SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 72
A TENTAÇÃO
DE JESUS
2º Trimestre de 2015
Lição 4
Pr. Gerson Eller
TEXTO ÁUREO
2
"Porque não temos um sumo
sacerdote que não possa
compadecer-se das nossas
fraquezas; porém um que, como
nós, em tudo foi tentado, mas sem
pecado."
(Hb 4.15)
VERDADE PRÁTICA
3
Jesus firmou-se na Palavra
de Deus para vencer
Satanás. Assim devemos
agir para obter a vitória.
4
5
OBJETIVO GERAL
• Mostrar que Jesus foi tentado,
mas venceu toda tentação
pelo poder da Palavra de Deus.
6
OBJETIVOS
7
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
• Compreender a realidade da
tentação.
• Explicar como Jesus venceu a
tentação de ser saciado.
• Saber como Jesus venceu a tentação
de ser celebrado.
• Analisar as artimanhas do Inimigo
para que Jesus cedesse à tentação
de ser notado.
8
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
1. Uma realidade humana.
2. Vencendo a tentação.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
1. A sutileza da tentação
2.Gratificação pessoal.
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
1. O príncipe deste mundo.
2. A busca pelo poder terreno.
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
1. A artimanha do Inimigo.
2. A busca pelo prestígio.
Esboço da Lição
9
Ponto Central
• A tentação é uma
realidade, mas em Jesus
podemos vencê-la.
10
11
A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg
1.13-15)
• Assim, antes de ser
efetivamente consumada, a
transgressão passa por um
processo de gestação
interior no ser humano.
12
1. A tentação é humana.
• Portanto, a origem da tentação está nos
desejos humanos e jamais no Altíssimo,
"porque Deus [...] a ninguém tenta".
A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg
1.13-15)
• O texto bíblico é claro ao dizer que "cada
um é tentado, quando atraído e engodado
pela sua própria concupiscência" (v.14).
13
2. Atração pela própria concupiscência.
A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg
1.13-15)
• A tentação exterioriza o
vício, os desejos, a
malignidade da natureza
humana, isto é, a
concupiscência.
• Ser tentado é sentir-se
aliciado pela própria malícia
ou os sentimentos mais
reclusos de nossa natureza
má.
14
2. Atração pela própria concupiscência.
15
16
INTRODUÇÃO
• A tentação é uma realidade com a qual
todo crente, em algum momento, irá
se deparar. Não existe ninguém que
seja imune à tentação, pois até mesmo
Jesus, o homem perfeito, foi tentado!
A resposta à tentação não é, portanto,
negá-la, mas enfrentá-la à luz da
Palavra de Deus.
17
INTRODUÇÃO
• Nesta lição iremos aprender como
Jesus enfrentou a tentação e derrotou
Satanás. Veremos a sutileza do Diabo
em tentar o Filho de Deus em um
momento de extrema carência e
necessidade física, e como o Filho do
Homem o derrotou ao dizer "não" a
cada uma de suas propostas. Por fim,
destacaremos que a vitória de Jesus é
também a nossa.
18
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
1. Uma realidade humana.
2. Vencendo a tentação.
19
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
20
1. Uma realidade humana.
• Já foram assinalados em
comentários anteriores que
devemos levar em conta o fato
bíblico e teológico incontestável
de que Jesus Cristo é verdadeiro
Deus e verdadeiro homem.
• Como Deus, não podia ser
tentado, mas como homem,
mesmo sendo perfeito, sim (Jo
17.5; Fp 2.5-11; Hb 2.17).
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
21
1. Uma realidade humana.
• No mistério da encarnação,
Jesus não perdeu a sua
natureza divina, nem
tampouco os atributos da
divindade, mas, como diz a
tradução americana de
Philips, Ele "abdicou de seus
privilégios" (Fp 2.7).
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
22
1. Uma realidade humana.
• Como homem Ele foi tentado em
todas as coisas, assim como nós,
porém, não transgrediu (Hb
4.15).
• À luz do ensino bíblico, portanto,
a tentação de Jesus Cristo foi
real e não apenas uma
encenação. O homem perfeito,
Jesus, foi tentado em tudo, mas
não pecou! (1 Pe 2.22)
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
23
2. Vencendo a tentação.
• Lucas revela que Cristo foi
conduzido pelo Espírito Santo ao
deserto para ser tentado pelo
Diabo.
• Jesus, em sua condição humana,
foi capacitado pelo Espírito Santo
para enfrentar Satanás.
• A capacitação de poder sobre
Jesus revela o lado messiânico da
sua missão.
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
24
2. Vencendo a tentação.
• Na teologia lucana, o Messias
seria revestido pelo Espírito
para realizar a obra de Deus,
e isso incluía desfazer as
obras do Diabo.
• A vitória de Jesus
sobre a tentação é
também a nossa
vitória.
I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO
25
2. Vencendo a tentação.
• Jesus, o homem perfeito, venceu a sedução do pecado:
com oração,
com a Palavra e
por andar no Espírito.
Todos os que estão em Cristo podem sim,
também, vencer a tentação (1 Co 10.13).
SINOPSE DO TÓPICO (1)
26
A tentação é uma realidade
para todos os filhos de
Deus.
SUBSÍDIO TEOLÓGICO
27
• "O Diabo tentou o Filho do homem, mas
também o Filho de Deus. Foi uma disputa
entre Jesus, cheio do Espírito Santo, e o
acusador dos homens. O Diabo tinha vencido,
com Adão e Eva. Ele tinha esperanças de
triunfar sobre Jesus" (ROBERTSON, A. T.
Comentário de Lucas: À Luz do Novo
Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013,
p. 80).
CONHEÇA MAIS
28
*O jejum
"Segundo a leitura médica, trinta a
quarenta dias de completo jejum exaure as
energias do corpo, causa fome intensa e
aproxima o indivíduo da exaustão. Mesmo
neste estado de fraqueza, Jesus
