SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
Adquira o livro de apoio para subsidiar seus estudos, no
site da CPAD (www.cpad.com.br), nas melhores livrarias
ou como autor.
TEXTO DO DIA
“Então, o diabo o deixou; e, eis que
chegaram os anjos e o serviram” (Mt 4.11).
SÍNTESE
A narrativa da tentação de Jesus enaltece
a importância do estudo sistemático da
Bíblia como alicerce seguro à vida cristã.
LEITURA BÍBLICA
MT 4.1-11
1 Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para
ser tentado pelo diabo.
2 e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois
teve fome;
3 E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de
Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.
4 Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de
pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca
de Deus.
5 Então o diabo o transportou à Cidade Santa, e colocou-o
sobre o pináculo do templo,
6 e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo;
porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu
respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces
em alguma pedra.
7 Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o
Senhor, teu Deus.
8 Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto; e
mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles.
9 E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.
10 Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está
escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás.
11 Então, o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos e o
serviram.
• A tendência é entendermos que a tentação de
Jesus foi apenas um momento.
• No entanto, a tentação foi um clima que marcou
toda a sua vida e sua missão.
• O meio de resposta de Jesus à tentação foi
sempre foi a Palavra de Deus.
• A Bíblia sustenta e fortalece a fé para a entrega
total nas mãos do Pai e vitória sobre as
tentações que provocam a injustiça e a
desigualdade.
INTRODUÇÃO
I. A TENTAÇÃO DO SUSTENTO
MATERIAL NO “DESERTO”
(MT 4.1-4)
• A primeira tentação de Jesus está relacionada
com necessidade básicas de sobrevivência e
confiança em Deus.
• Ela está relacionada diretamente com o impulso
do povo hebreu de infidelidade durante a
caminhada no deserto (Dt 6-8).
Introdução ao tópico
• Todo ser humano tem necessidade básicas de
sobrevivência e pode passar por momentos de
crise.
• Existe uma relação direta entre a narrativa de Mt
4.1-11 e a narrativa da travessia dos hebreus pelo
deserto, em especial três capítulos de
Deuteronômio (Dt 6-8).
• Ver quadro comparativo:
a) A relação de Mateus 4.1-4 com a caminhada
dos hebreus no deserto
QUADRO COMPARATIVO
Mt 4.1-11 Dt 6 a 8
“Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto,
para ser tentado pelo diabo” (Mt 4.1).
Deus conduz o povo ao deserto e o submete à prova (Dt
8.2-32).
“e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites,
depois teve fome” (Mt 4.2).
“Subindo eu ao monte a receber as tábuas de pedra, as
tábuas do concerto que o SENHOR fizera convosco, então
fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; pão não
comi e água não bebi” (Dt 9.9).
“Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só
de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai
da boca de Deus” (Mt 4.4).
“E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com
o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o
conheceram, para te dar a entender que o homem não
viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do
SENHOR viverá o homem” (Dt 8.3).
“e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui
abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens
a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca
tropeces em alguma pedra” (Mt 4.6).
“E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com
o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o
conheceram, para te dar a entender que o homem não
viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do
SENHOR viverá o homem” (Sl 91.11-12).
“Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o
Senhor, teu Deus” (Mt 4.7).
“Não tentareis o SENHOR, vosso Deus, como o tentastes
em Massá” (Dt 6.16).
“Novamente, o transportou o diabo a um monte muito
alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória
deles” (Mt 4.8).
“Então, subiu Moisés das campinas de Moabe ao monte
Nebo, ao cume de Pisga, que está defronte de Jericó; e o
SENHOR mostrou-lhe toda a terra, desde Gileade até Dã”
(Dt 34.1)
“Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está
escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele
servirás” (Mt 4.10).
