SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Por Sergio Crespo
crespo@dcc.ufmg.br
 A filosofia "Lean Thinking" (ou
"Pensamento Enxuto") nasceu em
meados dos anos 90 com o
lançamento do best seller "The
Machine That Changed the World :
The Story of Lean Production". Os
princípios de demanda puxada (pull
systems), just-in-time, qualidade
total, teoria das restrições, melhoria
contínua e flexibilidade aplicados
na indústria japonesa, mais
precisamente na Toyota e
conhecidos como Toyota Way
inspiraram também a indústria de
software e fez surgir a abordagem
do Lean Software Development.
 Mary e Tom Poppendieck (gurus de Lean
voltado a TI, defensores do agile e autores do
livro: "Lean Software Development - An Agile
Toolkit" que mostra como os princípios Lean
podem ser aplicados em abordagens de
desenvolvimento de software ágil), definiram
assim o Lean:
 “Entregar, aumentando continuamente valor para
o cliente;
 Continuamente diminuir o esforço gasto;
 No prazo mais curto possível;
 Com a melhor qualidade possível a jornada, não
um destino. “
 De forma mais concisa, o Lean Manufacturing é
“uma filosofia que quando implementada reduz o
tempo desde o pedido até à entrega ao cliente
eliminando fontes de desperdício no fluxo de
produção” (Liker, 1996).
Liker, J. (1996). Becoming Lean. New York:Free Press
 Podemos ainda definir desperdício (Guedes,
2011) como “alguma interrupção
desnecessária, falta de coordenação, trabalho
desnecessário, ou redundâncias que não
adicionam qualquer valor ao cliente” (Kleiner,
2005).
Jorge F. Guedes, Introdução de conceitos Lean às Tecnologias de
Informação: um caso de estudo em Banca, dissertação de mestrado,
Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto , 2011
Kleiner, A. (2005). Leaning toward utopia.
 Segundo o estudo CHAOS, conduzido pelo
“Standish Group” em 1995, apenas 29% dos
projectos de IT conseguem ser bem
sucedidos, sendo que 53% conseguem ser
completados com atrasos ou aumentos de
orçamento e 18% simplesmente falham. Estes
valores são já muito superiores aos 16% de
sucesso em 1994, com 53% de deslizes e 31%
de falhas.
 O fraco planejamento das aplicações deve
também ser considerado visto que, segundo o
mesmo estudo (Standish Group, 2004), 64% das
aplicações desenvolvidas não são usadas ou são
usadas raramente.
 Um outro estudo publicado em 2001 indica que
apenas 5% do código era útil ou até mesmo
usado (Cohen, Larson and Ware, 2001). Pensando
que cada linha de código desenvolvida tem um
custo, somado ao custo do desenho,
implementação e manutenção do mesmo,
tornando estes dados realmente preocupantes.
Cohen, D., Larson, G. & Ware, B. (2001). Improving Software Investments
through Requirements Validation
Tentando resumir em uma frase, Lean é um princípio
ágil cujo foco é cortar a "gordura" do processo de
software, focando na eliminação de desperdícios.
Princípios Lean aplicados ao
software:
1. Elimine Desperdícios
2. Inclua a Qualidade no Processo
3. Crie Conhecimento
4. Adie Decisões e Comprometimentos
5. Entregue o quanto antes
6. Respeite as Pessoas e "Empower" a equipe
7. Otimize o Todo
http://goo.gl/od1q
 Princípio #1 – Eliminar desperdícios
 Desperdícios: tudo aquilo que não agrega valor
para cliente final e que não são percebidos pelo
cliente.
 Exemplo: passos extras, processo pesado e
rígido, burocracia, documentação que nunca vai
ser lida, que está na prateleira juntando poeira -
não necessária, etc. Outro tipo de desperdício
são trabalhos parcialmente prontos, tudo que
começa e não termina, funcionalidades extras
que não serão utilizadas, etc.
http://goo.gl/od1q
http://goo.gl/od1q
 Requisitos, especificados muito cedo que
perdem sua credibilidade, eficácia e
compromete a usabilidade do sistema.
 Trabalho incompleto (“em-progresso”) -
Parcialmente feitos Trabalhos parcialmente
iniciados / terminados tendem a se tornar
obsoletos.
http://goo.gl/od1q
 Burocracia, atividades, métricas, etc que não
geram valor e que diminui o tempo de
resposta.
 Você alguma vez já se perguntou, toda
aquela documentação e papelada é realmente
necessária?
http://goo.gl/od1q
 80% das funcionalidades implementadas não
são utilizadas.
 20% das funcionalidades é que são realmente
úteis.
 Código não-utilizado introduz complexidade
e a complexidade é um inimigo da
manutenção. Mais código para ser mantido.
Mais testes para serem realizados. Mais
documentos de especificação para serem
criados. Se o código não é necessário agora
colocá-lo no sistema é desperdício.
http://goo.gl/od1q
 Corrida de revezamento deve ser substituída
pela equipe multi-funcional.
 Quanto maior os handoff’s maior é a perda
de conhecimento. Organizar pessoas em
múltiplos projetos é outra forma de
desperdício.
 Quanto tempo se perde para parar uma
determinada atividade e iniciar outra,
relembrar onde parou, concentrar-se e
finalmente produzir algo?
http://goo.gl/od1q
 Atrasos na entrega, atrasos em geral são puro
desperdício e irão gerar aumento do custo do
projeto.
 Em muitos casos, atrasos são apenas a ponta do
iceberg para problemas muito maiores.
 Espera: Um dos maiores desperdícios no
desenvolvimento de Software é a espera para que
as coisas aconteçam. Espera para o início do
projeto, pela montagem da equipe, espera pela
produção de documentação extensa, espera por
processo de revisão ou aprovação, espera para
testar, etc. Veja, analise o que deve ser mantido,
o que agrega valor e o que é puro desperdício.
http://goo.gl/od1q
 Equipes ágeis se esforçam ao máximo para
evitar defeitos.
 “Inspecionar para prevenir defeitos é bom;
 Inspecionar para encontrar defeitos é
desperdício” -- Shigeo Shingo
 Defeitos (Bugs) não agregam valor, não
satisfazem o cliente, e custam muito muito
caro.
http://goo.gl/od1q
 Tempo e esforço gasto para encontrar
