2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS

4.116 visualizações

Publicada em

Subsídios elaborados pelo Ev. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.116
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
217
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2014 3 TRI LIÇÃO 6 - A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS

  1. 1. LIÇÕES BÍBLICAS - CPAD 3º TRIMESTRE DE 2014 LIÇÃO 6 A Verdadeira Fé Não Faz Acepção de Pessoas Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  2. 2. ACESSE O VÍDEO COM OS COMENTÁRIOS REFERENTE A ESTE ARQUIVO EM UM DOS ENDEREÇOS ABAIXO: www.natalinodasneves.blogspot.com.br www.redemaoamiga.com.br
  3. 3. "Todavia, se cumprirdes, conforme a Escritura, a lei real: Amarás a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis. Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado e sois redarguidos pela lei como transgressores" (Tg 2.8,9). TEXTO ÁUREO
  4. 4. Não podemos fazer acepção de pessoas, pois o Senhor não fez conosco. Lições Bíblicas - CPAD VERDADE PRÁTICA
  5. 5. 1- Meus irmãos, não tenhais a fé de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas. 2 - Porque, se no vosso ajuntamento entrar algum homem com anel de ouro no dedo, com vestes preciosas, e entrar também algum pobre com sórdida vestimenta, 3 - e atentardes para o que traz a veste preciosa e lhe disserdes: Assenta-te tu aqui, num lugar de honra, e disserdes ao pobre: Tu, fica aí em pé ou assenta-te abaixo do meu estrado, 4 - porventura não fizestes distinção dentro de vós mesmos e não vos fizestes juízes de maus pensamentos? 5 - Ouvi, meus amados irmãos. Porventura, não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam? 6 - Mas vós desonrastes o pobre. Porventura, não vos oprimem os ricos e não vos arrastam aos tribunais? LEITURA BÍBLICA – Tg 2.1-13
  6. 6. 7 - Porventura, não blasfemam eles o bom nome que sobre vós foi invocado? 8 - Todavia, se cumprirdes, conforme a Escritura, a lei real: Amarás a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis. 9 - Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado e sois redargüidos pela lei como transgressores. 10 - Porque qualquer que guardar toda a lei e tropeçar em um só ponto tornou-se culpado de todos. 11 - Porque aquele que disse: Não cometerás adultério, também disse: Não matarás. Se tu, pois, não cometeres adultério, mas matares, estás feito transgressor da lei. 12 - Assim falai e assim procedei, como devendo ser julgados pela lei da liberdade. 13 - Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; e a misericórdia triunfa sobre o juízo. LEITURA BÍBLICA – Tg 2.1-13
  7. 7. INTRODUÇÃO
  8. 8. INTRODUÇÃO • Tiago condena os favoritismos que discriminam. • O cuidado com o julgamento pela aparência (física, posição social, status, a bagagem intelectual, entre outras). • Porque Tiago afirma que Deus escolheu os pobres? Deus faz acepção? • O reino de Deus é para todas as pessoas que queiram fazer parte dele.
  9. 9. I. FÉ DEMONSTRADA PELA NÃO ACEPÇÃO DE PESSOAS
  10. 10. I. FÉ DEMONSTRADA PELA NÃO ACEPÇÃO DE PESSOAS (Tg 2.1-4) • É possível haver acepção de pessoas na igreja? • Veja o exemplo da igreja de Corinto na liturgia que promove a comunhão dos membros da igreja (1 Co 11.17-34). • Será que os destinatários de Tiago faziam acepção de pessoas? • Comunidade cristã primitiva: pobre ter dignidade e o rico se orgulhar de perder sua posição social. • “Juízes de maus pensamentos" = julgamento de acordo com a condição social.
  11. 11. “[...] não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos" (Cl 3.11). “[...] não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus" (Gl 3.28).
  12. 12. APLICAÇÃO PRÁTICA Como você trata pessoas de condições sociais diferentes? Você faz acepção de pessoas? Existem favoritismos devido as condições sociais das pessoas em sua congregação?
  13. 13. II. DEUS ESCOLHEU OS POBRES AOS OLHOS DO MUNDO
  14. 14. II. DEUS ESCOLHEU OS POBRES AOS OLHOS DO MUNDO • Tiago afirma que Deus escolheu os pobres para serem salvos, herdeiros de seu reino (v. 5)? Ele exclui os ricos? • "Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?“ (Tg 2.5) • "Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o reino de Deus" (Lc 6.20).
