Climatologia

1.234 visualizações

Publicada em

Aula de climatologia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.234
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
351
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
55
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Climatologia

  1. 1. Geografia Introdução ao estudo do clima O que está acontecendo com o clima no planeta?
  2. 2. VÍDEO – 01:02 min.
  3. 3. TTeemmppoo:: ssããoo aass ccoonnddiiççõõeess aattmmoossfféérriiccaass ddee uumm ddeetteerrmmiinnaaddoo lluuggaarr eemm uumm ddaaddoo mmoommeennttoo.. NNããoo eexxiissttee uumm ppaaddrrããoo.. EEssttããoo sseemmpprree mmuuddaannddoo EExx:: OO tteemmppoo hhoojjee eessttáá nnuubbllaaddoo CClliimmaa:: ÉÉ aa aannáálliissee ddoo tteemmppoo nnuumm ddeetteerrmmiinnaaddoo lluuggaarr ddaa ssuuppeerrffíícciiee tteerrrreessttrree ppoorr,, nnoo mmíínniimmoo,, 3300 aannooss.. HHáá uumm ppaaddrrããoo qquuee ssee rreeppeettee EExx:: OO RRiioo ddee JJaanneeiirroo tteemm cclliimmaa ttrrooppiiccaall lliittoorrâânneeoo
  4. 4. Meteorologia A ciência que estuda as variações do tempo e observa o padrão do clima de um lugar é chamada de meteorologia.
  5. 5. Estação Meteorológica (1)Termômetro; Dois sensores de temperatura (2) Higrômetro; Umidade do ar (3) Anemômetro; Velocidade do vento (4) Cata-Vento; Direção do vento (5) Piranômetros; Cinco sensores de radiação solar (1)Termômetro; Dois sensores de temperatura (2) Higrômetro; Umidade do ar (3) Anemômetro; Velocidade do vento (4) Cata-Vento; Direção do vento (5) Piranômetros; Cinco sensores de radiação solar (6) Barômetro; Pressão Atmosférica (7) Pluviômetro; Precipitação (6) Barômetro; Pressão Atmosférica (7) Pluviômetro; Precipitação
  6. 6. Estação Meteorológica A origem da palavra meteorologia é meteoro que significa aaqquuiilloo qquuee eessttáá eelleevvaaddoo ou contido na atmosfera.
  7. 7. http://www.museutam.com.br/smt/jsp/default.jhtml?adPagina=837&adArtigo=11864
  8. 8. Garota do Tempo
  9. 9. Símbolos Meteorológicos Turbulência Neve Granizo Tempestade de Areia Ensolarado Sol entre Nuvens Nublado Trovoadas Chuva com gelo Turbulência Moderada Chuva
  10. 10. Tormenta Tropical Cúmulos - Nimbos Cúmulos Furacão Altocúmulos Altocúmulos Tornado
  11. 11. OBS: A caracterização de um CLIMA exige no mínimo três décadas de acompanhamento meteorológico.
  12. 12. PPlluuvviiôômmeettrroo
  13. 13. De que é composto o Clima ? DDiinnââmmiiccaa CClliimmááttiiccaa
  14. 14. EElleemmeennttooss CClliimmááttiiccooss
  15. 15. Geografia do Brasil - Climas do Brasil 1 - Temperatura - É o estado ou grau de frio ou de calor de um corpo ou lugar.
  16. 16. Temperatura Média = T max. + T min. 2 Amplitude Térmica: T max. – T min.
