados desta casa, que tudo que
lhes são impostos são dificuldades. Ao contrário,
muito mais à disposição de vós estão as
facilidades. Muito mais à disposição de vós estão
seres em auxilio. Compreendemos que pela
própria natureza inclinam-se às dificuldades e aos
empecilhos. Por isso estamos aqui a alertá-los:
elevem-se e liguem-se àqueles que estão a auxiliá-
los. E verão que os auxílios são mais numerosos
que os empecilhos, pois vós sois servidores do
mestre Jesus. E nos da FDJ temos muita alegria em
acompanhá-los sempre. Fiquem em paz.
Daniel:
Boa noite. Que lugar diferente! Tive permissão de
vir conhecer. Vim de muito longe. Sigo agora.
João:
Caros companheiros, que a Paz de Jesus esteja
com todos. Companheiro da fraternidade dos
humildes está aqui se encontra novamente para
auxiliar este grupo de amor e de caridade. Nós
que estamos colaborando com esta tarefa
esperamos que cada um possa sentir em seus
corações que são agentes do Cristo no
atendimento de sofredores. Portanto o Amor é
fundamental, queridos irmãos. Sintam esse amor
nos corações ao realizar as tarefas de resgate,
porque assim será mais fácil trazer esses irmãos
do sofrimento para a Luz. Fiquem em paz!
Márcia: FDJ presente.
Sandra:
Boa noite meus amigos. Que a Paz de nosso divino
Mestre envolva o coração de cada um. O nosso
trabalho nessa noite foi um trabalho árduo e será
um trabalho contínuo. Estamos adentrando as
faixas de difícil acesso pelo poder mental.
Precisamos nos preparar com a nossa alimentação
e com o descanso do corpo físico para que
possamos ter a energia e a capacidade, lucidez,
para adentrar a essa tarefa. Nos resgates que
aconteceram nessa noite entre ele está de algum
amigo nosso, que nos trouxe a lembrança, a
saudade, tocou o nosso coração. Obrigada pela
oportunidade que todos têm nos dados de
participar dessa equipe de socorro. Fiquem na Paz
do nosso querido mestre.
COMENTÁRIOS
Daniel: Era um réptil por curiosidade o deixaram
vir. Ele cheirava, olhava tudo.
João: O trabalho de hoje foi pesado. Houve um
ataque e precisaram chamar ajuda, porque veio
um ataque mesmo. Precisaram fazer uma
cobertura e sairmos de lá com aqueles que
conseguimos tirar. Vieram outras entidades e
recarregaram nossas energias pra conseguirmos
REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015
4
voltar pra cá. Nem acompanhamos os resgatados
para o tratamento.
Daniel sentiu um puxão na nuca e retornou direto.
Eles insistem em preparação. Comentou-se sobre
condicionamento físico para aguentar o trabalho.
Sandra: Pensou sobre o encontro com alguém
conhecido.
João: Uma entidade que participou do trabalho
identificou alguém lá e deu a comunicação.
Norberto: Sabe que atuou e não se lembra de
nada.
João: Apagaram, porque Norberto poderia brigar
(risos). Viu seres avermelhados, mas tinham uma
vibração ótima. Fizeram uma festa, abraçaram e
incentivavam. Emocionou-se pela torcida que
faziam por nós.
Ana: viu a roupa que tinha dois dispositivos, mas
não eram asas. Não viu pés.
Comentou-se sobre Nosso Lar e o convite de
espíritos de outro planeta para ajudar na
alimentação prânica. Comentou-se sobre a não
fisicalidade dos seres de Marte, com corpos
etéreos (físicos, porém não densos).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (11)

3ª reunião 02-07-2015
3ª reunião   02-07-20153ª reunião   02-07-2015
3ª reunião 02-07-2015
 
Os 12 anjos
Os 12 anjosOs 12 anjos
Os 12 anjos
 
Corpo de luz
Corpo de luzCorpo de luz
Corpo de luz
 
Reunião 31ª 28-01-2016
Reunião 31ª   28-01-2016Reunião 31ª   28-01-2016
Reunião 31ª 28-01-2016
 
