Lição 1 (jovens) - Fundamentos bíblicos para relacionamentos saudáveis

2.202 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.202
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
140
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 1 (jovens) - Fundamentos bíblicos para relacionamentos saudáveis

  1. 1. L I Ç Õ E S B Í B L I C A S D E J O V E N S - 4 º T R I M 2 0 1 5 P r. N a t a l i n o d a s N e v e s www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  2. 2. Acompanhe os comentários em vídeo desta e outras lições no blog: www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  3. 3. Texto do dia "Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!" (Sl 133.1)
  4. 4. síntese A base de todos os relacionamentos cristãos saudáveis está na comunhão e unidade da própria Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo.
  5. 5. LEITURA BÍBLICA Gn 2.18-24 18. E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele. 19. Havendo, pois, o Senhor Deus formado da terra todo animal do campo e toda ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome. 20. E Adão pôs os nomes a todo o gado, e às aves dos céus, e a todo animal do campo; mas para o homem não se achava adjutora que estivesse como diante dele. 21. Então, o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas e cerrou a carne em seu lugar.
  6. 6. 22. E da costela que o Senhor Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão. 23. E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos e carne da minha carne; esta será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. 24. Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne. LEITURA BÍBLICA Gn 2.18-24
  7. 7. INTRODUÇÃO
  8. 8. INTRODUÇÃO • O ser humano é um ser social. • Vivemos numa comunidade global, formada por pessoas de etnias e culturas diferentes. • Nessa lição, estudaremos os fundamentos bíblicos para a vida em comunidade e para os relacionamentos saudáveis.
  9. 9. I - DEUS VIU QUE NÃO É BOM QUE O HOMEM VIVA SOZINHO (Gn 2.18)
  10. 10. 1. Relacionamento com Deus: a imagem divina (1.26): • O ser humano foi criado à “imagem e semelhança de Deus” (1.26). • Deus o criou com possibilidade de comunicação com o Criador. • Deus está sempre disposto a se relacionar com o ser humano. • Deus não faz acepção de pessoas. I - DEUS VIU QUE NÃO É BOM QUE O HOMEM VIVA SOZINHO (Gn 2.18)
  11. 11. 2. Relacionamento com a criação: • tudo que existe foi criado por Deus. • as coisas criadas refletem a divindade (Dt 4.15-19; Rm 1.20- 23) • Tudo é criação de Deus, mas somente ele é Deus e Senhor! • criou livre e amorosamente todas as coisas e as entregou ao cuidado do ser humano (Gn 1.26, 28; 2.15). • o ser humano é responsável pelo maneira como se relaciona com as coisas criadas. I - DEUS VIU QUE NÃO É BOM QUE O HOMEM VIVA SOZINHO (Gn 2.18)
  12. 12. 3. Relacionamento com o outro - identidade e solidariedade (Gn 2.18-25): • O Senhor afirma que "não é bom que o homem esteja só" (Gn 2.18). • A comunhão com o Criador (dimensão espiritual) e com a criação (dimensão física e imanente) não é suficiente para o ser humano. • A dimensão interpessoal e afetiva (o outro) complementa as duas anteriores. • a identidade do sujeito: o eu (si) - o que sou - e o outro - o que não sou. I - DEUS VIU QUE NÃO É BOM QUE O HOMEM VIVA SOZINHO (Gn 2.18)
  13. 13. 3. Relacionamento com o outro - identidade e solidariedade (Gn 2.18-25): • "o que sou“: • sujeito da própria vida (rejeitando a dominação, a escravidão - autonomia); • Autonomia para escolher (rejeitando a manipulação - liberdade); • Desenvolvimento do modo próprio de ser pessoa (rejeitando a coisificação e instrumentalização - sujeito). • "o outro“: aquilo que desejo para mim (autonomia, liberdade, condição de sujeito) seja também direito do outro, numa relação solidária. I - DEUS VIU QUE NÃO É BOM QUE O HOMEM VIVA SOZINHO (Gn 2.18)
  14. 14. Pense A imagem de Deus capacita-nos a viver plenamente com Deus, a distinguir-se da criação e a entender o próximo. Como valorizamos a imagem de Deus em nós?
  15. 15. II - FUNDAMENTOS DOS RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS (Rm 12.9-21)
