Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 31-32

1.085 visualizações

Publicada em

Aula 31-32

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.085
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
681
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 31-32

  1. 1. O cartoon caricatura o desfasamento entre o papel formativo que a televisão (ou, em geral, órgãos de comunicação) pretendem assumir, veiculando, em alguns programas, mensagens de defesa do meio ambiente, e o que, na prática, através da publicidade, inculcam indire- tamente: um estilo de vida dependente da tecnologia e muito prejudicial à natureza. É esse o curto-circuito em questão. (58)
  2. 2. Problema não era só o excesso de publicidade — era, e talvez sobretudo, o conteúdo.
  3. 3. Numa redação de comentário de um texto, não é conveniente referir exemplos nossos (basta citar os do texto, se for caso disso). Concordo com o cartoonista A meu ver, Quanto a mim,
  4. 4. , como, por exemplo,
  5. 5. ironizado objeto de ironia tratado com ironia abordado ironicamente caricaturado satirizado ridicularizado
  6. 6. … o quão …
  7. 7. quão mui quiçá amiúde como soía dizer-se adrede
  8. 8. Antes de se avançar para uma estrutura avaliar as complexidades sintáticas que ela implica.
  9. 9. página 326 Funções sintáticas ao nível da frase Sujeito Predicado Modificador Vocativo
  10. 10. A. Aprende-se melhor Português, se se tiver penicos de louça fina. sujeito nulo indeterminado
  11. 11. B. Na Idade Média havia anjos com bonitas auréolas coloridas. sujeito nulo expletivo
  12. 12. C. Deste uma sova no bom do padre? sujeito nulo subentendido
  13. 13. D. Comunicaram à escola as datas dos exames de Lavores. sujeito nulo indeterminado
  14. 14. E. Hoje nevou no concelho de Sintra. sujeito nulo expletivo
  15. 15. F. Estou cada vez mais inteligente e burro. sujeito nulo subentendido
  16. 16. Não há sujeito nulo expletivo em a) Há sujeito nulo expletivo nesta alínea. b) Não há sujeito nulo expletivo nesta alínea. c) Todas as sextas chove na sala E13. d) Todas as sextas faço uma pergunta sobre sujeito expletivo.
  17. 17. Há sujeito nulo subentendido em a) Nós nada subentendemos. b) As alheiras com ovo nada me dizem. c) Ezequiel, percebeste tudo? d) No dia 16 de maio de 2018, chegarão os mercedes, os audis, os BMW.
  18. 18. Não há sujeito nulo indeterminado em a) Compra-se ferro-velho. b) Andaram a difamar o Papa. c) Há bolas de Berlim tão deliciosas! d) Diz-se que o ministro vem cá amanhã.
  19. 19. Na primeira cena, dois aviadores usam expressões e palavras que eles supõem terem uma aceção diferente do seu significado comum. Acreditam que se trata de palavras que, na gíria da sua profissão, teriam um significado especial. Seriam palavras com
  20. 20. polissemia (ou, pelo menos, com um segundo sentido, mais figurado, além do seu valor primeiro, o denotativo). No entanto, os colegas não reconhecem os alegados segundos sentidos, conotativos, na linguagem profissional: para eles, aquelas expressões são monossémicas.
  21. 21. Na cena passada em família, o homem da casa vai avaliando palavras pela sua aparência, pelo som. Cria um neologismo (em termos de processo de formação, uma palavra cunhada, já que surgiu por pura invenção), «gorn», que lhe agrada particularmente. Entretanto, atribui conotações às expressões que elenca, embora esses segundos sentidos pareçam inesperados. Na verdade, não estaremos bem perante conotações, e ainda menos
  22. 22. aceções de uma dada palavra, mas perante associações de ideias, por idios- sincrasias do falante. A dada altura, pro- cede a uma série que constitui um campo lexical (da ‘pornografia’, ou das «palavras marotas», como vem no filme): «sexo», «coxas firmes», «rabo», «zona erógena», «concubina».

×