SlideShare uma empresa Scribd logo
CARTA ABERTA À COMUNIDADE ESCOLAR
O QUE É PRECISO SABER SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA – ESTATUTO DO DEFICIENTE
RECENTEMENTE SANCIONADA, A LEI 13.146/2015, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA
UNIÃO DE 7 DE JULHO PASSADO, INSTITUIU A LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA
PESSOA COM DEFICIÊNCIA (ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA).
O ASSUNTO É COMPLEXO. NÃO PODE SER TRATADO SUPERFICIALMENTE E COM
SENSACIONALISMO, COMO VEM OCORRENDO.
O QUE É PRECISO SABER
As soluções seriam muito mais simples se as deficiências fossem apenas de natureza física, uma
questão de engenharia e de “layout” de mobiliário, de prédio ou de próteses. A maior nação do
mundo teve um presidente cadeirante e a Inglaterra, um rei gago. Só de outros transtornos e
síndromes - com natureza, grau e profundidade diferentes, próprios e individuais - arrolam-se mais de
cinco mil. O portador de necessidade especial precisa de educação, tratamento e
acompanhamento também especiais, por instituições capazes de proporcioná-los com sucesso e
não charlatanismo.
Causa-nos estranheza um país que não reconhece, não contempla e não premia os valorosos
serviços que, abnegadamente, por anos, vêm sendo prestados pelas APAES e outras instituições
altamente especializadas.
Quem nasceu e mora em Santa Catarina conhece de perto – através de familiares, amigos e
colegas portadores – os resultados positivos, alguns verdadeiros milagres, obtidos através das
Associações de Pais e Amigos de Excepcionais, pelo Instituto Diomício Freitas, em Criciúma,
Abludef e Abada, em Blumenau, AMA de Joinville, CAPP em Chapecó, Coepad, Iatel, ACIC e
Aflodef, todos em Florianópolis, além da Orionópolis, em São José.
Essas instituições não se limitam apenas a atender os deficientes físicos, mas estendem esse
trabalho aos portadores dos mais diversos transtornos. A nosso ver, melhor se faria reconhecendo o
trabalho de tais entidades, privilegiando-as, amparando-as, fortalecendo-as e lhes dando recursos
suficientes. Poderiam ser mesmo suporte especializado para trabalho conjunto com famílias e com as
escolas comuns, não apetrechadas, não preparadas suficientemente para atender os portadores de
necessidades especiais, conseguindo-se real, verdadeira e efetiva inclusão social. Seriam um núcleo
especializado à disposição de todos. Os poderes públicos têm condição de transformá-los em
verdadeiros centros de atendimento altamente qualificados e especializados. Impostos, aliás, não
faltam!
Algumas perguntas inquietantes podem levar a uma visão mais equilibrada e holística do melhor
atendimento e inclusão dos portadores de necessidades especiais. Apenas, como exemplos, é possível
formular algumas, capazes de provocar uma avaliação mais atenta da situação. Como uma escola
comum, competente para cumprir com a missão para a qual foi criada, mas não equipada e sem
pessoal especializado, pode agir diante de um adolescente com 13 ou 14 anos, ainda não alfabetizado,
que, por sua própria condição e idade, se isola dos demais ou por eles é isolado? Será que, a título de
inclusão social:
a) alguém pode ser ministro do S.T.F. sem preencher os requisitos previstos no artigo 101 da
Constituição da República?
b) há condições de um autista ou alguém com idade mental reduzida e psicológica ser Presidente
da República?
c) é possível a um cego ser cirurgião ou piloto de avião?
d) para um cardiopata ou vítima de câncer é suficiente o tratamento por um clínico geral ou
posto de saúde de primeiro atendimento? Ou seriam apenas os encaminhadores aos
especialistas?
e) alguém sem braços ou sem pernas poderia jogar basquete ou futebol (nas paraolimpíadas são
classificados ou agrupados conforme o tipo e grau de deficiência)? Por que simplesmente não
inseri-los nos meios e disputas dos atletas que não têm limitação?
f) Uma clínica especializada em oftalmologia está obrigada também a atender patologias na área
de cardiologia?
