SlideShare uma empresa Scribd logo

-A-circulacao-geral-da-atmosfera-10-º.pdf

Geografia 10ºano

1 de 6
Baixar para ler offline
A CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA
A CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA
Portugal
Portugal,
, localizando
localizando-
-se
se a uma
a uma latitude média de 40º Norte
latitude média de 40º Norte, na
, na zona dos climas temperados
zona dos climas temperados, situação que vai
, situação que vai condicionar as características climáticas
condicionar as características climáticas
do país
do país. Assim,
. Assim, no Verão e no Inverno
no Verão e no Inverno a
a influência de massas de ar
influência de massas de ar e de
e de faixas de pressão muito contrastadas
faixas de pressão muito contrastadas vão estar na
vão estar na origem de estados do
origem de estados do
tempo diversos
tempo diversos,
, marcados por um regime pluviométrico muito irregular
marcados por um regime pluviométrico muito irregular.
.
(1) A
(1) A atmosfera desempenha um papel fundamental nos processos que tornam possível a circulação da água no ciclo hidrológico, por se
atmosfera desempenha um papel fundamental nos processos que tornam possível a circulação da água no ciclo hidrológico, por se en
encontrar
contrar
em constante movimento
em constante movimento.
.
(2)
(2) A
A circulação geral da atmosfera resulta da combinação de causas térmicas e dinâmicas, que originam as diferenças de pressão atm
circulação geral da atmosfera resulta da combinação de causas térmicas e dinâmicas, que originam as diferenças de pressão atmosf
osférica
érica –
–
força que o ar exerce sobre a superfície terrestre
força que o ar exerce sobre a superfície terrestre, medida em milibares (
, medida em milibares (mb
mb) ou
) ou hectopascais
hectopascais (
(hPa
hPa) e cujo
) e cujo valor normal
valor normal, à superfície, é de
, à superfície, é de 1013
1013 mb
mb ou
ou hPa
hPa.
.
•
• A
A pressão atmosférica
pressão atmosférica representa
representa-
-se através das linhas
se através das linhas isobáras
isobáras ou isobáricas
ou isobáricas, que constituem linhas que unem pontos com o mesmo valor de pressão do
, que constituem linhas que unem pontos com o mesmo valor de pressão do
ar (ou atmosférica).
ar (ou atmosférica).
•
• A
A pressão atmosférica
pressão atmosférica, devido a múltiplos factores/causas,
, devido a múltiplos factores/causas, varia muito
varia muito,
, designando
designando-
-se a sua distribuição horizontal
se a sua distribuição horizontal, numa dada superfície, por
, numa dada superfície, por campo de
campo de
pressão
pressão. Nos campos de pressão, a
. Nos campos de pressão, a configuração
configuração (ou formato)
(ou formato) das isóbaras
das isóbaras determina o desenho de
determina o desenho de centros barométricos (ou de pressão)
centros barométricos (ou de pressão) que podem ser
que podem ser
de
de altas pressões
altas pressões, também designados por
, também designados por anticiclones
anticiclones ou de
ou de baixas pressões
baixas pressões, igualmente designados por
, igualmente designados por ciclones
ciclones ou
ou depressões barométricas
depressões barométricas (
(Doc. 1
Doc. 1).
).
Quando as isóbaras rodeiam zonas de
Quando as isóbaras rodeiam zonas de
pressão mais alta, dizemos que se
pressão mais alta, dizemos que se
Quando as isóbaras rodeiam zonas de
Quando as isóbaras rodeiam zonas de
pressão mais baixa, dizemos que se
pressão mais baixa, dizemos que se
(3)
(3) Num centro barométrico, a
Num centro barométrico, a diferença de pressão
diferença de pressão entre o centro e a periferia ou a diferença de pressão entre dois centros denomina
entre o centro e a periferia ou a diferença de pressão entre dois centros denomina-
-se
se gradiente
gradiente
barométrico
barométrico. As
. As diferenças horizontais de pressão estão na base dos movimentos do ar ou dos ventos
diferenças horizontais de pressão estão na base dos movimentos do ar ou dos ventos.
. O ar desloca
O ar desloca-
-se das altas para as baixas
se das altas para as baixas
pressões
pressões (
(Doc. 2
Doc. 2). Como tal, os
). Como tal, os anticiclones
anticiclones são
são centros de divergência de ar
centros de divergência de ar e os
e os ciclones
ciclones são
são centros de convergência
centros de convergência. Os movimentos do ar deviam ser
. Os movimentos do ar deviam ser
rectilíneos, ou seja, perpendiculares às isóbaras. Contudo, o movimento de rotação da Terra dá origem a uma força
rectilíneos, ou seja, perpendiculares às isóbaras. Contudo, o movimento de rotação da Terra dá origem a uma força –
– a
a força de
força de Coriolis
Coriolis –
–, razão pela qual,
, razão pela qual, no
no
Hemisfério Norte
Hemisfério Norte,
, nos anticiclones os ventos deslocam
nos anticiclones os ventos deslocam-
-se no sentidos dos ponteiros do relógio
se no sentidos dos ponteiros do relógio e nos ciclones deslocam
e nos ciclones deslocam-
-se em sentido contrário (
se em sentido contrário (Doc. 3
Doc. 3).
).
Nos anticiclones o ar diverge, nos ciclones o ar converge
Nos anticiclones o ar diverge, nos ciclones o ar converge (e, por outro lado, gerando movimentos verticais de compensação).
(e, por outro lado, gerando movimentos verticais de compensação).
pressão mais alta, dizemos que se
pressão mais alta, dizemos que se
trata de um
trata de um centro de alta pressão
centro de alta pressão
ou anticiclone (
ou anticiclone (A
A ou
ou +
+). A pressão
). A pressão
aumenta da periferia para o centro
aumenta da periferia para o centro
pressão mais baixa, dizemos que se
pressão mais baixa, dizemos que se
trata de um
trata de um centro de baixa
centro de baixa
pressão
pressão, depressão barométrica ou
, depressão barométrica ou
ciclone (
ciclone (B
B ou
ou -
-). A pressão
). A pressão diminui do
diminui do
centro para a periferia
centro para a periferia _________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 1
Doc. 1
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 2
Doc. 2
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 3
Doc. 3
(4)
(4) A
A pressão atmosférica
pressão atmosférica, entre diversos
, entre diversos factores/causas
factores/causas,
, varia
varia com a
com a altitude
altitude, com a
, com a temperatura
temperatura (
(Doc. 4
Doc. 4) e por
) e por causas dinâmicas
causas dinâmicas (
(Doc. 5
Doc. 5).
).
A temperatura é responsável por
A temperatura é responsável por
variações na pressão:
variações na pressão:

 com o
com o aumento térmico
aumento térmico verifica
verifica-
-se
se
uma “
uma “dilatação” do ar
dilatação” do ar (torna
(torna-
-se mais
se mais
leve), logo uma
leve), logo uma pressão menor
pressão menor

 com o
com o arrefecimento
arrefecimento o
o ar “contrai
ar “contrai-
-
se”
se” (torna
(torna-
-se mais denso e mais
se mais denso e mais
pesado), logo a
pesado), logo a pressão aumenta
pressão aumenta
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 4
Doc. 4
•
• Os centros barométricos estão na origem da circulação da atmosfera
Os centros barométricos estão na origem da circulação da atmosfera, já que
, já que o ar se desloca das altas para as baixas pressões
o ar se desloca das altas para as baixas pressões,
, mas
mas determinando
determinando
diferentes estados do tempo
diferentes estados do tempo.
.
•
• Nos anticiclones o ar desce e diverge, nos ciclones o ar converge e ascende
Nos anticiclones o ar desce e diverge, nos ciclones o ar converge e ascende (correspondendo a
(correspondendo a movimentos verticais de compensação
movimentos verticais de compensação).
).
Quando
Quando o ar está quente ou
o ar está quente ou
é forçado
é forçado a
a ascender/subir
ascender/subir,
,
a
a pressão diminui
pressão diminui originando
originando
um
um ciclone
ciclone (ou centro de
(ou centro de
baixas pressões)
baixas pressões)
Quando
Quando o ar está frio ou é
o ar está frio ou é
forçado
forçado a
a descer
descer, a
, a pressão
pressão
aumenta
aumenta originando um
originando um
anticiclone
anticiclone (ou centro de
(ou centro de
altas pressões)
altas pressões)
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 5
Doc. 5
(5)
(5) A
A pressão atmosférica influencia a formação de precipitações ou de tempo seco
pressão atmosférica influencia a formação de precipitações ou de tempo seco, devido à
, devido à acção dos centros de baixas e de altas pressões
acção dos centros de baixas e de altas pressões (
(Doc.
Doc.
6
6). Ou seja, devido à
). Ou seja, devido à circulação/movimento do ar no seu interior
circulação/movimento do ar no seu interior, os
, os centros de pressão
centros de pressão registam,
registam, estados do tempo característicos de cada um deles
estados do tempo característicos de cada um deles.
.
Centros de altas pressões
Centros de altas pressões
(anticiclones)
(anticiclones)

 A pressão aumenta da periferia
A pressão aumenta da periferia
para o centro. O movimento
para o centro. O movimento
vertical do ar é
vertical do ar é descendente
descendente e, à
e, à
superfície, é
superfície, é divergente
divergente;
;

 Ao descer, a temperatura do ar
Ao descer, a temperatura do ar
aumenta, não se dando a
aumenta, não se dando a
condensação do vapor de água.
condensação do vapor de água.
Assim, os anticiclones associam
Assim, os anticiclones associam-
-
se, geralmente, a
se, geralmente, a céu limpo e
céu limpo e
tempo seco
tempo seco
Centros de baixas pressões
Centros de baixas pressões
(ciclones)
(ciclones)

 A pressão diminui
A pressão diminui do centro
do centro
para a periferia.
para a periferia. O movimento do
O movimento do
ar, à superfície, é
ar, à superfície, é convergente
convergente e
e
o movimento vertical é
o movimento vertical é
ascendente
ascendente;
;