“SENHOR, teu Deus, temerás, e a ele servirás, e pelo seu
nome jurarás” (Dt 6.13).
(NEVES, 2017, P. 45-47)
• No êxodo (saída do Egito, lugar de injustiça),
os hebreus saíram com a incumbência de
criarem uma sociedade justa, antes, tiveram de
conviver com o deserto por 40 anos.
• Deserto é lugar de fome (Mt 4.2-4), porém
também é lugar de aliança, purificação e
encontro com Deus (Ex 19.1ss; Os 2,16ss).
• Na caminhada pelo deserto, o povo teve que
demonstrar sua confiança na dependência da
ação divina.
b) A tentação de Israel no deserto por 40 anos
• No entanto, muitos dentre o povo, nestas
condições, colocaram em dúvida a proteção e o
cuidado de Deus, tentando-o.
• No momento da necessidade, duvidaram e
murmuravam contra Deus (Ex 16.3-8), por isso
ficaram pelo caminho.
• Jesus, apesar da tentação no deserto,
demonstrou sua confiança e reconheceu sua
dependência de Deus.
b) A tentação de Israel no deserto por 40 anos
• Mateus narra que Jesus foi levado para ser
tentado logo depois de seu batismo.
• Após a revelação de sua filiação divina e uma
“autorização” para iniciar sua missão.
• Não parece ser desproposital essa sequência,
pois as tentações de Jesus estão diretamente
relacionadas quanto ao modo dele cumprir a sua
missão como resgatador da humanidade.
c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
• Advertência para que o cristão esteja atento
em relação ao que pode impedir (injustiça e
desigualdade) o reino da justiça e o
cumprimento da missão solidária.
• O Salvador da humanidade precisava se
submeter às mesmas condições que a criatura
a ser libertada (Hb 2.1,18; 4.15; 5.7-9).
• O 40 dias de jejum recordam os 40 anos de
Israel no deserto, antes de entrar na Terra
Prometida.
c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
• A narrativa do jejum por 40 dias não era uma
inovação (Moisés - Dt 9.9,18; Ex 24.18; 34.28;
Elias -1Rs19.8).
• O ser humano não tem condições de se abster
de alimento e água por 40 dias.
• O número 40 é utilizado várias vezes na Bíblia
(Gn 7.4,12; Ex 24.18; 34.26; Dt 9.9-11; 10.10; Nm
4.33; 32.13; Dt 8.2; 29.4; Mt 4.2; Mc 1.12; Lc 4.2;
At 1.3; Dt 25.3; 2Cor 11.24; entre outras citações).
• Quando se refere a dias ou anos, pode significar
um período necessário e suficiente para
determinada ação.
c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
• Jesus foi desafiado como Filho de Deus a fazer
uso de seus atributos divinos para satisfazer
suas necessidades de natureza humana.
• Isso comprometeria sua missão.
• Jesus rebate: “Nem só de pão viverá o homem,
mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”
(Dt 8.3).
• Se for oferecida alternativa para suprir suas
necessidades materiais com violação dos
princípios bíblicos, não ceda!
c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
PENSE
O povo hebreu e Jesus responderam de
forma diferente quanto à prova do
deserto.
Jovem, e você, como tem se
comportado quando passa pelo
deserto?
PONTO IMPORTANTE
Conhecer as Escrituras foi fundamental
para as respostas de Jesus ao adversário.
A Palavra de Deus continua uma arma
eficiente contra as tentações.
II. A TENTAÇÃO DO USO DO
“TEMPLO” PARA EXPLORAÇÃO
(Mt 4.5-7)
• Impressionante como um lugar considerado
santo pode se tornar um lugar de tentação.
• Infelizmente é isso que acontece ( uso indevido
da Palavra e poder eclesiástico para benefício
próprio).
• Jesus deixa uma advertência: “Não tentarás ao
Senhor teu Deus”!
Introdução ao tópico
• O pináculo demonstra a responsabilidade de estar
no ponto mais alto do poder religioso. Quem
está nessa posição muito pode fazer para o bem
ou para o mal.
• O diabo faz uso da própria Palavra de Deus para
colocar dúvida. Ele cita o Sl 91, em que Deus
promete proteger o justo.
• Infelizmente muitos pregam um relacionamento
mercantil com Deus, o famoso “toma-lá-dá-cá”.
a) A tentação de mercantilizar a religião
• A Bíblia deve ser interpretada como um todo.
• Jesus afirma que todas as pessoas passam por
aflições, mesmo seus discípulos (Jo 16.33).
• A teologia da retribuição, protótipo da atual
teologia da prosperidade, já estava presente no
livro de Jó.
• A sociedade contemporânea é, basicamente, uma
sociedade de consumo, tendo como principais
características o imediatismo e a busca
desenfreada do “TER’.
a) A tentação de mercantilizar a religião
• Características que têm determinado a vida de
algumas pessoas e influenciado as práticas
teológicas.
• A teologia consumista é o oposto da teologia
pregada por Jesus, que privilegiava a
solidariedade, a vida em comunidade, simples
e sem excesso de consumo.
• O diabo propôs a Jesus fazer uso de sua
intimidade com Deus em seu benefício próprio,
