SlideShare uma empresa Scribd logo

Frei Luís de Sousa - sistematização

1 de 6
Baixar para ler offline
Frei Luís de Sousa
de Almeida Garrett
Sistematização
1) Resumo Sintético
O Frei Luís de Sousa é um drama (considerado também pelo autor uma
tragédia antiga, ver mais à frente). Como drama que é está escrito em
prosa e aborda muitos temas relacionados ao romantismo. Desenrola-se em
três atos, divididos em cenas (cada ato muda o cenário; cada cena muda as
personagens).
1.1) Primeiro ato - decorre no palácio de D. Manuel de Sousa Coutinho
- O ambiente leve e exótico revela o estado de espírito da família (feliz
no geral);
- Inicia-se um ato com um excerto d’Os Lusíadas, mas precisamente
o excerto de Inês de Castro, em que afirma que o amor cega e
condena a alma ao sofrimento; este excerto é lido por D. Madalena
de Vilhena, mulher de Manuel de Sousa Coutinho;
- Telmo, o fiel escudeiro da família, entra em cena e ambos discutem
sobre Maria, filha de D. Madalena e Manuel de Sousa Coutinho;
- Os medos de D. Madalena em relação ao regresso do ex-marido
(D. João de Portugal , que nunca regressou da batalha de AlcácerQuibir) refletem-se na proteção da sua filha em relação ao
Sebastianismo (se D. Sebastião voltasse, o seu ex-marido também
podia), um tema na altura muito discutido;
- Maria é considerada muito frágil (doente; possui tuberculose não
diagnosticada), e Telmo, que já fora escudeiro de D. João, incentiva-a
a acreditar no Sebastianismo, o que ela abraça fortemente apesar do
o desaprovar sua mãe;
- Por fim chega com D. Manuel, um cavaleiro da nobreza, que
informa as personagens da necessidade de movimentação daquela
casa, porque os “governantes” (na altura Portugal estava sob o
domínio espanhol) viriam e desejavam instalar-se em sua casa;
- O ato acaba com D. Manuel a incendiar a sua própria casa, como
símbolo de patriotismo, incendiando também um retrato seu
(simboliza o inicio da destruição da família ), movendo-se a
família para o palácio de D. João de Portugal (apesar dos agouros
de D. Madalena).
1.2) Segundo Ato - decorre no palácio de D. João de Portugal
- O ambiente fechado, sem janelas, com os quadros grandes das
figuras de D. João, Camões e D. Sebastião revelam uma presença
indesejada e uma família mais abatida (algo está para vir);
- D. Madalena apresenta-se muito fraca; com a chegada de D.
Manuel (que teve de fugir devido à afronta aos governantes) e a
indicação de que estes o tinham perdoado, D. Madalena fica mais
descansada, mas ao saber por Frei Jorge, um frei do convento dos
Domínicos, que este terá que partir para Lisboa para se apresentar,
fica de novo desassossegada;
- D. Manuel parte para Lisboa na companhia de Maria e Telmo,
deixando em casa D. Madalena e Frei Jorge;
- Aparece um Romeiro que não se quer identificar ao princípio, mas
dá indícios de ser D. João de Portugal, que voltaria exatamente 21
anos depois da batalha de Alcácer-Quibir (7 para procurar o corpo +
14 casamento de D. Madalena e D. Manuel);
1.3) Terceiro Ato - decorre na parte baixa do palácio de D. João de Portugal
- Um ambiente muito fechado, representando a falta de saída da
família que, caso o romeiro fosse D. João, estaria perante um
casamento (D. Madalena e D. Manuel) e uma filha (D. Maria)
ilegítimos (a morte era a única forma de “divórcio”);
- O Romeiro encontra-se a sós com Telmo (que entretanto volta com
Maria e D. Manuel) e este imediatamente reconhece o antigo amo,
mas a sua lealdade não é certa (entre D. João e Maria, a sua nova
ama apesar de ter criado ambos); o Romeiro pede-lhe que minta por
ele, que diga que é um impostor, que salve a família (momento em
que a audiência acredita que possa haver salvação);
- Telmo vai pedir conselhos a Frei Jorge, que lhe diz que, se tem a
certeza ser D. João, a verdade não deve ser escondida (mostra uma
faceta obediente e inflexível desta personagem)
- Por fim, não tendo outra salvação, Maria morre de desgosto (de ser
filha ilegítima; de tuberculose) e os pais (D. Madalena e D. Manuel)
vão para um convento (a religião como consolação), tornando-se D.
Manuel, Frei Luís de Sousa.

