Agentes poluidores do Solo              Baseado no programa educar                         da USP
Conceito• Para a Geologia solo é o produto do  intemperismo físico e químico das rochas  no decorrer do tempo.• Para a Ped...
A vida no solo• O solo serve como sustentação  e fornece substrato para o  crescimento e desenvolvimento  das plantas.    ...
Degradação do solo         Tipos de Degradação     EROSÃO        AGROTÓXICOS  METAIS PESADOS        LIXO
Erosão• É causada pela ação das  águas da chuva, rios,  mares, geleiras, pelo vento  e pela ação do homem  através do desm...
Ações antrópicas da erosão
Serra pelada
Poluição por metais pesadosParques têm excesso de metais pesados.A poluição dos carros ultrapassou aescassa barreira verde...
Lixo de pilhas e bateriasameaça o meio ambienteEstabelecimentos que vendempilhas e baterias serão obrigadosa recolhê-las, ...
Poluição por agrotóxicosA industrialização dos pesticidas tevecomo objetivo o aumento daprodutividade agrícola.Entretanto,...
Poluição por lixo 75% do lixo coletado no Brasil é jogado em lixões acéu aberto, contaminando o solo e conseqüentemente   ...
Descaso urbanoMoradores ecomerciantesreclamam de lixoacumulado nas ruasde SPPrefeitura cortou verbas deserviço de varrição...
Movimento de fim de ano aumenta acúmulo de lixo na região da 25 de MarçoCruzamento estava cheiode lixo na manhã destasegun...
Imagem de 2/03/2011
Foto de 4/03/2010
O laguinho do chorume?
Imagens do chorume   que brota no solo  depois da pista, isto     prova que háinfiltração do líquido.
Imagem mostra a infiltração dochorume no solo
Agravos á saúde humana• Gera mau cheiro.• Atrai mosquitos, insetos e  vetores de doenças como  roedores e mosquito da  den...
Ciclo infinito• A reciclagem é a melhor opção para o  destino do lixo doméstico, onde o material  pode ser reaproveitado p...
Política dos 3 R’s• Reduzir: reduzir a quantidade de lixo que  produzimos , como por exemplo, comprar  produtos mais duráv...
• Reciclar: consiste em transformar um  produto-resíduo em outro, visando diminuir  o consumo de matéria-prima extraída da...
Reciclagem• A reciclagem é um processo industrial que  converte o lixo descartado (matéria-prima  secundária) em produto s...
O que pode ser reciclado?Metais• Alumínio (latinhas de bebida)reciclado reduz  95% a poluição do ar.• Estanho e aço (latas...
Vidro• Reduz em 14% a 20% a poluição do ar.• Poupa 25% a 30% de energia da produção.• 1Tonelada de vidro reciclado poupa: ...
Papel – matéria-prima : madeira• 40% a 50% do fluxo de lixo é de papel.• Pode ser reciclado até 7 vezes.• Poupa 33% de ene...
Plástico – matéria-prima: resina de           petróleo e gás natural.• Existem mais de 50 tipos diferentes de  plásticos.•...
Outros materiais• Pneus: triturados e utilizados para  pavimentação de ruas. Nunca devem ser  queimados pois pode contribu...
Como funciona a reciclagem
Benefícios da reciclagem• Não polui.• Economiza energia.• Contribui para preservar os recursos naturais uma  vez que dimin...
Onde reciclar em Feira deSantana? COOBAFS: cooperativa dos badameiros de Feira de Santana.
Lixo hospitalar• Os resíduos hospitalares  são um grande risco de  contaminação biológica  através do material  orgânico e...
Legislação• Resolução nº5/93 de 5 de agosto de 1993 –  CONAMA - dispõe sobre o gerenciamento  dos resíduos sólidos oriundo...
Resíduos de serviços de saúde:conceito.• Os resíduos de serviços de saúde não se  restringem apenas aos resíduos gerados n...
PGRSS.• Determina que a administração dos  estabelecimentos de saúde, em operação ou  a serem implantados, deverá elaborar...
Responsabilidade.• Atribui responsabilidade ao gerador, pelo  gerenciamento de todas as etapas do ciclo de vida  dos resíd...
