Reciclagem

1.394 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reciclagem

  1. 1. RECICLAGEM: UMA QUESTÃO AMBIENTAL, ECONÔMICA ESOCIALPedro Dias Mangolini Neves1Vagner de Souza Serikawa2Guilherme dos Santos Raymundo3RESUMOEste trabalho vem para esclarecer o papel importantíssimo da reciclagem para asociedade atual. Tendo um papel ambiental por diminuir o lixo nos depósitos de lixo. Umpapel econômico gerar uma economia de matéria prima sendo elas reutilizadas, evitandogastos desnecessários de energia na produção de novas matérias primas. E o papel social écom a venda de resíduos recicláveis todo um grupo de pessoas passa a sobreviver muitomelhor através dos resíduos recicláveis.Palavras-Chave: Reciclagem, Reaproveitamento, Resíduos Sólidos.1. - IntroduçãoDesde o surgimento do homem na Terra até a metade do século XVIII o lixo eraproduzido em pequena quantidade e constituído primordialmente (essencialmente) porresíduos orgânicos, ou seja, restos de alimentos, papel e papelão, e tecidos.E a partir da Revolução Industrial, as fábricas começaram a produzir objetos deconsumo em longa escala e novas embalagens, aumentando assim o volume e adiversidade de resíduos gerados nas áreas urbanas. Atualmente os objetos têm menordurabilidade, facilmente são descartados e substituídos por outros. (RODRIGUES, 1997)“Na era dos descartáveis as embalagens de bebidas e de alimentos, feitasprincipalmente de alumínio, plástico ou papel, passaram a ser produzidasem larga escala, substituindo os recipientes que até pouco tempo eramtotalmente reutilizáveis, como as garrafas de cerveja e de refrigerantes feitasde vidro.”(RODRIGUES, 1997, p 13)1: Graduando em Geografia, DGE/CCH/UEM, e-mail: pmangolini@hotmail.com2: Graduando em Geografia, DGE/CCH/UEM, e-mail: vserikawa@yahoo.com.br3: Graduando em Geografia, DGE/CCH/UEM, e-mail: gui_ursao@hotmail.com
  2. 2. Quanto mais industrializada é a cidade, maior é seu consumo de descartáveisindustrializados, conseqüentemente a quantidade de lixo produzido por seus habitantes serámaior com metais e vidros em abundância, ou seja, resíduos inorgânicos e orgânicos comoo plástico e o papel. Se por exemplo o estádio do Morumbi em São Paulo fosse utilizadocomo depósito municipal da cidade em questão, ele ficaria completamente cheio emapenas uma semana. (RODRIGUES, 1997)No Brasil a produção per capita por dia de resíduos é de aproximadamente 500gramas, sendo 250 gramas de restos de alimentos, ou seja, nosso lixo contém grandequantidade de material orgânico.Quanto mais desenvolvido é o país, maior é a porcentagem de resíduosindustrializados no lixo como papel, plástico, alumínio e quanto menos desenvolvidosmaior a porcentagem de resíduos orgânicos como no Brasil.Existem os lixos domésticos ou domiciliar; lixo comercial, contendo papel epapelão; lixo hospitalar, que contém os resíduos descartados por farmácias, clínicas ehospitais; lixo industrial, que é o aglomerado de resíduos da atividade industrial e daconstrução civil, muito as vezes muito tóxicos podendo poluir o meio ambiente e atentarcontra a saúde do ser humano e dos animais, como o lixo atômico e até o lixo espacial queentope nosso espaço sideral.Atualmente está sendo fabricado um plástico biodegradável, feito de amido demilho nos EUA, e a partir da cana-de-açúcar no Brasil. O que seria muito viável, poisapesar de políticos ambientais como em supermercados que oferecem sacolasecologicamente corretas abolindo as antigas sacolas plásticas tão poluentes.Todo o resíduo sólido de uma cidade tem diferentes destinos em diferentes locais.A maior parte do lixo brasileiro vai para “lixões”, que são depósitos de resíduos a céuaberto. Um dos problemas desses lixões é o mau cheiro que ele provoca na região e aocorrência de “catadores”, que são pessoas que trabalham e vivem do que captam doslixões, como restos de comida, papel, papelão, plástico, metais e depois vendendo-os paradepósitos de sucata.