g) O Serviço Militar (Marinha, Exército e Aeronáutica) está preparado para aceitar nas suas
fileiras toda e qualquer pessoa portadora de deficiência? Aliás, eles aceitam?
h) o que uma dessas escolas poderia fazer por um aluno que, em razão de atraso mental de idade,
não se integra com os colegas, que têm interesses diferentes, porque estão em idade mais
avançada?
i) o que uma dessas escolas pode fazer por um aluno que, em razão de deficiência, abre a
braguilha e expõe a genitália para as colegas ou agride os menores?
j) que procedimento pode adotar a direção de uma escola comum quando uma jovem
professora, aos prantos e ferida física e psicologicamente, anuncia que pede demissão e
desiste da profissão, porque foi espremida com uma carteira contra a parede por um hiper-
ativo, ao impedi-lo de agredir uma outra criança paraplégica, num de seus descontroles em
que inopinadamente e sem motivos bate em todos os colegas?
k) como proceder diante de um aluno que, sem capacidade de discernir, armado, ameaça agredir
os colegas?
l) há real inclusão social, carinho e amor ao deficiente, colocando-o numa escola comum, entre
alunos comuns, simplesmente para satisfazer a um possível sentimento de culpa
injustificável?
m) pode, honestamente, uma escola comum certificar promoção, conclusão de nível ou grau de
ensino, para quem foi impossível alcançar tal nível? Isso não seria uma enganação individual
e coletiva? É bom lembrar que grande parte dessas escolas têm leigos como professores.
A resposta a essas e outras perguntas seria, a título de inclusão social, colocar à força tais pessoas
e alunos juntamente com os diferentes deles, em escolas comuns, PÚBLICAS e PRIVADAS, sem
estrutura e despreparadas.
Educação, ensino e preparação não se resumem a mera socialização e convivência. Pensar e agir
assim seria apenas prejudicar os deficientes e seus familiares, prometendo-lhes uma inclusão que
verdadeiramente não ocorrerá.
Nós não nos opomos à Lei 13.146/15, mas à pretensão de que milhares de escolas comuns,
PÚBLICAS e PRIVADAS, que não se propuseram a ministrar educação especial por falta de
competência para fazê-lo, tenham obrigatoriamente que atender com garantia de sucesso os
deficientes, de qualquer natureza, grau, variação ou profundidade.
Será que, com bom senso, equilíbrio e visão realista, se pode ter mais consideração e respeito
com o deficiente, para proporcionar-lhe o atendimento e tratamento que merece?
Será que é possível ao Estado transferir uma responsabilidade constitucional que lhe pertence aos
ombros e orçamento de entidades privadas ou de seus demais alunos e pais?
São justos os custos adicionais para manter estrutura adequada e pessoal especializado para
atender alunos portadores de necessidades especiais - recaírem sobre os custos e preços dos demais?
Não se inclui simplesmente colocando alguém no meio de uma maioria diferente, com que
acabará não se interagindo e se integrando. O próprio portador da necessidade poderá se sentir
isolado, podendo até reagir agressivamente.
Tudo se resume a uma questão de bom senso, equilíbrio, isenção e visão realista.
Registre-se que muitos dos apoiadores, mentores e autores da lei, que têm portadores de
necessidades especiais em casa, se recusam a matriculá-los numa escola pública mesmo altamente
especializada e capacitada ou em unidade da APAE. Será por preconceito, este, sim, a maior
deficiência de uma pessoa?
Essas são algumas ponderações que ousamos propor para que sejam examinadas com isenção,
com olhos e visão voltados equilibradamente para o bem-estar dos portadores de necessidades
especiais. E, assim, com um bom debate sobre a matéria, contribuir para a sociedade.
Florianópolis, setembro de 2015.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO (CONFENEN)
SINDICATO DAS ESCOLAS PARTICULARES DE SANTA CATARINA (SINEPE/SC)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra eja aula inicial
Palestra eja  aula inicialPalestra eja  aula inicial
Palestra eja aula inicial
Alekson Morais
 