permaneceu fiel ao compromisso. Confiou
e agiu de acordo com a Palavra de Deus."
Leia mais em Guia do Leitor da Bíblia, CPAD,
p. 655
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
1. A sutileza da tentação
2.Gratificação pessoal.
29
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• A primeira tentação de Jesus se
dá na esfera dos apetites. A essa
tentação Jesus respondeu:
"Escrito está que nem só de pão
viverá o homem" (Lc 4.3,4).
• O Diabo, por certo, sabia que
por ocasião do batismo de Jesus,
Deus, o Pai, falara-lhe da sua
filiação divina (Lc 3.22).
30
1. A sutileza da tentação.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• Jesus, como o homem perfeito que era,
precisava enfrentar a tentação em sua
condição humana, e não fazer uso de seus
atributos divinos como queria o Diabo.
31
1. A sutileza da tentação.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• Como Filho de Deus que era,
evidentemente Jesus poderia
usar os atributos da divindade
para transformar todo aquele
deserto em pão.
• Todavia, se assim procedesse,
negaria a sua missão de homem
perfeito.
32
1. A sutileza da tentação.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• Quer o Diabo estimule um
apetite legítimo, quer não, o seu
alvo é sempre o mesmo -
colocar tropeços no
caminho do servo de
Deus.
33
1. A sutileza da tentação.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• Depois de 40 dias de jejum total, Jesus,
sem dúvida alguma, encontrava-se
debilitado fisicamente.
• Todo o seu ser, por certo, exigia ser
saciado. Tanto a água quanto o pão são
elementos necessários para a
manutenção do corpo.
34
2.Gratificação pessoal.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• Não há, portanto, nada de
errado com o desejo de comer
ou beber.
• Todavia, se esse desejo é
apenas para uma gratificação
pessoal, como queria o Diabo,
então ele se converte em
pecado.
35
2.Gratificação pessoal.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• Satanás queria que Jesus visse
as coisas materiais como sendo
mais necessárias do que as
espirituais. Jesus mostra que
mais importante do que o pão
material era o pão espiritual, a
Palavra de Deus.
36
2.Gratificação pessoal.
II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO
• Ainda hoje, o Diabo usa a
mesma artimanha quando
convence os homens de que
ter abundância, fartura ou
prosperidade material é
melhor do que desfrutar da
comunhão com Deus.
37
2.Gratificação pessoal.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
38
Jesus foi tentado a
satisfazer sua necessidade
de ser saciado.
39
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
1. O príncipe deste mundo.
2. A busca pelo poder terreno.
40
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
• No texto de Lucas 4.5-8, o Diabo
oferece a Jesus domínio sobre os
reinos do mundo.
• Jesus não contestou as palavras
de Satanás quando este afirmou
que possuía autoridade sobre
este mundo (Lc 4.6).
41
1. O príncipe deste mundo.
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
1. De fato, o próprio Cristo afirmou que Satanás é
o príncipe deste mundo (Jo 16.11).
2. O apóstolo João nos diz que "o mundo está no
maligno" (1 Jo 5.19).
3. E o apóstolo Paulo diz que o Diabo é "príncipe
das potestades do ar" (Ef 2.2).
42
1. O príncipe deste mundo.
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
• Vivemos em um mundo caído e
com um sistema iníquo, mas,
assim como Jesus Cristo, não
fazemos parte dele (Jo 8.23; 17.9;
18.36).
• É lamentável quando crentes não
apenas vivem de acordo com os
padrões deste mundo, mas
também ficam totalmente
comprometidos com ele.
43
1. O príncipe deste mundo.
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
• Por trás desse sistema iníquo
existe toda uma filosofia de
domínio.
• Esse poder pode estar
presente tanto na esfera
material como na espiritual.
• É a busca pela glória e poder
terreno.
44
2. A busca pelo poder terreno.
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
• O Diabo sabe que o desejo de ser
celebrado, de ser chamado
"senhor", é algo que fascina os
homens.
• Satanás sabia que derrubaria Adão
se o convencesse de que ele
poderia se tornar poderoso ao
adquirir conhecimento.
45
2. A busca pelo poder terreno.
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
• Adão acreditou que até
mesmo poderia ser como
Deus (Gn 3.5). A isca foi
lançada e Adão a engoliu! O
Diabo por certo acreditava
que o mesmo aconteceria
com Jesus, o Filho do
Homem. Mas Jesus não se
dobrou diante de Satanás.
46
2. A busca pelo poder terreno.
III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO
• Por certo, muitos estão
exercitando poder e domínio
neste mundo, mas
provavelmente também
estão se curvando diante de
Satanás.
47
2. A busca pelo poder terreno.
SINOPSE DO TÓPICO (3)
48
Como homem, Jesus foi
tentado a buscar honra e
celebração para si.
SUBSÍDIO TEOLÓGICO
49
• "A segunda tentação é a oferta que Inimigo fez a Jesus de autoridade
sobre os reinos da terra (Lc 4.5-8). Num momento de tempo, ele traz à
presença de Jesus todos os reinos do mundo. Afirma que eles lhes foram
dados e que ele tem o direito de dispor deles como quiser. A afirmação do
Diabo é meia-verdade. Embora ele tenha grande poder (Jo 12.31; 14.30),
não tem autoridade para dar a Jesus os reinos do mundo e a glória deles.
Ele promete que Jesus pode se tornar o governante da terra se tão
somente Ele o adorar. Satanás tenta ludibriar Jesus para obter poder
político e estabelecer um reino no mundo maior que o dos romanos.
• O Reino que Jesus veio estabelecer é muito diferente. É um reino no qual
