O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018

320 visualizações

Publicada em

Subsídios para lições bíblicas da CPAD elaborados pelo Pastor Natalino das Neves (IEADC-Sede).
Assista aos demais vídeos com estudos bíblicos e baixe os arquivos de slides referentes aos vídeos no blog:
http://goo.gl/PPDRnr

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018

  1. 1. Adquira o livro de apoio para subsidiar seus estudos, no site da CPAD (www.cpad.com.br), nas melhores livrarias ou como autor.
  2. 2. TEXTO DO DIA “Então, o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos e o serviram” (Mt 4.11).
  3. 3. SÍNTESE A narrativa da tentação de Jesus enaltece a importância do estudo sistemático da Bíblia como alicerce seguro à vida cristã.
  4. 4. LEITURA BÍBLICA MT 4.1-11
  5. 5. 1 Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. 2 e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome; 3 E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães. 4 Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. 5 Então o diabo o transportou à Cidade Santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo, 6 e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra.
  6. 6. 7 Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus. 8 Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles. 9 E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10 Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás. 11 Então, o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos e o serviram.
  7. 7. • A tendência é entendermos que a tentação de Jesus foi apenas um momento. • No entanto, a tentação foi um clima que marcou toda a sua vida e sua missão. • O meio de resposta de Jesus à tentação foi sempre foi a Palavra de Deus. • A Bíblia sustenta e fortalece a fé para a entrega total nas mãos do Pai e vitória sobre as tentações que provocam a injustiça e a desigualdade. INTRODUÇÃO
  8. 8. I. A TENTAÇÃO DO SUSTENTO MATERIAL NO “DESERTO” (MT 4.1-4)
  9. 9. • A primeira tentação de Jesus está relacionada com necessidade básicas de sobrevivência e confiança em Deus. • Ela está relacionada diretamente com o impulso do povo hebreu de infidelidade durante a caminhada no deserto (Dt 6-8). Introdução ao tópico
  10. 10. • Todo ser humano tem necessidade básicas de sobrevivência e pode passar por momentos de crise. • Existe uma relação direta entre a narrativa de Mt 4.1-11 e a narrativa da travessia dos hebreus pelo deserto, em especial três capítulos de Deuteronômio (Dt 6-8). • Ver quadro comparativo: a) A relação de Mateus 4.1-4 com a caminhada dos hebreus no deserto
  11. 11. QUADRO COMPARATIVO Mt 4.1-11 Dt 6 a 8 “Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo” (Mt 4.1). Deus conduz o povo ao deserto e o submete à prova (Dt 8.2-32). “e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome” (Mt 4.2). “Subindo eu ao monte a receber as tábuas de pedra, as tábuas do concerto que o SENHOR fizera convosco, então fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; pão não comi e água não bebi” (Dt 9.9). “Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4.4). “E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem” (Dt 8.3). “e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra” (Mt 4.6). “E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem” (Sl 91.11-12). “Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus” (Mt 4.7). “Não tentareis o SENHOR, vosso Deus, como o tentastes em Massá” (Dt 6.16). “Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles” (Mt 4.8). “Então, subiu Moisés das campinas de Moabe ao monte Nebo, ao cume de Pisga, que está defronte de Jericó; e o SENHOR mostrou-lhe toda a terra, desde Gileade até Dã” (Dt 34.1) “Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás” (Mt 4.10). “SENHOR, teu Deus, temerás, e a ele servirás, e pelo seu nome jurarás” (Dt 6.13). (NEVES, 2017, P. 45-47)
  12. 12. • No êxodo (saída do Egito, lugar de injustiça), os hebreus saíram com a incumbência de criarem uma sociedade justa, antes, tiveram de conviver com o deserto por 40 anos. • Deserto é lugar de fome (Mt 4.2-4), porém também é lugar de aliança, purificação e encontro com Deus (Ex 19.1ss; Os 2,16ss). • Na caminhada pelo deserto, o povo teve que demonstrar sua confiança na dependência da ação divina. b) A tentação de Israel no deserto por 40 anos