informações.
 Equipes ágeis valorizam a conversa e por isso
trazem o cliente para perto, não devemos
perder tempo lendo páginas e páginas de um
documento para encontrar uma informação
que ao mesmo tempo por estar na forma
escrita muitas vezes são imprecisas e pode
trazer mais dúvidas do que resolver o
problema.
http://goo.gl/od1q
 Qualidade é inegociável. Entregue qualidade
intrínseca e explícita aos seus clientes, se
eles perceberem isso, significa que foi uma
entrega de qualidade.
 Um produto possui integridade percebida
quando o cliente o experimenta e diz: Isso!
Era exatamente isso que eu queria!
 Software com integridade percebida possui
boas arquiteturas, possuem um alto nível de
usabilidade e facilidade de uso, são fáceis de
dar manutenção, de adaptar e de estender.
http://goo.gl/od1q
 Criar conhecimento e partilhá-lo sempre que há alguma “lição
aprendida”. Desta forma, não só a mesma pessoa não comete o
mesmo erro duas vezes, como há partilha dessa experiência para
outros não cometerem o mesmo erro. Desta forma é possível
evitar erros e defeitos, bem como contribuir para uma maior
formação dos colaboradores.
Práticas sugeridas para promover o conhecimento:
 Ciclos de feedback e inspeções e adaptações;
 Desenvolvimento iterativo;
 Equipes pequenas;
 Treinamentos e Mentoring;
 Criação e utilização de standards, guidelines e qualquer outro
artefato;
 Code Reviews;
 Meios de compartilhamento de informações como um Blog ou Wiki;
http://goo.gl/od1q
Jorge F. Guedes, Introdução de conceitos Lean às Tecnologias de Informação:
um caso de estudo em Banca, dissertação de mestrado, Faculdade de
Engenharia da Universidade do Porto , 2011
 O principal conceito deste princípio é
diminuir as incertezas retardando as decisões
até que possam serem feitas com base em
acontecimentos mais firmes, previsíveis e
conhecidos. Decisões tardias tendem a ser
mais acertadas porque as melhores decisões
são feitas baseadas em fatos, e não em
suposições ou especulações.
http://goo.gl/od1q
Sem entregas rápidas não é possível colher
feedback.
Sem entregas rápidas não é possível aprender
com erros.
Velocidade na entrega garante que o cliente
receberá o que ele precisa hoje e não o que ele
precisava ontem.
http://goo.gl/od1q
 Envolver os desenvolvedores nos detalhes das
decisões técnicas é fundamental para o
atingimento da excelência.
 Práticas sugeridas para promover o
capacitação/agregação do time:
◦ Auto-gestão
◦ Trabalho em equipe
◦ feedback
http://goo.gl/od1q
Otimizar desde o começo até o final:
 Utilize Métricas
 Diminua o número de métricas de
desempenho individual mas valorize o
desempenho da equipe.
Meça :
 Tempo de ciclo +Mapa de Fluxo de Valor
 ROI + Modelo de Lucros e Perdas
 Satisfação do Cliente + Entendimento das
suas necessidades
http://goo.gl/od1q
 Segundo Fadel e Silveira (2010), a metodologia
Lean utiliza técnicas de produção puxada (pull)
para agendar o trabalho e são dotadas de
mecanismos com sinalizações locais, os quais
ajudam os outros desenvolvedores a identificarem
o trabalho que precisa ser realizado. A sinalização
local é feita através de gráficos visuais, reuniões
diárias, integrações frequentes e testes
automatizados.
 No desenvolvimento de software Lean, esta técnica
de produção puxada é correspondente à entrega
de versões refinadas e incrementais do software
em intervalos de tempo regulares.
FADEL, Aline Cristine. SILVEIRA, Henrique da Mota. Metodologias ágeis no contexto de
desenvolvimento de software: XP, Scrum e Lean. Limeira, 2010. Disponível
em:<http://www.ceset.unicamp.br/liag/Gerenciamento/monografias/Lean%20Agil_v8.pdf >
Acesso em: 18 jun 2012.
 Kanban é um termo de origem japonesa e significa
literalmente “cartão” ou “sinalização”. É um
conceito relacionado com a utilização de cartões
(post-it e outros) para indicar o andamento dos
fluxos de produção em empresas de fabricação em
série. Nesses cartões são colocadas indicações
sobre uma determinada tarefa, por exemplo, “para
executar”, “em andamento” ou “finalizado”.
 O Kanban é definido como um processo adaptativo
de produção, extremamente simples e altamente
eficiente. Essa definição é ótima pois sintetiza bem
o que ele é. Primeiro ele é um processo, podemos
entender processo como um conjunto de passos
que cooperam para um objetivo definido, segundo,
ele é adaptativo, quer dizer que ele foi feito para se
adaptar a qualquer realidade, qualquer tipo de
produção.
 A utilização de um sistema Kanban permite um controle
detalhado de produção com informações sobre quando,
quanto e o que produzir. O método Kanban foi
inicialmente aplicado em empresas japonesas de
fabricação em série e está estreitamente ligado ao
conceito de “just in time”.
 Just in time (JIT) significa “no momento certo”. É um
modelo japonês que procura eliminar estoques e
agilizar a produção. Armazena-se o mínimo de matéria
prima em estoque, apenas em quantidade que permita
manter o processo produtivo no momento. O número
de fornecedores também é reduzido para o modelo
funcionar de forma eficiente.
http://goo.gl/t8UMb
TargetProcess
Free License: Free for Teams of 5 Users or less
Commercial
: http://www.targetprocess.com/Buy_TargetProcess.aspx
View Video
LeanKit Kanban
Free License: Free for 5 Users/1Board
Commercial : http://leankitkanban.com/Home/PricingAndSignup
Hansoft
Free License: Free for 2 Users and unlimited projects
Commercial : http://www.hansoft.se/download/license-fees.html
View Video
Kanbanery
Free License: 1 Board, 2 Users, 1GB space
Commercial : http://kanbanery.com/pricing
View Video
AgileZen Free License: Free for 1 Project
Commercial : http://agilezen.com/pricing
View Video
JAM Circle Free License: Free Commercial : Free Download
(http://sourceforge.net/projects/jamcircle/)
Kanban tools
Lean software