porém ele recusou e preferiu se colocar na
dependência de Deus.
a) A tentação de mercantilizar a religião
• Jesus cita Dt 6.16 “não tentarás o Senhor, teu
Deus”, demonstrando a seriedade que é tentar
“manipular” Deus.
• Muitos requerem, como se pudessem, exibição de
Deus. Se comportam como “crianças mimadas”.
• Creem em Deus na teoria, mas são “ateus” na
prática.
b) A tentação de fazer de Deus um instrumento de
capricho e ostentação
• A prática de legitimar a autoridade dos discursos
por meio de supostas revelações e visões é
antiga.
• As pessoas que buscam a prosperidade egoísta
alimentam esse processo.
• A educação cristã deve ocupar uma postura
profética contra esta prática.
• Jesus denunciou a prática religiosa opressora e
abusiva.
b) A tentação de fazer de Deus um instrumento de
capricho e ostentação
PENSE
As práticas religiosas podem levar as
pessoas para mais perto de Deus ou
distanciá-las, se for para benefício
próprio. Jovem, qual tem sido sua opção?
PONTO IMPORTANTE
Jesus, maior exemplo de quem ajudou a
muitos e tinha autoridade em seus
discursos, nunca usou essas qualificações
para seu benefício próprio.
III. A TENTAÇÃO DO USO
INDEVIDO DO PODER
(MT 4.8-11)
• O risco de dar lugar ao impulso de desfrutar das
glórias do mundo, em detrimento da adoração
ao Deus verdadeiro.
• Jesus se deparou com vários momentos que
impulsionariam a tomada do poder, mas não
cedeu a essa tentação.
Introdução ao tópico
• A última tentação está relacionada à idolatria.
• O lugar da tentação agora é um monte muito
alto.
• As montanhas altas tinham um significado
especial nas tradições do povo israelita (Gn
22.2-18); 1Rs 19.8; entre outros).
• Do monte escolhido se dá uma visão de todos
os reinos. Não existe um monte com essa
característica (analogia).
a) O poder dos impérios e reinos do mundo
• O texto dá a entender que o adversário do
Reino dos céus domina os reinos do mundo.
• Que mundo é esse? A esfera da vida política,
social, econômica e religiosa quotidiana.
• Embora criado por Deus e objeto dos propósitos
de Deus (Sl 24,1), é reclamado pelo diabo e
com necessidade de salvação (5,14; 13,38;
24,21)”.
• Ditado popular: “Fulano fez um pacto como
diabo”.
a) O poder dos impérios e reinos do mundo
• Cultura judaica da centralidade de Sião estava
relacionada com o centro da adoração de todos
os povos.
• Um poder centralizador assim seria visado por
muitos.
• O ser humano tem tendência pelo gosto do
poder e de ser bajulado. Essa é uma tentação
que precisa ser constantemente monitorada.
b) O poder idolátrico das glórias dos reinos do
mundo
• Tentação de “pensar fazer o bem”. Estar
sincronizado com Deus para não ser enganado
pelo mal, pensando fazer o bem.
• Jesus estava consciente do caminho a ser
seguido para cumprir sua missão e atender os
propósitos de Deus.
• Ele chegou á glorificação porque passou pela
cruz.
• A vitória sobre a tentação trouxe a possibilidade
de libertação para toda humanidade.
b) O poder idolátrico das glórias dos reinos do
mundo
PENSE
Jovem, reflita sobre o motivo que leva
muitas pessoas que começam bem
intencionadas a obra de Deus, mas como
o aumento do poder, elas se perdem.
PONTO IMPORTANTE
Jesus estava consciente que para cumprir
sua missão e os propósitos de Deus
deveria trilhar pacientemente o caminho
da cruz e não da glória humana.
Nesta lição aprendemos que:
1. A fidelidade à Deus deve preceder a satisfação
pessoal e de bens materiais;
2. Deus não pode ser tentado e seu nome não deve
ser usado em benefício próprio;
3. Não se deve buscar a glória, mas glorificar à
Deus.
4. Todas as pessoas passam pelo modelo das
tentações de Jesus. O caminho da vitória
também é o mesmo.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
LIÇÕES BÍBLICAS DE JOVENS. Seu Reino não Terá Fim: vida e
obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. 1 TRI 2018.
Rio de Janeiro: CPAD, 2017.
NEVES, Natalino das. Educação Cristã Libertadora. São Paulo:
Fonte Editorial, 2013.
NEVES, Natalino das. Seu Reino não terá Fim: vida e obra de
Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD,
2017.
REFERÊNCIAS
Pr. Natalino das Neves
www.natalinodasneves.blogspot.com.br
Facebook: www.facebook.com/natalino.neves
Contatos:
natalino6612@gmail.com
(41) 98409 8094 (TIM)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola Dominical
JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola DominicalJESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola Dominical
JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola Dominicalyosseph2013
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosMoisés Sampaio
 
