SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
A influência da hereditariedade
e do meio no desenvolvimento
Genética
Hereditariedade e meio
• a importância do papel que a hereditariedade e o meio têm na
determinação das características biológicas e comportamentais tem
variado ao longo do tempo
• houve correntes que deram maior importância à hereditariedade
e outras ao meio
• distingue-se hereditariedade específica e hereditariedade
individual
Genética
Hereditariedade específica - informação
genética responsável pelas características
da espécie
Hereditariedade individual - informação
genérica responsável pelas características
que tornam uma pessoa diferente de todas
as outras
Genética
A mesma hereditariedade específica,
diferente hereditariedade individual
Hereditariedade
Genética
Específica
comum a todos os seres
humanos
distingue-nos de todos os
animais
torna-nos Humanos
Individual
exclusiva de cada indivíduo
distingue-nos de todos os
outros seres humanos
torna-nos únicos
Para esclarecermos a relação entre hereditariedade e meio
distinguimos:
genótipo
• conjunto de características que um indivíduo recebe
por transmissão genética
• é a informação genética de cada individuo presente
no ovo
fenótipo
• características físicas e psicológicas manifestadas
por um indivíduo
• resulta da combinação do genótipo e da influência
do meio
O genótipo e o fenótipo
Genética
“A um único genótipo corresponde um
sem número de fenótipos potenciais”
Daí a importância das condições do
meio: físico, económico, social e afetivo
Genética
• as potencialidades genéticas estão em
interação com o meio desde a conceção
• esta interação pode ser positiva ou
negativa
• a ingestão de álcool, drogas e substâncias
tóxicas, doenças, a má nutrição ou
determinados estados emocionais podem
afetar negativamente o desenvolvimento
do feto
meio intra-uterino
A influência do meio no desenvolvimento
Genética
As condições do meio em que estas duas crianças vivem definirão muito do seu futuro
meio ambiente
A influência do meio no desenvolvimento
Todas as condições do ambiente físico, económico, social
e afetivo decidem em grande parte o que uma pessoa é
Genética
Para conhecer a relação hereditariedade e do meio recorre-se, entre
outros, ao estudo:
• das crianças selvagens
Genética
• dos gémeos verdadeiros
Genética
SER HUMANO
Hereditariedade
específica
Hereditariedade
indidivual
Programa
genético
Genótipo
Fenótipo
Meio
Intra-uterino
Meio natural
e social
Programa genético aberto
O ser humano não está determinado por um programa que define
o seu desenvolvimento e comportamento
o que é uma vantagem porque tem que se adaptar inventando
soluções (para enfrentar o frio produziu as roupas, casas, aquecimento, etc.)
Genética
Um ser inacabado
Ao nascer o ser humano é de todos os animais aquele que nasce
com menos capacidade para sobreviver sozinho
Os animais vêm dotados de um programa genético fechado
• a sua evolução está pré-determinada
• todos os elementos da mesma espécie apresentam as mesmas
características comportamentais
Genética
Todos os leões e todas as tartarugas apresentam desenvolvimento e comportamentos
iguais a todos os elementos da sua espécie
Genética
O ser humano é um ser prematuro
depende dos cuidadores para sobreviver durante muito tempo
(a infância humana é muito longa)
é um ser biologicamente inacabado
Genética
neotenia
O cérebro continua a evoluir depois do nascimento (cerebralização)
Só cerda dos 20 anos o ser humano atinge o pleno desenvolvimento
físico
- Infância e adolescência longas
Vantagens do inacabamento biológico
O ser humano compensa com a aprendizagem esta “desvantagem”
biológica
Tem de produzir, criar condições para sobreviver e adaptar-se ao
meio
Cria cultura que transmite de geração em geração
Genética
Genética
Programa genético
(programação biológica básica)
Capacidade e
competências não
desenvolvidas
Cérebro
incompleto
• Inacabado
• Prematuro
• Não especializado
• Imaturo
Prolongamento
biológico da
infância e
adolescência
Versatilidade e
plasticidade adaptativa
Desenvolvimento
através da aprendizagem
Cerebralização
(desenvolvimento lento)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Preformismo e Epigénese
Preformismo e Epigénese Preformismo e Epigénese
Preformismo e Epigénese
Sara Afonso
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
Jorge Barbosa
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
psicologiaazambuja
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
Olena Kolodiy
 