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Innovation Game & Rétrospective
Innovation Game & RétrospectiveInnovation Game & Rétrospective
Innovation Game & RétrospectiveGuillaume LOURS
 
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processosCapítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processosSaulo Oliveira
 
Les méthodes Agiles - Introduction
Les méthodes Agiles - IntroductionLes méthodes Agiles - Introduction
Les méthodes Agiles - IntroductionTremeur Balbous
 
Formation ISO TS 16949 (XL Formation)
Formation ISO TS 16949 (XL Formation)Formation ISO TS 16949 (XL Formation)
Formation ISO TS 16949 (XL Formation)Laurent
 
Cultura DevOps e integração entre infra e devel
Cultura DevOps e integração entre infra e develCultura DevOps e integração entre infra e devel
Cultura DevOps e integração entre infra e develJose Augusto Carvalho
 
Introduce to Git and Jenkins
Introduce to Git and JenkinsIntroduce to Git and Jenkins
Introduce to Git and JenkinsAn Nguyen
 
Journée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOps
Journée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOpsJournée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOps
Journée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOpsPublicis Sapient Engineering
 
Hybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbinden
Hybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbindenHybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbinden
Hybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbindenAchim Schmidt-Sibeth
 
Azure DevOps Tests Plan
Azure DevOps Tests PlanAzure DevOps Tests Plan
Azure DevOps Tests PlanDenis Voituron
 
Introduction au Value Stream Management
Introduction au Value Stream ManagementIntroduction au Value Stream Management
Introduction au Value Stream ManagementEtienne Laverdière
 
DevSecOps The Evolution of DevOps
DevSecOps The Evolution of DevOpsDevSecOps The Evolution of DevOps
DevSecOps The Evolution of DevOpsMichael Man
 
Incident Management in the Age of DevOps and SRE
Incident Management in the Age of DevOps and SRE Incident Management in the Age of DevOps and SRE
Incident Management in the Age of DevOps and SRE Rundeck
 
Developing a Testing Strategy for DevOps Success
Developing a Testing Strategy for DevOps SuccessDeveloping a Testing Strategy for DevOps Success
Developing a Testing Strategy for DevOps SuccessDevOps.com
 