2022 1º trimestre jovens lição 01
2022 1º trimestre jovens lição 012022 1º trimestre jovens lição 01
2022 1º trimestre jovens lição 01Joel Silva
 
A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1Sergio Menezes
 
Lição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação GrandiosaLição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação GrandiosaHamilton Souza
 
LIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
LIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticarLIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
LIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticarNatalino das Neves Neves
 
4 - Ellen White e a Natureza de Cristo
4 - Ellen White e a Natureza de Cristo4 - Ellen White e a Natureza de Cristo
4 - Ellen White e a Natureza de CristoFábio Paradela
 
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterErberson Pinheiro
 
2022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 022022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 02Joel Silva
 
2022 1º trimestre jovens lição 03
2022 1º trimestre jovens lição 032022 1º trimestre jovens lição 03
2022 1º trimestre jovens lição 03Joel Silva
 
Lição 2: Os caminhos de Deus
Lição 2: Os caminhos de DeusLição 2: Os caminhos de Deus
Lição 2: Os caminhos de DeusQuenia Damata
 
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editadoLição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editadoPr Neto
 
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.Joel Silva
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorErberson Pinheiro
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4  A tentação de Jesuslição 4  A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesusantonio vieira
 
A natureza humana de cristo
A natureza humana de cristoA natureza humana de cristo
A natureza humana de cristoMonteiro07
 
Lição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na JudeiaLição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na JudeiaQuenia Damata
 

Mais procurados (20)

JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola Dominical
JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola DominicalJESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola Dominical
JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE – Lição 04 – Escola Dominical
 
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
AS BEM AVENTURANÇAS
AS BEM AVENTURANÇAS AS BEM AVENTURANÇAS
AS BEM AVENTURANÇAS
 
2022 1º trimestre jovens lição 01
2022 1º trimestre jovens lição 012022 1º trimestre jovens lição 01
2022 1º trimestre jovens lição 01
 
A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1A inspiração de pedro 1
A inspiração de pedro 1
 
Lição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação GrandiosaLição 02 Uma Salvação Grandiosa
Lição 02 Uma Salvação Grandiosa
 
LIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
LIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticarLIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
LIÇÃO 13 - A decisão crucial do discípulo ouvir e praticar
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
 
4 - Ellen White e a Natureza de Cristo
4 - Ellen White e a Natureza de Cristo4 - Ellen White e a Natureza de Cristo
4 - Ellen White e a Natureza de Cristo
 
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
Lição 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
 
2022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 022022 1º trimestre jovens lição 02
2022 1º trimestre jovens lição 02
 
2022 1º trimestre jovens lição 03
2022 1º trimestre jovens lição 032022 1º trimestre jovens lição 03
2022 1º trimestre jovens lição 03
 
03 A Condicao Humana De Jesus
03 A Condicao Humana De Jesus03 A Condicao Humana De Jesus
03 A Condicao Humana De Jesus
 
Lição 2: Os caminhos de Deus
Lição 2: Os caminhos de DeusLição 2: Os caminhos de Deus
Lição 2: Os caminhos de Deus
 
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editadoLição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
Lição 13 jesus cristo o modelo supremo de caráter_editado
 
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4  A tentação de Jesuslição 4  A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
A natureza humana de cristo
A natureza humana de cristoA natureza humana de cristo
A natureza humana de cristo
 
Lição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na JudeiaLição 9: Trabalhando na Judeia
Lição 9: Trabalhando na Judeia
 