Travessia para a vida (psicografia márcio godinho espírito ramatis)
Travessia para a vida (psicografia márcio godinho   espírito ramatis)Travessia para a vida (psicografia márcio godinho   espírito ramatis)
Travessia para a vida (psicografia márcio godinho espírito ramatis)
 
YOGA E DANÇA CLÁSSICA INDIANA
YOGA E DANÇA CLÁSSICA INDIANAYOGA E DANÇA CLÁSSICA INDIANA
YOGA E DANÇA CLÁSSICA INDIANA
 
Projeto portal 02
Projeto portal   02Projeto portal   02
Projeto portal 02
 
O nascimento de uma nova civilização - ashtar
O nascimento de uma nova civilização - ashtarO nascimento de uma nova civilização - ashtar
O nascimento de uma nova civilização - ashtar
 
Apostila geral parte1_ projeto portal
Apostila geral parte1_ projeto portalApostila geral parte1_ projeto portal
Apostila geral parte1_ projeto portal
 
Exaltação stacruz14a
Exaltação stacruz14aExaltação stacruz14a
Exaltação stacruz14a
 
Profecias: A verdade Vinda do Cosmos - Nelson Moraes
Profecias: A verdade Vinda do Cosmos - Nelson MoraesProfecias: A verdade Vinda do Cosmos - Nelson Moraes
Profecias: A verdade Vinda do Cosmos - Nelson Moraes
 

Destaque

El reciclaje
El reciclajeEl reciclaje
El reciclaje9898867
 
La cts y las problematicas ambientales en la
La cts  y las problematicas ambientales en laLa cts  y las problematicas ambientales en la
La cts y las problematicas ambientales en ladanielavargas2206
 
IDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALES
IDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALESIDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALES
IDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALESmafuchi
 
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizablesMateriales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizablesCem Tres Río Colorado
 
Materiales que se pueden reciclar
Materiales que se pueden reciclarMateriales que se pueden reciclar
Materiales que se pueden reciclarjangXD
 
Problemas ambientales
Problemas ambientalesProblemas ambientales
Problemas ambientalesRorfon
 
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizablesMateriales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizablesecarinaalejandra
 
Materiales reciclables o biodegradables
Materiales reciclables o biodegradablesMateriales reciclables o biodegradables
Materiales reciclables o biodegradablesROBERTOCARLOSAU
 
Contaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humano
Contaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humanoContaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humano
Contaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humanoGo! Comunicaciones
 
Materiales renovables y no renovables.
Materiales renovables y no renovables.Materiales renovables y no renovables.
Materiales renovables y no renovables.pmottura
 
Residuos SóLidos, PláSticos Y Reciclaje
Residuos SóLidos, PláSticos Y ReciclajeResiduos SóLidos, PláSticos Y Reciclaje
Residuos SóLidos, PláSticos Y ReciclajeAlejandra Torrez
 
Consecuencias del calentamiento global. para niños
Consecuencias del calentamiento global. para niñosConsecuencias del calentamiento global. para niños
Consecuencias del calentamiento global. para niñosLisbeth3000
 

Destaque (20)

el Reciclaje
el Reciclajeel Reciclaje
el Reciclaje
 
Reciclar Materiales
Reciclar MaterialesReciclar Materiales
Reciclar Materiales
 
Reciclaje
ReciclajeReciclaje
Reciclaje
 
Empresas de Lanteira (Granada)
Empresas de Lanteira (Granada)Empresas de Lanteira (Granada)
Empresas de Lanteira (Granada)
 
El reciclaje
El reciclajeEl reciclaje
El reciclaje
 
La cts y las problematicas ambientales en la
La cts  y las problematicas ambientales en laLa cts  y las problematicas ambientales en la
La cts y las problematicas ambientales en la
 
Reciclaje de vida
Reciclaje de vidaReciclaje de vida
Reciclaje de vida
 
Proyecto final de creatividad
Proyecto final de creatividadProyecto final de creatividad
Proyecto final de creatividad
 
IDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALES
IDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALESIDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALES
IDENTIFICACIÓN DE PROBLEMATICAS AMBIENTALES
 
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizablesMateriales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizables
 
Materiales que se pueden reciclar
Materiales que se pueden reciclarMateriales que se pueden reciclar
Materiales que se pueden reciclar
 
Problemas ambientales
Problemas ambientalesProblemas ambientales
Problemas ambientales
 
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizablesMateriales reciclables, biodegradables y reutilizables
Materiales reciclables, biodegradables y reutilizables
 
Materiales biodegradables
Materiales biodegradablesMateriales biodegradables
Materiales biodegradables
 
Productos biodegradables
Productos biodegradablesProductos biodegradables
Productos biodegradables
 
Materiales reciclables o biodegradables
Materiales reciclables o biodegradablesMateriales reciclables o biodegradables
Materiales reciclables o biodegradables
 
Contaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humano
Contaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humanoContaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humano
Contaminación y sus efectos en los ecosistemas y el ser humano
 
Materiales renovables y no renovables.
Materiales renovables y no renovables.Materiales renovables y no renovables.
Materiales renovables y no renovables.
 
Residuos SóLidos, PláSticos Y Reciclaje
Residuos SóLidos, PláSticos Y ReciclajeResiduos SóLidos, PláSticos Y Reciclaje
Residuos SóLidos, PláSticos Y Reciclaje
 
Consecuencias del calentamiento global. para niños
Consecuencias del calentamiento global. para niñosConsecuencias del calentamiento global. para niños
Consecuencias del calentamiento global. para niños
 

Semelhante a 18ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 15-10-2015

17ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-2015
17ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-201517ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-2015
17ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-2015Norberto Scavone Augusto
 
Masters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soulMasters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soulThelma Belmonte
 
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundosEEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundosFatoze
 
O nascimento de uma nova civilização ashtar
O nascimento de uma nova civilização   ashtarO nascimento de uma nova civilização   ashtar
O nascimento de uma nova civilização ashtarNorberto Scavone Augusto
 
Roteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vidaRoteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vidaCandice Gunther
 
EEI - Aula 5 os espíritos, a forma dos espíritos e perispírito
EEI - Aula 5   os espíritos, a forma dos espíritos e perispíritoEEI - Aula 5   os espíritos, a forma dos espíritos e perispírito
EEI - Aula 5 os espíritos, a forma dos espíritos e perispíritoFatoze
 
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...Bruno Bartholomei
 
EEI - Aula 7 a encarnação dos espíritos
EEI - Aula 7   a encarnação dos espíritosEEI - Aula 7   a encarnação dos espíritos
EEI - Aula 7 a encarnação dos espíritosFatoze
 
96 razões da existência Divina
96 razões da existência Divina96 razões da existência Divina
96 razões da existência DivinaViva Ela
 
A vida nas colônias espirituais palestra
A vida nas colônias espirituais palestraA vida nas colônias espirituais palestra
A vida nas colônias espirituais palestraroclaso
 
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptxA pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptxSimone Coelho
 

Semelhante a 18ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 15-10-2015 (20)

17ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-2015
17ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-201517ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-2015
17ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 08-10-2015
 
24ª reunião 26-11-2015
24ª reunião   26-11-201524ª reunião   26-11-2015
24ª reunião 26-11-2015
 
27ª reunião 17-12-2015
27ª reunião   17-12-201527ª reunião   17-12-2015
27ª reunião 17-12-2015
 
10ª reunião 20-08-2015
10ª reunião   20-08-201510ª reunião   20-08-2015
10ª reunião 20-08-2015
 
12a reunião 03-09-2015
12a reunião   03-09-201512a reunião   03-09-2015
12a reunião 03-09-2015
 
Reunião 11ª 27-08-2015
Reunião 11ª   27-08-2015Reunião 11ª   27-08-2015
Reunião 11ª 27-08-2015
 
Masters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soulMasters’ reincarnation handbook journey of the soul
Masters’ reincarnation handbook journey of the soul
 
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundosEEI - Aula 4   as diversas raças e os diversos mundos
EEI - Aula 4 as diversas raças e os diversos mundos
 