  13. 13. • No entanto, muitos dentre o povo, nestas condições, colocaram em dúvida a proteção e o cuidado de Deus, tentando-o. • No momento da necessidade, duvidaram e murmuravam contra Deus (Ex 16.3-8), por isso ficaram pelo caminho. • Jesus, apesar da tentação no deserto, demonstrou sua confiança e reconheceu sua dependência de Deus. b) A tentação de Israel no deserto por 40 anos
  14. 14. • Mateus narra que Jesus foi levado para ser tentado logo depois de seu batismo. • Após a revelação de sua filiação divina e uma “autorização” para iniciar sua missão. • Não parece ser desproposital essa sequência, pois as tentações de Jesus estão diretamente relacionadas quanto ao modo dele cumprir a sua missão como resgatador da humanidade. c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  15. 15. • Advertência para que o cristão esteja atento em relação ao que pode impedir (injustiça e desigualdade) o reino da justiça e o cumprimento da missão solidária. • O Salvador da humanidade precisava se submeter às mesmas condições que a criatura a ser libertada (Hb 2.1,18; 4.15; 5.7-9). • O 40 dias de jejum recordam os 40 anos de Israel no deserto, antes de entrar na Terra Prometida. c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  16. 16. • A narrativa do jejum por 40 dias não era uma inovação (Moisés - Dt 9.9,18; Ex 24.18; 34.28; Elias -1Rs19.8). • O ser humano não tem condições de se abster de alimento e água por 40 dias. • O número 40 é utilizado várias vezes na Bíblia (Gn 7.4,12; Ex 24.18; 34.26; Dt 9.9-11; 10.10; Nm 4.33; 32.13; Dt 8.2; 29.4; Mt 4.2; Mc 1.12; Lc 4.2; At 1.3; Dt 25.3; 2Cor 11.24; entre outras citações). • Quando se refere a dias ou anos, pode significar um período necessário e suficiente para determinada ação. c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  17. 17. • Jesus foi desafiado como Filho de Deus a fazer uso de seus atributos divinos para satisfazer suas necessidades de natureza humana. • Isso comprometeria sua missão. • Jesus rebate: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Dt 8.3). • Se for oferecida alternativa para suprir suas necessidades materiais com violação dos princípios bíblicos, não ceda! c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  18. 18. PENSE O povo hebreu e Jesus responderam de forma diferente quanto à prova do deserto. Jovem, e você, como tem se comportado quando passa pelo deserto?
  19. 19. PONTO IMPORTANTE Conhecer as Escrituras foi fundamental para as respostas de Jesus ao adversário. A Palavra de Deus continua uma arma eficiente contra as tentações.
  20. 20. II. A TENTAÇÃO DO USO DO “TEMPLO” PARA EXPLORAÇÃO (Mt 4.5-7)
  21. 21. • Impressionante como um lugar considerado santo pode se tornar um lugar de tentação. • Infelizmente é isso que acontece ( uso indevido da Palavra e poder eclesiástico para benefício próprio). • Jesus deixa uma advertência: “Não tentarás ao Senhor teu Deus”! Introdução ao tópico
  22. 22. • O pináculo demonstra a responsabilidade de estar no ponto mais alto do poder religioso. Quem está nessa posição muito pode fazer para o bem ou para o mal. • O diabo faz uso da própria Palavra de Deus para colocar dúvida. Ele cita o Sl 91, em que Deus promete proteger o justo. • Infelizmente muitos pregam um relacionamento mercantil com Deus, o famoso “toma-lá-dá-cá”. a) A tentação de mercantilizar a religião
  23. 23. • A Bíblia deve ser interpretada como um todo. • Jesus afirma que todas as pessoas passam por aflições, mesmo seus discípulos (Jo 16.33). • A teologia da retribuição, protótipo da atual teologia da prosperidade, já estava presente no livro de Jó. • A sociedade contemporânea é, basicamente, uma sociedade de consumo, tendo como principais características o imediatismo e a busca desenfreada do “TER’. a) A tentação de mercantilizar a religião
  24. 24. • Características que têm determinado a vida de algumas pessoas e influenciado as práticas teológicas. • A teologia consumista é o oposto da teologia pregada por Jesus, que privilegiava a solidariedade, a vida em comunidade, simples e sem excesso de consumo. • O diabo propôs a Jesus fazer uso de sua intimidade com Deus em seu benefício próprio, porém ele recusou e preferiu se colocar na dependência de Deus. a) A tentação de mercantilizar a religião