 Ao subir, a temperatura do ar
Ao subir, a temperatura do ar
diminui, o que provoca a
diminui, o que provoca a
condensação do vapor de água,
condensação do vapor de água,
formando
formando-
-se
se nuvens
nuvens que podem
que podem
originar
originar precipitação
precipitação. Assim, os
. Assim, os
ciclones associam
ciclones associam-
-se, geralmente,
se, geralmente,
a
a mau tempo
mau tempo
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
(6)
(6) Os
Os centros barométricos
centros barométricos (de altas ou baixas pressões) podem ser de
(de altas ou baixas pressões) podem ser de origem dinâmica
origem dinâmica ou de
ou de origem térmica
origem térmica . No primeiro
. No primeiro caso,
caso, têm
têm origem na
origem na
dinâmica da própria atmosfera
dinâmica da própria atmosfera, pelo
, pelo existem todo o ano
existem todo o ano,
, localizando
localizando-
-se sensivelmente às mesmas latitudes
se sensivelmente às mesmas latitudes, embora podendo apresentar
, embora podendo apresentar-
-se mais ou
se mais ou
menos activos e sofrer ligeiras oscilações para norte ou para sul, conforme as estações do ano. Os centros barométricos de
menos activos e sofrer ligeiras oscilações para norte ou para sul, conforme as estações do ano. Os centros barométricos de origem térmica dependem da
origem térmica dependem da
variação da temperatura do ar ao longo do ano
variação da temperatura do ar ao longo do ano, pelo
, pelo que não são permanentes
que não são permanentes.
.
•
• Os
Os centros de baixas pressões
centros de baixas pressões (ou depressões barométricas) podem ter
(ou depressões barométricas) podem ter origem
origem:
:
−
− térmica
térmica –
– o aquecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito quente, torna
o aquecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito quente, torna-
-o menos denso, provocando a sua ascensão. É
o menos denso, provocando a sua ascensão. É o que
o que
acontece, no Verão, no interior dos continentes e na Península Ibérica;
acontece, no Verão, no interior dos continentes e na Península Ibérica;
−
− dinâmica
dinâmica –
– a ascensão é provocada é provocada pela convergência de ar proveniente de direcções opostas. Os centros de baixas pressões su
a ascensão é provocada é provocada pela convergência de ar proveniente de direcções opostas. Os centros de baixas pressões subpolares
bpolares
formam
formam-
-se deste modo, resultando do encontro das massas de ar frio provenientes das regiões polares com as massas de ar quente t
se deste modo, resultando do encontro das massas de ar frio provenientes das regiões polares com as massas de ar quente tropicais.
ropicais.
•
• Também os
Também os centros de altas pressões
centros de altas pressões (ou anticiclones) podem ter
(ou anticiclones) podem ter origem
origem:
:
−
− térmica
térmica –
– o arrefecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito fria, torna
o arrefecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito fria, torna-
-o mais denso e pesado. É o que acontece, no
o mais denso e pesado. É o que acontece, no Inverno, no
Inverno, no
interior dos continentes e sobre a Península Ibérica;
interior dos continentes e sobre a Península Ibérica;
−
− dinâmica
dinâmica –
– resultam do movimento descendente do ar frio que se encontra a maior altitude. As altas pressões tropicais formam
resultam do movimento descendente do ar frio que se encontra a maior altitude. As altas pressões tropicais formam-
-se deste mo
se deste modo.
do.
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 6
Doc. 6
Ciclones
Ciclones
=
=
Mau tempo
Mau tempo
Anticiclones
Anticiclones
=
=
Bom tempo
Bom tempo
(7)
(7) Por razões térmicas e dinâmicas,
Por razões térmicas e dinâmicas, os
os centros de altas e baixas pressões dispõe
centros de altas e baixas pressões dispõe-
-se em faixas distintas mais ou menos paralelas a partir do equador
se em faixas distintas mais ou menos paralelas a partir do equador
em direcção aos pólos
em direcção aos pólos, ou seja,
, ou seja, em
em latitude
latitude (
(Doc
Doc.
. 7
7). Estes
). Estes centros de pressão
centros de pressão são
são permanentes
permanentes (dinâmicos), fazem
(dinâmicos), fazem-
-se sentir, de forma regular todo o ano.
se sentir, de forma regular todo o ano.
•
• É
É a acção dos centros de pressão
a acção dos centros de pressão que
que explica a circulação geral da atmosfera
explica a circulação geral da atmosfera (
(Doc. 8
Doc. 8):
):
−
− no
no equador
equador, devido à elevada temperatura, o ar sobe, formando
, devido à elevada temperatura, o ar sobe, formando-
-se
se baixas pressões
baixas pressões. Em altitude, o ar, já mais frio, dirige
. Em altitude, o ar, já mais frio, dirige-
-se para as regiões tropicais;
se para as regiões tropicais;
−
− sobre as
sobre as regiões subtropicais
regiões subtropicais, o ar desce, originando
, o ar desce, originando altas pressões
altas pressões e, à superfície, diverge em direcção ao equador e às latitudes médias (40º a 60º
e, à superfície, diverge em direcção ao equador e às latitudes médias (40º a 60º
Norte e Sul);
Norte e Sul);
−
− nas
nas latitudes médias
latitudes médias, o ar tropical encontra
, o ar tropical encontra-
-se com o ar que vem dos pólos, provocando um movimento ascendente e a formação de
se com o ar que vem dos pólos, provocando um movimento ascendente e a formação de baixas pressões
baixas pressões;
;
−
− nos
nos pólos
pólos, devido às baixas temperaturas, formam
, devido às baixas temperaturas, formam-
-se
se altas pressões
altas pressões e, por isso, o ar diverge à superfície, a partir dessas regiões.
e, por isso, o ar diverge à superfície, a partir dessas regiões.
(8)
(8) A circulação
A circulação geral da atmosfera origina
geral da atmosfera origina ventos
ventos constantes ou dominantes
constantes ou dominantes (
(Doc. 7
Doc. 7) que sopram durante todo o ano com a mesma direcção:
) que sopram durante todo o ano com a mesma direcção:
−
− os
os alíseos
alíseos –
– ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões equatoriais;
ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões equatoriais;
−
− os
os ventos de oeste
ventos de oeste –
– ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões subpolares, cujo sentido, influenciado pelo movimen
ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões subpolares, cujo sentido, influenciado pelo moviment
to de
o de
rotação da Terra, é predominantemente de oeste no hemisfério norte;
rotação da Terra, é predominantemente de oeste no hemisfério norte;
−
− os
os ventos polares ou de leste
ventos polares ou de leste –
– ar que se desloca das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares.
ar que se desloca das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares.
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 8
Doc. 8 -
- A circulação do
A circulação do
ar à superfície e em
ar à superfície e em
altitude/vertical
altitude/vertical
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 7
Doc. 7 -
- Variação da
Variação da
pressão com a latitude e
pressão com a latitude e
os “ventos constantes”
os “ventos constantes”
(9)
(9) As
As faixas de altas pressões e de baixas pressões
faixas de altas pressões e de baixas pressões, de origem dinâmica, que envolvem o planeta
, de origem dinâmica, que envolvem o planeta sofrem
sofrem, ao longo do ano,
, ao longo do ano, ligeiras oscilações, para sul
ligeiras oscilações, para sul
ou para norte, no Inverno e no Verão
ou para norte, no Inverno e no Verão, respectivamente,
, respectivamente, acompanhando o movimento anual aparente do Sol
acompanhando o movimento anual aparente do Sol (ou movimento de translação). Desta forma e
(ou movimento de translação). Desta forma e
dada a
dada a localização a uma latitude intermédia na zona temperada
localização a uma latitude intermédia na zona temperada,
, Portugal
Portugal,
, durante o Inverno, é particularmente afectado pelos centros de baixas
durante o Inverno, é particularmente afectado pelos centros de baixas
pressões subpolares e por massas de ar frio polar
pressões subpolares e por massas de ar frio polar e
e no Verão pelos anticiclones subtropicais
no Verão pelos anticiclones subtropicais, como é o caso do anticiclone dos Açores,
, como é o caso do anticiclone dos Açores, e por massas de
e por massas de
ar tropical
ar tropical (
(Doc. 9
Doc. 9).
).
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
_________
Doc. 9
Doc. 9 -
- Deslocação em latitude dos
Deslocação em latitude dos
centros de alta e baixa pressão no
centros de alta e baixa pressão no
Inverno e no Verão, de acordo com o
Inverno e no Verão, de acordo com o
movimento de translação
movimento de translação
(10)
(10) Além da
Além da variação em latitude
variação em latitude, observada na
, observada na distribuição dos centros de pressão de origem dinâmica
distribuição dos centros de pressão de origem dinâmica, também se constata uma
, também se constata uma variação da
variação da
temperatura da atmosfera
temperatura da atmosfera. De facto,
. De facto, com o aumento da latitude a temperatura do ar vai diminuindo
com o aumento da latitude a temperatura do ar vai diminuindo,
, registando
registando-
-se a existência de massas de ar com
se a existência de massas de ar com
características diferentes
características diferentes (
(Doc. 10
Doc. 10).
).
•
• Entende
Entende-
-se por
se por massa de ar
massa de ar uma
uma extensa porção de atmosfera que apresenta características físicas muito homogéneas
extensa porção de atmosfera que apresenta características físicas muito homogéneas (especialmente a temperatura e
(especialmente a temperatura e
humidade). As massas de ar
humidade). As massas de ar adquirem as propriedades das regiões sobre as quais estacionam durante um longo período de tempo
adquirem as propriedades das regiões sobre as quais estacionam durante um longo período de tempo e transportam
e transportam-
-nas
nas
para as regiões para onde se deslocam.
para as regiões para onde se deslocam.
__________
__________
__________
__________
__________
__________
__________
__________
Doc. 11
Doc. 11
prof.geo.fernando@sapo.pt
prof.geo.fernando@sapo.pt
•
• A
A localização de Portugal
localização de Portugal nas
nas latitudes intermédias da Zona Temperada do Norte
latitudes intermédias da Zona Temperada do Norte é o
é o principal factor do clima português
principal factor do clima português, pois faz com que
, pois faz com que os estados
os estados
do tempo sejam influenciados
do tempo sejam influenciados:
:
−
− no
no Inverno
Inverno, pelas baixas pressões subpolares (frente polar), pelas massas de ar frio polar e pelos anticiclones de origem térmica forma
, pelas baixas pressões subpolares (frente polar), pelas massas de ar frio polar e pelos anticiclones de origem térmica formados
dos sobre o
sobre o
continente (
continente (Doc. 11
Doc. 11);
);
−
− no
no Verão
Verão, pelas altas pressões subtropicais (principalmente o anticiclone dos Açores), pelas massas de ar quente tropical e pelas dep
, pelas altas pressões subtropicais (principalmente o anticiclone dos Açores), pelas massas de ar quente tropical e pelas depres
ressões
sões (ou ciclones)
(ou ciclones)
de
de origem térmica formados sobre o continente;
origem térmica formados sobre o continente;
−
− tanto no Inverno como no Verão, faz
tanto no Inverno como no Verão, faz-
-se sentir ainda a influência dos ventos de oeste.
se sentir ainda a influência dos ventos de oeste.
__________
__________
__________
__________
__________
__________
__________
__________
Doc. 10
Doc. 10 -
- As principais massas de ar que afectam Portugal
As principais massas de ar que afectam Portugal
http://geoclick.blogspot.com/
http://geoclick.blogspot.com/
-
-
prof.geo.fernando@sapo.pt
prof.geo.fernando@sapo.pt

