Metodologia Instituto Brincante

2.991 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Metodologia Instituto Brincante

  1. 1. METODOLOGIA  DO  INSTITUTO  BRINCANTE      I  -­‐  INTRODUÇÃO    Quem  separou  Arte  da  Educação?    A  razão.  Uma  lógica  que  justifica  a  segmentação  para  a  excelência  da  especialização.  “O  pensamento  que  recorta  ,  isola,  permite  que  especialistas  e  experts  tenham  ótimo  desempenho   em   seus   compartimentos,   e   cooperem   eficazmente   nos   setores   não  complexos  de  conhecimento,  notadamente  os  que  concernem  ao  funcionamento  das  máquinas   artificiais;   mas   a   lógica   a   que   eles   obedecem     estende   á   sociedade   e   as  relações   humanas   os   constrangimentos   e   os   mecanismos   inumanos   da   máquina  artificial   e   sua   visão   determinista,   mecanicista,   quantitativa,   formalista;   e   ignora,  oculta  ou  dilui  tudo  que  é  subjetivo,  afetivo,  livre,  criador.”  EDGAR  MORIN-­‐  A  CABEÇA  BEM  –FEITA.    A  lógica  da  especialização  traz  com  ela  a  fórmula  quantitativa  que  orienta  todos  os  segmentos   da   sociedade;   das   políticas   sociais,   ao   pensamento   corporativista.   Essas  fórmulas  não  nos  permitem  quantificar  o  sorriso,  valorizar  o  encantamento,  priorizar  a  delicadeza,  e  a  arte  que  consumimos  fica  comprometida  com  o  pensamento  operante  de   uma   época.     Mas   se   esse   pensamento   foi   construído,   também   pode   ser  transformado.  O  que  urgi  na  nossa  época  é  uma  transformação  de  pensamento.  Um  pensamento   que   brote   do   físico   e   agregue   conhecimento,   informação   e   sabedoria.  Uma  vez  eu  li  que  Albert  Einstein  escreveu:  A  ciência  sem  religião  é  manca.  Religião  sem  e  ciência  é  cega.  Então  pensei;  Educação  sem  arte  é  manca  e  arte  que  não  educa  é  cega.      Como  explicar  o  que  fazemos  se  o  nosso  maior  mérito  é  fazer?    Quando   me   vi   diante   dessa   questão   decidi   recorrer   àqueles   que   melhor   poderiam  explicar  o  que  fazemos:  Nossos  alunos.  O  Instituto  Brincante  possui  três  núcleos  de  estudos  constituídos  por  ex  alunos  do  curso  de  Formação  de  Jovens  Brincantes:      -­‐  Pesquisa  do  movimento,  coordenado  por  Antonio  Nóbrega  -­‐  Núcleo  musical  coordenado  por  Luciano  Fagundes.  -­‐  Núcleo  de  pesquisa,  que  registrou  a  metodologia  da  escola.  Esse  trabalho  é  fruto  de  pesquisa,  observação  e  registro  de  todas  as  aulas  dentro  do  Instituto  Brincante.      Como  descrever  uma  metodologia  que  prioriza  a  experiência  física  onde  o  tempo  e  o  espaço  real  são  fundamentais?    Foram  nossos  alunos  que  constataram  que  a  metodologia  da  escola  Brincante  muda  diante   dos   diferentes   contextos,   se   molda   às   mais   variadas   situações   e   isso   só   é  
  2. 2. possível  por  que  cada  professor  viveu  sua  experiência  individual  de  processos  e  valores  coletivos  presentes  na  cultura  tradicional.  Dessa  forma,  cada  aula  é  uma  construção  de  caminhos   para   que   cada   um   tenha   sua   própria   experiência   de   construção   e  apropriação  do  conhecimento.    Como   dar   continuidade   e   crescimento   a   um   trabalho   que   está   inserido   em   um  segmento  da  sociedade  que  tradicionalmente  produz  receitas,  discursos,  teorias...?    Optamos  pela  paciência.  É  fato  que  a  educação  deixa  muito  a  desejar,  basta  olharmos  para   as   aberrações   que   se   fazem   presentes   em   todos   os   segmentos   da   sociedade.  Corrupção,   violência,   falta   de   ética,   princípios,   limites...   Em   todas   as   áreas   nos  deparamos   com   profissionais   cuja   excelência   compete   com   a   falta   de   educação.  Educação  do  olhar,  educação  da  escuta,  como  diz  Maria  Amélia  –  Educação  do  sensível  -­‐  Mas  é  fato  também  que  muitos  buscam  outros  caminhos,  que  muitos  trabalhos  sérios  e   de   valores   necessários   a   nossa   época,   são   endossados   e   valorizados   dentro   da  sociedade.   Então   optamos   por   acreditar   que   o   tempo   é   quem   melhor   pode   decidir  sobre  aquilo  que  deve  continuar  e  como  isso  pode  crescer.      Como   conquistar   um   espaço   de   respeito   e   reconhecimento   diante   de   um   sistema  viciado  em  consumir,  produzir,  quantificar?    Criando   referencias.   É   necessário   fazer!   Então   cuidamos   daquilo   que   fazemos.   Cada  espetáculo,  cada  oficina,  cada  atividade...  Esse  ano  também  estamos  cuidando  dos  registros  teóricos  que  estão  sendo  produzidos  por  ex  alunos  e  professores  do  Instituto  Brincante.  No  nosso  site  encontra-­‐se,  também  o  registro  de  duas  importantes  monografias  de  ex  alunos.    O  que  pretende  esse  registro  da  observação  da  metodologia  Brincante?    Registrar  dois  dos  cursos  mais  significativos  da  Instituição.  Para   isso   contamos   com   a   inteligências   daqueles   que   freqüentam   a   escola.   O   curso  “Formação  de  Jovens  Brincantes”  foi  integralmente  registrados  por  ex  alunos.  O  que  está  documentado  aqui  é  a  visão  e  o  entendimento  daqueles  que  primeiro  fizeram  e  depois  acompanharam  e  observaram  o  curso.      “A   Arte   do   Brincante   para   Educadores”   também   foi   registrado   e   observado   pelos  alunos,   mas   o   que   segue   nesta   “revista”   são   os   depoimentos   de   cada   educador  Brincante.  Por  se  tratar  de  um  material  sobre  a  metodologia,  cada  educador  procurou  descrever   exatamente   o   que   faz   em   cada   encontro.   As   considerações   finais   foram  retiradas  da  monografia  da  Marina  Abib  a  qual  se  encontra  na  íntegra  no  nosso  site.    Para  finalizar,  só  me  restou  observar  que  a  metodologia  do  Brincante  pertence  e  está  sendo  construída,  por  todos  aqueles  que  por  aqui  passam.    
