Amado
p r o d u ç ã o :
Lorem ipsum dolor: Sit amet, consecadipis
Sed do eiusmod empor na incididunt ut labore
Ut enim ad ...
Abertura Lorem Ipsum Dolor inhoc
Lorem ipsum dolor sit amet, consec tetur adipisim cing elit, sed do eiusmod tempor na inc...
Quem no mundo não quer viver de amar?
Quem na vida não sonha com o amor?
Todos nós carregamos suas marcas
tenham elas mais...
Quem no
mundo
não quer
viver de
amar?
76
98
Amadoé o Jorge
Para criar sua vasta obra, Jorge Amado inspirou-se em pessoas reais, que via perambulando pelas ruas, su...
1110
Amadoé o encontro
O Instituto Brincante, desde o seu nascimento, tem se caracterizado por ser um local de estudo, dif...
1312
Amadoé o espetáculo
Como fazer uma obra tão vasta subir ao palco? Como traduzir esse encontro com Jorge Amado abarcan...
1514
1716
Em seus vinte anos de trajetória, o Instituto Brincante consolidou-se como um espaço de conhecimento, assimilação e
r...
1918
Ficha técnica
Direção e roteiro: Rosane Almeida
Texto: Marcelino Freire em colaboração
com Luan Maitan e elenco
Assis...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Programa do espetáculo Amado

562 visualizações

Publicada em

Amado é peça escrita e dirigida por Rosane Almeida e com consultoria artística de Antonio Nobrega, inspirada na obra de Jorge Amado. O espetáculo não só traduz a obra do autor baiano para o teatro, mas a maneira como ele criou suas histórias e personagens.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
562
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
195
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Programa do espetáculo Amado

  1. 1. Amado p r o d u ç ã o : Lorem ipsum dolor: Sit amet, consecadipis Sed do eiusmod empor na incididunt ut labore Ut enim ad minim: Veniam, quis nostrud. 10 R e a l i z a ç ã o : Centro Cultural FIESP - Ruth Cardoso | Teatro do SESI-SP - Av. Paulista, 1313 | http://www.sesisp.org.br/cultura | http://twitter.com.br/sesisp_cultural Uma homenagem ao centenário do escritor Jorge Amado Roteiro e direção: Rosane Almeida Texto: Marcelino Freire com colaboração de Luan Maitan e elenco Amado é aquele que leva e traz. Amado é quem vê. Amado é o canto, é o lugar. Amado é o braço que abraça, bate, protege e contesta. Amada é a confusão que organiza, a injustiça que empurra, a fome que desperta, o medo que fortalece. Amada é a nossa língua portuguesa quando diz o diferente, acrescenta na mistura e põe beleza à mesa. Amado é aquele que rima, troca, passa, trova e deixa partir. Amado é o mestiço, o índio, o branco, o negro, em seus inteiros. Amada é a delicadeza do homem e da mulher quando se encontram no olhar. Amado também é ele, florido. De chinelos, ao vento. Um sonhador. Inspirador. Homem do seu tempo. Profundamente revelador. Amado com fervor aquele que nos abre o coração e reparte com toda a gente o que viveu. Aquele que deu luz a muitas vidas. Amou e foi Amado de verdade. São Jorge de Todos os Santos. Amado Jorge Amado. Ao grande poeta. Nosso muito obrigado. Rosane Almeida Temporada de 21 de agosto a 02 de dezembro de 2012 Quintas e sextas, às 11h Sábados, domingos e feriados, às 16h
