Danças Brasileiras um ensino fundamental

2.425 visualizações

Publicada em

Artigo de Rosane Almeida para a revista Carta Capital. (junho, 2013)

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.425
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.265
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Danças Brasileiras um ensino fundamental

  1. 1. Danças  Brasileiras:  Um  ensino  fundamental   Artigo  para  Carta  Capital,  por  Rosane  Almeida  (junho,  2013)       Imagine  como  foi  fundamental  nossos  antepassados  terem  conseguido   maneiras  e  conceitos  para  conviver  com  desafios  do  clima,  espaço  físico   e  suas  consequências  como  fome,  frio,  sede.   Lembre-­‐se   que   havia   também   as   relações   com   o   outro   que   geravam   outros   tantos   desafios:   atração,   raiva,   inveja...   Havia   também   desafios   individuais.     Imagine  quanta  imaginação  esse  individuo  teve  que  ter  para  entender,   conceituar   e   se   relacionar   com   o   medo.   Lembrando   que   o   medo   é   só   uma   das   muitas   emoções,   que   antes   de   serem   compreendidas   foram   sentidas  fisicamente.   Talvez  por  essa  razão,  as  primeiras  ferramentas  que  o  ser  humano  criou   para  enfrentar  os  seus  desafios,  foram  todas  a  partir  do  corpo.       Um   corpo   que   dialogava   com   a   natureza,   um   corpo   que   dizia   como   conquistar,  despistar,  atacar,  seduzir.  Essa  inteligência  física  foi  cultivada   por  mais  de    2  milhões    de  anos  na  trajetória  da  humanidade.  Conduziu   o   pensamento,   estabeleceu   lógicas,   priorizou   a   coletividade   e   desenvolveu  uma  inteligência  que  estava  a  serviço  do  desenvolvimento   da  espécie  ou  seja,  o  humano  era  a  prioridade,  a  grande  conquista  era  o   desenvolvimento  do  potencial  desse  humano.   Isso   que   hoje   chamamos   de   cultura   popular,   folclore,   festas   ou   manifestações  populares  são  reminiscências  dessas  primeiras  armas  que   o  ser  humano  inventou  para  vencer  os  desafios  de  uma  época,  de  um   lugar,  e  das  novas  relações  humanas  que  se  estabeleciam.     São  padrões  de  comportamentos  que  sobreviveram  até  os  dias  atuais,   dentro  de  contextos  lúdicos.   Em  pleno  século  XXI  não  precisamos  mais  dançar  para  chuva,  localizar  a   caça,  se  esconder  do  predador,  cantar  para  organizar  o  bando.   Construímos   prédios   para   nos   abrigar   da   chuva,   supermercado   para   vender  carne,  hierarquias  para  organizar  sociedades.     A  tecnologia  nos  aproxima,  o  trabalho  nos  dignifica,  a  comunicação  é  em   massa  e  temos  a  maior  indústria  bélica  da  história  da  humanidade.       O  que  ficou  faltando  nessa  trajetória?   Porque  as  cidades  alagam,  a  comida  engorda,  o  trabalho  estressa  e  as   relações  humanas  são  tão  difíceis?     Será  essa  a  nossa  história?   Existe  algo  maior  que  a  criatividade  do  ser  humano?    
  2. 2. Vamos  lá!   Criação  envolve  escolhas  e  escolhas  são  referências.     Faltou  referência  para  escolher  o  que  criar.     Na  nossa  trajetória  negligenciamos  a  escuta  do  nosso  corpo.     Uma  escuta  preciosa  para  auxiliar  nossas  escolhas.     Não  dá  para  imaginar  nossos  antepassados  sobrevivendo  em  condições   tão   desfavoráveis   ao   desenvolvimento   humano,   sem   uma   escuta   inteligente  do  corpo,  sem  uma  leitura  das  reações,  das  sensações,  sem   um  alto  nível  de  sensibilidade  para  as  soluções  que  nasciam  a  partir  do   físico.     Não  precisamos  de  nenhuma  imaginação  para  constatar  que  a  sociedade   que  organizamos  para  os  dias  atuais  é  resultado  de  um  desequilíbrio  no   uso   das   inteligências   humanas.   Que   esse   desequilíbrio   afeta   principalmente   o   corpo;   ele   adoece,   entristece,   machuca   e   quando   se   vai,  deixa  para  as  gerações  futuras,  novas  doenças,  muitas  inseguranças   e  grandes  frustações.  Cada  nova  geração  herda  um  desafio  maior  para   dar  continuidade  ao  que  os  nossos  antepassados  começaram  com  tanta   sabedoria.       Cada  vez  fica  mais  difícil  responder  as  nossas  primeiras  perguntas.     O  que  é  a  vida?   Quem  eu  sou?   O  que  é  esse  outro?     Como  nós  podemos    existir  no  espaço  que  estamos    vivendo?   As   culturas   tradicionais   nos   deixam   um   legado   de   possibilidades   para   retomarmos   uma   escuta   do   nosso   corpo  e   reconhecer   nos   seus   sinais   nossos  desejos  e    vocações.   Não   vamos   agora,   imaginar   que   basta   dançar   um   Côco   ou   tocar   um   Maracatu,  que  nossos  problemas  estarão  resolvidos.     Mas  com  certeza  ali  nessas  e  outras  tantas  danças  populares,  vão  estar   reminiscências   de   uma   inteligência,   que   a   cultura   da   civilização   negligenciou.     Nossa   época   nos   obriga   a   ouvir   e   compreender   as   verdadeiras   necessidades   do   nosso   corpo   e   isso   é   um   desafio   tão   grande   quanto   superar   a   era   do   gelo,   mas   nossa   época   permite   grandes   transformações.     Professores  e  artistas  tem  um  papel  fundamental  na  Trans-­‐Formação.     Arte,   educação,   cultura,   são   conceitos   que   definem   a   busca     do   ser   humano  por  um  conhecimento  voltado  para  apropriação  dele  mesmo,   ou  seja:  O  que  ele  é  e  o  que  pode  fazer.      
