SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
1


Sessão 6 – Reflexão

  O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte II)

Em relação a esta sessão, devo dizer que foi para mim a sessão mais interessante por vários motivos,
mas principalmente porque me possibilitou estudar de uma forma mais pormenorizada os instrumentos
que ajudam a BE a obter evidências e situar-se face aos factores críticos. A forma como foi lançada a
proposta de trabalho pareceu-me também muito mais atractiva e realmente fomentadora de
aprendizagens para mim, pois possibilitou-me uma análise mais efectiva.
Muitas das vezes a leitura de textos muito extensos (embora não sejam complexos), exige tempo e para
a execução do trabalho verifica-se que, a precipitação é inimiga da perfeição.
Era bom que esta formação possibilitasse o melhoramento dos trabalhos e que a metodologia de
Portfólio em que o aluno vai melhorando o seu desempenho e em que a avaliação recai nessa mesma
progressão.

Em relação, à temática da sessão, saliento que, “a auto-avaliação da BE é importante porque se constitui
como instrumento de auto-regulação e de melhoria contínua (aferindo se as metas e objectivos das BE
estão a ser alcançados, identificando pontos fortes e pontos fracos a melhorar,usando estrategicamente
os resultados da avaliação no planeamento futuro (redefinição de prioridades, metas, objectivos,
estratégias, etc.), melhorando progressivamente o nível de desempenho das BEfacilitando o
benchmarking e apoiando a definição de políticas dirigidas às BE.
Também se constitui como um poderoso factor de mudança de reforço do papel pedagógico das BE e
dos seus potenciais impactos na aprendizagem, formação e sucesso dos aluno, de indução de uma
prática baseada em evidências, capazes de sustentar e fundamentar a acção e tomada de decisão, de
estímulo a uma prática reflexiva de investigação-acção, de sentido qualitativo, de carácter sistemático e
continuado, consolidando uma cultura de avaliação.
Finalmente, a auto-avaliação é importante porque se constitui como factor de credibilidade de
afirmação e reconhecimento do valor das BE, face aos desafios que hoje se lhes colocam, de visibilidade
e integração das BE na Escola e na Comunidade, de objectivação e validação interna e externa do
trabalho que vai sendo realizado pelas BE, de envolvimento e responsabilização dos diferentes actores.”
Este texto refere efectivamente o que mais significativo tem o papel do modelo de auto-avaliação da BE.
Mas a implementação do MAABE exige procedimentos a reter:

    “Diagnóstico/Escolha do Domínio a avaliar/Levantamento dos intervenientes a
    envolver/Apresentação no CP/Identificação e preparação dos instrumentos de recolha de
    evidências/Recolha, análise e interpretação da informação/Identificação dos pontos fortes e fracos/
    Atribuição de níveis de desempenho/Plano de melhoria/Elaboração e apresentação do relatório de
    auto-avaliação/Integração no relatório de avaliação interna da escola e nos tópicos de apresentação
    à IGE, responsável pela avaliação externa.”

E uma das actividades mais importantes da aplicação do MAABE consiste, deste modo, em saber
identificar os instrumentos de recolha de evidências adequados e extrair desses instrumentos a
informação (evidências) que melhor esclarece o trabalho e os resultados alcançados pela Biblioteca em
relação com este ou aquele indicador ou conjunto de indicadores.

Parece fácil, mas a complexidade de documentos exigidos à BE será que simplifica?

Para tal, começamos por recordar as diferentes fontes de evidências recomendadas e passíveis de
serem utilizadas, se destacam, pela sua importância, as fontes documentais resultantes da actividade da
própria Escola/Agrupamento e respectiva/s BE:

    •   Documentos de gestão da Escola/ Agrupamento

    Projecto Educativo, Projecto Curricular, Plano de Acção, Regulamento Interno, Plano Anual de
    Actividades, Relatórios de avaliação, Currículos profissionais da equipa da BE, Outros.

