DÃO-NOS MARUJOS DE PAPELÃO
COM CARIMBOS NO PASSAPORTE”
João Paulo da Silva Proença
Coordenador Interconcelhio para as
Bibl...
Sumário
1 - Como se pensava a educação no Estado
Novo
2 – As conquistas da escola pública de Abril
3 – a partir da situaçã...
Há quarenta anos atrás…
“Dão-nos um prémio de ser assim
sem pecado e sem inocência”
Natália Correia
Parte I – Contextualiz...
• Um pensamento base para a
educação:
• - “Se soubessem o que custa mandar,
gostariam de obedecer toda a vida”
(António de...
A velha ideia de que antes era melhor…
Quando foi?
Em 1933, aquando da instauração do novo governo,
numa das célebres entr...
A velha ideia de que antes era melhor…
Quando foi?
EUSÉBIO TAMAGNINI (1934), procurando
demonstrar uma atualização pedagóg...
A velha ideia de que antes
era melhor… Quando foi?
I - Contextualização…
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
Cada criança tem direito a receber
educação, obrigatória e gratuita, pelo
menos ao nível do Ensino Básico. Ser-
lhe-á admi...
DÃO-NOS MARUJOS DE PAPELÃO
COM CARIMBOS NO PASSAPORTE”
Nota: Na Noruega a escolaridade universal foi introduzida há 250
an...
“Dão-nos marujos de papelão
Com carimbo no passaporte”
Natália Correia
Parte II– A escola atual
II – A escola atual
4. Abandono escolar precoce
4.1. Definição
In Portugal the concept of early school leaving follow the European
one: percen...
II – A escola atual
http://www.pordata.pt/Portugal/Quadro+Resumo/Portugal-5812
II – A escola atual
http://www.pordata.pt/Portugal/Rede+de+Bibliotecas+Escolares+n%C3
%BAmero+de+bibliotecas+escolares+por...
“Dão-nos um nome e um jornal
um avião e um violino
mas não nos dão o animal
que espeta os cornos no destino”
Natália Corre...
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
III – Que desafios?
• 1 – O desafio de ensinar a
pensar e a ser;
• 2 – O desafio de ensina...
III – Que desafios?
1 – O desafio do ensinar a pensar e a ser!
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
III – Que desafios?
1 – O desafio do ensinar a pensar e a ser!
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
E ainda o projeto RBE: “New...
L.B.S.E. artº7 – Lei 46/86
a) "Assegurar uma formação geral
comum a todos os portugueses que
lhes garanta a descoberta e o...
• e) Proporcionar a aquisição dos conhecimentos
basilares que permitam o prosseguimento de estudos
ou a inserção do aluno ...
• O ensino secundário tem por objetivos:
• Artigo 9.º Objetivos
• a) Assegurar o desenvolvimento do raciocínio, da reflexã...
2 – O desafio do ensinar a ler!
III – Que desafios?
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
A emergência da sociedade de informação e
mais recentemente (1995) a generalização da
Inte...
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
De acordo com um relatório da Unesco
(2008), hoje em dia, para além de ler,
escrever e con...
• 2. The Family of 21st Century
Survival Literacies
The family of 21st Century “survival
literacies” includes six categori...
Está tudo à
distância de
um clique?
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
III – Que desafios?
Mantenha-se
atento
Pense numa
carta
Esta será a
SUA carta
Pense na SUA
carta cerca de
20 segundos
Mantenha-se
atento à SUA...
Vou agora
remover a
SUA carta da
imagem
A SUA carta foi
retirada
Porque está tudo à distância de um clique. Os alunos mais vivaços
perguntam: «Saber a tabuada para quê; se basta ir à calc...
“Ensinar o valor da leitura
enquanto verdadeira
condição civilizacional para a
salvaguarda do saber e da
liberdade”
Teresa...
http://www.rbe.min-edu.pt/np4/681.html
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
III – Que desafios?
Referencial aprender com a BE
Objetivos:
•Desenvolver as literacias essenciais à aprendizagem e à
formação dos alunos na s...
08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
3 – Ensinar o valor do Outro/do mediador
Ferramentas web 2.0
nas Bibliotecas:
As pessoas
I...
http://indexed.blogspot.com/2008/08/this-is-what-20-means.html
III – Que desafios?
E as bibliotecas?
A existência e utilização da
biblioteca escolar constitui uma
parte vital desta educação
obrigatória e g...
A biblioteca deve antes ser
entendida como uma unidade
orgânica da escola e o
planeamento das suas atividades,
embora ajus...
E as Bibliotecas?
Barbara Liason em Lisboa 2014
5 Points for my Talk:
- How does a Strong Society Look Like?
- What is the...
Presidential Theme:
“Strong Libraries,
Strong Societies”
Barbara Lison www.stabi-hb.de 42
III – Que desafios?
