SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
MATERIAL DIDÁCTICO – FOLHA DE ROSTO




D E S I G N A Ç Ã O ( S ) : O Quadro Natural de Portugal – O Clima



    3- GRÁFICO TERMOPLUVIOMÉTRICO
    Gráfico onde estão simultaneamente representadas as variações da temperatura e da precipitação ao longo do ano e num
    determinado lugar.
    Meses secos
    São aqueles em que a precipitação total mensal é inferior ao dobro do valor da temperatura média desse mês. (P ≤2T)
    Ou seja, são aqueles meses em que a barra da precipitação está abaixo da linha da temperatura
    Meses húmidos
    São aqueles em que a precipitação total mensal é igual ou superior ao dobro do valor da temperatura média desse mês. (P >2T)

                                                                               4- DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA EM
                                                                                      PORTUGAL CONTINENTAL
                                                                            4.1- Variação Anual das Temperaturas Médias
                                                                            Mensais em Portugal Continental

                                                                            Variação irregular - Variação sazonal das temperaturas
                                                                            médias mensais:
                                                                              •     Valores mais baixos nos meses de Inverno, com
                                                                                   destaque para Janeiro
                                                                              •     Valores mais elevados durante os meses de
                                                                                   Verão, como é o caso de Julho e de Agosto
                                                                            4.2- Distribuição Anual das Temperaturas
    Médias Mensais em Portugal Continental
    Independentemente da variação da temperaturas média ao longo do ano, em que:
         • Invernos são mais frios
         • Verões mais quentes
    Verifica-se  contrastes     regionais,
    marcam o território continental.
    O Regime térmico é então
    caracterizado no geral:
         •      Contraste Norte-Sul, mais
               acentuado no Inverno:
                         O Sul regista, ao
                   
                       longo     do   ano,
                       temperaturas
                       médias         mais
                       elevadas do que o
                       Norte do país;
                          Diminuição das
                   
                       temperaturas
                       médias de Sul para
                       Norte, ou seja, em
                       latitude;
    Por um contraste Oeste-Este (litoral-
    interior):
Nos meses mais quentes, no Verão, a temperaturas aumenta de oeste para Este, ou seja, o litoral regista
    
         temperaturas mais amenas e o interior valores mais elevados, com excepção da Cordilheira Central e das
         restantes áreas de maior altitude;
         Nos meses mais frios, no Inverno, a temperatura diminui de Oeste para Este, ou seja, no interior as temperaturas
    
         são mais baixas, nomeadamente no nordeste e nas áreas de maior altitude, como a Cordilheira Central.



Isotérmicas reduzidas ao nível do mar em Portugal Continental
                                                                                       Se reduzirmos o território nacional ao nível
                                                                                       médio das águas do mar, retira-se o efeito
                                                                                       da topografia, o que permite concluir que:
                                                                                        Comparando o traçado das isotérmicas de
                                                                                       Janeiro e Julho, verifica-se que a distribuição
                                                                                       espacial das temperaturas apresenta um
                                                                                       padrão diferente nos dois meses;

                                                                                       Em Janeiro:
                                                                                        A disposição das isotérmicas é oblíqua em
                                                                                       relação à linha de costa - de modo geral, a
                                                                                       temperatura diminui de sudoeste para
                                                                                       nordeste.
                                                                                        As temperaturas máximas registam-se no
                                                                                       sudoeste algarvio e as mínimas no nordeste
                                                                                       transmontano, revelando a influência da
                                                                                       latitude e da proximidade ou afastamento
                                                                                       ao oceano;

                                                                                      Em Julho:
                                                                                       A disposição das isotérmicas é quase
                                                                                      paralela à linha de costa – a variação da
                                                                                      temperatura faz-se do litoral para o interior,
                                                                                      onde se registam os valores mais altos.
                                                                                       Esta disposição deve-se ao facto de, no
    Verão, a influencia do Atlântico ser mais importante, como evidenciam as inflexões para este, no vale do Mondego, e para
    Oeste, no vale superior do Douro. No vale do Mondego, a influência do atlântico faz-se sentir até mais para o interior.
        No vale superior do Douro, a disposição concordante do relevo em relação à linha de costa, diminui a influência dos ventos
    
        húmidos do Atlântico e permite a penetração dos ventos quentes de leste.
         Na cordilheira central, as isotérmicas sofrem um inflexão para Este
    
        devido ao facto de ser um sistema montanhoso discordante, logo
        receptora da influência dos ventos de Oeste que ali vão amenizar as
        temperaturas durante o Verão.