    •   Documentos pedagógicos da Escola/Agrupamento
2



    Planificações dos Departamentos, ACND, AEC, SAE, PTE-TIC, OTE, Projectos curriculares das turmas,
    Orientações/recomendações do CP, Trabalhos de alunos, Resultados de avaliação dos alunos,
    Outros.

    •   Documentos de Gestão da BE

    Plano de Acção, Plano Anual de Actividades, Acordos de parceria, Política de Desenvolvimento da
    Colecção, Manual de Procedimentos, Regimento, Horário, Relatórios, Plantas, Inventários, Outros.

    •   Documentos de funcionamento e dinamização da BE

    Actas/ Registos de reuniões/contactos, Registos de projectos/actividades realizados, Estatísticas da
    BE, Materiais de apoio produzidos e editados, Catálogo e outras ferramentas utilizadas, Resultados
    de avaliação da colecção, Outros.

Para além destas fontes documentais de carácter textual ou quantitativo, dispomos também de uma
valiosa bateria de instrumentos de recolha de dados, propositadamente construídos para a avaliação
das BE no contexto do MAABE:

    •   Questionários a alunos, professores e encarregados de educação
    •   Grelhas de observação de competências
    •   Grelhas de análise de trabalhos escolares
    •   Listas de verificação

Daí que, ter exercitado através da tarefa proposta de “Localizar nos instrumentos propostos pelo
MAABE para o Sub-Domínio A2, questões ou itens que vão ao encontro dos factores críticos definidos
para cada um dos seus Indicadores” tornou-se muito agradável de realizar, na medida em que era muito
objectiva e directa e ajudou-me a perceber o que se pretendia que fossemos capazes de realizar.

Em relação aos instrumentos do MAABE, parece haver um outro caso a redefinir nos questionários.
Tendo considerado muito pertinentes as questões colocadas referentes a alguma fragilidade dos
questionários dos alunos e professores. E, já que estamos na onda de propor melhorias, porque não
modificar os questionários?!...

1. Questão “Questionário Alunos – domínio A –pergunta 6

 Quanto à questão referente no Questionário Alunos – domínio A “6. Quando tens um trabalho de
pesquisa para fazer, como costumas procurar a informação de que precisas? Indica as duas situações
mais frequentes.”talvez a RBE devesse rever o texto, pela minha parte, sugeria tornar a frase mais
curta: “Quando fazes uma pesquisa, como procuras a informação?...”e pedir que o aluno assinale com x
o que faz mais frequentemente, sem imposição de número de respostas. Pois, o que verdadeiramente
interessa é como o faz e o que utiliza!!!!!!!........deste modo o questionário também seria ao mesmo
tempo melhor decifrável e compreensível para os alunos do 1º ciclo que também têm de o preencher.

Além disso, todas as situações podem já estar a ser dinamizadas e aplicadas pelos alunos na BE, mas
cada aluno tem o seu modo próprio de aprender, e aprender a aprender é o mote da BE, não é o de
forçar esta ou aquela estratégia só porque é moda ou convém, mas dar liberdade ao aluno de escolher a
melhor estratégia. Facilitar o acesso a diferentes recursos e estratégias diferenciadas é o que a BE deve
implementar! E, por tal, o que deveria ser avaliado é se na BE existem os meios facilitadores para o
aluno e se o professor bibliotecário possibilitou o acesso de forma facilitadora e diversificada. Mas o ME
deve ser responsabilizado pelo seu bom apetrechamento e por assegurar a sua organização e gestão por
um professor bibliotecário pois esse irá promover o enriquecimento de todos.
3


2. Questão “Questionário aos Docentes – domínio A”

Relativamente ao Questionário aos Docentes – domínio A, penso que provavelmente o interesse deveria
estar dirigido para se averiguar o nível de autonomia do professor na BE e não promover qualquer tipo
de julgamento ao nível de competências dos professores como se pretendesse avaliar o seu grau de
domínio, pois para isso já existe o CCAD!...senão vivemos numa politica de controle e não numa postura
construtiva de evolução!...

