Revista ARTE DE PIÁ, n° 1

259 visualizações

Publicada em

Primeira revista / fanzine do PIÁ (Programa de Iniciação Artística) desenvolvido no CEU 3 Pontes, Jardim Romano. Textos, fotos, resenhas, outras publicações e muitas informações relativas ao dia a dia dos encontros deste equipamento na zona leste. Abril de 2012.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista ARTE DE PIÁ, n° 1

  1. 1. ARTE DE neste número ● ● ● ARRASA!!! PIÁ + Biblioteca Criança Performer PIÁ número 1 – abril 2012
  2. 2. Redescobrir os caminhos do brincar e, por consequência, os da criação artística prazerosa e espontânea é o que tem acontecido conosco neste período de vivências dentro do Programa de Iniciação Artística. Para comemorar o primeiro ano – e meio já – de atuação dos “4 cavaleiros coloridos do após-colapso“ (equipe do CEU 3 Pontes) trazemos a tona mais esta publicação singela com registros, comentários e referências de nosso trabalho no extremo leste da cidade de São Paulo. Extremo não só geográfico: extremos são os sonhos, a criatividade, a vivacidade, a ludicidade, a amizade, etc. índice 1 ano no 3 Pontes...........3 ARRASA!!!......................4 Americã PIÁ....................5 BiblioAtividades............6 Notícias............................7 PIÁ na rede mundial.....8 Carta de Princípios........9 Que diacho é isso de Criança Performer?......10 ARTE DE PIÁ artedepia@gmail.com www.artedepia.blogspot.com (descarregue a revista e outros itens gratuitamente na página) Sejam bem vindos a ARTE DE PIÁ!
  3. 3. ARTE DE PIÁ 1 an o no 3 Pon tes Chegamos em terras do Romano no meio de um turbilhão de sentimentos e sensações. Agosto de 2010. Poética a flor da pele, olhos desconfiados em direção às figuras diversas que adentravam as ruas movimentadas e populares do bairro, alguns comentários desagradáveis – que logo foram convertidos em calorosos cumprimentos – mas sobretudo uma generosidade e um acolhimento raros aqui nessa cidade de São Paulo. Bom, na verdade já estamos quase em Itaqua... Quem tem o privilégio de conhecer essa perifa perigosa, certamente tem muitas histórias para contar, cantar, pintar e dançar. NÓS temos um montão. Querem conhecêlas? “A gestão diz que não brincadeira no gramado pular muro do outro lado bicicleta no portão Em ARTE a gente diz com carinho, tudo PODE com respeito, PODE, PODE comunidade feliz“ 3
  4. 4. ARTE DE PIÁ Confesso que até dava um pouco de medo escutar os gritos e manifestações de ARRASA!!! no princípio. Logo, porém, entendi que era a representação de uma coletividade autêntica que aos poucos estava se formando entre os jovens, inclusive por conta de nossos próprios discursos artísticos – alguns corporais, comportamentais, outros silenciosos e até inconscientes – durante os encontros e ações. Durante nossas convivências, que extrapolaram as relações apenas de professor – aluno, mestre – aprendiz. Discursos de autoestima, de descoberta comunitária + individual, de reconhecimento e de valorização das raízes e do potencial criador que cada um já tem. Originário na famosa turma de 11 a 13 anos de Dança do Professor Guilherme – o terror para alguns! – o termo logo se espalhou e foi se tornando um símbolo do próprio PIÁ do 3 Pontes. A cada nova atividade realizada, a cada nova ideia que surgia, a cada nova sensação vivenciada, ficava evidente que tod@s queríamos arrasar... ARRASA!!! 4 ARRASA!!! também é nosso programa mensal em vídeo e faremos uma matéria especial sobre ele no próximo número.