  3. 3. As  armas  que  nossos  antepassados  nos  deixaram  para  conquistarmos  a   nós  mesmos,  nos  chegou  em  feitio  de  brincadeiras.   Brincadeiras  que  adestram  nossa  criatividade  e  que  nos  permitem  existir   na  vida  como  referências  de  possibilidades  de  transformações.   São   brincadeiras   que   nos   exigem   uma   presença   física   e   mental   para   executa-­‐las.   Brincadeiras  para  entender  o  espaço  físico,  se  relacionar  criativamente   com  o  outro.     Brincadeiras  que  cobram  uma  repetição  exaustiva  e  assim  nos  preparam   para  o  improviso.     Brincadeiras  que  nos  permitem  acessar  dentro  de  nós  mesmos  outros   seres   que   lá   habitam   com   outras   questões,   respostas,   anseios   e   habilidades.   Brincadeiras   que   sobreviveram   ao   tempo,   essa   entidade   que   dá   o   verdadeiro  significado  ao  que  por  ele  passa.   Cabe   a   cada   ser   humano   comprometido   com   as   transformações,   usar   seu  tempo  para  transformar  o  espaço  em  que  atua.     As   brincadeiras   das   manifestações   populares,   foram   um   dia,   grandes   escolas.  Construíram    regras  e  desafios  que  mobilizam  energia,  educam   (treinam)  nossa  escuta,  nosso  olhar.   Essas   antigas   brincadeiras   podem,   hoje,   ser   uma   ferramenta   preciosa     para  nossa  existência.     O  tempo  nos  prova  que  as  regras  para  o  ser  humano        existir  de  uma   maneira  saudável  no  mundo,    são  ditadas  pela  vida  e  não  pelo  mercado.   Só  o  humano  pode  viver  a  vida  como  uma  grande  e  infinita  Brincadeira.         Dançando  os  princípios   Os   artistas   populares   se   auto   denominam   “brincantes”   e   os   seus   espetáculos  a  sua  brincadeira.   Existem   muitos   padrões   que   se   repetem   nas   brincadeiras   populares.   Alguns  deles    podem  ser    utilizados  nas  aulas  de  maneira  inteligente  e   criativa.   -­‐ A  maiorias  das  brincadeiras  nascem  de  um  ritual.   -­‐ Todas  as  brincadeiras  tem  espaço  para  improvisação.   -­‐ O   corpo   é   um   meio   de   comunicação,   alfabetizado   por   todas   as     linguagens  artísticas  (musica,  dança,  literatura,  artes  plásticas)   -­‐ As  brincadeiras  se  organizam  em  duplas,  filas  ou  rodas.   -­‐ Existe  sempre  um  compromisso  com  a  beleza.     Ritualizando  a  aula  
  4. 4. Escolha   um   dia   da   semana   para   preparar   a   aula   como   um   evento   especial.     Faça  da  preparação  desse  evento  a  sua  brincadeira.   Escolha  o  motivo,  se  envolva  e  abuse  da  sua  imaginação.   Improvise   Planeje  tudo  muito  bem,  tente  fazer  desse  dia  o  seu  melhor.     Mas  não  esqueça  de  preservar  um  espaço  para  a  improvisação.  Afinal  é   a  sua  brincadeira,  sua  diversão.       Brincando  de  dançar   Qualquer  que  seja  a  aula,  tente  nesse  dia  usar  brincadeiras  que  utilizem   o  corpo.   Existem  muitas  maneiras  de  brincar  com  o  corpo,  tanto  com  as    danças   populares   como   as   brincadeiras     da   infância.   Esteja   sempre   atento   as   possibilidades  que  o  corpo  oferece.     Brinque  com  o  espaço   Filas,  rodas,  duplas  são  desenhos  básicos  no  espaço.   Brincar  em  cada  uma  dessas  situações  requer  um  olhar  e  uma  atenção   diferente.   São  muitas  as  possibilidades  para  brincar  com  o  corpo,  a  voz  e  o  ritmo   nessas  disposições.   Compromisso  com  a  beleza   Invista  sua  energia  para  que  tudo  seja  bonito.   Existem   muitos   materiais   que   são   utilizados   nas   festas   populares   que   podem  ser  usados  na  aula:   Fitas,  bastões,  tecidos,  arcos,  adereços  como  chapéus,  golas,  máscaras.   Mas  beleza  maior  é  o  entusiasmo  com  que  fazemos  as  coisas.   Lembre  professor,  não  existe  receitas,  isso  significa  que  tudo  é  possível   inclusive  a  harmonia  do  humano  integrado  no  espaço  e  nas  relações  que   ele  cria  com  o  outro.   Fundamental  é  que  o  professor  possa  embelezar  o  espaço  em  que  ele   existe.                   Rosane Almeida é atriz, dançarina, educadora e fundadora - juntamente com Antonio Nóbrega - do Instituto Brincante.  
  5. 5.  

×