Recomendados

Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontaisacbaptista
 
Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontaisacbaptista
 
Mudança Global e gestão sustentável dos recursos - Previsão metereologica
Mudança Global e gestão sustentável dos recursos - Previsão metereologicaMudança Global e gestão sustentável dos recursos - Previsão metereologica
Mudança Global e gestão sustentável dos recursos - Previsão metereologicaRita Galrito
 
A especificidade do clima em portugal
A especificidade do clima em portugalA especificidade do clima em portugal
A especificidade do clima em portugalLinda Pereira
 
recursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docrecursoshidricos_2 (1).doc
recursoshidricos_2 (1).docAida Cunha
 
Pressão atmosférica
Pressão atmosféricaPressão atmosférica
Pressão atmosféricaSara Silva
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a -A-circulacao-geral-da-atmosfera-10-º.pdf

Pressao atmosferica
Pressao atmosfericaPressao atmosferica
Pressao atmosfericaPaula Luto
 
Pressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º ano
Pressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º anoPressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º ano
Pressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º anoandygracolas
 
Climatologia - Aula 1
Climatologia - Aula 1Climatologia - Aula 1
Climatologia - Aula 1marciotecsoma
 
Aspectos gerais do clima
Aspectos gerais do climaAspectos gerais do clima
Aspectos gerais do climageopedrote
 
A pressão atmosférica gaby cópia
A pressão atmosférica gaby   cópiaA pressão atmosférica gaby   cópia
A pressão atmosférica gaby cópiaSofia Baltazar
 
Seminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicos
Seminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicosSeminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicos
Seminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicosLuis Carlos
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperaturaabarros
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricosLiliana Silva
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalCatarina Castro
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptAntonioCarlos151949
 
2. Pressão atmosférica.pptx
2. Pressão atmosférica.pptx2. Pressão atmosférica.pptx
2. Pressão atmosférica.pptxMercedes Costa
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 

Semelhante a -A-circulacao-geral-da-atmosfera-10-º.pdf (20)

Pressao atmosferica
Pressao atmosfericaPressao atmosferica
Pressao atmosferica
 
Pressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º ano
Pressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º anoPressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º ano
Pressão atmosférica e Precipitação - Geografia 7º ano
 
Climatologia - Aula 1
Climatologia - Aula 1Climatologia - Aula 1
Climatologia - Aula 1
 
Aspectos gerais do clima
Aspectos gerais do climaAspectos gerais do clima
Aspectos gerais do clima
 
A pressão atmosférica gaby cópia
A pressão atmosférica gaby   cópiaA pressão atmosférica gaby   cópia
A pressão atmosférica gaby cópia
 
Seminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicos
Seminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicosSeminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicos
Seminário de geografia Atmosfera e fenomenos meteorológicos
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperatura
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos1º os recursos hídricos
1º os recursos hídricos
 
