SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicopedagogia _ UNI-BH _ 2009




          Técnicas Projetivas
               Vínculo Escolar
                        Jogos

 Disciplina: Diagnóstico Psicopedagógico I
Professora Maria da Consolação A. Oliveira
      Grupo: Lúcia – Luciana - Thais
Técnicas Projetivas
Tem como objetivo investigar os vínculos que o sujeito pode
estabelecer em três grandes domínios: o escolar, o familiar
e consigo mesmo, pelos quais é possível reconhecer três
níveis em relação ao grau de consciência dos distintos
aspectos que constituem o vínculo da aprendizagem.
Sobre as provas projetivas, Weiss observa que:

a maneira do sujeito perceber, interpretar e estruturar o
material ou situação reflete os aspectos fundamentais do
seu psiquismo. É possível desse modo, buscar relações com
a apreensão do conhecimento como procurar, evitar
distorce, omitir, esquecer algo que lhe é apresentado.
Pode-se detectar, assim, obstáculos afetivos existentes
nesse processo de aprendizagem de nível geral e
especificamente                  escolar.

                                                 (2003,P. 117)
Para Sara Paín,

O que podemos avaliar por meio do desenho ou do
relato é a capacidade do pensamento para construir
uma organização coerente e harmoniosa e elaborar a
emoção. Também permitirá avaliar a deteriorização
que se produz no próprio pensamento.


O pensamento fala por meio do desenho onde se diz
mal ou não se diz nada, o que oferece a oportunidade
de     saber      como      o     sujeito     ignora.


(1992, p. 61)
Visca observa que:

► A interpretação de cada técnica projetiva deve ser
realizada em função do sujeito em particular;

► Não é necessário aplicar todas as provas e que é adequado
utilizar somente aquelas que se considerem necessárias em
função do que se observou;

► Observar que os critérios para   interpretação devem
somar-se aos critérios gerais do   diagnóstico   para   a
interpretação   das   provas.
Seleção das técnicas projetivas por vínculos

► Vínculo escolar: Par Educativo – Eu com meus
  companheiros – A planta da sala de aula.

► Vínculo familiar: A planta da minha casa – Os
  quatro momentos do dia – Família Educativa

► Vínculo consigo      mesmo:   O dia do meu
 aniversário – Minhas férias – Fazendo o que
 mais gosta – O desenho em episódios.
Seleção das Técnicas Projetivas por idade

   4 anos: O desenho em episódios.

   6 / 7 anos: Par Educativo – Os quatros momentos do dia –
    Família Educativa – O dia do meu aniversário – Minhas
    férias – Fazendo o que mais gosta.

   7 / 8 anos: As anteriores, e mais Eu com meus
    companheiros.

   8 / 9 anos: As anteriores, e mais A planta da sala de aula –
    A planta da minha casa.
Observações para análise das Técnicas Projetivas

-    O tamanho total do desenho.
-    O tamanho dos personagens.
-    Se o sujeito está presente nas cenas.
-    Quem não parece no desenho.
-    O distanciamento dos personagens.
-    Se utiliza a borracha durante o desenho.
-    Se não de senha pés e mãos.
-    Se faltam olhos, orelhas e boca.
-    Se o desenho está condizente ao que é pedido.
-    Se recusa desenhar ou escrever.
Posição do desenho na folha


   Superior – exigente

   Direita – progressivo
                                       Inferior – impulsivo
   Superior    direita  -
    exigente progressivo               Esquerda – regressivo

   Central – equilibrado              Superior esquerda       –
                                        impulsivo regressivo
       (VISCA, 2008, p. 23)
Os desenhos deverão ser analisados dentro de um
contexto geral e não de uma forma isolada.

   Durante a aplicação das técnicas projetivas , podemos
solicitar à criança que escreva algo sobre seu desenho, se a
criança já estiver alfabetizada.