Deus reina, e é formado por homens e mulheres livres da escravidão do
pecado e de Satanás" (Comentário Bíblico Pentecostal. Vol 1. 1.ed. Rio de
Janeiro, CPAD, p.338).
50
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
1. A artimanha do Inimigo.
2. A busca pelo prestígio.
51
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
• O Diabo não desiste nas primeiras
derrotas e arrisca tentar Jesus mais
uma vez com seu jargão predileto:
"Se tu és" (Lc 4.9).
• Todavia, agora ele acrescenta a
frase: "porque está escrito" (Lc
4.10).
52
1. A artimanha do Inimigo.
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
• Satanás tenta derrotar
Jesus usando a Bíblia!
• Evidentemente que ele
usa o Salmo 91 fora do
seu contexto!
53
1. A artimanha do Inimigo.
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
• Quando a Palavra do Senhor
tem exatamente o sentido do
que o Criador disse, então ela
é de fato a Palavra dEle.
• Porém, quando passa a
possuir um sentido particular,
isto é, que Deus não disse,
não é mais a Palavra dEle,
mas palavras de Satanás.
54
1. A artimanha do Inimigo.
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
55
1. A artimanha do Inimigo.
• A Bíblia usada fora do
seu contexto, como fez o
Diabo e as seitas que ele
criou, não é a Palavra de
Deus, mas uma arma do
Maligno.
• É preciso muito cuidado
quando se vê alguém
manusear a Bíblia. Pode
ser que esse "manuseio"
não esteja a serviço de
Deus!
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
• Quando o Diabo quer ver a
queda de alguém, procura
levá-lo até o ponto mais alto
(Lc 4.9). É a tentação de ser
visto, de ser notado.
56
2. A busca pelo prestígio.
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
• Era algo muito tentador
saber que dezenas, talvez
centenas de pessoas,
estariam ali para ver e
aplaudir aquela cena com
características
cinematográficas.
• Jesus não se dobrou frente
aos apelos de Satanás.
57
2. A busca pelo prestígio.
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
• Jesus não se dobrou frente
aos apelos de Satanás.
• Há um reconhecimento e
uma fama que são bíblicas e
não há nada pecaminoso
nisso (Gn 12.2; 2 Sm 7.9).
Todavia, quando o desejo
por publicidade se torna um
fim em si mesmo, então
passa-se a fazer o jogo do
Diabo.
58
2. A busca pelo prestígio.
IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO
• Infelizmente, muitos não
medem esforços para se
exibir. Isso é pecado, mesmo
que seja na esfera religiosa
ou espiritual.
59
2. A busca pelo prestígio.
SINOPSE DO TÓPICO (4)
60
Jesus venceu a tentação de
ser notado pelos homens.
Tentação
Necessidade
utilizada na
tentação
Possível dúvida
Fraqueza que
procurou
explorar
As respostas de
Jesus
Fazer pão
Necessidade
física: fome
Deus proveria a
comida?
Fome,
impaciência
Dt 8.3 -
Depender de
Deus. Enfoque:
“O propósito de
Deus.”
Desafiar (tentar)
a Deus
Necessidade
emocional:
segurança
Deus
protegeria?
Orgulho,
insegurança,
necessidade de
testar Deus
Dt 6.16 – Não
tentar Deus.
Enfoque: “O
plano de Deus”
Adorar a
Satanás
Necessidade
psicológica:
importância,
poder,
realização.
Deus
governaria?
Desejo pelo
poder
rapidamente,
soluções fáceis
Dt 6.13 – Não
transigir com o
mal. Enfoque: “A
pessoa de Deus
62
63
64
SUBSÍDIO TEOLÓGICO
65
• "A terceira tentação tem a ver com provar a verdade da promessa
de Deus (Lc 4.9-12). Jesus se deixa levar voluntariamente com o
maligno até o ponto mais alto do templo. A localização precisa no
templo é incerta, mas do ponto mais alto do templo Satanás instiga
Jesus a pular: 'Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo' (v. 9).
• A sugestão dele é esta: 'Antes de tu te dispores em tua missão, é
melhor que te certifiques da proteção de Deus. Então, por que não
pulas e não te asseguras de que Deus tomará conta de Ti?' O
maligno foi refutado duas vezes com as Escrituras, então ele cita o
Salmo 91.11,12 para garantir que Deus o protegerá de qualquer
dano. Este é um exemplo de torcer as Escrituras para servir a um
propósito, pois o Salmo 91 não garante que Deus fará milagres sob
as condições que estipularmos" (Comentário Bíblico Pentecostal.
Vol 1. 1.ed. Rio de Janeiro, CPAD, p.338).
Conclusão
• Jesus venceu Satanás no deserto e em todas as outras
situações em que o confrontou durante o seu ministério
terreno (Lc 4.1-13; 10.18,19).
• Na cruz do Calvário, o Filho de Deus derrotou Satanás de
forma definitiva (Cl 2.15; Hb 2.14).
• Posteriormente, o apóstolo Paulo ensinaria à Igreja que
todos aqueles que se encontram em Cristo também
participam dessa vitória (Ef 1.20-22; 2.6).
• Em Cristo somos mais do que vencedores (Rm 8.37; 1 Co
15.57), todavia, como cristãos criteriosos, não devemos
subestimar o mal (Lc 22.31-34).
66
Perguntas
67
De que forma a lição explica a tentação
de Jesus?
Ela explica que a tentação é uma realidade
humana. Como homem Jesus também sofreu
várias tentações. Porém, Ele venceu todas.
Perguntas
68
Qual foi a primeira tentação de Jesus?
A primeira tentação foi a sugestão do Diabo de
Jesus transformar as pedras do deserto em
pães. Ele sabia que Jesus estava em jejum e,
certamente, estava com fome.
Perguntas
69
Qual foi a segunda tentação?
A segunda tentação foi a oferta que o Diabo fez
a Jesus de autoridade sobre os reinos da terra
(Lc 4.5-8).
Perguntas
70
Satanás tentou derrotar Jesus usando até
mesmo o quê?
Ele usou até mesmo a Palavra de Deus.
Porém, que fique claro, o Diabo utilizou a
Palavra de Deus de forma errada, fora do seu
contexto.
Perguntas
71
Quando Jesus derrotou Satanás de forma
definitiva?
Quando da sua morte e ressurreição na cruz
do calvário.
72