  3. 3.  II  –  A  VOZ  DOS  BRINCANTES    PEDAGOGIA  DO  INSTITUTO  BRINCANTE  Por  Sabryna  Mato  Grosso    A  relação  com  a  experiência    Observando   as   diversas   aulas   ministradas   dentro   do   Instituto   Brincante,   vemos   um  ponto  em  comum  entre  todos  os  educadores  e  suas  respectivas  disciplinas.  Vemos  na  pedagogia   do   Instituto   Brincante   a   valorização   do   conhecimento   através   da  experiência.  Conhecimento  que  não  está  atrelado  a  apenas  adquirir  uma  informação,  e  experiência   que   também   se   difere   da   palavra   “prática”.   Significamos   nesse   texto   a  experiência  como  aquilo  que  nos  passa,  ou  que  nos  toca,  ou  que  nos  acontece,  e  ao  passar-­‐nos  nos  forma  e  nos  transforma,  segundo  citação  de  Jorge  Larrosa1.      Os   conteúdos   das   aulas   ministradas   dentro   do   Instituto   Brincante   por   si   só   já  circundam  por  outros  meios  de  compreensão.  São  aulas  em  sua  maioria  prática,  que  necessita   de   outros   sentidos   da   capacidade   humana   para   que   seu   conteúdo   seja  assimilado.  A  relação  com  as  artes,  como  a  música  e  a  dança,  exigem  primordialmente  uma  comunicação  através  do  corpo  e  seus  sentidos.      A  reflexão  parte  de  dentro  do  exercício  e  da  significação  de  sua  vivência,  individual  e  coletiva.  Tendo  como  base  de  pesquisa  e  educação,  as  danças  populares  brasileiras,  e  sendo  esse  também  o  conteúdo  principal  das  disciplinas  dentro  do  Instituto,  o  objetivo  das   oficinas   e   cursos   ministrados   vai   além   de   passos,   músicas,   gestuais   e   costumes  ligados  a  essas  danças.  A  relação  com  tais  manifestações  não  está  na  forma,  mas  sim  numa   busca   de   contato   com   o   brincar   no   seu   sentido   mais   amplo.   Novamente  voltamos  ao  significado  da  experiência  que  vai  além  da  prática.  Ao  trabalhar  as  danças  brasileiras,   os   arte   educadores   do   Instituto   apontam   aos   alunos   a   possibilidade   do  “brincar”  através  da  dança  e  das  manifestações  populares.      Vemos  como  exemplo  no  curso  A  Arte  do  Brincante  para  Educadores,  onde  o  conteúdo  se  torna  verdadeiro  quando  os  alunos  do  curso,  que  são  profissionais  da  educação,  se  colocam  no  papel  da  criança.  Quando  mais  do  que  apenas  adquirir  um  conhecimento,  vivem  de  fato  uma  experiência  através  do  brincar.        1 Nota sobre a experiência e o saber da experiência - Jorge Larrosa Bondía é professor titular doDepartamento de Teoria e História da Educação, da Faculdade de Pedagogia da Universidade deBarcelona
  4. 4. Partindo  do  pensamento  antropológico  que  tais  manifestações  surgem  da  necessidade  do  homem  de  se  encontrar  com  sua  essência  verdadeira  contribuindo  para  o  modo  de  vida   global,2   como   se   diria   sobre   a   definição   da   função   da   cultura,   a   relação   do  brincante  tradicional  com  a  manifestação  que  vivencia  dialoga  verdadeiramente  com  o  prazer   e   com   a   brincadeira,   muito   mais   ligados   ao   fato   natural   da   experiência.   E   é  justamente  esse  o  ponto  estimulado,  buscando  essa  compreensão  através  da  vivência  e  das  relações  adquiridas  com  o  outro,  com  a  manifestação  em  si  e  consigo  mesmo.    Esses   elementos   são   inseridos   dentro   das   aulas   de   duas   maneiras:   uma   de   forma  prática,   onde   essas   assimilações   serão   feitas   através   da   relação   com   o   grupo   e   das  dinâmicas  aplicadas  pelo  educador;  a  outra  de  forma  direta,  onde  o  educador  suscitará  a  reflexão  de  como  esses  elementos  dialogam  com  a  realidade  do  aluno  em  sociedade.    O  educador,  em  uma  aula  de  Dança  e  Percussão  Brasileira,  por  exemplo,  se  utiliza  da  forma   pratica   quando   usa   a   brincadeira   para   explicar   a   dinâmica   ou   trabalha   o  indivíduo  a  favor  do  grupo,  desenvolvendo  valores  de  escuta  e  olhar  para  com  o  outro  e  valorizando  a  experiência  vivida.  Já  a  forma  direta  é  utilizada  ao  traçar  paralelo  das  ações  desenvolvidas  artisticamente  dentro  da  aprendizagem  com  o  cotidiano  do  aluno,  instruindo   uma   reflexão   concreta   de   como   esses   valores   podem   dialogar   com   a  realidade  de  cada  individuo.  Percebemos  então  que  os  dois  formatos  dialogam  entre  si,  e  chegam  a  um  fim  em  comum,  apenas  seguindo  meios  distintos.  O  que  também  ocorre  quando  os  mesmos  educadores  invertem  a  forma  de  conduzir  a  aula.    Ao   aplicar   essas   manifestações   tradicionais   nas   aulas,   não   se   pretende   fazer   sua  reprodução,  mas  sim  recriar  o  material  para  se  chegar  a  outro  fim,  gerando  a  reflexão  guiada   por   essa   recriação,   sendo   autoral   e   significativa   para   o   aluno.   Esse  conhecimento   é   construído   através   da   relação,   adquirindo   ferramentas   e  reelaborando-­‐as  através  disso.    Embora  no  primeiro  ano  da  Formação  de  Jovens  Brincantes  um  dos  objetivos  do  curso  seja  apresentar  aos  alunos  o  universo  das  manifestações  brasileiras  através  da  relação  de  brincadeira  com  as  danças,  não  é  dispensado  o  comprometimento  com  as  aulas  e  a  disciplina  do  estudo  individual  fundamental  ao  artista.  Nas  aulas  de  Dança  e  Percussão  dentro  desse  primeiro  módulo  de  formação  para  jovens,  a  exigência  da  concentração  e  do  estudo  fora  do  horário  da  aula  é  um  fato  natural,  já  que  sem  tal  comportamento  a  relação  com  o  grupo  e  a  compreensão  do  ritmo  sugerido  não  será  realizado.  “Se  eu  não  me  concentro  e  estou  disperso,  tropeço  e  caio  na  corda”,  disse  o  aluno  da  aula  de  Humor  dentro  da  Formação  de  Jovens  Brincantes  -­‐  Ano  II,  onde  a  brincadeira  de  pular  corda   é   dada   como   exercício   de   tempo   e   ritmo,   trabalhando   o   prazer   do   jogo   e   a  concentração   simultaneamente.   Nesse   caso   vemos   que   o   aluno   compreendeu  2 Marconi, Marina de Andrade e Presotto, Zélia Maria Neves – Antropologia, Uma Introdução. SãoPaulo: Atlas, 2007
  5. 5. naturalmente   a   relação   da   disciplina   dentro   do   jogo.   Sem   a   concentração   o   jogo  simplesmente   não   acontece,   e   essa   percepção   foi   assimilada   na   prática,   dentro   da  vivência  e  experimentação  do  aluno.  Nos  casos  citados  notamos  que  mesmo  a  relação  com  a  disciplina  do  estudo,  não  vem  através  do  rigor  e  obrigação,  mas  sim  por  uma  necessidade  natural  de  relação  com  o  grupo   e   com   o   indivíduo   pelo   viés   da   experiência.   A   aula   de   Dança   do   Ano   III   da  Formação  é  vista  mais  como  um  núcleo  de  pesquisa  e  treinamento,  justamente  por  ser  ministrada  para  uma  turma  de  alunos  que  já  passaram  por  outras  formações  dentro  do  Instituto.   Considerando   que   para   esse   caminho   mais   minucioso   de   pesquisa  aprofundada,  onde  se  busca  um  segundo  momento  na  decupagem  e  reestruturação  dos  passos  das  danças  brasileiras,  é  necessário  que  as  etapas  anteriores  de  disciplina  e  compreensão  de  si  já  tenham  sido  contempladas.      Por  uma  aprendizagem  formativa    Na   chamada   escola   do   Instituto   Brincante   nos   deparamos   com   públicos   de   idades,  classes  sociais  e  interesses  muito  distintos  uns  dos  outros.  Considerando  esses  dados,  são   pensados   os   cursos,   que   embora   possuam   estrutura,   formato   e   objetivos  específicos,  mantêm  em  comum  seu  objetivo  geral.    José  Sergio  Fonseca  de  Carvalho3  buscando  as  diferenças  entre  o  que  aprendemos  e  o  que   nos   afeta   como   seres   humanos,   sobre   o   conceito   de   formação   cita   que   “a  aprendizagem  indica  simplesmente  que  alguém  veio,  a  saber,  algo  que  não  sabia:  uma  informação,  um  conceito,  uma  capacidade.  Mas  não  implica  que  esse  algo  novo  que  se  aprendeu  nos  transformou  em  um  novo  alguém.  E  essa  é  uma  característica  forte  do  conceito  de  formação:  uma  aprendizagem  só  é  formativa  na  medida  em  que  opera  transformações   na   constituição   daquele   que   aprende.   É   como   se   o   conceito   de  formação   indicasse   a   forma   pela   qual   nossas   aprendizagens   e   experiências   nos  constituem   como   um   ser   singular   no   mundo.”   Rechaçando   o   sentido   pejorativo   de  superioridade  dentro  de  conceitos  pedagógicos  que  a  palavra  “transformar”  adquiriu,  aqui   utilizamos   a   essência   do   sentindo   primário   da   palavra.   Como   já   citado,   não   se  busca  a  execução  ou  reprodução  de  um  elemento  artístico,  mas  sim  sua  assimilação  através  do  encontro,  da  experiência  e  do  sensível.  A  transformação  se  dá  a  partir  da  resignificação  que  o  indivíduo  transfere  ao  novo  elemento  apreendido  dentro  de  sua  experiência  única.      Mais   do   que   artistas   qualificados   que   executem   suas   habilidades   com   técnica   e  destreza  indiscutível,  se  busca  a  formação  de  seres  humanos  que  reflitam  suas  ações  em  suas  relações  verdadeiras  com  a  sociedade  em  que  vivem.    3 José Sergio Vieira de Carvalho é Doutor em Filosofia da Comunicação pela Feusp