Reunião 29ª 14-01-2016
Reunião 29ª   14-01-2016Reunião 29ª   14-01-2016
Reunião 29ª 14-01-2016
 
O nascimento de uma nova civilização ashtar
O nascimento de uma nova civilização   ashtarO nascimento de uma nova civilização   ashtar
O nascimento de uma nova civilização ashtar
 
1ª reunião 18-06-2015
1ª reunião   18-06-20151ª reunião   18-06-2015
1ª reunião 18-06-2015
 
Roteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vidaRoteiro 01 -O homem ante a vida
Roteiro 01 -O homem ante a vida
 
Mediunidade - Parte 2
Mediunidade - Parte 2Mediunidade - Parte 2
Mediunidade - Parte 2
 
EEI - Aula 5 os espíritos, a forma dos espíritos e perispírito
EEI - Aula 5   os espíritos, a forma dos espíritos e perispíritoEEI - Aula 5   os espíritos, a forma dos espíritos e perispírito
EEI - Aula 5 os espíritos, a forma dos espíritos e perispírito
 
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...De turbilhão a anjo   a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
De turbilhão a anjo a epopeia evolutiva (psicografia joão cândido - espírit...
 
EEI - Aula 7 a encarnação dos espíritos
EEI - Aula 7   a encarnação dos espíritosEEI - Aula 7   a encarnação dos espíritos
EEI - Aula 7 a encarnação dos espíritos
 
Reiki karunaki2
Reiki karunaki2Reiki karunaki2
Reiki karunaki2
 
96 razões da existência Divina
96 razões da existência Divina96 razões da existência Divina
96 razões da existência Divina
 
A vida nas colônias espirituais palestra
A vida nas colônias espirituais palestraA vida nas colônias espirituais palestra
A vida nas colônias espirituais palestra
 
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptxA pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
 

Mais de Norberto Scavone Augusto

A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parteA nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parteNorberto Scavone Augusto
 
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016Norberto Scavone Augusto
 
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954Norberto Scavone Augusto
 
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
Eae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didaticoEae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didatico
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didaticoNorberto Scavone Augusto
 

Mais de Norberto Scavone Augusto (17)

Apostila psv
Apostila psvApostila psv
Apostila psv
 
Eae 24 - vicios e defeitos - manipulacoes
Eae 24 - vicios e defeitos - manipulacoesEae 24 - vicios e defeitos - manipulacoes
Eae 24 - vicios e defeitos - manipulacoes
 
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parteA nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
A nova era - ramatis - dores e sofrimentos - 1a. parte
 
12o. A missão do espiritismo
12o. A missão do espiritismo12o. A missão do espiritismo
12o. A missão do espiritismo
 
Os mestres ramatís e kuthumi
Os mestres ramatís e kuthumiOs mestres ramatís e kuthumi
Os mestres ramatís e kuthumi
 
Reencarnação & maria modesto
Reencarnação & maria modestoReencarnação & maria modesto
Reencarnação & maria modesto
 
Reforma intima real
Reforma intima realReforma intima real
Reforma intima real
 
O dever
O deverO dever
O dever
 
Ref anjos decaidos
Ref   anjos decaidosRef   anjos decaidos
Ref anjos decaidos
 
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a  - 12 de maio 2016
PEREGRINOS NOVA ERA - Reunião 46a - 12 de maio 2016
 
Há muito tempo numa galáxia distante
Há muito tempo numa galáxia distanteHá muito tempo numa galáxia distante
Há muito tempo numa galáxia distante
 
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
Emmanuel fala de ramatis em 5 de janeiro de 1954
 
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
Eae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didaticoEae  74   ciencia e religião   rev 02   mat didatico
Eae 74 ciencia e religião rev 02 mat didatico
 
Hipacia a annie_besant
Hipacia a annie_besantHipacia a annie_besant
Hipacia a annie_besant
 
Mensagem de jesus história de um anjo
Mensagem de jesus  história de um anjoMensagem de jesus  história de um anjo
Mensagem de jesus história de um anjo
 