Indicadores de qualidade na educação infantil
Indicadores de qualidade na educação infantilIndicadores de qualidade na educação infantil
Indicadores de qualidade na educação infantil
jaqueegervasio
 
pauta reunião de pais 3º bimestre.docx
pauta reunião de pais 3º bimestre.docxpauta reunião de pais 3º bimestre.docx
pauta reunião de pais 3º bimestre.docx
JaqueBorges3
 
CONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEIS
CONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEISCONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEIS
CONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEIS
CÉSAR TAVARES
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
Alessandra Alves
 
Ata reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinar
Ata reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinarAta reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinar
Ata reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinarDomi Calixto
 
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Manim Edições
 
Projeto Cidadania e Valores
Projeto Cidadania e ValoresProjeto Cidadania e Valores
Projeto Cidadania e Valores
Jhonatan Stürmer
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
ceciliaconserva
 
Apostila educacao especial
Apostila educacao especialApostila educacao especial
Apostila educacao especial
Anderson Carlos
 
Modelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especialModelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especial
straraposa
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Anaí Peña
 
Projeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racialProjeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racial
Emjac De Abreu Campanário
 
Se a escola fosse uma orquestra
Se a escola fosse uma orquestraSe a escola fosse uma orquestra
Se a escola fosse uma orquestra
tecampinasoeste
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
Hebert Arcanjo
 
Texto Reflexivo: Plante um Futuro
Texto Reflexivo: Plante um FuturoTexto Reflexivo: Plante um Futuro
Texto Reflexivo: Plante um Futuro
Adilson P Motta Motta
 
Gestao escolar
Gestao escolarGestao escolar
Gestao escolar
Magno Oliveira
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
Thaisduarte
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Dirce Cristiane Camilotti
 
A parábola do lápis
A parábola do lápisA parábola do lápis
A parábola do lápis
fatimacris123
 

Mais procurados (20)

Palestra eja aula inicial
Palestra eja  aula inicialPalestra eja  aula inicial
Palestra eja aula inicial
 
Indicadores de qualidade na educação infantil
Indicadores de qualidade na educação infantilIndicadores de qualidade na educação infantil
Indicadores de qualidade na educação infantil
 
pauta reunião de pais 3º bimestre.docx
pauta reunião de pais 3º bimestre.docxpauta reunião de pais 3º bimestre.docx
pauta reunião de pais 3º bimestre.docx
 
CONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEIS
CONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEISCONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEIS
CONVOCAÇÕES DE PAIS/RESPONSÁVEIS
 
Estagio regencia de sala
Estagio regencia de salaEstagio regencia de sala
Estagio regencia de sala
 
Ata reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinar
Ata reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinarAta reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinar
Ata reunião pais aluno alisson de lima comissão disciplinar
 
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
Ldb lei 9394 de 1996 - resumaoo 1
 
Projeto Cidadania e Valores
Projeto Cidadania e ValoresProjeto Cidadania e Valores
Projeto Cidadania e Valores
 
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusivaPolítica nacional  de educação especial  na perspectiva da educação inclusiva
Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva
 
Apostila educacao especial
Apostila educacao especialApostila educacao especial
Apostila educacao especial
 
Modelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especialModelo relatório pedagogico aluno especial
Modelo relatório pedagogico aluno especial
 
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolarPalestra  ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
Palestra ecaq-responsabilidade e compromisso dos pais na vida escolar
 
Projeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racialProjeto educação infantil etnico racial
Projeto educação infantil etnico racial
 
Se a escola fosse uma orquestra
Se a escola fosse uma orquestraSe a escola fosse uma orquestra
Se a escola fosse uma orquestra
 
Projeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPPProjeto Político Pedagógico - PPP
Projeto Político Pedagógico - PPP
 
Texto Reflexivo: Plante um Futuro
Texto Reflexivo: Plante um FuturoTexto Reflexivo: Plante um Futuro
Texto Reflexivo: Plante um Futuro
 