   Caso seja percebida uma dificuldade muito acentuada,
como trocas que caracterizam uma dislexia, por exemplo,
poderemos realizar testes mais específicos de consciência
fonológica e fazer uma investigação mais aprofundada, bem
como indicá-lo para uma avaliação com outros especialistas.

   Se a acriança não quiser escrever nada, não devemos
forçá-la, pois estas provas envolvem uma situação muito
                                                   ligada ao
Em todos os desenhos, devemos ficar atentos ao:

   Título do desenho: por meio do título, também observamos
    o vínculo que se estabelece com a aprendizagem.

   Relato: de acordo com Visca, o relato é uma projeção que
    denuncia o vínculo de aprendizagem – do próprio conteúdo;
    pela correspondência com o desenho; por sua relação com
    o título. Observe no relato os mecanismos de dissociação,
    negação e repressão utilizados.
Aplicação das Técnicas Projetivas:

Vínculo Escolar: Eu com meus companheiros

-Idade:   sete a oito anos

-Autora:   Sara Bozzo De Shettini

-Objetivo:   Investigar os vínculo com os companheiros de
classe.

-Procedimento:
Consigna: Gostaria que você se desenhasse com seus
companheiros de classe.
-Após  o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao
desenho);

-Análise: tamanho total – tamanho do personagem principal –
tamanho dos demais personagens – posição dos personagens
– inclusão do docente – inclusão de pessoas de fora do grupo;

-Comentários   sobre os companheiros;

-Título.
Aplicação das Técnicas Projetivas:

Vínculo Escolar: Par Educativo


-Idade:    Seis a sete anos

-Autora:   Malvina Oris e María Luisa S. de Ocampo

-Objetivo:     Investigar os vínculos de aprendizagem do
sujeito.

-Procedimento:
Consigna: Gostaria que você desenhasse duas pessoas: uma
que ensina e uma que aprende
-Após o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao
desenho);

-Análise: tamanho total do desenho – tamanho dos
personagens – tamanho dos demais personagens – posição
dos personagens – corpo – tamanho dos objetos – distância
entre os personagens e o objeto de aprendizagem.

-Perspectiva   (Contextualização tridimensional);

-Local   da cena.
Aplicação das Técnicas Projetivas:

Vínculo Escolar: A planta da sala de aula

-Idade:   oito a nove anos.

-Autor:   Desconhecido.

-Objetivo:  Investigar a representação do campo geográfico
da sala e sua posição, real e desejada na mesma.

-Procedimento:
Consigna: Gostaria que você desenhasse a planta da sua sala
de aula, como se você estivesse vendo-a de cima.
-Após  o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao
desenho);

-Análise: disposição da sala de aula – tamanho da sala de aula
– localização na sala – elementos - ausência – representação
das pessoas.

-As aberturas (Frequentemente, o entrevistado faz
comentários à   medida   que desenha);

- Comentário sobre a aula.
Jogos
       BRINCAR – NO PRIMEIRO MOMENTO:

 Brincar é fundamental para o nosso desenvolvimento;
 É a principal atividade das crianças   quando não estão
  dedicadas às suas necessidades de sobrevivência;
 A   criança interagi em suas atividades físicas e
fantasiosas;
 Brincar    é    agradável, brinca-se pelo prazer de
Brincar.
MAS BRINCAR:

     O brincar é sério, uma vez que supõe atenção e
    concentração em um foco;

   Necessidade de disponibilidade,espaço,tempo, do corpo da
    criança e de seus conhecimentos,suas relações com
    pessoas, objetos e atividades.

     “Para nós brincar é a saudade ou a recuperação daquela
    criança que fomos um dia,que dava sua vida para as coisas
    pelo gosto e pelo valor que tinha em si mesmas, pelos
    benefícios ou pelas consequências inerentes ao próprio ato
    de sua realização.” (Macedo,2005,p.14 )
JOGAR:

   É mais importante que brincar, pois é um contexto de
    REGRAS E OBJETIVOS;
   No jogo, ganha-se ou perde-se;
   As delimitações são condições fundamentais para sua
    realização;
   Jogar é uma brincadeira organizada,convencional, com
    papéis e posições demarcadas.
   O jogo é uma brincadeira que evoluiu.