Distribuição da temperatura média anual em Portugal Continental,
2006
A distribuição espacial da temperatura média em Janeiro e Agosto revela contrates
regionais no regime térmico no território continental, o mesmo acontecendo com a
repartição da temperatura média anual. Assim:
              Na temperatura média anual diminui de Sul para Norte (à medida que
         
              a latitude aumenta a temperatura diminui):
                      a temperatura média anual mais baixa regista-se no Norte do
               •
                     país e nas áreas de montanha, o que comprova não só a
                     influência da latitude, mas também do relevo;
                      a temperatura média anual mais elevada regista-se no litoral
               •
                     algarvio (latitude);
              A temperatura média anual é também mais elevada no norte interior,
         
              no vale superior do Douro, em virtude de ser uma área protegida dos
              ventos húmidos de Oeste, o que reflecte o maior afastamento ao
              oceano Atlântico (maior continentalidade);
A temperatura média anual é mais baixa no Norte e nas áreas
          
                 montanhosas




Amplitude Térmica Anual em Portugal Continental
              As regiões que registam uma menor amplitude térmica anual inferior a 8º
      
              C, são as que estão mais próximas do oceano, nomeadamente no centro
              litoral, entre o cabo Carvoeiro e o cabo da Roca, e a sudoeste do Cabo de
              São Vicente.
              As regiões que registam uma maior amplitude térmica anual, superior a
      
              18º C, localizam-se a uma maior distância do oceano, entendendo-se ao
              longo da faixa fronteiriça, onde se destaca:
               Região do nordeste, por estar não só protegida da influência dos ventos
      
              húmidos de Oeste pelas montanhas concordantes, mas também por
              estar mais exposta aos ventos secos e frios no Inverno e secos e quentes
              no Verão vindos de Leste;
              A região do vale superior do Tejo por estar abrigada dos ventos de Oeste
      
              pelo sistema montanhoso formado pelas serras da Gardunha e Muradal;
               O vale do Guadiana, devido à influência dos ventos de Leste.
      

4.3- OS FACTORES DE VARIAÇÃO
           a latitude;
      •
           a topografia (altitude e orientação geográfica);
      •
           proximidade ou afastamento em relação ao oceano;
      •
           correntes marítimas.
      •

4.3.1- A influência da latitude
                 A medida que a latitude aumenta, o ângulo de incidência vai diminuindo, logo as regiões que se localizam para Norte
          
                 recebem os raios solares com uma maior inclinação.

PORTUGAL localiza-se na zona temperada do hemisfério Norte, ou seja, a norte do trópico de Câncer. Devido à sua localização
geográfica, o ângulo de incidência nunca é máximo. Assim:
- O Norte tem a temperatura média anual inferior à registada no Sul, uma vez que, devido à sua maior latitude, o ângulo de
incidência dos raios solares é menor e a massa atmosférica a percorrer por estes é maior, o que provoca a diminuição da radiação
solar incidente por unidade de superfície e, consequentemente, o decréscimo da temperatura.
- No Sul a temperatura média anual é superior devido:
                       Ao maior ângulo de incidência dos raios solares e à menor massa atmosférica por estes atravessada sobre esta
        
             região, o que se traduz numa maior quantidade de radiação solar recebida por unidade de superfície e um aumento da
             temperatura;
                       À influência, sobretudo no Algarve, das massas de ar quente e seco oriundas do Norte de África, principalmente
        
             do Deserto do Sara, que fazem aumentar a temperatura nesta região.
4.3.2- A influência da topografia
À escala local, as elevações do solo e respectiva orientação condicionam a quantidade de radiação solar recebida e a temperatura.
Assim, a influência da topografia, tal como acontece para a radiação solar, faz-se sentir sobre a temperatura através da:
        Altitude
   
        Orientação geográfica das montanhas em relação:
   
                       - aos raios solares;
                       - à linha de costa.

          O contrate do relevo:
  
                       - Norte - mais montanhoso
                       - Sul - mais plano
          Tendo em conta o gradiente térmico vertical
  
          Os valores de temperaturas média anual mais baixos ocorrem, então, no Centro, na Cordilheira central, e no Norte de
  
          Portugal.



