SlideShare uma empresa Scribd logo

Workshop parte I

Workshop parte I

1 de 37
Baixar para ler offline
AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE DOCENTES,AUX. ACÇÃO EDUCATIVA, CONS. DIRECTIVO,  REPRESENTANTE DE PAIS E ENC.º DE EDUCAÇÃO PARTICIPANTES Workshop  AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUN'ÁLVARES Ano 2010-2011
Auto-avaliação da biblioteca escolar “ A escola da Sociedade do Conhecimento tem que lidar com os desafios que as tecnologias da informação colocam às atitudes, hábitos e comportamentos informacionais dos jovens. Estes desafios decorrem de renovadas formas de acesso, uso, produção e comunicação do conhecimento, que permeiam diferentes níveis de acção: da aprendizagem formal à informal, ao lazer e à intervenção social.” RBE AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE
AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE Pertinência  da existência  de um  Modelo de Avaliação  para as bibliotecas escolares. O Modelo de Auto-avaliação enquanto instrumento pedagógico e de melhoria. Organização estrutural e funcional. Gestão participada das mudanças que a sua aplicação impõe.   Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar .
AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE Pertinência da existência  de um  Modelo de Avaliação  para as bibliotecas escolares . Parte I GEBE
Porquê? Para quê? 􀃂  Conhecer os pontos fortes e os pontos críticos da BE/CRE 􀃂  Revelar as percepções das pessoas em relação à sua própria BE/CRE 􀃂  Aumentar a mobilização interna para a mudança 􀃂  Aumentar o sentido de auto-responsabilização dos Prof bibliotecários 􀃂  Conhecer o nível de satisfação dos utilizadores dada BE/CRE 􀃂  Construir projectos de mudança sustentados, com base no conhecimento do estado de funcionamento da BE/CRE
AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE ,[object Object],[object Object],a)níveis de colaboração entre o professor bibliotecário e os restantes docentes na identificação de recursos e no desenvolvimento de actividades conjuntas orientadas para o sucesso do aluno; b)a acessibilidade e a qualidade dos serviços prestados;  c)a adequação da colecção e dos recursos tecnológicos.  ,[object Object],Contextualização

Recomendados

Peso da régua. 2012
Peso da régua.  2012Peso da régua.  2012
Peso da régua. 2012Maria Baleiro
 
Citeforma - A Escola do futuro
Citeforma - A Escola do futuroCiteforma - A Escola do futuro
Citeforma - A Escola do futuroCiteforma
 
O papel da Escola e da BE no contexto da sociedade da informação
O papel da Escola e da BE no contexto da sociedade da informaçãoO papel da Escola e da BE no contexto da sociedade da informação
O papel da Escola e da BE no contexto da sociedade da informaçãoMinistério da Educação
 
1º trabalho
1º trabalho1º trabalho
1º trabalhoDeco10
 
Educação, jovens e media 5
Educação, jovens e media 5Educação, jovens e media 5
Educação, jovens e media 5dardevaia2
 
Educação e Tecnologia - parcerias 3.0
Educação e Tecnologia - parcerias 3.0Educação e Tecnologia - parcerias 3.0
Educação e Tecnologia - parcerias 3.0Elizabeth Fantauzzi
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios da educação 3 0
Princípios da educação 3 0Princípios da educação 3 0
Princípios da educação 3 0Rafael Parente
 
Apresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de GraduaçãoApresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de GraduaçãoDarlin Castilhos
 
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra RibeiroEja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiromarcusbrandao1
 
Escola Do Futuro
Escola Do FuturoEscola Do Futuro
Escola Do Futurolouisacarla
 
Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?
Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?
Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?João Paulo Proença
 
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...Luciano Sathler
 
Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas
Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas
Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas Ricardo Chagas
 
Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016João Paulo Proença
 
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...Bianca Santana
 
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...Marcos Cordiolli
 
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoO uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoLívia Miranda
 
Educação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de PandemiaEducação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de PandemiaSocorro Carneiro
 
Projeto Ccc C Cada Crianca Com Um Computador E Um Colo
Projeto Ccc C  Cada Crianca Com Um Computador E Um ColoProjeto Ccc C  Cada Crianca Com Um Computador E Um Colo
Projeto Ccc C Cada Crianca Com Um Computador E Um ColoPROJETOAFEICAO
 
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...christianceapcursos
 
Flexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecas
Flexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecasFlexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecas
Flexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecasAntónio Pires
 

Mais procurados (20)

Princípios da educação 3 0
Princípios da educação 3 0Princípios da educação 3 0
Princípios da educação 3 0
 
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJAALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA
 
Aprendendo com projetos
Aprendendo com projetosAprendendo com projetos
Aprendendo com projetos
 
Apresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de GraduaçãoApresentação do Trabalho Final de Graduação
Apresentação do Trabalho Final de Graduação
 
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra RibeiroEja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
Eja E Novas Tecnologias - Alexandra Ribeiro
 
Escola Do Futuro
Escola Do FuturoEscola Do Futuro
Escola Do Futuro
 
Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?
Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?
Bibliotecas Escolares: que desafios a nível local ?
 