2) Temas de Frei Luís de Sousa
- Amor - como algo que cega; impossível de se sair feliz do amor;
percetível da primeira cena; e ainda o amor entre Telmo e Maria e D.
João, na fidelidade do escudeiro fiel;
- Religião - apresenta-se como uma consolação, salvação; existem
outros exemplos (como a soror Joana) que incitam a audiência a
acreditar no final trágico da história;
- Sebastianismo - o culto, quase religião, do mito sebastianismo,
neste drama anunciado pelas bocas de Telmo e Maria, contra a vontade
de D. Madalena;
- Patriotismo - espelhado nas personagens de D. Manuel (“Há de
saber-se que ainda há um português em Portugal”) e D. João de
Portugal (que lutou pelo país ao lado do jovem rei);
- Liberdade Individual - principalmente na personagem de D.
Manuel, esta característica romântica (do período romântico) pode ser
encontrada nas suas ações como o facto de ter incendiado a sua própria
casa, não subversivo ao regime da época; independentemente do plano
político ou social, o homem faz o que deseja, toma as suas próprias
decisões.
3) Estrutura interna e externa da obra
A obra Frei Luís de Sousa, em termos de estrutura externa está
dividida em três atos (I, II e III; à semelhança dos dramas românticos, ver mais

à frente) e em cenas dentro dos atos.
Quanto à estrutura interna da obra dividimo-la em Exposição (ato I,
cena I - ato 1 cena IV), Conflito (ato I cena V - ato III cena IX) e Desenlace
(ato III cena X - ato III cena XII).
4) O Romantismo vs. Tragédia Clássica
Na obra Frei Luís de Sousa, segundo indicado pelo próprio autor em

Memória ao Conservatório Real, existem dois estilos facilmente identificáveis
que convergem, o romantismo, do que são característicos os “dramas”, que
se opõe ao realismo; e a tragédia clássica , que é trazida deste o tempo dos
gregos, cuja principal característica se prende no facto de, sobre alguém que
não tem culpa (não fez nada) cair uma tragédia (desgraça) de forma a que o
público sinta o efeito de catarse (ver mais à frente).
4.1) Características Românticas na obra :
- Escrito em prosa;
- Dividido em três atos (I, II e III);
- Presença (e exaltação) de sentimentos fortes nas personagens;
- Exaltação do patriotismo, presente principalmente em D. Manuel e
D. João;
- Personagens “anjo”, especialmente em Maria (inteligente, perfeição);
- A morte de Maria em palco;
- A religião como consolo.
4.2) Características da Tragédia Clássica na obra :
- A família condenada apesar de não ter culpa;
- O erro de D. Manuel e D. Madalena em casar (sem saber se D. João
estava morto), que se chama Hybris;
- A catarse no fim, ou seja, a sensação da audiência que a sua vida
pessoal não é tão má assim;
- Os ambientes que mudam o estado de espírito que uma forma um
tanto subtil;
- Poucos espaços e personagens;
- Os conflitos interiores de Madalena e Telmo, que se chama agón;
- O reconhecimento de D. João de Portugal no Romeiro, que se chama

anagnórisis;
- O aparecimento de D. João e as suas consequências (casamento e
filha ilegítimos), a que se chama peripécia;
- O clímax, quando se reconhece o Romeiro (que também corresponde
à

anagnórisis);
- O sofrimento das personagens ou o pathos, muito evidente em D.
Madalena;
- A catástrofe, que é a dissolução da família e a morte de Maria.
5) A Linguagem na obra
A linguagem em Frei Luís de Sousa é no geral cuidada, encontramos
léxico erudito, repleto de recursos estilísticos, interjeições e atos ilocutórios
expressivos. A presença de muitas reticências representa algo mau, algo de
que a personagem tem medo, com que esta está inquietada. As frases
curtas conferem um tom incisivo nas partes em que são usadas. As
repetições são muito frequentes e representam ansiedade, inquietação ou
afeto, dependendo de quem as profere.
4.2) Características da Tragédia Clássica na obra :
- A família condenada apesar de não ter culpa;
- O erro de D. Manuel e D. Madalena em casar (sem saber se D. João
estava morto), que se chama Hybris;
- A catarse no fim, ou seja, a sensação da audiência que a sua vida
pessoal não é tão má assim;
- Os ambientes que mudam o estado de espírito que uma forma um
tanto subtil;
- Poucos espaços e personagens;
- Os conflitos interiores de Madalena e Telmo, que se chama agón;
- O reconhecimento de D. João de Portugal no Romeiro, que se chama