Orientação geográfica das vertentes
Montanhas concordantes – constituem um obstáculo aos ventos húmidos de oeste
Montanhas discordantes – favorecem a circulação dos ventos húmidos


Norte de Portugal Continental
                             Montanhas concordantes (Peneda-Gerês, Marão, Larouco) que fazem com que o ar se torne cada vez
                        
                            mais seco de Oeste para Este, logo uma região no interior será mais seca e quente no Verão e mais fria
                            no Inverno, como é o exemplo do vale superior do Douro.
Resto do País
                             Montanhas Discordantes (Cordilheira Central) ou não existem, os ventos de oeste penetram mais
                        
                            facilmente para as regiões do interior, amenizando, então as temperaturas ao longo do ano.


4.3.3- A influência da proximidade ou afastamento do oceano
A influência do oceano Atlântico é, dada a posição geográfica de Portugal e a extensão da costa portuguesa, um factor relevante na
variação regional da temperatura doar, uma vez que a circulação atmosférica se faz, à nossa latitude, de Oeste para Este.

A Influência do ar húmido marítimo sobre o território continental vai diminuindo:
        De Norte para Sul, devido ao traçado da linha de costa que recua para Este, a Sul do Cabo da Roca;
   
        De Oeste para Este, ou seja à medida que aumenta a distância ao Atlântico (aumenta a continentalidade), uma vez que os
   
        ventos húmidos de Oeste, ao longo do seu trajecto pela superfície continental, vão perdendo humidade, tornando-se mais
        secos, de forma mais gradual ou mais brusca, de acordo com a altitude e com a orientação da topografia.

ASSIM, nas áreas próximas ao oceano Atlântico (menor continentalidade), a amplitude térmica anual é fraca, comparativamente às
áreas mais afastadas.
                                                                    4.3.3- A influência das correntes marítimas

                                                                    Principais correntes marítimas do Atlântico Norte

                                                                    As correntes quentes (que se deslocam da região intertropical
                                                                    para as médias e altas latitude) contribuem para moderar as
                                                                    temperaturas invernais, permitindo a amenização das
                                                                    temperaturas dos lugares localizados junto à costa.
                                                                        Em Portugal, especialmente durante o Inverno, temos a
                                                                            corrente de Portugal, que deriva da corrente do Golfo e
                                                                            influencia a temperatura dos lugares localizados junto
                                                                            ao litoral, não permitindo que esta seja muito reduzida.




      5- DISTRIBUIÇÃO E VARIAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM PORTUGAL
                             CONTINENTAL

       5.1- VARIABILIDADE MÉDIA SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO 1976-2004

      A precipitação em Portugal Continental apresenta uma distribuição IRREGULAR,
distinguindo-se dois períodos:
      MAIS CHUVOSO – Outubro -Fevereiro/Março. O Inverno concentra cerca de 42% da
precipitação anual;
      MAIS SECO – Abril – Setembro, com destaque para Julho e Agosto (Primavera de Verão). O
Verão concentra apenas cerca de 6% da precipitação anual.
5.2- CAUSAS DA VARIAÇÃO SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO




                  5.3- DISTRIBUIÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM PORTUGAL CONTINENTAL

    Grande irregularidade do volume, do ritmo das precipitações e distribuição
•
    geográfica.
     A quantidade anual de precipitação, de modo geral:
•
•   diminui de norte para sul
•   litoral para o interior (sendo o contraste mais evidente entre as regiões do
    norte e do sul do país)
•    No noroeste e nas áreas de montanha, registam-se os maiores valores de
    precipitação, enquanto no vale superior do Douro e no sul do país, sobretudo
    no interior, se registam os mais baixos.




                      5.4- AS CAUSAS DA REPARTIÇÃO ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO
6- O CLIMA EM PORTUGAL CONTINENTAL
Ficha Informativa  - Clima De Portugal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Principais tipos de chuvas[1]
Principais tipos de chuvas[1]Principais tipos de chuvas[1]
Principais tipos de chuvas[1]
manuelalemos
 
Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontais
acbaptista
 
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcãoTeste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Carlos Ferreira
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Raffaella Ergün
 
O estado do tempo - geografia
O estado do tempo - geografiaO estado do tempo - geografia
O estado do tempo - geografia
Catarina Sequeira
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
Ana Delgado
 

Mais procurados (20)