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneMárcio Martins
 
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaLição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaÉder Tomé
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéÉder Tomé
 
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteLição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteÉder Tomé
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Daniel Junior
 
Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.João Campos
 
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey MalphursCurso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey MalphursRobson Santana
 
LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO
LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO
LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO Rogério Silva
 
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de DeusLição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de DeusÉder Tomé
 
A Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoA Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoMárcio Martins
 
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdfMarina de Morais
 
Aula 04 e 05 provérbios
Aula 04 e 05   provérbiosAula 04 e 05   provérbios
Aula 04 e 05 provérbiosPastor W. Costa
 
Lição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a Ele
Lição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a EleLição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a Ele
Lição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a EleÉder Tomé
 

Mais procurados (20)

Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
Os três campos de batalha parte 1 - NA MENTE
Os três campos de batalha   parte 1 - NA MENTEOs três campos de batalha   parte 1 - NA MENTE
Os três campos de batalha parte 1 - NA MENTE
 
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humanaLição 02 - Pecado: uma realidade humana
Lição 02 - Pecado: uma realidade humana
 
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de FéLição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
Lição 11 - A Importância da Bíblia como única regra de Fé
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteLição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
 
A história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igrejaA história dos avivamentos da igreja
A história dos avivamentos da igreja
 
Treinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliaresTreinamento obreiros e auxiliares
Treinamento obreiros e auxiliares
 
Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)Estudo 3 (Maturidade)
Estudo 3 (Maturidade)
 
Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.Cura interior a luz da palavra.
Cura interior a luz da palavra.
 
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey MalphursCurso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
Curso Fazendo Discípulos Estrategicamente - Adaptado de Aubrey Malphurs
 
LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO
LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO
LIÇÃO 3 - ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO
 
Estudo biblico 22
Estudo biblico 22Estudo biblico 22
Estudo biblico 22
 
10. O Livro de Josué
10. O Livro de Josué10. O Livro de Josué
10. O Livro de Josué
 
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de DeusLição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
Lição 9 – Conhecendo a Armadura de Deus
 
A Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter CristãoA Formação do Caráter Cristão
A Formação do Caráter Cristão
 
Manual de Discipulador
Manual de DiscipuladorManual de Discipulador
Manual de Discipulador
 
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
 
Aula 04 e 05 provérbios
Aula 04 e 05   provérbiosAula 04 e 05   provérbios
Aula 04 e 05 provérbios
 
Lição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a Ele
Lição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a EleLição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a Ele
Lição 2 - Deus cuida dos que se dedicam a Ele
 

Destaque (20)

A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
Lição 2 - O propósito da tentação.
Lição 2 - O propósito da tentação.Lição 2 - O propósito da tentação.
Lição 2 - O propósito da tentação.
 
A tentação de Jesus - Lição 04 - 2º/2015
A tentação de Jesus - Lição 04 - 2º/2015A tentação de Jesus - Lição 04 - 2º/2015
A tentação de Jesus - Lição 04 - 2º/2015
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
LIÇÃO 04 - A TENTAÇÃO DE JESUS
LIÇÃO 04 - A TENTAÇÃO DE JESUSLIÇÃO 04 - A TENTAÇÃO DE JESUS
LIÇÃO 04 - A TENTAÇÃO DE JESUS
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesuslição 4 A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
A TENTAÇÃO NO DESERTO
A TENTAÇÃO NO DESERTOA TENTAÇÃO NO DESERTO
A TENTAÇÃO NO DESERTO
 
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIALIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
 
lição 4 A tentação de Jesus
lição 4  A tentação de Jesuslição 4  A tentação de Jesus
lição 4 A tentação de Jesus
 
Lição 12ª Santa Ceia
Lição 12ª  Santa CeiaLição 12ª  Santa Ceia
Lição 12ª Santa Ceia
 
Cateq pt 13
Cateq pt 13Cateq pt 13
Cateq pt 13
 
A vida pública de Jesus
A vida pública de JesusA vida pública de Jesus
A vida pública de Jesus
 
A ultima ceia apresentação
A ultima ceia apresentaçãoA ultima ceia apresentação
A ultima ceia apresentação
 
A Ceia do Senhor
A Ceia do SenhorA Ceia do Senhor
A Ceia do Senhor
 
Aula 03 a ceia do senhor - santidade para o site
Aula 03   a ceia do senhor - santidade para o siteAula 03   a ceia do senhor - santidade para o site
Aula 03 a ceia do senhor - santidade para o site
 
A Ceia do Senhor - Apresentação
A Ceia do Senhor - ApresentaçãoA Ceia do Senhor - Apresentação
A Ceia do Senhor - Apresentação
 
Slide santa ceia
Slide santa ceiaSlide santa ceia
Slide santa ceia
 
Santa Ceia do Senhor
Santa Ceia do SenhorSanta Ceia do Senhor
Santa Ceia do Senhor
 
Biografia de Jesus Cristo
Biografia de Jesus CristoBiografia de Jesus Cristo
Biografia de Jesus Cristo
 
Vida pública de jesus
Vida pública de jesusVida pública de jesus
Vida pública de jesus
 

