Frei luis de sousa

2.248 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.248
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
110
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Frei luis de sousa

  1. 1. Frei Luis de Sousa ( AlmeidaGarret )Drama – O drama pressupões uma acção menos tensa que o da tragédia, menosconcentrado numa crise, mais submetida à influência dos acontecimentos exteriores.Tragédia – poema dramático que desenvolve uma acção séria e completa, tirado dahistória, entre personagens ilustres com o fim de provocar na alma dos espectadores oterror e a piedade dados através do espectáculo da paixões luares em luta entre si oucontra o destinoElementos trágicos e dramáticos em frei Luís de Sousa:Trágicos: Tema – ilegitimidade de Maria ( adultério ) Personagens – n.º reduzidos e nobres Presságios – ( predestinação ) referida por parte de Maria e de Telmo em que irá acontecer uma tragédia Coro – Frei Jorge e Telmo ( fatalismo/ Destino = Madalena ) representa o papel de uma pecadora arrependida, pois amou Manuel de Sousa Coutinho na presença de D. João de Portugal. Acredita que o destino trará uma tragédia . Qualquer acção será irremediável ( predestinação – fatalismo ). Estrutura Efeitos catárticos – piedade e terrorDrama: A peça é escrita em prosa.Espaço:O espaço vai-se reduzindo.África - Europa – Portugal - Lisboa - Alfeite - Almada - I palácio – II palácioTempo :O tempo vai-se reduzindo também, fechando-se dramaticamente em unidades cada vezmais curtas.1578 – Madalena casa com D. João. Madalena conhece M. de Sousa.1578 e 1585 – Madalena procura assegurar-se da morte de D. João1585 e 1599 – Madalena casa com M. de Sousa.1598 a 1599 ( 1 ano ) – D. João é libertado dirige-se para Portugal
  2. 2. 28 dejulho a 4 de Agosto ( 8 dias ) – Madalena vive de novo no palácio de D. João.Agosto (3 dias ) – D. João apressa-se para chegar4 de Agosto ( hoje ) – é um dia fatal para MadalenaDivisão da peça : 3 actos escritos em prosa: 1 acto - Do início até ao incêndio do palácio de Manuel de Sousa Coutinho. 2 acto – Até à chegada do Romeiro 3 acto – Até à morte de MariaPersonagens:Manuel de Sousa Coutinho – Segundo marido de madalena; pai de Maria; teme que D.João possa regressar ( ideia inconfessada ); que a saúde débil de sua filha progrida parauma doença grave ; decidido, patriota ( incendeia o seu palácio porque este iria serocupado pelos governadores espanhóis; sofre, sente remorsos ao pensar na cruelsituação em que ficara a sua querida Maria; Amor paternal.D . João de Portugal – Casado com Madalena, mas desaparecido na batalha de AlcácerQuibir; austero; sentimento amoroso por Madalena; sonhador; crente ( quando pensa,por momentos, que Madalena o ama ).Dona Madalena – suporte viuva de D. João de Portugal; casa com Manuel de S.Coutinho; nasce Maria, filha de Manuel; Angustia em relação à situação insegura do seucasamento; remorso por ter gostado de Manuel de S. enquanto era ainda casada com D .João; Inquietação em relação a Manuel de Sousa e a Maria; Insegurança e hesitação;profunda, feminina; mulher p/ lágrimas e para o amor, ela sofre e sofrerá sempre,porque a dúvida não a deixará ser feliz; perfil romântico; solidão.Maria de Noronha – Filha de D. Madalena e D. João; amor filial, curiosidade; sonho,fantasia, idealismo, filha fatal, adolescente fantasista, sebastianista por influência deTelmo, adivinhava " lia nos olhos e nas estrelas " ; sempre febril, cresceu de repente,criança precoce; gosto pela aventura, frágil, alta, magra, faces rosadas, patriota,intuitiva, inteligente.Telmo Pais – escudeiro de família dos condes vimioso, sofre pela volta de D. João, poisesta tirará a tranquilidade da sua " menina " ; sofre porque é forçado a ver o seu velhoamo como um intruso que nunca deveria ter vindo. Por amor a Maria, dispõe-se adeclarar o Romeiro como um impostor; confessor das personagens femininas; o coro datragédia, sádico, fiel, confiante, desentendido, supersticioso, sebastianista, humilde,enorme sabedoria.A crença do sebastianismo:O mito do sebastianismo está espalhado por toda a obra. Logo no início, Madalenaafirma a Telmo "..mas as tuas palavras misteriosas, as tuas alusões frequentes a esse
  3. 3. desgraçado rei de D. Sebastião, que o seu mais desgraçado povo ainda quis acreditasseque morresse, por quem ainda espera em sua leal incredulidade ! "No sebastianismo, como ele é representado no Frei Luís de Sousa, por Telmo e Maria,reside somente a crença em que o rei ao voltar conduzira a uma época mundial dodireito e da grandeza, a qual será última no plano de salvação dos Homens.Cena I à IV – localização das personagens no tempoActo 1 Cena V à VIII – preparação da acção para o que se ai passar a seguirCena IX à XII – o IncêndioA obra de Frei Luís de Sousa é ambas tragédia e drama, é tragédia pelo conteúdo dotexto e é drama pela forma.Cena 1 – solução adoptadaActo 3 até à 10º cena temos a preparação do desenlace.Cena 11 até à 12º temos o desenlace com morte de Maria em palcoActo 3:Cena 1 – Manuel debate-se com um dilema enorme, a doença de filha, a ilegitimidade.Maria ficava ilegítima cheia de infâmia tal e qual como Garret.Sempre que alguém pergunta a D. João quem ele é, ele respondeespontaneamente"ninguém", este ninguém significa que D. João de Portugal já nãotinha Pátria, não tinha família, não tinha lugar na sociedade, não tinha o seu palácio,pois perdeu-o .A tragédia clássica:A todo o sistema de forças, que comprime e pesa sobre a liberdade individual, ocidadão, o homem opõe o seu vivo protesto e lança um desafio ( hybris ).À hybris responde a vingança, a punição, o ressentimento, uma espécie de ciúme feridopela corajosa atitude assumida pelo homem – a nemesis divina.
  4. 4. O coro actua como um trovão ao ímpeto libertário do indivíduo aconselhado amoderação, o comedimento, a serena contenção, e traduz as ideias e os sentimentos damédia humana. Os acontecimentos desenrolam-se segundo as cotas das personagens eos logros do destino, de necessidade do fatum; encadeiam-se uns nos outro se, porvezes, precipitam a acção no seu curso através de peripécias ( acontecimentos ), queacabam por voltar o rumo do drama em sentido inesperado ( catástrofe ). Esta mudançabrusca é muitas vezes levada a cabo por um reconhecimento ( agnórise ) de laçosparentescos até então insuspeitos.As consequências patéticas, avolumam-se num crescendo inquietante ( climax ), até seresolver numa reviravolta brusca e brutal dos acontecimentos – a catástrofe.Espectador e acção dramática:O agenciamento da acção dramática da tragédia visava a exibição das consequências (pathos ) do descomedimento humano de modo a sugerir no espectador o temor religiosoou sua simpatia.Sebastianismo:O mito do sebastianismo está espalhado por toda a obra. No sebastianismo, como ele é representado nofrei Luís de Sousa, por Telmo e Maria, reside somente a crença em que o rei ao voltar conduzirá a umaépoca mundial do direito e da grandeza, a qual será a última no plano de salvação dos Homens.

×