anagnórisis;
- O aparecimento de D. João e as suas consequências (casamento e
filha ilegítimos), a que se chama peripécia;
- O clímax, quando se reconhece o Romeiro (que também corresponde
à

anagnórisis);
- O sofrimento das personagens ou o pathos, muito evidente em D.
Madalena;
- A catástrofe, que é a dissolução da família e a morte de Maria.
5) A Linguagem na obra
A linguagem em Frei Luís de Sousa é no geral cuidada, encontramos
léxico erudito, repleto de recursos estilísticos, interjeições e atos ilocutórios
expressivos. A presença de muitas reticências representa algo mau, algo de
que a personagem tem medo, com que esta está inquietada. As frases
curtas conferem um tom incisivo nas partes em que são usadas. As
repetições são muito frequentes e representam ansiedade, inquietação ou
afeto, dependendo de quem as profere.

Recomendados

Romantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaRomantismo, Frei Luís de Sousa
Romantismo, Frei Luís de SousaLurdes Augusto
 
Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"Power point "Frei Luís de Sousa"
Power point "Frei Luís de Sousa"gracacruz
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaAntónio Aragão
 
Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Frei luís de sousa Contextualização
Frei luís de sousa Contextualização Sofia Yuna
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousananasimao
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maiasmauro dinis
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousananasimao
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasMaria Rodrigues
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Maria Góis
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasDina Baptista
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousaAnaGomes40
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereirananasimao
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVEmília Maij
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumocolegiomb
 

Mais procurados (20)

Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de SousaD. Madalena -Frei Luis de Sousa
D. Madalena -Frei Luis de Sousa
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
 
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de SousaMaria de Noronha-Frei Luis de Sousa
Maria de Noronha-Frei Luis de Sousa
 
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicasFrei Luís de Sousa - Características trágicas
Frei Luís de Sousa - Características trágicas
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
Estruturas externa-e-interna de "Frei Luís de Sousa"
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Canto v 92_100
Canto v 92_100Canto v 92_100
Canto v 92_100
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
O resumo de Os Maias
O resumo de Os MaiasO resumo de Os Maias
O resumo de Os Maias
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Auto de inês pereira
Auto de inês pereiraAuto de inês pereira
Auto de inês pereira
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IVAMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
AMOR DE PERDIÇÃO análise capítulo IV
 
Sermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - ResumoSermão de Santo António - Resumo
Sermão de Santo António - Resumo
 

Semelhante a Frei Luís de Sousa - sistematização

Resumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousaResumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousajomadeira
 
Frei luis de sousa resumos 2
Frei luis de sousa resumos 2Frei luis de sousa resumos 2
Frei luis de sousa resumos 2Anabela Torres
 
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...helder goncalves
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousaFilipe Leal
 
11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)Ana Ramos
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfLibnioCarvalhais1
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72luisprista
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousaMaria da Paz
 
Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaMargarida Valente
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaAntónio Fernandes
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAFranciscoBatalha1
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72luisprista
 
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenasFrei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenasNome Sobrenome
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86luisprista
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseJulianaOmendes
 

Semelhante a Frei Luís de Sousa - sistematização (20)

Sistematizacao (1)
Sistematizacao (1)Sistematizacao (1)
Sistematizacao (1)
 
Resumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousaResumo de-frei-luis-de-sousa
Resumo de-frei-luis-de-sousa
 
Frei luis de sousa resumos 2
Frei luis de sousa resumos 2Frei luis de sousa resumos 2
Frei luis de sousa resumos 2
 
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
Os acontecimentos na obra frei luís de sousa que espelham cada um dos element...
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)11por1502pdf01.fh11 (1)
11por1502pdf01.fh11 (1)
 
