Lição 6 (jovens)- Relacionamento sentimental

15.687 visualizações

Publicada em

Assista ao vídeo referente a este arquivo de slides no meu blog:

http://goo.gl/PPDRnr

Subsídios elaborados pelo Pr. Natalino das Neves
Programa Escola Dominical na WEBTV.
IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Pr. Presidente: Ival Teodoro da Silva
Pr. Vice Presidente: Elson Pereira

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.687
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13.161
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
153
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 6 (jovens)- Relacionamento sentimental

  1. 1. 4 º T R I M 2 0 1 5
  2. 2. Acompanhe os comentários em vídeo desta e outras lições no blog: www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  3. 3. Texto do dia "[...] O solteiro cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor." (1 Co 7.32b)
  4. 4. síntese Relacionamentos corretos e saudáveis são bênçãos do Senhor sobre o cristão que decide agradar a Deus ainda jovem
  5. 5. Agenda de Leitura S E G U N DA - G n 2 . 1 8 - 2 4 O c a s a m e n t o i n s t i t u í d o p o r D e u s T E R Ç A - 1 C o 7 . 2 5 - 3 6 Re c o m e n d a ç õ e s a o s j ove n s s o l t e i r o s Q UA R TA - P v 3 0 . 1 8 , 2 0 O m i s t é r i o d o e n c o n t r o Q U I N TA - 2 S m 1 3 O s d e s at i n o s d a p a i x ã o d o e n t i a e p e c a m i n o s a S E X TA - C t 7 . 6 , 7 O ve r d a d e i r o a m o r e n t r e h o m e m e m u l h e r S Á BA D O - 1 C o 6 . 1 8 - 2 0 F u g i r d e t o d a i m p u r e z a
  6. 6. Texto bíblico1 Coríntios 13.1-7 1. Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. 2. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. 3. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. 4. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece, 5. não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; 6. não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; 7. tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
  7. 7. INTRODUÇÃO
  8. 8. INTRODUÇÃO • Crise de identidade, agravada pela falta de maturidade e responsabilidade afetiva. • Modelos disseminados pelas novelas, filmes e revistas sobre a vida dos famosos. • Nesta lição estudaremos a respeito dos relacionamentos afetivos corretos e bíblicos.
  9. 9. I - "O AMOR É LINDO!" (1 Co 13)
  10. 10. 1. Os sentimentos constituem o ser (Fp 2.2,5; 3.15,16): • O ser humano foi criado por Deus constituído de um conjunto de sentimentos saudáveis e corretos que espelhavam a natureza santa do próprio Senhor (Gn 1.26-28; 2.18-25). • Dimensionado pelo modelo do amor de Deus, um reflexo da imagem de Deus em si. • Deste modo, o homem estava perfeitamente integrado ao Criador, consigo mesmo, o outro e com a criação. • Seus sentimentos expressavam essa harmoniosa relação I - "O AMOR É LINDO!" (1 Co 13)
  11. 11. 2. A corrupção dos sentimentos (Rm 1.18-32): • O pecado trouxe a culpa, vergonha, egoísmo, desconfiança e o medo para o ser humano (Rm 5.12; Gn 3.6,10-13). • Afastados voluntariamente de Deus (Rm 3.23) e mutilados em seu caráter, personalidade e sentimentos (Rm 1.18-32). • Somente retornando a Deus por meio de Cristo (Cl 1.15; Rm 8.29; Hb 1.3), o ser humano pode refletir o caráter e sentimentos originários em Deus e Cristo (Ef 4.24; 2 Co 3.18; 2.14-16; Rm 5.12-21; 1 Co 1.30-31). I - "O AMOR É LINDO!" (1 Co 13)
  12. 12. 3. Maturidade afetiva (1 Co 13; Ef 5.1- 6.9): • A dimensão afetiva no ser humano perpassa toda sua existência, seja biológica, seja psíquica ou espiritual (1 Ts 5.23). • Todo o ser é afetado pela dimensão afetiva. • Deste modo, o amor deve animar e guiar todos os relacionamentos, principalmente os sentimentais (1 Co 13.7). • É o amor que nos conduz à maturidade de nossas emoções, sentimentos e relacionamentos corretos (1 Co 13.4-5). Ele nunca falha (v.8). I - "O AMOR É LINDO!" (1 Co 13)