Using GitLab CI
Using GitLab CIUsing GitLab CI
Using GitLab CIColCh
 
Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012
Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012
Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012Jonathon Colman
 
Metrics to Power DevOps
Metrics to Power DevOpsMetrics to Power DevOps
Metrics to Power DevOpsCollabNet
 
GDG Cloud Southlake #8 Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...
GDG Cloud Southlake #8  Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...GDG Cloud Southlake #8  Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...
GDG Cloud Southlake #8 Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...James Anderson
 

Mais procurados (20)

Innovation Game & Rétrospective
Innovation Game & RétrospectiveInnovation Game & Rétrospective
Innovation Game & Rétrospective
 
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processosCapítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
Capítulo 4 - Análise e solução de problemas por processos
 
Les méthodes Agiles - Introduction
Les méthodes Agiles - IntroductionLes méthodes Agiles - Introduction
Les méthodes Agiles - Introduction
 
Audit des projets informatiques
Audit des projets informatiquesAudit des projets informatiques
Audit des projets informatiques
 
Formation ISO TS 16949 (XL Formation)
Formation ISO TS 16949 (XL Formation)Formation ISO TS 16949 (XL Formation)
Formation ISO TS 16949 (XL Formation)
 
Cultura DevOps e integração entre infra e devel
Cultura DevOps e integração entre infra e develCultura DevOps e integração entre infra e devel
Cultura DevOps e integração entre infra e devel
 
Introduce to Git and Jenkins
Introduce to Git and JenkinsIntroduce to Git and Jenkins
Introduce to Git and Jenkins
 
Journée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOps
Journée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOpsJournée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOps
Journée DevOps : La boite à outil d'une équipe DevOps
 
Hybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbinden
Hybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbindenHybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbinden
Hybrides Projektmanagement – Wie Sie agile und klassische Methoden verbinden
 
Azure DevOps Tests Plan
Azure DevOps Tests PlanAzure DevOps Tests Plan
Azure DevOps Tests Plan
 
Introduction au Value Stream Management
Introduction au Value Stream ManagementIntroduction au Value Stream Management
Introduction au Value Stream Management
 
DevSecOps The Evolution of DevOps
DevSecOps The Evolution of DevOpsDevSecOps The Evolution of DevOps
DevSecOps The Evolution of DevOps
 
Incident Management in the Age of DevOps and SRE
Incident Management in the Age of DevOps and SRE Incident Management in the Age of DevOps and SRE
Incident Management in the Age of DevOps and SRE
 
Developing a Testing Strategy for DevOps Success
Developing a Testing Strategy for DevOps SuccessDeveloping a Testing Strategy for DevOps Success
Developing a Testing Strategy for DevOps Success
 
Devops insights
Devops insightsDevops insights
Devops insights
 
Using GitLab CI
Using GitLab CIUsing GitLab CI
Using GitLab CI
 
Testautomatisierung
TestautomatisierungTestautomatisierung
Testautomatisierung
 
Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012
Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012
Agile Marketing: 4 Principles and 13 Hacks - SEOmoz MozCon 2012
 
Metrics to Power DevOps
Metrics to Power DevOpsMetrics to Power DevOps
Metrics to Power DevOps
 
GDG Cloud Southlake #8 Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...
GDG Cloud Southlake #8  Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...GDG Cloud Southlake #8  Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...
GDG Cloud Southlake #8 Steve Cravens: Infrastructure as-Code (IaC) in 2022: ...
 

Destaque

Lean Software Development
Lean Software DevelopmentLean Software Development
Lean Software DevelopmentJuarez Monteiro
 
Lean software development (2)
Lean software development (2)Lean software development (2)
Lean software development (2)juarezlustosa
 
Palestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software - Manoel Pimentel
Palestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software  - Manoel PimentelPalestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software  - Manoel Pimentel
Palestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software - Manoel PimentelManoel Pimentel Medeiros
 
Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN Venícios Gustavo
 
Lean - Gestão e Princípios
Lean - Gestão e PrincípiosLean - Gestão e Princípios
Lean - Gestão e PrincípiosLourenco P Soares
 
Metodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPM
Metodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPMMetodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPM
Metodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPMIntellego Chile
 
LSD (Lean Software Development)
LSD (Lean Software Development)LSD (Lean Software Development)
LSD (Lean Software Development)urumisama
 
Lean Software Development
Lean Software DevelopmentLean Software Development
Lean Software DevelopmentDavid Fernandez
 
LEAN software development
LEAN software developmentLEAN software development
LEAN software developmentricardoroldan
 
Introduction to Lean Software Development
Introduction to Lean Software DevelopmentIntroduction to Lean Software Development
Introduction to Lean Software DevelopmentGuy Nirpaz
 
Lean Software Development Principles
Lean Software Development PrinciplesLean Software Development Principles
Lean Software Development PrinciplesJohn Vajda
 

Destaque (12)

Lean Software Development
Lean Software DevelopmentLean Software Development
Lean Software Development
 