Semelhante a A TENTAÇÃO DE JESUS

A tentação de Jesus
A tentação de Jesus A tentação de Jesus
A tentação de Jesus Quenia Damata
 
EBJ - Encontro 01/07/2012
EBJ - Encontro 01/07/2012EBJ - Encontro 01/07/2012
EBJ - Encontro 01/07/2012EBJ IPBCP
 
Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)
Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)
Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)Ramon S da Costa
 
Jovens25 lição07
Jovens25   lição07Jovens25   lição07
Jovens25 lição07ipbjn
 
Lição 10 Vencendo as Tentações
Lição 10   Vencendo as TentaçõesLição 10   Vencendo as Tentações
Lição 10 Vencendo as TentaçõesWander Sousa
 
Pai nosso 6 - Tema 01/07/12
Pai nosso 6 - Tema 01/07/12Pai nosso 6 - Tema 01/07/12
Pai nosso 6 - Tema 01/07/12EBJ IPBCP
 
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisasMilagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisasFrancelia Carvalho Oliveira
 
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesLição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesHamilton Souza
 
Há um milagre em sua casa
Há um milagre em sua casaHá um milagre em sua casa
Há um milagre em sua casaMoisés Sampaio
 
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De JovensLição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De JovensThauan Soares
 
Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018Natalino das Neves Neves
 
Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?
Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?
Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?Éder Tomé
 
Recapitulando e orando sem cessar
Recapitulando e orando sem cessarRecapitulando e orando sem cessar
Recapitulando e orando sem cessarVilma Longuini
 

Semelhante a A TENTAÇÃO DE JESUS (20)

A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
Aula o3
Aula o3Aula o3
Aula o3
 
A tentação de Jesus
A tentação de Jesus A tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
02 Corrigindo 5 Distorcoes
02 Corrigindo 5 Distorcoes02 Corrigindo 5 Distorcoes
02 Corrigindo 5 Distorcoes
 
EBJ - Encontro 01/07/2012
EBJ - Encontro 01/07/2012EBJ - Encontro 01/07/2012
EBJ - Encontro 01/07/2012
 
Como o inimigo age em nossas vidas part 1 2
Como  o inimigo age em nossas vidas part 1 2Como  o inimigo age em nossas vidas part 1 2
Como o inimigo age em nossas vidas part 1 2
 
Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)
Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)
Jesus: a tentação ( Jesus and the desert temptation)
 
Jovens25 lição07
Jovens25   lição07Jovens25   lição07
Jovens25 lição07
 
Lição 10 Vencendo as Tentações
Lição 10   Vencendo as TentaçõesLição 10   Vencendo as Tentações
Lição 10 Vencendo as Tentações
 
Pai nosso 6 - Tema 01/07/12
Pai nosso 6 - Tema 01/07/12Pai nosso 6 - Tema 01/07/12
Pai nosso 6 - Tema 01/07/12
 
Aula 13.2
Aula 13.2Aula 13.2
Aula 13.2
 
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisasMilagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
Milagres no nosso tempo - Tempo para todas as coisas
 
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e AtitudesLição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
Lição 7 – Tentação – A Batalha por nossas Escolhas e Atitudes
 
A vitória na tentação
A vitória na tentaçãoA vitória na tentação
A vitória na tentação
 
Há um milagre em sua casa
Há um milagre em sua casaHá um milagre em sua casa
Há um milagre em sua casa
 
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De JovensLição 4  -  A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
Lição 4 - A Tentação de Jesus - Classe De Jovens
 
Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Lição 4 - A tentação de Jesus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
 
7 segredos para transformar a derrota em vitória
7 segredos para transformar a derrota em vitória7 segredos para transformar a derrota em vitória
7 segredos para transformar a derrota em vitória
 
Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?
Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?
Lição 12 - É Possível Vencer a Tentação ?
 
Recapitulando e orando sem cessar
Recapitulando e orando sem cessarRecapitulando e orando sem cessar
Recapitulando e orando sem cessar
 

Mais de Pr. Gerson Eller

Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Pr. Gerson Eller
 
Quem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaQuem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaPr. Gerson Eller
 
O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.Pr. Gerson Eller
 
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasLição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasPr. Gerson Eller
 
José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoPr. Gerson Eller
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSPr. Gerson Eller
 
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
Lição 07    eu sei em quem tenho cridoLição 07    eu sei em quem tenho crido
Lição 07 eu sei em quem tenho cridoPr. Gerson Eller
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos geraisPr. Gerson Eller
 
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioLição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioPr. Gerson Eller
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconosPr. Gerson Eller
 
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãsLição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãsPr. Gerson Eller
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaPr. Gerson Eller
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSPr. Gerson Eller
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosPr. Gerson Eller
 
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosO poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosPr. Gerson Eller
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePr. Gerson Eller
 

Mais de Pr. Gerson Eller (20)

Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
 
Familia
FamiliaFamilia
Familia
 
Quem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaQuem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrja
 
O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.
 
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasLição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
 
José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonho
 
O tribunal de cristo
O tribunal de cristoO tribunal de cristo
O tribunal de cristo
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
 
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
Lição 07    eu sei em quem tenho cridoLição 07    eu sei em quem tenho crido
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos gerais
 
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioLição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
 
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãsLição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
 
A última Ceia
A última CeiaA última Ceia
A última Ceia
 
JESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIROJESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIRO
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos Discipulos
 
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosO poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 

