D.João de Portugal (o Romeiro)
Trabalho de: Flávia Correia nº12
Mafalda Martins nº16
D. João filho ilegítimo do Rei D. Pedro I e de D. Teresa (dama de
galega), nasceu em Lisboa a 11 de Abril de 1357 e morreu...
Aos 19 anos apaixonou-se por Inês Pires, de quem teve 2 filhos:
D. Afonso, em 1377 (primeiro Duque de Bragança)
D. Brites,...
A 2 de fevereiro de 1387, casou com D. Filipa de Lencastre e tiveram 8 filhos:
•D. Branca, em 1388 (morreu jovem)
•D. Afon...
•D. Henrique, em 1394 (Duque de Viseu, O Navegador)
•D. Isabel, em 1397 (casou com Filipe III, Duque de Borgonha)
•D. João...
D. João de Portugal é apresentado como tendo sido um honrado fidalgo e um
valente cavaleiro (cena II, ato II) de cuja figu...
D. João de Portugal é primeiro marido de D. Madalena desaparecido na Batalha de
Alcácer Quibir.
Está ausente fisicamente d...
Na cena final do ato segundo, o vocábulo “ninguém” funciona como a máxima
concentração de ação: o falado romeiro transmite...
O Romeiro, D. João de Portugal
Regresso enfim, de barba branca,
mirrado de piça e veleidades,
olho pisco, pêlo ralo, perna...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Módulo 7- Frei Luís de Sousa

881 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Módulo 7- Frei Luís de Sousa

  1. 1. D.João de Portugal (o Romeiro) Trabalho de: Flávia Correia nº12 Mafalda Martins nº16
  2. 2. D. João filho ilegítimo do Rei D. Pedro I e de D. Teresa (dama de galega), nasceu em Lisboa a 11 de Abril de 1357 e morreu em Lisboa a 14 de Agosto de 1433.
  3. 3. Aos 19 anos apaixonou-se por Inês Pires, de quem teve 2 filhos: D. Afonso, em 1377 (primeiro Duque de Bragança) D. Brites, em 1386 (morreu jovem) D. Brites
  4. 4. A 2 de fevereiro de 1387, casou com D. Filipa de Lencastre e tiveram 8 filhos: •D. Branca, em 1388 (morreu jovem) •D. Afonso, em 1390 (morreu jovem) •D. Duarte, em 1391 (sucessor do pai) •D. Pedro, em 1392 (Duque de Coimbra, O Das Sete Partidas)
  5. 5. •D. Henrique, em 1394 (Duque de Viseu, O Navegador) •D. Isabel, em 1397 (casou com Filipe III, Duque de Borgonha) •D. João, em 1400 (Condestável de Portugal) •D. Fernando, 1402 (morreu no cativeiro, em Fez, O Infante Santo)
  6. 6. D. João de Portugal é apresentado como tendo sido um honrado fidalgo e um valente cavaleiro (cena II, ato II) de cuja figura se destacam as nobres qualidades d´alma, a grandeza e valentia de coração, e a fortaleza daquela vontade serena mas indomável (cena III, ato II).
  7. 7. D. João de Portugal é primeiro marido de D. Madalena desaparecido na Batalha de Alcácer Quibir. Está ausente fisicamente durante o I e o II ato da peça mas a sua presença é focada essencialmente por D. Madalena (que vive atormentada com ele), por Telmo (que crê no seu regresso) e por Maria (culto sebastianista pois acredita que se D. Sebastião aparecer o mesmo pode acontecer com D. João). A partir da cena XIII do II ato torna a sua existência concreta pois regressa a Portugal ao fim de 21 anos, depois de 20 penosos anos em cativeiro no continente africano e asiático, como Romeiro(embora a sua real identidade só seja revelada no final do ato II). Madalena acha que o destino foi impiedoso, e que tudo aquilo se ira abate sobre a sua família como castigo do seu pecado de ter amado Manuel de Sousa Coutinho enquanto D. João de Portugal era vivo.
  8. 8. Na cena final do ato segundo, o vocábulo “ninguém” funciona como a máxima concentração de ação: o falado romeiro transmite a sensação de vazio que lhe vai na alma: julgado morto, já não tem lugar naquela família. Interfere, juntamente com Telmo, na entrada em hábito de Madalena e de Manuel de Sousa, tentando impedir que tal aconteça. No fim, assiste à morte de Maria e à tomada de hábito de Madalena e Manuel Elementos Trágicos Hybris (o desafio) Agón (o conflito) Pathos (o sofrimento) Katastrophé (a catástrofe) D. João de Portugal Abandona a família Não dá notícias da sua existência Aparece quando todos o julgavam morto Não tem conflito Alimenta os conflitos dos outros Agudiza todos os conflitos com o seu regresso Sofre o esquecimento a que foi votado Sofre pelo casamento da sua mulher Sofre por não poder travar a marcha do destino Morte psicológica: . Separação da mulher . A situação irremediável do anonimato
  9. 9. O Romeiro, D. João de Portugal Regresso enfim, de barba branca, mirrado de piça e veleidades, olho pisco, pêlo ralo, perna manca, em busca de que sal, de que saudades que se manduquem em aberta mesa. Vejo contudo que em má altura cheguei à vela que esperava acesa e não encontro, inexistente e escura. Afinal onde estou, já que sem nome o vento me levou a condição? Não terei terra branda que me tome e me leve aos infernos pela mão, pois uma só pergunta me consome: se não nasci porquê morrer então? (poema de Pedro Tamen)

×