Lean software development (2)
Lean software development (2)Lean software development (2)
Lean software development (2)
 
Palestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software - Manoel Pimentel
Palestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software  - Manoel PimentelPalestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software  - Manoel Pimentel
Palestra Gestão Lean para o Desenvolvimento de Software - Manoel Pimentel
 
Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN Desenvolvimento de software LEAN
Desenvolvimento de software LEAN
 
Lean - Gestão e Princípios
Lean - Gestão e PrincípiosLean - Gestão e Princípios
Lean - Gestão e Princípios
 
Metodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPM
Metodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPMMetodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPM
Metodología de desarrollo e integración contínua para proyectos de BPM
 
LSD (Lean Software Development)
LSD (Lean Software Development)LSD (Lean Software Development)
LSD (Lean Software Development)
 
Lean Software Development
Lean Software DevelopmentLean Software Development
Lean Software Development
 
LEAN software development
LEAN software developmentLEAN software development
LEAN software development
 
Introduction to Lean Software Development
Introduction to Lean Software DevelopmentIntroduction to Lean Software Development
Introduction to Lean Software Development
 
Lean vs scrum
Lean vs scrumLean vs scrum
Lean vs scrum
 
Lean Software Development Principles
Lean Software Development PrinciplesLean Software Development Principles
Lean Software Development Principles
 

Semelhante a Lean software

O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareEverton vitor
 
Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Edinaldo Mendes
 
Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"
Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"
Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"Henrique Bueno
 
Lean Thinking e Agile para desenvolvimento de software
Lean Thinking e Agile para desenvolvimento de softwareLean Thinking e Agile para desenvolvimento de software
Lean Thinking e Agile para desenvolvimento de softwareTiago França
 
XP - Extreme Programming
XP - Extreme ProgrammingXP - Extreme Programming
XP - Extreme ProgrammingRodrigo Branas
 
Artigo-Alex_Warmling
Artigo-Alex_WarmlingArtigo-Alex_Warmling
Artigo-Alex_WarmlingChaordic
 
Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009Clavius Tales
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumMarcos Garrido
 
Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013Lourenco P Soares
 
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareIntrodução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareDaniel Cukier
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANFernando Palma
 
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...André Luis Celestino
 
Introdução Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De Software
Introdução  Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De SoftwareIntrodução  Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De Software
Introdução Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De SoftwareMarcos Cardoso
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Maicon Zerbielli
 

Semelhante a Lean software (20)

O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
 
Agile explicacao 18
Agile explicacao 18Agile explicacao 18
Agile explicacao 18
 
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
 
Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2
 
Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"
Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"
Tradução resumida do livro "The Elements of Scrum"
 
Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
 
Lean Thinking e Agile para desenvolvimento de software
Lean Thinking e Agile para desenvolvimento de softwareLean Thinking e Agile para desenvolvimento de software
Lean Thinking e Agile para desenvolvimento de software
 
XP - Extreme Programming
XP - Extreme ProgrammingXP - Extreme Programming
XP - Extreme Programming
 
Artigo-Alex_Warmling
Artigo-Alex_WarmlingArtigo-Alex_Warmling
Artigo-Alex_Warmling
 
Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009Governança Ágil - Ágiles 2009
Governança Ágil - Ágiles 2009
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
 
Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013Princípios ágeis - UFRGS 2013
Princípios ágeis - UFRGS 2013
 
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de SoftwareIntrodução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software
 
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBANDesenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
Desenvolvimento ágil de software: análise sintética a partir de KANBAN
 
Princípios Ágeis
Princípios ÁgeisPrincípios Ágeis
Princípios Ágeis
 
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
Desenvolvimento Ágil: um survey baseado em experiências profissionais @ CONIC...
 
Artigo23
Artigo23Artigo23
Artigo23
 
Introdução Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De Software
Introdução  Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De SoftwareIntrodução  Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De Software
Introdução Metodologias áGeis Para Desenvolvimento De Software
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
 
Metodologias de desenvolvimento
Metodologias de desenvolvimentoMetodologias de desenvolvimento
Metodologias de desenvolvimento
 

Mais de Sergio Crespo

O pensamento computacional com forma de potencializar o aprendizado
O pensamento computacional com forma de potencializar o  aprendizadoO pensamento computacional com forma de potencializar o  aprendizado
O pensamento computacional com forma de potencializar o aprendizadoSergio Crespo
 
O Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafios
O Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafiosO Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafios
O Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafiosSergio Crespo
 
Tendências das Arquiteturas dos Ambientes de Aprendizagem
Tendências das Arquiteturas dos Ambientes de AprendizagemTendências das Arquiteturas dos Ambientes de Aprendizagem
Tendências das Arquiteturas dos Ambientes de AprendizagemSergio Crespo
 
Novo Perfil do profissional de TI frente as redes sociais
Novo Perfil do profissional de TI frente as redes sociaisNovo Perfil do profissional de TI frente as redes sociais
Novo Perfil do profissional de TI frente as redes sociaisSergio Crespo
 