  25. 25. • Jesus cita Dt 6.16 “não tentarás o Senhor, teu Deus”, demonstrando a seriedade que é tentar “manipular” Deus. • Muitos requerem, como se pudessem, exibição de Deus. Se comportam como “crianças mimadas”. • Creem em Deus na teoria, mas são “ateus” na prática. b) A tentação de fazer de Deus um instrumento de capricho e ostentação
  26. 26. • A prática de legitimar a autoridade dos discursos por meio de supostas revelações e visões é antiga. • As pessoas que buscam a prosperidade egoísta alimentam esse processo. • A educação cristã deve ocupar uma postura profética contra esta prática. • Jesus denunciou a prática religiosa opressora e abusiva. b) A tentação de fazer de Deus um instrumento de capricho e ostentação
  27. 27. PENSE As práticas religiosas podem levar as pessoas para mais perto de Deus ou distanciá-las, se for para benefício próprio. Jovem, qual tem sido sua opção?
  28. 28. PONTO IMPORTANTE Jesus, maior exemplo de quem ajudou a muitos e tinha autoridade em seus discursos, nunca usou essas qualificações para seu benefício próprio.
  29. 29. III. A TENTAÇÃO DO USO INDEVIDO DO PODER (MT 4.8-11)
  30. 30. • O risco de dar lugar ao impulso de desfrutar das glórias do mundo, em detrimento da adoração ao Deus verdadeiro. • Jesus se deparou com vários momentos que impulsionariam a tomada do poder, mas não cedeu a essa tentação. Introdução ao tópico
  31. 31. • A última tentação está relacionada à idolatria. • O lugar da tentação agora é um monte muito alto. • As montanhas altas tinham um significado especial nas tradições do povo israelita (Gn 22.2-18); 1Rs 19.8; entre outros). • Do monte escolhido se dá uma visão de todos os reinos. Não existe um monte com essa característica (analogia). a) O poder dos impérios e reinos do mundo
  32. 32. • O texto dá a entender que o adversário do Reino dos céus domina os reinos do mundo. • Que mundo é esse? A esfera da vida política, social, econômica e religiosa quotidiana. • Embora criado por Deus e objeto dos propósitos de Deus (Sl 24,1), é reclamado pelo diabo e com necessidade de salvação (5,14; 13,38; 24,21)”. • Ditado popular: “Fulano fez um pacto como diabo”. a) O poder dos impérios e reinos do mundo
  33. 33. • Cultura judaica da centralidade de Sião estava relacionada com o centro da adoração de todos os povos. • Um poder centralizador assim seria visado por muitos. • O ser humano tem tendência pelo gosto do poder e de ser bajulado. Essa é uma tentação que precisa ser constantemente monitorada. b) O poder idolátrico das glórias dos reinos do mundo
  34. 34. • Tentação de “pensar fazer o bem”. Estar sincronizado com Deus para não ser enganado pelo mal, pensando fazer o bem. • Jesus estava consciente do caminho a ser seguido para cumprir sua missão e atender os propósitos de Deus. • Ele chegou á glorificação porque passou pela cruz. • A vitória sobre a tentação trouxe a possibilidade de libertação para toda humanidade. b) O poder idolátrico das glórias dos reinos do mundo
  35. 35. PENSE Jovem, reflita sobre o motivo que leva muitas pessoas que começam bem intencionadas a obra de Deus, mas como o aumento do poder, elas se perdem.
  36. 36. PONTO IMPORTANTE Jesus estava consciente que para cumprir sua missão e os propósitos de Deus deveria trilhar pacientemente o caminho da cruz e não da glória humana.
  37. 37. Nesta lição aprendemos que: 1. A fidelidade à Deus deve preceder a satisfação pessoal e de bens materiais; 2. Deus não pode ser tentado e seu nome não deve ser usado em benefício próprio; 3. Não se deve buscar a glória, mas glorificar à Deus. 4. Todas as pessoas passam pelo modelo das tentações de Jesus. O caminho da vitória também é o mesmo. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  38. 38. LIÇÕES BÍBLICAS DE JOVENS. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. 1 TRI 2018. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. NEVES, Natalino das. Educação Cristã Libertadora. São Paulo: Fonte Editorial, 2013. NEVES, Natalino das. Seu Reino não terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. REFERÊNCIAS
  39. 39. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 98409 8094 (TIM)

×