  3. 3. 2. – Materiais e MétodosPara a realização do trabalho, foram realizadas revisões bibliográficas na temáticado lixo, reutilização de resíduos sólidos urbanos, tanto na construção civil, quanto nodoméstico. Mostrando a reciclagem nos aspectos ambientais, sociais e econômicos feitosatravés de livros, filme e texto na mídia eletrônica.3. – Resultados e Discussões3.1. – Reciclagem“Reciclar significa transformar os restos descartados pelas residências,fábricas, lojas e escritórios em matéria-prima para a fabricação de outrosprodutos. Não importa se o papel está rasgado, a lata amassada ou a garrafaquebrada. Ao final, tudo vai ser dissolvido e preparado para compor novosobjetos e embalagens. A matéria orgânica também pode ser reciclada, noqual sobras de comida, dentre outros resíduos orgânicos, sofrem ação dosmicróbios, formando adubo para o solo.” (RODRIGUES, 1997, p 56)Nos países desenvolvidos como EUA, Japão e alguns países da Europa o processode reciclagem teve início na década de 50. Já em países subdesenvolvidos como no Brasil areciclagem surgiu na década de 80. (RODRIGUES, 1997)A reciclagem do lixo tem papel fundamental na preservação do meio ambiente,diminuindo a extração de recursos naturais; devolvendo para a terra uma parte de seusprodutos, com a compostagem; e reduz o acúmulo de resíduos nas áreas urbanas, com oreaproveitamento de vidro, papel, papelão, plástico etc. Beneficiando a sociedade, aeconomia e o meio ambiente. Cerca de 40% de todo o lixo do país são de recicláveis quepoderiam ser separados e reinseridos na cadeia produtiva, gerando emprego e renda paramuitas famílias.3.2. – Resíduos OrgânicosOs resíduos sólidos podem ser levados para locais mais adequados como o aterrosanitário, para a incineração, a compostagem e a vermicompostagem. O aterro sanitário éum depósito de lixo domiciliar, onde há terraplanagem, forração do terreno com material
  4. 4. impermeável, canalização das águas da chuva e do chorume (líquido poluente originado deprocessos biológicos e físicos da decomposição de resíduos orgânicos), tubulação parasaída de gases e plantio de grama. Não agride o meio ambiente, isola os detritos doscatadores e impede a proliferação de insetos. O biogás, gás liberado pela ação de micróbiosdecompositores do material orgânico do lixo, pode ser usado nos fogões das casas, nasindústrias, na incineração de animais e/ou de resíduos de serviços de saúde.(RODRIGUES, 1997; MUSTIN, 1987; LIMA, on-line, 2007)Já na incineração o lixo é queimado, reduzindo às cinzas os resíduos sólidos paradepois serem levados para um aterro sanitário. A queima produz energia através do vaporacionando turbinas e gerando eletricidade. Mas o incinerador é um processo muito caro.A compostagem pode ser definida como um processo aeróbico e controlado dedecomposição biológica e estabilização de matéria orgânica em condições que permitam odesenvolvimento de temperaturas termofílicas (controladas para não ultrapassarem valoresmáximos em torno de 65°C) resultantes de uma produção calorífica de origem biológica,com obtenção d um produto final estável, higiênico, rico em compostos húmicos e cujautilização, no solo, não ofereça riscos ao mio ambiente (MUSTIN, 1987).Por meio da vermicompostagem, pode-se aproveitar a maioria dos resíduosorgânicos biodegradáveis contidos no lixo, transformando-os em um composto orgânico deexcepcional qualidade, o húmus ou vermicomposto, aproveitável pelas plantas. Essatransformação é possível porque a matéria orgânica é o alimento das minhocas. Elasingerem por dia, o equivalente ao seu próprio peso e transformam cerca de 60% domaterial ingerido em húmus. As minhocas são animais capazes de produzir composto maisrápido e de melhor qualidade do que o produzido pelo processo tradicional decompostagem (BIDONE, 1999).3.3. – Resíduos InorgânicosNa construção civil vem sendo aplicado o tijolo ecológico, que aproveita comomatéria-prima os resíduos da própria fábrica e são auto-encaixáveis e dispensam qualquertipo de acabamento e cozimento que poluiria a atmosfera e aumentaria o desmatamentopara a obtenção de lenha. Uma tecnologia 100% nacional ajudando o meio ambiente e osocial.
