Projeto de compostagem lixo zero

562 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
562
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto de compostagem lixo zero

  1. 1. Projeto de Compostagem Lixo Zero Componentes: Bárbara Sagrilo, Bruna Sagrilo, Julia Valle, Pricila Fagundes e Paulo Henrique. Turma: AIT-MA-3 e 4 Docente: Lorena Frasson Disciplina: Prevenção de Poluição Curso:Técnico em Meio Ambiente
  2. 2. Objetivo O trabalho a seguir possui como objetivo apresentar as metas e as ideias principais sobre o projeto de compostagem “Lixo Zero”, presente na cidade de Duque de Caxias, e esclarecer questões abordadas sobre o tratado de Kyoto, seus fundamentos e o porquê da relutância dos Estados Unidos em não assiná-lo.
  3. 3. Protocolo de Quioto  Países desenvolvidos assumissem o compromisso de reduzir a emissão de gases que agravam o efeito estufa, para aliviar os impactos causados pelo aquecimento global.  Um tratado internacional.  A ideia começou em 1988 na “Toronto Conference on the Changing Atmosphere” no Canadá.  Em 2012 o protocolo teve sua validade prorrogada até 2020 após a Conferência das Partes (COP18).
  4. 4. Estados Unidos: porque não assinaram? Os EUA, o segundo país mais emissor de carbono do mundo, negou-se a ratificar o protocolo com a alegação de que aceitá-lo seria ruim para a economia americana. A falta de vontade dos países mais ricos e poluidores é um grande empecilho para que algo seja feito efetivamente contra o aquecimento global.
  5. 5. MDL(Mecanismo de Desenvolvimento Limpo) > Criado pela Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima como uma maneira de ajudar os países a cumprirem as metas do Protocolo de Quioto. > Consiste na implantação de um projeto em um país em desenvolvimento com o objetivo de reduzir as emissões de gases do efeito estufa (GEEs) e contribuir para o desenvolvimento sustentável local. > O orgão responsável pela supervisão do MDL é o Comitê Executivo (CE) da UNFCCC
  6. 6. Categorias do MDL  Setor 1. Geração de energia (renovável e não-renovável)  Setor 2. Distribuição de energia  Setor 3. Demanda de energia (projetos de eficiência e conservação de energia)  Setor 4. Indústrias de produção  Setor 5. Indústrias químicas  Setor 6. Construção  Setor 7.Transporte
  7. 7. Categorias do MDL  Setor 8. Mineração e produção de minerais  Setor 9. Produção de metais  Setor 10. Emissões de gases fugitivos de combustíveis  Setor 11. Emissões de gases fugitivos na produção e consumo de halocarbonos e hexafluorido de enxofre  Setor 12. Uso de solventes  Setor 13. Gestão e tratamento de resíduos  Setor 14. Reflorestamento e florestamento  Setor 15. Agricultura
  8. 8. Categoria do nosso Projeto Setor 13. Gestão e tratamento de resíduos
  9. 9. Projeto de Compostagem: Lixo Zero  Densenvolvido pela Ambiental Lixo Zero Ltda .  É um projeto de compostagem de resíduos orgânicos.  Na cidade de Duque de Caxias, Estado do Rio de Janeiro
  10. 10. Metas do Projeto Além do mais, o projeto está ajudando o País anfitrião a satisfazer suas metas de promover 0desenvolvimento sustentável. Especificamente, o projeto:  Previne emissões descontroladas de GEEs a partir de resíduos que teriam sido despejados em um aterro sanitário;  Reduz a quantidade de terra usada para despejo de lixo e melhora o saneamento público, eliminando o problema de despejo de resíduos orgânicos nas redondezas;  Previne a poluição do ar e da água;  Fornece um produto que pode ser usado na agricultura orgânica (resultando em agro-produtos mais saudáveis) e pode minimizar ou combater a degradação do solo;