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdfFrei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
Frei Luis de Sousa- Resumo R.pdf
 
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011Frei Luís de Souza  -  2ª A - 2011
Frei Luís de Souza - 2ª A - 2011
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6 aula 71 72
 
Frei luis de sousa
Frei luis de sousaFrei luis de sousa
Frei luis de sousa
 
Ficha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousaFicha informativa frei luís de sousa
Ficha informativa frei luís de sousa
 
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédiaFrei Luís de Sousa - drama ou tragédia
Frei Luís de Sousa - drama ou tragédia
 
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSAaecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
aecam1116_ppt_7.pptx.pdf FREI LUIS DE SOUSA
 
Dom Juan2
Dom Juan2Dom Juan2
Dom Juan2
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 71-72
 
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
Frei Luís de Sousa - 2ª G - 2011
 
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenasFrei Luís de Sousa- Resumo das cenas
Frei Luís de Sousa- Resumo das cenas
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 85-86
 
frei luis de sousa
 frei luis de sousa frei luis de sousa
frei luis de sousa
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
 

Mais de António Fernandes (20)

Castanheiro da princesa
Castanheiro da princesaCastanheiro da princesa
Castanheiro da princesa
 
O menino no parque
O menino no parqueO menino no parque
O menino no parque
 
Os Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIIIOs Maias - Capítulo XVIII
Os Maias - Capítulo XVIII
 
Os Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVIIOs Maias - Capítulo XVII
Os Maias - Capítulo XVII
 
Os Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVIOs Maias - Capítulo XVI
Os Maias - Capítulo XVI
 
Os Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XVOs Maias - Capítulo XV
Os Maias - Capítulo XV
 
Os Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIVOs Maias - Capítulo XIV
Os Maias - Capítulo XIV
 
Os Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIIIOs Maias - Capítulo XIII
Os Maias - Capítulo XIII
 
Os Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XIIOs Maias - Capítulo XII
Os Maias - Capítulo XII
 
Os Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XIOs Maias - Capítulo XI
Os Maias - Capítulo XI
 
Os Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo XOs Maias - Capítulo X
Os Maias - Capítulo X
 
Os Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IXOs Maias - Capítulo IX
Os Maias - Capítulo IX
 
Os Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIIIOs Maias - Capítulo VIII
Os Maias - Capítulo VIII
 
Os Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VIIOs Maias - Capítulo VII
Os Maias - Capítulo VII
 
Os Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VIOs Maias - Capítulo VI
Os Maias - Capítulo VI
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Os Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IVOs Maias - Capítulo IV
Os Maias - Capítulo IV
 
Os Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo IIIOs Maias - Capítulo III
Os Maias - Capítulo III
 
Os Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo IIOs Maias - Capítulo II
Os Maias - Capítulo II
 
Os Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo IOs Maias - Capítulo I
Os Maias - Capítulo I
 

Último

Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxColmeias
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioProfessor Belinaso
 

Último (20)

Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptxUm círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
Um círculo de Leitura Fada Oriana. Colmeias.pptx
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
3) A legislação brasileira prevê a proteção à educação e a sua divisão? Apont...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médioElementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
Elementos da Formação Social: sociologia no ensino médio
 