  17. 17. Geografia do Brasil - Climas do Brasil 2 – Umidade (Precipitação) - Corresponde à quantidade de vapor de água que encontramos na atmosfera. A umidade nnããoo éé vviissíívveell aa oollhhoo nnuu, necessita-se de aparelhos como o hhiiggrrôômmeettrroo para observá-la, mas ao saturar, o ar provoca alterações visíveis como é o caso de nneevvooeeiirrooss ee nneebblliinnaass que se apresentam em forma de gotículas de ar que se formam quando há perda de calor transformado as gotículas de ar em gotículas de água; oorrvvaallhhoo que é provocado por gotículas de água que se formam em superfícies que perdem calor e geada que é provocada pelo congelamento do orvalho quando a temperatura chega a ser inferior que 0ºC. A umidade pode ser expressa em números absolutos (g/m³) e relativos (%) onde os relativos se sobressaem. Quando usado sob forma relativa, aponta para capacidade limite que o ar possui que o permite reter o vapor de água. No iinnvveerrnnoo, a umidade relativa do ar é bem baixa causando ar seco, ddooeennççaass rreessppiirraattóórriiaass ee ddiiffiiccuullddaaddeess ddee rreessppiirraarr. Já no vveerrããoo, a umidade do ar é mais alta o que faz com que o corpo libere líquido através ddoo ssuuoorr, resfriando assim o corpo. A umidade não éé vviissíívveell aa oollhhoo nnuu, necessita-se de aparelhos como o hhiiggrrôômmeettrroo para observá-la, mas ao saturar, o ar provoca alterações visíveis como é o caso de nneevvooeeiirrooss ee nneebblliinnaass que se apresentam em forma de gotículas de ar que se formam quando há perda de calor transformado as gotículas de ar em gotículas de água; oorrvvaallhhoo que é provocado por gotículas de água que se formam em superfícies que perdem calor e geada que é provocada pelo congelamento do orvalho quando a temperatura chega a ser inferior que 0ºC. A umidade pode ser expressa em números absolutos (g/m³) e relativos (%) onde os relativos se sobressaem. Quando usado sob forma relativa, aponta para capacidade limite que o ar possui que o permite reter o vapor de água. No iinnvveerrnnoo, a umidade relativa do ar é bem baixa causando ar seco, ddooeennççaass rreessppiirraattóórriiaass ee ddiiffiiccuullddaaddeess ddee rreessppiirraarr. Já no vveerrããoo, a umidade do ar é mais alta o que faz com que o corpo libere líquido através ddoo ssuuoorr, resfriando assim o corpo.
  18. 18. O Galo do Tempo O conhecido galinho meteorológico é um curioso antecessor de qualquer dispositivo computacional. Uma camada de cclloorreettoo ddee ccoobbaallttoo,, componente químico com a propriedade de mudar de cor em função da umidade relativa do ar, reveste a superfície do galo. A ccoorr aazzuull iinnddiiccaa ppoouuccaa uummiiddaaddee, enquanto os ttoonnss ddee rroossaa iinnddiiccaamm uumm aammbbiieennttee ccoomm mmaaiioorr uummiiddaaddee rreellaattiivvaa ddoo aarr. Obviamente a precisão desse sistema é limitada, uma vez que a umidade de um ambiente não depende exclusivamente do clima, podendo o cloreto de cobalto ser afetado por outros fatores que não sejam as condições climáticas. (fonte: arquivo pessoal) O conhecido galinho meteorológico é um curioso antecessor de qualquer dispositivo computacional. Uma camada de cclloorreettoo ddee ccoobbaallttoo,, componente químico com a propriedade de mudar de cor em função da umidade relativa do ar, reveste a superfície do galo. A ccoorr aazzuull iinnddiiccaa ppoouuccaa uummiiddaaddee, enquanto os ttoonnss ddee rroossaa iinnddiiccaamm uumm aammbbiieennttee ccoomm mmaaiioorr uummiiddaaddee rreellaattiivvaa ddoo aarr. Obviamente a precisão desse sistema é limitada, uma vez que a umidade de um ambiente não depende exclusivamente do clima, podendo o cloreto de cobalto ser afetado por outros fatores que não sejam as condições climáticas. (fonte: arquivo pessoal)
  19. 19. Geografia do Brasil - Climas do Brasil 3 - Pressão atmosférica O peso que exerce sobre nós a totalidade da atmosfera denomina-se pressão atmosférica. O barômetro é o instrumento usado para medir a pressão atmosférica.