Na minha experiência no contacto directo com professores, verifico que se torna muito mais útil
promover o envolvimento dos professores na BE e aí medir o nível de frequência e regularidade da sua
utilização autónoma, do que medir a sua capacidade ou domínio, porque senão vejamos: de que adianta
passarmos o tempo sempre a querer avaliar todos e querer medir as competências “profissionais” do
professor se o que verdadeiramente interessa é a promoção do uso autónomo da BE pelo professor e
pelos seus alunos e saber se isso acontece!!!!!!!..........não se distraiam da linha orientadora, por favor!

Reparem, um professor até pode nem dominar bem as competências assinaladas, mas os seus alunos
podem desenvolver um trabalho forte a esse nível desde que se promova a utilização da BE, porque
para isso lá está a professora bibliotecária para dar o seu apoio e articular com a sala de aula. E é da
cooperação que tudo se desenvolve. Verifico, muitas das vezes, na minha experiência profissional que
vale mais o interesse do professor em participar do que o domínio que ele possa ter porque se o
professor estiver motivado ele envolve os seus alunos, mas se for um prof. até muito avançado ao nível
de domínio de competências, mas se achar que não precisa da BE, ele não leva os seus alunos nem os
incentiva a lá irem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Beguest7716cf
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliaçãomariaemilianovais
 
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...Luisa Lamas
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoBibliotecajac
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãocandidamatos
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteMARIA NOGUE
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Anaigreja
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010ddfdelfim
 
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe   Metodologias De OperacionalizaçãO LMaabe   Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO Lmariamanel
 
Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1Rui Jorge
 
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresMargarida Botelho da Silva
 

Mais procurados (12)

AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das BeAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Das Be
 
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
Análise Crítica do Modelo de Auto-Avaliação
 
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
Metodologias Operacionalização Dominio B - Leitura e Literacia - Subdominio B...
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
 
DomíNio B
DomíNio BDomíNio B
DomíNio B
 
Texto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessãoTexto da 5ª sessão
Texto da 5ª sessão
 
Workshop 1ª Parte
Workshop 1ª ParteWorkshop 1ª Parte
Workshop 1ª Parte
 
Sintese sessao 3
Sintese sessao 3Sintese sessao 3
Sintese sessao 3
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010
 
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe   Metodologias De OperacionalizaçãO LMaabe   Metodologias De OperacionalizaçãO L
Maabe Metodologias De OperacionalizaçãO L
 
Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1Sessao3tarefa1
Sessao3tarefa1
 
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas EscolaresAnálise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
Análise crítica do modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares
 

Destaque

Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescResposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescesperancasantos
 
What's Next in Growth? 2016
What's Next in Growth? 2016What's Next in Growth? 2016
What's Next in Growth? 2016Andrew Chen
 
The Six Highest Performing B2B Blog Post Formats
The Six Highest Performing B2B Blog Post FormatsThe Six Highest Performing B2B Blog Post Formats
The Six Highest Performing B2B Blog Post FormatsBarry Feldman
 
The Outcome Economy
The Outcome EconomyThe Outcome Economy
The Outcome EconomyHelge Tennø
 
32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your Business
32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your Business32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your Business
32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your BusinessBarry Feldman
 

Destaque (10)

Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotescResposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
Resposta tarefa 1 power-point_modelo_auto-avaliacao_bibliotesc
 
Sessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexaoSessão 6 reflexao
Sessão 6 reflexao
 
Sessão 3 reflexao
Sessão 3 reflexaoSessão 3 reflexao
Sessão 3 reflexao
 
Sessão 5 reflexao
Sessão 5 reflexaoSessão 5 reflexao
Sessão 5 reflexao
 
Sessão 4 reflexao
Sessão 4 reflexaoSessão 4 reflexao
Sessão 4 reflexao
 
Sessão7 reflexao
Sessão7 reflexaoSessão7 reflexao
Sessão7 reflexao
 
What's Next in Growth? 2016
What's Next in Growth? 2016What's Next in Growth? 2016
What's Next in Growth? 2016
 