  6. 6. A  pedagogia  do  sensível    O  que  estamos  buscando  são  instituições  e  práticas  que  formem,  além  de  cidadãos,  indivíduos  capazes  de  estabelecer  uma  conexão  mais  profunda  do  que  aquela  até  hoje  prevalecente   entre   a   dimensão   racional   e   a   não   racional,   entre   pensamento   e  sentimento...   afirma   Roberto   Gambini4.   Torna-­‐se   difícil   falar   de   sentimento   quando  palavras  simples  perdem  seu  significado.  Falar  em  sentir  ligado  à  educação,  mesmo  essa   sendo   arte   educação,   não   condiz   com   o   pensamento   formal   de   escola   ou  instituição.      A   pesquisa   do   Instituto   Brincante   sobre   as   manifestações   populares   brasileiras   tem  muito   mais   a   ver   com   a   observação   acerca   do   povo   do   que   sobre   uma   estética  artística.   O   brincante   tradicional   se   relaciona   com   a   manifestação   popular   como  elemento  de  presença  significativa  em  sua  vida.  Dentro  de  seu  cotidiano  de  trabalho,  crenças  e  relações  humanas,  o  brinquedo  popular  se  manifesta  de  forma  tão  latente  quanto  os  outros  elementos.  O  fazer  artístico  de  criação  e  execução  musical,  plástica,  literária  e  cênica  se  dá  de  forma  natural,  pela  necessidade  da  construção  da  “festa”  através  do  conhecimento  ancestral.      Os   centros   urbanos   exercem   na   sociedade   que   neles   vivem   uma   outra   relação   de  tempo,  estipulando  novos  padrões  sociais.  Nesses  casos  é  mais  freqüente  encontrar  o  contato  da  sociedade  com  o  fazer  artístico  de  forma  mais  conceitual  do  que  sensorial.    Quando  um  brincante  tradicional  faz  sua  festa,  ele  de  fato  brinca.  A  relação  verdadeira  com   o   brinquedo   aproxima   o   individuo   com   o   ambiente   em   que   vive   e   todos   os  elementos  nele  inseridos,  seja  através  do  sagrado  ou  do  profano.  A  apropriação  desses  saberes  naifs  possibilita  uma  criação  artística  sem  resenhas,  partindo  do  sensorial.    Aproximar   essa   relação   verdadeira   que   o   brincante   tradicional   tem   dentro   de   suas  manifestações   artísticas   com   uma   reflexão   transformadora   do   individuo,   é   uma  possibilidade   de   reconhecimento   da   cultura   em   que   vivemos,   não   com   o   intuito   de  reproduzi-­‐la,   mas   sim   a   utilizando   como   uma   ferramenta   para   potencializar   essas  qualidades  do  humano.    A  experiência,  a  possibilidade  de  que  algo  nos  aconteça  ou  nos  toque,  requer  um  gesto  de  interrupção,  um  gesto  que  é  quase  impossível  nos  tempos  que  correm;  requer  parar  para  pensar,  parar  para  olhar,  parar  para  escutar,  pensar  mais  devagar,  olhar  mais  devagar,  e  escutar  mais  devagar;  parar  para  sentir,  sentir  mais  devagar,  demorar-­‐se  nos  detalhes,  suspender  a  opinião,  suspender  o  juízo,  suspender  a  vontade,  suspender  o  automatismo  da  ação,  cultivar  a  atenção  e  a  delicadeza,  abrir  os  olhos  e  os  ouvidos,  4 Por uma educação com alma, 4. Sonhos na escola, Ed. Vozes – Roberto Gambini é analista junguianoe mestre em ciências sociais
  7. 7. falar  sobre  o  que  nos  acontece,  aprender  a  lentidão,  escutar  aos  outros,  cultivar  a  arte  do  encontro,  calar  muito,  ter  paciência  e  dar-­‐se  tempo  e  espaço.  Persistindo   no   pensamento   de   Jorge   Larrosa   sobre   a   experiência,   definindo-­‐a   como  aquilo  que  nos  transforma,  acreditamos  sim  em  uma  pedagogia  informal,  que  não  por  isso  dispensa  disciplina  e  comprometimento.      Uma  pedagogia  que  valoriza  o  sensível  e  o  intuitivo.  Formas  que  já  estão  intrínsecas  nas  relações  dentro  da  educação.  E  embora  pareçam  subjetivas  demais  numa  analise  mais  sistematizada  da  formação,  aqui  é  feita  com  propriedade  e  ciência.  A   apropriação   desses   elementos   como   ferramentas   metodológicas,   faz   do   Instituto  Brincante   um   espaço   aberto   a   uma   nova   educação,   onde   há   a   valorização   da  transformação  através  do  encontro.      
  8. 8. III  -­‐  CURSO  DE  FORMAÇÃO  DE  JOVENS  BRINCANTES      O  curso  “Formação  de  Jovens  Brincantes”  tem  como  objetivo  principal  a  formação  de  um  novo  profissional  no  mercado;  Um  Brincante-­‐  jovens  artistas-­‐educadores,  que  tem  a  cultura  popular  brasileira  como  estrutura-­‐base  do  seu  trabalho,  tanto  artístico,  como  educacional.  Assim,  o  “jovem  brincante”  tem  na  cultura  popular,  uma   fonte   de   aprendizado   e   um   meio   para   apropriação   de   linguagens   artísticas  diversas  como  música,  dança,  canto,  poesia,  teatro,  entre  outros.    Desta  forma,  após  os  três  anos  de  curso,  pretende-­‐se  que  os  “jovens-­‐brincantes”  se  tornem  “intérpretes”  com  sensibilidade  cultural  e  artística  para  refletir  e  atuar  em  diferentes    contextos  sociais.        FORMAÇÃO  DE  JOVENS  BRINCANTES  -­‐  ANO  I    “o  início  da  formação”    O  objetivo  deste  primeiro  ano  é  apresentar  ao  aluno  o  universo  que  é  estudado  no  Instituto   Brincante,   sempre   se   utilizando   de   múltiplas   linguagens,   brincadeiras   e  desafios   presentes   nas   manifestações   populares.   Para   conduzir   o   aprendizado,   sete  “brincadeiras”  são  abordadas  durante  o  ano,  sendo  elas:  caboclinho,  maracatu  nação,  maracatu   rural,   coco,   cavalo   marinho,   batuques   e   frevo.   Cada   uma   dessas  manifestações   irá   trabalhar   uma   diferente   qualidade   do   corpo,   como:   a   inteligência  espacial   no   caboclinho,     o   tônus   e   a   construção   melódica   da   dança   no   frevo,   a  segmentação  e  percussão  corporal  nos  cocos,  as  diferentes  qualidades  de  energia  no  Cavalo  Marinho,  peso  e  oposição  nos  Batuques,      e  a  pulsação  rítmica  nos  Maracatus.  Através   desse   trabalho,   acredita-­‐se   que   o   corpo   apreenda   ferramentas   distintas   e  complementares,   de   modo   que   este   esteja   preparado   para   o   aprofundamento   de  qualquer  “brincadeira”.      Informações  sobre  o  curso  –  ficha  técnica    O  primeiro  ano  é  aberto  a  todos  os  interessados,  que  passam  por  um  processo  seletivo  inicialmente  por  uma  ficha  de  inscrição  via  internet,  que  comprove  interesse,  idade,  vínculos  com  instituições  e  escolas  públicas.  O  segundo  momento  é  a  participação  em  uma   aula   “experimental”   que   serve   para   distribuir   as   turmas   em   segmentos  complementares  de  aluno  para  aluno.    Atividade:  Dança  e  Percussão  Carga  horária:  1x  por  semana/3  horas  semanais        
  9. 9. Grade  curricular:  Estudo  do  universo  rítmico  brasileiro  através  dos  instrumentos  de  percussão,  do  canto,  e  da  dança.  A  cada  mês  é  realizado  o  estudo  prático  e  teórico  dos   diferentes   assuntos,   como:   Cavalo   Marinho,   Maracatu,   Caboclinho,   Frevo,  Batuques,  Cocos,  entre  outros.    Atividades  Extras  Curriculares    Todos  os  alunos  do  Instituto  são  sempre  convidados  a  participar  de  duas  atividades  não  regulares:  a  “Sambada”  e  o  “Rodas”.      A  estrutura  das  aulas      O   primeiro   ano   do   curso   de   formação   é   realizado   em   três   diferentes   turmas,  conduzidas   por   diferentes   instrutores.   Desta   forma,   cada   instrutor   conduz   suas  atividades  de  forma  muito  particular  e  condizente  com  sua  história  pessoal,  mas  que  sempre  está  ligada  à  idéia  do  “brincante”,  enquanto  participante  da  construção  de  sua  cultura  e  que  transita  entre  diversas  linguagens  artísticas.    Todas   as   aulas   do   curso   de   Formação   -­‐   ano   I   geralmente   se   utiliza   de   diversas  linguagens  para  abordar  o  mesmo  assunto,  desde  brincadeiras,  jogos  com  percussão  corporal,  até  vídeos  e  o  ensino  da  dança  e  brincadeira  em  si.    As  aulas  possuem  uma  estrutura  mínima  comum  que  é  composta  por  aquecimento,  desenvolvimento/apropriação  e  desaquecimento.    No   aquecimento     são   utilizados   jogos   ou   brincadeiras   para   “acordar”   o   corpo   e   os  sentidos,    que  trazem  o  participante  para  o  local  de  trabalho  em  sala,  trabalhando  a  concentração,   a   versatilidade,   a   consciência     corporal   e,   como   o   próprio   nome   diz,  aquecendo   o   corpo   como   um   todo.   Neste   momento   também   são   realizados   jogos  coletivos  que  trazem  a  consciência  de  grupo,  cooperação,  precisão  e  ritmo.          Após  este  momento  ocorre  o  desenvolvimento  do  conteúdo,    onde  o  professor  expõe  e  os  alunos  praticam  o  conteúdo  relacionado  ao  ritmo  do  mês  ,  seja  musicalmente  (  a  partir   da   apresentação   do   ritmo   e   instrumentos)   ou   a   partir   da   dança,  desenvolvimento  de  banco  de  passos,  dramaturgia  e  coreografias.  Este  é  o    momento  de  ampliação    de  repertório  para  o  grupo,  tendo  como  base  principal  as  brincadeiras  como  elas  são  em  sua  matriz.          Ao  final  do  encontro,  o  instrutor/professor  conduz  uma  seqüencia  de  exercícios  para  um  “desaquecimento”  que  possibilitem  aos  alunos  um  cuidado  com  o  corpo  e  uma  consciência  sobre  a  utilização  saudável  de  um    precioso  instrumento  físico.    
