Resíduos sólidos indústriais Fastweld

255 visualizações

Publicada em

Resíduos sólidos indústriais Fastweld

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
255
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resíduos sólidos indústriais Fastweld

  1. 1. Resíduos Sólidos Industriais Fastweld Indústria e Comércio Ltda
  2. 2. Significado da palavra “Lixo” A palavra lixo, derivada do termo latim lix, significa “cinza”. No dicionário, ela é definida como sujeira, imundície, coisa ou coisas inúteis, velhas, sem valor. Lixo, na linguagem técnica, é sinônimo de resíduos sólidos e é representado por materiais descartáveis pelas atividades humanas.
  3. 3. Significado da palavra “Lixo” A partir da Revolução Industrial, as fábricas começaram a produzir objetos de consumo em larga escala e a introduzir novas embalagens no mercado, aumentando consideravelmente o volume e a diversidade de resíduos sólidos gerados nas áreas urbanas. O homem passou a viver então a era dos descartáveis, em que a maior parte dos produtos – desde guardanapos de papel e latas de refrigerantes até computadores – são utilizados e jogados fora com enorme rapidez.
  4. 4. PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 (regulamento)
  5. 5. PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos No dia 02 de agosto de 2010, após 21 anos de discussão no Congresso Nacional, foi sancionada pelo ex-presidente Lula a lei que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS, considerada uma revolução no que se diz respeito às políticas ambientais do Brasil. Com isso, o país passou a ter uma regulamentação na área de resíduos sólidos. Com um caráter educacional, esclarecendo seus objetivos e expondo seus princípios, a lei consegue estabelecer a distinção entre resíduos (lixo reciclável) e rejeito (lixo não passível de reaproveitamento). Além de se referir a todos os tipos de resíduos (industrial, doméstico, da área de saúde, eletroeletrônicos, etc.), ela também determina as diretrizes para que ocorra uma gestão integrada – englobando todos os envolvidos – com o objetivo de gerir esses resíduos sólidos da melhor forma possível.
  6. 6. PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos Os Objetivos da Lei O ponto principal da Política Nacional de Resíduos Sólidos é a redução, ou seja, a não geração de resíduos através do tratamento e da reutilização dos mesmos. Já no que se diz respeito aos rejeitos, a lei determina uma destinação adequada a eles, sem agredir o meio ambiente. Com isso, ocorrerá um aumento da ação de reciclagem no país e uma diminuição do uso de recursos naturais, como água e energia, na produção de novos produtos.
  7. 7. Plano Diretor de Resíduos Sólidos Prefeitura Municipal de Guarulhos
  8. 8. PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos “Lixo” responsabilidade de todos O ponto fundamental da PNRS é logística reversa. Ela determina que um conjunto de ações seja estabelecido entre os envolvidos no ciclo de vida de um produto (desde a indústria até as lojas), visando o retorno dos resíduos aos seus geradores. Com isso, eles serão tratados da forma correta ou reaproveitados em novos produtos. A logística reversa induz que a responsabilidade pelo tratamento adequado dos resíduos e rejeitos seja compartilhada entre a sociedade, o poder público e o privado. A ação de recolhimento e retorno dos resíduos aos responsáveis pela fabricação do produto objetiva, primordialmente, o descarte mais adequado ambientalmente.
  9. 9. Produção de Resíduos Sólidos No Brasil são produzidas diariamente, segundo o Manual de Gerenciamento Integrado (IPT/CEMPRE), cerca de 241 mil toneladas de lixo, dos quais 90 mil são de origem domiciliar. Dessa forma, a média nacional de produção de resíduos por habitante, estaria em torno de 600g/dia. Uma cidade como São Paulo, no entanto, produz em média 1 kg/dia de lixo por habitante.
  10. 10. Produção de Resíduos Sólidos A sujeira acumulada no ambiente aumentou a poluição do solo, das águas, e piorou as condições de saúde das populações em todo o mundo, especialmente nas regiões menos desenvolvidas. Até hoje, no Brasil, a maior parte dos resíduos sólidos recolhidos nos centros urbanos é simplesmente jogada fora sem qualquer cuidado em depósitos existentes nas periferias das cidades.
  11. 11. Produção de Resíduos Sólidos