  2. 2. Abertura Lorem Ipsum Dolor inhoc Lorem ipsum dolor sit amet, consec tetur adipisim cing elit, sed do eiusmod tempor na incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud non exercites action ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea com modo consequat. Duis aute irure dolor in reprehen derit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat com cupidatat non proident, minim veniam, quis nostrud non exercites sunt in culpa qui officia deserunt anim id est laborum. Lorem ipsum dolor sit amet, consec tetur adipisim cing elit, sed do eiusmod tempor na incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud non exercites action ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea com modo consequat. Duis aute irure dolor in reprehen derit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Lorem ipsum dolor sit amet, consec tetur adipisim cing elit, sed do eiusmod tempor na incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud non exercites action ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea com modo consequat. Duis aute irure dolor in reprehen derit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat com cupidatat non proident, minim veniam, quis nostrud non exercites sunt in culpa qui officia deserunt anim id est laborum. Lorem ipsum dolor sit amet, consec tetur adipisim cing elit, sed do eiusmod tempor na incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud non exercites action ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea com modo consequat. Duis aute irure dolor in reprehen derit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat com cupidatat non proident, minim veniam, quis nostrud non exercites sunt in culpa qui offerunt ne mollit anim id est laborum. Paulo Skaf, presidente 3
  3. 3. Quem no mundo não quer viver de amar? Quem na vida não sonha com o amor? Todos nós carregamos suas marcas tenham elas mais risos ou mais dor. Há quem diga do amor: é salvação! Outros dizem: tristeza, solidão! Um deseja, outro foge desta fome, todos somos amados algum dia. Mas no reino encantado da Bahia há quem já seja Amado desde o nome. Jorge amável, amante, amigo, amado, deus de contos, baiano brasileiro, teu reinado de letras encantado está marcado em teu nome de guerreiro, de devoto, de santo, de templário; e entre os louros que tem teu centenário, um nos toca mais firme, mais profundo: tu amando inventaste mil figuras e moldaste diversas criaturas pra espalhar mais amor em nosso mundo. Antônio Marinho 54 Amado
  4. 4. Quem no mundo não quer viver de amar? 76
  5. 5. 98 Amadoé o Jorge Para criar sua vasta obra, Jorge Amado inspirou-se em pessoas reais, que via perambulando pelas ruas, subindo e descendo as ladeiras de Salvador. A baiana, o pescador, o bêbado, o capoeirista, o entalhador, o malandro ganharam nome e sobrenome em sua literatura. Os costumes, os linguajares e as tradições dos tipos populares do Brasil foram a matéria-prima para o trabalho de Jorge Amado, que faleceu aos 89 anos, em 2001, e em agosto de 2012 completaria 100 anos de vida. Dificilmente existe um brasileiro que não tenha se envolvido com as tramas do escritor. Seja por meio de um de seus nada mais que 45 livros publicados, ou pelas versões de suas obras, adaptadas para teatro, cinema, novelas e até para enredos de escola de samba. O baiano deixou não só um tesouro para o país, como levou o seu Brasil mestiço e festivo para muito além de além-mar: seus livros foram publicados em mais de 50 países.