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
A transformação do ensino: Com a pandemia, a rotina escolar mudou, todos os p...
 
Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas
Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas
Apresentação Consultor Educacional Ricardo Chagas
 
Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016Apresentação joão proença cieae 2016
Apresentação joão proença cieae 2016
 
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM  USA A FAVOR DE QUEM ...
NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: QUEM USA A FAVOR DE QUEM ...
 
TRILOGIA
TRILOGIATRILOGIA
TRILOGIA
 
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
A Ponte Digital: As Tecnologias Aproximando a Escola e a Família. 9ª Jornada ...
 
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoO uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
 
Educação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de PandemiaEducação em Tempos de Pandemia
Educação em Tempos de Pandemia
 
Projeto Ccc C Cada Crianca Com Um Computador E Um Colo
Projeto Ccc C  Cada Crianca Com Um Computador E Um ColoProjeto Ccc C  Cada Crianca Com Um Computador E Um Colo
Projeto Ccc C Cada Crianca Com Um Computador E Um Colo
 
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO:  DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
A UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA WEBQUEST NA EDUCAÇÃO: DESAFIOS E POSSIBILIDADES ...
 
Educação 4.0
Educação 4.0Educação 4.0
Educação 4.0
 
Flexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecas
Flexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecasFlexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecas
Flexibilidade curricular: desafios pedagógicos colocados às bibliotecas
 
Gt 07 odainai
Gt 07 odainaiGt 07 odainai
Gt 07 odainai
 

Semelhante a Workshop parte I

Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...
Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...
Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...Elisabeth Dudziak
 
Transversalidades das competências em tic
Transversalidades das competências em ticTransversalidades das competências em tic
Transversalidades das competências em ticlinamferro
 
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasBiblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasAna Ferreira
 
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho FinalO Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho FinalNoemiaMaria
 
APRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLAR
APRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLARAPRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLAR
APRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLARculturalmente
 
Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011
Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011
Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011Elisabeth Dudziak
 
MAABE no contexto da Escola/Agrupamento
MAABE no contexto da Escola/AgrupamentoMAABE no contexto da Escola/Agrupamento
MAABE no contexto da Escola/AgrupamentoManuela Mantas
 
Be desafios
Be   desafiosBe   desafios
Be desafiosJRjoao
 
Slides de leitura em blog verinha 1
Slides de leitura em blog   verinha 1Slides de leitura em blog   verinha 1
Slides de leitura em blog verinha 1Nelson Viana
 
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...Isabel Nina
 
A tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em AngolaA tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em Angolabenjamim João Paulo
 
Projeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º ciclo
Projeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º cicloProjeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º ciclo
Projeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º cicloAntónio Sérgio
 
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...Pedro Príncipe
 

Semelhante a Workshop parte I (20)

Apresentação do MABE
Apresentação do MABEApresentação do MABE
Apresentação do MABE
 
Apresentação doMABE
Apresentação doMABEApresentação doMABE
Apresentação doMABE
 
Apresentação do MABE
Apresentação do MABEApresentação do MABE
Apresentação do MABE
 
Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...
Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...
Inter-Ações e Aprendizado no Século 21: Promoção da Competência Informacional...
 
Transversalidades das competências em tic
Transversalidades das competências em ticTransversalidades das competências em tic
Transversalidades das competências em tic
 
Be E Desenv Comp Li
Be E Desenv Comp LiBe E Desenv Comp Li
Be E Desenv Comp Li
 
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e MetasBiblioteca Escolar: Desafios e Metas
Biblioteca Escolar: Desafios e Metas
 
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho FinalO Modelo De Auto AvaliaçãO   Trabalho Final
O Modelo De Auto AvaliaçãO Trabalho Final
 
APRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLAR
APRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLARAPRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLAR
APRENDER COM A BIBLIOTECA ESCOLAR
 
Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011
Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011
Biblioteca Escolar e a Competência em informação 2011
 