  5. 5. A Universidade Federal da Bahia em parceria com a Caixa Econômica Federaldesenvolveu o Projeto Entulho Bom, que visa desenvolver a reciclagem e oreaproveitamento de entulho para materiais de construção, minimizando os impactosambientais e sociais. A implicação da tecnologia, desenvolvida neste projeto reduzirá aquantidade de resíduos da construção civil nos aterros sanitários e barateando o custo naprodução de moradia destinada a famílias de menor renda, minimizando o problemahabitacional brasileiro. (CASSA, 2001)Existe também um projeto que visa reutilizar pneus usados, que tanto poluem, emasfaltos e calçadas, trazendo benefícios econômicos e ambientais.No Brasil, o desperdício de alimentos é enorme, aproximadamente 14 milhões detoneladas por ano, que poderiam alimentar 30 milhões de pessoas.De todo o lixo jogado no Brasil, cerca de 100 mil toneladas por dia, 5% é reciclado,sendo que 40% poderiam ser reciclado ou reutilizado, e outros 35% poderia sertransformado em adubo orgânico.3.4. – Questão SocialA situação dos catadores é muito bem narrada no Curta-Metragem de JorgeFurtado, chamado “Ilha das Flores”. Que narra o trajeto de um tomate, da plantação até seuresíduo no lixão da Ilha dos Marinheiros, em Porto Alegre (RS). Desde a dona de casajogando o resto do tomate no lixo, depois sendo alimento de uma criação de porcos quetem prioridade nas sobras de tomates sobre os catadores de lixo na Ilha das Flores.Os catadores de lixo estão sempre sujeitos a acidentes com cacos de vidro, pregos,latas, frascos de aerossóis que muitas pegam fogo e explodem, e seringas. Podem tambémser contaminados por micróbios patogênicos.É na coleta seletiva que pessoas como catadores de lixo podem trabalhar separandoo lixo reciclável e tendo um trabalho mais digno e conseqüentemente ajudando o meioambiente. Existem cooperativas que trabalham com o reaproveitamento de resíduos, comoé o caso do óleo vegetal, utilizado para a produção de biodiesel e de sabão que além deretirar o óleo de circulação, que poderia estar degradando o meio ambiente, produz umproduto doméstico gerando emprego para várias famílias. (RODRIGUES, 1997; LIMA,on-line, 2007
  6. 6. Mas há um problema, apenas 5% dos catadores de recicláveis do Brasil estãoorganizados em cooperativas. Juntos, os catadores poderiam ter maior organizaçãopodendo recolher mais resíduos e obtendo ganhos maiores sobre esta matéria-prima que éo lixo.Somente na cidade de São Paulo, há cerca de 20 mil catadores de lixo reciclável ematividade, ganhando aproximadamente R$300,00 por mês. Dos 8 mil moradores de rua quevive no centro de São Paulo, mais de 3 mil vivem da reciclagem do lixo (LIMA, on-line,2007).Infelizmente, no Brasil o motivo principal da reciclagem não é ambiental econsciente e sim econômico. Visando sempre ganhar com a reciclagem e não modificar amaneira de pensar e de cuidar de nosso planeta. Mas escolas que visam criar cidadãos parao futuro buscam na reciclagem uma forma uma forma de educar seus alunos sobre odesperdício e a reciclagem para construir uma sociedade mais consciente dos objetivossociais, econômicos e ambientais da reciclagem.4. – Considerações FinaisEste trabalho visou destacar a extrema importância que a reciclagem oferece para aredução nos custos de coleta do lixo, maior durabilidade da vida útil dos aterros sanitários,proteção e economia dos recursos naturais tão escassos. Oferece uma economia na energiagasta na produção de novos objetos que seriam construídos e em vez disso foramreutilizados, otimização da agricultura com o adubo orgânico produzido pelo sistema decompostagem.Não somente melhorando a qualidade do meio ambiente, mas também o social, coma redução no preço da construção de novas moradias, com a criação de um grande númerode empregos na coleta seletiva e melhorando a qualidade de vida de catadores de lixo, queantes estavam à mercê de doenças e acidentes nos depósitos de lixo.E com a reciclagem se criará uma conscientização da sociedade como o lixo sendomatéria-prima e não algo descartável, não havendo mais situações desagradáveis como veralguém jogar lixo pela janela do carro, encontrar “bitucas de cigarro” em lugares públicos,enfim toda uma conscientização socioambiental e comportamental surgirá com umaintensificação de projetos de reciclagem.
  7. 7. 5 - Referências BibliográficasBIDONE, Francisco Ricardo Andrade. Metodologias e Técnicas de Minimização,Reciclagem e Reutilização de Resíduos Sólidos Urbanos. Rio de Janeiro: ABES -Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1999.CAMPOS, Jayme de Oliveira. et al. Manejo de resíduos: pressuposto para a gestãoambiental. Rio Claro: FUNDUNESP, 2002.CASSA, José Clodoaldo da Silva. et al. Reciclagem de entulho para produção demateriais de construção. Salvador: EDUFBA; Caixa Econômica Federal, 2001.FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Como destinar os resíduos sólidosurbanos. Belo Horizonte: FEAM, 1995FURTADO, Jorge. Ilha das Flores. Porto Alegre: Casa de Cinema de Porto Alegre; 1989.1 videocassete (13 min): VHS, son., color.LIMA, Beatriz. In: Natureba – Educação Ambiental. Reciclagem de lixo: Exercício decidadania. 2007. Disponível em: <http://www.guiarh.com.br/pp117.html>. Acesso em 02de agosto de 2008.MUSTIN, M (1987): Le compost. Gestion de la matière organique. Éditions FrançoisDubusc. Paris.RODRIGUES, Luiz Francisco; CAVINATTO, Vilma Maria. Lixo: de onde vem? Paraonde vai?. São Paulo: Moderna, 1997.

×