  5. 5. arrasa1 ar.ra.sa1 sf (de arrasar) Ação de arrasar (medidas). ARTE DE PIÁ arrasa2 ar.ra.sa2 adj m+f (de arrasar) Glutão, guloso; insaciável. arrasar ar.ra.sar (a1+raso+ar2) vtd e vpr 1 Tornar(-se) raso: Arrasar as matas. Arrasam-se os campos. vtd 2 Demolir, derrubar (uma construção). vtd 3 Arruinar, estragar: Arrasou a saúde. vtd 4 Abater: Arrasar uma ditadura. Arrasar vaidades, pretensões. vtd e vpr 5 Encher(se) até as bordas: Jovialmente, arrasou os copos dos companheiros. Arrasaram-se de lágrimas os olhos de muitos espectadores. vtd 6 Descompor, humilhar com injúrias e palavras violentas: João Batista arrasava os falsos religiosos. vtd 7 Fazer perder os bens, a paz de espírito, a coragem: Negócios malsucedidos o arrasaram. vpr 8 Acabar: Com uma guerra atômica arrasar-se-á o mundo. vtd e vint 9 gír Agradar, impressionar, destacar-se: Usando apenas um biquíni minúsculo, a garota arrasou a praia inteira. fonte de busca: www.michaelis.uol.com.br Bom, espero que possamos então continuar ARRASANDO, utilizando os melhores sentidos e sentimentos possíveis, e que as relações – e (re)ações – proporcionadas pelo PIÁ sejam de extrema validade para tod@s que estão se arriscando nessa experiência. Am eric ã PIÁ 3 meses de árduos trabalhos com uma equipe técnica extremamente comprometida, foram necessários para a produção das 2 partes que compõem esta obra audiovisual que muito nos orgulha. “Americã PIÁ“ é um dos bons resultados que temos gerado nos processos que instauramos: uma mera brincadeira que inspira uma ideia, que é costurada por uma experiência anterior, que é encampada por um desejo pessoal e coletivo, que mobiliza a maioria a vivenciar na pele sem o receio de errar. No caso do filme, meio animação, meio teatro, meio tudo, pudemos utilizar todas as linguagens que nos acompanham nessa instigante jornada: confecção de bonecos, cenários, textos, movimentos, sons, etc. Grandes momentos, grandes artistas envolvidos. Vale a pena ver e rever, observando os detalhes. Na página do PIÁ e também em www.vimeo.com/24274968 (7'36''), a parte 1, e em www.vimeo.com/25537537 a parte 2 (11'50''). 5
  6. 6. ARTE DE PIÁ BiblioAtividades, muitas! Parceiros mais fiéis desde que aportamos no Romano no segundo semestre de 2010, a BiblioEquipe tem nos mostrado / ensinado tantas outras possibilidades para um espaço que poderia ser – e muitas vezes é – um amontoado desinteressante de livros. Com muita inteligência, ousadia e trabalho, eles estão ressignificando esse tradicional ambiente cultural. É só perguntar ao público que frequenta o local... Os primeiros contatos foram com o time composto por Vilma, Cássia, Marcos e Madeline. Atualmente segue esta última adorável e engraçada figura e está Claudia. Com el@s, foram – e são – uma porção de memoráveis saraus, contações, improvisações, discussões, reuniões, encontros com autores, entrevistas, bagunças, biblioláfora, oficinas, comes e bebes, etc. Que continuemos aliados!!! E que venha a AREIA!!! 6
  7. 7. notícias ARTE DE PIÁ PIÁs daqui y de allá Uma das características que mais reprsenta o PIÁ é o movimento. Seja entre 4 paredes, seja nas áreas de cada comunidade, seja pelo mundo. Numa andança dessas pelo planeta, esbarramos com outros PIÁs latinos. Tantas semelhanças e tantas diferenças. Um documentário curto que fizemos – e que está em fase final de produção – revelará um pouco dessa conexão surpreendente. Nossas férias... Em agosto de 2011, logo no retorno das férias de meio de ano, tivemos o desejo de compartilhar nossas aventuras. Nossas imagens mentais e os sentimentos assimilados se materializaram sobre papéis e se transformaram na publicação “Nossos desenhos e histórias de férias“, o primeiro livro de PIÁ por nós lançado. Disponível para baixar em nossa página. Visitas aos outros PIÁs Ainda não é oficial mas já demos início às visitas / intercâmbios de PIÁ com outros equipamentos. Por enquanto apenas alguns AEs se locomovendo. Em agosto passado estivemos nas Bibliotecas Monteiro Lobato, Marcos Rey e Hans Christian Andersen. E durante o mesmo semestre, tivemos fantáticos momentos no Guarapiranga + Cantos do Amanhecer e no Caminhos do Mar. 7
