Rogério da Costa
Vieira, Presidente
da FENERC –
Federação
Nacional das
Empresas de
Refeições
Coletivas fala do
sucesso do ...
Rogério da Costa Vieira – Presidente da FENERC durante Abertura do 1º Seminário Nacional para
Refeições de Coletividade Re...
Leonardo Araújo, da Fundação Dom Cabral

Entrevista: Rogério da Costa Vieira – Presidente da FENERC
JM- Como foi a recepti...
Rogério - Na realidade, a carga tributária é somente um item do exagerado
custos de uma refeição. Não vamos nos esquecer d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Reportagem Rogério da Costa Vieira

3.564 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Reportagem Rogério da Costa Vieira

  1. 1. Rogério da Costa Vieira, Presidente da FENERC – Federação Nacional das Empresas de Refeições Coletivas fala do sucesso do 1º Seminário Nacional de Refeições para Coletividade da Região Sul realizado em Curitiba, Paraná. Abertura do 1º Seminário Nacional de Refeições para Coletividade da Região Sul Jornalista: José Maria Filho Com o tema “Alimentação Saudável: A Evolução do Bem Estar e da Qualidade de Vida, dos Primeiros Passos à Melhor Idade”, aconteceu no último dia 24 de outubro em Curitiba, no Paraná com a presença de mais de 300 participantes, entre autoridades, profissionais do setor e representantes de classe, o 1º Seminário Nacional de Refeições para Coletividade da Região Sul, uma promoção do SERCOPAR-Sindicato das Empresas de Refeições Coletivas e Alimentação Escolar do Paraná, realizado no Hotel Mabu Parque Resort.
  2. 2. Rogério da Costa Vieira – Presidente da FENERC durante Abertura do 1º Seminário Nacional para Refeições de Coletividade Região Sul-Curitiba Paraná Participaram da Abertura do evento: Carlos Humberto de Souza – Presidente do SERCOPAR , Carlos Antônio Gusso, Idealizador, Fundador e Ex-presidente do SERCOPAR , Celso Gusso – Presidente da Associação das Empresas da Cidade Industrial de Curitiba, Rogério da Costa Vieira – Presidente da FENERC, Joelso Silveira – Vice - presidente do SIER RS/SC, Roberlayne de Oliveira Borges Roballo – Secretária Municipal de Educação, representando o Prefeito de Curitiba Gustavo Fruet, Teovana Sordi Rittes, Diretora do Departamento de Administração de Material, Representando a Secretária de Estado da Administração e da Previdência Dinorah Botto Portugal Nogara e também o Governador do Estado do Paraná Beto Richa, Neivo Beraldin, Superintendente Regional do Trabalho e Emprego do Paraná e Marco Aurélio Crescente – Presidente da ABERC – Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas. Os Palestrantes: Enzo Donna Dra. Sandra Chemin Participaram como palestrantes no Seminário nomes de destaque no cenário nacional, como as Nutricionistas Dra. Valéria Paschoal, Diretora da VP Consultoria Nutricional, Dra. Sandra Chemin- Coordenadora do Curso de Nutrição do Centro Universitário São Camilo, o Consultor Enzo Dona, Leonardo Araújo, da Fundação Dom Cabral e Jô Furlan, médico, escritor, conferencista internacional e pesquisador na área de neurociência do comportamento. Dra. Valéria Paschoal Dr. Jô Furlan
  3. 3. Leonardo Araújo, da Fundação Dom Cabral Entrevista: Rogério da Costa Vieira – Presidente da FENERC JM- Como foi a receptividade desse primeiro Seminário Regional para o setor de refeições coletivas, atingiu os objetivos e as expectativas da organização? Rogério - Estou seguro que sim, o sucesso foi amplo. Os principais empresários da Região se fizeram presentes, bem como importantes fornecedores. Representantes do Estado do Paraná e de Curitiba também prestigiaram o evento, numa eloqunte maneira de valorizar a nossa indústria. JM- Em sua opinião quais foram os principais pontos discutidos no Seminário que forneceram ferramentas importantes para a construção de um planejamento estratégico para inovação