  16. 16. 1. Amor fraterno (Rm 12.10): • a principal base de todo relacionamento saudável é o amor fraterno (aceitação e respeito). • interpessoal, que valoriza as qualidades, respeita as diferenças e suporta as fragilidades. • capaz de se alegrar com as conquistas do outro, e de se entristecer com o infortúnio alheio (Rm 12.15). • não existe qualquer amizade verdadeira (1 Pe 3.8) que subsista sem ele (1 Ts 4.9). • desenvolve-se inicialmente na família. II - FUNDAMENTOS DOS RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS (Rm 12.9-21)
  17. 17. 1. Amor fraterno (Rm 12.10): • O relacionamento interpessoal externo à família pode se tornar mais significativo do que os laços familiares (Pv 17.17; 18.24). • pode levar até ao sacrifício (Fp 2.19-30; 4.18), pois a base dele é o amor agápico (1 Ts 4.9). II - FUNDAMENTOS DOS RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS (Rm 12.9-21)
  18. 18. 2. Amor agápico (Jo 13.34): • Este é o amor com que Deus ama-nos (Jo 3.16; 15.13; 1 Jo 4.10). • Devemos "amar o próximo como a nós mesmos" (Mt 22.39). Amar os outros como Cristo nos amou (Jo 15-12). • O perigo de tal amor pode sucumbir ao egoísmo, e aos interesses pessoais. • Exemplos deste amor: 1 Co 13.1-13; Fp 2.5-11 e 2 Co 8.9. II - FUNDAMENTOS DOS RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS (Rm 12.9-21)
  19. 19. 2. Amor agápico (Jo 13.34): • esse amor se expressa por inteiro somente na Pessoa do Pai (1 Jo 4.8,16), do Filho (Ef 3.19) e do Espírito Santo (Rm 15.30; ver 2 Co 13.13). 3. Amor agápico ordenado por Jesus: • com a busca do ser humano e o auxílio do ser humano é possível desenvolver esse amor na caminhada da fé (Rm 5.5; Jo 13.35). • Embora o amor agápico não se apresente em sua plenitude nas limitações humanas, em Cristo, o cristão deve buscar esse alvo (Jo 13.34). II - FUNDAMENTOS DOS RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS (Rm 12.9-21)
  20. 20. 3. Amor agápico ordenado por Jesus: • Esse amor agápico é uma ordenança e a identidade (1 Jo 4.7- 13) mediante a qual o mundo conhece os discípulos de Cristo (Jo 13.35). • Esse amor é incondicional (1 Jo 4.10; Jo 3.16). • Os relacionamentos entre os filhos de Deus devem superar suas diferenças e inquietações (1 Jo 4.16-21). II - FUNDAMENTOS DOS RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS (Rm 12.9-21)
  21. 21. Pense O amor frater nal e o agápico são a essência dos relacionamentos saudáveis e frutíferos. O que implica a falta deles em nós?
  22. 22. III - PRINCÍPIOS PARA SE ESTABELECER RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS
  23. 23. 1. Respeito (1 Tm 2.2 [ARA]): • valor moral necessário ao convívio saudável e harmônico. • reconhecimento dos direitos do próximo: à vida, à felicidade; ao trabalho; ao culto; à livre expressão de ideias. • no mundo globalizado e multicultural de hoje, o respeito é uma necessidade para a boa convivência. • Nenhum relacionamento saudável subsiste sem respeito mútuo (Rm 13.7; Ef 5.33; 1 Tm 3.8; Tt 2.2 -ARA). III - PRINCÍPIOS PARA SE ESTABELECER RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS
  24. 24. 2. Ética (Êx 20; Mt 5-7; 2 Tm 3.16): • a ética refere-se às normas de conduta sob as quais a sociedade e o indivíduo vivem. • Todavia, a base da ética cristã não são os costumes sociais, mas o caráter santo e misericordioso de Deus, os ensinos de Jesus, e as Escrituras. • Estes fundamentam a vida e os relacionamentos saudáveis dos cristãos. III - PRINCÍPIOS PARA SE ESTABELECER RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS
  25. 25. • Alteridade (Lc 6.36,37): • O ser humano é um ser social! Ele vive em comunidade e interage com o outro, que lhe é diferente. • Isto cria uma relação de interdependência e solidariedade, que são necessárias ao desenvolvimento pessoal e coletivo do ser humano. • Por meio da alteridade a pessoa se coloca no lugar da outra, procurando entendê-la, respeitando as diferenças que existem entre ambas. III - PRINCÍPIOS PARA SE ESTABELECER RELACIONAMENTOS SAUDÁVEIS
  26. 26. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  27. 27. CONSIDERAÇÕE S FINAIS1. O relato da criação já demonstra que o ser humano é um ser social e depende do relacionamento com Deus, a criação e o outro. 2. O fundamento para relacionamentos saudáveis é o amor fraterno e agápico. 3. Os princípios para relacionamentos saudáveis são: respeito, ética e alteridade. .
  28. 28. REFERÊNCIAS PALMER, M.D. Panorama do Pensamento Cristão. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p. 305 COLSON, C. E, Agora como Viveremos? 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2000. RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.

×