The Six Highest Performing B2B Blog Post Formats
The Six Highest Performing B2B Blog Post FormatsThe Six Highest Performing B2B Blog Post Formats
The Six Highest Performing B2B Blog Post Formats
 
The Outcome Economy
The Outcome EconomyThe Outcome Economy
The Outcome Economy
 
32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your Business
32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your Business32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your Business
32 Ways a Digital Marketing Consultant Can Help Grow Your Business
 

Semelhante a Sessão 6 reflexao

Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Bibliotecajac
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoBibliotecajac
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]ddfdelfim
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Bebeloule
 
Guia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessãoGuia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessãoanabelavalentim
 
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoIntegração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoMaria Da Graça Gonçalves
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Autocandidaribeiro
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3Margarida Mota
 
Intro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docxIntro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docxcandidamatos
 
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca EscolarModelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolarmizedomingues
 
5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...
5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...
5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...Be Moinho Das Leituras
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliaçãomariaemilianovais
 
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamentoIntegracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamentorosamfsilvabiblio
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliaçãoguest1d174ffe
 
ApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO MaabeApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO Maabebeloule
 

Semelhante a Sessão 6 reflexao (20)

Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5Guia e texto_da_sessao_5
Guia e texto_da_sessao_5
 
Guia e texto da sessão
Guia e texto da sessãoGuia e texto da sessão
Guia e texto da sessão
 
Guia
GuiaGuia
Guia
 
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
Intro e-guia-aval-part ii-nov2010[1]
 
Sessão 6
Sessão 6Sessão 6
Sessão 6
 
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
2ª SessãO ComentáRio CríTico Ao Modelo De Auto AvaliaçãO Da Be
 
Guia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessãoGuia da unidade e tarefa da sessão
Guia da unidade e tarefa da sessão
 
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamentoIntegração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
Integração do modelo de auto avaliação na escola.agrupamento
 
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De AutoAnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
AnáLise CríTica Ao Modelo De Auto
 
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
IntegraçãO Do Modelo De Auto AvaliaçãO Na Escola Tarefa 1 Sessao3
 
Intro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docxIntro e-guia-aval-docx
Intro e-guia-aval-docx
 
P P Workshop
P P  WorkshopP P  Workshop
P P Workshop
 
Pp Workshop
Pp WorkshopPp Workshop
Pp Workshop
 
Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2Tarefa 2 Parte1 Act2
Tarefa 2 Parte1 Act2
 
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca EscolarModelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
Modelo Auto AvaliaçãO Da Biblioteca Escolar
 
5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...
5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...
5 o modelo-de_auto-avaliacao_das_bibliotecas_escolares_metodologias_de_operac...
 
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-AvaliaçãoAnálise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
Análise crítica ao Modelo de Auto-Avaliação
 
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamentoIntegracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
Integracao do modelo_de_auto-avaliacao_na_escola.agrupamento
 
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2  análise crítica ao modelo de avaliaçãoSessão 2  análise crítica ao modelo de avaliação
Sessão 2 análise crítica ao modelo de avaliação
 
ApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO MaabeApresentaçãO Maabe
ApresentaçãO Maabe
 

Mais de esperancasantos

Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloesperancasantos
 
Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloesperancasantos
 
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentariosessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentarioesperancasantos
 
Resposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviarResposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviaresperancasantos
 
Documentos p evidências
Documentos p evidênciasDocumentos p evidências
Documentos p evidênciasesperancasantos
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviaresperancasantos
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviaresperancasantos
 
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010esperancasantos
 
Minha resposta: metodologias de operacionalização
Minha resposta:  metodologias de operacionalizaçãoMinha resposta:  metodologias de operacionalização
Minha resposta: metodologias de operacionalizaçãoesperancasantos
 
Resposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacaoResposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacaoesperancasantos
 
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviarResposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviaresperancasantos
 
Reflexão sobre o modelo de auto avaliação
Reflexão sobre o modelo de auto avaliaçãoReflexão sobre o modelo de auto avaliação
Reflexão sobre o modelo de auto avaliaçãoesperancasantos
 