• I believe that strong societies
consist of informed citizens
who participate actively in the
society.
• Crucial for stro...
• I firmly believe that libraries have
impact on society by fostering equal
opportunities to lifelong learning and
educati...
Enquanto não vencermos estes desafios, o
poema continuará a fazer sentido (infelizmente)
:
Dão-nos marujos de papelão
com ...
• João Paulo Proença
•
• http://clapps.me/joaopproenca
•
• skype: jp.proenca
• http://www.facebook.com/joaopproenca
• http...
Apresentação joão proença Bibliotecando Tomar 2015
Apresentação joão proença Bibliotecando Tomar 2015
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação joão proença Bibliotecando Tomar 2015

623 visualizações

Publicada em

Apresentação de João Proença no 6º Bibliotecando que se realizou em Tomar de 8 a 9 de maio 2015

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
623
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação joão proença Bibliotecando Tomar 2015

  1. 1. DÃO-NOS MARUJOS DE PAPELÃO COM CARIMBOS NO PASSAPORTE” João Paulo da Silva Proença Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares - Programa RBE jp.proenca@gmail.com
  2. 2. Sumário 1 - Como se pensava a educação no Estado Novo 2 – As conquistas da escola pública de Abril 3 – a partir da situação atual que desafios para a educação e para as Bibliotecas escolares
  3. 3. Há quarenta anos atrás… “Dão-nos um prémio de ser assim sem pecado e sem inocência” Natália Correia Parte I – Contextualização
  4. 4. • Um pensamento base para a educação: • - “Se soubessem o que custa mandar, gostariam de obedecer toda a vida” (António de Oliveira Salazar) • - “Que saudades que eu já tinha da minha alegre casinha tão modesta quanto eu…” (de uma canção popular) • - “No meu tempo é que a escola era boa/se aprendia na escola” (voz do povo ainda em 2015) 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com I - Contextualização…
  5. 5. A velha ideia de que antes era melhor… Quando foi? Em 1933, aquando da instauração do novo governo, numa das célebres entrevistas dadas ao então jornalista António Ferro, Salazar não demonstra grande preocupação pelos baixos níveis de escolaridade do povo português, mas pela resolução dos grandes problemas nacionais, os quais só podiam ser enfrentados por uma elite bem preparada: “Considero (...) mais urgente a constituição de vastas elites do que ensinar o povo a ler. É que os grandes problemas nacionais têm de ser resolvidos, não pelo povo, mas pelas elites enquadrando as massas” (Carvalho, 1966:728).
  6. 6. A velha ideia de que antes era melhor… Quando foi? EUSÉBIO TAMAGNINI (1934), procurando demonstrar uma atualização pedagógica identificada com as correntes mais modernas da pedagogia da Europa e do Mundo, afirma: “A população escolar pode e deve dividir-se em cinco grupos, a saber: 1º Ineducáveis, 8%; 2º Normais estúpidos, 15%; 3º Inteligência média, 60%; 4º Inteligência superior, 15%; 5º Notáveis, 2%” daí concluindo não ser necessário muito dinheiro para a Educação..
  7. 7. A velha ideia de que antes era melhor… Quando foi?
  8. 8. I - Contextualização… 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
  9. 9. Cada criança tem direito a receber educação, obrigatória e gratuita, pelo menos ao nível do Ensino Básico. Ser- lhe-á administrada uma educação que desenvolverá a sua cultura geral e lhe permitirá, numa base de igualdade, desenvolver as suas habilidades, a capacidade de decisão e uma consciência moral de responsabilidade social, tornando-o um membro útil da comunidade. Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança. Princípio 7 1959 I - Contextualização…
  10. 10. DÃO-NOS MARUJOS DE PAPELÃO COM CARIMBOS NO PASSAPORTE” Nota: Na Noruega a escolaridade universal foi introduzida há 250 anos. Em 1889 já eram obrigatórios 7 anos de escolaridade (não é engano não, é mil oitocentos… )
  11. 11. “Dão-nos marujos de papelão Com carimbo no passaporte” Natália Correia Parte II– A escola atual
  12. 12. II – A escola atual
  13. 13. 4. Abandono escolar precoce 4.1. Definição In Portugal the concept of early school leaving follow the European one: percentage of individuals aged 18 to 24 years who achieved, at maximum, lower secondary education and didn’t come to follow any kind of education or training. Figure:Evolutionofthetaxof schooling(%)pereducationCycle/level II – A escola atual
  14. 14. II – A escola atual http://www.pordata.pt/Portugal/Quadro+Resumo/Portugal-5812
  15. 15. II – A escola atual http://www.pordata.pt/Portugal/Rede+de+Bibliotecas+Escolares+n%C3 %BAmero+de+bibliotecas+escolares+por+subsistema+de+ensino-1999
  16. 16. “Dão-nos um nome e um jornal um avião e um violino mas não nos dão o animal que espeta os cornos no destino” Natália Correia Parte III– que desafios para a educação e para as Bibliotecas escolares?