    “ A brincadeira é uma necessidade da criança; o jogo, uma
    de suas possibilidades à medida que nos tornamos mais
    velhos.” (Macedo,2005,p.15)
Dimensão lúdica

   Cinco indicadores de presença lúdica nos processos de
                        aprendizagem:

1- terem prazer funcional;
2- serem desafiadoras;
3-criarem possibilidades ou disporem delas;
4-possuírem dimensão simbólica e;
5- expressarem-se de modo construtivo ou relacional.
Jogos

   PEGA –VARETAS
      TANGRAN
 CONTE UM CONTO
  IMAGEM E AÇÃO
Referências

MACEDO, Lino. Os jogos e o lúdico na aprendizagem
escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005


SAMPAIO,       S.   Manual      Prático   do    Diagnóstico
Psicopedagógico Clínico. Rio de Janeiro; Wak Editora, 2009.
Páginas 99 a 110.


VISCA, J. Técnicas projetivas psicopedagógicas e pautas
gráficas para sua interpretação. Buenos Aires:Visca &
Visca Editores, 2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
Ana Cristina Balthazar
 
Eoca a entrevista operativa centrada na aprendizagem
Eoca a entrevista operativa centrada na aprendizagemEoca a entrevista operativa centrada na aprendizagem
Eoca a entrevista operativa centrada na aprendizagem
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Apostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autistaApostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autista
Elisangela Terra
 
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucionalRelatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Ravena B
 
Relato ìrio fonoaudioloìgico thiago fleming
Relato ìrio fonoaudioloìgico thiago flemingRelato ìrio fonoaudioloìgico thiago fleming
Relato ìrio fonoaudioloìgico thiago fleming
anacristinarosagato
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas
Silvana
 
Diagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogicoDiagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogico
Sinara Duarte
 
Modelo anamnese psicologia autista tea
Modelo anamnese psicologia autista teaModelo anamnese psicologia autista tea
Modelo anamnese psicologia autista tea
Eunice dos Santos
 
Projeto familia na escola
Projeto familia na escolaProjeto familia na escola
Projeto familia na escola
Eduardojr-professor
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
straraposa
 
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Alexandre Bandoch
 
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
Ana Paula
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
Fabiana Lopes
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
carmensilva723002
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
Luiza Carvalho
 
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
SimoneHelenDrumond
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Kelry Carvalho
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Isa ...
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
Edilania Batalha Batalha
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
UFMA e UEMA
 

Mais procurados (20)

O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudoO relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
O relatório psicológico deve conter, modelo de laudo
 
Eoca a entrevista operativa centrada na aprendizagem
Eoca a entrevista operativa centrada na aprendizagemEoca a entrevista operativa centrada na aprendizagem
Eoca a entrevista operativa centrada na aprendizagem
 
Apostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autistaApostila de atividades para criança autista
Apostila de atividades para criança autista
 
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucionalRelatorio estagio psicopedagogia institucional
Relatorio estagio psicopedagogia institucional
 
Relato ìrio fonoaudioloìgico thiago fleming
Relato ìrio fonoaudioloìgico thiago flemingRelato ìrio fonoaudioloìgico thiago fleming
Relato ìrio fonoaudioloìgico thiago fleming
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas
 
Diagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogicoDiagnostico psicopedagogico
Diagnostico psicopedagogico
 
Modelo anamnese psicologia autista tea
Modelo anamnese psicologia autista teaModelo anamnese psicologia autista tea
Modelo anamnese psicologia autista tea
 
Projeto familia na escola
Projeto familia na escolaProjeto familia na escola
Projeto familia na escola
 
Modelo relatório individual
Modelo relatório individualModelo relatório individual
Modelo relatório individual
 
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
Relatorios individuais do desempenho ed infantil 2ºsemestre_mundinhodacrianca...
 
