SlideShare uma empresa Scribd logo
Deise Nascimento
Campinas 2014
Deise Nascimento
Campinas 2014
“Dedicamos esse projeto às futuras gerações
que poderão caminhar à sombra destas árvores
e ouvir o canto dos pássaros que aqui
encontrarão refúgio...
Aos peixes e aos rios que seguirão livres os
destinos das águas...
À chuva e à terra como nossas companheiras
na vida que se renova a cada dia...”
Missão do Instituto Árvore da Vida:
Realizar ações e projetos de preservação ambiental e inclusão social, envolvendo o meio ambiente e a cultura. Difundir o
conhecimento de técnicas e aplicações de tecnologias e produtos ambientalmente corretos, cursos de educação sócio
ambiental e projetos técnicos na área do meio ambiente, preservação e proteção da fauna e flora.
Breve Histórico sobre o Instituto Árvore da Vida:
O Instituto Árvore da Vida é uma OSCIP que tem por objetivo a preservação ambiental e a inclusão social. Teve sua fundação
registrada no dia 06 de setembro de 2005. Foi qualificada como OSCIP pelo Ministério da Justiça em 28 de novembro de
2005.
Os integrantes desta entidade acumularam experiências ao longo de uma trajetória de trabalhos vinculados às questões
ambientais, sociais e culturais.
No contexto de uma região metropolitana, conturbada com o desequilíbrio ambiental, o caos social e toda a degradação que
os grandes centros urbanos oferecem, entendemos que nossa contribuição para um mundo melhor e para o futuro da
humanidade é dedicar nossas habilidades intelectuais, artísticas e condições físicas ao desenvolvimento de uma postura
reformadora diante destes fatos.
Da união de diversos profissionais capacitados e intencionados, movidos por este propósito, criou-se esta entidade.
Acreditando também que o 3 Setor é o fiel da balança de nossos tempos, realizamos este feito, criar uma OSCIP de
preservação ambiental e inclusão social.
O Instituto Árvore da Vida é nosso instrumento de ação, nossa palavra e nossa contribuição para nossa cidade, nosso
país, nosso planeta. Trabalhamos para a cura do planeta.
Conceito do Projeto
Nascentes Urbanas
• O projeto Nascentes Urbanas conjuga
ações de recuperação e preservação
ambiental, abrange o uso de tecnologias
sociais objetivando o urbanismo
ambiental, recuperação e preservação de
recursos hídricos, recuperação e
preservação ambiental e paisagismo.
Linha do Tempo – Previsão de atividades a partir
de 2014 a 2020.
2014 2016 2018 2020
Linha do Tempo
2014- Criação de módulos independes através da
definição do conceito de célula urbana
2016 – Inter conexão e interação de células urbanas para
formação de super-células urbanas
2018 - Configuração de corredores ecológicos na RMC e
munícipios que compõem a UGRH5 – Unidade de
Gerenciamento de Recursos Hídricos 5
2020 – Reengenharia finalizada de corredores ecológicos
e integração de células urbanas
Célula
urbana
Super-
células
urbanas
Corredores
Ecológicos RMC
e
munícipios da
UGRH5
Corredores
ecológicos e
integração de
células urbanas
Linha do Tempo
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
A ÁREA DO PROJETO:
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
UGRHI 05 Louveira
Águas de São Pedro Mombuca
Americana Monte Alegre do Sul
Amparo Monte Mor
Analândia Morungaba
Artur Nogueira Nazaré Paulista
Atibaia Nova Odessa
Bom Jesus dos Perdões Paulínia
Bragança Paulista Pedra Bela
Campinas Pedreira
Campo Limpo Paulista Pinhalzinho
Capivari Piracaia
Charqueada Piracicaba
Cordeirópolis Rafard
Corumbataí Rio Claro
Cosmópolis Rio das Pedras
Elias Fausto Saltinho
Holambra Salto
Hortolândia Santa Bárbara d’Oeste
Indaiatuba Santa Gertrudes
Ipeúna Santa Maria da Serra
Iracemápolis Santo Antonio de Posse
Itatiba São Pedro
Itupeva Sumaré
Jaguariúna Tuiuti
Jarinu Valinhos
Joanópolis Vargem
Jundiaí Várzea Paulista
Limeira Vinhedo
Unidade de Gerenciamento de
Recursos Hídricos no.5 - UGRHI 5,
correspondente às Bacias
Hidrográficas dos Rios Piracicaba,
Capivari e Jundiaí, localiza-se na
região leste do Estado de São Paulo
MÓDULO CAMPINAS
PROJETO NASCENTES URBANAS: A Cidade
A ÁREA DO PROJETO : Macrozonas – Super células
do projeto – período 2014 /2016
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
A ÁREA DO PROJETO – O que nos inspirou –
MÓDULO BARÃO GERAL:
O projeto Nascentes Urbanas visa a recuperação de áreas
remanescentes do bioma Mata Atlântica, inseridas num contexto
de ocupação urbana, pertencentes às Bacias do Ribeirão das
Pedras, Córrego da Fazenda Monte D'Este, Bacia do Ribeirão
Anhumas, Setor de Drenagem do Rio Atibaia e Bacia do Ribeirão
Quilombo, situadas na Unidade de Gerenciamento de Recursos
Hídricos-URGH5; no distrito de Barão Geraldo e entorno da
REPLAN em Paulinia.
AÇÕES DO PROJETO:
Toda ação que ocorre no solo de uma bacia hidrográfica pode afetar a qualidade de sua água, ou
ocasionar sua escassez. Partindo desta premissa, o projeto Nascentes Urbanas visa a recuperação e
preservação de nascentes e córregos existentes no tecido urbano e rural.
Objetiva a manutenção da rede hídrica e sua capilaridade; contribuindo com uma participação efetiva
na preservação de águas subterrâneas e na reposição de estoques dos aquíferos. Almeja plantio ciliar
de indivíduos arbóreos (Resolução SMA 47de 26/11/2003), preservação, manutenção e recuperação
de matas ciliares, bem como o combate e prevenção das causas e efeitos da poluição, das
inundações, das estiagens, da erosão do solo e do assoreamento dos cursos d'água. Como ação
transversal permanente a educação sócio- ambiental integrada a ações culturais e tecnologias sociais
que integrem meio ambiente e a cultura.
Envolverá a região contida na Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos - UGRH, bacias
hidrográficas, rios, córregos e nascentes que se encontram em estado de risco e desequilíbrio.
Visa minimizar os impactos ocasionados pelo crescimento das cidades e invasão dos mananciais e
consequente deterioração dos recursos hídricos e crescente aumento da demanda de água.
O PROJETO: Um olhar holístico para o meio ambiente
Projetos de recuperação ambiental em áreas urbanas
Praças, Remanescentes de Leitos Ferroviários, APPs e
Áreas Verdes Remanescentes de Mata Atlântica
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA PROPOSTA:
• O projeto “Nascentes Urbanas” irá desenvolver duas linhas de
trabalho distintas para a ação de preservação da flora.
• a) Plantio de espécies nativas arbóreas , de acordo com o anexo à
Resolução SMA 47de 26/11/2003, listados e indicados de acordo
com sua ocorrência natural no bioma / ecossistema e região
ecológica. (Bioma / Ecossistema: FES – Floresta Estacional
Semidecidual; Regiões Ecológicas: SE – Sudeste.
• b) Cultivo em viveiro de mudas para destinação e plantio em outros
locais, biomas e regiões ecológicas de espécies ameaçadas de
extinção, de acordo com a lista de espécies da flora ameaçadas de
extinção divulgada pelo IBAMA, através da Portaria n° 37-N de 3 de
abril de 1992.
• Esta ação visa alavancar processos de preservação destas
espécies, bem como a geração de renda para manutenção do
projeto, através da comercialização destas mudas.
Meio Ambiente & Cultura
• Na área cultural, o projeto contempla atividades ligadas à
educação ambiental. Esta vertente do projeto tem duas
finalidades específicas.
• 1-Promover a Educação ambiental e preservação.
• 2-Dar abertura à participação popular no processo de
implantação e manutenção do projeto. As propostas culturais
pertencentes ao projeto Nascentes Urbanas objetivam alavancar
a produção Cultural com bases na sustentabilidade ambiental e
dar subsídios a uma vanguarda popular que dissemine os
conceitos de uma nova sociedade, onde o equilíbrio ambiental, a
ética e a cidadania. Serão oferecidas diversas oficinas e
eventos, criação artística, bioconstrução e permacultura Os
profissionais envolvidos com o projeto Nascentes Urbanas
acumulam experiências e informações diversificadas e interação
em movimentos socioculturais, criando deste modo a linguagem
diferenciada da proposta, partindo do conceito holístico na
reconstrução sócio-ambiental.
• 3 - Projetos Culturais em parceria com entidades locais
Inclusão Social – Cultura – Meio Ambiente
1- Promover a Educação ambiental e
preservação.
2 – Oficinas culturais aliadas ao conceito de
sustentabilidade . Estas oficinas podem ocorrer em
diversos locais de Campinas e região metropolitana.
Colar feito com “pérolas”
e objeto confeccionados
com papel
3 - Projetos Culturais em parceria com entidades locais
Inclusão Social – Cultura – Meio Ambiente
Contempla as seguintes ações:
● Desenho de praças, equipamentos e mobiliário urbano
● Recuperação de áreas urbanas degradadas
● Recuperação de áreas remanescentes de mata nativa
● Reflorestamentos
● Plantios ciliares
● Viveiros de mudas
● Educação ambiental
● Cursos e palestras
● Atividades de Permacultura
● Oficinas de bioconstrução e solocimento
● Projetos de urbanismo e habitações
● Habitação popular em bioconstrução
● Bambu e suas aplicações
● Pavimentação ecológica
● Uso de energia eólica e solar
● Programas de reciclagem
● Ações voltadas ao desenvolvimento sustentável
● Análise emergética de sistemas
● Ações de reposição de estoques e alimentação de
sistemas detectados com deficiências ou desequilíbrios
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
• Recuperação de áreas urbanas em APP em estado de degradação, plantios,
limpeza e manutenção de áreas ciliares e nascentes. Proposta de desenho
