SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
IX Congresso Ibero-Americano de Psicologia – Lisboa 2014 
Desejo, intimidade e diferenciação em casais Portugueses: 
Resultados finais do Projecto Intimidades 
Luana Cunha Ferreira 
Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa 
Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 
Morgan Center for the Study of Relationships and Personal Life (Universidade de Manchester, UK) 
Ackerman Institute for the Family & City College of New York (NY,C EUA)
Perel, 2007 
O aumento da 
intimidade 
emocional entre 
parceiros leva à 
diminuição do 
desejo sexual 
O desejo erótico cresce 
no mistério, no 
desconhecido e no 
imprevisível, não na 
familiaridade, nas rotinas 
e nos hábitos das relações 
domésticas 
O desafio para os casais 
modernos é reconciliar a 
necessidade de segurança 
e previsibilidade com o 
desejo de descobrir o que 
é novo , misterioso e 
fascinante. 
Será a diferenciação 
do self a missing link 
entre intimidade e 
desejo?
Diferenciação do self 
Fusão 
Autonomia 
na 
intimidade 
Distanciamento 
(Bowen, 1979; Schnarch, 2001)
Pertinência 
Intimidade 
Desejo 
Diferenciação 
Satisfação 
conjugal 
Bem estar 
Saúde física 
e mental 
Saúde física 
e mental 
• Poucos estudos focados na díade – casal 
• Poucos estudos de ênfase qualitativo focado na 
experiência e vivência conjugal 
• Não há estudos que enderecem o tema específico
Casais Pessoas a viver em casal 
Entrevista conjunta: 
Intimidade; Desejo; Diferenciação; 
Trajectórias; inter-relações 
Estudos Qualitativos Estudos Quantitativos 
Intimidade 
N=428 
Questionário de auto-relato: 
Intimidade (MSIS); Diferenciação do self (DSI-R); 
Desejo sexual (HISD); Satisfação conjugal (EASAVIC) 
Desejo & 
Diferenciação 
Discrepâncias 
no casal 
Modelos 
preditivos 
N=33 
Estudos ed validação de escalas 
N=492 
33 casais heterossexuais (N=66) 
Idade : M= 40 anos 
Tempo de coabitação: M=13 anos 
Casais com filhos (62.5%) 
Análise Qualitativa: 
Constructivist Grounded Theory
Estudo 1: INTIMIDADE 
O que é a Intimidade Conjugal? 
Quais os fatores que mais influenciam a 
Intimidade no Casal? 
Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (2013). Authenticity, work and change: A qualitative 
study on couple intimacy Families, Relationships and Societies, 2 (3), 339-354.
MODELO SISTÉMICO DA INTIMIDADE 
Autenticidade 
Partilha compreensão Confiança 
Estudo 1: Intimidade 
Autenticidade: 
A diferença que faz a diferença? 
“é estar à vontade para dizer o que penso, o que sinto…é 
não ter que me esconder atrás de máscaras [S: é poder 
ser eu própria] (…) sem estar com defesas” (C11)
O que é que globalmente mais influencia a intimidade? 
Filhos(43) 
Estudo 1: Intimidade
Estudo 2 
Como é que os casais encaram a articulação e o 
desenvolvimento do desejo sexual e da 
diferenciação ao longo da relação de casal? 
Que factores são identificados pelos casais como 
influenciadores dos processos e das trajectórias do 
desejo e da diferenciação? 
Ferreira, L. C., Fraenkel. P., Narciso, I., & Novo, R. F. (in press). Is committed desire intentional? 
A qualitative exploration of sexual desire and differentiation of self in couples. Family Process 
Estudo 2: Desejo Sexual e diferenciação
Fatores potenciadores do desejo 
Autonomia 
Tempo e (27) 
despreocu 
pação 
(17) 
Autonomia 
(27) 
Atratividade 
(20) 
Mudança 
(24) 
Homens Mulheres 
Monotonia 
(12) 
Conflito 
(20) 
Ter filhos e 
gravidez(26) 
Falta de 
tempo 
(15) 
Fatores perturbadores do desejo 
Mudança 
(25) 
Tempo e 
despreocup 
ação 
(20) 
Filhos e 
gravidez(12) 
Conflito 
(18) 
Fatiga 
(13) 
Falta de 
tempo 
(14) 
Erotismo 
(20) 
Sentir-se 
desejado 
(13) 
Estudo 2: Desejo Sexual e Diferenciação
Quais as estratégias de manutenção do desejo sexual 
co-construídas pelo casal? 
INOVAÇÃO 
(22) 
ESFORÇO E 
INVESTIMENTO (16) 
PARTILHA E 
COMUNICAÇÃO (15) 
AUTONOMIA 
(11) 
Estudo 2: Desejo Sexual e Diferenciação
Inovação 
Autonomia 
Partilha 
A mudança requer 
esforço consciente 
“Reinventar a relação, 
descobrir de novo e 