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
 
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITAJOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
JOGOS PARA TRABALHAR OS NÍVEIS DE LEITURA E ESCRITA
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
 
Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil Sequência didática na educação infantil
Sequência didática na educação infantil
 
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
Materiais produzidos adaptados pela professora da sala de recursos multifunci...
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 

Semelhante a Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.

tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1
tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1
tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1
Michycau1
 
Jogos Matematicos
Jogos MatematicosJogos Matematicos
Jogos Matematicos
Graça Sousa
 
Procedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializanteProcedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializante
Sueli Menezes
 
Papel de carta walter trinca caixa de areia 11.2012
Papel de carta    walter trinca caixa de areia  11.2012Papel de carta    walter trinca caixa de areia  11.2012
Papel de carta walter trinca caixa de areia 11.2012
Cristina Maria de S Miranda
 
Jogos matemático
Jogos matemáticoJogos matemático
Jogos matemático
Francineteproinfo
 
Jogos matemáticos educação infantil
Jogos matemáticos   educação infantilJogos matemáticos   educação infantil
Jogos matemáticos educação infantil
Colégio Madre Bárbara
 
O desenho do par educativo (1)
O desenho do par educativo (1)O desenho do par educativo (1)
O desenho do par educativo (1)
Kardy Pinup
 
Psicopedagogia clinica pratica especifica
Psicopedagogia clinica  pratica especificaPsicopedagogia clinica  pratica especifica
Psicopedagogia clinica pratica especifica
Mariana Willendorff Oliveira
 
Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil
marciarsantos
 
Jogos
JogosJogos
Jogos
Mara Sueli
 
19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula
19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula
19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula
nadia26
 
Jogos para sala de aula
Jogos para sala de aulaJogos para sala de aula
Jogos para sala de aula
Vinícius Chris
 
Aprendizagem na Educação Infantil
Aprendizagem na Educação InfantilAprendizagem na Educação Infantil
Aprendizagem na Educação Infantil
ntm.pedagogico
 
Múltiplas Inteligências
Múltiplas InteligênciasMúltiplas Inteligências
Múltiplas Inteligências
WAK Editora
 
1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf
1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf
1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf
Francisco Sá
 
Animação Sociocultural
Animação SocioculturalAnimação Sociocultural
Animação Sociocultural
Luisa Lamas
 
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apostAl m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
pedagogia para licenciados
 
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apostAl m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
pedagogia para licenciados
 
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apostAl m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
pedagogia para licenciados
 
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Maria João Silva
 

Semelhante a Técnicas de diagnóstico psicopedagógico. (20)

tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1
tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1
tabela desenhos projetivos REVISADA.pdf1
 
Jogos Matematicos
Jogos MatematicosJogos Matematicos
Jogos Matematicos
 
Procedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializanteProcedimentos de aprendizagem socializante
Procedimentos de aprendizagem socializante
 
Papel de carta walter trinca caixa de areia 11.2012
Papel de carta    walter trinca caixa de areia  11.2012Papel de carta    walter trinca caixa de areia  11.2012
Papel de carta walter trinca caixa de areia 11.2012
 
Jogos matemático
Jogos matemáticoJogos matemático
Jogos matemático
 
Jogos matemáticos educação infantil
Jogos matemáticos   educação infantilJogos matemáticos   educação infantil
Jogos matemáticos educação infantil
 
O desenho do par educativo (1)
O desenho do par educativo (1)O desenho do par educativo (1)
O desenho do par educativo (1)
 
Psicopedagogia clinica pratica especifica
Psicopedagogia clinica  pratica especificaPsicopedagogia clinica  pratica especifica
Psicopedagogia clinica pratica especifica
 
Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil Fundamentos da Educação Infantil
Fundamentos da Educação Infantil
 