Frei Luís de Sousa - sistematização

  • 1. Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett Sistematização 1) Resumo Sintético O Frei Luís de Sousa é um drama (considerado também pelo autor uma tragédia antiga, ver mais à frente). Como drama que é está escrito em prosa e aborda muitos temas relacionados ao romantismo. Desenrola-se em três atos, divididos em cenas (cada ato muda o cenário; cada cena muda as personagens). 1.1) Primeiro ato - decorre no palácio de D. Manuel de Sousa Coutinho - O ambiente leve e exótico revela o estado de espírito da família (feliz no geral); - Inicia-se um ato com um excerto d’Os Lusíadas, mas precisamente o excerto de Inês de Castro, em que afirma que o amor cega e condena a alma ao sofrimento; este excerto é lido por D. Madalena de Vilhena, mulher de Manuel de Sousa Coutinho; - Telmo, o fiel escudeiro da família, entra em cena e ambos discutem sobre Maria, filha de D. Madalena e Manuel de Sousa Coutinho; - Os medos de D. Madalena em relação ao regresso do ex-marido (D. João de Portugal , que nunca regressou da batalha de AlcácerQuibir) refletem-se na proteção da sua filha em relação ao Sebastianismo (se D. Sebastião voltasse, o seu ex-marido também podia), um tema na altura muito discutido; - Maria é considerada muito frágil (doente; possui tuberculose não diagnosticada), e Telmo, que já fora escudeiro de D. João, incentiva-a a acreditar no Sebastianismo, o que ela abraça fortemente apesar do o desaprovar sua mãe; - Por fim chega com D. Manuel, um cavaleiro da nobreza, que informa as personagens da necessidade de movimentação daquela
  • 2. casa, porque os “governantes” (na altura Portugal estava sob o domínio espanhol) viriam e desejavam instalar-se em sua casa; - O ato acaba com D. Manuel a incendiar a sua própria casa, como símbolo de patriotismo, incendiando também um retrato seu (simboliza o inicio da destruição da família ), movendo-se a família para o palácio de D. João de Portugal (apesar dos agouros de D. Madalena). 1.2) Segundo Ato - decorre no palácio de D. João de Portugal - O ambiente fechado, sem janelas, com os quadros grandes das figuras de D. João, Camões e D. Sebastião revelam uma presença indesejada e uma família mais abatida (algo está para vir); - D. Madalena apresenta-se muito fraca; com a chegada de D. Manuel (que teve de fugir devido à afronta aos governantes) e a indicação de que estes o tinham perdoado, D. Madalena fica mais descansada, mas ao saber por Frei Jorge, um frei do convento dos Domínicos, que este terá que partir para Lisboa para se apresentar, fica de novo desassossegada; - D. Manuel parte para Lisboa na companhia de Maria e Telmo, deixando em casa D. Madalena e Frei Jorge; - Aparece um Romeiro que não se quer identificar ao princípio, mas dá indícios de ser D. João de Portugal, que voltaria exatamente 21 anos depois da batalha de Alcácer-Quibir (7 para procurar o corpo + 14 casamento de D. Madalena e D. Manuel); 1.3) Terceiro Ato - decorre na parte baixa do palácio de D. João de Portugal - Um ambiente muito fechado, representando a falta de saída da família que, caso o romeiro fosse D. João, estaria perante um casamento (D. Madalena e D. Manuel) e uma filha (D. Maria) ilegítimos (a morte era a única forma de “divórcio”); - O Romeiro encontra-se a sós com Telmo (que entretanto volta com Maria e D. Manuel) e este imediatamente reconhece o antigo amo, mas a sua lealdade não é certa (entre D. João e Maria, a sua nova
  • 3. ama apesar de ter criado ambos); o Romeiro pede-lhe que minta por ele, que diga que é um impostor, que salve a família (momento em que a audiência acredita que possa haver salvação); - Telmo vai pedir conselhos a Frei Jorge, que lhe diz que, se tem a certeza ser D. João, a verdade não deve ser escondida (mostra uma faceta obediente e inflexível desta personagem) - Por fim, não tendo outra salvação, Maria morre de desgosto (de ser filha ilegítima; de tuberculose) e os pais (D. Madalena e D. Manuel) vão para um convento (a religião como consolação), tornando-se D. Manuel, Frei Luís de Sousa. 2) Temas de Frei Luís de Sousa - Amor - como algo que cega; impossível de se sair feliz do amor; percetível da primeira cena; e ainda o amor entre Telmo e Maria e D. João, na fidelidade do escudeiro fiel; - Religião - apresenta-se como uma consolação, salvação; existem outros exemplos (como a soror Joana) que incitam a audiência a acreditar no final trágico da história; - Sebastianismo - o culto, quase religião, do mito sebastianismo, neste drama anunciado pelas bocas de Telmo e Maria, contra a vontade de D. Madalena; - Patriotismo - espelhado nas personagens de D. Manuel (“Há de saber-se que ainda há um português em Portugal”) e D. João de Portugal (que lutou pelo país ao lado do jovem rei); - Liberdade Individual - principalmente na personagem de D. Manuel, esta característica romântica (do período romântico) pode ser encontrada nas suas ações como o facto de ter incendiado a sua própria casa, não subversivo ao regime da época; independentemente do plano