Semelhante a A resposta de Jesus às tentações no deserto

A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fimA tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fimFrancelia Carvalho Oliveira
 
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De JovensLição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De JovensThauan Soares
 
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesLição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesHamilton Souza
 
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesLição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesÉder Tomé
 
Licao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptx
Licao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptxLicao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptx
Licao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptxAndreLuizMontanheiro
 
O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014Gerson G. Ramos
 
5º módulo 1ª aula
5º módulo   1ª aula5º módulo   1ª aula
5º módulo 1ª aulaJoel Silva
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 043º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 04Joel Silva
 
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015Joel Oliveira
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesuslição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesusantonio vieira
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOSNatalino das Neves Neves
 
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGRLição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGRGerson G. Ramos
 
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterNatalino das Neves Neves
 
5 Lições do livro de Deuteronômio
5 Lições do livro de Deuteronômio5 Lições do livro de Deuteronômio
5 Lições do livro de DeuteronômioLucas Soares
 

Semelhante a A resposta de Jesus às tentações no deserto (20)

A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fimA tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
A tentação de Jesus - Lição 04 - O seu reino não terá fim
 
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De JovensLição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
 
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesLição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
 
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesLição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
 
Licao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptx
Licao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptxLicao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptx
Licao 7 - 1T - 2019 - CPAD - 16x9.pptx
 
O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014O Filho_Lição_original com textos_232014
O Filho_Lição_original com textos_232014
 
5º módulo 1ª aula
5º módulo   1ª aula5º módulo   1ª aula
5º módulo 1ª aula
 
5º módulo 1ª aula
5º módulo   1ª aula5º módulo   1ª aula
5º módulo 1ª aula
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 043º trimestre 2015 juvenis lição 04
3º trimestre 2015 juvenis lição 04
 
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
 
Nistocremos pg
Nistocremos pgNistocremos pg
Nistocremos pg
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesuslição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
 
Testes e curiosidades bíblicas celso brasil
Testes e curiosidades bíblicas   celso brasilTestes e curiosidades bíblicas   celso brasil
Testes e curiosidades bíblicas celso brasil
 
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGRLição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
Lição_522016_a guerra visível e a invisível_GGR
 
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráterLIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
LIÇÃO 13 - Jesus cristo, o modelo supremo de caráter
 
Chamada e escolha
Chamada e escolhaChamada e escolha
Chamada e escolha
 
5 Lições do livro de Deuteronômio
5 Lições do livro de Deuteronômio5 Lições do livro de Deuteronômio
5 Lições do livro de Deuteronômio
 
Qual o segredo para...
Qual o segredo para...Qual o segredo para...
Qual o segredo para...
 
As grandes exclamações da biblia
As grandes exclamações da bibliaAs grandes exclamações da biblia
As grandes exclamações da biblia
 

Mais de Natalino das Neves Neves

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTONatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSNatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULONatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINANatalino das Neves Neves
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaNatalino das Neves Neves
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoNatalino das Neves Neves
 

Mais de Natalino das Neves Neves (20)

LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
LIÇÃO 13_A santa Ceia, o amor e a ressurreição (I Co 11-15)
 
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
LIÇÃO 12 - Da circuncisão e dos alimentos sacrificados aos ídolos (1 Co 7-8)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTOLIÇÃO 10 -  SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
LIÇÃO 10 - SEU CORPO É MEMBRO DE CRISTO
 
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOSLIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
LIÇÃO 9 - PAULO CENSURA A CONTENDA ENTRE IRMÃOS
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 8 -  A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 8 - A IMPUREZA DA IGREJA DE CORINTO
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PROJEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTOPRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
PRELEÇÃO_LIÇÃO 7 – É DEUS QUE DÁ O CRESCIMENTO
 
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PRELEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOSPROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
PROJEÇÃO_LIÇÃO 6 - A IMATURIDADE ESPIRITUAL DOS CORÍNTIOS
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULOPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 5 - O CARÁTER DA PREGAÇÃO DE PAULO
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PROJEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINAPRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
PRELEÇÃO_JOVENS_LIÇÃO 4 - A SABEDORIA DIVINA
 
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na IgrejaPROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
PROJEÇÃO_JOVENS_LIção 3 - Divisões na Igreja
 