Workshop folhetodivulgac inscricoes
Workshop folhetodivulgac inscricoesWorkshop folhetodivulgac inscricoes
Workshop folhetodivulgac inscricoesesperancasantos
 
Workshop divulgacao vídeos_zona multimédia
Workshop divulgacao vídeos_zona multimédiaWorkshop divulgacao vídeos_zona multimédia
Workshop divulgacao vídeos_zona multimédiaesperancasantos
 
Workshop certificado participação
Workshop certificado participaçãoWorkshop certificado participação
Workshop certificado participaçãoesperancasantos
 
Workshop cartaz divulgacao
Workshop cartaz divulgacaoWorkshop cartaz divulgacao
Workshop cartaz divulgacaoesperancasantos
 

Mais de esperancasantos (20)

Sessão 2 reflexão
Sessão 2  reflexãoSessão 2  reflexão
Sessão 2 reflexão
 
Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modelo
 
Análise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modeloAnálise crítica e pessoal ao modelo
Análise crítica e pessoal ao modelo
 
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentariosessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
sessão 7-Resposta tarefa 2 analise_comentario
 
Resposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviarResposta tarefa 1 sessão7_enviar
Resposta tarefa 1 sessão7_enviar
 
Documentos p evidências
Documentos p evidênciasDocumentos p evidências
Documentos p evidências
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviar
 
Tarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviarTarefa 1 sessão6 enviar
Tarefa 1 sessão6 enviar
 
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010Resposta  enviar  intro-e-guia-aval-5_nov2010
Resposta enviar intro-e-guia-aval-5_nov2010
 
Minha resposta: metodologias de operacionalização
Minha resposta:  metodologias de operacionalizaçãoMinha resposta:  metodologias de operacionalização
Minha resposta: metodologias de operacionalização
 
Resposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacaoResposta plano avaliacao
Resposta plano avaliacao
 
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviarResposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
Resposta plano avaliacao_reformulação_p enviar
 
Critica
Critica Critica
Critica
 
Reflexão sobre o modelo de auto avaliação
Reflexão sobre o modelo de auto avaliaçãoReflexão sobre o modelo de auto avaliação
Reflexão sobre o modelo de auto avaliação
 
Historias ajudaris
Historias ajudarisHistorias ajudaris
Historias ajudaris
 
Workshop folhetodivulgac inscricoes
Workshop folhetodivulgac inscricoesWorkshop folhetodivulgac inscricoes
Workshop folhetodivulgac inscricoes
 
Workshop divulgacao vídeos_zona multimédia
Workshop divulgacao vídeos_zona multimédiaWorkshop divulgacao vídeos_zona multimédia
Workshop divulgacao vídeos_zona multimédia
 
Workshop certificado participação
Workshop certificado participaçãoWorkshop certificado participação
Workshop certificado participação
 
Workshop cartaz divulgacao
Workshop cartaz divulgacaoWorkshop cartaz divulgacao
Workshop cartaz divulgacao
 