Permissão.• Exige licenciamento ambiental para a  implantação de sistemas de tratamento e  destinação final dos resíduos.
Lei nº 9.605/98 Crimesambientais• Art.60 - Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer  funcionar, em qualquer parte d...
Regras da ANVISA para o lixohospitalar.• A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância  Sanitária) estabeleceu regras nacionais...
Resolução nº 33/03 da ANVISA –Definição de gerenciamento dosresíduos de serviço de saúde.• Constitui-se em um conjunto de ...
• PGRSS definição: é o documento que  aponta e descreve as ações relativas ao  manejo dos resíduos sólidos, observadas  su...
Diretrizes para o manejo• SEGREGAÇÃO: Consiste na separação do  resíduo no momento e local de sua geração, de  acordo com ...
• IDENTIFICAÇÃO: conjunto de medidas  que permite o reconhecimento dos resíduos  contidos nos sacos e recipientes, fornece...
• ARMAZENAMENTO EXTERNO: consiste  na guarda dos recipientes de resíduos até a  realização da coleta externa, em ambiente ...
• TRANSPORTE EXTERNO - A coleta e  transporte externos consistem na remoção  dos RSS do abrigo de resíduos  (armazenamento...
• DESTINAÇÃO FINAL: consiste na  disposição de resíduos no solo, previamente  preparado para recebê-los, obedecendo a  cri...
Resolução nº 33/03 da ANVISAclassifica os resíduos como:• Grupo A  (potencialmente  infectantes) - que  tenham presença de...
• Grupo B (químicos) - que  contenham substâncias  químicas capazes de causar  risco à saúde ou ao meio  ambiente, indepen...
• Grupo C (rejeitos radioativos) - materiais  que contenham radioatividade em carga  acima do padrão e que não possam ser ...
• Grupo D (resíduos  comuns) - qualquer  lixo que não tenha  sido contaminado ou  possa provocar  acidentes, como  gesso, ...
• Grupo E (perfurocortantes) - objetos e  instrumentos que possam furar ou cortar,  como lâminas, bisturis, agulhas e ampo...
• As empresas prestadoras de serviço de  limpeza deverão comprovar que seus  profissionais foram treinados para prevenir  ...
Manejo de resíduos químicos eradioativos oriundos delaboratórios de raio-X• Químicos B5: reveladores e fixadores da  pelíc...
• Os reveladores não utilizados e soluções  concentradas devem ser acondicionados em  frascos de até dois litros ou em bom...
• Os fixadores usados devem ser submetidos  a processo de recuperação da prata ou  então serem acondicionados em frascos d...
• Os resíduos do GRUPO B5 devem ser  encaminhados a Aterro Sanitário Industrial  para Resíduos Perigosos – Classe I ou  se...
Manejo dos rejeitos radioativos• O GRUPO C é representado pelo símbolo  internacional de presença de radiação  ionizante (...
• Os rejeitos radioativos sólidos devem ser  acondicionados em recipientes de material  rígido, forrados internamente com ...
Tratamento• É o armazenamento, em condições  adequadas, para o decaimento do elemento  radioativo (desintegração do núcleo...
• Onde realizar: Este armazenamento poderá ser  realizado na própria sala de manipulação ou em  sala específica, identific...
• Fazem parte também os resíduos  contaminados com radioisótopos oriundos  de pacientes em tratamento como excretas,  sobr...
• Após o decaimento (bombardeio de  partículas ou radiação eletromagnética) e a  comprovação segura de que o rejeito não  ...
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do solo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 05 agentes poluidores do solo

3.945 visualizações

Publicada em

Contaminantes do solo, lixões, aterro, residuos de serviço de saúde.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.945
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
77
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 05 agentes poluidores do solo

  1. 1. Agentes poluidores do Solo Baseado no programa educar da USP
  2. 2. Conceito• Para a Geologia solo é o produto do intemperismo físico e químico das rochas no decorrer do tempo.• Para a Pedologia, o solo é a camada fina que recobre a superfície da Terra e que está em constante evolução por meio das alterações das rochas, comandados por agentes físicos, biológicos e químicos.