A TENTAÇÃO DE JESUS

  • 1. A TENTAÇÃO DE JESUS 2º Trimestre de 2015 Lição 4 Pr. Gerson Eller
  • 2. TEXTO ÁUREO 2 "Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado." (Hb 4.15)
  • 3. VERDADE PRÁTICA 3 Jesus firmou-se na Palavra de Deus para vencer Satanás. Assim devemos agir para obter a vitória.
  • 4. 4
  • 5. 5
  • 6. OBJETIVO GERAL • Mostrar que Jesus foi tentado, mas venceu toda tentação pelo poder da Palavra de Deus. 6
  • 7. OBJETIVOS 7 Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Compreender a realidade da tentação. • Explicar como Jesus venceu a tentação de ser saciado. • Saber como Jesus venceu a tentação de ser celebrado. • Analisar as artimanhas do Inimigo para que Jesus cedesse à tentação de ser notado.
  • 8. 8
  • 9. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 1. Uma realidade humana. 2. Vencendo a tentação. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO 1. A sutileza da tentação 2.Gratificação pessoal. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO 1. O príncipe deste mundo. 2. A busca pelo poder terreno. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO 1. A artimanha do Inimigo. 2. A busca pelo prestígio. Esboço da Lição 9
  • 10. Ponto Central • A tentação é uma realidade, mas em Jesus podemos vencê-la. 10
  • 11. 11
  • 12. A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15) • Assim, antes de ser efetivamente consumada, a transgressão passa por um processo de gestação interior no ser humano. 12 1. A tentação é humana. • Portanto, a origem da tentação está nos desejos humanos e jamais no Altíssimo, "porque Deus [...] a ninguém tenta".
  • 13. A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15) • O texto bíblico é claro ao dizer que "cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência" (v.14). 13 2. Atração pela própria concupiscência.
  • 14. A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (Tg 1.13-15) • A tentação exterioriza o vício, os desejos, a malignidade da natureza humana, isto é, a concupiscência. • Ser tentado é sentir-se aliciado pela própria malícia ou os sentimentos mais reclusos de nossa natureza má. 14 2. Atração pela própria concupiscência.
  • 15. 15
  • 16. 16
  • 17. INTRODUÇÃO • A tentação é uma realidade com a qual todo crente, em algum momento, irá se deparar. Não existe ninguém que seja imune à tentação, pois até mesmo Jesus, o homem perfeito, foi tentado! A resposta à tentação não é, portanto, negá-la, mas enfrentá-la à luz da Palavra de Deus. 17
  • 18. INTRODUÇÃO • Nesta lição iremos aprender como Jesus enfrentou a tentação e derrotou Satanás. Veremos a sutileza do Diabo em tentar o Filho de Deus em um momento de extrema carência e necessidade física, e como o Filho do Homem o derrotou ao dizer "não" a cada uma de suas propostas. Por fim, destacaremos que a vitória de Jesus é também a nossa. 18
  • 19. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 1. Uma realidade humana. 2. Vencendo a tentação. 19
  • 20. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 20 1. Uma realidade humana. • Já foram assinalados em comentários anteriores que devemos levar em conta o fato bíblico e teológico incontestável de que Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem. • Como Deus, não podia ser tentado, mas como homem, mesmo sendo perfeito, sim (Jo 17.5; Fp 2.5-11; Hb 2.17).
  • 21. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 21 1. Uma realidade humana. • No mistério da encarnação, Jesus não perdeu a sua natureza divina, nem tampouco os atributos da divindade, mas, como diz a tradução americana de Philips, Ele "abdicou de seus privilégios" (Fp 2.7).
  • 22. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 22 1. Uma realidade humana. • Como homem Ele foi tentado em todas as coisas, assim como nós, porém, não transgrediu (Hb 4.15). • À luz do ensino bíblico, portanto, a tentação de Jesus Cristo foi real e não apenas uma encenação. O homem perfeito, Jesus, foi tentado em tudo, mas não pecou! (1 Pe 2.22)
  • 23. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 23 2. Vencendo a tentação. • Lucas revela que Cristo foi conduzido pelo Espírito Santo ao deserto para ser tentado pelo Diabo. • Jesus, em sua condição humana, foi capacitado pelo Espírito Santo para enfrentar Satanás. • A capacitação de poder sobre Jesus revela o lado messiânico da sua missão.
  • 24. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 24 2. Vencendo a tentação. • Na teologia lucana, o Messias seria revestido pelo Espírito para realizar a obra de Deus, e isso incluía desfazer as obras do Diabo. • A vitória de Jesus sobre a tentação é também a nossa vitória.
  • 25. I - A REALIDADE DA TENTAÇÃO 25 2. Vencendo a tentação. • Jesus, o homem perfeito, venceu a sedução do pecado: com oração, com a Palavra e por andar no Espírito. Todos os que estão em Cristo podem sim, também, vencer a tentação (1 Co 10.13).
  • 26. SINOPSE DO TÓPICO (1) 26 A tentação é uma realidade para todos os filhos de Deus.
  • 27. SUBSÍDIO TEOLÓGICO 27 • "O Diabo tentou o Filho do homem, mas também o Filho de Deus. Foi uma disputa entre Jesus, cheio do Espírito Santo, e o acusador dos homens. O Diabo tinha vencido, com Adão e Eva. Ele tinha esperanças de triunfar sobre Jesus" (ROBERTSON, A. T. Comentário de Lucas: À Luz do Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, p. 80).
  • 28. CONHEÇA MAIS 28 *O jejum "Segundo a leitura médica, trinta a quarenta dias de completo jejum exaure as energias do corpo, causa fome intensa e aproxima o indivíduo da exaustão. Mesmo neste estado de fraqueza, Jesus permaneceu fiel ao compromisso. Confiou e agiu de acordo com a Palavra de Deus." Leia mais em Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p. 655