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na IgrejaPRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
PRELEÇÃO_JOVENS_Lição 3 - Divisões na Igreja
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoProjeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Projeção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
2021 2 tri_lbj_licao_1_prelecao
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 

A resposta de Jesus às tentações no deserto

  • 1.
  • 2.
  • 3. Adquira o livro de apoio para subsidiar seus estudos, no site da CPAD (www.cpad.com.br), nas melhores livrarias ou como autor.
  • 4. TEXTO DO DIA “Então, o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos e o serviram” (Mt 4.11).
  • 5. SÍNTESE A narrativa da tentação de Jesus enaltece a importância do estudo sistemático da Bíblia como alicerce seguro à vida cristã.
  • 7. 1 Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. 2 e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome; 3 E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães. 4 Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. 5 Então o diabo o transportou à Cidade Santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo, 6 e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra.
  • 8. 7 Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus. 8 Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles. 9 E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10 Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás. 11 Então, o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos e o serviram.
  • 9. • A tendência é entendermos que a tentação de Jesus foi apenas um momento. • No entanto, a tentação foi um clima que marcou toda a sua vida e sua missão. • O meio de resposta de Jesus à tentação foi sempre foi a Palavra de Deus. • A Bíblia sustenta e fortalece a fé para a entrega total nas mãos do Pai e vitória sobre as tentações que provocam a injustiça e a desigualdade. INTRODUÇÃO
  • 10. I. A TENTAÇÃO DO SUSTENTO MATERIAL NO “DESERTO” (MT 4.1-4)
  • 11. • A primeira tentação de Jesus está relacionada com necessidade básicas de sobrevivência e confiança em Deus. • Ela está relacionada diretamente com o impulso do povo hebreu de infidelidade durante a caminhada no deserto (Dt 6-8). Introdução ao tópico
  • 12. • Todo ser humano tem necessidade básicas de sobrevivência e pode passar por momentos de crise. • Existe uma relação direta entre a narrativa de Mt 4.1-11 e a narrativa da travessia dos hebreus pelo deserto, em especial três capítulos de Deuteronômio (Dt 6-8). • Ver quadro comparativo: a) A relação de Mateus 4.1-4 com a caminhada dos hebreus no deserto
  • 13. QUADRO COMPARATIVO Mt 4.1-11 Dt 6 a 8 “Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo” (Mt 4.1). Deus conduz o povo ao deserto e o submete à prova (Dt 8.2-32). “e, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome” (Mt 4.2). “Subindo eu ao monte a receber as tábuas de pedra, as tábuas do concerto que o SENHOR fizera convosco, então fiquei no monte quarenta dias e quarenta noites; pão não comi e água não bebi” (Dt 9.9). “Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Mt 4.4). “E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem” (Dt 8.3). “e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra” (Mt 4.6). “E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem” (Sl 91.11-12). “Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus” (Mt 4.7). “Não tentareis o SENHOR, vosso Deus, como o tentastes em Massá” (Dt 6.16). “Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles” (Mt 4.8). “Então, subiu Moisés das campinas de Moabe ao monte Nebo, ao cume de Pisga, que está defronte de Jericó; e o SENHOR mostrou-lhe toda a terra, desde Gileade até Dã” (Dt 34.1) “Então, disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a ele servirás” (Mt 4.10). “SENHOR, teu Deus, temerás, e a ele servirás, e pelo seu nome jurarás” (Dt 6.13). (NEVES, 2017, P. 45-47)
  • 14. • No êxodo (saída do Egito, lugar de injustiça), os hebreus saíram com a incumbência de criarem uma sociedade justa, antes, tiveram de conviver com o deserto por 40 anos. • Deserto é lugar de fome (Mt 4.2-4), porém também é lugar de aliança, purificação e encontro com Deus (Ex 19.1ss; Os 2,16ss). • Na caminhada pelo deserto, o povo teve que demonstrar sua confiança na dependência da ação divina. b) A tentação de Israel no deserto por 40 anos