As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em Portugal
 
Clima Em Portugal
Clima Em PortugalClima Em Portugal
Clima Em Portugal
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresO Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
 
Principais tipos de chuvas[1]
Principais tipos de chuvas[1]Principais tipos de chuvas[1]
Principais tipos de chuvas[1]
 
Superfícies frontais
Superfícies frontaisSuperfícies frontais
Superfícies frontais
 
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcãoTeste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcão
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
Território português
Território portuguêsTerritório português
Território português
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
O estado do tempo - geografia
O estado do tempo - geografiaO estado do tempo - geografia
O estado do tempo - geografia
 
Floresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal ContinentalFloresta em Portugal Continental
Floresta em Portugal Continental
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 

Semelhante a Ficha Informativa - Clima De Portugal

Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
ProfMario De Mori
 
Correntes oceânicas
Correntes oceânicasCorrentes oceânicas
Correntes oceânicas
Samara Mattos
 
Variação da temperatura geografia
Variação da temperatura   geografia Variação da temperatura   geografia
Variação da temperatura geografia
Thepatriciamartins12
 
Climas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisClimas e formações vegetais
Climas e formações vegetais
Ingrid Bispo
 
Distribuição da precipitação
Distribuição da precipitaçãoDistribuição da precipitação
Distribuição da precipitação
professoraIsabel
 

Semelhante a Ficha Informativa - Clima De Portugal (20)

Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Fatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticosFatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticos
 
O clima
O climaO clima
O clima
 
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
 
Distribuição da temperatura portuguesa- Contrastes
Distribuição da temperatura portuguesa- ContrastesDistribuição da temperatura portuguesa- Contrastes
Distribuição da temperatura portuguesa- Contrastes
 
Correntes oceânicas
Correntes oceânicasCorrentes oceânicas
Correntes oceânicas
 
O clima
O climaO clima
O clima
 
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 1
Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 1Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 1
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 1
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variação da temperatura geografia
Variação da temperatura   geografia Variação da temperatura   geografia
Variação da temperatura geografia
 
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Climas - Prof. Marco Aurelio Gondim [www.gondim.net]
 
Climas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasilClimas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasil
 
Climas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisClimas e formações vegetais
Climas e formações vegetais
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.
 
Distribuição da precipitação
Distribuição da precipitaçãoDistribuição da precipitação
Distribuição da precipitação
 
Distribuiodaprecipitao 110305144235-phpapp02
Distribuiodaprecipitao 110305144235-phpapp02Distribuiodaprecipitao 110305144235-phpapp02
Distribuiodaprecipitao 110305144235-phpapp02
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Vaiacao anual temperatura
Vaiacao anual temperaturaVaiacao anual temperatura
Vaiacao anual temperatura
 

Mais de abarros

Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
abarros
 
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTEÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
abarros
 
Relatório do idh 2011
Relatório do idh   2011Relatório do idh   2011
Relatório do idh 2011
abarros
 
Ficha Informativa - Climas do Mundo
Ficha Informativa - Climas do MundoFicha Informativa - Climas do Mundo
Ficha Informativa - Climas do Mundo
abarros
 
Evolução da população mundial
Evolução da população mundialEvolução da população mundial
Evolução da população mundial
abarros
 
ELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURAL
ELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURALELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURAL
ELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURAL
abarros
 
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAISRISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
abarros
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
abarros
 
Localização Absoluta - 7º D
Localização Absoluta - 7º DLocalização Absoluta - 7º D
Localização Absoluta - 7º D
abarros
 
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede   bacia hidrográfica - acidentes do litoralRede   bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
abarros
 
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
Mobilidade e Acessibilidade   Cp4Mobilidade e Acessibilidade   Cp4
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
abarros
 
Áreas Rurais - Parte II
Áreas Rurais - Parte IIÁreas Rurais - Parte II
Áreas Rurais - Parte II
abarros
 

Mais de abarros (20)

Ficha de trabalho Indústria portuguesa 9º ano
Ficha de trabalho   Indústria portuguesa 9º anoFicha de trabalho   Indústria portuguesa 9º ano
Ficha de trabalho Indústria portuguesa 9º ano
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
 
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTEÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
ÁREAS RURAIS E ÁREAS URBANAS 1ª PARTE
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
Relatório do idh 2011
Relatório do idh   2011Relatório do idh   2011
Relatório do idh 2011
 