fazer diferente…não 
aceitar que as coisas 
são assim…porque sim” 
Esforço 
“O facto de ela fazer as 
coisas dela faz-me ter 
orgulho nela, admirá-la...e 
isso aumenta o meu 
desejo” P46 
“Se gerarmos novas situações, 
fora da rotina, o desejo pode ser 
aumentado. Se a nossa vida for 
sempre a mesma coisa, isso 
destrói o desejo...” (P45) 
“Partilhar medos, e apoiarmo-nos 
que há algo partilhado ali…e isso 
mexe connosco (P61) 
“Ir passear e parar num 
jardim, as vezes é quase como 
forçar o estar juntos, a falar, a 
desenvolver, a crescer, a 
continuar a construir” 
Estudo 2: Desejo Sexual e Diferenciação
Trajectórias mais frequentes 
Intimidade 
Aumento 
(P30) 
Desejo 
Altos e baixos (P18) 
Diminuição (P15) 
Aumento (P12) 
Aumento e depois 
estabiliza (P8) 
Estável(P8) 
U curve (P3) 
Diferenciação 
Aumento 
(P18) 
Estável 
(P16)
Como se desenvolve a diferenciação no casal? 
Riscos da 
‘fusão’ 
•Padrões disfuncionais de poder 
•Baixa confiança - ciúme 
•Saturação 
Benefícios da 
diferenciação 
•Manter o interesse-curiosidade 
•Promover a autonomia 
•Sublinhar a identidade 
“A paixão é fusão” (duração da relação) “Amor é diferenciação” 
(adap.P64) 
Estratégias de promoção da 
diferenciação
: 
As estratégias de promoção da 
diferenciação conjugal 
Diferenciação 
conjugal 
Desenvolver 
interesses 
pessoais 
Investir 
numa 
ligação 
positiva 
Potenciar a 
integridade 
pessoal
Estudo3 
Como é que as semelhanças entre parceiros estão 
relacionadas com os seus níveis de diferenciação, 
desejo e satisfação? 
Ferreira, L. C., Narciso, I., Novo, R. F., & Pereira, C. Partner’s similarity in differentiation of self 
contributes to higher couple sexual desire: A quantitative dyadic study. (submitted)
Resultados seleccionados: análise multinível 
A discrepância entre parceiros ao nível da diferenciação (alta vs. baixa) 
prediz negativamente o desejo sexual
Principais limitações 
Estudo transversal 
Amostra de conveniência 
• Baixa diversidade 
• Sobretudo casais satisfeitos 
Estudos Quantitativos 
• Multicolinearidade; Interdependência 
Estudos Qualitativos 
• Entrevista conjunta
Principais contributos 
Para a investigação 
• Definição da intimidade baseada em dados empíricos 
• Percepção de impacto de vários subsistemas na intimidade e no 
desejo 
• Diversidade de trajectórias do desejo sexual 
• Percepção sobre a trajectória e processo de diferenciação 
conjugal 
• Papel estrutural da diferenciação no desejo, intimidade e 
satisfação 
• Papel central do desejo como preditor da intimidade e 
satisfação
Principais contributos 
Para a Clínica 
• Postura agentic dos casais satisfeitos (espontaneidade vs 
estratégias) 
• Integração da partilha e da autonomia 
• Papel da autenticidade 
• Relevância da perspectiva diádica nas questões de desejo e de 
diferenciação 
• Tomada de consciência da ‘fusão’ pode desencadear a promoção 
da diferenciação conjugal 
• Avaliação: Stress e Trabalho como factores determinantes 
• Prevenção: Pontos de viragem (filho, coabitação)
Projecto Intimidades: Referências chave 
Ferreira, L. C., Narciso. I. & Novo, R (2012). Intimacy, sexual desire and differentiation in 
couplehood: A theoretical and methodological review. Journal of Sex and Marital 
Therapy, 38, 263-280. 
Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (2013). Authenticity, work and change: A 
qualitative study on couple intimacy. Families, Relationships and Societies, 2, 339- 
354. 
Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (in press). Is commited desire intencional desire? 
Family Process 
Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (in press). Predicting couple satisfaction. Sexual 
and Relationship Therapy 
• Leiblum, S. (2010). Treating sexual desire disorders,: A Clinical casebook. São Paulo: 
Artmed 
• Perel, E. (2008). Mating in Captivity: Reconciling the erotic and the domestic. NY: 
Harper Collins. 
• Schnarch, D. M. (2010). Intimacy and Desire. NY: Beaufort Books. 
www.luanacunhaferreira.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoJosé Luís Alves
 