  13. 13. Pense Na criação, os sentimentos do homem refletiam a perfeição divina. Ponto importanteOs cristãos, regenerados em Cristo, devem refletir a imagem de Cristo.
  14. 14. II - APAIXONADO, NÃO ILUDIDO (Rm 14.13; 2 Tm 2.22)
  15. 15. 1. Paixão e razão (2 Sm 13): • A paixão se caracteriza por um forte sentimento que se manifesta na pessoa pelo desejo irrefreável de algo. • Em si mesma e em boa medida ela não é prejudicial. • Todavia, tende a ser egoísta, coisificar e instrumentalizar o outro, como no caso de Amnom (2 Sm 13). • Fatores bioquímicos explicam a euforia, o humor, ansiedade e obsessão e a tendência de se perder a razão por causa da atração (Gn 38.14-19; Jz 14.1-3). • Por isso, atender as orientações paternas ajuda a equilibrar as emoções (Pv 4.1-10). II - APAIXONADO, NÃO ILUDIDO (Rm 14.13; 2 Tm 2.22)
  16. 16. 2. Os desatinos da paixão pecaminosa (2 Sm 13; 1 Ts 4.5): • Amnom estava obcecado (forte afeto emocional e ao desejo sexual desenfreado ) por Tamar, sua meia-irmã (v.1-14). • Nesse sentido, a paixão é considerada pecado (1 Ts 4.5). Como no caso de Amnon o resultado é tragico: • A angústia de Amnon (v.2) traduz o "aperto" e "aflição" psicológicos pela impossibilidade de obter Tamar (v.2); • A trama hedionda incluía dissimulação, fingimento, mentira (v.5) e a preparação de bolos em formato de coração (v.6). • Depois de cumprir seu intento contra a vontade da jovem, ele a desprezou (vv.15-16, 22). II - APAIXONADO, NÃO ILUDIDO (Rm 14.13; 2 Tm 2.22)
  17. 17. 3. Discernindo o amor e suas formas (1 Co 13): • Nem sempre é fácil discernir o amor verdadeiro de uma mera atração, da paixão, da amizade ou do desejo. • Isto, porque em um relacionamento sentimental existe a presença de cada um deles. Vejamos: • Philia - designa a amizade sincera, na qual age o amor interpessoal e o respeito de uma pessoa para com a outra (Hb 13.1). É um amor que exige reciprocidade, mas na qual também atua o interesse pelas qualidades da outra. Tem estreita relação, embora distinto, com storge - a afeição natural entre membros de um núcleo familiar. II - APAIXONADO, NÃO ILUDIDO (Rm 14.13; 2 Tm 2.22)
  18. 18. • Eros - refere-se ao amor como desejo, na qual pode estar presente ou não o "desejo sexual". Entendido corretamente, eros não é por si mesmo pecaminoso (Gn 26.8; Ct 4). Contudo é prejudicial quando egoísta e desregrado, quando coisifica e instrumentaliza a outra pessoa (2 Sm 13; Gl 5.19; Pv 7.6-27). • Ágape - trata-se do amor com que Deus ama, sendo Ele próprio Amor (1 Jo 4.16-21). É o amor sacrifical de Cristo (Jo 15.13; 2 Co 5.14) e o novo mandamento (Jo 15.12). O cristão vive esse amor de modo imperfeito, pois somente o amor de Cristo é completamente gratuito e perfeito (Ef 3.19). • Dimensões do amor necessárias, mas devem coexistir em equilíbrio para o fortalecimento das relações sentimentais verdadeiras e sinceras. II - APAIXONADO, NÃO ILUDIDO (Rm 14.13; 2 Tm 2.22)
  19. 19. Pense O amor deve ser vivido em suas dimensões afetivas: "philia", "eros" e "ágape". Ponto importanteO amor "eros" tende a coisificar e instrumentalizar o outro, cuidado!.
  20. 20. III - CORAÇÃO PARTIDO, ESPERANÇAS DESPEDAÇADAS (Mt 7.9-11)
  21. 21. 1. Atração fatal (Pv 7.6-27; 2 Sm 13; Jz 16): • Sentir-se atraído pelo sexo oposto faz parte da constituição humana e, corretamente entendido, é saudável e necessário (Gn 2.24; Pv 30.18,19). • Porém, encontros sexuais e sentimentais mediados pela internet têm sido "rede de pecado", e "laço de morte" para os jovens (Pv 13.14). • Não são poucos aqueles que tiveram seus corações partidos e as esperanças despedaçadas.. • Fuja de toda forma de impureza sexual! (1 Co 6.18-20; 1 Tm 3.7; Sl 116.3; 141.9). III - CORAÇÃO PARTIDO, ESPERANÇAS DESPEDAÇADAS (Mt 7.9-11)