Jogos
JogosJogos
Jogos
 
19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula
19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula
19772128 dinamicas-para-trabalhar-em-sala-de-aula
 
Jogos para sala de aula
Jogos para sala de aulaJogos para sala de aula
Jogos para sala de aula
 
Aprendizagem na Educação Infantil
Aprendizagem na Educação InfantilAprendizagem na Educação Infantil
Aprendizagem na Educação Infantil
 
Múltiplas Inteligências
Múltiplas InteligênciasMúltiplas Inteligências
Múltiplas Inteligências
 
1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf
1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf
1556901470Modelo_Planejamento_BNCC_-_EI.pdf
 
Animação Sociocultural
Animação SocioculturalAnimação Sociocultural
Animação Sociocultural
 
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apostAl m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
 
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apostAl m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
 
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apostAl m da_alfabe_p_teberosky___apost
Al m da_alfabe_p_teberosky___apost
 
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
Reunião de articulação ji eb1 2012 2013
 

Mais de Gliciane S. Aragão

Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Gliciane S. Aragão
 
Plano de curso de teatro Ensino Médio
Plano de curso de teatro Ensino MédioPlano de curso de teatro Ensino Médio
Plano de curso de teatro Ensino Médio
Gliciane S. Aragão
 
Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
Gliciane S. Aragão
 
Resumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococóResumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococó
Gliciane S. Aragão
 
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIXresumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
Gliciane S. Aragão
 
Provas operatórias de piaget
Provas operatórias de piagetProvas operatórias de piaget
Provas operatórias de piaget
Gliciane S. Aragão
 
Bases Neurológicas da aprendizagem
Bases Neurológicas da aprendizagemBases Neurológicas da aprendizagem
Bases Neurológicas da aprendizagem
Gliciane S. Aragão
 
As artes na formação do professor polivalente
As artes na formação do professor polivalenteAs artes na formação do professor polivalente
As artes na formação do professor polivalente
Gliciane S. Aragão
 

Mais de Gliciane S. Aragão (8)

Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
Academicismo no brasil c/ resumo do impressionismo.
 
Plano de curso de teatro Ensino Médio
Plano de curso de teatro Ensino MédioPlano de curso de teatro Ensino Médio
Plano de curso de teatro Ensino Médio
 
Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Resumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococóResumo renascimento-rococó
Resumo renascimento-rococó
 
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIXresumo Movimentos Artísticos séc. XIX
resumo Movimentos Artísticos séc. XIX
 
Provas operatórias de piaget
Provas operatórias de piagetProvas operatórias de piaget
Provas operatórias de piaget
 
Bases Neurológicas da aprendizagem
Bases Neurológicas da aprendizagemBases Neurológicas da aprendizagem
Bases Neurológicas da aprendizagem
 
As artes na formação do professor polivalente
As artes na formação do professor polivalenteAs artes na formação do professor polivalente
As artes na formação do professor polivalente
 

Técnicas de diagnóstico psicopedagógico.