Clima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalhoClima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalhoGeografias Geo
 
Biologia 11 sistemas de classificação
Biologia 11   sistemas de classificaçãoBiologia 11   sistemas de classificação
Biologia 11 sistemas de classificaçãoNuno Correia
 
Como responder a questões abertas
Como responder a questões abertasComo responder a questões abertas
Como responder a questões abertasAna Castro
 
Bg 5 como é constituída a molécula de dna
Bg 5   como é constituída a molécula de dnaBg 5   como é constituída a molécula de dna
Bg 5 como é constituída a molécula de dnaNuno Correia
 
Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.varzeano07
 
Experiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlExperiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlCecilferreira
 
farsa_ines_pereira_sintese.pptx
farsa_ines_pereira_sintese.pptxfarsa_ines_pereira_sintese.pptx
farsa_ines_pereira_sintese.pptxCatarina Nunes
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestresmargaridabt
 
Discurso político e texto argumentativo
Discurso político e texto argumentativoDiscurso político e texto argumentativo
Discurso político e texto argumentativoAntónio Fernandes
 
Deíticos - correção
Deíticos - correçãoDeíticos - correção
Deíticos - correçãoBiblioAlba
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercíciosNuno Correia
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuadaNuno Correia
 
Biologia 11 dna, um polímero de nucleótidos em dupla hélice
Biologia 11   dna, um polímero de nucleótidos em dupla héliceBiologia 11   dna, um polímero de nucleótidos em dupla hélice
Biologia 11 dna, um polímero de nucleótidos em dupla héliceNuno Correia
 
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosFicha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosAMLDRP
 

Mais procurados (20)

Teste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º anoTeste Biologia e Geologia 11º ano
Teste Biologia e Geologia 11º ano
 
Clima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalhoClima factores ficha_trabalho
Clima factores ficha_trabalho
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Biologia 11 sistemas de classificação
Biologia 11   sistemas de classificaçãoBiologia 11   sistemas de classificação
Biologia 11 sistemas de classificação
 
Argumentos Citológicos
Argumentos CitológicosArgumentos Citológicos
Argumentos Citológicos
 
Como responder a questões abertas
Como responder a questões abertasComo responder a questões abertas
Como responder a questões abertas
 
Bg 5 como é constituída a molécula de dna
Bg 5   como é constituída a molécula de dnaBg 5   como é constituída a molécula de dna
Bg 5 como é constituída a molécula de dna
 
Atividade vulcanica
Atividade vulcanicaAtividade vulcanica
Atividade vulcanica
 
Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.Equações e Formulas da Física.
Equações e Formulas da Física.
 
Experiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahlExperiência de meselson e stahl
Experiência de meselson e stahl
 
farsa_ines_pereira_sintese.pptx
farsa_ines_pereira_sintese.pptxfarsa_ines_pereira_sintese.pptx
farsa_ines_pereira_sintese.pptx
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
 
Discurso político e texto argumentativo
Discurso político e texto argumentativoDiscurso político e texto argumentativo
Discurso político e texto argumentativo
 
Deíticos - correção
Deíticos - correçãoDeíticos - correção
Deíticos - correção
 
Biologia 11 exercícios
Biologia 11   exercíciosBiologia 11   exercícios
Biologia 11 exercícios
 
Biologia 11 reprodução assexuada
Biologia 11   reprodução assexuadaBiologia 11   reprodução assexuada
Biologia 11 reprodução assexuada
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Biologia 11 dna, um polímero de nucleótidos em dupla hélice
Biologia 11   dna, um polímero de nucleótidos em dupla héliceBiologia 11   dna, um polímero de nucleótidos em dupla hélice
Biologia 11 dna, um polímero de nucleótidos em dupla hélice
 
Teste 1
Teste 1Teste 1
Teste 1
 
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santosFicha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
Ficha de leitura o sétimo selo - josé rodrigues dos santos
 

Destaque

APT - O inimigo entre nós!
APT - O inimigo entre nós!APT - O inimigo entre nós!
APT - O inimigo entre nós!Leivan Carvalho
 
Palestra tempo amigo ou inimigo
Palestra tempo   amigo ou inimigoPalestra tempo   amigo ou inimigo
Palestra tempo amigo ou inimigoSergio Montes
 
Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009
Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009
Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009Elisabeth Dudziak
 
Para Onde Olhar Em Uma Tempestade
Para Onde Olhar Em Uma TempestadePara Onde Olhar Em Uma Tempestade
Para Onde Olhar Em Uma TempestadeAlexandre Fernandes
 
Reflexões sobre caráter e liderança
Reflexões sobre caráter e liderançaReflexões sobre caráter e liderança
Reflexões sobre caráter e liderançaDaniel de Carvalho Luz
 
Reunião de casais
Reunião de casaisReunião de casais
Reunião de casaisboasnovas
 
Manual de Identidade Visual Senac
Manual de Identidade Visual SenacManual de Identidade Visual Senac
Manual de Identidade Visual SenacBeto Lima Branding
 
203846802 teologia-arminiana-roger-olson
203846802 teologia-arminiana-roger-olson203846802 teologia-arminiana-roger-olson
203846802 teologia-arminiana-roger-olsonAndrea Leite
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal PersonalidadeCarlos Pessoa
 

Destaque (20)

O Espírito da Intimidade
O Espírito da IntimidadeO Espírito da Intimidade
O Espírito da Intimidade
 
APT - O inimigo entre nós!
APT - O inimigo entre nós!APT - O inimigo entre nós!
APT - O inimigo entre nós!
 
Intimidade
IntimidadeIntimidade
Intimidade
 
Palestra tempo amigo ou inimigo
Palestra tempo   amigo ou inimigoPalestra tempo   amigo ou inimigo
Palestra tempo amigo ou inimigo
 
Batalhas com Robocode
Batalhas com RobocodeBatalhas com Robocode
Batalhas com Robocode
 
Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009
Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009
Introducao a Competencia Informacional CRB-8 SENAC 2009
 
Para Onde Olhar Em Uma Tempestade
Para Onde Olhar Em Uma TempestadePara Onde Olhar Em Uma Tempestade
Para Onde Olhar Em Uma Tempestade
 
O papel das vitrudes na formação do carater
O papel das vitrudes na formação do caraterO papel das vitrudes na formação do carater
O papel das vitrudes na formação do carater
 
Reflexões sobre caráter e liderança
Reflexões sobre caráter e liderançaReflexões sobre caráter e liderança
Reflexões sobre caráter e liderança
 
Tópico 2 Intervalo de Confiança
Tópico 2   Intervalo de ConfiançaTópico 2   Intervalo de Confiança
Tópico 2 Intervalo de Confiança
 
Secretaria digital...
Secretaria digital...Secretaria digital...
Secretaria digital...
 