  22. 22. 2. Reconstruindo o coração partido (2 Sm 13.19-22; Pv 18.19): • Reconstruir um coração partido não é imediato. Dependendo do caso, requer ajuda especializada. • Portanto, é melhor prevenir-se contra relacionamentos ruins e esperar no Senhor (Sl 42.5; 43.5). • Exemplo de Tamar: humilhada, rejeitada e ferida (v.19 ver 2 Sm 14.27). • Alguns ingredientes para avolumar os romances, na vida que é real causam decepções, tristezas e infindáveis desgostos. • Jovem, fique atento! III - CORAÇÃO PARTIDO, ESPERANÇAS DESPEDAÇADAS (Mt 7.9-11)
  23. 23. 3. Propósitos para além de um relacionamento: • Muitos jovens cristãos estão decididos a se casarem, ao preço de suas vidas e virtudes. • Como visto, a busca de um relacionamento amoroso virtual é perigoso, pois a possibilidade de coração partido e esperanças despedaçadas é muito grande. • Todavia, não se pode descartar a possibilidade de um conhecimento virtual preliminar e, a partir daí, os pretendentes desenvolverem um relacionamento afetivo maduro e responsável. • É preciso cuidado e discernimento! III - CORAÇÃO PARTIDO, ESPERANÇAS DESPEDAÇADAS (Mt 7.9-11)
  24. 24. Pense É possível ser curado das feridas emocionais, mas o que fazer com as cicatrizes? Ponto importanteDê preferência a um relacionamento real ao fantasioso.
  25. 25. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  26. 26. CONSIDERAÇÕE S FINAIS1. O pecado veio para desvirtuar os relacionamentos afetivos, por isso se deve investir em relacionamentos maduros, com base no amor. 2. O jovem deve buscar discernimento do que é amor verdadeiro de uma mera atração, paixão ou amizade. Uma vida emocional feliz depende disso. 3. O jovem deve priorizar o relacionamento real e maduro. Não se iludir com o relacionamento fantasioso.
  27. 27. REFERÊNCIAS A R C H E R J R . G l e a s o n . M e r e c e c o n f i a n ç a o A n t i g o Te s t a m e n t o ? S ã o P a u l o : Vi d a N o v a , 1 9 9 1 . B E N T H O , E s d r a s C . A F a m í l i a n o A n t i g o Te s t a m e n t o . 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 6 . B l o m b e r g , G r a i g L . Q u e s t õ e s c r u c i a i s n o N o vo Te s t a m e n t o . R i o d e J e n r i o : C PA D , 2 0 0 9 . C O L S O N , C . E , A g o r a c o m o Vi ve r e m o s ? 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 0 . G E O R G E , J i m . U m J o ve m S e g u n d o o C o r a ç ã o d e D e u s . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 9 . H E N RY, M a t t h e w. C o m e n t á r i o B í b l i c o M a t t h e w H e n r y . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 2 . H O L L O M A N , H e n r y. O p o d e r d a s a n t i f i c a ç ã o . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 3 .
  28. 28. REFERÊNCIAS K A I S E R J R , Wa l t e r C . P r e g a n d o e e n s i n a n d o a p a r t i r d o A n t i g o Te s t a m e n t o . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 9 . PA L M E R , M . D . P a n o r a m a d o P e n s a m e n t o C r i s t ã o . 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 1 , p . 3 0 5 . R I C H A R D S , L a w r e n c e O . G u i a d o L e i t o r d a B í b l i a : U m a a n á l i s e d e G ê n e s i s a A p o c a l i p s e c a p í t u l o p o r c a p í t u l o . 1 0 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 1 2 . R O S S , M i c h a e l . C r e s c i e A g o r a ? R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 1 3 . S O A R E S , E s e q u i a s . C a s a m e n t o , D i vó r c i o & S e x o à L u z d a B í b l i a . 1 . e d . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 11 . V I N E , W. E . D i c i o n á r i o V I N E . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 3 . Z U C K , R o y B . Te o l o g i a d o A n t i g o Te s t a m e n t o . R i o d e J a n e i r o : C PA D , 2 0 0 9 .

×