  • 1. Psicopedagogia _ UNI-BH _ 2009 Técnicas Projetivas Vínculo Escolar Jogos Disciplina: Diagnóstico Psicopedagógico I Professora Maria da Consolação A. Oliveira Grupo: Lúcia – Luciana - Thais
  • 2. Técnicas Projetivas Tem como objetivo investigar os vínculos que o sujeito pode estabelecer em três grandes domínios: o escolar, o familiar e consigo mesmo, pelos quais é possível reconhecer três níveis em relação ao grau de consciência dos distintos aspectos que constituem o vínculo da aprendizagem.
  • 3. Sobre as provas projetivas, Weiss observa que: a maneira do sujeito perceber, interpretar e estruturar o material ou situação reflete os aspectos fundamentais do seu psiquismo. É possível desse modo, buscar relações com a apreensão do conhecimento como procurar, evitar distorce, omitir, esquecer algo que lhe é apresentado. Pode-se detectar, assim, obstáculos afetivos existentes nesse processo de aprendizagem de nível geral e especificamente escolar. (2003,P. 117)
  • 4. Para Sara Paín, O que podemos avaliar por meio do desenho ou do relato é a capacidade do pensamento para construir uma organização coerente e harmoniosa e elaborar a emoção. Também permitirá avaliar a deteriorização que se produz no próprio pensamento. O pensamento fala por meio do desenho onde se diz mal ou não se diz nada, o que oferece a oportunidade de saber como o sujeito ignora. (1992, p. 61)
  • 5. Visca observa que: ► A interpretação de cada técnica projetiva deve ser realizada em função do sujeito em particular; ► Não é necessário aplicar todas as provas e que é adequado utilizar somente aquelas que se considerem necessárias em função do que se observou; ► Observar que os critérios para interpretação devem somar-se aos critérios gerais do diagnóstico para a interpretação das provas.
  • 6. Seleção das técnicas projetivas por vínculos ► Vínculo escolar: Par Educativo – Eu com meus companheiros – A planta da sala de aula. ► Vínculo familiar: A planta da minha casa – Os quatro momentos do dia – Família Educativa ► Vínculo consigo mesmo: O dia do meu aniversário – Minhas férias – Fazendo o que mais gosta – O desenho em episódios.
  • 7. Seleção das Técnicas Projetivas por idade  4 anos: O desenho em episódios.  6 / 7 anos: Par Educativo – Os quatros momentos do dia – Família Educativa – O dia do meu aniversário – Minhas férias – Fazendo o que mais gosta.  7 / 8 anos: As anteriores, e mais Eu com meus companheiros.  8 / 9 anos: As anteriores, e mais A planta da sala de aula – A planta da minha casa.
  • 8. Observações para análise das Técnicas Projetivas - O tamanho total do desenho. - O tamanho dos personagens. - Se o sujeito está presente nas cenas. - Quem não parece no desenho. - O distanciamento dos personagens. - Se utiliza a borracha durante o desenho. - Se não de senha pés e mãos. - Se faltam olhos, orelhas e boca. - Se o desenho está condizente ao que é pedido. - Se recusa desenhar ou escrever.
  • 9. Posição do desenho na folha  Superior – exigente  Direita – progressivo  Inferior – impulsivo  Superior direita - exigente progressivo  Esquerda – regressivo  Central – equilibrado  Superior esquerda – impulsivo regressivo (VISCA, 2008, p. 23)
  • 10. Os desenhos deverão ser analisados dentro de um contexto geral e não de uma forma isolada. Durante a aplicação das técnicas projetivas , podemos solicitar à criança que escreva algo sobre seu desenho, se a criança já estiver alfabetizada. Caso seja percebida uma dificuldade muito acentuada, como trocas que caracterizam uma dislexia, por exemplo, poderemos realizar testes mais específicos de consciência fonológica e fazer uma investigação mais aprofundada, bem como indicá-lo para uma avaliação com outros especialistas. Se a acriança não quiser escrever nada, não devemos forçá-la, pois estas provas envolvem uma situação muito ligada ao
  • 11. Em todos os desenhos, devemos ficar atentos ao:  Título do desenho: por meio do título, também observamos o vínculo que se estabelece com a aprendizagem.  Relato: de acordo com Visca, o relato é uma projeção que denuncia o vínculo de aprendizagem – do próprio conteúdo; pela correspondência com o desenho; por sua relação com o título. Observe no relato os mecanismos de dissociação, negação e repressão utilizados.