  • 29. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO 1. A sutileza da tentação 2.Gratificação pessoal. 29
  • 30. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • A primeira tentação de Jesus se dá na esfera dos apetites. A essa tentação Jesus respondeu: "Escrito está que nem só de pão viverá o homem" (Lc 4.3,4). • O Diabo, por certo, sabia que por ocasião do batismo de Jesus, Deus, o Pai, falara-lhe da sua filiação divina (Lc 3.22). 30 1. A sutileza da tentação.
  • 31. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • Jesus, como o homem perfeito que era, precisava enfrentar a tentação em sua condição humana, e não fazer uso de seus atributos divinos como queria o Diabo. 31 1. A sutileza da tentação.
  • 32. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • Como Filho de Deus que era, evidentemente Jesus poderia usar os atributos da divindade para transformar todo aquele deserto em pão. • Todavia, se assim procedesse, negaria a sua missão de homem perfeito. 32 1. A sutileza da tentação.
  • 33. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • Quer o Diabo estimule um apetite legítimo, quer não, o seu alvo é sempre o mesmo - colocar tropeços no caminho do servo de Deus. 33 1. A sutileza da tentação.
  • 34. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • Depois de 40 dias de jejum total, Jesus, sem dúvida alguma, encontrava-se debilitado fisicamente. • Todo o seu ser, por certo, exigia ser saciado. Tanto a água quanto o pão são elementos necessários para a manutenção do corpo. 34 2.Gratificação pessoal.
  • 35. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • Não há, portanto, nada de errado com o desejo de comer ou beber. • Todavia, se esse desejo é apenas para uma gratificação pessoal, como queria o Diabo, então ele se converte em pecado. 35 2.Gratificação pessoal.
  • 36. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • Satanás queria que Jesus visse as coisas materiais como sendo mais necessárias do que as espirituais. Jesus mostra que mais importante do que o pão material era o pão espiritual, a Palavra de Deus. 36 2.Gratificação pessoal.
  • 37. II - A TENTAÇÃO DE SER SACIADO • Ainda hoje, o Diabo usa a mesma artimanha quando convence os homens de que ter abundância, fartura ou prosperidade material é melhor do que desfrutar da comunhão com Deus. 37 2.Gratificação pessoal.
  • 38. SINOPSE DO TÓPICO (2) 38 Jesus foi tentado a satisfazer sua necessidade de ser saciado.
  • 39. 39
  • 40. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO 1. O príncipe deste mundo. 2. A busca pelo poder terreno. 40
  • 41. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO • No texto de Lucas 4.5-8, o Diabo oferece a Jesus domínio sobre os reinos do mundo. • Jesus não contestou as palavras de Satanás quando este afirmou que possuía autoridade sobre este mundo (Lc 4.6). 41 1. O príncipe deste mundo.
  • 42. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO 1. De fato, o próprio Cristo afirmou que Satanás é o príncipe deste mundo (Jo 16.11). 2. O apóstolo João nos diz que "o mundo está no maligno" (1 Jo 5.19). 3. E o apóstolo Paulo diz que o Diabo é "príncipe das potestades do ar" (Ef 2.2). 42 1. O príncipe deste mundo.
  • 43. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO • Vivemos em um mundo caído e com um sistema iníquo, mas, assim como Jesus Cristo, não fazemos parte dele (Jo 8.23; 17.9; 18.36). • É lamentável quando crentes não apenas vivem de acordo com os padrões deste mundo, mas também ficam totalmente comprometidos com ele. 43 1. O príncipe deste mundo.
  • 44. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO • Por trás desse sistema iníquo existe toda uma filosofia de domínio. • Esse poder pode estar presente tanto na esfera material como na espiritual. • É a busca pela glória e poder terreno. 44 2. A busca pelo poder terreno.
  • 45. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO • O Diabo sabe que o desejo de ser celebrado, de ser chamado "senhor", é algo que fascina os homens. • Satanás sabia que derrubaria Adão se o convencesse de que ele poderia se tornar poderoso ao adquirir conhecimento. 45 2. A busca pelo poder terreno.
  • 46. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO • Adão acreditou que até mesmo poderia ser como Deus (Gn 3.5). A isca foi lançada e Adão a engoliu! O Diabo por certo acreditava que o mesmo aconteceria com Jesus, o Filho do Homem. Mas Jesus não se dobrou diante de Satanás. 46 2. A busca pelo poder terreno.
  • 47. III - A TENTAÇÃO DE SER CELEBRADO • Por certo, muitos estão exercitando poder e domínio neste mundo, mas provavelmente também estão se curvando diante de Satanás. 47 2. A busca pelo poder terreno.
  • 48. SINOPSE DO TÓPICO (3) 48 Como homem, Jesus foi tentado a buscar honra e celebração para si.
  • 49. SUBSÍDIO TEOLÓGICO 49 • "A segunda tentação é a oferta que Inimigo fez a Jesus de autoridade sobre os reinos da terra (Lc 4.5-8). Num momento de tempo, ele traz à presença de Jesus todos os reinos do mundo. Afirma que eles lhes foram dados e que ele tem o direito de dispor deles como quiser. A afirmação do Diabo é meia-verdade. Embora ele tenha grande poder (Jo 12.31; 14.30), não tem autoridade para dar a Jesus os reinos do mundo e a glória deles. Ele promete que Jesus pode se tornar o governante da terra se tão somente Ele o adorar. Satanás tenta ludibriar Jesus para obter poder político e estabelecer um reino no mundo maior que o dos romanos. • O Reino que Jesus veio estabelecer é muito diferente. É um reino no qual Deus reina, e é formado por homens e mulheres livres da escravidão do pecado e de Satanás" (Comentário Bíblico Pentecostal. Vol 1. 1.ed. Rio de Janeiro, CPAD, p.338).