  20. 20. Pressão Atmosférica Regra geral : Quanto menor a temperatura do ar, maior a pressão atmosférica e vice-versa.
  21. 21. Geografia do Brasil - Climas do Brasil 3 - Pressão atmosférica MAIOR altitude = MENOR pressão atmosférica MAIOR latitude = MAIOR pressão atmosférica Ar quente = leve = sobe = diminui a pressão Ar frio = denso = desce = aumenta a pressão REGIÕES MAIS QUENTES (equatorial) = o ar se dilata e se torna mais leve = BAIXA PRESSÃO ATMOSFÉRICA. REGIÕES MAIS FRIAS (próximas aos pólos) = o frio contrai o ar que se torna mais denso = MAIOR PRESSÃO ATMOSFÉRICA
  22. 22. ISÓBARAS: linhas que unem pontos de igual valor ISÓBARAS: linhas que unem pontos de igual valor d dee p prreessssããoo a attmmoossfféérricicaa..
  23. 23. Geografia do Brasil - Climas do Brasil 4 - Ventos Vento = diferenças de aquecimento entre superfícies + das diferenças na pressão O movimento do ar que decorre da diferença de pressão = VENTO
  24. 24. CIRCULAÇÃO DE AR E ESTADOS DE TEMPO ASSOCIADOS AOS CENTROS DE PRESSÃO
  25. 25. ANTICICLONES (A ou H) CICLONES (B ou L)
  26. 26. CENTRO DE ALTAS PRESSÕES OU ANTICICLONE CENTRO DE BAIXAS PRESSÕES, CICLONE OU DEPRESSÃO
  27. 27. Os ventos resultam das diferenças de pressão, Os ventos resultam das diferenças de pressão, soprando das áreas onde há alta pressão (anticiclones) soprando das áreas onde há alta pressão (anticiclones) para aquelas de baixa pressão (ciclones). para aquelas de baixa pressão (ciclones). VENTO Alta pressão Baixa temperatura Baixa pressão Alta temperatura
  28. 28. CCIIRRCCUULLAAÇÇÃÃOO AATTMMOOSSFFÉÉRRIICCAA GGLLOOBBAALL EEffeeiittoo CCoorriioolliiss:: Efeito causado pela Rotação da Terra que impedia o exército francês de acertar balas de canhão a longa distância.
  29. 29. Ciclone : é o nome genérico para ventos circulares, como tufão, furacão, tornado e willy-willy. Caracteriza-se por uma tempestade violenta que ocorre em regiões tropicais ou subtropicais, produzida por grandes massas de ar em alta velocidade de rotação. Os ventos os superam 50 km/h. Willy-willy : nome que os ciclones recebem na Austrália e demais países do sul da Oceania. Ciclone : é o nome genérico para ventos circulares, como tufão, furacão, tornado e willy-willy. Caracteriza-se por uma tempestade violenta que ocorre em regiões tropicais ou subtropicais, produzida por grandes massas de ar em alta velocidade de rotação. Os ventos os superam 50 km/h. Willy-willy : nome que os ciclones recebem na Austrália e demais países do sul da Oceania. Furacão : vento circular forte, com velocidade igual ou superior a 108 km/h. Os furacões são os ciclones que surgem no mar do Caribe (oceano Atlântico) ou nos EUA. Os ventos precisam ter mais de 119 km/h para uma tempestade ser considerada um furacão. Giram no sentido horário (no hemisfério Sul) ou anti-horário (no hemisfério Norte) e medem de 200 km a 400 km de diâmetro. Sua curva se assemelha a uma parabólica. Furacão : vento circular forte, com velocidade igual ou superior a 108 km/h. Os furacões são os ciclones que surgem no mar do Caribe (oceano Atlântico) ou nos EUA. Os ventos precisam ter mais de 119 km/h para uma tempestade ser considerada um furacão. Giram no sentido horário (no hemisfério Sul) ou anti-horário (no hemisfério Norte) e medem de 200 km a 400 km de diâmetro. Sua curva se assemelha a uma parabólica.