25ª reunião 03-12-2015
25ª reunião   03-12-201525ª reunião   03-12-2015
25ª reunião 03-12-2015
 
Relatório peregrinos 2015
Relatório peregrinos 2015Relatório peregrinos 2015
Relatório peregrinos 2015
 

Último

ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............Nelson Pereira
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .natzarimdonorte
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequeseanamdp2004
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadofreivalentimpesente
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaDenisRocha28
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19PIB Penha
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).natzarimdonorte
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfnatzarimdonorte
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusVini Master
 

Último (12)

ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
ARMAGEDOM! O QUE REALMENTE?.............
 
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
O SELO DO ALTÍSSIMO E A MARCA DA BESTA .
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina EspíritaMediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita
 
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos  Fiéis Festa da Palavra CatequeseOração dos  Fiéis Festa da Palavra Catequese
Oração dos Fiéis Festa da Palavra Catequese
 
Material sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significadoMaterial sobre o jubileu e o seu significado
Material sobre o jubileu e o seu significado
 
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo DiaSérie: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
Série: O Conflito - Palestra 08. Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
 
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
A Besta que emergiu do Abismo (O OITAVO REI).
 
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdfAS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
AS FESTAS DO CRIADOR FORAM ABOLIDAS NA CRUZ?.pdf
 
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos viniciusTaoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
Taoismo (Origem e Taoismo no Brasil) - Carlos vinicius
 

