SlideShare uma empresa Scribd logo
Fatores (Des)Motivadores na Adoção de Metodologias Ágeis no Desenvolvimento de Sistemas de Informação Fernando Kenji Kamei  1 Felipe Prata Lima  2 Jairo Barros Júnior  3 Marcílio F. Souza Júnior  4 1  Faculdade de Alagoas 2  CPMAT/UFAL 3  Maurício de Nassau 4  IF-AL {fkenjikamei, felipepratalima, jairobjunior}@gmail.com, marcilio@cefet-al.br
Roteiro ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Introdução ,[object Object],[object Object],[object Object]
Introdução ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Motivação ,[object Object]
Motivação ,[object Object]
Objetivo ,[object Object]
Objetivo ,[object Object]
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação ,[object Object],[object Object]
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação “ Metodologia   de desenvolvimento de sistemas de informação significa o  “ como fazer ”,  ou seja, o  roteiro   para criação de um sistema que estabelece os processos e as técnicas a serem utilizadas na construção do mesmo. Desta forma, são todas as  fases do processo ,   seus conjuntos de atividades e resultados, para a construção de um software .” (SOMMERVILLE, 2003)
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação ,[object Object]
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação E ainda Rezende (2002) afirma: “ São  fundamentais ,  independente   das   técnicas ,  ferramentas  ou  notações ”
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação Como são   classificadas ?
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação Metodologias Tradicionais e Metodologias Ágeis
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A problemática... ,[object Object],[object Object],[object Object]
E ainda... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Por quê isso acontence? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Porém ainda podemos... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Para refletir... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Metodologias Ágeis ,[object Object],[object Object]
Aliança Ágil ,[object Object],[object Object]
Manifesto Ágil ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Princípios e Valores... ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ágeis em números... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Ágeis em números... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Ágeis em números... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Método da pesquisa... ,[object Object],[object Object]
Método da pesquisa... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Método da pesquisa... ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Método da pesquisa... ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],1 Disponível em http://portal.acm.org/dl.cfm
Método da pesquisa... ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Método da pesquisa... ,[object Object],[object Object],[object Object]
Análise dos Resultados ,[object Object],[object Object]
Análise dos Resultados ID Fatores Motivadores Nacionais Internacionais Total M01 Aumento na Qualidade do Produto 13 24 37 M02 Melhora a comunicação entre a equipe 10 23 33 M03 Desenvolvimento Iterativo e Incremental 12 17 29 M04 Propriedade Coletiva - Programação em pares - Aprendizado colaborativo 10 17 27 M05 Rápido retorno de Investimento (ROI) 12 13 25 M06 Redução de Defeitos 8 15 23 M07 Cliente presente 3 19 22 M08 Escopo aberto (aberto a mudanças) 10 10 20 M09 Redução da Complexidade do Projeto 6 13 19 M10 Facilidade de Manutenção 8 10 18 M11 Maior produtividade da equipe 6 10 16 M12 Satisfação do cliente 2 10 12 M13 Aumento na Motivação da Equipe 2 10 12 M14 Integração contínua 4 8 12 … … … … …
Análise dos Resultados ... ... … … … M15 Redução do tempo de desenvolvimento 3 5 8 M16 Facilidade no Desenvolvimento 0 7 7 M17 Aumento de Confiança da Equipe 1 6 7 M18 Redução de Custos 2 3 5 M19 Redução de Riscos 1 4 5 M20 Coragem da equipe para mudanças 2 3 5 M21 Pouca documentação 3 2 5 M22 Adaptabilidade 1 3 4 M23 Experiência 0 3 3 Total: 119 235 354