  30. 30. Tufão : é o nome que se dá aos ciclones formados no sul da Ásia e na parte ocidental do oceano Índico, entre julho e outubro. É o mesmo que furacão, só que na região equatorial do Oceano Pacífico. Os tufões surgem no mar da China e atingem o leste asiático. Tufão : é o nome que se dá aos ciclones formados no sul da Ásia e na parte ocidental do oceano Índico, entre julho e outubro. É o mesmo que furacão, só que na região equatorial do Oceano Pacífico. Os tufões surgem no mar da China e atingem o leste asiático. Tornado : é o mais forte dos fenômenos meteorológicos, menor e mais intenso que os demais tipos de ciclone. Com alto poder de destruição, atinge até 490 km/h de velocidade no centro do cone. Produz fortes redemoinhos e eleva poeira. Forma-se entre 10 e 30 minutos e tem, no máximo, 10 km de diâmetro. O tornado é menor e em geral mais breve do que o furacão, e ocorre em zonas temperadas do Hemisfério Norte. Forma-se nos continentes Tornado : é o mais forte dos fenômenos meteorológicos, menor e mais intenso que os demais tipos de ciclone. Com alto poder de destruição, atinge até 490 km/h de velocidade no centro do cone. Produz fortes redemoinhos e eleva poeira. Forma-se entre 10 e 30 minutos e tem, no máximo, 10 km de diâmetro. O tornado é menor e em geral mais breve do que o furacão, e ocorre em zonas temperadas do Hemisfério Norte. Forma-se nos continentes
  31. 31. 5- Radiação Solar •Esta energia é utilizada pelo mecanismo climático para fazer evaporar a água existente no planeta, aquecer e, conseqüentemente, movimentar a atmosfera. •Resumindo, a energia solar é o motor que impulsiona o clima.
  32. 32. AAllbbeeddoo Medida da quantidade de radiação solar refletida por um corpo ou uma superfície
  33. 33. FATORES QUE INFLUENCIAM O CLIMA
  34. 34. FFAATTOORREESS QQUUEE IINNFFLLUUEENNCCIIAAMM OO CCLLIIMMAA
  35. 35. LLaattiittuuddee
  36. 36. LLaattiittuuddee
  37. 37. Altitude • Quanto maior a altitude menor será a temperatura. Isto porque o ar se torna rarefeito, ou seja, a concentração de gases e de umidade à medida que aumenta a altitude, é menor, o que vai reduzir a retenção de calor nas camadas mais elevadas da atmosfera. Lembrando que a atmosfera é aquecida de baixo para cima, com a irradiação solar .
  38. 38. KILIMANJARO - ÁFRICA
  39. 39. O calor é irradiado para ""cciimmaa"" ee aa aattmmoossffeerraa aaqquueeccee--ssee ppoorr iirrrraaddiiaaççããoo.. QQuuaannttoo mmaaiioorr aa aallttiittuuddee,, mmaaiiss rraarreeffeeiittoo ttoorrnnaa--ssee oo aarr,, ooccoorrrreennddoo ttaammbbéémm mmeennoorr iirrrraaddiiaaççããoo ee,, ppoorr ccoonnsseeqqüüêênncciiaa,, mmeennoorreess tteemmppeerraattuurraass.. OO ccoonnttrráárriioo ooccoorrrree eemm aallttiittuuddeess bbaaiixxaass
  40. 40. OO AArr tteemm PPeessoo
  41. 41. CCAAMMPPOOSS DDOO JJOORRDDÃÃOO -- AALLTTIITTUUDDEE
  42. 42. Hemisfério Norte : As Correntes deslocam-se no sentido horário. Hemisfério Sul: As Correntes deslocam-se no sentido Anti-horário. Hemisfério Norte : As Correntes deslocam-se no sentido horário. Hemisfério Sul: As Correntes deslocam-se no sentido Anti-horário.