18ª reunião treinamento - peregrinos do amor - 15-10-2015

  • 1. REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015 1 Pequena viagem a planeta do sistema solar. Nave já conhecida e guia. Planeta cinza e alaranjado. Marte, que precedeu muito o nosso planeta e hoje tem civilização bem mais avançada que a nossa. Existem seres desencarnados, não há encarnados, com alto conhecimento. Depois de passarem por muitas modificações, lutas imensas para chegar onde chegaram. Atmosfera foi sobrevoada e adentrada a superfície. Cidade grande e vegetação verde. Postes altos, luminosos, muita água em outro nível de vibração, em dimensão não física, mais etérea. Imaginar o nosso plano espiritual em sintonia com o plano espiritual de Marte e vamos encontrar muitas coisas. Encontro com irmãos nossos que virão nos ajudar nos momentos mais difíceis que se aproximam. Iremos criar na Terra uma civilização similar à deste planeta irmão nosso. Irmãos entram na nave para nos cumprimentar. A vestimenta é diferente e possuem semelhanças físicas conosco. Não caminham, se deslocam. São amigáveis, parecem conhecer-nos. O diálogo é feito por telepatia. Encontro de amor com os irmãos que seguem o Cristo como nós. Cristo é o guia de todos os planetas ao nosso redor. Local que nunca estivemos antes. Houve troca de instrutor e seguimos irmão que nos acompanhava no trabalho e nos dirige agora. Ida ao Umbral Médio muito escuro, muito atrasado. Levamos luz e seguimos juntos em fila. O caminhar se torna mais claro para nossa visão espiritual. Montanhas e clareira. Cidade medieval, paralelepípedos disformes, escuros, umidade, sentimento de muito sofrimento. Cidade abandonada há muito tempo e há irmãos sofredores presos e abandonados lá. O trabalho é descobri-los. Seguimos os batedores índios que seguem a jornada e encontrarmos os irmãos que estão nas furnas abaixo da cidade. Ele abre uma estradinha para caminharmos e enxergarmos alguns irmãos aprisionados em celas fechadas há muito tempo. São quebrados os grilhões e o local será transformado em algo diferente. Serão abertas as portas para a liberdade dos irmãos que sofrem, choram por estarem livres. São recolhidos e levados para fora da furna onde outros irmãos se preparam para o transporte. Recebemos ajuda de fraternidades especializadas na retirada dos irmãos que estão intricados na massa das paredes da cela. São muitos irmãos que aparecem e pedimos forças à Jesus para retirá-los. Naves de transporte rapidamente recolhem os irmãos que estão agrupados fora das furnas e serão levados para um local especializado. A entrada é bloqueada, porém não conseguimos retirar todos e mais uma atividade é necessária para completar o trabalho. Serão levados paras as colônias de refazimento e cura para que possam reiniciar suas vidas dentro de suas possibilidades. Houve alguns ataques durante o trabalho e geraram sentimento de perigo iminente. Voltamos guiados pelo irmão bondoso que nos levou. COMENTÁRIOS INDIVIDUAIS COM O INSTRUTOR Instrutor: Foi um trabalho complexo e não teremos outras atividades. Mas tudo deu certo dentro das possibilidades do grupo e dos irmãos que trabalharam. As irmãs de Maria nos auxiliaram e foram fundamentais na tarefa: vibrações sutis para o rompimento dos laços muito fortes entre os irmãos e o lugar onde se encontravam. Norberto: Cidades azuladas saindo da água, mais águas que na Terra. Cidades belas, muito belas. Os seres eram brancos, claros, com as asas encolhidas (o instrutor afirma que não eram alados). Foi preparado para participar, mas foi colocado em torpor e as suas energias foram utilizadas. Instrutor: Foi um trabalho meio especializado e todos participaram de acordo com a capacidade energética do momento. Uns foram ativos, conscientes e outros serviram de suporte energético, para que as entidades benéficas pudessem agir com as energias do ambiente, etc, realizando os trabalhos do Cristo. Júlia: Teve sensação da viagem (até fisicamente). Viu todos dentro da nave, em círculo e como se cada um tivesse seu lugar. Chegando viu algo escuro, sem natureza, sem nada e pensou que estava em outro lugar e estranhou. Antes do instrutor falar entendeu (veio pra ela) que precisava tirar a imagem humana do concreto e ver com outros olhos. Em seguida viu algo claro, de luz azulada. Quando os seres se aproximaram ela viu pequenas partículas flutuando e disseram que ela não precisaria do corpo, porque iria visitar o planeta de outra forma. Era como se estivéssemos em treinamento da terceira visão, com o chakra frontal ativo, muito forte e com energia. No umbral ela se viu fazendo algo mais físico no resgate e que era necessário usar o treinamento do frontal e que cada um faria o resgate de uma forma diferente.
