Clarice Lispector - A hora da estrela.

3.545 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.545
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
452
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Clarice Lispector - A hora da estrela.

  1. 1. A HORA DA ESTRELA CLARICE LISPECTOR Profa. Daniele Onodera
  2. 2. “Que há de se fazer com a verdade de que todo mundo é um pouco triste e um pouco só”.
  3. 3. “Passei a vida inteira tentando corrigir os erros que cometi na minha ânsia de acertar”.
  4. 4. •1926 - Nasce na Ucrânia e recém-nascida vem para o Brasil com a família; • 1934 – Muda-se de Recife para o Rio de Janeiro;
  5. 5. • 1943 – Forma-se na faculdade de Direito da Universidade do Brasil; • 1944 – Casada com um diplomata brasileiro passa alguns anos fora do Brasil (Itália, Suíça e EUA)
  6. 6. • 1959 – Separa-se do marido e volta ao Rio de Janeiro com os dois filhos; • 1977 – Morre de câncer, em dezembro, um dia antes de seu aniversário.
  7. 7. “Sem me surpreender não consigo escrever. E também porque, para mim, escrever é procurar”.
  8. 8. ENTRE SUAS OBRAS MAIS FAMOSAS ESTÃO: • Perto do Coração Selvagem (1944) • A paixão segundo G.H. (1961) • A hora da estrela (1977)
  9. 9. •Laços de Família (1960) • A Legião Estrangeira (1964) • Felicidade Clandestina (1971)
  10. 10. Escreveu também crônicas e literatura infantil
  11. 11. Modernismo da 3ª geração A autora, juntamente com Guimarães Rosa, empreende uma revolução na ficção brasileira.
  12. 12. LINGUAGEM  Face chocante do óbvio “Escrever é tantas vezes lembrar-se do que nunca existiu”.
  13. 13. LINGUAGEM  Preferência por jogos metafóricos
  14. 14. LINGUAGEM  Trabalho na clave do “como” e do “como se” “as coisas revivendo cheias de pressa como uma chaleira a ferver”
  15. 15. LINGUAGEM  A repetição é assumida como uma técnica e como um gosto pessoal
  16. 16. EPIFANIA Palavra de origem grega que significa “aparição”, “manifestação”.
  17. 17. EPIFANIA COMO SE CONCRETIZA NA LITERATURA? Fatos banais iluminação
  18. 18. EPIFANIA MOMENTOS EPIFÂNICOS EM CLARICE LISPECTOR Percepções crítica e decepcionantes náusea e tédio
  19. 19. FLUXO DE CONSCIÊNCIA
  20. 20. EXISTENCIALISMO Só o homem possui o poder de fazer ou escolher sua própria existência.
  21. 21. EXISTENCIALISMO No entanto, nos deparamos com a fragilidade e a contingência de nossas possibilidades.
  22. 22. EXISTENCIALISMO Quando tomamos consciência disso somos contagiados por aquilo que Sartre chamou de NÁUSEA (FORMA EMOCIONAL VIOLENTA DE ANGÚSTIA).
  23. 23. “O grito” de Edvard Munch
  24. 24. Pôster do filme
  25. 25. TEMÁTICA SOCIAL A autora sempre afirmou obsessivamente o fato de “ não saber expressar-se de um modo literário sobre o problema social”.
  26. 26. CONJUNÇÃO DE TRÊS HISTÓRIAS NO MESMO ENREDO
  27. 27. A PRIMEIRA HISTÓRIA A vida de Macabéa
  28. 28. A SEGUNDA HISTÓRIA A do próprio narrador que se reflete nessa protagonista
  29. 29. QUAL SERIA A TERCEIRA HISTÓRIA?
  30. 30. A HISTÓRIA DA PRÓPRIA NARRATIVA
  31. 31. Segunda o própria autora “A hora da estrela” é a história de uma “inocência pisada”.
  32. 32. • • • • • • MACABÉA RODRIGO S. M. OLÍMPICO DE JESUS GLÓRIA CARLOTA SEU RAIMUNDO
  33. 33. É possível encontrar em “A hora da estrela” elementos e imagens de outras narrativas da autora.
  34. 34. “HUMILHADOS E OFENDIDOS” de Dostoiévski (deixado por seu Raimundo sobre a mesa do escritório)
  35. 35. “Macabéa me matou. Ela estava enfim livre de si e de nós. Não vos assusteis, morrer é um instante, passa logo, eu sei porque acabo de morrer com a moça. (...) Viver é luxo”

×