  8. 8. ARTE DE PIÁ PIÁ na rede mundial de computadores (WWW) Como fizemos em vários espaços do nosso CEU, não podíamos deixar de ocupar mais esse que se apresentava tão aberto e disponível. Além de existirmos fisicamente, agora também somos entidades virtuais conectadas com toda a multiplicidade planetária!!! Estamos buscando sempre práticas que sejam atraentes e agradáveis para nós e para @s participantes do programa. Indiscutível a presença das novas tecnologias na rotina das crianças mesmo sendo elas consideradas carentes. 8 Nada mais justo que incluir então nesse processo dinâmico o computador, suas inumeras possibilidades e oportunidades, e outras máquinas que já estão acessíveis. Por ora, só os adultos estão cuidando / alimentando os conteúdos da página do PIÁ. Apesar de não acompanhar o ritmo de ações realizadas – não conseguimos postar nem a metade do que já experimentamos em nossos encontros – desejamos brevemente reverter esse quadro. A próxima etapa é levar @s própri@s PIÁs para dar forma, cor e outros olhares para esse canal de comunicação. E sabemos que isso fará uma diferença brutal na proposta. Então, ao acesso: www.artedepia.blogspot.com (a página) artedepia@gmail.com (o correio eletrônico) www.artedepia.podomatic.com (a rádio virtual) Canal de PIÁ (para buscas de vídeo no youtube)
  9. 9. ARTE DE PIÁ Carta de Princípios A carta de princípios do PIA é fruto do pensamento coletivo da equipe de 2010. Ela norteia e estimula a atuação e a conduta das equipes dentro do Programa, nas suas relações com a criança, pais, parceiros, artistaseducadores e comunidade. Este documento é a consolidação de uma primeira etapa de discussão e será revisto após uma ampla discussão de seus itens. Princípios Ludicidade: a brincadeira como uma forma legítima de se relacionar, de ser e estar no mundo, na sua espontaneidade e significação. Reconhecer a bagunça, alegria, o jogo e a fantasia como aspectos deste princípio. Iniciação: o despertar e a descoberta da criança, de si e do mundo, promovidas pela experiência artística e seus desafios de expressão, posicionando-se. Processo criativo: os acontecimentos criativos como parte de um processo, dentro de um espaço e de um tempo, acolhendo a sensibilidade, e em constante movimento. Tempo do experimentar: o cuidado com o tempo da criança, fazer-se presente para que a experiência do criar seja plena em possibilidades, sob o signo da liberdade propiciado pela arte. Ritmo do encontro: perceber os ritmos e olhar para os ritos de passagem, o reencontro com o amigo e com o espaço comum. Pertencimento: o acesso a cultura e ao espaço público. O entendimento do direito a fruição dos bens simbólicos e da participação ativa da comunidade interessada. Diálogo: a escuta e a inter-relação entre pessoas e idéias, e as linguagens artísticas contempladas pelo Programa. 9
  10. 10. ARTE DE PIÁ Pegue um punhado de crianças (com apenas uma também já é suficiente), dê um pouco de carinho, atenção, respeito. Mexa(-se), agite(se), estimule(-se) por alguns minutos. Reserve. Prepare separadamente, se possível, um ambiente no qual elas possam expressar, interagir e construir livremente suas ludicidades mais internas. Nada complexo, apenas objetos cotidianos, tecidos, um pouco de tinta, etc. Pitadas de criatividade e desafios podem ser acrescentadas a gosto e com frequência. Que diacho é isso de CRIANÇA PERFORMER? 10 Misture tudo e leve para uma aquecida sala do PIÁ. Mas também pode ser para o aconchego do gramado, para o calor humano da Biblioteca ou para o próprio pátio aberto em dias ensolarados. Está pronto nosso alimento para a vida: a infância que brinca, a criatura que cria, @ pequen@ que inspira. Ou, para quem preferir, a criança performer. Muito mais que ensinar algo, talvez nossa função / missão como AEs – artistaseducadores – seja acreditar nas produções culturais dos PIÁs e utilizar nosso limitado “poder“ para dosar / equilibrar os ingredientes dessa receita orgânica da iniciação artística. Como bons cozinheir@s... Vale também ler os textos bacanas de nossa querida Marina Marcondes “agachamento“ Machado, que tem referenciado alguns de nossos debates sobre o tema, e conhecer outros pensamentos seus em www.agachamento.com.

×