  10. 10. As   aulas   de   percussão   também   abordam   a   iniciação   e   a   teoria   musical,   como   parte  importante  do  processo  de  aprendizado  percussivo.    Outra  característica  marcante  das  aulas  é  que  outros  ritmos  podem  também  compor  o  aprendizado  daquele  ritmo  específico  do  mês.  Por  exemplo,  o  ritmo  a  ser  estudado  é  o  dos  “Caboclinhos”,  pode-­‐se  utilizar  um  coco  para  o  aquecimento,  com  rodas  de  versos  e  uma  ciranda  para  desaquecer.  Todos  os  recursos  são  utilizados  com  o  objetivo  de  levar  o  aluno  a  compreender  não  só  o  ritmo,  mas  sim  que  a  cultura  corporal  formada  principalmente  por  essas  pluralidades,  a  todo  o  tempo,  nas  aulas  e  fora  dela.    Durante   o   ano   são   também   utilizados   como   material   de   apoio,   textos   e   filmes   em  DVDs  que  comentam  sobre  cada  brincadeira.      Ao   final   do   curso,   o   grupo   deve   apresentar   uma   peça   que   reflita   o   trabalho  desenvolvido  durante  o  ano.  Este  trabalho  no  Ano  I  é  conduzido  principalmente  pelo  professor,  com  participação  dos  alunos  em  sua  concepção.  O  resultado  do  trabalho  de  todas  as  turmas  gera  um  espetáculo  de  fim  de  ano  que  fica  em  cartaz  no  Instituto  por  um  final  de  semana.    Exemplos  de  atividades  e  exercícios      1)  Aquecimento    Brincadeira:  Rua  e  Viela      Alguns  alunos  formam  colunas,  que  são  chamadas  de  viela  (  ficam  viradas  para  um  lado  da  sala,  na  vertical),  e  os  outros  formam  as  fileiras  ,  que  são  chamadas  de  rua  (essas  ficam  viradas  para  o  outro  lado  da  sala,  na  horizontal)      Um  participante  tem  que  fugir  e  outro  tem  que  pegar.  A  voz  de  comando  é  dada  por  quem  está  sendo  perseguido.  Quando  o  mesmo  gritar:  RUA,  a  rua  vira  para  o  lado  dele  protegendo-­‐o  do  pegador,  o  mesmo  acontece  quando  ele  gritar  VIELA.    Evolução  da  brincadeira:  O  professor  escolhe  2  alunos  que  vão  dar  o  comando  de  fora,  enquanto   continua   um   pegador   e   um   fugitivo   dentro,   só   que   agora   aguardam   o  comando.    Nesse  exemplo  de  aquecimento,  observamos  que  o  exercício  pretende  trabalhar,  entre  outras  coisas,  a  atenção,  a  interação  do  grupo,  a  prontidão,  alem  de  acordar  o  corpo  dos  alunos  e  trazê-­‐los  para  a  aula.      
  11. 11.      2)  Desenvolvimento  (aquecimento  e  desenvolvimento)    Jogo  do  bastão      O  professor  pede  para  que  os  alunos  caminhem  livremente  pela  sala  e  ao  toque  do  bastão  no  chão,  todos  saltem  e  congelem  em  uma  pose.  No  intervalo  entre  as  batidas,  o  professor  lê  frases  de  um  texto  a  respeito  do  Maracatu  Rural.    Em  seguida,  após  o  termino  da  leitura,  os  alunos  devem  saltar  apenas  pelo  estímulo  de  outro  aluno.  Assim,  “quando  um  salta,  todos  saltam”.    O  grupo  então  é  dividido  em  grupos  menores.  Cada  grupo  pega  um  bastão  e  brincam  de   jogar   esse   de   diferentes   maneiras   um   para   o   outro.   Com   o   passar   do   tempo,   o  professor  muda  o  comando  para  que  a  ação  ocorra:  –  Jogar  o  bastão  movimentando  todo  o  corpo  todo  e  recebê-­‐lo  também  com  o  corpo  todo;  –  Ao  receber  o  bastão,  dar  um  giro;  –  Ao  receber  o  bastão,  congelar  em  uma  pose;  –  Movimentando-­‐se,  receber  o  bastão;  ao  lançar,  congelar  em  uma  pose;  –  Utilizar-­‐se  de  alguma  das  alternativas  anteriores  como  desejar;  –  Olhar  para  uma  pessoa,  porém  lançar  o  bastão  para  outra.    O  professor  pede  para  que  os  alunos  caminhem  pelo  espaço,  continuando  a  jogar  os  bastões.  Aos  poucos,  aumentam  o  número  de  bastões  na  roda,  enquanto  pede-­‐se  para  que  as  pessoas  comecem  a  andar  no  pulso  do  maracatu  rural.  A  cada  pausa  da  música,  todos  param.  Ao  retornar  a  musica  os  alunos  exercitam  a  ação  de  lançar  o  bastão  ou  se  defender  com  o  mesmo.      Por  fim,  cada  aluno  com  um  bastão,  aprende  o  banco  de  passos  do  Maracatu  Rural  a  partir  da  demonstração  do  professor.    O  desenvolvimento  desse  exercício,  deixa  claro  como  o  aquecimento  pode  conduzir  ao  aprendizado   da   dança;   durante   a   atividade   o   professor   faz   observações   sobre   a  importância   de   desenvolver   a   visão   periférica,   a   concentração   e   a   prontidão   para   a  execução   do   Maracatu   Rural.   A   apropriação   dos   passos   do   Maracatu   Rural   vem   a  partir  de  um  trabalho  corporal,  que  tem  seu  foco  nos  mesmos  elementos  fundamentais  para  tal  dança.        
  12. 12. 3)  –  Desaquecimento      Em  grupos  de  quatro  pessoas:      Todos  em  pé.  Uma  pessoa  fica  no  centro  e  mantém  seu  corpo  relaxado,  joelhos  semi-­‐flexionados  e  pés  paralelos,  e  as  demais  ficam  em  volta  e  se  distribuem  de  modo  que  suas  mãos  percorram  por  completo  o  corpo  do  colega,  cada  um  na  parte  em  que  se  posicionou,  todos  ao  mesmo  tempo.  Então,  começando  pela  parte  superior  do  corpo  (costas,  ombros,  peito,  braços,  mãos,  dedos,  bacia),  e  descendo  para  parte  inferior  do  corpo  (  quadril,  pernas  e  pés),    vamos  “amassando”  os  membros  como  massa  de  pão.  E  processo  se  repete  mais  3  vezes:    - com  as  mãos  em  forma  de  concha,  batendo  com  uma  intensidade  moderada;  - fazendo   pequenos   movimentos   circulares   com   as   mãos   abertas,   esfregando  levemente;  - e  para  finalizar    todas  as  mãos  juntas  de  uma  vez  só  ,  percorrem  o  corpo  do  colega  da  cabeça  aos  pés,  como  uma  ducha  dágua  caindo.    Então  a  pessoa  que  está  ao  centro  vai  pro  redor  e  outra  do  grupo  vai  pro  centro.  Isso  se  repete  até  que  todos  tenham  recebido  a  massagem.      Esses   movimentos   das   mãos   pelo   corpo   tem   a   intenção   de   relaxar,   soltar   a  musculatura  trabalhada.  Depois  da  massagem  o  grupo  senta  em  roda  e  conversa  sobre  o  desenvolvimento  e  as  conquistas  da  aula.      FORMAÇÃO  DE  JOVENS  BRINCANTES  –  Ano  II    “Reelaboração  e  Criação”      O   segundo   ano   do   curso   tem   como   objetivo   o   aprofundamento   dos   conhecimentos  apreendidos   no   primeiro   ano,   bem   como   o   estímulo   à   reelaboração   da   atividade  artística   e   criação   de   repertório   próprio.   Os   alunos-­‐brincantes   passam   a   tecer   uma  relação  muito  mais  estreita  com  o  curso  e  a  carga  horária  se  intensifica,  de  forma  a  cobrar   do   jovem   não   só   a   participação   nas   aulas,   como   em   atividades   extra-­‐curriculares.  Palestras,  oficinas  e  eventos  que  ocorrem  dentro    do  próprio  Instituto.    A   interdependência   das   diferentes   frentes   que   o   curso   traz   com   a   educação,   nesse  segundo   momento,   é   evidente.   O   Instituto   espera   que,   com   esse   grau   de  comprometimento,   o   jovem   possa   ser   capaz   de   desenvolver   um   novo   campo  profissional  onde  a  expressão  dos  brincantes  integre  a  arte  brasileira  à  educação.    Sendo   assim,   esse   “aprofundamento”   faz   com   que   o   jovem   brincante,   uma   vez  imbuído   das   ferramentas   trabalhadas   ao   decorrer   do   curso,   esteja   capacitado   para  desenvolver  um  produto  artístico  e/ou  trabalhar  com  arte-­‐educação.  