Deus existe! Antony Flew
Deus existe! Antony FlewDeus existe! Antony Flew
Deus existe! Antony Flew
 
Tecnica De Interpretação
Tecnica De InterpretaçãoTecnica De Interpretação
Tecnica De Interpretação
 
Reunião de casais
Reunião de casaisReunião de casais
Reunião de casais
 
INTIMIDADE COM DEUS
INTIMIDADE COM DEUSINTIMIDADE COM DEUS
INTIMIDADE COM DEUS
 
Manual de Identidade Visual Senac
Manual de Identidade Visual SenacManual de Identidade Visual Senac
Manual de Identidade Visual Senac
 
A identidade e a sua construção
A identidade e a sua construção A identidade e a sua construção
A identidade e a sua construção
 
203846802 teologia-arminiana-roger-olson
203846802 teologia-arminiana-roger-olson203846802 teologia-arminiana-roger-olson
203846802 teologia-arminiana-roger-olson
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Apostila nr 12
Apostila nr 12Apostila nr 12
Apostila nr 12
 

Semelhante a Diferenciação conjugal, intimidade e desejo sexual

Atração Interpessoal
Atração InterpessoalAtração Interpessoal
Atração Interpessoalalicecanuto
 
GestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida EGestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida EThiago de Almeida
 
Rolé Jovem I - Resultados do estudo
Rolé Jovem I - Resultados do estudoRolé Jovem I - Resultados do estudo
Rolé Jovem I - Resultados do estudorolejovem
 
5 regras para a relação durar
5 regras para a relação durar5 regras para a relação durar
5 regras para a relação durarAntonio Venancio
 
Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02
Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02
Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02Pelo Siro
 
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E LaboralAs RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E LaboralThiago de Almeida
 
aula sobre amor.pptx
aula sobre amor.pptxaula sobre amor.pptx
aula sobre amor.pptxAnySantos13
 
Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfKellyCristianyRodrig
 
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdfoitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdfrosemendes2001hotmai
 
Oito idades do homem
Oito idades do homemOito idades do homem
Oito idades do homemjalvesbts
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentaisThayane Victoriano
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chaveMarcelo Anjos
 

Semelhante a Diferenciação conjugal, intimidade e desejo sexual (20)

Atração Interpessoal
Atração InterpessoalAtração Interpessoal
Atração Interpessoal
 
GestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida EGestãO De Processos, Qualidade De Vida E
GestãO De Processos, Qualidade De Vida E
 
19 janeiro
19 janeiro19 janeiro
19 janeiro
 
Terapia de casal
Terapia de casalTerapia de casal
Terapia de casal
 
Rolé Jovem I - Resultados do estudo
Rolé Jovem I - Resultados do estudoRolé Jovem I - Resultados do estudo
Rolé Jovem I - Resultados do estudo
 
5 regras para a relação durar
5 regras para a relação durar5 regras para a relação durar
5 regras para a relação durar
 
Liderança e Desafios da Qualidade de Vida do Professor Universitário
Liderança e Desafios da Qualidade de Vida do Professor UniversitárioLiderança e Desafios da Qualidade de Vida do Professor Universitário
Liderança e Desafios da Qualidade de Vida do Professor Universitário
 
Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02
Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02
Ed sexual-setembro2010-110114045330-phpapp02-120918044524-phpapp02
 
Seleção de Parceiros.pdf
Seleção de Parceiros.pdfSeleção de Parceiros.pdf
Seleção de Parceiros.pdf
 
1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt
 
1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt1_ser_diferente.ppt
1_ser_diferente.ppt
 
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E LaboralAs RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
 
aula sobre amor.pptx
aula sobre amor.pptxaula sobre amor.pptx
aula sobre amor.pptx
 
Psicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdfPsicologia ciência do comportamento.pdf
Psicologia ciência do comportamento.pdf
 
7_Maio
7_Maio7_Maio
7_Maio
 
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdfoitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
oitoidadesdohomem-140410181200-phpapp01.pdf
 
Oito idades do homem
Oito idades do homemOito idades do homem
Oito idades do homem
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
 