  3. 3. A vida no solo• O solo serve como sustentação e fornece substrato para o crescimento e desenvolvimento das plantas. • Abriga animais que atuam oxigenando o solo e decompondo matéria orgânica.
  4. 4. Degradação do solo Tipos de Degradação EROSÃO AGROTÓXICOS METAIS PESADOS LIXO
  5. 5. Erosão• É causada pela ação das águas da chuva, rios, mares, geleiras, pelo vento e pela ação do homem através do desmatamento, ocupação desordenada em encostas , queimadas e mineração.• prejudica grandemente a fertilidade do solo pela retirada da camada de humos, deixando o solo pobre e improdutivo
  6. 6. Ações antrópicas da erosão
  7. 7. Serra pelada
  8. 8. Poluição por metais pesadosParques têm excesso de metais pesados.A poluição dos carros ultrapassou aescassa barreira verde da cidade econtaminou os redutos paulistanosconsiderados imunes. Um estudodivulgado neste mês detectou que solosde parques, em especial os que ficam nocentro, estão contaminados por metaispesados, como chumbo, arsênio, cobre ebário, em concentrações que extrapolam,em alguns casos, até duas vezes ospadrões seguros estabelecidos pelogoverno paulista para não prejudicar asaúde. A análise foi feita com amostrascolhidas de playgrounds e pistas decorrida de 14 parques de São Paulo. Parque Buenos Aires - HigienópolisFonte: G1 17/05/09 - 09h56
  9. 9. Lixo de pilhas e bateriasameaça o meio ambienteEstabelecimentos que vendempilhas e baterias serão obrigadosa recolhê-las, segundo aresolução do Conama. Brasileirosconsomem 1,2 bilhões de pilhas e400 milhões de baterias de celularpor ano.Um problema causado pelos avanços datecnologia: no mundo todo, 99% dosaparelhos eletrônicos, dos celulares,baterias e pilhas vão parar no lixo. Não é sódesperdício, é um perigo.Fonte: G1 30/10/2008
  10. 10. Poluição por agrotóxicosA industrialização dos pesticidas tevecomo objetivo o aumento daprodutividade agrícola.Entretanto,sabe-se hoje em dia, que afalta de especificidade destescompostos, ou seja, o fato de eles nãoatingirem apenas os organismos alvo,bem como sua longa persistência noambiente representam um grande riscoà saúde dos ecossistemas. acredita-seque estejam disponíveis no mercadomundial cerca de 15000 substânciasou princípios ativos diferentes. os mais perigosos, uma vez que após aplicação no solo, eles podem permanecer no ambiente por mais de três décadas, contaminando aqüíferos, água superficiais, a biota e conseqüentemente o homem.
  11. 11. Poluição por lixo 75% do lixo coletado no Brasil é jogado em lixões acéu aberto, contaminando o solo e conseqüentemente poluindo lençóis subterrâneos de água.
  12. 12. Descaso urbanoMoradores ecomerciantesreclamam de lixoacumulado nas ruasde SPPrefeitura cortou verbas deserviço de varrição.Pessoas dizem que trabalho decoleta não funciona bem. Fonte G1 15/09/09 - 07h06
  13. 13. Movimento de fim de ano aumenta acúmulo de lixo na região da 25 de MarçoCruzamento estava cheiode lixo na manhã destasegunda (16).Região recebe até 1milhão de pessoas por diaaos finais de semana.Do G1, em São Paulo16/11/2009
  14. 14. Imagem de 2/03/2011
  15. 15. Foto de 4/03/2010
  16. 16. O laguinho do chorume?
  17. 17. Imagens do chorume que brota no solo depois da pista, isto prova que háinfiltração do líquido.
  18. 18. Imagem mostra a infiltração dochorume no solo
  19. 19. Agravos á saúde humana• Gera mau cheiro.• Atrai mosquitos, insetos e vetores de doenças como roedores e mosquito da dengue.• Outros animais como cães manipulam espalhando ainda mais o lixo.• O lixo entope canais de escoamento de água nas ruas, contribuindo para o acúmulo de água nas enchentes.
  20. 20. Ciclo infinito• A reciclagem é a melhor opção para o destino do lixo doméstico, onde o material pode ser reaproveitado por várias gerações.