  17. 17. 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com III – Que desafios? • 1 – O desafio de ensinar a pensar e a ser; • 2 – O desafio de ensinar a ler; • 3 – O desafio de ensinar o valor do outro / do mediador
  18. 18. III – Que desafios? 1 – O desafio do ensinar a pensar e a ser! 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
  19. 19. III – Que desafios? 1 – O desafio do ensinar a pensar e a ser! 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com E ainda o projeto RBE: “Newton gostava de ler “
  20. 20. L.B.S.E. artº7 – Lei 46/86 a) "Assegurar uma formação geral comum a todos os portugueses que lhes garanta a descoberta e o desenvolvimento dos seus interesses e aptidões, capacidade de raciocínio, memória e espírito crítico, criatividade, sentido moral e sensibilidade estética, promovendo a realização individual em harmonia com os valores da solidariedade social." III – Que desafios?
  21. 21. • e) Proporcionar a aquisição dos conhecimentos basilares que permitam o prosseguimento de estudos ou a inserção do aluno em esquemas de formação profissional, bem como facilitar a aquisição e o desenvolvimento de métodos e instrumentos de trabalho pessoal e em grupo, valorizando a dimensão humana do trabalho; • i) Proporcionar a aquisição de atitudes autónomas, visando a formação de cidadãos na vida comunitária; civicamente responsáveis e democraticamente intervenientes • l) Fomentar o gosto por uma constante atualização de conhecimentos; III – Que desafios?
  22. 22. • O ensino secundário tem por objetivos: • Artigo 9.º Objetivos • a) Assegurar o desenvolvimento do raciocínio, da reflexão e da curiosidade científica e o aprofundamento dos elementos fundamentais de uma cultura humanística, artística, científica e técnica que constituam suporte cognitivo e metodológico apropriado para o eventual prosseguimento de estudos e para a inserção na vida ativa; • c) Fomentar a aquisição e aplicação de um saber cada vez mais aprofundado assente no estudo, na reflexão crítica, na observação e na experimentação; • e) Facultar contactos e experiências com o mundo do trabalho, fortalecendo os mecanismos de aproximação entre a escola, a vida ativa e a comunidade e dinamizando a função inovadora e interventora da escola; • g) Criar hábitos de trabalho, individual e em grupo, e favorecer o desenvolvimento de atitudes de reflexão metódica, de abertura de espírito, de sensibilidade e de disponibilidade e adaptação à mudança. III – Que desafios?
  23. 23. 2 – O desafio do ensinar a ler! III – Que desafios?
  24. 24. 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com A emergência da sociedade de informação e mais recentemente (1995) a generalização da Internet veio levantar novas questões à vida em sociedade emergindo a urgência de desenvolver competências nos futuros cidadãos que lhes permitam gerir e lidar com a informação. Apesar do potencial formativo do conceito de “nativo digital versus emigrante digital” (Prensky, 2001) o passar dos anos veio demonstrar que não basta ter acesso às tecnologias para ser-se competente no seu uso III – Que desafios?
  25. 25. 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com De acordo com um relatório da Unesco (2008), hoje em dia, para além de ler, escrever e contar, são necessárias ao homem comum, todo um novo conjunto de literacias que lhes permitam a sua integração na vida social preparando os alunos para profissões que ainda não existem. III – Que desafios?
  26. 26. • 2. The Family of 21st Century Survival Literacies The family of 21st Century “survival literacies” includes six categories: (1) the Basic or Core functional literacy fluencies (competencies) of reading, writing, oralcy and numeracy; (2) Computer Literacy; (3) Media Literacy; (4) Distance Education and E-Learning; (5) Cultural Literacy; (6) Information Literacy. The boundaries between the various members of this family overlap, but they should be seen as a closely-knit family. Texto de 2008, acessível em: http://portal.unesco.org/ci/en/ev.php- URL_ID=25957&URL_DO=DO_TOPIC&URL_SECTION=201.html 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com III – Que desafios?
  27. 27. Está tudo à distância de um clique? 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com III – Que desafios?
  28. 28. Mantenha-se atento Pense numa carta Esta será a SUA carta Pense na SUA carta cerca de 20 segundos Mantenha-se atento à SUA carta.