  • 2. REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015 2 Ana: Também teve sensação da viagem, olhou pela janela e era a mesma nave da semana passada. No planeta viu luzes e a cidade. Quando entraram os moradores ela os sentiu nitidamente, eram muito alegres, pareciam que nos conheciam e estavam felizes por estarmos lá. Pareciam mais calorosos que outros que já encontramos. Pareciam-se conosco, tinham roupas um pouco diferentes. Na descida ao umbral médio a sensação era de local apertado, como se as paredes fossem de carvão, não muito sólidas. Viu as pessoas acorrentadas e quando o instrutor chama a atenção ela vê muito mais seres em celas. Teve vontade de cantar e parecia que mais pessoas estavam cantando. Eram vozes mais femininas filhas de Maria (Pai Celeste). Havia uma luz que dava pra ver até o fundo das celas. Pergunta por que usamos a nave para ir (já que não usamos o corpo físico que fica na sala) e por que na volta apenas mentalizam e regressam sem a nave. Instrutor: Porque é necessária uma proteção nessa viagem em função da condição de cada um. São naves feitas para viagens rápidas e conseguiremos bastante produtividade através delas. Na volta viajamos com elas facilitando o trabalho, permitindo que tenhamos condições melhores de retorno para que continuemos as tarefas. As naves são úteis, porque nós estamos ainda numa condição não perfeita para nos transportarmos de um mundo para outro sem ter uma ajuda. Mas vocês são uns poucos que, um dia, poderão se transportar sem ter uma ajuda. Um dia, não agora. Daniel: Viu a nave, mas não viu a viagem. Viu Marte. Na aproximação se assustou e via muita vegetação, quando a imagem física é de planeta deserto. Uma cidade muito grande à esquerda, uma cidade circular. Lembrou um pouco a cidade de Nosso Lar (Norberto também viu algo assim), com pontas. Não via ninguém. Via objetos inanimados. No resgate não viu ninguém. Sentia vibrações, como se as antenas estivessem ligadas. Nas ruelas sentia a vibração de muita dor, muito desespero que vinham de baixo. Quando entramos sentiu que cresceu, que ficou maior do que a escala do local. Encostou as costas no teto do local e estranhou. Falaram que sua função era derreter as barras, as paredes. Passava a mão e elas derretiam, sendo arrancadas. Falaram para vibrar luz e as paredes derretiam. Olhos para direita e colocou a mão e abriu um corredor imenso cheio de celas. Via entidades de branco entrando correndo no corredor, mas não os via saindo. Estava bem consciente. Sentiu sensação de alerta nesse momento (uma sirene vermelha piscando), que tínhamos que sair dali, porque os espectros estavam chegando. Uma sensação muito forte. Começou a se preparar para um conflito homem e homem. Foi solicitado que saísse para retornar à casa. Lembrou-se de experiência anterior de ter sido trazido pelo puxão do cordão de prata até sentar na cadeira novamente. Pergunta sobre os habitantes de Marte mais adiantados que nós, em plano não físico, imaterial. Esse planeta de regeneração para o qual migramos será material ainda ou astral? Instrutor: Vamos passar pela fase material ainda na regeneração. Vamos viver materialmente nessa faixa de vibração durante muito tempo. Depois com a evolução atinge-se uma situação em que a matéria densa não seja mais necessária. Irmãos de Marte estão muito mais adiantados. Márcia: Teve sensação da viagem na nave. Sentiu o amor dos amigos na chegada. Ficou tudo escuro e não sabia se tinha ajudado. Sentiu a angústia dos irmãos do umbral médio. Viu buracos no chão, cavernas. Instrutor disse que ajudou muito. Sandra: Entrou na nave pediram que se aproximasse do telão para receber informações sobre onde iríamos. No telão viu deslumbrada a viagem, as cavernas e queria saber o que tinha lá, como entraria lá. Pediram que se acalmasse e que aguardasse. Sente que adormeceu e viu que saia da caverna muito cansada, como se tivesse andado muitos quilômetros, dores nos pés, dormência nas mãos. Sentou-se em algum lugar. Instrutor disse que ajudou, mesmo que não tenha percebido. Sugere que cada um comece a sentir que tenha colaborado no trabalho. Essa mentalização é importante para o avanço dos trabalhos. É necessário amor, sentimento e essa mentalização de que estamos ajudando ativamente com o nosso corpo astral na tarefa de auxílio aos que sofrem.