Mec Fluidos.pdf
Mec Fluidos.pdfMec Fluidos.pdf
Mec Fluidos.pdf
 
Climatologia
Climatologia   Climatologia
Climatologia
 
1 ano clima
1 ano clima1 ano clima
1 ano clima
 
Estado de tempo
Estado de tempoEstado de tempo
Estado de tempo
 
Meteorologia para Comissários
Meteorologia para ComissáriosMeteorologia para Comissários
Meteorologia para Comissários
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em Portugal
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
 
2. Pressão atmosférica.pptx
2. Pressão atmosférica.pptx2. Pressão atmosférica.pptx
2. Pressão atmosférica.pptx
 
Climatologia aula 4
Climatologia   aula 4Climatologia   aula 4
Climatologia aula 4
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 

Mais de Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar

-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdf
-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdf-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdf
-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdfEscola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdfEscola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 

Mais de Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar (20)

Politica-Agricola-Comum-11-º.pdf
Politica-Agricola-Comum-11-º.pdfPolitica-Agricola-Comum-11-º.pdf
Politica-Agricola-Comum-11-º.pdf
 
-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdf
-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdf-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdf
-Problemas-estruturais-da-agricultura-portuguesa-11-º.pdf
 
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
1.1-A POPULAÇÃO EVOLUÇÃO E DIFERENÇAS REGIONAIS (parte 1).pdf
 
População_(desenvolvidos_em_desenvolvimento).pptx
População_(desenvolvidos_em_desenvolvimento).pptxPopulação_(desenvolvidos_em_desenvolvimento).pptx
População_(desenvolvidos_em_desenvolvimento).pptx
 
Indicadores de Desenvolvimento.pdf
Indicadores de Desenvolvimento.pdfIndicadores de Desenvolvimento.pdf
Indicadores de Desenvolvimento.pdf
 
5_obstaculos_desenvolvimento.ppt
5_obstaculos_desenvolvimento.ppt5_obstaculos_desenvolvimento.ppt
5_obstaculos_desenvolvimento.ppt
 
A degrad. Term Troca_Com. Justo_Globalização.pdf
A degrad. Term Troca_Com. Justo_Globalização.pdfA degrad. Term Troca_Com. Justo_Globalização.pdf
A degrad. Term Troca_Com. Justo_Globalização.pdf
 
6-ficha-de-trabalho-geografia-9-ano.pdf
6-ficha-de-trabalho-geografia-9-ano.pdf6-ficha-de-trabalho-geografia-9-ano.pdf
6-ficha-de-trabalho-geografia-9-ano.pdf
 
Agricultura_Tradicional_Moderna.pptx
Agricultura_Tradicional_Moderna.pptxAgricultura_Tradicional_Moderna.pptx
Agricultura_Tradicional_Moderna.pptx
 
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
2_Est Ag_Alent_Alg.pdf
 
Politico paises-imprimir
Politico paises-imprimirPolitico paises-imprimir
Politico paises-imprimir
 
Metas curriculares geog_eb
Metas curriculares geog_ebMetas curriculares geog_eb
Metas curriculares geog_eb
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Apresentacao1 pes fatima-cafe_
Apresentacao1 pes fatima-cafe_Apresentacao1 pes fatima-cafe_
Apresentacao1 pes fatima-cafe_
 
Externato das escravas do sagrado coração de jesus
Externato das escravas do sagrado coração de jesusExternato das escravas do sagrado coração de jesus
Externato das escravas do sagrado coração de jesus
 
2 aradiaçãosolareaatmosfera
2 aradiaçãosolareaatmosfera2 aradiaçãosolareaatmosfera
2 aradiaçãosolareaatmosfera
 
2.o teste 7.o_a_n.o_2
2.o teste 7.o_a_n.o_22.o teste 7.o_a_n.o_2
2.o teste 7.o_a_n.o_2
 
4 variaçãodiurnaeanualdaradiaçãosolar
4 variaçãodiurnaeanualdaradiaçãosolar4 variaçãodiurnaeanualdaradiaçãosolar
4 variaçãodiurnaeanualdaradiaçãosolar
 
2 aradiaçãosolareaatmosfera
2 aradiaçãosolareaatmosfera2 aradiaçãosolareaatmosfera
2 aradiaçãosolareaatmosfera
 
40592489 actividades-economicas-ficha-de-estudo
40592489 actividades-economicas-ficha-de-estudo40592489 actividades-economicas-ficha-de-estudo
40592489 actividades-economicas-ficha-de-estudo
 

Último

Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdfCuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdfsuplementocultural1
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...manoelaarmani
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdfCuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
Cuidados Essenciais para um Cachorro Feliz e Saudável-e-book-sc.pdf
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
Transforme seu Corpo em Casa_ Dicas e Estratégias de Rotinas de Exercícios Si...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 