  21. 21. Política dos 3 R’s• Reduzir: reduzir a quantidade de lixo que produzimos , como por exemplo, comprar produtos mais duráveis e evitar trocá-los por qualquer novidade no mercado.• Reutilizar: utilizar embalagens que possam ser usadas mais de uma vez – como garrafas retornáveis de vidro. Ou quem sabe, criar novas utilidades para as que você não precisa mais.
  22. 22. • Reciclar: consiste em transformar um produto-resíduo em outro, visando diminuir o consumo de matéria-prima extraída da natureza.
  23. 23. Reciclagem• A reciclagem é um processo industrial que converte o lixo descartado (matéria-prima secundária) em produto semelhante ao inicial ou outro. A palavra reciclagem foi introduzida ao vocabulário internacional no final da década de 80, quando foi constatado que as fontes de petróleo e outras matérias-primas não renováveis estavam e estão se esgotando. Reciclar significa = Re (repetir) + Cycle (ciclo).
  24. 24. O que pode ser reciclado?Metais• Alumínio (latinhas de bebida)reciclado reduz 95% a poluição do ar.• Estanho e aço (latas de ervilha, milho, extrato de tomate)reciclado poupa 74% da energia gasta para fabricar a partir de material virgem – que gasta 4 vezes mais.• Tempo de decomposição: até 100 anos.
  25. 25. Vidro• Reduz em 14% a 20% a poluição do ar.• Poupa 25% a 30% de energia da produção.• 1Tonelada de vidro reciclado poupa: 603 kg de areia, 196 Kg de carbonato de sódio, 196 kg decalcário e 68 kg de feldspato.• Tempo de decomposição: indeterminado ou 1 milhão de anos.
  26. 26. Papel – matéria-prima : madeira• 40% a 50% do fluxo de lixo é de papel.• Pode ser reciclado até 7 vezes.• Poupa 33% de energia.• 1 tonelada de papel reciclado poupa 25 mil litros de água.• Tempo de decomposição: de 3 a 6 meses, o plastificado 5 anos.
  27. 27. Plástico – matéria-prima: resina de petróleo e gás natural.• Existem mais de 50 tipos diferentes de plásticos.• A identificação varia de 1 a 7.• Alguns não podem ser incinerados por liberarem gases tóxicos que provocam tumores.• Tempo de decomposição: até 450 anos.
  28. 28. Outros materiais• Pneus: triturados e utilizados para pavimentação de ruas. Nunca devem ser queimados pois pode contribuir para a chuva ácida e libera 10L de óleo no solo.• Entulho: pode ser triturado e reutilizado na construção civil.• Material orgânico: compostagem para adubo.
  29. 29. Como funciona a reciclagem
  30. 30. Benefícios da reciclagem• Não polui.• Economiza energia.• Contribui para preservar os recursos naturais uma vez que diminui a procura de matéria-prima no ambiente.• Promove emprego e renda.• Ajuda a amenizar o grande problema de descarte dos resíduos sólidos, amenizando a sobrecarga nos aterros sanitários.• Vários tipos de materias podem ser reciclados.
  31. 31. Onde reciclar em Feira deSantana? COOBAFS: cooperativa dos badameiros de Feira de Santana.
  32. 32. Lixo hospitalar• Os resíduos hospitalares são um grande risco de contaminação biológica através do material orgânico e utensílios.• O descarte deve ser feito por empresas especializadas e o lixo incinerado.
  33. 33. Legislação• Resolução nº5/93 de 5 de agosto de 1993 – CONAMA - dispõe sobre o gerenciamento dos resíduos sólidos oriundos de serviços de saúde, portos, aeroportos e terminais ferroviários e rodoviários.
  34. 34. Resíduos de serviços de saúde:conceito.• Os resíduos de serviços de saúde não se restringem apenas aos resíduos gerados nos hospitais, mas também aos demais estabelecimentos geradores de resíduos de saúde, como laboratórios patológicos e de análises clínicas, clínicas veterinárias, centros de pesquisas, laboratórios,banco de sangue, consultórios médicos, odontológicos e similares.
  35. 35. PGRSS.• Determina que a administração dos estabelecimentos de saúde, em operação ou a serem implantados, deverá elaborar o Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos de saúde (PGRSS), a ser submetido à aprovação pelos órgãos de meio ambiente e de saúde, dentro de suas respectivas esferas de competência.