Ficha Informativa - Climas do Mundo
Ficha Informativa - Climas do MundoFicha Informativa - Climas do Mundo
Ficha Informativa - Climas do Mundo
 
Evolução da população mundial
Evolução da população mundialEvolução da população mundial
Evolução da população mundial
 
ELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURAL
ELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURALELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURAL
ELEMENTOS DO ESTADO DE TEMPO - MEIO NATURAL
 
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAISRISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
 
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
 
União Europeia
União EuropeiaUnião Europeia
União Europeia
 
Localização Absoluta - 7º D
Localização Absoluta - 7º DLocalização Absoluta - 7º D
Localização Absoluta - 7º D
 
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede   bacia hidrográfica - acidentes do litoralRede   bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
 
FICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMOFICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMO
 
Ces
CesCes
Ces
 
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
Mobilidade e Acessibilidade   Cp4Mobilidade e Acessibilidade   Cp4
Mobilidade e Acessibilidade Cp4
 
Recomendações Programacao Qren
Recomendações Programacao QrenRecomendações Programacao Qren
Recomendações Programacao Qren
 
O Sistema de Reabilitação e as Trajectórias de Vida das Pessoas com Deficiênc...
O Sistema de Reabilitação e as Trajectórias de Vida das Pessoas com Deficiênc...O Sistema de Reabilitação e as Trajectórias de Vida das Pessoas com Deficiênc...
O Sistema de Reabilitação e as Trajectórias de Vida das Pessoas com Deficiênc...
 
Caracterização da população com deficiências e incapacidades
Caracterização da população com deficiências e incapacidadesCaracterização da população com deficiências e incapacidades
Caracterização da população com deficiências e incapacidades
 
Áreas Rurais - Parte II
Áreas Rurais - Parte IIÁreas Rurais - Parte II
Áreas Rurais - Parte II
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 