7 janeiro
7 janeiro7 janeiro
7 janeiro
 

Diferenciação conjugal, intimidade e desejo sexual

  • 1. IX Congresso Ibero-Americano de Psicologia – Lisboa 2014 Desejo, intimidade e diferenciação em casais Portugueses: Resultados finais do Projecto Intimidades Luana Cunha Ferreira Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra Morgan Center for the Study of Relationships and Personal Life (Universidade de Manchester, UK) Ackerman Institute for the Family & City College of New York (NY,C EUA)
  • 2. Perel, 2007 O aumento da intimidade emocional entre parceiros leva à diminuição do desejo sexual O desejo erótico cresce no mistério, no desconhecido e no imprevisível, não na familiaridade, nas rotinas e nos hábitos das relações domésticas O desafio para os casais modernos é reconciliar a necessidade de segurança e previsibilidade com o desejo de descobrir o que é novo , misterioso e fascinante. Será a diferenciação do self a missing link entre intimidade e desejo?
  • 3. Diferenciação do self Fusão Autonomia na intimidade Distanciamento (Bowen, 1979; Schnarch, 2001)
  • 4. Pertinência Intimidade Desejo Diferenciação Satisfação conjugal Bem estar Saúde física e mental Saúde física e mental • Poucos estudos focados na díade – casal • Poucos estudos de ênfase qualitativo focado na experiência e vivência conjugal • Não há estudos que enderecem o tema específico
  • 5. Casais Pessoas a viver em casal Entrevista conjunta: Intimidade; Desejo; Diferenciação; Trajectórias; inter-relações Estudos Qualitativos Estudos Quantitativos Intimidade N=428 Questionário de auto-relato: Intimidade (MSIS); Diferenciação do self (DSI-R); Desejo sexual (HISD); Satisfação conjugal (EASAVIC) Desejo & Diferenciação Discrepâncias no casal Modelos preditivos N=33 Estudos ed validação de escalas N=492 33 casais heterossexuais (N=66) Idade : M= 40 anos Tempo de coabitação: M=13 anos Casais com filhos (62.5%) Análise Qualitativa: Constructivist Grounded Theory
  • 6. Estudo 1: INTIMIDADE O que é a Intimidade Conjugal? Quais os fatores que mais influenciam a Intimidade no Casal? Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (2013). Authenticity, work and change: A qualitative study on couple intimacy Families, Relationships and Societies, 2 (3), 339-354.
  • 7. MODELO SISTÉMICO DA INTIMIDADE Autenticidade Partilha compreensão Confiança Estudo 1: Intimidade Autenticidade: A diferença que faz a diferença? “é estar à vontade para dizer o que penso, o que sinto…é não ter que me esconder atrás de máscaras [S: é poder ser eu própria] (…) sem estar com defesas” (C11)
  • 8. O que é que globalmente mais influencia a intimidade? Filhos(43) Estudo 1: Intimidade
  • 9. Estudo 2 Como é que os casais encaram a articulação e o desenvolvimento do desejo sexual e da diferenciação ao longo da relação de casal? Que factores são identificados pelos casais como influenciadores dos processos e das trajectórias do desejo e da diferenciação? Ferreira, L. C., Fraenkel. P., Narciso, I., & Novo, R. F. (in press). Is committed desire intentional? A qualitative exploration of sexual desire and differentiation of self in couples. Family Process Estudo 2: Desejo Sexual e diferenciação
  • 10. Fatores potenciadores do desejo Autonomia Tempo e (27) despreocu pação (17) Autonomia (27) Atratividade (20) Mudança (24) Homens Mulheres Monotonia (12) Conflito (20) Ter filhos e gravidez(26) Falta de tempo (15) Fatores perturbadores do desejo Mudança (25) Tempo e despreocup ação (20) Filhos e gravidez(12) Conflito (18) Fatiga (13) Falta de tempo (14) Erotismo (20) Sentir-se desejado (13) Estudo 2: Desejo Sexual e Diferenciação
  • 11. Quais as estratégias de manutenção do desejo sexual co-construídas pelo casal? INOVAÇÃO (22) ESFORÇO E INVESTIMENTO (16) PARTILHA E COMUNICAÇÃO (15) AUTONOMIA (11) Estudo 2: Desejo Sexual e Diferenciação