  36. 36. Responsabilidade.• Atribui responsabilidade ao gerador, pelo gerenciamento de todas as etapas do ciclo de vida dos resíduos, devendo o estabelecimento contar com um responsável técnico, devidamente registrado no Conselho Profissional. Essa responsabilidade não cessa mesmo após a transferência dos resíduos a terceiros para o transporte, tratamento e disposição final, o que é conhecido como princípio da co-responsabilidade.
  37. 37. Permissão.• Exige licenciamento ambiental para a implantação de sistemas de tratamento e destinação final dos resíduos.
  38. 38. Lei nº 9.605/98 Crimesambientais• Art.60 - Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços efetiva ou potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes". Penas: multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$10.000.000,00 (dez milhões de reais) e detenção de uma seis meses. Essas penas podem ser aplicadas cumulativamente
  39. 39. Regras da ANVISA para o lixohospitalar.• A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) estabeleceu regras nacionais sobre acondicionamento e tratamento do lixo hospitalar gerado, da origem ao destino (aterramento, radiação e incineração) atingindo hospitais, clínicas, consultórios, laboratórios, necrotérios e outros estabelecimentos de saúde.
  40. 40. Resolução nº 33/03 da ANVISA –Definição de gerenciamento dosresíduos de serviço de saúde.• Constitui-se em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e implementados a partir de bases científicas e técnicas, normativas e legais, com o objetivo de minimizar a produção de resíduos e proporcionar aos resíduos gerados, um encaminhamento seguro, de forma eficiente, visando a proteção dos trabalhadores, a preservação da saúde pública, dos recursos naturais e do meio ambiente.
  41. 41. • PGRSS definição: é o documento que aponta e descreve as ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos, observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e destinação final, bem como a proteção à saúde pública. O PGRSS abrange diretrizes para o manejo dos RSS.
  42. 42. Diretrizes para o manejo• SEGREGAÇÃO: Consiste na separação do resíduo no momento e local de sua geração, de acordo com as características físicas, químicas, biológicas, a sua espécie, estado físico e classificação.• ACONDIICIONAMENTO: Consiste no ato de embalar corretamente os resíduos segregados, de acordo com as suas características, em sacos e/ou recipientes impermeáveis, resistentes à punctura, ruptura e vazamentos conforme a ABNT.
  43. 43. • IDENTIFICAÇÃO: conjunto de medidas que permite o reconhecimento dos resíduos contidos nos sacos e recipientes, fornecendo informações ao correto manejo dos RSS.• TRATAMENTO: consiste na aplicação de método, técnica ou processo que modifique as características biológicas ou a composição dos RSS, que leve à redução ou eliminação do risco de causar doença.
  44. 44. • ARMAZENAMENTO EXTERNO: consiste na guarda dos recipientes de resíduos até a realização da coleta externa, em ambiente exclusivo com acesso facilitado para os veículos coletores.
  45. 45. • TRANSPORTE EXTERNO - A coleta e transporte externos consistem na remoção dos RSS do abrigo de resíduos (armazenamento externo) até a unidade de tratamento ou destinação final.
  46. 46. • DESTINAÇÃO FINAL: consiste na disposição de resíduos no solo, previamente preparado para recebê-los, obedecendo a critérios técnicos de construção e operação, e licenciamento em órgão ambiental competente.
  47. 47. Resolução nº 33/03 da ANVISAclassifica os resíduos como:• Grupo A (potencialmente infectantes) - que tenham presença de agentes biológicos que apresentem risco de infecção, como bolsas de sangue contaminado.
  48. 48. • Grupo B (químicos) - que contenham substâncias químicas capazes de causar risco à saúde ou ao meio ambiente, independente de suas características inflamáveis, de corrosividade, reatividade e toxicidade. Por exemplo, medicamentos para tratamento de câncer, reagentes para laboratório e substâncias para revelação de filmes de Raio-X;
  49. 49. • Grupo C (rejeitos radioativos) - materiais que contenham radioatividade em carga acima do padrão e que não possam ser reutilizados, como exames de medicina nuclear.