Workshop Apresentação MABE
Workshop Apresentação MABEWorkshop Apresentação MABE
Workshop Apresentação MABE
 
Workshop Apresentação MABE
Workshop Apresentação MABEWorkshop Apresentação MABE
Workshop Apresentação MABE
 
Workshop Apresentação MABE
Workshop Apresentação MABEWorkshop Apresentação MABE
Workshop Apresentação MABE
 
MAABE no contexto da Escola/Agrupamento
MAABE no contexto da Escola/AgrupamentoMAABE no contexto da Escola/Agrupamento
MAABE no contexto da Escola/Agrupamento
 
Be desafios
Be   desafiosBe   desafios
Be desafios
 
Slides de leitura em blog verinha 1
Slides de leitura em blog   verinha 1Slides de leitura em blog   verinha 1
Slides de leitura em blog verinha 1
 
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
Biblioteca escolar – recurso e contexto de aprendizagem - Salreu 28 de outubr...
 
A tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em AngolaA tecnologia e a Educação em Angola
A tecnologia e a Educação em Angola
 
Projeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º ciclo
Projeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º cicloProjeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º ciclo
Projeto de integração das literacias nas aprendizagens - Pré escolar e 1º ciclo
 
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
Recomendações para as bibliotecas de ensino superior de Portugal - Webinar @B...
 

Mais de esperancasantos

Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloesperancasantos
 
Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloesperancasantos
 
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentariosessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentarioesperancasantos
 
Resposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviarResposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviaresperancasantos
 
Documentos p evidências
Documentos p evidênciasDocumentos p evidências
Documentos p evidênciasesperancasantos
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviaresperancasantos
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviaresperancasantos
 
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010esperancasantos
 
Minha resposta: metodologias de operacionalização
Minha resposta:  metodologias de operacionalizaçãoMinha resposta:  metodologias de operacionalização
Minha resposta: metodologias de operacionalizaçãoesperancasantos
 
Resposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacaoResposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacaoesperancasantos
 
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviarResposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviaresperancasantos
 
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescResposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescesperancasantos
 

Mais de esperancasantos (20)

Sessão7 reflexao
Sessão7 reflexaoSessão7 reflexao
Sessão7 reflexao
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
 
Sessão 5 reflexao
Sessão 5 reflexaoSessão 5 reflexao
Sessão 5 reflexao
 
Sessão 4 reflexao
Sessão 4 reflexaoSessão 4 reflexao
Sessão 4 reflexao
 
Sessão 3 reflexao
Sessão 3 reflexaoSessão 3 reflexao
Sessão 3 reflexao
 
Sessão 2 reflexão
Sessão 2  reflexãoSessão 2  reflexão
Sessão 2 reflexão
 
Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modelo
 
Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modelo
 
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentariosessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
 
Resposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviarResposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviar
 
Documentos p evidências
Documentos p evidênciasDocumentos p evidências
Documentos p evidências
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviar
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviar
 
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010
 
Minha resposta: metodologias de operacionalização
Minha resposta:  metodologias de operacionalizaçãoMinha resposta:  metodologias de operacionalização
Minha resposta: metodologias de operacionalização
 
Resposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacaoResposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacao
 
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviarResposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
 
Critica
Critica Critica
Critica
 
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescResposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
 