  12. 12. Você sabe as diferenças? Lixão: Das muitas formas de tratamento de lixo, infelizmente a que tem a maior adesão é justamente a pior de todas elas: os lixões. Os lixões são depósitos de lixo a céu aberto em áreas que não apresentam nenhum tipo de preparação anterior do solo. Acrescenta-se aos lixões o seguinte agravante: a inexistência de qualquer sistema de tratamento para efluentes líquidos. Dessa forma o chorume, dotado de inúmeras substancias contaminantes e tóxicas, penetra livremente pela terra, colocando em risco tanto o solo como o lençol freático.
  13. 13. Lixão
  14. 14. Lixão
  15. 15. Você sabe as diferenças? Aterro controlado: Os aterros controlados são diretamente ligados aos lixões e foram criados para amenizar os depósitos de lixo a céu aberto. A própria origem dos aterros controlados é decorrente dos lixões, uma vez que ele pode ser entendido como sendo uma célula dos lixões, com a diferença que recebeu um tratamento prévio: uma cobertura de argila e de grama.
  16. 16. Você sabe as diferenças? Aterro sanitário: O aterro sanitário é a melhor e mais correta forma de disposição dos resíduos urbanos sólidos. Isso porque em seu processo de armazenamento do lixo depositado, há um eficiente sistema de tratamento do mesmo, que evita qualquer dano à saúde publica ou ao meio ambiente. Nos aterros sanitários tudo é previamente pensado e testado, da área escolhida à preparação do terreno, suas formas de operação, e a consequente recuperação dessa mesma área após o encerramento das atividades do aterro sanitário.
  17. 17. Impactos para a saúde pública e ambiental  degradação das áreas de manancial e de proteção permanente;  proliferação de agentes transmissores de doenças ;  obstrução dos sistemas de drenagem,.  assoreamento de rios e córregos,  existência e acúmulo de resíduos que podem gerar risco por sua periculosidade;  ocupação de vias e logradouros públicos por resíduos, com prejuízo à circulação de pessoas e veículos
  18. 18. Impactos para a saúde pública e ambiental O lixo depositado em lixões a céu aberto ou em terrenos baldios atrai ratos, baratas, moscas, mosquitos, formigas e escorpiões, entre outros, podendo transmitir doenças como diarreias infecciosas, parasitoses, amebíase etc. Pode ainda permitir o desenvolvimento de larvas de mosquitos vetores de doenças como a dengue e a leishmaniose. Além disso, quando os lixões estão localizados próximos a aeroportos, podem atrair pássaros diversos, principalmente urubus, capazes de provocar acidentes aéreos.
  19. 19. Impactos para a saúde pública e ambiental
  20. 20. O lixo e as doenças...
  21. 21. Resíduos Sólidos... Nos últimos anos, nota-se uma tendência mundial em reaproveitar cada vez mais os produtos jogados no lixo para a fabricação de novos objetos, através dos processos de reciclagem, o que representa economia da matéria-prima e de energia fornecidas pela natureza. Assim, o conceito de lixo tende a ser modificado, podendo ser entendido como “coisas que podem ser úteis e aproveitáveis pelo homem”.
  22. 22. O que é Reciclagem...? A reciclagem é um processo em que determinados tipos de materiais, cotidianamente reconhecidos como lixo, são reutilizados como matéria-prima para a fabricação de novos produtos. Dessa forma, é importante separar esses materiais, para que não sejam encaminhados juntamente com o lixo que não é reciclável, não tendo outro destino a não ser ocupar espaço nos aterros sanitários e lixões. O texto “Coleta seletiva em casa” explica bem esse processo. Em nosso país, quase toda a totalidade de latinhas descartáveis e garrafas PET são recicladas. Entretanto, plásticos, latas de aço, vidro, dentre outros matérias, são pouco considerados neste processo, reforçando as estatísticas que apontam que somente 11% de tudo o que se joga na lata de lixo, em nosso país é, de fato, reciclado.
  23. 23. Exemplos de reciclagem... Pallet de mandeira
  24. 24. Exemplos de reciclagem... Garrafa Pet
  25. 25. Exemplos de reciclagem... Ideias criativas
  26. 26. Resíduos Sólidos (Classificação) Classificação Definição Exemplos Classe I Resíduos Perigosos São aqueles que apresentam periculosidade ou, uma das características: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxidade ou patogenicidade Lixo hospitalar contaminantes, produtos químicos de indústrias, óleos, cinzas de metais preciosos, pilha, bateria e pesticidas. Classe II A Resíduos Não Inertes São aqueles que apresentam propriedades: combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade em água. Restos de alimentos, papel, palha de aço, agulhas, latas e fiação elétrica. Classe II B Resíduos Inertes São aqueles que não se degradam ou não se decompõem quando dispostos no solo (se degradam muito lentamente), sendo muitos destes resíduos recicláveis. Tijolo, plástico, borracha, entulhos de demolição, pedras e areias retirados de escavações.