Mais procurados (20)

O amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do ConventoO amor em Memorial do Convento
O amor em Memorial do Convento
 
A aprendizagem
A aprendizagem A aprendizagem
A aprendizagem
 
Preformismo e Epigénese
Preformismo e Epigénese Preformismo e Epigénese
Preformismo e Epigénese
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
 
Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Processos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - ResumoProcessos Cognitivos - Resumo
Processos Cognitivos - Resumo
 
AS EMOÇÕES
AS EMOÇÕESAS EMOÇÕES
AS EMOÇÕES
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAno
 
As leis da perceção
As leis da perceçãoAs leis da perceção
As leis da perceção
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
Perceção e cultura
Perceção e culturaPerceção e cultura
Perceção e cultura
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Psicologia B
Psicologia  BPsicologia  B
Psicologia B
 

Semelhante a Hereditariedade e meio

Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações PrecocesGenética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Arnaldo Parente
 
T a g (thyago andrey geovanny)
T a  g      (thyago andrey geovanny)T a  g      (thyago andrey geovanny)
T a g (thyago andrey geovanny)
EvertonAlvesdeMelo
 
Trabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milenaTrabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milena
milenaespindola
 
Trabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milenaTrabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milena
milenaespindola
 
Genética do comportamento
Genética do comportamento Genética do comportamento
Genética do comportamento
Hemilly Rayanne
 
Genética, Cérebro e Cultura 1
Genética, Cérebro e Cultura 1Genética, Cérebro e Cultura 1
Genética, Cérebro e Cultura 1
Jorge Barbosa
 
aulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.ppt
aulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.pptaulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.ppt
aulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.ppt
LeilaneCoutinhoProfL
 

Semelhante a Hereditariedade e meio (20)

2 genotipo e fenotipo e gémeos
2   genotipo e fenotipo e gémeos2   genotipo e fenotipo e gémeos
2 genotipo e fenotipo e gémeos
 
Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações PrecocesGenética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
 
T a g (thyago andrey geovanny)
T a  g      (thyago andrey geovanny)T a  g      (thyago andrey geovanny)
T a g (thyago andrey geovanny)
 
Genética 013 ff
Genética 013 ffGenética 013 ff
Genética 013 ff
 
O desenvolvimento humano
O desenvolvimento humanoO desenvolvimento humano
O desenvolvimento humano
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
Noções gerais de genética
Noções gerais de genéticaNoções gerais de genética
Noções gerais de genética
 
Trabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milenaTrabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milena
 
Trabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milenaTrabalho de ciencias milena
Trabalho de ciencias milena
 
Genética do comportamento
Genética do comportamento Genética do comportamento
Genética do comportamento
 
Reprodução 7º ano
Reprodução 7º anoReprodução 7º ano
Reprodução 7º ano
 
Genética, Cérebro e Cultura 1
Genética, Cérebro e Cultura 1Genética, Cérebro e Cultura 1
Genética, Cérebro e Cultura 1
 
Psicologia Inacabamento Biológico 12 ano
Psicologia Inacabamento Biológico 12 anoPsicologia Inacabamento Biológico 12 ano
Psicologia Inacabamento Biológico 12 ano
 
CRESCER IN FOCO CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATU...
CRESCER IN FOCO CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATU...CRESCER IN FOCO CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATU...
CRESCER IN FOCO CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATU...
 
CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATURA ALTA NOS FILHOS
CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATURA ALTA NOS FILHOSCARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATURA ALTA NOS FILHOS
CARACTERÍSTICAS GENÉTICAS PATERNAS ALTAS NÃO SIGNIFICA ESTATURA ALTA NOS FILHOS
 
aulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.ppt
aulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.pptaulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.ppt
aulahereditariedadeprimeirasérieensinomédiosãopaulo.ppt
 
57976.ppt
57976.ppt57976.ppt
57976.ppt
 
Desenvolvimento humano
Desenvolvimento humanoDesenvolvimento humano
Desenvolvimento humano
 
Aula 21 e_22
Aula 21 e_22Aula 21 e_22
Aula 21 e_22
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 

Último

Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
anapsuls
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Hereditariedade e meio

  • 1. A influência da hereditariedade e do meio no desenvolvimento Genética
  • 2. Hereditariedade e meio • a importância do papel que a hereditariedade e o meio têm na determinação das características biológicas e comportamentais tem variado ao longo do tempo • houve correntes que deram maior importância à hereditariedade e outras ao meio • distingue-se hereditariedade específica e hereditariedade individual Genética
  • 3. Hereditariedade específica - informação genética responsável pelas características da espécie Hereditariedade individual - informação genérica responsável pelas características que tornam uma pessoa diferente de todas as outras Genética A mesma hereditariedade específica, diferente hereditariedade individual
  • 4. Hereditariedade Genética Específica comum a todos os seres humanos distingue-nos de todos os animais torna-nos Humanos Individual exclusiva de cada indivíduo distingue-nos de todos os outros seres humanos torna-nos únicos
  • 5. Para esclarecermos a relação entre hereditariedade e meio distinguimos: genótipo • conjunto de características que um indivíduo recebe por transmissão genética • é a informação genética de cada individuo presente no ovo fenótipo • características físicas e psicológicas manifestadas por um indivíduo • resulta da combinação do genótipo e da influência do meio O genótipo e o fenótipo Genética
  • 6. “A um único genótipo corresponde um sem número de fenótipos potenciais” Daí a importância das condições do meio: físico, económico, social e afetivo Genética
  • 7. • as potencialidades genéticas estão em interação com o meio desde a conceção • esta interação pode ser positiva ou negativa • a ingestão de álcool, drogas e substâncias tóxicas, doenças, a má nutrição ou determinados estados emocionais podem afetar negativamente o desenvolvimento do feto meio intra-uterino A influência do meio no desenvolvimento Genética
  • 8. As condições do meio em que estas duas crianças vivem definirão muito do seu futuro meio ambiente A influência do meio no desenvolvimento Todas as condições do ambiente físico, económico, social e afetivo decidem em grande parte o que uma pessoa é Genética
  • 9. Para conhecer a relação hereditariedade e do meio recorre-se, entre outros, ao estudo: • das crianças selvagens Genética • dos gémeos verdadeiros
  • 11. Programa genético aberto O ser humano não está determinado por um programa que define o seu desenvolvimento e comportamento o que é uma vantagem porque tem que se adaptar inventando soluções (para enfrentar o frio produziu as roupas, casas, aquecimento, etc.) Genética Um ser inacabado Ao nascer o ser humano é de todos os animais aquele que nasce com menos capacidade para sobreviver sozinho
  • 12. Os animais vêm dotados de um programa genético fechado • a sua evolução está pré-determinada • todos os elementos da mesma espécie apresentam as mesmas características comportamentais Genética Todos os leões e todas as tartarugas apresentam desenvolvimento e comportamentos iguais a todos os elementos da sua espécie Genética
  • 13. O ser humano é um ser prematuro depende dos cuidadores para sobreviver durante muito tempo (a infância humana é muito longa) é um ser biologicamente inacabado Genética neotenia O cérebro continua a evoluir depois do nascimento (cerebralização) Só cerda dos 20 anos o ser humano atinge o pleno desenvolvimento físico - Infância e adolescência longas
  • 14. Vantagens do inacabamento biológico O ser humano compensa com a aprendizagem esta “desvantagem” biológica Tem de produzir, criar condições para sobreviver e adaptar-se ao meio Cria cultura que transmite de geração em geração Genética
  • 15. Genética Programa genético (programação biológica básica) Capacidade e competências não desenvolvidas Cérebro incompleto • Inacabado • Prematuro • Não especializado • Imaturo Prolongamento biológico da infância e adolescência Versatilidade e plasticidade adaptativa Desenvolvimento através da aprendizagem Cerebralização (desenvolvimento lento)