  • 12. Inovação Autonomia Partilha A mudança requer esforço consciente “Reinventar a relação, descobrir de novo e fazer diferente…não aceitar que as coisas são assim…porque sim” Esforço “O facto de ela fazer as coisas dela faz-me ter orgulho nela, admirá-la...e isso aumenta o meu desejo” P46 “Se gerarmos novas situações, fora da rotina, o desejo pode ser aumentado. Se a nossa vida for sempre a mesma coisa, isso destrói o desejo...” (P45) “Partilhar medos, e apoiarmo-nos que há algo partilhado ali…e isso mexe connosco (P61) “Ir passear e parar num jardim, as vezes é quase como forçar o estar juntos, a falar, a desenvolver, a crescer, a continuar a construir” Estudo 2: Desejo Sexual e Diferenciação
  • 13. Trajectórias mais frequentes Intimidade Aumento (P30) Desejo Altos e baixos (P18) Diminuição (P15) Aumento (P12) Aumento e depois estabiliza (P8) Estável(P8) U curve (P3) Diferenciação Aumento (P18) Estável (P16)
  • 14. Como se desenvolve a diferenciação no casal? Riscos da ‘fusão’ •Padrões disfuncionais de poder •Baixa confiança - ciúme •Saturação Benefícios da diferenciação •Manter o interesse-curiosidade •Promover a autonomia •Sublinhar a identidade “A paixão é fusão” (duração da relação) “Amor é diferenciação” (adap.P64) Estratégias de promoção da diferenciação
  • 15. : As estratégias de promoção da diferenciação conjugal Diferenciação conjugal Desenvolver interesses pessoais Investir numa ligação positiva Potenciar a integridade pessoal
  • 16. Estudo3 Como é que as semelhanças entre parceiros estão relacionadas com os seus níveis de diferenciação, desejo e satisfação? Ferreira, L. C., Narciso, I., Novo, R. F., & Pereira, C. Partner’s similarity in differentiation of self contributes to higher couple sexual desire: A quantitative dyadic study. (submitted)
  • 17. Resultados seleccionados: análise multinível A discrepância entre parceiros ao nível da diferenciação (alta vs. baixa) prediz negativamente o desejo sexual
  • 18. Principais limitações Estudo transversal Amostra de conveniência • Baixa diversidade • Sobretudo casais satisfeitos Estudos Quantitativos • Multicolinearidade; Interdependência Estudos Qualitativos • Entrevista conjunta
  • 19. Principais contributos Para a investigação • Definição da intimidade baseada em dados empíricos • Percepção de impacto de vários subsistemas na intimidade e no desejo • Diversidade de trajectórias do desejo sexual • Percepção sobre a trajectória e processo de diferenciação conjugal • Papel estrutural da diferenciação no desejo, intimidade e satisfação • Papel central do desejo como preditor da intimidade e satisfação
  • 20. Principais contributos Para a Clínica • Postura agentic dos casais satisfeitos (espontaneidade vs estratégias) • Integração da partilha e da autonomia • Papel da autenticidade • Relevância da perspectiva diádica nas questões de desejo e de diferenciação • Tomada de consciência da ‘fusão’ pode desencadear a promoção da diferenciação conjugal • Avaliação: Stress e Trabalho como factores determinantes • Prevenção: Pontos de viragem (filho, coabitação)
  • 21. Projecto Intimidades: Referências chave Ferreira, L. C., Narciso. I. & Novo, R (2012). Intimacy, sexual desire and differentiation in couplehood: A theoretical and methodological review. Journal of Sex and Marital Therapy, 38, 263-280. Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (2013). Authenticity, work and change: A qualitative study on couple intimacy. Families, Relationships and Societies, 2, 339- 354. Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (in press). Is commited desire intencional desire? Family Process Ferreira, L. C., Narciso, I., & Novo, R. F. (in press). Predicting couple satisfaction. Sexual and Relationship Therapy • Leiblum, S. (2010). Treating sexual desire disorders,: A Clinical casebook. São Paulo: Artmed • Perel, E. (2008). Mating in Captivity: Reconciling the erotic and the domestic. NY: Harper Collins. • Schnarch, D. M. (2010). Intimacy and Desire. NY: Beaufort Books. www.luanacunhaferreira.com

Notas do Editor

  1. Papouchis (1982) Intimacy. Uma intimidade diferenciada
  2. Definição longitudinal
  3. Propriedades dos sistemas totalidade, circularidade, complexidade, sistema aberto, equifinalidade
  4. Alteridade potencia novas descobertas “Se a relação está estática e o olhar para o outro continua o mesmo, há um desinvestimento. O desejo precisa de um olha renovado” (P2) “Estar exposto à diferença e tolerar que o outro não está em fusão comigo….” (P77,78)