Ficha Informativa - Clima De Portugal

  • 1. MATERIAL DIDÁCTICO – FOLHA DE ROSTO D E S I G N A Ç Ã O ( S ) : O Quadro Natural de Portugal – O Clima 3- GRÁFICO TERMOPLUVIOMÉTRICO Gráfico onde estão simultaneamente representadas as variações da temperatura e da precipitação ao longo do ano e num determinado lugar. Meses secos São aqueles em que a precipitação total mensal é inferior ao dobro do valor da temperatura média desse mês. (P ≤2T) Ou seja, são aqueles meses em que a barra da precipitação está abaixo da linha da temperatura Meses húmidos São aqueles em que a precipitação total mensal é igual ou superior ao dobro do valor da temperatura média desse mês. (P >2T) 4- DISTRIBUIÇÃO DA TEMPERATURA EM PORTUGAL CONTINENTAL 4.1- Variação Anual das Temperaturas Médias Mensais em Portugal Continental Variação irregular - Variação sazonal das temperaturas médias mensais: • Valores mais baixos nos meses de Inverno, com destaque para Janeiro • Valores mais elevados durante os meses de Verão, como é o caso de Julho e de Agosto 4.2- Distribuição Anual das Temperaturas Médias Mensais em Portugal Continental Independentemente da variação da temperaturas média ao longo do ano, em que: • Invernos são mais frios • Verões mais quentes Verifica-se contrastes regionais, marcam o território continental. O Regime térmico é então caracterizado no geral: • Contraste Norte-Sul, mais acentuado no Inverno: O Sul regista, ao  longo do ano, temperaturas médias mais elevadas do que o Norte do país; Diminuição das  temperaturas médias de Sul para Norte, ou seja, em latitude; Por um contraste Oeste-Este (litoral- interior):
  • 2. Nos meses mais quentes, no Verão, a temperaturas aumenta de oeste para Este, ou seja, o litoral regista  temperaturas mais amenas e o interior valores mais elevados, com excepção da Cordilheira Central e das restantes áreas de maior altitude; Nos meses mais frios, no Inverno, a temperatura diminui de Oeste para Este, ou seja, no interior as temperaturas  são mais baixas, nomeadamente no nordeste e nas áreas de maior altitude, como a Cordilheira Central. Isotérmicas reduzidas ao nível do mar em Portugal Continental Se reduzirmos o território nacional ao nível médio das águas do mar, retira-se o efeito da topografia, o que permite concluir que:  Comparando o traçado das isotérmicas de Janeiro e Julho, verifica-se que a distribuição espacial das temperaturas apresenta um padrão diferente nos dois meses; Em Janeiro:  A disposição das isotérmicas é oblíqua em relação à linha de costa - de modo geral, a temperatura diminui de sudoeste para nordeste.  As temperaturas máximas registam-se no sudoeste algarvio e as mínimas no nordeste transmontano, revelando a influência da latitude e da proximidade ou afastamento ao oceano; Em Julho:  A disposição das isotérmicas é quase paralela à linha de costa – a variação da temperatura faz-se do litoral para o interior, onde se registam os valores mais altos.  Esta disposição deve-se ao facto de, no Verão, a influencia do Atlântico ser mais importante, como evidenciam as inflexões para este, no vale do Mondego, e para Oeste, no vale superior do Douro. No vale do Mondego, a influência do atlântico faz-se sentir até mais para o interior. No vale superior do Douro, a disposição concordante do relevo em relação à linha de costa, diminui a influência dos ventos  húmidos do Atlântico e permite a penetração dos ventos quentes de leste. Na cordilheira central, as isotérmicas sofrem um inflexão para Este  devido ao facto de ser um sistema montanhoso discordante, logo receptora da influência dos ventos de Oeste que ali vão amenizar as temperaturas durante o Verão. Distribuição da temperatura média anual em Portugal Continental, 2006 A distribuição espacial da temperatura média em Janeiro e Agosto revela contrates regionais no regime térmico no território continental, o mesmo acontecendo com a repartição da temperatura média anual. Assim: Na temperatura média anual diminui de Sul para Norte (à medida que  a latitude aumenta a temperatura diminui): a temperatura média anual mais baixa regista-se no Norte do • país e nas áreas de montanha, o que comprova não só a influência da latitude, mas também do relevo; a temperatura média anual mais elevada regista-se no litoral • algarvio (latitude); A temperatura média anual é também mais elevada no norte interior,  no vale superior do Douro, em virtude de ser uma área protegida dos ventos húmidos de Oeste, o que reflecte o maior afastamento ao oceano Atlântico (maior continentalidade);
  • 3. A temperatura média anual é mais baixa no Norte e nas áreas  montanhosas Amplitude Térmica Anual em Portugal Continental As regiões que registam uma menor amplitude térmica anual inferior a 8º  C, são as que estão mais próximas do oceano, nomeadamente no centro litoral, entre o cabo Carvoeiro e o cabo da Roca, e a sudoeste do Cabo de São Vicente. As regiões que registam uma maior amplitude térmica anual, superior a  18º C, localizam-se a uma maior distância do oceano, entendendo-se ao longo da faixa fronteiriça, onde se destaca: Região do nordeste, por estar não só protegida da influência dos ventos  húmidos de Oeste pelas montanhas concordantes, mas também por estar mais exposta aos ventos secos e frios no Inverno e secos e quentes no Verão vindos de Leste; A região do vale superior do Tejo por estar abrigada dos ventos de Oeste  pelo sistema montanhoso formado pelas serras da Gardunha e Muradal; O vale do Guadiana, devido à influência dos ventos de Leste.  