Gestao escolar
Gestao escolarGestao escolar
Gestao escolar
 
Inclusão
InclusãoInclusão
Inclusão
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
A parábola do lápis
A parábola do lápisA parábola do lápis
A parábola do lápis
 

Destaque

Carta aberta
Carta abertaCarta aberta
Carta aberta
cida18
 
Carta(s)
Carta(s)Carta(s)
Gêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta abertaGêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta aberta
ma.no.el.ne.ves
 
Abaixo assinado
Abaixo assinadoAbaixo assinado
Abaixo assinado
Alexandre Ramos
 
Abaixo assinado última versão
Abaixo assinado   última versãoAbaixo assinado   última versão
Abaixo assinado última versão
gabwirz
 
Abaixo Assinado para Indivíduos
Abaixo Assinado para IndivíduosAbaixo Assinado para Indivíduos
Abaixo Assinado para Indivíduos
Florespi
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
Vitória Medeiros
 
Proposta de artigo de opinião
Proposta de artigo de opiniãoProposta de artigo de opinião
Proposta de artigo de opinião
ma.no.el.ne.ves
 
Carta argumantativa
Carta argumantativaCarta argumantativa
Carta argumantativa
Josiane Costa Valeriano Goulart
 
Proposta de redação: carta aberta
Proposta de redação: carta abertaProposta de redação: carta aberta
Proposta de redação: carta aberta
ma.no.el.ne.ves
 
Abaixo assinado
Abaixo assinadoAbaixo assinado
Abaixo assinado
Everson Lopes
 
Redação – UEM
Redação – UEMRedação – UEM
Redação – UEM
VIVIAN TROMBINI
 
Carta argumentativa-power-point
Carta argumentativa-power-pointCarta argumentativa-power-point
Carta argumentativa-power-point
Cris Estevão
 
Carta de reclamação
Carta de reclamaçãoCarta de reclamação
Carta de reclamação
Juliano Ortiz
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
VIVIAN TROMBINI
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Exemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma ReclamaçãoExemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma Reclamação
I.Braz Slideshares
 
Modelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioModelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagio
Rosane Domingues
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
guest4f8ac9b
 
Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
DicasFree
 

Destaque (20)

Carta aberta
Carta abertaCarta aberta
Carta aberta
 
Carta(s)
Carta(s)Carta(s)
Carta(s)
 
Gêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta abertaGêneros argumentativos: a carta aberta
Gêneros argumentativos: a carta aberta
 
Abaixo assinado
Abaixo assinadoAbaixo assinado
Abaixo assinado
 
Abaixo assinado última versão
Abaixo assinado   última versãoAbaixo assinado   última versão
Abaixo assinado última versão
 
Abaixo Assinado para Indivíduos
Abaixo Assinado para IndivíduosAbaixo Assinado para Indivíduos
Abaixo Assinado para Indivíduos
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
 
Proposta de artigo de opinião
Proposta de artigo de opiniãoProposta de artigo de opinião
Proposta de artigo de opinião
 
Carta argumantativa
Carta argumantativaCarta argumantativa
Carta argumantativa
 
Proposta de redação: carta aberta
Proposta de redação: carta abertaProposta de redação: carta aberta
Proposta de redação: carta aberta
 
Abaixo assinado
Abaixo assinadoAbaixo assinado
Abaixo assinado
 
Redação – UEM
Redação – UEMRedação – UEM
Redação – UEM
 
Carta argumentativa-power-point
Carta argumentativa-power-pointCarta argumentativa-power-point
Carta argumentativa-power-point
 
Carta de reclamação
Carta de reclamaçãoCarta de reclamação
Carta de reclamação
 
Redação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - invernoRedação - UEM - 2016 - inverno
Redação - UEM - 2016 - inverno
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
Exemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma ReclamaçãoExemplo de uma Reclamação
Exemplo de uma Reclamação
 
Modelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagioModelo de carta p solicitação de estagio
Modelo de carta p solicitação de estagio
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
Modelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplosModelo de carta formal e informal com exemplos
Modelo de carta formal e informal com exemplos
 