das atividades dos empresários do setor? Rogério- Sabemos de nossa importância para a vida empresarial e social do país. O peso da responsabilidade de quem fornece mais de 11 milhões de refeições ao dia é grande. Os temas apresentados giram em torno de alguns vetores tais como: como estarmos mais próximos de nossos consumidores. Ou seja, o que podemos fazer a cada momento pela felicidade deles; A segurança alimentar foi outro tema que traz à luz um elo muito forte dentro da cadeia; As oportunidades que um mercado do tamanho do nosso pode aportar aos profissionais que nele militam e que pretendem desenvolver sua vida profissional sobre esta indústria, outro tema que foi muito bem apresentado. JM - Fala se muito do custo Brasil em praticamente todas as atividades econômicas o tema é recorrente e muito deste custo se atribui a questão tributária. Neste aspecto como encontros como esse pode contribuir para soluções no médio prazo para esta questão, e no caso da qualificação de mão de obra, o setor tem alguma estratégia para minorar esse quadro, considerando o avanço das tecnologias e isso impactando novos conhecimentos?
  4. 4. Rogério - Na realidade, a carga tributária é somente um item do exagerado custos de uma refeição. Não vamos nos esquecer da baixa produtividade da mão de obra e das profundas oscilações dos custos das Matérias Primas, e lembremo-nos do tomate há exatos 5 meses. De fato, fazemos sempre um coro e um movimento sobre as forças do governo para redução dos custos em nossa atividade, que tem na sua essência, o cunho social, e principalmente uma legislação que cubra todo o país. JM- Você que está nesse mercado há algum tempo, acompanhou muito de seu desenvolvimento, quais avanços pode destacar nos últimos 20 anos e o que falta para que a atividade se livre das amarras que ainda são impeditivos para um crescimento mais sustentável do setor? Rogério: Num passado já remoto, éramos mais “cantineiros” do que gestores de serviços de alimentação. E neste aspecto, os consumidores foram brindados com uma maravilhosa evolução nos serviços. Também houve uma grande consolidação da indústria, ou seja, empresas e conglomerados mais robustos financeiramente. Por outro lado, nenhum outro grupo estrangeiro entrou no mercado, o que podemos ler como sendo atrativo para os Europeus, Asiáticos e Americanos. O que não evoluiu de forma sustentável foram alguns mercados como o fornecimento para o Estado (presídios, escolas, etc...) que mantém o seu mesmo modelo. Mas o pior é que continuamos a ter nossos preços fixados por um ano, enquanto que: a) as matérias primas oscilam livremente e os restaurantes comerciais não sofrem das mesmas regras. JM- A FENERC pretende incentivar a regionalização de Seminário como esse, se sim já tem um cronograma para 2014? Rogério: Sim, acreditamos que devemos cobrir outras regiões com eventos desta natureza, como forma de levar nossa mensagem a cada cantinho deste país. Não temos uma agenda definida, mas acredito ser possível termos pelo menos mais dois eventos com esta configuração. O Seminário teve apoio do SIERC RS/SC – Sindicato das empresas de Refeições Coletivas dos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina e da FENERC – Federação Nacional das Empresas de Refeições Coletivas. Contou ainda com o patrocínio das empresas: Apetit Serviços de Alimentação, Batatão, Banaze, Ecolab, Red Frutas, Grupo Prato Feito, Grupo Veper, Rodriaço, Monteiro & Martins Panificação Industrial, Platinox Equipamentos para Gastronomia, Risa Restaurantes Empresariais, Risotolândia Serviços de Alimentação, Ruliwi, Schulz Alimentos, Teknisa Software, Ultragaz, Villare, Gastronomia Empresarial, Araújo Martins Comércio de Melão, Alfredo Filipak (Melancia) Hélio Ribas Machado (Legumes em geral), Ilson e Ivo Kieskovski (batatas).

×