-A-circulacao-geral-da-atmosfera-10-º.pdf

  • 1. A CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA A CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA Portugal Portugal, , localizando localizando- -se se a uma a uma latitude média de 40º Norte latitude média de 40º Norte, na , na zona dos climas temperados zona dos climas temperados, situação que vai , situação que vai condicionar as características climáticas condicionar as características climáticas do país do país. Assim, . Assim, no Verão e no Inverno no Verão e no Inverno a a influência de massas de ar influência de massas de ar e de e de faixas de pressão muito contrastadas faixas de pressão muito contrastadas vão estar na vão estar na origem de estados do origem de estados do tempo diversos tempo diversos, , marcados por um regime pluviométrico muito irregular marcados por um regime pluviométrico muito irregular. . (1) A (1) A atmosfera desempenha um papel fundamental nos processos que tornam possível a circulação da água no ciclo hidrológico, por se atmosfera desempenha um papel fundamental nos processos que tornam possível a circulação da água no ciclo hidrológico, por se en encontrar contrar em constante movimento em constante movimento. . (2) (2) A A circulação geral da atmosfera resulta da combinação de causas térmicas e dinâmicas, que originam as diferenças de pressão atm circulação geral da atmosfera resulta da combinação de causas térmicas e dinâmicas, que originam as diferenças de pressão atmosf osférica érica – – força que o ar exerce sobre a superfície terrestre força que o ar exerce sobre a superfície terrestre, medida em milibares ( , medida em milibares (mb mb) ou ) ou hectopascais hectopascais ( (hPa hPa) e cujo ) e cujo valor normal valor normal, à superfície, é de , à superfície, é de 1013 1013 mb mb ou ou hPa hPa. . • • A A pressão atmosférica pressão atmosférica representa representa- -se através das linhas se através das linhas isobáras isobáras ou isobáricas ou isobáricas, que constituem linhas que unem pontos com o mesmo valor de pressão do , que constituem linhas que unem pontos com o mesmo valor de pressão do ar (ou atmosférica). ar (ou atmosférica). • • A A pressão atmosférica pressão atmosférica, devido a múltiplos factores/causas, , devido a múltiplos factores/causas, varia muito varia muito, , designando designando- -se a sua distribuição horizontal se a sua distribuição horizontal, numa dada superfície, por , numa dada superfície, por campo de campo de pressão pressão. Nos campos de pressão, a . Nos campos de pressão, a configuração configuração (ou formato) (ou formato) das isóbaras das isóbaras determina o desenho de determina o desenho de centros barométricos (ou de pressão) centros barométricos (ou de pressão) que podem ser que podem ser de de altas pressões altas pressões, também designados por , também designados por anticiclones anticiclones ou de ou de baixas pressões baixas pressões, igualmente designados por , igualmente designados por ciclones ciclones ou ou depressões barométricas depressões barométricas ( (Doc. 1 Doc. 1). ). Quando as isóbaras rodeiam zonas de Quando as isóbaras rodeiam zonas de pressão mais alta, dizemos que se pressão mais alta, dizemos que se Quando as isóbaras rodeiam zonas de Quando as isóbaras rodeiam zonas de pressão mais baixa, dizemos que se pressão mais baixa, dizemos que se (3) (3) Num centro barométrico, a Num centro barométrico, a diferença de pressão diferença de pressão entre o centro e a periferia ou a diferença de pressão entre dois centros denomina entre o centro e a periferia ou a diferença de pressão entre dois centros denomina- -se se gradiente gradiente barométrico barométrico. As . As diferenças horizontais de pressão estão na base dos movimentos do ar ou dos ventos diferenças horizontais de pressão estão na base dos movimentos do ar ou dos ventos. . O ar desloca O ar desloca- -se das altas para as baixas se das altas para as baixas pressões pressões ( (Doc. 2 Doc. 2). Como tal, os ). Como tal, os anticiclones anticiclones são são centros de divergência de ar centros de divergência de ar e os e os ciclones ciclones são são centros de convergência centros de convergência. Os movimentos do ar deviam ser . Os movimentos do ar deviam ser rectilíneos, ou seja, perpendiculares às isóbaras. Contudo, o movimento de rotação da Terra dá origem a uma força rectilíneos, ou seja, perpendiculares às isóbaras. Contudo, o movimento de rotação da Terra dá origem a uma força – – a a força de força de Coriolis Coriolis – –, razão pela qual, , razão pela qual, no no Hemisfério Norte Hemisfério Norte, , nos anticiclones os ventos deslocam nos anticiclones os ventos deslocam- -se no sentidos dos ponteiros do relógio se no sentidos dos ponteiros do relógio e nos ciclones deslocam e nos ciclones deslocam- -se em sentido contrário ( se em sentido contrário (Doc. 3 Doc. 3). ). Nos anticiclones o ar diverge, nos ciclones o ar converge Nos anticiclones o ar diverge, nos ciclones o ar converge (e, por outro lado, gerando movimentos verticais de compensação). (e, por outro lado, gerando movimentos verticais de compensação). pressão mais alta, dizemos que se pressão mais alta, dizemos que se trata de um trata de um centro de alta pressão centro de alta pressão ou anticiclone ( ou anticiclone (A A ou ou + +). A pressão ). A pressão aumenta da periferia para o centro aumenta da periferia para o centro pressão mais baixa, dizemos que se pressão mais baixa, dizemos que se trata de um trata de um centro de baixa centro de baixa pressão pressão, depressão barométrica ou , depressão barométrica ou ciclone ( ciclone (B B ou ou - -). A pressão ). A pressão diminui do diminui do centro para a periferia centro para a periferia _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 1 Doc. 1 _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 2 Doc. 2 _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 3 Doc. 3
  • 2. (4) (4) A A pressão atmosférica pressão atmosférica, entre diversos , entre diversos factores/causas factores/causas, , varia varia com a com a altitude altitude, com a , com a temperatura temperatura ( (Doc. 4 Doc. 4) e por ) e por causas dinâmicas causas dinâmicas ( (Doc. 5 Doc. 5). ). A temperatura é responsável por A temperatura é responsável por variações na pressão: variações na pressão: com o com o aumento térmico aumento térmico verifica verifica- -se se uma “ uma “dilatação” do ar dilatação” do ar (torna (torna- -se mais se mais leve), logo uma leve), logo uma pressão menor pressão menor com o com o arrefecimento arrefecimento o o ar “contrai ar “contrai- - se” se” (torna (torna- -se mais denso e mais se mais denso e mais pesado), logo a pesado), logo a pressão aumenta pressão aumenta _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 4 Doc. 4 • • Os centros barométricos estão na origem da circulação da atmosfera Os centros barométricos estão na origem da circulação da atmosfera, já que , já que o ar se desloca das altas para as baixas pressões o ar se desloca das altas para as baixas pressões, , mas mas determinando determinando diferentes estados do tempo diferentes estados do tempo. . • • Nos anticiclones o ar desce e diverge, nos ciclones o ar converge e ascende Nos anticiclones o ar desce e diverge, nos ciclones o ar converge e ascende (correspondendo a (correspondendo a movimentos verticais de compensação movimentos verticais de compensação). ). Quando Quando o ar está quente ou o ar está quente ou é forçado é forçado a a ascender/subir ascender/subir, , a a pressão diminui pressão diminui originando originando um um ciclone ciclone (ou centro de (ou centro de baixas pressões) baixas pressões) Quando Quando o ar está frio ou é o ar está frio ou é forçado forçado a a descer descer, a , a pressão pressão aumenta aumenta originando um originando um anticiclone anticiclone (ou centro de (ou centro de altas pressões) altas pressões) _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 5 Doc. 5