  50. 50. • Grupo D (resíduos comuns) - qualquer lixo que não tenha sido contaminado ou possa provocar acidentes, como gesso, luvas, gazes, materiais passíveis de reciclagem e papéis;
  51. 51. • Grupo E (perfurocortantes) - objetos e instrumentos que possam furar ou cortar, como lâminas, bisturis, agulhas e ampolas de vidro.
  52. 52. • As empresas prestadoras de serviço de limpeza deverão comprovar que seus profissionais foram treinados para prevenir e reduzir riscos de acidentes. Essa será uma das exigências para contratação das companhias e uma das condições para participação em licitações.
  53. 53. Manejo de resíduos químicos eradioativos oriundos delaboratórios de raio-X• Químicos B5: reveladores e fixadores da película de raio-X.• Os reveladores usados devem ser neutralizados (pH 7-9) e então descartados com grande quantidade de água no sistema de esgoto sanitário com sistema de tratamento.
  54. 54. • Os reveladores não utilizados e soluções concentradas devem ser acondicionados em frascos de até dois litros ou em bombonas de material compatível com o líquido armazenado, resistentes, rígidos e estanques (bem tapado, isolado), com tampa rosqueada e vedante, observadas as exigências de compatibilidade química dos resíduos entre si.
  55. 55. • Os fixadores usados devem ser submetidos a processo de recuperação da prata ou então serem acondicionados em frascos de até dois litros ou em bombonas de material compatível com o líquido armazenado, resistentes, rígidos e estanques, com tampa rosqueada e vedante, observadas as exigências de compatibilidade química dos resíduos entre si.
  56. 56. • Os resíduos do GRUPO B5 devem ser encaminhados a Aterro Sanitário Industrial para Resíduos Perigosos – Classe I ou serem submetidos a tratamento de acordo com as orientações do órgão local de meio ambiente, em instalações licenciadas para este fim.• A prata e a película podem ser reciclados e reaproveitados.
  57. 57. Manejo dos rejeitos radioativos• O GRUPO C é representado pelo símbolo internacional de presença de radiação ionizante (trifólio de cor magenta) em rótulos de fundo amarelo e contornos pretos, acrescido da expressão REJEITO RADIOATIVO
  58. 58. • Os rejeitos radioativos sólidos devem ser acondicionados em recipientes de material rígido, forrados internamente com saco plástico resistente e identificados conforme Regulamento Técnico.• Os rejeitos radioativos líquidos devem ser acondicionados em frascos de até dois litros ou em bombonas de material compatível com o líquido armazenado, sempre que possível de plástico, resistentes, rígidos e estanques, com tampa rosqueada e vedante.
  59. 59. Tratamento• É o armazenamento, em condições adequadas, para o decaimento do elemento radioativo (desintegração do núcleo em um outro mais estável).• Objetivo: é manter o rejeito radioativo sob controle até que sua atividade atinja níveis que permitam liberá-lo como resíduo não radioativo.
  60. 60. • Onde realizar: Este armazenamento poderá ser realizado na própria sala de manipulação ou em sala específica, identificada como sala de decaimento.• Legalidade: deverá estar definida no Plano de Radioproteção da Instalação, em conformidade com a norma CNEN – NE – 6.05 – “Gerência de Rejeitos Radioativos em Instalações Radiativas”. Para serviços com atividade em Medicina Nuclear, observar ainda a norma CNEN – NE – 3.05 – “Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Medicina Nuclear”
  61. 61. • Fazem parte também os resíduos contaminados com radioisótopos oriundos de pacientes em tratamento como excretas, sobras de alimentos, material infectante do grupo A e material perfurocortante.• O tratamento para decaimento deverá prever mecanismo de blindagem de maneira a garantir que a exposição ocupacional esteja de acordo com os limites estabelecidos na norma CNEN – NE-3.01 - Diretrizes Básicas de Radioproteção.
  62. 62. • Após o decaimento (bombardeio de partículas ou radiação eletromagnética) e a comprovação segura de que o rejeito não oferece riscos de contaminação radioativa a identificação deve ser alterado para resíduos, neste caso ou biológico ou químico ou comum e neste caso pode seguir para o aterro sanitário.

×