  15. 15. II. DEUS ESCOLHEU OS POBRES AOS OLHOS DO MUNDO • Jesus veio para evangelizar somente os pobres? • “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração” (Lc 4.18). • O sistema do mundo favorece os opressores (ricos), mas Deus vem em defesa dos oprimidos (pobres). Ver o que diz Tiago 2.5-6.
  16. 16. II. DEUS ESCOLHEU OS POBRES AOS OLHOS DO MUNDO • Desonrar o pobre é pecado! Tiago acusa seus destinatários por desonrarem o pobre (v. 6). • Deus reprova a discriminação social na igreja. A liderança pode influenciar tanto de forma negativa como positiva. • Bíblia: Deus é revelado como Aquele que está voltado para os pobre e os fracos.
  17. 17. II. DEUS ESCOLHEU OS POBRES AOS OLHOS DO MUNDO • A classe dominante distorce essa verdade. A transformação social não lhe interessa, por isso o discurso do Reino de Deus e “interpretado” como escatológico e para o pós-morte. “Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33) • O desprezo pelo pobre é um desprezo para com o próprio Deus.
  18. 18. “Religião pura e sem mancha diante de Deus, nosso Pai, é esta: socorrer os órfãos e viúvas em aflição, e manter-se livre da corrupção do mundo” (Tg 1.27).
  19. 19. III. A LEI REAL, A LEI MOSAICA E A LEI DA LIBERDADE
  20. 20. III. A LEI REAL, A LEI MOSAICA E A LEI DA LIBERDADE (Tg 2.8-13 • O autor busca o critério último para condenar o favoritismo que despreza o pobre em favor do rico: “Se cumprirem a lei mais importante da Escritura: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’, vocês estarão agindo bem. Mas se vocês fazem diferença entre as pessoas, estão cometendo pecado, e a Lei os condena como culpados” (Tg 2.8-9) • Nesse contexto o próximo é o pobre. • No versos 10 a 11, o autor mostra que ele vê esse mandamento como resumo e ápice de toda a Lei.
  21. 21. O amor ao próximo e o coração de toda lei: "A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei. [...] O amor não faz mal ao próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor" (Rm 13.8,10).
  22. 22. III. A LEI REAL, A LEI MOSAICA E A LEI DA LIBERDADE (Tg 2.8-13 • Só o amor é capaz de impedir quaisquer tipos de discriminação. Quem ama, não precisa da lei (Gl 5.23). • Mesmo que respeitassem a Lei judaica inteira, ao desrespeitar a lei do amor ao próximo desrespeita-se a Lei inteira. Eles faziam acepção de pessoas, portanto estavam em pecado. • A Lei da Liberdade é o Evangelho. A conduta em relação ao próximo é que demonstrará quem é, de fato, liberto em Cristo ou quem é escravo do pecado.
  23. 23. APLICAÇÃO PRÁTICA Qual tem sido a sua conduta em relação ao próximo? Sua conduta condiz com uma pessoa liberta em Cristo ou como uma pessoa que é escrava do pecado?
  24. 24. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  25. 25. A fé cristã deve ser demonstrada por meio da não acepção de pessoas.
  26. 26. Deus escolheu aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do Reino.
  27. 27. A conduta em relação ao próximo é que demonstrará quem é, de fato, liberto em Cristo ou quem é escravo do pecado.
  28. 28. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger. Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2004. ASLAN, Reza. Zelota: a Vida e a Época de Jesus de Nazaré. Rio de Janeiro: Zahar, 2013. BROWN, Raumond E.; FITZMYER, Roland E. Murphy. Novo Comentário Bíblico São Jerônimo: Antigo Testamento. São Paulo: Ed. Academia Cristã Ltda; Paulus, 2007. ERICKSON, Millard J. Introdução à Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 2008. HENRY, Matthew. Comentário Bíblico Novo Testamento: Atos a Apocalipse. Edição Completa. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
  29. 29. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS JOSEFO, Flávio. História dos Hebreus. Rio de Janeiro: CPAD, 2000 RICHARDS, Lawrence O. Comentário Devocional da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. STORNIOLO, Ivo. Como ler a Carta de Tiago: a fé e a prática do Evangelho. 5ª reimpressão. São Paulo: Paulus, 2013. STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004. VINE, W. E.; UNGER, Merril F.; WHITE JR, William. Dicionário Vine. Rio de Janeiro: CPAD, 2002.
  30. 30. IEADSJP – Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais www.adsaojosedospinhais.com.br www.redemaoamiga.com.br Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva Pr. Vice Presidente: Elson Pereira Comentários: Ev. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br natalino6612@gmail.com (41)8409 8094 / 3076 3589
  31. 31. FAVOR COMPARTILHAR.

×