Análise dos Resultados ,[object Object],[object Object]
Análise dos Resultados ID Fatores Desmotivadores Nacionais Internacionais Total D01 Falta de experiência do time nas práticas ágeis 2 8 10 D02 Falta de Relatos comprovando sua Eficácia 2 7 9 D03 Falta de  Referencial   Bibliográfico 2 5 7 D04 Aumento no tempo de desenvolvimento 0 7 7 D05 Organizações mergulhadas em metodologias tradicionais 4 3 7 D06 Choque de personalidade entre membros do time 0 4 4 D07 Falta de Gerenciamento de Riscos para o Projeto 2 1 3 D08 Aumento dos custos 0 3 3 D09 Cliente não acostumado com Escopo Aberto 2 1 3 D10 Não apropriado a times grandes 1 2 3 D11 Pouca documentação 1 2 3 D12 Falta de precisão nas técnicas para o Planejamento 0 2 2 ... ... … … …
Análise dos Resultados … … … … … D13 Dificuldade para criação de Planejamento do Projeto 1 1 2 D16 Dificuldade na Seleção da Metodologia Ágil 0 2 2 D17 O cliente sempre presente pode causar insatisfação devido ao cansaço e esgotamento 1 1 2 D18 Falta de consenso da comunidade sobre as práticas ágeis 1 1 2 D19 Equipe geograficamente separada 1 1 2 D20 A estrutura da empresa 2 0 2 D21 Falta de Entendimento do Cliente quanto as Práticas Ágeis 1 0 1 D22 Conhecimento Tácito 0 1 1 D23 Não apropriados a projetos grandes 0 1 1 D24 Não apropriados a sistemas críticos 0 1 1 D25 A comunicação não reflete no domínio 0 1 1 Total: 23 59 82
Análise dos Resultados Figura 1. Fatores Motivadores / Desmotivadores
Considerações Finais... ,[object Object],[object Object]
Considerações Finais... ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Bibliografia AGILE ALLIANCE. Manifesto for Agile Software Development.  2001. Disponível em http://agilemanifesto.org/. Acessado em agosto de 2009. AMBLER, S.W. Results from Scott Ambler’s Agile Adoption Survey February 2008. Disponível em http://www.agilemodeling.com/surveys. Acessado em junho de 2009. BANKI, A.L.; TANAKA, S. Metodologias Ágeis: Uma Visão Prática. Engenharia de Software Magazine, Rio de Janeiro, ano 1, ed. 4, p. 22-29, 2008. BECK, K. Extreme programming explained: embrace change. Boston: Addison-Wesley Professional, 1999. BROOKS, F.P. No Silver Bullet Essence and Accidents of Software Engineering. Computer, v.20, n.4, p.10-19, 1987. CAO, D. An Empirical Investigation of Critical Success Factors in Agile Software Development Projects. 2006. Doctoral Thesis – Capella University. CHOW, T. and CAO, D.B. A survey study of critical success factors in agile software projects. Journal of Systems and Software, v.81, issue 6, p.961-971, 2008. FONSECA, I.; CAMPOS,  A. Por quê SCRUM?.  Engenharia de Software Magazine, Rio de Janeiro, ano 1, ed. 4, p.30-35, 2008.
Bibliografia HEEKS, R. Health information systems: failure, success and improvisation.  International Journal of Medical Informatics, v.75, issue 2, p.125-137, 2006. O’BRIEN, J.A. Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da internet, 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2006. PRESSMAN, R.S. Engenharia de software. Tradução José Carlos Barbosa dos Santos. São Paulo: Makron Books, 1995.  REZENDE, D.A. Engenharia de softwares e sistemas de informação, 2ª edição. Rio de Janeiro: Brasport, 2002. ______, D.A. Planejamento de Sistemas de Informação e Informática. São Paulo: Atlas, 2003. SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software, 8ª edição.  São Paulo: Pearson Addison-Wesley, 2007. STAIR, R.M.; REYNOLDS, G.W. Princípios de Sistemas de Informação, 6º edição. São Paulo: Thomson, 2006. TELES, V.M. Extreme programming: aprenda como encantar seus usuários desenvolvendo software com agilidade e alta qualidade. São Paulo: Novatec Editora, 2006.
Obrigado! Dúvidas?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crystal - Engenharia de Software
Crystal - Engenharia de SoftwareCrystal - Engenharia de Software
Crystal - Engenharia de Software
Felipe Bastos
 
METODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de Cockbum
METODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de CockbumMETODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de Cockbum
METODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de Cockbum
vanessa finoto
 
Usando weka-na-pratica
Usando weka-na-praticaUsando weka-na-pratica
Usando weka-na-pratica
awtb1200
 
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4
Ink_conteudos
 
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsiCap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
Paulo Henrique C. Andrade
 
Ensiso day talks
Ensiso day   talksEnsiso day   talks
Ensiso day talks
César França
 
Apresentação Crystal Clear
Apresentação Crystal ClearApresentação Crystal Clear
Apresentação Crystal Clear
Thiago Sinésio
 
Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...
Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...
Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...
Wankes Leandro
 
Livro Gestão de Projetos nas Organizações
Livro Gestão de Projetos nas OrganizaçõesLivro Gestão de Projetos nas Organizações
Livro Gestão de Projetos nas Organizações
Adeildo Caboclo
 
Treinamento Gestão de Projetos
Treinamento Gestão de ProjetosTreinamento Gestão de Projetos
Treinamento Gestão de Projetos
pobata
 
Crystal method
Crystal methodCrystal method
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologiaPalestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
elonvila
 
2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...
2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...
2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...
HASE – Human Aspects in Software Engineering
 
Metodologias de desenvolvimento
Metodologias de desenvolvimentoMetodologias de desenvolvimento
Metodologias de desenvolvimento
Sebastiao Sebastian
 
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversaçãoAula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Dalton Martins
 
[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)
[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)
[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)
Alessandro Almeida
 
Lecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SW
Lecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SWLecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SW
Lecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SW
Rogerio P C do Nascimento
 
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Rogerio P C do Nascimento
 
Crystal metodologia ágil
Crystal   metodologia ágilCrystal   metodologia ágil
Crystal metodologia ágil
Vanessa Finoto
 
Gestao de projetos_modulo_1
Gestao de projetos_modulo_1Gestao de projetos_modulo_1
Gestao de projetos_modulo_1
Target Trust
 

Mais procurados (20)

Crystal - Engenharia de Software
Crystal - Engenharia de SoftwareCrystal - Engenharia de Software
Crystal - Engenharia de Software
 
METODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de Cockbum
METODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de CockbumMETODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de Cockbum
METODOLOGIA ÁGIL: Família Crystal de Cockbum
 
Usando weka-na-pratica
Usando weka-na-praticaUsando weka-na-pratica
Usando weka-na-pratica
 
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4
(Transformar 16) Planejamento Estratégico 4
 
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsiCap.09 (eti)   análise de projetos em tecnologia e sgsi
Cap.09 (eti) análise de projetos em tecnologia e sgsi
 
Ensiso day talks
Ensiso day   talksEnsiso day   talks
Ensiso day talks
 
Apresentação Crystal Clear
Apresentação Crystal ClearApresentação Crystal Clear
Apresentação Crystal Clear
 
Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...
Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...
Gestão coordenada de múltiplos projetos, Prof. Wankes Leandro - 13o Encontro ...
 
Livro Gestão de Projetos nas Organizações
Livro Gestão de Projetos nas OrganizaçõesLivro Gestão de Projetos nas Organizações
Livro Gestão de Projetos nas Organizações
 
Treinamento Gestão de Projetos
Treinamento Gestão de ProjetosTreinamento Gestão de Projetos
Treinamento Gestão de Projetos
 
Crystal method
Crystal methodCrystal method
Crystal method
 
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologiaPalestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
 
2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...
2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...
2009 SBES - Developing Motivational Programs for Software Engineers through a...
 
Metodologias de desenvolvimento
Metodologias de desenvolvimentoMetodologias de desenvolvimento
Metodologias de desenvolvimento
 
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversaçãoAula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
Aula 01 - Metodologia Científica: projetos, ciência e redes de conversação
 
[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)
[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)
[slides] Empreendedorismo (2015: 2º semestre)
 
Lecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SW
Lecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SWLecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SW
Lecture 1 :: Gestão de Projetos de SW - 4 Ps - Fases da Engenharia de SW
 
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
Plano de Ensino - Gerencia de Projetos - UFS - 2017-2
 
Crystal metodologia ágil
Crystal   metodologia ágilCrystal   metodologia ágil
Crystal metodologia ágil
 
Gestao de projetos_modulo_1
Gestao de projetos_modulo_1Gestao de projetos_modulo_1
Gestao de projetos_modulo_1
 

Semelhante a Fatores (Des)Motivadores na Adoção de Metodologias Ágeis no Desenvolvimento de Sistemas de Informação

Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...
Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...
Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...
Flávio Steffens
 
42906.ppt
42906.ppt42906.ppt
Palestra Métodos Ágeis SERPRO
Palestra Métodos Ágeis SERPROPalestra Métodos Ágeis SERPRO
Palestra Métodos Ágeis SERPRO
Wildtech
 