  13. 13.                    Atividades  Regulares    Atividade:  Percussão,  jogos  e  brincadeiras  rítmicas,  e  dança  Carga  horária:  1x  por  semana/3  horas  semanais  Grade   curricular:   Reelaboração   do   universo   rítmico   brasileiro   através   dos  instrumentos  de  percussão,  do  canto,  e  da  poesia  popular.      Atividade:  Danças  Brasileiras  Carga  horária:  1x  por  semana/3  horas  semanais  Grade  curricular:  Exercício  de  consciência  corporal,  assimilação  de  passos  e  desenhos  coreográficos   tradicionais   e   exercícios   de   criatividade   a   partir   desses   passos   ou  movimentos.      Atividade:  Teatro  Carga  horária:  1x  por  semana/3  horas  semanais  Grade   curricular:   Estudo   das   máscaras,   vozes,   músicas   e   qualidades   de   energia  presentes  nos  diferentes  folguedos  populares.  Atividades  Extra  Curriculares    Atividade:  Sambada  Carga  horária:  1x  por  mês/4  horas  mensais    Confraternização   entre   alunos,   amigos   e   familiares.   Na   sambada,   além   da   diversão  que   é   proporcionada,   o   aluno   experimenta,   através   de   números   criados   por   ele   ou  pelo  professor  o  conteúdo  aprendido  em  sala  de  aula.    Atividade:  Rodas  Carga  horária:  1x  por  mês/4  horas  mensais  Grade   curricular:   Encontros   conduzidos   por   artistas,   pesquisadores   ou   intelectuais  com   alunos   e   familiares   para   a   reflexão   sobre   os   mais   variados     assuntos  principalmente  relacionados  à  Cultura    Atividade:  Oficina  Carga  horária:  1x  por  mês  Educadores:  Especialistas  de  diversas  áreas  Grade  curricular:  Visando  aperfeiçoar  o  conhecimento  dos  alunos  em  diversas  áreas,  as  oficinas  também  tem  como  objetivo,  auxiliar  no  processo  de  formação  dos  alunos.    Atividade:  Construção  de  Espetáculo  Carga  horária:  indefinida  Educadores:  educadores  das  aulas  regulares  e  não  regulares,  além  de  convidados  
  14. 14. Grade  curricular:  Utilizando-­‐se  de  conhecimentos  adquiridos  fora  e  dentro  do  curso,  os  alunos  têm  como  tarefa,  a  construção  de  um  espetáculo  que  deve  ser  apresentado  no  final  do  curso  no  próprio  Instituto  Brincante.    Atividade:  Construção  de  Oficinas  Carga  horária:  indefinida  Educadores:  os  próprios  alunos  Grade  curricular:  Sendo  este  um  dos  objetivos  da  Formação  de  Jovens  Brincantes,  os  alunos  se  preparam  para  posteriores  oficinas  que  serão  ministradas  por  eles  mesmos.    Estrutura  das  aulas    As  aulas  do  segundo  ano  da  Formação  tem  por  estrutura  básica  a  mesma  das  aulas  do  primeiro  ano  (aquecimento,  desenvolvimento/apropriação  e  desaquecimento),  com  o  acréscimo  da  reelaboração,  que  geralmente  se  encaixa  depois  da  apropriação,  e  que  permite   uma   nova   relação   do   aluno   para   com   o   conhecimento   que   está   sendo  apresentado  a  ele.    Nesse  segundo  ano,  há  somente  uma  turma  de  jovens,  que  participam  de  atividades  regulares  três  vezes  por  semana.  Com  uma  carga  horária  significativamente  maior,  a  especificidade   de   cada   linguagem   artística   é   trabalhada   de   forma   a   permitir   que   o  jovem  se  forme  de  maneira  plural,  dialogando  com  todas  essas  linguagens.      O   importante   dessa   reelaboração   é   justamente   o   processo   de   sedimentação   do  conteúdo  apreendido  via  professor.  A  imitação  propriamente  dita  dá  lugar  à  criação.    A   estrutura   das   aulas   vem   a   corroborar   com   esse   objetivo.   Depois   de   um  aquecimento,   há   a   introdução   de   um   conteúdo   novo,   ou   a   memorização   de   um  conteúdo   já   visto.   O   terceiro   momento,   portanto   é   o   da   reelaboração,   no   qual   os  professores  trazem  propostas  diversas  para  que  tal  conteúdo  seja  abordado  de  forma  distinta  aos  exercícios  anteriores,  via  aluno-­‐conteúdo,  sem  o  intermédio  do  professor,  que  aqui  exerce  o  papel  de  orientador  e  “conselheiro”.  Por  fim  há  o  desaquecimento.        Durante  o  curso  são  apresentados  cinco  temas  para  serem  pesquisados.    Temas  de  2010:  O  Povo  Brasileiro  _  Darci  Ribeiro  Reis  de  Congo-­‐  Oswald  Barroso  Milton  Santos  -­‐  O  Filme    O  corpo  cômico.  O  humor  na  música  A   turma   é   dividida   em   grupos   cuja   tarefa   é   pesquisar   um   desses   temas   e  organizar  uma  oficina  para  os  demais  alunos.  
  15. 15. A  partir  dessas  oficinas  um  tema  ou  uma  idéia  serve  como  ponto  de  partida  para  que  cada  aluno    crie  uma  cena,  individual  ou  conjunta,  que  represente  a  síntese  do  seu  aprendizado   com   o   curso   de   Formação.   Este   trabalho   e   concebido   completamente  pelo  aluno  durante  o  processo  de  formação  e  apenas  conduzido  ou  dirigido  pelo  grupo  de  professores/instrutores.  A  reunião  do  fruto  do  trabalho  de  todos  os  alunos  gera  um  espetáculo  que  fica  em  cartaz  no  Instituto  Brincante  por  um  mês  ao  final  do  ano.                      FORMAÇÃO  DE  JOVENS  BRINCANTES  -­‐  Ano  III  “Formação  Continuada”                    O   terceiro   ano   do   curso   é   um   ano   opcional,   onde   o   Instituto   oferece   ao   aluno   a  possibilidade  de  continuar  suas  atividades  de  estudo,  bem  como  proporciona  parcerias  entre   o   próprio   Instituto   e   o   jovem,   para   que   este   possa   aplicar   os   conhecimentos  aprendidos  nos  dois  primeiros  anos,  como  em  oficinas  ministradas  pelos  alunos  sendo  representantes   do   Instituto,   ou   apresentações.   É   nesse   ano   que   o   jovem   pode  participar  dos  núcleos  de  pesquisa:  o  núcleo  de  pesquisa  do  movimento,  o  núcleo  de  musica  e  o  núcleo  pedagógico.    Cabe  ao  aluno  que  pretende  continuar  com  a  formação,  a  decisão  de  onde  e  como  continuar,  que  atividade  é  de  sua  preferência  e  como  sua  contribuição  e  crescimento  podem  ser  melhores.      O  Núcleo  de  Pesquisa  do  Movimento  é  um  grupo  formado  por  pessoas  que  já  tenham  concluído  a  formação  no  Instituto  Brincante,  conduzido  por  Antonio  Nóbrega,  para  a  pesquisa  de  uma  nova  linguagem  de  Dança  Brasileira.      Esta  atividade  ocorre  uma  vez  por   semana,   com   duração   de   duas   horas   e   meia.   Tem   como   foco   de   atuação,   o  aprofundamento   da   pesquisa   e   estudo   da   cultura   corporal   brasileira   e   sua  sistematização  para  a  prática,  tanto  artística  quanto  educacional.      O   Núcleo   de   Musica   é   o   núcleo   de   pesquisa   de   ritmos   brasileiros.   O   grupo   cria  repertório  próprio  a  partir  de  musicas  tradicionais  re-­‐arranjadas.  Isso  é  divulgado  em  apresentações  internas  do  Instituto,  como  as  Sambadas;  e  apresentações  externas.  Os  encontros  deste  grupo  ocorrem  uma  vez  por  semana,  com  duração  de  quatro  horas.    O  Núcleo  Pedagógico  é  o  núcleo  formado  por  ex-­‐alunos  do  Curso  de  Formação  e  tem  como  objetivo  registrar  e  documentar  as  atividades  que  ocorrem  no  Instituto,  a  partir  de   observação   de   aulas,   vídeos,   relatórios   dos   alunos   entre   outros.   Este   Núcleo   se  reúne  mensalmente  para  discussão  sobre  as  atividades  observadas  e  tem  como  seu  primeiro  produto  este  documento,  que  vocês  estão  lendo  agora.          