Semelhante a Carta aberta à comunidade escolar

Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
marcaocampos
 
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Biblioteca Campus VII
 
PRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdf
PRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdfPRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdf
PRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdf
PaulyeneAlves1
 
Breve reflexão sobre a escola e os alunos com diferenças
Breve reflexão sobre a escola e os alunos com diferençasBreve reflexão sobre a escola e os alunos com diferenças
Breve reflexão sobre a escola e os alunos com diferenças
Eduardo Pizarro
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
Poli
PoliPoli
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
Edilene Sampaio
 
Apostila altas habilidades e superdotação 2
Apostila  altas habilidades e superdotação 2Apostila  altas habilidades e superdotação 2
Apostila altas habilidades e superdotação 2
Rayanethaynarasantos2
 
Transtornodedesenvolvimento
TranstornodedesenvolvimentoTranstornodedesenvolvimento
Transtornodedesenvolvimento
Crislaine Aguiar
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusiva
Carina Zandonai
 
Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008
dri303030
 
Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...
Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...
Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
complemearcurso
 
Escola para-todos-publicação-digital-logo-governo
Escola para-todos-publicação-digital-logo-governoEscola para-todos-publicação-digital-logo-governo
Escola para-todos-publicação-digital-logo-governo
Apahsdf
 
11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx
11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx
11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx
LuandsonSilva2
 
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
Cristina de Souza
 
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
A Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da FamiliaA Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da Familia
guest5fedaea
 
Acesso alunos ensino_publico_2004
Acesso alunos ensino_publico_2004Acesso alunos ensino_publico_2004
Acesso alunos ensino_publico_2004
Isa ...
 
O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular
O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regularO acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular
O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular
Ministério Público de Santa Catarina
 

Semelhante a Carta aberta à comunidade escolar (20)

Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defiMantoan, maria tereza égler, integracao  de pessoas com defi
Mantoan, maria tereza égler, integracao de pessoas com defi
 
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
Monografia Rosimeire Pedagogia 2009
 
PRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdf
PRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdfPRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdf
PRÁTICAS-DE-ENSINO-PARA-A-EDUCAÇÃO-ESPECIAL-NUMA-PERSPECTIVA-INCLUSIVA.pdf
 
Breve reflexão sobre a escola e os alunos com diferenças
Breve reflexão sobre a escola e os alunos com diferençasBreve reflexão sobre a escola e os alunos com diferenças
Breve reflexão sobre a escola e os alunos com diferenças
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
Poli
PoliPoli
Poli
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
Apostila altas habilidades e superdotação 2
Apostila  altas habilidades e superdotação 2Apostila  altas habilidades e superdotação 2
Apostila altas habilidades e superdotação 2
 
Transtornodedesenvolvimento
TranstornodedesenvolvimentoTranstornodedesenvolvimento
Transtornodedesenvolvimento
 
Pedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusivaPedagogia da educação inclusiva
Pedagogia da educação inclusiva
 
Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008Ok slide-pós-inclusão-2008
Ok slide-pós-inclusão-2008
 
Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...
Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...
Crianças e Adolescentes com Deficiência: Atualização - Sociedade Brasileira d...
 
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
Pedagogiadaeducaoinclusiva 120409220856-phpapp01
 
Escola para-todos-publicação-digital-logo-governo
Escola para-todos-publicação-digital-logo-governoEscola para-todos-publicação-digital-logo-governo
Escola para-todos-publicação-digital-logo-governo
 
11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx
11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx
11252019105410-slides.educacao.inclusiva.pptx
 
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
Cristina de Souza Fórum PCD apresentado na Semana de enfrentamento ao preconc...
 