  • 15. • No entanto, muitos dentre o povo, nestas condições, colocaram em dúvida a proteção e o cuidado de Deus, tentando-o. • No momento da necessidade, duvidaram e murmuravam contra Deus (Ex 16.3-8), por isso ficaram pelo caminho. • Jesus, apesar da tentação no deserto, demonstrou sua confiança e reconheceu sua dependência de Deus. b) A tentação de Israel no deserto por 40 anos
  • 16. • Mateus narra que Jesus foi levado para ser tentado logo depois de seu batismo. • Após a revelação de sua filiação divina e uma “autorização” para iniciar sua missão. • Não parece ser desproposital essa sequência, pois as tentações de Jesus estão diretamente relacionadas quanto ao modo dele cumprir a sua missão como resgatador da humanidade. c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  • 17. • Advertência para que o cristão esteja atento em relação ao que pode impedir (injustiça e desigualdade) o reino da justiça e o cumprimento da missão solidária. • O Salvador da humanidade precisava se submeter às mesmas condições que a criatura a ser libertada (Hb 2.1,18; 4.15; 5.7-9). • O 40 dias de jejum recordam os 40 anos de Israel no deserto, antes de entrar na Terra Prometida. c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  • 18. • A narrativa do jejum por 40 dias não era uma inovação (Moisés - Dt 9.9,18; Ex 24.18; 34.28; Elias -1Rs19.8). • O ser humano não tem condições de se abster de alimento e água por 40 dias. • O número 40 é utilizado várias vezes na Bíblia (Gn 7.4,12; Ex 24.18; 34.26; Dt 9.9-11; 10.10; Nm 4.33; 32.13; Dt 8.2; 29.4; Mt 4.2; Mc 1.12; Lc 4.2; At 1.3; Dt 25.3; 2Cor 11.24; entre outras citações). • Quando se refere a dias ou anos, pode significar um período necessário e suficiente para determinada ação. c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  • 19. • Jesus foi desafiado como Filho de Deus a fazer uso de seus atributos divinos para satisfazer suas necessidades de natureza humana. • Isso comprometeria sua missão. • Jesus rebate: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” (Dt 8.3). • Se for oferecida alternativa para suprir suas necessidades materiais com violação dos princípios bíblicos, não ceda! c) A tentação de Jesus no deserto por 40 dias
  • 20. PENSE O povo hebreu e Jesus responderam de forma diferente quanto à prova do deserto. Jovem, e você, como tem se comportado quando passa pelo deserto?
  • 21. PONTO IMPORTANTE Conhecer as Escrituras foi fundamental para as respostas de Jesus ao adversário. A Palavra de Deus continua uma arma eficiente contra as tentações.
  • 22. II. A TENTAÇÃO DO USO DO “TEMPLO” PARA EXPLORAÇÃO (Mt 4.5-7)
  • 23. • Impressionante como um lugar considerado santo pode se tornar um lugar de tentação. • Infelizmente é isso que acontece ( uso indevido da Palavra e poder eclesiástico para benefício próprio). • Jesus deixa uma advertência: “Não tentarás ao Senhor teu Deus”! Introdução ao tópico
  • 24. • O pináculo demonstra a responsabilidade de estar no ponto mais alto do poder religioso. Quem está nessa posição muito pode fazer para o bem ou para o mal. • O diabo faz uso da própria Palavra de Deus para colocar dúvida. Ele cita o Sl 91, em que Deus promete proteger o justo. • Infelizmente muitos pregam um relacionamento mercantil com Deus, o famoso “toma-lá-dá-cá”. a) A tentação de mercantilizar a religião
  • 25. • A Bíblia deve ser interpretada como um todo. • Jesus afirma que todas as pessoas passam por aflições, mesmo seus discípulos (Jo 16.33). • A teologia da retribuição, protótipo da atual teologia da prosperidade, já estava presente no livro de Jó. • A sociedade contemporânea é, basicamente, uma sociedade de consumo, tendo como principais características o imediatismo e a busca desenfreada do “TER’. a) A tentação de mercantilizar a religião
  • 26. • Características que têm determinado a vida de algumas pessoas e influenciado as práticas teológicas. • A teologia consumista é o oposto da teologia pregada por Jesus, que privilegiava a solidariedade, a vida em comunidade, simples e sem excesso de consumo. • O diabo propôs a Jesus fazer uso de sua intimidade com Deus em seu benefício próprio, porém ele recusou e preferiu se colocar na dependência de Deus. a) A tentação de mercantilizar a religião