  16. 16. IV  -­‐  CURSO  A  ARTE  DO  BRINCANTE  PARA  EDUCADORES    Por  Michelle  Rodrigues  e  Thalita  Gava,  com  base  em  arquivos  do  Instituto  e  análises  próprias    O  que  é  o  curso?      É  um  curso  de  formação  para  Educadores,  com  atendimento  preferencial  àqueles  que  lecionam   na   rede   pública   de   ensino,   que   apresenta   elementos   da   Cultura   Popular  Brasileira  tais  como  a  dança,  a  musica,  a  dramatização,  a  confecção  de  instrumentos,  brinquedos,   roupas   e   adereços,   para   com   isso   construir   uma   visão   integrada   das  diversas  manifestações,  somando  a  esses  elementos  conteúdos  que  proporcionam  a  reflexão   acerca   da   Cultura   da   Criança   e   da   importância   do   “brincar”,   formando   um  sujeito  crítico,  consciente  de  suas  raízes,  que  melhor  compreende  e  reflete  sobre  sua  postura  como  ser  humano,  descobrindo  seus  potenciais  criativos  e  a  percepção  de  que  é  possível  unir  pedagogicamente  literatura,  artes  plásticas,  teatro,  dança  e  música.      Como  acontece?    São  módulos  formativos,  cada  modulo  tem    um  mês  de  duração  em  media,  com  carga  horária   de   4   horas   semanais,   a   exceção   ao   modulo   de   Danças   Brasileiras   -­‐   que  acontece  durante  todo  o  curso  com  carga  de  1  hora  semanal.  São  lecionados  por  arte-­‐educadores  especialistas  em  vivências  que  integram  o  fazer  artístico  e  a  reflexão  sobre  a  função  da  arte  na  formação  do  ser  humano.  O  desenvolvimento  dos  mesmos  segue  uma   lógica   que   tem   por   finalidade   a   construção   do   conhecimento   partindo   da  sensibilização  e  reflexão,  passando  para  a  vivencia,  chegando  ao  fim  do  processo  com  resultados  construídos  a  partir  da  elaboração  pessoal.    No  período  de  início  das  atividades  os  ministrantes  realizam  atividades  com  intuito  de  identificar  os  participantes,  apresentar  o  espaço,  e  diagnosticar  a  percepção  inicial  dos  mesmos.      Os  Módulos  seguem  assim:      Módulo  1  –  Março:  “Por  uma  educação  da  sensibilidade”  Ministrante:  Maria  Amélia  Pereira  (Péo)    Aborda  o  processo  de  desenvolvimento  da  criança  a  partir  de  relatos  e  de  imagens  da  cultura  infantil.  Busca  a  compreensão  do  brincar  como  ato  de  conhecimento  sensível  e  iniciador  do  processo  criador.    
  17. 17.  Programação:  1. Singularidade  e  universalidade  do  brincar;    2. Relação  do  homem  com  a  natureza  e  a  cultura  no  ato  do  brincar;  3. O  tempo  cíclico  e  sua  relação  com  o  tempo  da  infância;  4. O  conceito  de  aprendizagem  compreendido  como  a  aventura  da  consciência.    Objetivo:    Desenvolver  no  educador  Brincante  a  capacidade  de  refletir  sobre  sua  própria  prática  ampliando   seu   referencial   cognitivo   através   da   abordagem   do   universo   Sensível  presente  ao  exercício  de  uma  educação  Integrativa.  A  leitura  simbólica  do  imaginário  que  caracteriza  o  repertorio  dos  brinquedos  e  brincadeiras  da  Cultura  da  Infância  será  abordada  através  de  referenciais  áudio-­‐visuais  que  constituem  o  acervo  de  pesquisa  do  Centro  de  Estudos  da  Casa  Redonda  abordando  os  seguintes  itens:    -­‐  A  Natureza  e  seus  elementos  como  agente  propulsor  e  determinante  de  experiências  significativas  do  Brincar  seja  pela  multiplicidade  dos  desafios  sensíveis  e  corporais  que  ela  oferece,  seja  pelo  fortalecimento  do  vínculo  entre  o  ser  humano  e  seu  Habitat.  -­‐   O   ato   de   Brincar   como   uma   linguagem   de   conhecimento   próprio   da   Cultura   da  Infância   focando   as   noções   de   TEMPO   e   ESPAÇO   pertinentes   a   esta   etapa   do  desenvolvimento.  -­‐   O   Corpo   como   continente   da   pulsão   expansiva   de   crescimento   corporificado   no  repertorio   espontâneo   dos   gestos   da   Cultura   da   Infância   como   respostas   às  necessidades  de  desenvolvimento  físico-­‐  psíquico  da  criança.  -­‐   A   função   vinculadora   e   socializadora   da   experiência   lúdica   vivenciada   através   do  repertorio   da   Cultura   da   Infância   em   suas   diversas   manifestações,   presentes   na  memória   dos   participantes   do   módulo   como   força   motriz   do   re-­‐conhecimento   e  conhecimento  da  importância  da  experiência  sensível  no  processo  de  desenvolvimento    humano.    Módulo  2  –  Abril:  “Danças  Brasileiras”  Ministrante:  Rosane  Almeida    Prática   das   formas   de   danças   presentes   nos   folguedos   populares   brasileiros,   bem  como   o   estudo   e   a   reflexão   sobre   as   diferentes   possibilidades   de   pensar   e  experimentar  o  corpo.      Programação:  
  18. 18. 1.  Os  brincantes  e  os  folguedos  populares;    2.  A  trajetória  dos  folguedos  populares;        3.  A  memória  e  o  corpo;        4.  O  corpo  da  natureza  e  a  natureza  do  corpo.      Primeiro  Encontro    Escolhi   iniciar   meu   módulo   com   a   apresentação   do   vídeo   Folia   Geral.   Um  documentário   sobre   o   carnaval   de   Recife   com   depoimentos   de   artistas   populares,  idealizado  por  Antonio  Nóbrega,  dirigido  por  Luiz  Fernando  Carvalho,  com  fotografia  de  Walter  Carvalho  e  um  emocionante  depoimento  de  Ariano  em  Suassuna  sobre  a  riqueza  da  cultura  popular  brasileira.    É  um  material  excelente  para  se  refletir  sobre  o  tamanho   do   envolvimento   de   cada   um   dos   participantes   com   seu   trabalho,   como  todos  os  envolvidos  sabem  e  gostam  do  que  fazem.  Acabam  por  se  apropriarem  de  um  saber  que  os  torna  mestres  incontestáveis  dentro  de  suas  atividades.  Isso  cabe  tanto  para  os  artistas  populares,  como  para  um  diretor  de  cinema,  um  fotógrafo,  um  músico  ou  um  professor.  Na  parte  prática  da  aula  o  aquecimento  acontece  com  um  tipo  de  “habilidade”,  um  malabares  que  mobiliza  o  pensamento,  a  palavra  e  a  ação.    Segundo  Encontro    Apresentação   de   um   vídeo   sobre   o   REIZADO.   Reflexão   sobre   a   idade   dessas  manifestações  populares.  A  trajetória  desses  folguedos  na  história  da  humanidade  e  sua  função  na  sociedade  contemporânea.      Apresentação  de  um  número  de  dança  que  é  uma  recriação  das  danças  populares  para  refletir  sobre  o  feminino  na  nossa  sociedade.    Na  parte  prática  um  espaço  de  tempo  pra  que  cada  um    se  recolha  para  si  e  possa  estar   mais   aberto   para   assimilar   novas   informações,   movimentos,   brincadeiras,  desafios  etc.    Terceiro  Encontro    Construção  dos  arcos.  A  Dança-­‐  dos  Arcos,  como  é  conhecida  está  presente  em  várias  manifestações  populares,  remete  ao  arco-­‐íris,  a  ligação  entre  o  céu  e  a  terra,  o  sagrado  e  o  profano  numa  harmonia  com  todas  as  cores.    Todas  as  reflexões  giram  em  torno  do  fazer  artísticos,  do  experimentar,  do  brincar  com  o  corpo,  com  a  proposta  ou  com  uma  idéia...  Quarto  Encontro    