  27. 27. Degradação do Lixo Os micróbios são responsáveis pela decomposição do lixo. Em primeiro lugar, esses micróbios consomem rapidamente as carnes dos animais, frutos e substâncias orgânicas de fácil digestão. As embalagens de papéis e papelões são degradadas durante um tempo mais prolongado, ou seja, demoram mais para se decompor. Finalmente, as substâncias duras, como ossos e cascos, sofrem uma decomposição muito lenta, que pode durar anos. Os micróbios utilizam enzimas para decompor os alimentos. Quando esses pequenos organismos soltam essas enzimas sobre o alimento, este se dissolve, formando um tipo de caldo que entra em seus “corpos”. Na verdade, tais micróbios famintos agem como se fossem uma imensa família, formada por milhares de espécies diferentes de bactérias e fungos. Todos os materiais orgânicos que sofrem decomposição, isto é, que servem de alimento aos micróbios, são chamados de biodegradáveis.
  28. 28. Degradação do Lixo Biodegradável – degradação ou decomposição biológica. Os microorganismos não são capazes de decompor alguns materiais, tais como: plástico, isopor e alguns detergentes. Embora constituídos por substâncias orgânicas, esses materiais sofrem alterações na sua composição química que as enzimas fabricadas até agora pelos micróbios são incapazes de reconhecer. Tais compostos são chamados de não- biodegradáveis e tendem a permanecer indefinidamente nos montes onde foram jogados, a não ser que sejam destruídos por processos químicos, ou por ações físicas, como a dos raios ultravioleta do Sol.
  29. 29. Degradação do Lixo O fenômeno da decomposição ou degradação biológica ocorre continuamente na natureza, em qualquer ambiente propício ao ataque dos microorganismos. Em se tratando do lixo, o processo ocorre normalmente dentro de uma lixeira, ou em qualquer local que for depositado o lixo. Quando o lixo estiver exposto ao ar livre, a degradação é feita por micróbios aeróbicos, isto é, atividades na presença de oxigênio atmosférico. Mas se o material estiver muito amassado ou enterrado, a degradação passa a ser realizada por microorganismos anaeróbicos, ou seja, não necessitam de oxigênio para realizar as atividades metabólicas. A decomposição aeróbica é mais complexa, e os produtos resultantes são o gás carbônico, vapor d’água e os sais minerais, substâncias indispensáveis ao crescimento de todas as plantas. Nesse processo ocorre a formação de húmus, um ótimo adubo para o solo.
  30. 30. Degradação do Lixo No processo anaeróbico, a fermentação dos compostos orgânicos gera diversos subprodutos ainda não totalmente degradados. Entre estes se destacam os gases, como o metano (gás natural) e também o gás sulfídrico, que causa um fedor parecido com o de ovo podre, fácil de ser reconhecido quando o lixo está apodrecendo. A decomposição anaeróbica produz um líquido escuro denominado chorume, encontrado normalmente no fundo das latas de lixo. Este líquido é bastante poluente e, se não for devidamente coletado, pode penetrar no subsolo alcançando muitas vezes as águas subterrâneas que abastecem os poços domésticos. O chorume também escorre pelos terrenos com as enxurradas e atinge córregos, rios e represas das proximidades.
  31. 31. Tempo de decomposição...
  32. 32. O QUE FAZER COM O NOSSO LIXO?
  33. 33. Coleta Seletiva Como separar? Todos os dias em Guarulhos são gerados mais de 1.000 toneladas de resíduos. Estudos apontam que aproximadamente 45% desses resíduos são recicláveis, ou seja, são resíduos que podem ser separados e transformados em novos produtos, diminuindo a retirada de matéria prima da natureza e possibilitando a nossa sobrevivência
  34. 34. NÓS FAZEMOS A NOSSA PARTE?
  35. 35. Coleta Seletiva Prefeitura Municipal de Guarulhos
  36. 36. Coleta Seletiva Prefeitura Municipal de Guarulhos
  37. 37. Entulhos Empresas cadastradas junto a Prefeitura Quando a geração dos resíduos de construção e demolição, volumes acima de 1m³ é necessária a contratação de um transportador cadastrado e licenciado no município, o qual deverá fornecer o CTR - Controle de Transporte de resíduos.

×