Outsourcing Desenvolvimento Aplicações
Outsourcing Desenvolvimento AplicaçõesOutsourcing Desenvolvimento Aplicações
Outsourcing Desenvolvimento Aplicações
Fernando Albuquerque
 
Análise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemasAnálise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemas
Diego Marek
 
Lean software
Lean software Lean software
Lean software
Sergio Crespo
 
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareIntrodução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Daniel Cukier
 
Os 10 Maiores Erros na Documentação de Processos
Os 10 Maiores Erros na Documentação de ProcessosOs 10 Maiores Erros na Documentação de Processos
Os 10 Maiores Erros na Documentação de Processos
wingscreative
 
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
André Luis Celestino
 
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
Everton vitor
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Maicon Zerbielli
 
Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de Processos
Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de ProcessosComo Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de Processos
Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de Processos
Sandra Raiher
 
Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2
Edinaldo Mendes
 
Mesuracao da Gestao do Conhecimento em Projetos
Mesuracao da Gestao do Conhecimento em ProjetosMesuracao da Gestao do Conhecimento em Projetos
Mesuracao da Gestao do Conhecimento em Projetos
Rafael Ramos
 
Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...
Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...
Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...
GrupoMENTHOR
 
Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013
Lourenco P Soares
 
Métodos ágeis
Métodos ágeisMétodos ágeis
Métodos ágeis
Fernando Palma
 
ManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdf
ManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdfManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdf
ManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdf
EduardodeLimaeSilva1
 
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Tailo Mateus Gonsalves
 
Inovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividadeInovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividade
ABGI Brasil
 

Semelhante a Fatores (Des)Motivadores na Adoção de Metodologias Ágeis no Desenvolvimento de Sistemas de Informação (20)

Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...
Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...
Cinco motivos para você não adotar metodologias ágeis - Rafael Prikladnicki F...
 
42906.ppt
42906.ppt42906.ppt
42906.ppt
 
Palestra Métodos Ágeis SERPRO
Palestra Métodos Ágeis SERPROPalestra Métodos Ágeis SERPRO
Palestra Métodos Ágeis SERPRO
 
Outsourcing Desenvolvimento Aplicações
Outsourcing Desenvolvimento AplicaçõesOutsourcing Desenvolvimento Aplicações
Outsourcing Desenvolvimento Aplicações
 
Análise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemasAnálise, projeto e implementação de sistemas
Análise, projeto e implementação de sistemas
 
Lean software
Lean software Lean software
Lean software
 
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareIntrodução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
 
Os 10 Maiores Erros na Documentação de Processos
Os 10 Maiores Erros na Documentação de ProcessosOs 10 Maiores Erros na Documentação de Processos
Os 10 Maiores Erros na Documentação de Processos
 
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
 
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
 
Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de Processos
Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de ProcessosComo Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de Processos
Como Evitar os 10 Maiores Erros em Modelagem/Documentação de Processos
 
Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2
 
Mesuracao da Gestao do Conhecimento em Projetos
Mesuracao da Gestao do Conhecimento em ProjetosMesuracao da Gestao do Conhecimento em Projetos
Mesuracao da Gestao do Conhecimento em Projetos
 
Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...
Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...
Palestra sobre a Metodologia para Apoio à Decisão, Gerência e Implantação de ...
 
Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013
 
Métodos ágeis
Métodos ágeisMétodos ágeis
Métodos ágeis
 
ManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdf
ManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdfManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdf
ManualBoasPrticas_V8semgoverno.pdf
 
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
 
Inovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividadeInovação na era da colaboratividade
Inovação na era da colaboratividade
 

Mais de Jairo Junior

Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
Jairo Junior
 
Profissionais de TI: Desafios e Oportunidades
Profissionais de TI:  Desafios e OportunidadesProfissionais de TI:  Desafios e Oportunidades
Profissionais de TI: Desafios e Oportunidades
Jairo Junior
 
Frameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações Web
Frameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações WebFrameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações Web
Frameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações Web
Jairo Junior
 
A educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXI
A educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXIA educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXI
A educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXI
Jairo Junior
 
Domain-Driven Design - Aplicada a um estudo de caso
Domain-Driven Design - Aplicada a um estudo de casoDomain-Driven Design - Aplicada a um estudo de caso
Domain-Driven Design - Aplicada a um estudo de caso
Jairo Junior
 