  • 12. Aplicação das Técnicas Projetivas: Vínculo Escolar: Eu com meus companheiros -Idade: sete a oito anos -Autora: Sara Bozzo De Shettini -Objetivo: Investigar os vínculo com os companheiros de classe. -Procedimento: Consigna: Gostaria que você se desenhasse com seus companheiros de classe.
  • 13. -Após o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao desenho); -Análise: tamanho total – tamanho do personagem principal – tamanho dos demais personagens – posição dos personagens – inclusão do docente – inclusão de pessoas de fora do grupo; -Comentários sobre os companheiros; -Título.
  • 14. Aplicação das Técnicas Projetivas: Vínculo Escolar: Par Educativo -Idade: Seis a sete anos -Autora: Malvina Oris e María Luisa S. de Ocampo -Objetivo: Investigar os vínculos de aprendizagem do sujeito. -Procedimento: Consigna: Gostaria que você desenhasse duas pessoas: uma que ensina e uma que aprende
  • 15. -Após o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao desenho); -Análise: tamanho total do desenho – tamanho dos personagens – tamanho dos demais personagens – posição dos personagens – corpo – tamanho dos objetos – distância entre os personagens e o objeto de aprendizagem. -Perspectiva (Contextualização tridimensional); -Local da cena.
  • 16. Aplicação das Técnicas Projetivas: Vínculo Escolar: A planta da sala de aula -Idade: oito a nove anos. -Autor: Desconhecido. -Objetivo: Investigar a representação do campo geográfico da sala e sua posição, real e desejada na mesma. -Procedimento: Consigna: Gostaria que você desenhasse a planta da sua sala de aula, como se você estivesse vendo-a de cima.
  • 17. -Após o desenho (Algumas perguntas relacionadas ao desenho); -Análise: disposição da sala de aula – tamanho da sala de aula – localização na sala – elementos - ausência – representação das pessoas. -As aberturas (Frequentemente, o entrevistado faz comentários à medida que desenha); - Comentário sobre a aula.
  • 18. Jogos BRINCAR – NO PRIMEIRO MOMENTO:  Brincar é fundamental para o nosso desenvolvimento;  É a principal atividade das crianças quando não estão dedicadas às suas necessidades de sobrevivência;  A criança interagi em suas atividades físicas e fantasiosas;  Brincar é agradável, brinca-se pelo prazer de Brincar.
  • 19. MAS BRINCAR:  O brincar é sério, uma vez que supõe atenção e concentração em um foco;  Necessidade de disponibilidade,espaço,tempo, do corpo da criança e de seus conhecimentos,suas relações com pessoas, objetos e atividades. “Para nós brincar é a saudade ou a recuperação daquela criança que fomos um dia,que dava sua vida para as coisas pelo gosto e pelo valor que tinha em si mesmas, pelos benefícios ou pelas consequências inerentes ao próprio ato de sua realização.” (Macedo,2005,p.14 )
  • 20. JOGAR:  É mais importante que brincar, pois é um contexto de REGRAS E OBJETIVOS;  No jogo, ganha-se ou perde-se;  As delimitações são condições fundamentais para sua realização;  Jogar é uma brincadeira organizada,convencional, com papéis e posições demarcadas.  O jogo é uma brincadeira que evoluiu. “ A brincadeira é uma necessidade da criança; o jogo, uma de suas possibilidades à medida que nos tornamos mais velhos.” (Macedo,2005,p.15)
  • 21. Dimensão lúdica Cinco indicadores de presença lúdica nos processos de aprendizagem: 1- terem prazer funcional; 2- serem desafiadoras; 3-criarem possibilidades ou disporem delas; 4-possuírem dimensão simbólica e; 5- expressarem-se de modo construtivo ou relacional.
  • 22. Jogos  PEGA –VARETAS  TANGRAN  CONTE UM CONTO  IMAGEM E AÇÃO
  • 23. Referências MACEDO, Lino. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005 SAMPAIO, S. Manual Prático do Diagnóstico Psicopedagógico Clínico. Rio de Janeiro; Wak Editora, 2009. Páginas 99 a 110. VISCA, J. Técnicas projetivas psicopedagógicas e pautas gráficas para sua interpretação. Buenos Aires:Visca & Visca Editores, 2008.