  • 4. político ou social, o homem faz o que deseja, toma as suas próprias decisões. 3) Estrutura interna e externa da obra A obra Frei Luís de Sousa, em termos de estrutura externa está dividida em três atos (I, II e III; à semelhança dos dramas românticos, ver mais à frente) e em cenas dentro dos atos. Quanto à estrutura interna da obra dividimo-la em Exposição (ato I, cena I - ato 1 cena IV), Conflito (ato I cena V - ato III cena IX) e Desenlace (ato III cena X - ato III cena XII). 4) O Romantismo vs. Tragédia Clássica Na obra Frei Luís de Sousa, segundo indicado pelo próprio autor em Memória ao Conservatório Real, existem dois estilos facilmente identificáveis que convergem, o romantismo, do que são característicos os “dramas”, que se opõe ao realismo; e a tragédia clássica , que é trazida deste o tempo dos gregos, cuja principal característica se prende no facto de, sobre alguém que não tem culpa (não fez nada) cair uma tragédia (desgraça) de forma a que o público sinta o efeito de catarse (ver mais à frente). 4.1) Características Românticas na obra : - Escrito em prosa; - Dividido em três atos (I, II e III); - Presença (e exaltação) de sentimentos fortes nas personagens; - Exaltação do patriotismo, presente principalmente em D. Manuel e D. João; - Personagens “anjo”, especialmente em Maria (inteligente, perfeição); - A morte de Maria em palco; - A religião como consolo.
  • 5. 4.2) Características da Tragédia Clássica na obra : - A família condenada apesar de não ter culpa; - O erro de D. Manuel e D. Madalena em casar (sem saber se D. João estava morto), que se chama Hybris; - A catarse no fim, ou seja, a sensação da audiência que a sua vida pessoal não é tão má assim; - Os ambientes que mudam o estado de espírito que uma forma um tanto subtil; - Poucos espaços e personagens; - Os conflitos interiores de Madalena e Telmo, que se chama agón; - O reconhecimento de D. João de Portugal no Romeiro, que se chama anagnórisis; - O aparecimento de D. João e as suas consequências (casamento e filha ilegítimos), a que se chama peripécia; - O clímax, quando se reconhece o Romeiro (que também corresponde à anagnórisis); - O sofrimento das personagens ou o pathos, muito evidente em D. Madalena; - A catástrofe, que é a dissolução da família e a morte de Maria. 5) A Linguagem na obra A linguagem em Frei Luís de Sousa é no geral cuidada, encontramos léxico erudito, repleto de recursos estilísticos, interjeições e atos ilocutórios expressivos. A presença de muitas reticências representa algo mau, algo de que a personagem tem medo, com que esta está inquietada. As frases curtas conferem um tom incisivo nas partes em que são usadas. As repetições são muito frequentes e representam ansiedade, inquietação ou afeto, dependendo de quem as profere.
  • 6. 4.2) Características da Tragédia Clássica na obra : - A família condenada apesar de não ter culpa; - O erro de D. Manuel e D. Madalena em casar (sem saber se D. João estava morto), que se chama Hybris; - A catarse no fim, ou seja, a sensação da audiência que a sua vida pessoal não é tão má assim; - Os ambientes que mudam o estado de espírito que uma forma um tanto subtil; - Poucos espaços e personagens; - Os conflitos interiores de Madalena e Telmo, que se chama agón; - O reconhecimento de D. João de Portugal no Romeiro, que se chama anagnórisis; - O aparecimento de D. João e as suas consequências (casamento e filha ilegítimos), a que se chama peripécia; - O clímax, quando se reconhece o Romeiro (que também corresponde à anagnórisis); - O sofrimento das personagens ou o pathos, muito evidente em D. Madalena; - A catástrofe, que é a dissolução da família e a morte de Maria. 5) A Linguagem na obra A linguagem em Frei Luís de Sousa é no geral cuidada, encontramos léxico erudito, repleto de recursos estilísticos, interjeições e atos ilocutórios expressivos. A presença de muitas reticências representa algo mau, algo de que a personagem tem medo, com que esta está inquietada. As frases curtas conferem um tom incisivo nas partes em que são usadas. As repetições são muito frequentes e representam ansiedade, inquietação ou afeto, dependendo de quem as profere.