Vinicius de Moraes: Biografia

1.657 visualizações

Publicada em

https://www.facebook.com/nandop157
Duvidas entre em contato pelo Facebook.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.657
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vinicius de Moraes: Biografia

  1. 1. Vinícius de Moraes
  2. 2. Biografia Marcus Vinícius da Cruz de Mello Moraes nasceu em 1913, no Rio de Janeiro, em uma família de intelectuais. Em 1928,começou a fazer suas primeiras composições musicais. Formou-se em letras em 1929 e em direito em 1933,ano em que publicou seu primeiro livro de poemas, O caminho para a distância .Tornou-se representante do Ministério de Educação junto a censura cinematográfica. Na década de 1940 ingressou na carreira diplomática e também no jornalismo, como cronista e crítico de cinema, Como diplomata, viveu durante muitos anos em Los Angeles, Paris e Montevidéu, com alguns intervalos no Brasil.
  3. 3. Nesse período, conheceu intelectuais e artistas de todo mundo. Na década de 1950,interessou-se por música de Câmera e popular e começou a compor. Em 1956,publicou a peça teatral Orfeu da Conceição, levada ao palco do teatro Municipal do Rio de Janeiro com grande sucesso. Marcus Vinícius de Mello Moraes morreu no Rio de Janeiro em 1980 com edema pulmonar.
  4. 4. Principaiscaracterísticasde suas Obras As características de suas obras sofreram variações e mudanças durante o tempo. •Inicialmente, Vinicius é um poeta místico-religioso, típico do Neossimbolismo, com as abstrações e levezas. •Após descobrir que seu país era composto de injustiçados e famintos, derivou para a temática social. •Porém, o traço mais forte e aplicado nas suas obras poéticas é o culto ao amor, sempre em relação a mulher amada, ou mesmo apenas desejada.
  5. 5. Soneto de Fidelidade De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento. E assim, quanto mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama. Eu possa me dizer do amor (que tive): Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure.

×