Arquitetura: XML + RDF ate WebSemantica
Arquitetura: XML + RDF ate WebSemanticaArquitetura: XML + RDF ate WebSemantica
Arquitetura: XML + RDF ate WebSemanticaSergio Crespo
 
Arquitetura de software e Frameworks
Arquitetura de software e FrameworksArquitetura de software e Frameworks
Arquitetura de software e FrameworksSergio Crespo
 
Arquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and FiltersArquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and FiltersSergio Crespo
 
Arquitetura de software - Introdução
Arquitetura de software - IntroduçãoArquitetura de software - Introdução
Arquitetura de software - IntroduçãoSergio Crespo
 
Redes sociais e Educação
Redes sociais e EducaçãoRedes sociais e Educação
Redes sociais e EducaçãoSergio Crespo
 

Mais de Sergio Crespo (9)

O pensamento computacional com forma de potencializar o aprendizado
O pensamento computacional com forma de potencializar o  aprendizadoO pensamento computacional com forma de potencializar o  aprendizado
O pensamento computacional com forma de potencializar o aprendizado
 
O Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafios
O Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafiosO Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafios
O Pensamento Computacional no Desenvolvimento do alunos Autista e desafios
 
Tendências das Arquiteturas dos Ambientes de Aprendizagem
Tendências das Arquiteturas dos Ambientes de AprendizagemTendências das Arquiteturas dos Ambientes de Aprendizagem
Tendências das Arquiteturas dos Ambientes de Aprendizagem
 
Novo Perfil do profissional de TI frente as redes sociais
Novo Perfil do profissional de TI frente as redes sociaisNovo Perfil do profissional de TI frente as redes sociais
Novo Perfil do profissional de TI frente as redes sociais
 
Arquitetura: XML + RDF ate WebSemantica
Arquitetura: XML + RDF ate WebSemanticaArquitetura: XML + RDF ate WebSemantica
Arquitetura: XML + RDF ate WebSemantica
 
Arquitetura de software e Frameworks
Arquitetura de software e FrameworksArquitetura de software e Frameworks
Arquitetura de software e Frameworks
 
Arquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and FiltersArquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and Filters
 
Arquitetura de software - Introdução
Arquitetura de software - IntroduçãoArquitetura de software - Introdução
Arquitetura de software - Introdução
 
Redes sociais e Educação
Redes sociais e EducaçãoRedes sociais e Educação
Redes sociais e Educação
 

Último

EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulasO futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulasAurioOliveira6
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfRodolpho Concurde
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORDRONDINELLYRAMOS1
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Dirceu Resende
 

Último (9)

EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulasO futuro e o impacto da tecnologia  nas salas de aulas
O futuro e o impacto da tecnologia nas salas de aulas
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 