  • 3. (5) (5) A A pressão atmosférica influencia a formação de precipitações ou de tempo seco pressão atmosférica influencia a formação de precipitações ou de tempo seco, devido à , devido à acção dos centros de baixas e de altas pressões acção dos centros de baixas e de altas pressões ( (Doc. Doc. 6 6). Ou seja, devido à ). Ou seja, devido à circulação/movimento do ar no seu interior circulação/movimento do ar no seu interior, os , os centros de pressão centros de pressão registam, registam, estados do tempo característicos de cada um deles estados do tempo característicos de cada um deles. . Centros de altas pressões Centros de altas pressões (anticiclones) (anticiclones) A pressão aumenta da periferia A pressão aumenta da periferia para o centro. O movimento para o centro. O movimento vertical do ar é vertical do ar é descendente descendente e, à e, à superfície, é superfície, é divergente divergente; ; Ao descer, a temperatura do ar Ao descer, a temperatura do ar aumenta, não se dando a aumenta, não se dando a condensação do vapor de água. condensação do vapor de água. Assim, os anticiclones associam Assim, os anticiclones associam- - se, geralmente, a se, geralmente, a céu limpo e céu limpo e tempo seco tempo seco Centros de baixas pressões Centros de baixas pressões (ciclones) (ciclones) A pressão diminui A pressão diminui do centro do centro para a periferia. para a periferia. O movimento do O movimento do ar, à superfície, é ar, à superfície, é convergente convergente e e o movimento vertical é o movimento vertical é ascendente ascendente; ; Ao subir, a temperatura do ar Ao subir, a temperatura do ar diminui, o que provoca a diminui, o que provoca a condensação do vapor de água, condensação do vapor de água, formando formando- -se se nuvens nuvens que podem que podem originar originar precipitação precipitação. Assim, os . Assim, os ciclones associam ciclones associam- -se, geralmente, se, geralmente, a a mau tempo mau tempo _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ (6) (6) Os Os centros barométricos centros barométricos (de altas ou baixas pressões) podem ser de (de altas ou baixas pressões) podem ser de origem dinâmica origem dinâmica ou de ou de origem térmica origem térmica . No primeiro . No primeiro caso, caso, têm têm origem na origem na dinâmica da própria atmosfera dinâmica da própria atmosfera, pelo , pelo existem todo o ano existem todo o ano, , localizando localizando- -se sensivelmente às mesmas latitudes se sensivelmente às mesmas latitudes, embora podendo apresentar , embora podendo apresentar- -se mais ou se mais ou menos activos e sofrer ligeiras oscilações para norte ou para sul, conforme as estações do ano. Os centros barométricos de menos activos e sofrer ligeiras oscilações para norte ou para sul, conforme as estações do ano. Os centros barométricos de origem térmica dependem da origem térmica dependem da variação da temperatura do ar ao longo do ano variação da temperatura do ar ao longo do ano, pelo , pelo que não são permanentes que não são permanentes. . • • Os Os centros de baixas pressões centros de baixas pressões (ou depressões barométricas) podem ter (ou depressões barométricas) podem ter origem origem: : − − térmica térmica – – o aquecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito quente, torna o aquecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito quente, torna- -o menos denso, provocando a sua ascensão. É o menos denso, provocando a sua ascensão. É o que o que acontece, no Verão, no interior dos continentes e na Península Ibérica; acontece, no Verão, no interior dos continentes e na Península Ibérica; − − dinâmica dinâmica – – a ascensão é provocada é provocada pela convergência de ar proveniente de direcções opostas. Os centros de baixas pressões su a ascensão é provocada é provocada pela convergência de ar proveniente de direcções opostas. Os centros de baixas pressões subpolares bpolares formam formam- -se deste modo, resultando do encontro das massas de ar frio provenientes das regiões polares com as massas de ar quente t se deste modo, resultando do encontro das massas de ar frio provenientes das regiões polares com as massas de ar quente tropicais. ropicais. • • Também os Também os centros de altas pressões centros de altas pressões (ou anticiclones) podem ter (ou anticiclones) podem ter origem origem: : − − térmica térmica – – o arrefecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito fria, torna o arrefecimento do ar, pelo contacto com a superfície da Terra muito fria, torna- -o mais denso e pesado. É o que acontece, no o mais denso e pesado. É o que acontece, no Inverno, no Inverno, no interior dos continentes e sobre a Península Ibérica; interior dos continentes e sobre a Península Ibérica; − − dinâmica dinâmica – – resultam do movimento descendente do ar frio que se encontra a maior altitude. As altas pressões tropicais formam resultam do movimento descendente do ar frio que se encontra a maior altitude. As altas pressões tropicais formam- -se deste mo se deste modo. do. _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 6 Doc. 6 Ciclones Ciclones = = Mau tempo Mau tempo Anticiclones Anticiclones = = Bom tempo Bom tempo