  • 50. 50
  • 51. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO 1. A artimanha do Inimigo. 2. A busca pelo prestígio. 51
  • 52. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO • O Diabo não desiste nas primeiras derrotas e arrisca tentar Jesus mais uma vez com seu jargão predileto: "Se tu és" (Lc 4.9). • Todavia, agora ele acrescenta a frase: "porque está escrito" (Lc 4.10). 52 1. A artimanha do Inimigo.
  • 53. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO • Satanás tenta derrotar Jesus usando a Bíblia! • Evidentemente que ele usa o Salmo 91 fora do seu contexto! 53 1. A artimanha do Inimigo.
  • 54. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO • Quando a Palavra do Senhor tem exatamente o sentido do que o Criador disse, então ela é de fato a Palavra dEle. • Porém, quando passa a possuir um sentido particular, isto é, que Deus não disse, não é mais a Palavra dEle, mas palavras de Satanás. 54 1. A artimanha do Inimigo.
  • 55. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO 55 1. A artimanha do Inimigo. • A Bíblia usada fora do seu contexto, como fez o Diabo e as seitas que ele criou, não é a Palavra de Deus, mas uma arma do Maligno. • É preciso muito cuidado quando se vê alguém manusear a Bíblia. Pode ser que esse "manuseio" não esteja a serviço de Deus!
  • 56. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO • Quando o Diabo quer ver a queda de alguém, procura levá-lo até o ponto mais alto (Lc 4.9). É a tentação de ser visto, de ser notado. 56 2. A busca pelo prestígio.
  • 57. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO • Era algo muito tentador saber que dezenas, talvez centenas de pessoas, estariam ali para ver e aplaudir aquela cena com características cinematográficas. • Jesus não se dobrou frente aos apelos de Satanás. 57 2. A busca pelo prestígio.
  • 58. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO • Jesus não se dobrou frente aos apelos de Satanás. • Há um reconhecimento e uma fama que são bíblicas e não há nada pecaminoso nisso (Gn 12.2; 2 Sm 7.9). Todavia, quando o desejo por publicidade se torna um fim em si mesmo, então passa-se a fazer o jogo do Diabo. 58 2. A busca pelo prestígio.
  • 59. IV - A TENTAÇÃO DE SER NOTADO • Infelizmente, muitos não medem esforços para se exibir. Isso é pecado, mesmo que seja na esfera religiosa ou espiritual. 59 2. A busca pelo prestígio.
  • 60. SINOPSE DO TÓPICO (4) 60 Jesus venceu a tentação de ser notado pelos homens.
  • 61. Tentação Necessidade utilizada na tentação Possível dúvida Fraqueza que procurou explorar As respostas de Jesus Fazer pão Necessidade física: fome Deus proveria a comida? Fome, impaciência Dt 8.3 - Depender de Deus. Enfoque: “O propósito de Deus.” Desafiar (tentar) a Deus Necessidade emocional: segurança Deus protegeria? Orgulho, insegurança, necessidade de testar Deus Dt 6.16 – Não tentar Deus. Enfoque: “O plano de Deus” Adorar a Satanás Necessidade psicológica: importância, poder, realização. Deus governaria? Desejo pelo poder rapidamente, soluções fáceis Dt 6.13 – Não transigir com o mal. Enfoque: “A pessoa de Deus
  • 62. 62
  • 63. 63
  • 64. 64
  • 65. SUBSÍDIO TEOLÓGICO 65 • "A terceira tentação tem a ver com provar a verdade da promessa de Deus (Lc 4.9-12). Jesus se deixa levar voluntariamente com o maligno até o ponto mais alto do templo. A localização precisa no templo é incerta, mas do ponto mais alto do templo Satanás instiga Jesus a pular: 'Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo' (v. 9). • A sugestão dele é esta: 'Antes de tu te dispores em tua missão, é melhor que te certifiques da proteção de Deus. Então, por que não pulas e não te asseguras de que Deus tomará conta de Ti?' O maligno foi refutado duas vezes com as Escrituras, então ele cita o Salmo 91.11,12 para garantir que Deus o protegerá de qualquer dano. Este é um exemplo de torcer as Escrituras para servir a um propósito, pois o Salmo 91 não garante que Deus fará milagres sob as condições que estipularmos" (Comentário Bíblico Pentecostal. Vol 1. 1.ed. Rio de Janeiro, CPAD, p.338).
  • 66. Conclusão • Jesus venceu Satanás no deserto e em todas as outras situações em que o confrontou durante o seu ministério terreno (Lc 4.1-13; 10.18,19). • Na cruz do Calvário, o Filho de Deus derrotou Satanás de forma definitiva (Cl 2.15; Hb 2.14). • Posteriormente, o apóstolo Paulo ensinaria à Igreja que todos aqueles que se encontram em Cristo também participam dessa vitória (Ef 1.20-22; 2.6). • Em Cristo somos mais do que vencedores (Rm 8.37; 1 Co 15.57), todavia, como cristãos criteriosos, não devemos subestimar o mal (Lc 22.31-34). 66
  • 67. Perguntas 67 De que forma a lição explica a tentação de Jesus? Ela explica que a tentação é uma realidade humana. Como homem Jesus também sofreu várias tentações. Porém, Ele venceu todas.
  • 68. Perguntas 68 Qual foi a primeira tentação de Jesus? A primeira tentação foi a sugestão do Diabo de Jesus transformar as pedras do deserto em pães. Ele sabia que Jesus estava em jejum e, certamente, estava com fome.
  • 69. Perguntas 69 Qual foi a segunda tentação? A segunda tentação foi a oferta que o Diabo fez a Jesus de autoridade sobre os reinos da terra (Lc 4.5-8).
  • 70. Perguntas 70 Satanás tentou derrotar Jesus usando até mesmo o quê? Ele usou até mesmo a Palavra de Deus. Porém, que fique claro, o Diabo utilizou a Palavra de Deus de forma errada, fora do seu contexto.
  • 71. Perguntas 71 Quando Jesus derrotou Satanás de forma definitiva? Quando da sua morte e ressurreição na cruz do calvário.
  • 72. 72