  6. 6. 1110 Amadoé o encontro O Instituto Brincante, desde o seu nascimento, tem se caracterizado por ser um local de estudo, difusão e reinterpretação da cultura popular brasileira. Inúmeras manifestações de sua generosa linha de tempo cultural vêm subsidiando jovens artistas em seus trabalhos de música, dança e teatro. Montar um espetáculo a partir da obra e figura de Jorge Amado vem como que coroar e presentear o Brincante pelos seus 20 anos de atividades. Assim, na montagem, dirigida por Rosane Almeida, procurou-se estreitar o universo de afinidades entre a obra de Jorge Amado e a cultura do povo brasileiro. Tal afinidade se reflete na diversidade de linguagens artísticas, personagens e procedimentos utilizados na montagem. Sabemos que a obra do grande baiano abarca, sobretudo, a enorme galeria de tipos e figuras pertencente ao multifacetado extrato sócio-cultural popular brasileiro, o qual também edificou um exuberante imaginário cultural constituído de cantos, danças, entremeios circenses, procedimentos teatrais etc. É na procura de reafirmação desse casamento que o espetáculo Amado se insere. Assim é que, por exemplo, o candomblé e o Carnaval, que muitas vezes ambientam passagens na obra de Jorge Amado, funcionam como importantes laboratórios de gesto para o Instituto Brincante. Já pais e mães de santo, que aparecem como personagens na obra do escritor, são figuras estudadas no instituto. O Reisado, que entra na obra dele como festa promovida pelas irmãs Quinquina e Florzinha, consiste em manifestação popular de origem profano-religiosa pesquisada a fundo no Instituto Brincante. Aspectos da cultura popular brasileira que Jorge Amado transformou em prosa, personagem, história e romance, são estudados no Instituto Brincante em verso, em rima, em repente, em passo, em música. E é justamente essa escola - que compartilha com Jorge Amado a paixão por um mesmo segmento da sociedade - que se volta para a obra do autor para celebrar seu centenário. E, para isso, se apropria de seus enredos e suas personagens, dando-lhes carne e osso, dança e voz. Para o Instituto Brincante, o espetáculo Amado, como o nome mesmo sugere, nada mais é que uma declaração de amor pelas mesmas paixões de Jorge Amado! Para ambos, a valorização do que é popular, a valorização da arte e da cultura são verdadeiros meios de formação e de libertação para as pessoas. Nesse sentido, o escritor teve importância fundamental, pois, há cem anos, começava a falar de cultura popular e, junto a outros escritores regionalistas do período modernista, usou sua arte para quebrar o preconceito da época em relação ao assunto. Dizia, assim como o poeta Castro Alves, que “igual ao rifle, à metralhadora e ao punhal, a poesia é também arma do povo”.
  7. 7. 1312 Amadoé o espetáculo Como fazer uma obra tão vasta subir ao palco? Como traduzir esse encontro com Jorge Amado abarcando as expressões artísticas de uma escola que, assim como ocorre nas tradições populares, agrega diversas linguagens? A inspiração foi justamente o modelo com que o autor construía suas narrativas: ao longo de seus livros, Jorge Amado abria janelas para uma série de situações, personagens, tensões, e só mais à frente da história elegia um drama maior para desenvolver e resolver. Essa estrutura narrativa composta por um mosaico de “causos” remete ao mosaico que é o próprio Brasil, a sua diversidade de cores e traços. A obra do escritor foi fundamental para criar uma compreensão positiva da mestiçagem no país. Com base nesse formato narrativo, foi criado um espetáculo também mestiço. A ampla formação em cultura popular que os nove Brincantes do elenco têm em sua bagagem propiciou que pudessem contribuir tanto na elaboração do texto como na criação das cenas. Isso se traduz em canto, dança, atuação e música levados ao palco para partilhar com o público o circo, a comédia, o drama e a tragédia, em seus variados sotaques e trejeitos. Essa estrutura, que mais parece uma colcha de retalhos se relaciona não só com o formato, mas também com o conteúdo do espetáculo. Tanto é que, para construí-lo, Rosane Almeida se baseou em diversos livros: Gabrilela cravo e canela, Capitães da areia, Tenda dos milagres, Tocaia grande, Terras do sem fim, Quincas Berro d`Água, Dona Flor e seus dois maridos, Jubiabá e Os velhos marinheiros ou O capitão de longo-curso. Esta última foi escolhida para ser a principal trama desenvolvida pela peça. Mas o espectador não encontrará reproduções de cenas, mas, sim, recriações, em que personagens e passagens aparecem em novos contextos. O que alinhava essa profusão de histórias é nada menos que o amor, ou a paixão, ou como se queira chamar esses impulsos incontroláveis que movem o ser humano, tão bem retratados pela obra do escritor. O fato é que esse amor, que costura a tal colcha de retalhos, pode ser tanto o amor de um homem por uma mulher como o amor pela briga, pela confusão, pela cachaça e até pela vontade de virar lobisomem. Eis mais uma razão pela qual o espetáculo não poderia deixar de se chamar Amado! Para fazer esse plano mirabolante se tornar realidade em vez de voar pelos ares de uma tempestade de vento, os Brincantes resolveram seguir apenas um norte: a previsão astuciosa de Vasco Moscoso Aragão, o capitão de longo-curso, que existe na literatura para provar a todos que tudo aquilo que amamos se torna verdadeiro.