4.3- OS FACTORES DE VARIAÇÃO a latitude; • a topografia (altitude e orientação geográfica); • proximidade ou afastamento em relação ao oceano; • correntes marítimas. • 4.3.1- A influência da latitude A medida que a latitude aumenta, o ângulo de incidência vai diminuindo, logo as regiões que se localizam para Norte  recebem os raios solares com uma maior inclinação. PORTUGAL localiza-se na zona temperada do hemisfério Norte, ou seja, a norte do trópico de Câncer. Devido à sua localização geográfica, o ângulo de incidência nunca é máximo. Assim: - O Norte tem a temperatura média anual inferior à registada no Sul, uma vez que, devido à sua maior latitude, o ângulo de incidência dos raios solares é menor e a massa atmosférica a percorrer por estes é maior, o que provoca a diminuição da radiação solar incidente por unidade de superfície e, consequentemente, o decréscimo da temperatura. - No Sul a temperatura média anual é superior devido: Ao maior ângulo de incidência dos raios solares e à menor massa atmosférica por estes atravessada sobre esta  região, o que se traduz numa maior quantidade de radiação solar recebida por unidade de superfície e um aumento da temperatura; À influência, sobretudo no Algarve, das massas de ar quente e seco oriundas do Norte de África, principalmente  do Deserto do Sara, que fazem aumentar a temperatura nesta região. 4.3.2- A influência da topografia À escala local, as elevações do solo e respectiva orientação condicionam a quantidade de radiação solar recebida e a temperatura. Assim, a influência da topografia, tal como acontece para a radiação solar, faz-se sentir sobre a temperatura através da: Altitude  Orientação geográfica das montanhas em relação:  - aos raios solares; - à linha de costa. O contrate do relevo:  - Norte - mais montanhoso - Sul - mais plano Tendo em conta o gradiente térmico vertical  Os valores de temperaturas média anual mais baixos ocorrem, então, no Centro, na Cordilheira central, e no Norte de  Portugal. Orientação geográfica das vertentes
  • 4. Montanhas concordantes – constituem um obstáculo aos ventos húmidos de oeste Montanhas discordantes – favorecem a circulação dos ventos húmidos Norte de Portugal Continental Montanhas concordantes (Peneda-Gerês, Marão, Larouco) que fazem com que o ar se torne cada vez  mais seco de Oeste para Este, logo uma região no interior será mais seca e quente no Verão e mais fria no Inverno, como é o exemplo do vale superior do Douro. Resto do País Montanhas Discordantes (Cordilheira Central) ou não existem, os ventos de oeste penetram mais  facilmente para as regiões do interior, amenizando, então as temperaturas ao longo do ano. 4.3.3- A influência da proximidade ou afastamento do oceano A influência do oceano Atlântico é, dada a posição geográfica de Portugal e a extensão da costa portuguesa, um factor relevante na variação regional da temperatura doar, uma vez que a circulação atmosférica se faz, à nossa latitude, de Oeste para Este. A Influência do ar húmido marítimo sobre o território continental vai diminuindo: De Norte para Sul, devido ao traçado da linha de costa que recua para Este, a Sul do Cabo da Roca;  De Oeste para Este, ou seja à medida que aumenta a distância ao Atlântico (aumenta a continentalidade), uma vez que os  ventos húmidos de Oeste, ao longo do seu trajecto pela superfície continental, vão perdendo humidade, tornando-se mais secos, de forma mais gradual ou mais brusca, de acordo com a altitude e com a orientação da topografia. ASSIM, nas áreas próximas ao oceano Atlântico (menor continentalidade), a amplitude térmica anual é fraca, comparativamente às áreas mais afastadas. 4.3.3- A influência das correntes marítimas Principais correntes marítimas do Atlântico Norte As correntes quentes (que se deslocam da região intertropical para as médias e altas latitude) contribuem para moderar as temperaturas invernais, permitindo a amenização das temperaturas dos lugares localizados junto à costa.  Em Portugal, especialmente durante o Inverno, temos a corrente de Portugal, que deriva da corrente do Golfo e influencia a temperatura dos lugares localizados junto ao litoral, não permitindo que esta seja muito reduzida. 5- DISTRIBUIÇÃO E VARIAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM PORTUGAL CONTINENTAL 5.1- VARIABILIDADE MÉDIA SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO 1976-2004 A precipitação em Portugal Continental apresenta uma distribuição IRREGULAR, distinguindo-se dois períodos: MAIS CHUVOSO – Outubro -Fevereiro/Março. O Inverno concentra cerca de 42% da precipitação anual; MAIS SECO – Abril – Setembro, com destaque para Julho e Agosto (Primavera de Verão). O Verão concentra apenas cerca de 6% da precipitação anual.
  • 5. 5.2- CAUSAS DA VARIAÇÃO SAZONAL DA PRECIPITAÇÃO 5.3- DISTRIBUIÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM PORTUGAL CONTINENTAL Grande irregularidade do volume, do ritmo das precipitações e distribuição • geográfica. A quantidade anual de precipitação, de modo geral: • • diminui de norte para sul • litoral para o interior (sendo o contraste mais evidente entre as regiões do norte e do sul do país) • No noroeste e nas áreas de montanha, registam-se os maiores valores de precipitação, enquanto no vale superior do Douro e no sul do país, sobretudo no interior, se registam os mais baixos. 5.4- AS CAUSAS DA REPARTIÇÃO ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO
  • 6. 6- O CLIMA EM PORTUGAL CONTINENTAL