Certificação Digital (Conceitos e Tendências)
Certificação Digital (Conceitos e Tendências)Certificação Digital (Conceitos e Tendências)
Certificação Digital (Conceitos e Tendências)
Jairo Junior
 

Mais de Jairo Junior (6)

Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Profissionais de TI: Desafios e Oportunidades
Profissionais de TI:  Desafios e OportunidadesProfissionais de TI:  Desafios e Oportunidades
Profissionais de TI: Desafios e Oportunidades
 
Frameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações Web
Frameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações WebFrameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações Web
Frameworks Opensource: ferramentas para desenvolvimento rápido de aplicações Web
 
A educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXI
A educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXIA educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXI
A educação mediada pelo computador: ferramentas do século XXI
 
Domain-Driven Design - Aplicada a um estudo de caso
Domain-Driven Design - Aplicada a um estudo de casoDomain-Driven Design - Aplicada a um estudo de caso
Domain-Driven Design - Aplicada a um estudo de caso
 
Certificação Digital (Conceitos e Tendências)
Certificação Digital (Conceitos e Tendências)Certificação Digital (Conceitos e Tendências)
Certificação Digital (Conceitos e Tendências)
 

Último

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (6)

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

Fatores (Des)Motivadores na Adoção de Metodologias Ágeis no Desenvolvimento de Sistemas de Informação