  • 27. • Jesus cita Dt 6.16 “não tentarás o Senhor, teu Deus”, demonstrando a seriedade que é tentar “manipular” Deus. • Muitos requerem, como se pudessem, exibição de Deus. Se comportam como “crianças mimadas”. • Creem em Deus na teoria, mas são “ateus” na prática. b) A tentação de fazer de Deus um instrumento de capricho e ostentação
  • 28. • A prática de legitimar a autoridade dos discursos por meio de supostas revelações e visões é antiga. • As pessoas que buscam a prosperidade egoísta alimentam esse processo. • A educação cristã deve ocupar uma postura profética contra esta prática. • Jesus denunciou a prática religiosa opressora e abusiva. b) A tentação de fazer de Deus um instrumento de capricho e ostentação
  • 29. PENSE As práticas religiosas podem levar as pessoas para mais perto de Deus ou distanciá-las, se for para benefício próprio. Jovem, qual tem sido sua opção?
  • 30. PONTO IMPORTANTE Jesus, maior exemplo de quem ajudou a muitos e tinha autoridade em seus discursos, nunca usou essas qualificações para seu benefício próprio.
  • 31. III. A TENTAÇÃO DO USO INDEVIDO DO PODER (MT 4.8-11)
  • 32. • O risco de dar lugar ao impulso de desfrutar das glórias do mundo, em detrimento da adoração ao Deus verdadeiro. • Jesus se deparou com vários momentos que impulsionariam a tomada do poder, mas não cedeu a essa tentação. Introdução ao tópico
  • 33. • A última tentação está relacionada à idolatria. • O lugar da tentação agora é um monte muito alto. • As montanhas altas tinham um significado especial nas tradições do povo israelita (Gn 22.2-18); 1Rs 19.8; entre outros). • Do monte escolhido se dá uma visão de todos os reinos. Não existe um monte com essa característica (analogia). a) O poder dos impérios e reinos do mundo
  • 34. • O texto dá a entender que o adversário do Reino dos céus domina os reinos do mundo. • Que mundo é esse? A esfera da vida política, social, econômica e religiosa quotidiana. • Embora criado por Deus e objeto dos propósitos de Deus (Sl 24,1), é reclamado pelo diabo e com necessidade de salvação (5,14; 13,38; 24,21)”. • Ditado popular: “Fulano fez um pacto como diabo”. a) O poder dos impérios e reinos do mundo
  • 35. • Cultura judaica da centralidade de Sião estava relacionada com o centro da adoração de todos os povos. • Um poder centralizador assim seria visado por muitos. • O ser humano tem tendência pelo gosto do poder e de ser bajulado. Essa é uma tentação que precisa ser constantemente monitorada. b) O poder idolátrico das glórias dos reinos do mundo
  • 36. • Tentação de “pensar fazer o bem”. Estar sincronizado com Deus para não ser enganado pelo mal, pensando fazer o bem. • Jesus estava consciente do caminho a ser seguido para cumprir sua missão e atender os propósitos de Deus. • Ele chegou á glorificação porque passou pela cruz. • A vitória sobre a tentação trouxe a possibilidade de libertação para toda humanidade. b) O poder idolátrico das glórias dos reinos do mundo
  • 37. PENSE Jovem, reflita sobre o motivo que leva muitas pessoas que começam bem intencionadas a obra de Deus, mas como o aumento do poder, elas se perdem.
  • 38. PONTO IMPORTANTE Jesus estava consciente que para cumprir sua missão e os propósitos de Deus deveria trilhar pacientemente o caminho da cruz e não da glória humana.
  • 39. Nesta lição aprendemos que: 1. A fidelidade à Deus deve preceder a satisfação pessoal e de bens materiais; 2. Deus não pode ser tentado e seu nome não deve ser usado em benefício próprio; 3. Não se deve buscar a glória, mas glorificar à Deus. 4. Todas as pessoas passam pelo modelo das tentações de Jesus. O caminho da vitória também é o mesmo. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • 40. LIÇÕES BÍBLICAS DE JOVENS. Seu Reino não Terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. 1 TRI 2018. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. NEVES, Natalino das. Educação Cristã Libertadora. São Paulo: Fonte Editorial, 2013. NEVES, Natalino das. Seu Reino não terá Fim: vida e obra de Jesus, segundo o Evangelho de Mateus. Rio de Janeiro: CPAD, 2017. REFERÊNCIAS
  • 41. Pr. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br Facebook: www.facebook.com/natalino.neves Contatos: natalino6612@gmail.com (41) 98409 8094 (TIM)