  29. 29. Vou agora remover a SUA carta da imagem
  30. 30. A SUA carta foi retirada
  31. 31. Porque está tudo à distância de um clique. Os alunos mais vivaços perguntam: «Saber a tabuada para quê; se basta ir à calculadora?» É difícil explicar-lhes o valor da memória. Os professores e as bibliotecas são mediadores por excelência, porque desmistificam a ideia de que está tudo à distância de um clique. Por outro lado, é preciso mostrar a importância da validação. Há muita coisa errada na internet, é preciso cruzar as informações. É só uma tecnologia diferente, fantástica, mas é só isso. Nós, que já somos treinados, sabemos que há fontes em que acreditamos e outras em que nem pensar. Há editoras que não conferem qualidade, há traduções que não são de confiança. Nós temos instrumentos de validação já incorporados. Alguém tem de dizer isto aos miúdos, porque o lixo associado a uma pesquisa vulgar é imenso. E preciso saber ler, saber interpretar, ter consciência da validação da informação e do conhecimento em diferentes suportes, e criar um treino com as nossas competências que nos torna autónomos” […] a destreza não é tudo, é como a água que corre, vai pelo caminho mais fácil”. Entrevista a Teresa Calçada – revista Ler (2014)08-05-2015 jp.proenca@gmail.com III – Que desafios?
  32. 32. “Ensinar o valor da leitura enquanto verdadeira condição civilizacional para a salvaguarda do saber e da liberdade” Teresa Calçada 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com III – Que desafios?
  33. 33. http://www.rbe.min-edu.pt/np4/681.html 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com III – Que desafios?
  34. 34. Referencial aprender com a BE Objetivos: •Desenvolver as literacias essenciais à aprendizagem e à formação dos alunos na sociedade do conhecimento. •Integrar o papel da biblioteca escolar e a ação do professor bibliotecário na promoção e melhoria dos níveis destas literacias. •Associar a leitura, o uso das TIC, dos diferentes media e a pesquisa e trabalho com a informação, em situações de aprendizagem curriculares ou extracurriculares, através da articulação biblioteca escolar/ professor. •Dotar a biblioteca de um instrumento que oriente as suas práticas e contribua para o alargamento do seu papel, influência e impacto no sucesso educativo. •Dar voz e expressão prática às orientações e linhas de investigação existentes na área e aos pareceres e propostas dos especialistas ouvidos 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com
  35. 35. 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com 3 – Ensinar o valor do Outro/do mediador Ferramentas web 2.0 nas Bibliotecas: As pessoas III – Que desafios?
  36. 36. http://indexed.blogspot.com/2008/08/this-is-what-20-means.html III – Que desafios?
  37. 37. E as bibliotecas? A existência e utilização da biblioteca escolar constitui uma parte vital desta educação obrigatória e gratuita. A biblioteca escolar é essencial ao desenvolvimento da personalidade humana, bem como ao progresso espiritual, moral, social, cultural e económico da comunidade IASL 1993
  38. 38. A biblioteca deve antes ser entendida como uma unidade orgânica da escola e o planeamento das suas atividades, embora ajustado à especificidade das suas funções, estará integrada no planeamento global da escola e no seu projeto educativo Lançar a rede de Bibliotecas Escolares 1996 E as bibliotecas?
  39. 39. E as Bibliotecas? Barbara Liason em Lisboa 2014 5 Points for my Talk: - How does a Strong Society Look Like? - What is the Situation of Public Libraries in the European Union? - Why are Strong Libraries Good for Strong Societies? - Key Aspects of IFLA‘s Advocacy Activities for Libraries - Public Libraries Called to Action by a Royal Princess Barbara Lison www.stabi-hb.de 41 III – Que desafios?
  40. 40. Presidential Theme: “Strong Libraries, Strong Societies” Barbara Lison www.stabi-hb.de 42 III – Que desafios?
  41. 41. • I believe that strong societies consist of informed citizens who participate actively in the society. • Crucial for strong libraries and strong societies is the democratic ideal – freedom of access to information for all. THE PRESIDENT‘S THESISES ON THE VALUE OF LIBRARIES Barbara Lison www.stabi-hb.de 43 III – Que desafios?
  42. 42. • I firmly believe that libraries have impact on society by fostering equal opportunities to lifelong learning and education, research and innovation, culture and recreation for all. • I would like to define strong libraries as ones that have adequate capacity to meet the information needs of their user communities. THE PRESIDENT‘S THESISES ON THE VALUE OF LIBRARIES Barbara Lison www.stabi-hb.de 44 III – Que desafios?
  43. 43. Enquanto não vencermos estes desafios, o poema continuará a fazer sentido (infelizmente) : Dão-nos marujos de papelão com carimbo no passaporte por isso a nossa dimensão não é a vida, nem é a morte Natália Correia
  44. 44. • João Paulo Proença • • http://clapps.me/joaopproenca • • skype: jp.proenca • http://www.facebook.com/joaopproenca • http://bibticaprendizagem.blogspot.com • http://leiturasqueapetecem.blogspot.com 08-05-2015 jp.proenca@gmail.com Obrigado pela atenção

×