Workshop programa
Workshop programaWorkshop programa
Workshop programa
 

Sessão 6 reflexao

  • 1. 1 Sessão 6 – Reflexão O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte II) Em relação a esta sessão, devo dizer que foi para mim a sessão mais interessante por vários motivos, mas principalmente porque me possibilitou estudar de uma forma mais pormenorizada os instrumentos que ajudam a BE a obter evidências e situar-se face aos factores críticos. A forma como foi lançada a proposta de trabalho pareceu-me também muito mais atractiva e realmente fomentadora de aprendizagens para mim, pois possibilitou-me uma análise mais efectiva. Muitas das vezes a leitura de textos muito extensos (embora não sejam complexos), exige tempo e para a execução do trabalho verifica-se que, a precipitação é inimiga da perfeição. Era bom que esta formação possibilitasse o melhoramento dos trabalhos e que a metodologia de Portfólio em que o aluno vai melhorando o seu desempenho e em que a avaliação recai nessa mesma progressão. Em relação, à temática da sessão, saliento que, “a auto-avaliação da BE é importante porque se constitui como instrumento de auto-regulação e de melhoria contínua (aferindo se as metas e objectivos das BE estão a ser alcançados, identificando pontos fortes e pontos fracos a melhorar,usando estrategicamente os resultados da avaliação no planeamento futuro (redefinição de prioridades, metas, objectivos, estratégias, etc.), melhorando progressivamente o nível de desempenho das BEfacilitando o benchmarking e apoiando a definição de políticas dirigidas às BE. Também se constitui como um poderoso factor de mudança de reforço do papel pedagógico das BE e dos seus potenciais impactos na aprendizagem, formação e sucesso dos aluno, de indução de uma prática baseada em evidências, capazes de sustentar e fundamentar a acção e tomada de decisão, de estímulo a uma prática reflexiva de investigação-acção, de sentido qualitativo, de carácter sistemático e continuado, consolidando uma cultura de avaliação. Finalmente, a auto-avaliação é importante porque se constitui como factor de credibilidade de afirmação e reconhecimento do valor das BE, face aos desafios que hoje se lhes colocam, de visibilidade e integração das BE na Escola e na Comunidade, de objectivação e validação interna e externa do trabalho que vai sendo realizado pelas BE, de envolvimento e responsabilização dos diferentes actores.” Este texto refere efectivamente o que mais significativo tem o papel do modelo de auto-avaliação da BE. Mas a implementação do MAABE exige procedimentos a reter: “Diagnóstico/Escolha do Domínio a avaliar/Levantamento dos intervenientes a envolver/Apresentação no CP/Identificação e preparação dos instrumentos de recolha de evidências/Recolha, análise e interpretação da informação/Identificação dos pontos fortes e fracos/ Atribuição de níveis de desempenho/Plano de melhoria/Elaboração e apresentação do relatório de auto-avaliação/Integração no relatório de avaliação interna da escola e nos tópicos de apresentação à IGE, responsável pela avaliação externa.” E uma das actividades mais importantes da aplicação do MAABE consiste, deste modo, em saber identificar os instrumentos de recolha de evidências adequados e extrair desses instrumentos a informação (evidências) que melhor esclarece o trabalho e os resultados alcançados pela Biblioteca em relação com este ou aquele indicador ou conjunto de indicadores. Parece fácil, mas a complexidade de documentos exigidos à BE será que simplifica? Para tal, começamos por recordar as diferentes fontes de evidências recomendadas e passíveis de serem utilizadas, se destacam, pela sua importância, as fontes documentais resultantes da actividade da própria Escola/Agrupamento e respectiva/s BE: • Documentos de gestão da Escola/ Agrupamento Projecto Educativo, Projecto Curricular, Plano de Acção, Regulamento Interno, Plano Anual de Actividades, Relatórios de avaliação, Currículos profissionais da equipa da BE, Outros. • Documentos pedagógicos da Escola/Agrupamento