Workshop parte I

  • 1. AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE DOCENTES,AUX. ACÇÃO EDUCATIVA, CONS. DIRECTIVO, REPRESENTANTE DE PAIS E ENC.º DE EDUCAÇÃO PARTICIPANTES Workshop AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUN'ÁLVARES Ano 2010-2011
  • 2. Auto-avaliação da biblioteca escolar “ A escola da Sociedade do Conhecimento tem que lidar com os desafios que as tecnologias da informação colocam às atitudes, hábitos e comportamentos informacionais dos jovens. Estes desafios decorrem de renovadas formas de acesso, uso, produção e comunicação do conhecimento, que permeiam diferentes níveis de acção: da aprendizagem formal à informal, ao lazer e à intervenção social.” RBE AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE
  • 3. AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares. O Modelo de Auto-avaliação enquanto instrumento pedagógico e de melhoria. Organização estrutural e funcional. Gestão participada das mudanças que a sua aplicação impõe. Integração/ Aplicação à realidade da escola/ biblioteca escolar .
  • 4. AUTO-AVALIAÇÃO BE/CRE Pertinência da existência de um Modelo de Avaliação para as bibliotecas escolares . Parte I GEBE
  • 5. Porquê? Para quê? 􀃂 Conhecer os pontos fortes e os pontos críticos da BE/CRE 􀃂 Revelar as percepções das pessoas em relação à sua própria BE/CRE 􀃂 Aumentar a mobilização interna para a mudança 􀃂 Aumentar o sentido de auto-responsabilização dos Prof bibliotecários 􀃂 Conhecer o nível de satisfação dos utilizadores dada BE/CRE 􀃂 Construir projectos de mudança sustentados, com base no conhecimento do estado de funcionamento da BE/CRE
  • 6.
  • 7. Esses estudos mostram ainda, de forma inequívoca, que as bibliotecas escolares podem contribuir positivamente para o ensino e aprendizagem, podendo-se estabelecer uma relação entre a qualidade do trabalho da e com a BE e os resultados escolares dos alunos. É neste contexto que surge o presente modelo para a auto-avaliação das bibliotecas escolares integradas na RBE.
  • 8. Kozol (2005) distressingly afirma “ as escolas das populações mais pobres e mais necessitados voltam novamente a utilizar o modelo da era industrial de treinamento de alunos.”
  • 9.
  • 11.
  • 12.
  • 13. MUDANÇA choque tecnológico
  • 15.  
  • 16.  
  • 17. A CAF, denominada em português por Estrutura Comum de Avaliação, é uma ferramenta de Auto-Avaliação da Qualidade desenvolvida pela EFQM (European Foundation for Quality Management) a pedido da Comunidade Europeia. É um modelo mais simplificado das exigentes normas EFQM e adequado às características e especificidades de um organismo público, e que tem como objectivo principal proceder ao diagnóstico do seu desempenho numa perspectiva de melhoria contínua. Com a sua implementação visa-se iniciar um processo de melhoria contínua que leve ao desenvolvimento de uma sustentada cultura de Excelência.
  • 18.  
  • 19. Deixar as coisas como estão será a solução?
  • 21.  
  • 22. Como acha que vai ser o futuro e suas tecnologias ?
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27. “ Em todo o mundo o acesso à tecnologia da informação virou a atenção para questões sérias sobre a educação nos países em todo o mundo” (Friedman, 2006). O desafio para a escola do século 21 é o de educar as crianças para viver e trabalhar em um ambiente de informação tecnológica rica. (Inquired Guide)
  • 28. Que competências a desenvolver ?
  • 29.  
  • 30. 1º Desenvolvermos a Arte da Pergunta (sermos curiosos na procura de mais saberes). 2º Desenvolvermos a Arte da Dúvida (para que nos interroguemos sobre nós próprios e os outros antes de tomarmos decisões). 3º Desenvolvermos a Arte da Crítica (fundamental para decisões inteligentes). 4º Analisarmos as diversas variáveis que estão em jogo para atingirmos os nossos objectivos (procurando prever os obstáculos, o impensável e o inesperado mas não impossível). 5º Valorizarmos as relações sociais e procurarmos ser agentes sociais. 6º Aprendermos a expor as nossas ideias (o mundo hoje ferve de ideias e inovações). 7º Termos uma visão multifocal da espécie humana. 8º Expandirmos o mundo das ideias através do uso das artes da inteligência (a arte da pergunta, dúvida, crítica, observação, análise). 9º Aprendermos a colocar-nos como "eternos" aprendizes. 10º Procurarmos ser engenheiros de ideias actuando com consciência crítica.Muito do nosso futuro é previsível, mas pode surpreender-nos!   Competitivo, incerto, rápido, indeterminado, complexo, eis o nosso mundo. Colocar a cabeça na areia e ignorar que as transformações sociais, tecnológicas, económicas e outras interferem na nossa vida é má política e pode ser suicida. Por isso recordo aqui alguns conselhos de Augusto Cury que recolhi na sua teoria da Inteligência Multifocal .
  • 31. “ Hoje em dia ser brilhante significa ser capaz de apresentar ideias inovadoras sempre que isso se mostre necessário. Em qualquer profissão. Em qualquer tipo de organização.” Tom Peters Segundo Allison G. Zmuda e Violet H. Harada a literacia da informação e da tecnologia como componentes significativos de desenhos curriculares e as práticas de ensino.
  • 32.
  • 33. Existência de vontade política Criação da figura de prof.bibliotecário
  • 34.
  • 35.
  • 36. Nasce também a necessidade de compilar todos os domínios, indicadores promotores do sucesso e... avaliar!
  • 37.