  11. 11. Metas do Projeto  Aumenta as oportunidades de emprego na área onde o Projeto está localizado, tanto temporariamente (durante os trabalhos de instalação) e permanente (para operação da usina de compostagem);  Irá fortificar a economia brasileira contribuindo para empregos adicionais, alternativas de descarte de resíduos e impostos;  Irá apresentar uma tecnologia replicável limpa e eficiente, e conserva recursos naturais.
  12. 12. Empresas Envolvidas Existem duas empresas envolvidas neste projeto, sendo elas:  Ambiental Lixo Zero Ltda.  EcoSegurities Group PLC
  13. 13. Compostagem: Como funciona?  A tecnologia aplicada é baseada na utilização de uma mistura específica de microorganismos e compostos (que promove a redução da celulose e outros compostos orgânicos, assim como a ativação da solubilidade dos minerais.
  14. 14. Geração de Efluentes: Controle  A geração de efluentes no processo é pequena. Os efluentes serão direcionados a um reservatório pequeno para, então, ser frequentemente pulverizado nas pilhas de compostagem. O objetivo desta medida é ajustar a umidade das pilhas, de forma que este efluente não produza metano.
  15. 15. Procedimentos  Selecionar o lixo orgânico que entra na empresa manualmente, para evitar que componentes inorgânicos (tais como plástico) entrem no processo de compostagem;  O lixo, depois de passar através do sistema de filtragem, é transportado para a baia de compostagem. É durante este trajeto que os microorganismos e outros produtos são adicionados;  Tipo de aeragem: a pilha de compostagem será aerada regularmente com jato forçado (usando um compressor de gás) para aumentar o oxigênio dentro da baia de compostagem onde o processo aeróbico ocorre;  O baiade compostagem terá alguns parâmetros-chave monitorados, conforme estabelecido na seção B.7.1, tais como oxigênio (maior que 10%), temperatura (entre 50 e 60 ºC), etc.;  Uma tonelada de lixo orgânico resultará em aproximadamente 600 kg de composto;
  16. 16. Características Vantajosas  A extraordinária velocidade de transformação do lixo. O produto é transformado no prazo de 72 horas;  Outros produtos químicos podem ser adicionados ao composto final, adaptando o produto a necessidades específicas;  Permite a cultura de alimentos orgânicos, livres de fertilizantes artificiais, lixo humano ou sedimentos de efluentes dos esgotos;  Sua linha de produção é certificada por critérios internacionais;  O composto final possui um complexo benéfico de microorganismos que interagem com o solo, promovendo um aumento na meso e micro fauna. Esta tecnologia é diferente de outras tecnologias usadas no Brasil, em virtude das seguintes características:
  17. 17. Base do projeto O Projeto é baseado em três atividades complementares, como se segue: •A coleta e separação do lixo; •A compostagem aeróbica do lixo; • O uso do produto composto na agricultura.
  18. 18. Conclusão Podemos concluir que atualmente com o crescimento populacional que existe nas grandes cidades do Brasil e todo o mundo, o método proposto pelo Projeto Lixo Zero seria de grande eficiência, visto que o mesmo não demanda muito tempo, e a produção em grande cadeia seria bom pois seria de imenso aproveitamento para as agriculturas. Apesar da cidade de Duque de Caxias ser pioneiro nesse projeto, o mesmo pode ser implantado em diversos estados, fazendo com que assim haja um aproveitamento melhor dos resíduos orgânicos e que ele não seja enviado diretamente aos aterros sanitários, contribuindo para o meio ambiente e para a sociedade em geral.
  19. 19. Bibliografia  http://www.institutocarbonobr asil.org.br/protocolo_de_quiot o/mecanismo_de_desenvolvim ento_limpo__mdl_  Http://protocolo-de-kyoto.info/  http://www.mct.gov.br/upd_bl ob/0200/200702.pdf  http://vidaaagua.dominiotemp orario.com/tenologias%20utiliz adas%20- %20compostagem.pdf

×