  43. 43. TTEERRRRAA ((MMEENNOOSS DDEENNSSAA)) ABSORVE CALOR RÁPIDO PERDE CALOR RÁPUIDO ÁÁGGUUAA ((MMAAIISS DDEENNSSAA)) DEMORA A AQUECER DEMORA A PERDER CALOR CCOONNSSEEQQUUEENNCCIIAASS LLUUGGAARREESS PPEERRTTOO DDEE MMAARR BAIXA AMPLITUDE TÉRMICA LLUUGGAARREESS LLOONNGGEE DDOO MMAARR ALTA AMPLITUDE TÉRMICA
  44. 44. Geografia do Brasil - Climas do Brasil Massas de Ar Um dos fatores mais decisivos na caracterização do clima de uma dada região é a atuação das massas de ar, pois “emprestam” suas características ao tempo e ao clima dos lugares por onde circulam. A origem quanto às zonas climáticas determinará a temperatura das massas, assim, as que se formarem na zona polar serão frias e as das zonas tropical e equatorial, serão quentes. Da mesma forma, a origem oceânica ou continental irá determinar sua umidade que poderá, entretanto, variar com o deslocamento da massa por sobre regiões de umidade distinta.
  45. 45. Geografia do Brasil - Climas do Brasil Massas de Ar
  46. 46. Geografia do Brasil - Climas do Brasil Massas de Ar Massa Equatorial Contineltal (mEc) É uma massa quente e instável originada na Amazônia Ocidental, que atua sobre todas as regiões do país. Apesar de continental é uma massa úmida, em razão da presença de rios caudalosos e da intensa transpiração da massa vegetal da Amazônia, região em que provoca chuvas abundantes e quase diárias, principalmente no verão e no outono. No verão, avança para o interior do país provocando as “chuvas de verão”.
  47. 47. Geografia do Brasil - Climas do Brasil Massas de Ar Massa Equatorial Atlântica (mEa) É quente, úmida e originária do Atlântico Norte (próximo à Ilha de Açores). Atua nas regiões litorânes do Norte do Nordeste, principalmente no verão e na primavera, sendo também formadoras dos ventos alísios de nordeste.
  48. 48. Geografia do Brasil - Climas do Brasil Massas de Ar Massa Tropical Atlântica (mTa) Origina-se no Oceano Atlântico e atua na faixa litorânea do Nordeste ao Sul do país. Quente e úmida, provoca as chuvas frontais de inverno na região Nordeste a partir do seu enconttro com a Massa Polar Atlântica e as chuvas de relevo nos litorais sul e sudeste, a partir do choque com a Serra do Mar. Também é formadora dos ventos alísios de sudeste.
  49. 49. Geografia do Brasil - Climas do Brasil Massas de Ar Massa Tropical Continental (mTc) Originada na Depressão do Chaco, é quente e seca e atua basicamente em sua área de origem, causando longos períodos quentes e secos no sul da região Centro-oeste e no interior das regiões Sul e Sudeste.
  50. 50. Massas de Ar Massa Polar Atlântica (mPa) Forma-se no Oceano Atlântico sul (próximo à Patagônia), sendo fria e úmida e atuando subretudo no inverno no litoral nordestino (causa chuvas frontais), nos estados sulinos (causa queda de temperatura e geadas) e na Amazônia Ocidental (causa fenômeno da friagem, queda brusca na temperatura).
  51. 51. Frente Encontro de 2 massas de ar. FFrreennttee FFrriiaa:: A massa de ar fria é mais forte que a quente e empurra a quente. FFrreennttee QQuueennttee:: A massa quente é mais forte e empurra a fria FFrreennttee EEssttaacciioonnáárriiaa:: As duas massas de ar tem a mesma força e não se movimentam. Chove no local em excesso.
  52. 52. Geografia do Brasil - Climas do Brasil Fatores dos Climas do Brasil POSIÇÃO GEOGRÁFICA O Brasil ocupa uma área de 8,5 milhões de km². Desse total, cerca de 90% está localizada entre os trópicos de Câncer e Capricórnio. Daí o termo país tropical. Algumas características do clima tropical estão presentes em grande parte do território brasileiro: temperatura média elevada, muita chuva durante o ano e formações vegetais típicas, como florestas fechadas e cerrados. Isso não quer dizer que o clima do Brasil é uniforme.