  19. 19. Apresentação   do   Vídeo   INDIOS   NO   BRASIL.   Uma   reflexão   sobre   a   relação   do  colonizador  com  a  natureza  e  a  nossa  relação  com  a  nossa  natureza.  Do  que  somos  feitos?  Como  nos  tratamos?    O   quanto   nos   conhecemos?     Qual   o   papel   das   emoções   na   organização   da   nossa  musculatura.    Nesse  quarto  encontro  fazemos  um  apanhado  das  três  aulas  anteriores,  tanto  a  parte  teórica  reflexiva,  como  a  parte  prática.  Os  alunos  fazem  conexões,  expõem  suas  vidas,  criam  individualmente  e  se  organizam  coletivamente  para  a  construção  de  um  ritual,  do  nosso  ritual.  Uma  festa  no  silencio.    Conseguimos   a   satisfação   por   nos   alimentarmos   das   nossas   histórias,   do   nosso  potencial.    Encontro  dificuldade  para    traduzir  em    conceitos,  situações  emocionais,  experiências  físicas.  Hora  sinto  as  palavras  pequenas,  casas  velhas,  hora  as  vejo  como  estradas  que  não  sei  onde  pode  levar.      Sou  do  fazer.  Me  lembro  do  cheiro  das  aulas.  Ouço  a  pisada  dos  ritmos  que  fazem    os  olhos  vibrarem.  Canto  e  choro  com  esses  companheiros  nessa  longa  jornada  para  se  construir  o  novo.  Um  novo  mundo,  um  novo  país,  um  novo  Humano!  Um  humano  com  a  história  da  terra,  com  a  luz  do  sol,  livre  como  os  ventos  mas  com  a  força  e  a  delicadeza  das  águas.    Um  humano  divino.  Com  espírito  em  festa.    A  Festa  do  Divino  Espírito  São  =  Saudável  =  Santo.        Módulo  3  –  Maio:  “Contos  e  histórias  tradicionais”    Ministrante:  Cristiane  Velasco    Estudo   e   exercício   das   diferentes   formas   de   contar   a   tradição   oral,   vistas   como  instrumento  de  educação.  Programação:  1.  Ouvir  histórias;  2.  Relatos  orais  e  visuais  sobre  a  experiência  de  contar  histórias;  3.  Iniciação  a  pratica  de  contar  histórias.    Primeiro  Encontro    
  20. 20. Costumo  iniciar  este  primeiro  encontro  pontuando  os  objetivos  claros  do  módulo:  1.  Compartilhar  processos  significativos  dentro  da  minha  formação  como  contadora  de  histórias,  uma  vez  que  não  há  fórmulas  para  se  contar  histórias  e  sim  formas,  sendo  que  a  forma  de  cada  um  encontra-­‐se  diretamente  relacionada  à  sua  própria  história  de  vida.  2.   Fundamentar   a   importância   das   “histórias   de   boca”   através   de   relatos   de  experiência  como  educadora  junto  às  crianças  na  Casa  Redonda.    3.  Contar  algumas  histórias  e  propor  exercícios  de  sensibilização/recriação.    A  partir  daí  faço  um  breve  relato  da  minha  própria  história  e  busca  pessoal.    Através   de   uma   cantiga   de   roda   e   exercício   de   conexão   com   memória   dos   sons   da  infância   de   cada   um,   proponho   reflexão   sobre   o   Tempo   das   histórias,   relacionando  Memória  e  Imaginação.      Apresento  o  conto  popular  brasileiro  “O  Papagaio  Real”,  utilizando  recursos  de  minha  pesquisa  que  reúne  contos,  danças  e  cantos  tradicionais.    Partindo  dessa  escuta,  o  grupo  compartilha  sensações,  lembranças,  observações  que  brotaram  da  experiência  de  ouvir  a  história  contada  e  vou  alinhavando  os  comentários,  fundamentando   a   importância   das   “histórias   de   boca”,   as   conexões   entre   campos  neurais  envolvidas  nesse  exercício  de  ver  criativamente.  Percorremos  estrutura,  climas  e  personagens,  dentro  de  exercício  de  apropriação  de  uma  história.      Como  sugestão  bibliográfica  mais  ampla:  bibliografia  de  livro  (histórias  recolhidas  da  tradição,  histórias  recriadas  a  partir  da  tradição  e  histórias  inventadas),  bibliografia  “de  boca”  (pesquisa  oral)  e  bibliografia  de  vida  (utilizando  como  exemplo  uma  personagem  que  criei  inspirada  em  minha  avó).    Proposta  de  dois  exercícios  em  grupo,  recontando  “O  Papagaio  Real”.  Primeiramente  focando   a   estrutura-­‐esqueleto   da   história,   e   posteriormente   os   personagens-­‐qualidades  internas.      Segundo  Encontro    Inicio  este  encontro  contando  “O  caso  do  Bolinho”,  um  conto  tradicional.  A  partir  da  história   proponho   reflexão   sobre   o   elemento   amedrontador   nos   contos:   o   tema   do  herói  engolido.  Sigo  trazendo  outros  exemplos  da  temática  do  Mal  como  aquele  que  foi  dividido,  o  monstro  que  guarda  o  coração  fora  do  corpo,  o  papão  que  se  desmonta  em  pedaços,  o  gigante  que  leva  a  cabeça  debaixo  do  sovaco,  etc.  Tecemos  proximidades  entre  Cultura  Infantil  e  Culturas  Tradicionais,  no  que  se  refere  à  experiência   do   medo.   As   histórias   dentro   da   Educação   como   Ritos   de   Passagem  
  21. 21. fundamentais;  a  função  do  Mal  nos  contos,  espaços  simbólicos  de  enfrentamento  e  auto-­‐regulação  através  do  domínio  psicofísico  sobre  o  Medo.    Sugiro  que  compartilhem  histórias  de  medo  que  acompanharam  suas  infâncias  e  então  ouvimos   inúmeros   relatos   identificando   muitos   medos   comuns,   coletivos.   Também  procuro  esclarecer  dúvidas  em  relação  à  maneira  do  professor  conduzir  situações  de  crianças  com  medo.      Apresento  “A  Véia  da  Gudéia”,  uma  história  criada  junto  às  crianças  na  Casa  Redonda,  a  partir  do  pesadelo  de  um  menino  de  cinco  anos.  Então  compartilho  o  processo  de  criação  dessa  história  e  seus  desdobramentos.        Encerro  com  o  áudio  de  Seu  Geraldo  Tartaruga,  de  São  Luís  do  Paraitinga,  um  contador  popular  de  histórias  contando  “O  Bichão”.      Terceiro  Encontro    Caracterizo   as   “Histórias   Brincadas”,   como   costumo   chamar   os   Teatros   da   primeira  infância.  Inicialmente  proponho  algumas  Cantigas  de  Roda,  exemplos  de  histórias  brincadas  da  Cultura  Popular,  como  “A  Linda  Rosa  Juvenil”  e  “Onde  está  a  Margarida”;  histórias  que  viraram   Brinquedos.   Depois,   exploramos   possibilidades   de   movimentação   e  transformação  de  uma  grande  lona  circular  colorida,  brincando  outras  variantes  que  nasceram  junto  às  crianças  na  Casa  Redonda  (ex:  a  lona  virando  saia  da  Margarida,  ou  saia  da  Mãe  -­‐  esconderijo  dos  filhos  no  pega-­‐pega  “Enquanto  Seu  Lobo  não  vem”,  etc).      Apresento  “Maria  Sabida  e  João  do  Uia”,  um  conto  transformado  em  história  brincada  junto  às  crianças  na  Casa  Redonda.    Então  assistimos  a  um  DVD  com  quatro  situações  em  que  as  crianças  brincaram  essa  história,   procurando   ilustrar   a   necessidade   espontânea   de   experimentar   papéis,  revezando  com  as  outras,  internalizando  possibilidades  e  lidando  com  os  limites  que  cada  uma  delas  oferece.    Proposta  de  exercício  a  partir  do  conto  popular  “O  Espelho  Mágico”.      Quarto  Encontro    Compartilho  mais  relatos  de  experiência  e  algumas  histórias  (“A  Cabrinha  e  a  Onça:  um  conto  cantado”  e  “Maria  e  o  Peixe  Encantado:  uma  Cinderela  Baiana”).  Conversamos  a  respeito  das  brincadeiras  envolvendo  morte/renascimento,  realizadas  muitas  e  muitas  vezes  pelas  crianças  (ex:  a  criança  escondida  brincando  de  nascer  de  dentro  de  um  cesto,  a  morte  da  bruxa  projetada  na  figura  do  educador  e  o  nascimento  da  princesa,  a  