  8. 8. 1514
  9. 9. 1716 Em seus vinte anos de trajetória, o Instituto Brincante consolidou-se como um espaço de conhecimento, assimilação e recriação das inúmeras manifestações populares do país, que celebra a riqueza da cultura brasileira e a importância da sua diversidade. Tem como foco a pesquisa e a reelaboração dessa cultura. Novos valores, novas maneiras de construir saberes e proporcionar ao indivíduo outro modo de pensar as relações na sociedade contemporânea. Para disseminar a cultura brasileira, o Instituto tem alguns focos de atuação: >> Espaço cultural – oferece palestras, espetáculos, encontros com artistas etc; >> Projetos sociais – cursos e atividades para jovens de baixa renda, professores da rede pública de ensino, instituições atuantes em projetos socioeducativos e culturais e empresas comprometidas com a responsabilidade social e o protagonismo; >> Cursos livres – para o público em geral, são oferceidos os cursos de Danças Brasileiras, Percussão Brasileira, Dança & Percussão, Dança Afro-Brasileira, Brincantinho (para crianças de 3 a 6 anos) e A Arte do Brincante para Educadores; >> Brincante itinerante – atividades para empresas e escolas
  10. 10. 1918 Ficha técnica Direção e roteiro: Rosane Almeida Texto: Marcelino Freire em colaboração com Luan Maitan e elenco Assistente de direção: Antônio Meira Direção Musical: Leonardo Gorosito Consultoria artística: Antonio Nóbrega Elenco: - Alencar Martins - Antônio Meira - Carla Passos - Cristiano Meireles - Fláira Ferro - Flora Popovic - Leonardo Gorosito - Rosane Almeida - Saulo Bortoloso Projeto de luz e cenografia: Marisa Bentivegna Figurinos: Tereza Monteiro Preparação de atores: Alício Amaral e Juliana Pardo Aulas de dança: Rosane Almeida, Michelle Rodrigues e Fláira Ferro Aulas de música: Saulo Bortoloso, Leonardo Gorosito e Alencar Martins Aulas de circo: Rosane Almeida Assistente de cenografia: Ayelén Gastaldi e Júlia da Luz Saldanha Assistente de iluminação: Jean Marcel Silva Assistente de figurino e adereços: Nayara Manhaez Costureira: Benê Produção de ensaio: Instituto Brincante Administração: Vera Abib Comunicação: Marina Prathes Projeto gráfico e ilustrações: Érica de Carvalho Criação de texto: Camila Prado Revisão: Fabiana Medina Fotos: Sílvia Machado Produção geral: Silas Redondo Produção executiva: Fernanda Assis Realização: SESI-SP Trilha Sonora: Som de Assombração: letra e música de Alencar Martins O Circo: Leonardo Gorosito Briga de Pandeiro: Leonardo Gorosito A Flor: letra e música de Alencar Martins Amado (repente): letra de Antônio Marinho e música de Leonardo Gorosito Lume de Boaideiro: letra e música de Saulo Bortoloso Chico Pacheco: letra e música de Alencar Martins Quinto Império: letra de Wilson Freire e música de Antonio Nóbrega Temas Populares Balança Eu Tema de Oxóssi Tema de Iansã Ficha técnica SESI Presidente: Paulo Skaf Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Ficha técnica FIESP Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsums Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsum Doloincis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis Etnus Vincis: Nononon Ipsum Dolor Trendum Lorem Ipsun Dolor: Nononon Ipsucis Nononono: Lorem Ipsum Dolor InVincis

×