  53. 53. Geografia do Brasil - Climas do Brasil POSIÇÃO GEOGRÁFICA Essa área inclui a parte da Terra onde o sol alcança um ponto diretamente acima pelo menos uma vez durante o ano solar (ao norte do Trópico de Câncer e ao sul do Trópico de Capricórnio o sol nunca alcança um azimute de 90°ou uma posição diretamente acima).
  54. 54. Geografia do Brasil - Climas do Brasil CLIMA EQUATORIAL Domina a região amazônica e se caracteriza por temperaturas médias entre 24º C e 26º C e amplitude térmica anual (diferença entre a máxima e a mínima registrada durante um ano) de até 3º C. As chuvas são abundantes (mais de 2.500 mm/ano) e regulares, causadas pela ação da massa equatorial continental. No inverno, a região pode receber frentes frias originárias da massa polar atlântica. Elas são as responsáveis pelo fenômeno da friagem, a queda brusca na temperatura, que pode chegar a 10º C.
  55. 55. Geografia do Brasil - Climas do Brasil CLIMA TROPICAL TÍPICO É um clima semi-úmido, que possui invernos secos e verões chuvosos e abrange a região central do país (Minas Gerais e Goiás, parte de São Paulo, Mato Grosso do Sul, parte da Bahia, do Maranhão, do Piauí e do Ceará). No verão, a principal influência é da Massa Equatorial Continental e Tropical Atlântica (causam as chuvas de verão).
  56. 56. Geografia do Brasil - Climas do Brasil CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE Típico das regiões serranas do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Serra da Mantiqueira, que se diferencia por apresentar apresentar verões mais brandos e invernos mais rigorosos, além e ser mais chuvoso. Professor Jakes Paulo - jakespaulo@gmail.com
  57. 57. Geografia do Brasil - Climas do Brasil CLIMA TROPICAL ATLÂNTICO OU LITORÂNEO ÚMIDO Manifesta-se no litoral do Nordeste e do Sudeste, sendo controlado pela Massa Tropical Atlântica, que causa no verão as chamadas chuvas orográficas ou de relevo, ao chocar-se com as serras do Planalto Atlântico (Chapada da Borborema, Serras do Mar, da Mantiqueira, etc.). No litoral nordestino, há concentração de chuvas no outono e no inverno, em razão do choque da Massa Polar Atlântica (mais intensa nesta época) com a Tropical Atlântica. Professor Jakes Paulo - jakespaulo@gmail.com
  58. 58. Geografia do Brasil - Climas do Brasil CLIMA SEMI-ÁRIDO Manifesta-se no Sertão do Nordeste e no norte de Minas Gerais e é marcado pela atuação irregular das massas de ar. As massas que atingem o Sertão Nordestino são de origem úmida ( principalmente a Tropical Atlântica e a Equatorial Continental), mas descarregam sua umidade antes de atingir a região, como ocorre ao se chocarem contra a Chapada da Borborema. A pouca atuação de ventos, também em razão de fatores como o relevo, contribui para as elevadas temperaturas (médias térmicas em torno de 28ºC). É também caracterizado pela escassez de chuvas, apresentando os menores índices pluviométricos anuais do mundo (menores que 1.000 mm). Professor Jakes Paulo - jakespaulo@gmail.com
  59. 59. Geografia do Brasil - Climas do Brasil CLIMA SUBTROPICAL ÚMIDO É típico da região Sul do país em é marcado pela distinção clara entre as estações do ano, com chuvas bem distribuídas. É influenciado principalmente pela Massa Tropical Atlântica , mas os invernos, relativamente rigorosos, são marcados pela penetração na Massa Polar Atlântica, que também causa geadas e até mesmo neve ao propiciar quedas de temperatura. Professor Jakes Paulo - jakespaulo@gmail.com

×