  • 4. (7) (7) Por razões térmicas e dinâmicas, Por razões térmicas e dinâmicas, os os centros de altas e baixas pressões dispõe centros de altas e baixas pressões dispõe- -se em faixas distintas mais ou menos paralelas a partir do equador se em faixas distintas mais ou menos paralelas a partir do equador em direcção aos pólos em direcção aos pólos, ou seja, , ou seja, em em latitude latitude ( (Doc Doc. . 7 7). Estes ). Estes centros de pressão centros de pressão são são permanentes permanentes (dinâmicos), fazem (dinâmicos), fazem- -se sentir, de forma regular todo o ano. se sentir, de forma regular todo o ano. • • É É a acção dos centros de pressão a acção dos centros de pressão que que explica a circulação geral da atmosfera explica a circulação geral da atmosfera ( (Doc. 8 Doc. 8): ): − − no no equador equador, devido à elevada temperatura, o ar sobe, formando , devido à elevada temperatura, o ar sobe, formando- -se se baixas pressões baixas pressões. Em altitude, o ar, já mais frio, dirige . Em altitude, o ar, já mais frio, dirige- -se para as regiões tropicais; se para as regiões tropicais; − − sobre as sobre as regiões subtropicais regiões subtropicais, o ar desce, originando , o ar desce, originando altas pressões altas pressões e, à superfície, diverge em direcção ao equador e às latitudes médias (40º a 60º e, à superfície, diverge em direcção ao equador e às latitudes médias (40º a 60º Norte e Sul); Norte e Sul); − − nas nas latitudes médias latitudes médias, o ar tropical encontra , o ar tropical encontra- -se com o ar que vem dos pólos, provocando um movimento ascendente e a formação de se com o ar que vem dos pólos, provocando um movimento ascendente e a formação de baixas pressões baixas pressões; ; − − nos nos pólos pólos, devido às baixas temperaturas, formam , devido às baixas temperaturas, formam- -se se altas pressões altas pressões e, por isso, o ar diverge à superfície, a partir dessas regiões. e, por isso, o ar diverge à superfície, a partir dessas regiões. (8) (8) A circulação A circulação geral da atmosfera origina geral da atmosfera origina ventos ventos constantes ou dominantes constantes ou dominantes ( (Doc. 7 Doc. 7) que sopram durante todo o ano com a mesma direcção: ) que sopram durante todo o ano com a mesma direcção: − − os os alíseos alíseos – – ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões equatoriais; ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões equatoriais; − − os os ventos de oeste ventos de oeste – – ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões subpolares, cujo sentido, influenciado pelo movimen ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões subpolares, cujo sentido, influenciado pelo moviment to de o de rotação da Terra, é predominantemente de oeste no hemisfério norte; rotação da Terra, é predominantemente de oeste no hemisfério norte; − − os os ventos polares ou de leste ventos polares ou de leste – – ar que se desloca das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares. ar que se desloca das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares. _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 8 Doc. 8 - - A circulação do A circulação do ar à superfície e em ar à superfície e em altitude/vertical altitude/vertical _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 7 Doc. 7 - - Variação da Variação da pressão com a latitude e pressão com a latitude e os “ventos constantes” os “ventos constantes”
  • 5. (9) (9) As As faixas de altas pressões e de baixas pressões faixas de altas pressões e de baixas pressões, de origem dinâmica, que envolvem o planeta , de origem dinâmica, que envolvem o planeta sofrem sofrem, ao longo do ano, , ao longo do ano, ligeiras oscilações, para sul ligeiras oscilações, para sul ou para norte, no Inverno e no Verão ou para norte, no Inverno e no Verão, respectivamente, , respectivamente, acompanhando o movimento anual aparente do Sol acompanhando o movimento anual aparente do Sol (ou movimento de translação). Desta forma e (ou movimento de translação). Desta forma e dada a dada a localização a uma latitude intermédia na zona temperada localização a uma latitude intermédia na zona temperada, , Portugal Portugal, , durante o Inverno, é particularmente afectado pelos centros de baixas durante o Inverno, é particularmente afectado pelos centros de baixas pressões subpolares e por massas de ar frio polar pressões subpolares e por massas de ar frio polar e e no Verão pelos anticiclones subtropicais no Verão pelos anticiclones subtropicais, como é o caso do anticiclone dos Açores, , como é o caso do anticiclone dos Açores, e por massas de e por massas de ar tropical ar tropical ( (Doc. 9 Doc. 9). ). _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ _________ Doc. 9 Doc. 9 - - Deslocação em latitude dos Deslocação em latitude dos centros de alta e baixa pressão no centros de alta e baixa pressão no Inverno e no Verão, de acordo com o Inverno e no Verão, de acordo com o movimento de translação movimento de translação
  • 6. (10) (10) Além da Além da variação em latitude variação em latitude, observada na , observada na distribuição dos centros de pressão de origem dinâmica distribuição dos centros de pressão de origem dinâmica, também se constata uma , também se constata uma variação da variação da temperatura da atmosfera temperatura da atmosfera. De facto, . De facto, com o aumento da latitude a temperatura do ar vai diminuindo com o aumento da latitude a temperatura do ar vai diminuindo, , registando registando- -se a existência de massas de ar com se a existência de massas de ar com características diferentes características diferentes ( (Doc. 10 Doc. 10). ). • • Entende Entende- -se por se por massa de ar massa de ar uma uma extensa porção de atmosfera que apresenta características físicas muito homogéneas extensa porção de atmosfera que apresenta características físicas muito homogéneas (especialmente a temperatura e (especialmente a temperatura e humidade). As massas de ar humidade). As massas de ar adquirem as propriedades das regiões sobre as quais estacionam durante um longo período de tempo adquirem as propriedades das regiões sobre as quais estacionam durante um longo período de tempo e transportam e transportam- -nas nas para as regiões para onde se deslocam. para as regiões para onde se deslocam. __________ __________ __________ __________ __________ __________ __________ __________ Doc. 11 Doc. 11 prof.geo.fernando@sapo.pt prof.geo.fernando@sapo.pt • • A A localização de Portugal localização de Portugal nas nas latitudes intermédias da Zona Temperada do Norte latitudes intermédias da Zona Temperada do Norte é o é o principal factor do clima português principal factor do clima português, pois faz com que , pois faz com que os estados os estados do tempo sejam influenciados do tempo sejam influenciados: : − − no no Inverno Inverno, pelas baixas pressões subpolares (frente polar), pelas massas de ar frio polar e pelos anticiclones de origem térmica forma , pelas baixas pressões subpolares (frente polar), pelas massas de ar frio polar e pelos anticiclones de origem térmica formados dos sobre o sobre o continente ( continente (Doc. 11 Doc. 11); ); − − no no Verão Verão, pelas altas pressões subtropicais (principalmente o anticiclone dos Açores), pelas massas de ar quente tropical e pelas dep , pelas altas pressões subtropicais (principalmente o anticiclone dos Açores), pelas massas de ar quente tropical e pelas depres ressões sões (ou ciclones) (ou ciclones) de de origem térmica formados sobre o continente; origem térmica formados sobre o continente; − − tanto no Inverno como no Verão, faz tanto no Inverno como no Verão, faz- -se sentir ainda a influência dos ventos de oeste. se sentir ainda a influência dos ventos de oeste. __________ __________ __________ __________ __________ __________ __________ __________ Doc. 10 Doc. 10 - - As principais massas de ar que afectam Portugal As principais massas de ar que afectam Portugal http://geoclick.blogspot.com/ http://geoclick.blogspot.com/ - - prof.geo.fernando@sapo.pt prof.geo.fernando@sapo.pt