Lean software

  • 2.  A filosofia "Lean Thinking" (ou "Pensamento Enxuto") nasceu em meados dos anos 90 com o lançamento do best seller "The Machine That Changed the World : The Story of Lean Production". Os princípios de demanda puxada (pull systems), just-in-time, qualidade total, teoria das restrições, melhoria contínua e flexibilidade aplicados na indústria japonesa, mais precisamente na Toyota e conhecidos como Toyota Way inspiraram também a indústria de software e fez surgir a abordagem do Lean Software Development.
  • 3.  Mary e Tom Poppendieck (gurus de Lean voltado a TI, defensores do agile e autores do livro: "Lean Software Development - An Agile Toolkit" que mostra como os princípios Lean podem ser aplicados em abordagens de desenvolvimento de software ágil), definiram assim o Lean:
  • 4.  “Entregar, aumentando continuamente valor para o cliente;  Continuamente diminuir o esforço gasto;  No prazo mais curto possível;  Com a melhor qualidade possível a jornada, não um destino. “  De forma mais concisa, o Lean Manufacturing é “uma filosofia que quando implementada reduz o tempo desde o pedido até à entrega ao cliente eliminando fontes de desperdício no fluxo de produção” (Liker, 1996). Liker, J. (1996). Becoming Lean. New York:Free Press
  • 5.  Podemos ainda definir desperdício (Guedes, 2011) como “alguma interrupção desnecessária, falta de coordenação, trabalho desnecessário, ou redundâncias que não adicionam qualquer valor ao cliente” (Kleiner, 2005). Jorge F. Guedes, Introdução de conceitos Lean às Tecnologias de Informação: um caso de estudo em Banca, dissertação de mestrado, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto , 2011 Kleiner, A. (2005). Leaning toward utopia.
  • 6.  Segundo o estudo CHAOS, conduzido pelo “Standish Group” em 1995, apenas 29% dos projectos de IT conseguem ser bem sucedidos, sendo que 53% conseguem ser completados com atrasos ou aumentos de orçamento e 18% simplesmente falham. Estes valores são já muito superiores aos 16% de sucesso em 1994, com 53% de deslizes e 31% de falhas.
  • 7.  O fraco planejamento das aplicações deve também ser considerado visto que, segundo o mesmo estudo (Standish Group, 2004), 64% das aplicações desenvolvidas não são usadas ou são usadas raramente.  Um outro estudo publicado em 2001 indica que apenas 5% do código era útil ou até mesmo usado (Cohen, Larson and Ware, 2001). Pensando que cada linha de código desenvolvida tem um custo, somado ao custo do desenho, implementação e manutenção do mesmo, tornando estes dados realmente preocupantes. Cohen, D., Larson, G. & Ware, B. (2001). Improving Software Investments through Requirements Validation
  • 8. Tentando resumir em uma frase, Lean é um princípio ágil cujo foco é cortar a "gordura" do processo de software, focando na eliminação de desperdícios. Princípios Lean aplicados ao software: 1. Elimine Desperdícios 2. Inclua a Qualidade no Processo 3. Crie Conhecimento 4. Adie Decisões e Comprometimentos 5. Entregue o quanto antes 6. Respeite as Pessoas e "Empower" a equipe 7. Otimize o Todo http://goo.gl/od1q
  • 9.  Princípio #1 – Eliminar desperdícios  Desperdícios: tudo aquilo que não agrega valor para cliente final e que não são percebidos pelo cliente.  Exemplo: passos extras, processo pesado e rígido, burocracia, documentação que nunca vai ser lida, que está na prateleira juntando poeira - não necessária, etc. Outro tipo de desperdício são trabalhos parcialmente prontos, tudo que começa e não termina, funcionalidades extras que não serão utilizadas, etc. http://goo.gl/od1q
  • 10.
  • 12.  Requisitos, especificados muito cedo que perdem sua credibilidade, eficácia e compromete a usabilidade do sistema.  Trabalho incompleto (“em-progresso”) - Parcialmente feitos Trabalhos parcialmente iniciados / terminados tendem a se tornar obsoletos. http://goo.gl/od1q
  • 13.  Burocracia, atividades, métricas, etc que não geram valor e que diminui o tempo de resposta.  Você alguma vez já se perguntou, toda aquela documentação e papelada é realmente necessária? http://goo.gl/od1q
  • 14.  80% das funcionalidades implementadas não são utilizadas.  20% das funcionalidades é que são realmente úteis.  Código não-utilizado introduz complexidade e a complexidade é um inimigo da manutenção. Mais código para ser mantido. Mais testes para serem realizados. Mais documentos de especificação para serem criados. Se o código não é necessário agora colocá-lo no sistema é desperdício. http://goo.gl/od1q
  • 15.  Corrida de revezamento deve ser substituída pela equipe multi-funcional.  Quanto maior os handoff’s maior é a perda de conhecimento. Organizar pessoas em múltiplos projetos é outra forma de desperdício.  Quanto tempo se perde para parar uma determinada atividade e iniciar outra, relembrar onde parou, concentrar-se e finalmente produzir algo? http://goo.gl/od1q
  • 16.  Atrasos na entrega, atrasos em geral são puro desperdício e irão gerar aumento do custo do projeto.  Em muitos casos, atrasos são apenas a ponta do iceberg para problemas muito maiores.  Espera: Um dos maiores desperdícios no desenvolvimento de Software é a espera para que as coisas aconteçam. Espera para o início do projeto, pela montagem da equipe, espera pela produção de documentação extensa, espera por processo de revisão ou aprovação, espera para testar, etc. Veja, analise o que deve ser mantido, o que agrega valor e o que é puro desperdício. http://goo.gl/od1q
  • 17.  Equipes ágeis se esforçam ao máximo para evitar defeitos.  “Inspecionar para prevenir defeitos é bom;  Inspecionar para encontrar defeitos é desperdício” -- Shigeo Shingo  Defeitos (Bugs) não agregam valor, não satisfazem o cliente, e custam muito muito caro. http://goo.gl/od1q