  • 2. 2 Planificações dos Departamentos, ACND, AEC, SAE, PTE-TIC, OTE, Projectos curriculares das turmas, Orientações/recomendações do CP, Trabalhos de alunos, Resultados de avaliação dos alunos, Outros. • Documentos de Gestão da BE Plano de Acção, Plano Anual de Actividades, Acordos de parceria, Política de Desenvolvimento da Colecção, Manual de Procedimentos, Regimento, Horário, Relatórios, Plantas, Inventários, Outros. • Documentos de funcionamento e dinamização da BE Actas/ Registos de reuniões/contactos, Registos de projectos/actividades realizados, Estatísticas da BE, Materiais de apoio produzidos e editados, Catálogo e outras ferramentas utilizadas, Resultados de avaliação da colecção, Outros. Para além destas fontes documentais de carácter textual ou quantitativo, dispomos também de uma valiosa bateria de instrumentos de recolha de dados, propositadamente construídos para a avaliação das BE no contexto do MAABE: • Questionários a alunos, professores e encarregados de educação • Grelhas de observação de competências • Grelhas de análise de trabalhos escolares • Listas de verificação Daí que, ter exercitado através da tarefa proposta de “Localizar nos instrumentos propostos pelo MAABE para o Sub-Domínio A2, questões ou itens que vão ao encontro dos factores críticos definidos para cada um dos seus Indicadores” tornou-se muito agradável de realizar, na medida em que era muito objectiva e directa e ajudou-me a perceber o que se pretendia que fossemos capazes de realizar. Em relação aos instrumentos do MAABE, parece haver um outro caso a redefinir nos questionários. Tendo considerado muito pertinentes as questões colocadas referentes a alguma fragilidade dos questionários dos alunos e professores. E, já que estamos na onda de propor melhorias, porque não modificar os questionários?!... 1. Questão “Questionário Alunos – domínio A –pergunta 6 Quanto à questão referente no Questionário Alunos – domínio A “6. Quando tens um trabalho de pesquisa para fazer, como costumas procurar a informação de que precisas? Indica as duas situações mais frequentes.”talvez a RBE devesse rever o texto, pela minha parte, sugeria tornar a frase mais curta: “Quando fazes uma pesquisa, como procuras a informação?...”e pedir que o aluno assinale com x o que faz mais frequentemente, sem imposição de número de respostas. Pois, o que verdadeiramente interessa é como o faz e o que utiliza!!!!!!!........deste modo o questionário também seria ao mesmo tempo melhor decifrável e compreensível para os alunos do 1º ciclo que também têm de o preencher. Além disso, todas as situações podem já estar a ser dinamizadas e aplicadas pelos alunos na BE, mas cada aluno tem o seu modo próprio de aprender, e aprender a aprender é o mote da BE, não é o de forçar esta ou aquela estratégia só porque é moda ou convém, mas dar liberdade ao aluno de escolher a melhor estratégia. Facilitar o acesso a diferentes recursos e estratégias diferenciadas é o que a BE deve implementar! E, por tal, o que deveria ser avaliado é se na BE existem os meios facilitadores para o aluno e se o professor bibliotecário possibilitou o acesso de forma facilitadora e diversificada. Mas o ME deve ser responsabilizado pelo seu bom apetrechamento e por assegurar a sua organização e gestão por um professor bibliotecário pois esse irá promover o enriquecimento de todos.
  • 3. 3 2. Questão “Questionário aos Docentes – domínio A” Relativamente ao Questionário aos Docentes – domínio A, penso que provavelmente o interesse deveria estar dirigido para se averiguar o nível de autonomia do professor na BE e não promover qualquer tipo de julgamento ao nível de competências dos professores como se pretendesse avaliar o seu grau de domínio, pois para isso já existe o CCAD!...senão vivemos numa politica de controle e não numa postura construtiva de evolução!... Na minha experiência no contacto directo com professores, verifico que se torna muito mais útil promover o envolvimento dos professores na BE e aí medir o nível de frequência e regularidade da sua utilização autónoma, do que medir a sua capacidade ou domínio, porque senão vejamos: de que adianta passarmos o tempo sempre a querer avaliar todos e querer medir as competências “profissionais” do professor se o que verdadeiramente interessa é a promoção do uso autónomo da BE pelo professor e pelos seus alunos e saber se isso acontece!!!!!!!..........não se distraiam da linha orientadora, por favor! Reparem, um professor até pode nem dominar bem as competências assinaladas, mas os seus alunos podem desenvolver um trabalho forte a esse nível desde que se promova a utilização da BE, porque para isso lá está a professora bibliotecária para dar o seu apoio e articular com a sala de aula. E é da cooperação que tudo se desenvolve. Verifico, muitas das vezes, na minha experiência profissional que vale mais o interesse do professor em participar do que o domínio que ele possa ter porque se o professor estiver motivado ele envolve os seus alunos, mas se for um prof. até muito avançado ao nível de domínio de competências, mas se achar que não precisa da BE, ele não leva os seus alunos nem os incentiva a lá irem.