  • 3. REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015 3 MENSAGENS Julia Queridos amigos, companheiros de trabalho. Não é fácil a preparação para esse trabalho. Temos exigido cada vez mais o envolvimento de vocês e a preparação previa para que ele possa ser realizado. Todos os cuidados são necessários, para que todos possam trabalhar juntos. Os cuidados ao longo do dia são fundamentais, pelo próprio bem estar de vocês. O cuidado na meditação, na alimentação é fundamental. A concentração. Antes de dormir as reuniões espirituais ao longo da semana fortalecem o grupo e os preparam para as atividades daqui, de hoje. Tenham disciplina e rigor na preparação. Muitas vezes estamos exigindo de alguns de vocês tarefas específicas, distintas, porque conhecemos cada um de vocês. As experiências serão individuais. Não achem que todos estão no mesmo local e no mesmo trabalho. Apesar de em grupo, as atividades são independentes. Vocês são espíritos livres, com tarefas diferentes, com evoluções diferentes. Então, estejam preparados mantendo sempre a elevação do pensamento. O que une e iguala todos vocês é o Amor ao Cristo, a vontade de servir e a humildade de aceitação da tarefa. Fiquem em Paz. Irmãos Peregrinos Ana: Boa noite, queridos filhos. Estamos aqui, mais uma vez, acompanhando vosso trabalho, vosso empenho e vossa dedicação. Gostaríamos de ressaltar, alem do que já vos foi dito aqui que também lhe fazem companhia muitos irmãos fraternos que se dedicam a este trabalho e que se dedicam ao vosso adiantamento particular, individual. Assim sendo, se faz necessário e útil para vós que se unam em vibração a eles. Pois assim, ascenderão a um caminho mais, podemos dizer fácil para vós. Sentirão em vós uma leveza maior, o que transmitirá a vós mais sentimentos relacionados à segurança, relacionados à certeza e à paz interior. Saibam que os caminhos, embora traçados, dependem de vós para serem desvendados, para serem desbravados. Não pensem apenas, como muitos fazem durante os dias que estão afastados desta casa, que tudo que lhes são impostos são dificuldades. Ao contrário, muito mais à disposição de vós estão as facilidades. Muito mais à disposição de vós estão seres em auxilio. Compreendemos que pela própria natureza inclinam-se às dificuldades e aos empecilhos. Por isso estamos aqui a alertá-los: elevem-se e liguem-se àqueles que estão a auxiliá- los. E verão que os auxílios são mais numerosos que os empecilhos, pois vós sois servidores do mestre Jesus. E nos da FDJ temos muita alegria em acompanhá-los sempre. Fiquem em paz. Daniel: Boa noite. Que lugar diferente! Tive permissão de vir conhecer. Vim de muito longe. Sigo agora. João: Caros companheiros, que a Paz de Jesus esteja com todos. Companheiro da fraternidade dos humildes está aqui se encontra novamente para auxiliar este grupo de amor e de caridade. Nós que estamos colaborando com esta tarefa esperamos que cada um possa sentir em seus corações que são agentes do Cristo no atendimento de sofredores. Portanto o Amor é fundamental, queridos irmãos. Sintam esse amor nos corações ao realizar as tarefas de resgate, porque assim será mais fácil trazer esses irmãos do sofrimento para a Luz. Fiquem em paz! Márcia: FDJ presente. Sandra: Boa noite meus amigos. Que a Paz de nosso divino Mestre envolva o coração de cada um. O nosso trabalho nessa noite foi um trabalho árduo e será um trabalho contínuo. Estamos adentrando as faixas de difícil acesso pelo poder mental. Precisamos nos preparar com a nossa alimentação e com o descanso do corpo físico para que possamos ter a energia e a capacidade, lucidez, para adentrar a essa tarefa. Nos resgates que aconteceram nessa noite entre ele está de algum amigo nosso, que nos trouxe a lembrança, a saudade, tocou o nosso coração. Obrigada pela oportunidade que todos têm nos dados de participar dessa equipe de socorro. Fiquem na Paz do nosso querido mestre. COMENTÁRIOS Daniel: Era um réptil por curiosidade o deixaram vir. Ele cheirava, olhava tudo. João: O trabalho de hoje foi pesado. Houve um ataque e precisaram chamar ajuda, porque veio um ataque mesmo. Precisaram fazer uma cobertura e sairmos de lá com aqueles que conseguimos tirar. Vieram outras entidades e recarregaram nossas energias pra conseguirmos
  • 4. REUNIÃO PEREGRINOS DO AMOR – CELUCA – Fase de Treinamento - 18ª – 15-10-2015 4 voltar pra cá. Nem acompanhamos os resgatados para o tratamento. Daniel sentiu um puxão na nuca e retornou direto. Eles insistem em preparação. Comentou-se sobre condicionamento físico para aguentar o trabalho. Sandra: Pensou sobre o encontro com alguém conhecido. João: Uma entidade que participou do trabalho identificou alguém lá e deu a comunicação. Norberto: Sabe que atuou e não se lembra de nada. João: Apagaram, porque Norberto poderia brigar (risos). Viu seres avermelhados, mas tinham uma vibração ótima. Fizeram uma festa, abraçaram e incentivavam. Emocionou-se pela torcida que faziam por nós. Ana: viu a roupa que tinha dois dispositivos, mas não eram asas. Não viu pés. Comentou-se sobre Nosso Lar e o convite de espíritos de outro planeta para ajudar na alimentação prânica. Comentou-se sobre a não fisicalidade dos seres de Marte, com corpos etéreos (físicos, porém não densos).