  • 18.  Tempo e esforço gasto para encontrar informações.  Equipes ágeis valorizam a conversa e por isso trazem o cliente para perto, não devemos perder tempo lendo páginas e páginas de um documento para encontrar uma informação que ao mesmo tempo por estar na forma escrita muitas vezes são imprecisas e pode trazer mais dúvidas do que resolver o problema. http://goo.gl/od1q
  • 19.  Qualidade é inegociável. Entregue qualidade intrínseca e explícita aos seus clientes, se eles perceberem isso, significa que foi uma entrega de qualidade.  Um produto possui integridade percebida quando o cliente o experimenta e diz: Isso! Era exatamente isso que eu queria!  Software com integridade percebida possui boas arquiteturas, possuem um alto nível de usabilidade e facilidade de uso, são fáceis de dar manutenção, de adaptar e de estender. http://goo.gl/od1q
  • 20.  Criar conhecimento e partilhá-lo sempre que há alguma “lição aprendida”. Desta forma, não só a mesma pessoa não comete o mesmo erro duas vezes, como há partilha dessa experiência para outros não cometerem o mesmo erro. Desta forma é possível evitar erros e defeitos, bem como contribuir para uma maior formação dos colaboradores. Práticas sugeridas para promover o conhecimento:  Ciclos de feedback e inspeções e adaptações;  Desenvolvimento iterativo;  Equipes pequenas;  Treinamentos e Mentoring;  Criação e utilização de standards, guidelines e qualquer outro artefato;  Code Reviews;  Meios de compartilhamento de informações como um Blog ou Wiki; http://goo.gl/od1q Jorge F. Guedes, Introdução de conceitos Lean às Tecnologias de Informação: um caso de estudo em Banca, dissertação de mestrado, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto , 2011
  • 21.  O principal conceito deste princípio é diminuir as incertezas retardando as decisões até que possam serem feitas com base em acontecimentos mais firmes, previsíveis e conhecidos. Decisões tardias tendem a ser mais acertadas porque as melhores decisões são feitas baseadas em fatos, e não em suposições ou especulações. http://goo.gl/od1q
  • 22. Sem entregas rápidas não é possível colher feedback. Sem entregas rápidas não é possível aprender com erros. Velocidade na entrega garante que o cliente receberá o que ele precisa hoje e não o que ele precisava ontem. http://goo.gl/od1q
  • 23.  Envolver os desenvolvedores nos detalhes das decisões técnicas é fundamental para o atingimento da excelência.  Práticas sugeridas para promover o capacitação/agregação do time: ◦ Auto-gestão ◦ Trabalho em equipe ◦ feedback http://goo.gl/od1q
  • 24. Otimizar desde o começo até o final:  Utilize Métricas  Diminua o número de métricas de desempenho individual mas valorize o desempenho da equipe. Meça :  Tempo de ciclo +Mapa de Fluxo de Valor  ROI + Modelo de Lucros e Perdas  Satisfação do Cliente + Entendimento das suas necessidades http://goo.gl/od1q
  • 25.  Segundo Fadel e Silveira (2010), a metodologia Lean utiliza técnicas de produção puxada (pull) para agendar o trabalho e são dotadas de mecanismos com sinalizações locais, os quais ajudam os outros desenvolvedores a identificarem o trabalho que precisa ser realizado. A sinalização local é feita através de gráficos visuais, reuniões diárias, integrações frequentes e testes automatizados.  No desenvolvimento de software Lean, esta técnica de produção puxada é correspondente à entrega de versões refinadas e incrementais do software em intervalos de tempo regulares. FADEL, Aline Cristine. SILVEIRA, Henrique da Mota. Metodologias ágeis no contexto de desenvolvimento de software: XP, Scrum e Lean. Limeira, 2010. Disponível em:<http://www.ceset.unicamp.br/liag/Gerenciamento/monografias/Lean%20Agil_v8.pdf > Acesso em: 18 jun 2012.
  • 26.  Kanban é um termo de origem japonesa e significa literalmente “cartão” ou “sinalização”. É um conceito relacionado com a utilização de cartões (post-it e outros) para indicar o andamento dos fluxos de produção em empresas de fabricação em série. Nesses cartões são colocadas indicações sobre uma determinada tarefa, por exemplo, “para executar”, “em andamento” ou “finalizado”.
  • 27.  O Kanban é definido como um processo adaptativo de produção, extremamente simples e altamente eficiente. Essa definição é ótima pois sintetiza bem o que ele é. Primeiro ele é um processo, podemos entender processo como um conjunto de passos que cooperam para um objetivo definido, segundo, ele é adaptativo, quer dizer que ele foi feito para se adaptar a qualquer realidade, qualquer tipo de produção.
  • 28.  A utilização de um sistema Kanban permite um controle detalhado de produção com informações sobre quando, quanto e o que produzir. O método Kanban foi inicialmente aplicado em empresas japonesas de fabricação em série e está estreitamente ligado ao conceito de “just in time”.  Just in time (JIT) significa “no momento certo”. É um modelo japonês que procura eliminar estoques e agilizar a produção. Armazena-se o mínimo de matéria prima em estoque, apenas em quantidade que permita manter o processo produtivo no momento. O número de fornecedores também é reduzido para o modelo funcionar de forma eficiente.
  • 29.
  • 31. TargetProcess Free License: Free for Teams of 5 Users or less Commercial : http://www.targetprocess.com/Buy_TargetProcess.aspx View Video LeanKit Kanban Free License: Free for 5 Users/1Board Commercial : http://leankitkanban.com/Home/PricingAndSignup Hansoft Free License: Free for 2 Users and unlimited projects Commercial : http://www.hansoft.se/download/license-fees.html View Video Kanbanery Free License: 1 Board, 2 Users, 1GB space Commercial : http://kanbanery.com/pricing View Video AgileZen Free License: Free for 1 Project Commercial : http://agilezen.com/pricing View Video JAM Circle Free License: Free Commercial : Free Download (http://sourceforge.net/projects/jamcircle/) Kanban tools