  • 1. Fatores (Des)Motivadores na Adoção de Metodologias Ágeis no Desenvolvimento de Sistemas de Informação Fernando Kenji Kamei 1 Felipe Prata Lima 2 Jairo Barros Júnior 3 Marcílio F. Souza Júnior 4 1 Faculdade de Alagoas 2 CPMAT/UFAL 3 Maurício de Nassau 4 IF-AL {fkenjikamei, felipepratalima, jairobjunior}@gmail.com, marcilio@cefet-al.br
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação “ Metodologia de desenvolvimento de sistemas de informação significa o “ como fazer ”, ou seja, o roteiro para criação de um sistema que estabelece os processos e as técnicas a serem utilizadas na construção do mesmo. Desta forma, são todas as fases do processo , seus conjuntos de atividades e resultados, para a construção de um software .” (SOMMERVILLE, 2003)
  • 11.
  • 12.
  • 13. Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação E ainda Rezende (2002) afirma: “ São fundamentais , independente das técnicas , ferramentas ou notações ”
  • 14. Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação Como são classificadas ?
  • 15. Metodologias para Desenvolvimento de Sistemas de Informação Metodologias Tradicionais e Metodologias Ágeis
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37. Análise dos Resultados ID Fatores Motivadores Nacionais Internacionais Total M01 Aumento na Qualidade do Produto 13 24 37 M02 Melhora a comunicação entre a equipe 10 23 33 M03 Desenvolvimento Iterativo e Incremental 12 17 29 M04 Propriedade Coletiva - Programação em pares - Aprendizado colaborativo 10 17 27 M05 Rápido retorno de Investimento (ROI) 12 13 25 M06 Redução de Defeitos 8 15 23 M07 Cliente presente 3 19 22 M08 Escopo aberto (aberto a mudanças) 10 10 20 M09 Redução da Complexidade do Projeto 6 13 19 M10 Facilidade de Manutenção 8 10 18 M11 Maior produtividade da equipe 6 10 16 M12 Satisfação do cliente 2 10 12 M13 Aumento na Motivação da Equipe 2 10 12 M14 Integração contínua 4 8 12 … … … … …
  • 38. Análise dos Resultados ... ... … … … M15 Redução do tempo de desenvolvimento 3 5 8 M16 Facilidade no Desenvolvimento 0 7 7 M17 Aumento de Confiança da Equipe 1 6 7 M18 Redução de Custos 2 3 5 M19 Redução de Riscos 1 4 5 M20 Coragem da equipe para mudanças 2 3 5 M21 Pouca documentação 3 2 5 M22 Adaptabilidade 1 3 4 M23 Experiência 0 3 3 Total: 119 235 354
  • 39.
  • 40. Análise dos Resultados ID Fatores Desmotivadores Nacionais Internacionais Total D01 Falta de experiência do time nas práticas ágeis 2 8 10 D02 Falta de Relatos comprovando sua Eficácia 2 7 9 D03 Falta de Referencial Bibliográfico 2 5 7 D04 Aumento no tempo de desenvolvimento 0 7 7 D05 Organizações mergulhadas em metodologias tradicionais 4 3 7 D06 Choque de personalidade entre membros do time 0 4 4 D07 Falta de Gerenciamento de Riscos para o Projeto 2 1 3 D08 Aumento dos custos 0 3 3 D09 Cliente não acostumado com Escopo Aberto 2 1 3 D10 Não apropriado a times grandes 1 2 3 D11 Pouca documentação 1 2 3 D12 Falta de precisão nas técnicas para o Planejamento 0 2 2 ... ... … … …
  • 41. Análise dos Resultados … … … … … D13 Dificuldade para criação de Planejamento do Projeto 1 1 2 D16 Dificuldade na Seleção da Metodologia Ágil 0 2 2 D17 O cliente sempre presente pode causar insatisfação devido ao cansaço e esgotamento 1 1 2 D18 Falta de consenso da comunidade sobre as práticas ágeis 1 1 2 D19 Equipe geograficamente separada 1 1 2 D20 A estrutura da empresa 2 0 2 D21 Falta de Entendimento do Cliente quanto as Práticas Ágeis 1 0 1 D22 Conhecimento Tácito 0 1 1 D23 Não apropriados a projetos grandes 0 1 1 D24 Não apropriados a sistemas críticos 0 1 1 D25 A comunicação não reflete no domínio 0 1 1 Total: 23 59 82
  • 42. Análise dos Resultados Figura 1. Fatores Motivadores / Desmotivadores
  • 43.
  • 44.
  • 45. Bibliografia AGILE ALLIANCE. Manifesto for Agile Software Development. 2001. Disponível em http://agilemanifesto.org/. Acessado em agosto de 2009. AMBLER, S.W. Results from Scott Ambler’s Agile Adoption Survey February 2008. Disponível em http://www.agilemodeling.com/surveys. Acessado em junho de 2009. BANKI, A.L.; TANAKA, S. Metodologias Ágeis: Uma Visão Prática. Engenharia de Software Magazine, Rio de Janeiro, ano 1, ed. 4, p. 22-29, 2008. BECK, K. Extreme programming explained: embrace change. Boston: Addison-Wesley Professional, 1999. BROOKS, F.P. No Silver Bullet Essence and Accidents of Software Engineering. Computer, v.20, n.4, p.10-19, 1987. CAO, D. An Empirical Investigation of Critical Success Factors in Agile Software Development Projects. 2006. Doctoral Thesis – Capella University. CHOW, T. and CAO, D.B. A survey study of critical success factors in agile software projects. Journal of Systems and Software, v.81, issue 6, p.961-971, 2008. FONSECA, I.; CAMPOS,  A. Por quê SCRUM?. Engenharia de Software Magazine, Rio de Janeiro, ano 1, ed. 4, p.30-35, 2008.
  • 46. Bibliografia HEEKS, R. Health information systems: failure, success and improvisation. International Journal of Medical Informatics, v.75, issue 2, p.125-137, 2006. O’BRIEN, J.A. Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da internet, 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2006. PRESSMAN, R.S. Engenharia de software. Tradução José Carlos Barbosa dos Santos. São Paulo: Makron Books, 1995. REZENDE, D.A. Engenharia de softwares e sistemas de informação, 2ª edição. Rio de Janeiro: Brasport, 2002. ______, D.A. Planejamento de Sistemas de Informação e Informática. São Paulo: Atlas, 2003. SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software, 8ª edição. São Paulo: Pearson Addison-Wesley, 2007. STAIR, R.M.; REYNOLDS, G.W. Princípios de Sistemas de Informação, 6º edição. São Paulo: Thomson, 2006. TELES, V.M. Extreme programming: aprenda como encantar seus usuários desenvolvendo software com agilidade e alta qualidade. São Paulo: Novatec Editora, 2006.

Notas do Editor

  1. On February 11-13, 2001, at The Lodge at Snowbird ski resort in the Wasatch mountains of Utah
  2. Scott. W. Ambler, trabalha na IBM e é do Canada.
  3. Association for Computing Machinery