  22. 22. morte  da  madrasta  e  o  nascimento  da  mãe,  a  filha  desmaiada  que  precisa  despertar,  etc).  A  morte  dentro  do  universo  simbólico  da  criança  como  transformação.  Assistimos   ao   DVD   “Eu   quero   história   de   boca!”   que   traz   esses   conteúdos   na  experiência  da  Casa  Redonda.    Apresento  “Avoou”,  história  autoral  que  conta  a  minha  própria  trajetória  de  vida.  No  fundo  o  grande  objetivo  do  módulo  é  sempre  esse:  que  cada  um  possa  “avoar”  para  dentro  de  sua  própria  história...  Assistimos  ao  DVD  “Dançando  Histórias”,  uma  edição  dos  meus  três  espetáculos  como  contadora   de   histórias:   “Contos   Indianos”,   “Contos   Flamencos”   e   “Avoou:   Contos  Brasileiros”.  Finalizamos  o  módulo  com  duas  Rodas  de  Verso,  ilustrando  como  os  versos  também  contam  histórias  com  climas  diversos.      Módulo  4  –  Junho:  “Figuras  e  adereços  dos  folguedos  populares”        Ministrante:  Cristina  Cruz    Confecção,  utilização  e  manipulação  de  figuras  (míticas  e  típicas)  presentes  no  teatro,  na  dança  e  nos  folguedos  da  tradição  popular  brasileira.    Programação:  1. As  figuras  do  imaginário  popular  brasileiro;  2.  Os  tipos  e  arquétipos  Adereços  (natalinos,  juninos  e  carnavalescos)      Primeiro  Encontro  |  Ciclo  Junino    Neste   primeiro   encontro,   a   proposta   é   de   fazer   uma   roda   de   apresentações   para  conhecer  o  grupo  e  poder  fazer  algumas  orientações  pessoais  ao  longo  deste  módulo.  Fazemos  uma  apresentação  das  proponentes,  em  relação  ao  histórico  de  cada  uma,  à  experiência   prática   no   trabalho   da   Casa   Redonda   Centro   de   Estudos   e   na   Oca-­‐Associação  da  Aldeia  de  Carapicuíba  e  com  formação  de  professores  Sobre  este  módulo,  contextualizamos  o  Curso  A  Arte  do  Brincante  para  Educadores  que   acontece   desde   1996   e   como   ele   foi   se   adequando   a   partir   das   avaliações   dos  participantes  e  como  este  módulo  de  Adereços  foi  estruturado  pensando  em  recursos  simples  como  jornal  e  caixa  de  papelão,  mas  preocupado  com  uma  qualidade  estética,  de   acabamento   e   transformação   dos   materiais.   Este   módulo   está   inserido   na  compreensão   global   da   Formação   de   um   Educador   Brincante,   integrado   aos   outros  módulos  de  Educação  da  Sensibilidade,  de  recursos  para  a  Narração  de  Histórias  e  da  incorporação  e  gestualidade  das  Danças  Brasileiras  dos  diversos  Folguedos  da  nossa  cultura.  A  proposta  é  resgatar  a  compreensão  sobre  Cultura  da  Infância  e  da  Cultura  Brasileira,  como   sendo   os   pilares   para   a   compreensão   das   artes   através   do   fazer,   com   uma  
  23. 23. relação  de  significado,  de  ligação  entre  o  eu  e  o  mundo,  como  forma  de  enraizamento  e  construção  da  nossa  identidade  cultural  brasileira.  “Fazer  e  em  fazendo,  fazer-­‐se”,  de  Sartre  “Dar  forma  é  formar-­‐se”,  de  Fayga  Ostrower  Trabalhamos   com   as   matrizes   culturais   brasileiras:   indígena,   africana   e   européia   e  como   elas   estão   presentes   nos   Ciclos   de   Festas,   em   que   reconecta   os   homens   à  dimensão  do  Sagrado,  ao  tempo  cíclico,  à  ligação  com  a  Natureza  e  com  o  planeta,  como  um  todo.    A  idéia  é  despertar  uma  reflexão,  no  sentido  de  buscar  o  sentido  e  o  significado  das  festas,  inspirada  na  tradição,  resgatar  sua  memória  pessoal  e  coletiva  na  participação  destas  festas  para  poder  recriar,  no  seu  tempo  e  espaço  e  no  seu  contexto,  sem  perder  a  essência  destas  vivências.  Escolhemos  três  festas:  São  João,  Ciclo  Natalino  e  Carnaval  para  trabalharmos  nestes  encontros,  com  a  proposta  de  construção  de  adereços,  baseados  no  imaginário  e  no  rico  acervo  da  Cultura  Brasileira.  “É  dentro  da  unidade  de  nossa  diversidade  que  habita  o  coração  do  povo  que  somos”,  de  Antonio  Nóbrega    Temos   também   textos,   livros,   DVDs,   CDs,   de   materiais   ilustrativos   e   reflexivos   para  orientação  e  formação  destes  educadores.    O   tema   deste   1º   encontro   é   o   Ciclo   Junino   e   a   Festa   de   São   João,   para   começar   e  encerrar   no   último   encontro,   com   a   noção   do   tempo   cíclico,   de   que   a   cada   ano   as  festas  são  renovadas,  com  dança,  música,  adereços  e  comemoração  com  comidas  e  bebidas.    Para   alimentarmos   a   inspiração,   passamos   um   VÍDEO   de   SÃO   JOÃO,   do   acervo   do  Centro  de  Estudos  Casa  Redonda,  mostrando  possibilidades  de  realização,  mesmo  com  crianças  pequenas  e  a  riqueza  e  beleza  desta  festa  apenas  com  papel  crepom  e  papel  de   seda.   Os   seus   símbolos   como   fogueira,   mastros,   pau   de   fita,   pau   de   sebo,   a  ressignificação   da   festa   da   colheita,   suas   histórias   e   suas   diversidades   de  comemorações  de  Norte  a  Sul  do  Brasil.    Depois,  a  proposta  é  construir  os  adereços:  BOI  E  BURRINHA,  com  rolinho  de  jornal  e  caixas   de   papelão.   São   estruturas   grandes   que   possam   entrar   dentro.   A   idéia   é   de  trabalharem  em  grupos  para  que  possam  entender  o  processo  de  construção  e  depois  transpor  para  outros  contextos.    Os   trabalhos   poderão   ser   levados   para   casa,   ou   continuados   durante   os   próximos  encontros   e   poderão   ser   finalizados   até   o   nosso   último   encontro,   para   que   possam  enfeitar  a  Festa  do  Brincante.      
  24. 24. Segundo  Encontro  |  Ciclo  Natalino    Neste  encontro,  buscamos  o  significado  das  festas  realizadas  no  Ciclo  Natalino,  como  Cavalo  Marinho,  e  Reisado.  A  idéia  é  perceber  que  estas  festas  já  eram  comemoradas  antes  mesmo  do  Cristianismo  e  que  o  simbolismo  que  está  presente  é  o  nascimento  de  uma  criança,  como  de  um  ciclo  novo.  Assistimos  ao  vídeo  FESTA  DA  ESTRELA,  do  acervo  do  Centro  de  Estudos  Casa  Redonda,  para  que  as  imagens  possam  alimentar  o  fazer  através  do  despertar  da  sensibilidade.  A  proposta  neste  dia  é  para  fazer  um  CHAPÉU  DE  REISADO,  com  caixa  de  papelão  e  brilhos  para  espantar  mal  olhado.  Para   o   Cavalo   Marinho,   propomos   o   CHAPÉU   DE   MATEUS,   que   é   um   brincante   e  animador  deste  folguedo,  assim  como  as  máscaras  dos  demais  personagens.  Outra  possibilidade  é  a  ESTRELA  como  um  símbolo  de  luminosidade.  Esta  estrela  de  rolinho  de  jornal  tem  uma  versão  mais  simples,  bidimensional,  ou  tridimensional.        Terceiro  Encontro  |  Ciclo  Carnavalesco    Neste  dia,  a  reflexão  é  sobre  o  sentido  das  máscaras,  seu  caráter  de  transcendência,  seu   uso   milenar   em   diferentes   culturas,   tanto   no   Ocidente,   como   no   Oriente.    Mostramos   imagens   de   máscaras   de   lugares   diferentes   e   também   brasileiras,   com  influências  indígenas,  africanas  e  européias  e  seu  uso  em  rituais,  teatros,  festas  e  no  Carnaval.    As   máscaras   têm   um   papel   importante   como   elemento   terapêutico,   no   sentido   da  consciência  dos  diferentes  papéis,  dos  arquétipos  que  elas  representam,  seu  uso  no  Teatro  Contemporâneo,  assim  como  a  função  educacional.  Focamos  no  Carnaval  brasileiro,  e  assistimos  um  DVD  sobre  Manifestações  Culturais  da  Fundação  Joaquim  Nabuco  de  Recife,  sobre  o  Ciclo  Natalino  (referente  ao  encontro  anterior)   e   sobre   o   Carnaval,   falando   sobre   os   clubes,   trocas,   blocos,   Maracatu,  Caboclinho  e  Frevo.  Desta  forma,  podemos  ter  uma  contextualização  histórica  destes  movimentos  para  inspirar  o  seu  fazer.    A   proposta   é   o   CHAPÉU   DO   CABLOCO   DE   LANÇA,   do   Maracatu   e   o   COCAR   DOS  CABOCLINHOS,  assim  como  as  diversas  MÁSCARAS,  tanto  do  Cavalo  Marinho,  como  outras  Carnavalescas.  A  experimentação  das  máscaras  traz  a  “in-­‐corpo-­‐ração”,  é  vivenciada  no  corpo  e  serve  como  recurso  para  o  Teatro,  na  criação  de  personagens  e  para  a  narração  de  histórias.    Quarto  Encontro  |  Ciclo  Junino  |  São  João      

×