Murilo mendes: Biografia

1.040 visualizações

Publicada em

https://www.facebook.com/nandop157
Bora me seguir ai meu povoo!!!!!

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.040
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
416
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Murilo mendes: Biografia

  1. 1. Murilo Mendes
  2. 2. Biografia • Murilo Mendes (1901-1975) nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais, onde fez os estudos secundários. Foi bancário, inspetor de ensino e funcionário da Justiça, antes de se mudar para Europa, em 1953. Ali trabalhou como professor de literatura brasileira, lecionando em vários países, como: Bélgica, Holanda, Itália, Espanha e Portugal, nos quais conheceu artistas de quase todo o mundo. Não gostava de pertencer a grupos fechados, e por isso era um franco atirador, que seguia apenas uma lógica interna, e experimentava com as diversas tendências .
  3. 3. • Visto no Brasil como escritor difícil. O estranhamento que sua poesia provoca deve-se à linguagem fragmentada, às imagens insólitas, à visão messiânica do mundo e à simbologia própria. • Considerado por alguns como o principal representante da poesia surrealista no Brasil, Murilo Mendes é autor de uma obra que está longe de poder receber uma classificação taxativa . Ela é o resultado das múltiplas experiências pelas quais o autor passou: o cristianismo, o surrealismo, a poesia social, o neobarroquismo e o experimentalismo linguístico.
  4. 4. Principais Características de suas obras • Murilo Mendes iniciou-se na literatura escrevendo nas revistas modernistas Terra Roxa, Outras Terras e Antropofagia. • Sua obra de estreia foi Poemas, publicada em 1930: a dilaceração do eu em conflito, a presença constante de metáforas e símbolos, a inclinação para o surrealismo e os contrastes entre abstrato e concreto, lucidez e delírio, realidade e mito. • Em 1930, Murilo escreveu a obra Bumba-meu poeta, publicada em 1959: tomou contato com o marxismo, que demonstra solidariedade para com a base operaria.
  5. 5. • Em 1932, publicou História do Brasil: uma obra de fundo nacionalista, que retrata nossa história sob um ponto de vista ufanista-irônico. • Logo depois foi publicada a obra Visionário: em que se observa muitas sugestões surrealistas, em meio a uma acentuada atmosfera onírica. • Tempo e Eternidade (1935) marca a conversão de Murilo Mendes ao catolicismo. Nesse livro, os elementos humorísticos diminuem e os valores visuais do texto são acentuados. Foi escrito em colaboração com o poeta Jorge de Lima. Cria, assim, um conceito particular de religiosidade, unido à arte e a um senso prático da vida, erotismo, democracia e socialismo. Tem como exemplo este poema:
  6. 6. Filiação Eu sou da raça do Eterno. Fui criado no princípio E desdobrado em muitas gerações Através do espaço e do tempo. Sinto-me acima das bandeiras, Tropeçando em cabeças de chefes. Caminho no mar, na terra e no ar. Eu sou da raça do Eterno, Do amor que unirá todos os homens: Vinde a mim, órfãos da poesia, Choremos sobre o mundo mutilado.
  7. 7. • Em 1954, foi publicada a obra Contemplação de Ouro Preto, em que Murilo Mendes alterou sua linguagem e suas preocupações, reportando-se às velhas cidades mineiras e sua atmosfera. • Em suas ultimas obras Siciliana, Tempo Espanhol, Convergência são frequentes os neologismos, a exploração dos sinais gráficos e do espaço da página, a construção assintática, a oposição fonético-semântica e outros procedimentos de pesquisa linguística. Por exemplo: Astronave Astroneve Astronive Astronovo Astronuvem Astronável
  8. 8. Obras de Murilo Mendes • Poemas, 1930 • História do Brasil, 1932 • Tempo e Eternidade, 1935 (em colaboração com Jorge de Lima) • A Poesia em Pânico, 1938 • O Visionário, 1941 • As Metamorfoses, 1944 • O Discípulo de Emaús, prosa, 1944 • Mundo Enigma, 1945 • Poesia Liberdade, 1947 • Janela do Caos, 1948 • Contemplação de Ouro Preto, 1954 • Poesias, 1959 • Tempo Espanhol, 1959 • Poliedro, 1962 • Idade do Serrote, memórias, 1968 • Convergência, 1972 • Retrato Relâmpago, 1973 • Ipotesi, 1977 • A Invenção do Finito, 2002, póstuma • Janelas Verdes, 2003, póstuma
  9. 9. Obra principal: A poesia em Pânico Poema Espiritual Eu me sinto um fragmento de Deus Como sou um resto de raiz Um pouco de água dos mares O braço desgarrado de uma constelação. A matéria pensa por ordem de Deus, Transforma-se e evolui por ordem de Deus. A matéria variada e bela É uma das formas visíveis do invisível. Cristo, dos filhos do homem és o perfeito. Na Igreja há pernas, seios, ventres e cabelos Em toda a parte, até nos altares. Há grandes forças de matéria na terra no mar e no ar Que se entrelaçam e se casam reproduzindo Mil versões dos pensamentos divinos. A matéria é forte e absoluta, sem ela não há poesia.

×