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
 
A Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da FamiliaA Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da Familia
 
Acesso alunos ensino_publico_2004
Acesso alunos ensino_publico_2004Acesso alunos ensino_publico_2004
Acesso alunos ensino_publico_2004
 
O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular
O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regularO acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular
O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular
 

Mais de diario_catarinense

Súmula da partida entre Santa Cruz e Figueirense
Súmula da partida entre Santa Cruz e FigueirenseSúmula da partida entre Santa Cruz e Figueirense
Súmula da partida entre Santa Cruz e Figueirense
diario_catarinense
 
Regulamento café na mesa
Regulamento café na mesaRegulamento café na mesa
Regulamento café na mesa
diario_catarinense
 
Regulamento kit estilo
Regulamento kit estiloRegulamento kit estilo
Regulamento kit estilo
diario_catarinense
 
Decisão sobre o Vereador Cesar Faria
Decisão sobre o Vereador Cesar Faria Decisão sobre o Vereador Cesar Faria
Decisão sobre o Vereador Cesar Faria
diario_catarinense
 
Regulamento cafe na mesa
Regulamento cafe na mesaRegulamento cafe na mesa
Regulamento cafe na mesa
diario_catarinense
 
Listão dos aprovados na UFSC 2016
Listão dos aprovados na UFSC 2016Listão dos aprovados na UFSC 2016
Listão dos aprovados na UFSC 2016
diario_catarinense
 
Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015
Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015
Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015
diario_catarinense
 
Regulamento açoriano
Regulamento açorianoRegulamento açoriano
Regulamento açoriano
diario_catarinense
 
Relatório intenção de compras - Natal 2015
Relatório intenção de compras - Natal 2015Relatório intenção de compras - Natal 2015
Relatório intenção de compras - Natal 2015
diario_catarinense
 
Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2
diario_catarinense
 
Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2
diario_catarinense
 
Planetadoc programação
Planetadoc programaçãoPlanetadoc programação
Planetadoc programação
diario_catarinense
 
Regulamento Bom pra tudo
Regulamento Bom pra tudoRegulamento Bom pra tudo
Regulamento Bom pra tudo
diario_catarinense
 
1censo legislativo 2015_web_0
1censo legislativo 2015_web_01censo legislativo 2015_web_0
1censo legislativo 2015_web_0
diario_catarinense
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
diario_catarinense
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
diario_catarinense
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
diario_catarinense
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
diario_catarinense
 
Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015
Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015
Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015
diario_catarinense
 
Laudo MPF - Geologia
Laudo MPF - GeologiaLaudo MPF - Geologia
Laudo MPF - Geologia
diario_catarinense
 

Mais de diario_catarinense (20)

Súmula da partida entre Santa Cruz e Figueirense
Súmula da partida entre Santa Cruz e FigueirenseSúmula da partida entre Santa Cruz e Figueirense
Súmula da partida entre Santa Cruz e Figueirense
 
Regulamento café na mesa
Regulamento café na mesaRegulamento café na mesa
Regulamento café na mesa
 
Regulamento kit estilo
Regulamento kit estiloRegulamento kit estilo
Regulamento kit estilo
 
Decisão sobre o Vereador Cesar Faria
Decisão sobre o Vereador Cesar Faria Decisão sobre o Vereador Cesar Faria
Decisão sobre o Vereador Cesar Faria
 
Regulamento cafe na mesa
Regulamento cafe na mesaRegulamento cafe na mesa
Regulamento cafe na mesa
 
Listão dos aprovados na UFSC 2016
Listão dos aprovados na UFSC 2016Listão dos aprovados na UFSC 2016
Listão dos aprovados na UFSC 2016
 
Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015
Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015
Cadernos DC na Sala de Aula - Mês de Abril/2015
 
Regulamento açoriano
Regulamento açorianoRegulamento açoriano
Regulamento açoriano
 
Relatório intenção de compras - Natal 2015
Relatório intenção de compras - Natal 2015Relatório intenção de compras - Natal 2015
Relatório intenção de compras - Natal 2015
 
Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2
 
Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2Regulamento oculos 2
Regulamento oculos 2
 
Planetadoc programação
Planetadoc programaçãoPlanetadoc programação
Planetadoc programação
 
Regulamento Bom pra tudo
Regulamento Bom pra tudoRegulamento Bom pra tudo
Regulamento Bom pra tudo
 
1censo legislativo 2015_web_0
1censo legislativo 2015_web_01censo legislativo 2015_web_0
1censo legislativo 2015_web_0
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
 
Liminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassaçãoLiminar de suspensão do processo de cassação
Liminar de suspensão do processo de cassação
 
Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015
Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015
Aprovados - Vestibular de Inverno Acafe 2015
 
Laudo MPF - Geologia
Laudo MPF - GeologiaLaudo MPF - Geologia
Laudo MPF - Geologia
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 

Carta aberta à comunidade escolar

  • 1. CARTA ABERTA À COMUNIDADE ESCOLAR O QUE É PRECISO SABER SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA – ESTATUTO DO DEFICIENTE RECENTEMENTE SANCIONADA, A LEI 13.146/2015, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 7 DE JULHO PASSADO, INSTITUIU A LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA). O ASSUNTO É COMPLEXO. NÃO PODE SER TRATADO SUPERFICIALMENTE E COM SENSACIONALISMO, COMO VEM OCORRENDO. O QUE É PRECISO SABER As soluções seriam muito mais simples se as deficiências fossem apenas de natureza física, uma questão de engenharia e de “layout” de mobiliário, de prédio ou de próteses. A maior nação do mundo teve um presidente cadeirante e a Inglaterra, um rei gago. Só de outros transtornos e síndromes - com natureza, grau e profundidade diferentes, próprios e individuais - arrolam-se mais de cinco mil. O portador de necessidade especial precisa de educação, tratamento e acompanhamento também especiais, por instituições capazes de proporcioná-los com sucesso e não charlatanismo. Causa-nos estranheza um país que não reconhece, não contempla e não premia os valorosos serviços que, abnegadamente, por anos, vêm sendo prestados pelas APAES e outras instituições altamente especializadas. Quem nasceu e mora em Santa Catarina conhece de perto – através de familiares, amigos e colegas portadores – os resultados positivos, alguns verdadeiros milagres, obtidos através das Associações de Pais e Amigos de Excepcionais, pelo Instituto Diomício Freitas, em Criciúma, Abludef e Abada, em Blumenau, AMA de Joinville, CAPP em Chapecó, Coepad, Iatel, ACIC e Aflodef, todos em Florianópolis, além da Orionópolis, em São José. Essas instituições não se limitam apenas a atender os deficientes físicos, mas estendem esse trabalho aos portadores dos mais diversos transtornos. A nosso ver, melhor se faria reconhecendo o trabalho de tais entidades, privilegiando-as, amparando-as, fortalecendo-as e lhes dando recursos suficientes. Poderiam ser mesmo suporte especializado para trabalho conjunto com famílias e com as escolas comuns, não apetrechadas, não preparadas suficientemente para atender os portadores de necessidades especiais, conseguindo-se real, verdadeira e efetiva inclusão social. Seriam um núcleo especializado à disposição de todos. Os poderes públicos têm condição de transformá-los em verdadeiros centros de atendimento altamente qualificados e especializados. Impostos, aliás, não faltam! Algumas perguntas inquietantes podem levar a uma visão mais equilibrada e holística do melhor atendimento e inclusão dos portadores de necessidades especiais. Apenas, como exemplos, é possível
  • 2. formular algumas, capazes de provocar uma avaliação mais atenta da situação. Como uma escola comum, competente para cumprir com a missão para a qual foi criada, mas não equipada e sem pessoal especializado, pode agir diante de um adolescente com 13 ou 14 anos, ainda não alfabetizado, que, por sua própria condição e idade, se isola dos demais ou por eles é isolado? Será que, a título de inclusão social: a) alguém pode ser ministro do S.T.F. sem preencher os requisitos previstos no artigo 101 da Constituição da República? b) há condições de um autista ou alguém com idade mental reduzida e psicológica ser Presidente da República? c) é possível a um cego ser cirurgião ou piloto de avião? d) para um cardiopata ou vítima de câncer é suficiente o tratamento por um clínico geral ou posto de saúde de primeiro atendimento? Ou seriam apenas os encaminhadores aos especialistas? e) alguém sem braços ou sem pernas poderia jogar basquete ou futebol (nas paraolimpíadas são classificados ou agrupados conforme o tipo e grau de deficiência)? Por que simplesmente não inseri-los nos meios e disputas dos atletas que não têm limitação? f) Uma clínica especializada em oftalmologia está obrigada também a atender patologias na área de cardiologia? g) O Serviço Militar (Marinha, Exército e Aeronáutica) está preparado para aceitar nas suas fileiras toda e qualquer pessoa portadora de deficiência? Aliás, eles aceitam? h) o que uma dessas escolas poderia fazer por um aluno que, em razão de atraso mental de idade, não se integra com os colegas, que têm interesses diferentes, porque estão em idade mais avançada? i) o que uma dessas escolas pode fazer por um aluno que, em razão de deficiência, abre a braguilha e expõe a genitália para as colegas ou agride os menores? j) que procedimento pode adotar a direção de uma escola comum quando uma jovem professora, aos prantos e ferida física e psicologicamente, anuncia que pede demissão e desiste da profissão, porque foi espremida com uma carteira contra a parede por um hiper- ativo, ao impedi-lo de agredir uma outra criança paraplégica, num de seus descontroles em que inopinadamente e sem motivos bate em todos os colegas? k) como proceder diante de um aluno que, sem capacidade de discernir, armado, ameaça agredir os colegas? l) há real inclusão social, carinho e amor ao deficiente, colocando-o numa escola comum, entre alunos comuns, simplesmente para satisfazer a um possível sentimento de culpa injustificável? m) pode, honestamente, uma escola comum certificar promoção, conclusão de nível ou grau de ensino, para quem foi impossível alcançar tal nível? Isso não seria uma enganação individual e coletiva? É bom lembrar que grande parte dessas escolas têm leigos como professores. A resposta a essas e outras perguntas seria, a título de inclusão social, colocar à força tais pessoas e alunos juntamente com os diferentes deles, em escolas comuns, PÚBLICAS e PRIVADAS, sem estrutura e despreparadas. Educação, ensino e preparação não se resumem a mera socialização e convivência. Pensar e agir assim seria apenas prejudicar os deficientes e seus familiares, prometendo-lhes uma inclusão que verdadeiramente não ocorrerá. Nós não nos opomos à Lei 13.146/15, mas à pretensão de que milhares de escolas comuns, PÚBLICAS e PRIVADAS, que não se propuseram a ministrar educação especial por falta de
  • 3. competência para fazê-lo, tenham obrigatoriamente que atender com garantia de sucesso os deficientes, de qualquer natureza, grau, variação ou profundidade. Será que, com bom senso, equilíbrio e visão realista, se pode ter mais consideração e respeito com o deficiente, para proporcionar-lhe o atendimento e tratamento que merece? Será que é possível ao Estado transferir uma responsabilidade constitucional que lhe pertence aos ombros e orçamento de entidades privadas ou de seus demais alunos e pais? São justos os custos adicionais para manter estrutura adequada e pessoal especializado para atender alunos portadores de necessidades especiais - recaírem sobre os custos e preços dos demais? Não se inclui simplesmente colocando alguém no meio de uma maioria diferente, com que acabará não se interagindo e se integrando. O próprio portador da necessidade poderá se sentir isolado, podendo até reagir agressivamente. Tudo se resume a uma questão de bom senso, equilíbrio, isenção e visão realista. Registre-se que muitos dos apoiadores, mentores e autores da lei, que têm portadores de necessidades especiais em casa, se recusam a matriculá-los numa escola pública mesmo altamente especializada e capacitada ou em unidade da APAE. Será por preconceito, este, sim, a maior deficiência de uma pessoa? Essas são algumas ponderações que ousamos propor para que sejam examinadas com isenção, com olhos e visão voltados equilibradamente para o bem-estar dos portadores de necessidades especiais. E, assim, com um bom debate sobre a matéria, contribuir para a sociedade. Florianópolis, setembro de 2015. CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO (CONFENEN) SINDICATO DAS ESCOLAS PARTICULARES DE SANTA CATARINA (SINEPE/SC)