urbano e de paisagismo associado ao conceito de sustentabilidade
ambiental, plantio ciliar, preservação de nascentes e córregos, projetos
sócio culturais e participação da sociedade. Construção de equipamentos
urbanos através da autoconstrução, utilizando para esta finalidade os
recursos das oficinas que atenderão ao público.
• A Instalação de um Viveiro de Mudas Nativas permitirá que a OSCIP
Instituto Árvore da Vida, administradora do projeto Nascentes Urbanas,
desenvolva a produção de mudas para os programas de Recuperação de
Áreas Degradadas e Programa de Educação Ambiental.
Objetivos Específicos:
Programa de Recuperação em Áreas Degradadas:
• -Áreas Verdes, praças, matas ciliares e espaços públicos;
• -Restauração ecológica ;
• -Conexão das matas de brejo através de corredores ecológicos;
• -Recomposição das matas de brejo ;
• -Programa de Educação Ambiental:
• -Educação Ambiental;
• -Educação Ambiental para grupos especiais;
• -Educação Ambiental para a comunidade do entorno;
• -Educação Ambiental para a sociedade.
MAPAS EVOLUTIVOS DA COBERTURA VEGETAL NO ESTADO DE
SÃO PAULO a partir da situação primitiva, e respectivamente nos anos de
1886, 1907, 1920, 1935, 1952, 1962 e 1973.
• Como estratégia o plantio ciliar associado ao plano de proteção da fauna e flora visa dar condições
à criação de corredores ecológicos, preservando a biodiversidade, compatibilizando o
gerenciamento dos recursos hídricos com desenvolvimento regional e proteção do meio
ambiente, estimulando a proteção das águas contra ações que possam comprometer o uso atual e
futuro.
• Optou-se por iniciar as ações com plantio ciliar, fortalecendo núcleos que ainda são
caracterizados por um grau adequado de conectividade e progressivamente estimular ações que
promovam a integração ecossistêmica entre as principais áreas-alvo, ampliando-as
gradativamente.
• Serão realizadas ações sócio-educativas sobre uso racional das águas, prevenção à erosão do solo
nas áreas urbanas e rurais, promoção e integração de ações na defesa contra eventos hidrológicos
críticos que ofereçam riscos à saúde, segurança pública, prejuízos econômicos e sociais. Tais ações
serão viabilizadas através de uma rede de parceiros que compõem o corpo técnico do projeto e
uso de tecnologias sociais. A participação da comunidade em tais ações será viabilizada através de
núcleos de trabalho distribuídos.
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
• O projeto visa recuperar áreas remanescentes de biomas e florestas contidos nas
áreas urbanas e rurais e áreas de conurbação entre municípios. Além dos plantios
compensatórios, as áreas serão contempladas com projetos de arquitetura e
paisagismo utilizadas de forma sustentável, de acordo com o permitido pelo DEPRN,
para lazer, contemplação, descanso, integração sócio-cultural e educação sócio-
ambiental, em consonância com as diretrizes propostas pelo Plano Diretor de cada
município envolvido no projeto, Objetivos do Milênio, Agenda 21, Convenção do
Clima, Convenção da Diversidade Biológica, Declaração Universal dos Direitos da
Água e Convenção da Diversidade Cultural. Os objetivos finais convergem na
recuperação e preservação de nascentes e córregos, através de plantios ciliares,
visando a relação direta de recurso hídricos superficiais, reposição de aqüíferos e
águas subterrâneas e educação sócio-ambiental através da rede de parceiros.
Fases do Projeto
• Estudos e coleta de dados
• Contato com a comunidade e parcerias
• Projeto – Plantas, desenhos , croquis , fotos , etc.
• Documentação do projeto – contratos , etc.
• Busca de recurso financeiros – patrocínios e outros
• Implantação e execução
• Continuidade e manutenção
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Praça em área urbana contemplada pelo projeto Nascentes Urbanas
Praça em área urbana contemplada pelo projeto Nascentes Urbanas
Praça Pau Brasil – Bairro Solar de Campinas
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014
Fontes de pesquisa
http://www.igc.sp.gov.br
http://www.agua.org.br
http://www.planejamento.sp.gov.br
https://sig.agenciapcj.org.br
http://mapas.ibge.gov.br/
http://www.comitepcj.sp.gov.br
http://www.ibge.gov.br
http://www2.ana.gov.br/Paginas/default.aspx
Projeto Nascentes Urbanas
Proponente: Instituto Árvore da Vida
Apresentação:Deise Nascimento
Contato:
(19)21210192
(19)989002424
E-mail: deisemaradonascimento@gmail.com
http://ongiav.blogspot.com
Visite o link http://ongiav.blogspot.com e acesse o
projeto completo
Obrigada!
deisemaradonascimento@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUSEdson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-AraucáriaDomínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
Icaro Oliveira
 
Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico
Mônica Firmida
 
Hidrografia do paraná
Hidrografia do paranáHidrografia do paraná
Hidrografia do paraná
Ana Carolina
 
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúdeGestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
angelalessadeandrade
 
Módulo 1 - aula 2
Módulo 1 - aula 2Módulo 1 - aula 2
Módulo 1 - aula 2
eadsantamarcelina
 
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Ghiordanno Bruno
 
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Fernando Barroso
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
Jucie Vasconcelos
 
Influenza Aviária - 2015
Influenza Aviária - 2015Influenza Aviária - 2015
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
Daniel Jovana Joaquim
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
Kênia Paula
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
ivanaferraz
 
Relatório matadouro público de araripina
Relatório matadouro público de araripinaRelatório matadouro público de araripina
Relatório matadouro público de araripina
Everaldo
 
Brucelose Bovina
Brucelose BovinaBrucelose Bovina
Brucelose Bovina
aralfuri
 
Bioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros MarinhosBioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros Marinhos
Jade
 
Hidráulica apostila 1
Hidráulica   apostila 1Hidráulica   apostila 1
Hidráulica apostila 1
Fausto Afonso Domingos
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
Cláudia Hellena Ribeiro
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
William Santos
 

Mais procurados (20)

Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUSEdson Araújo  – Desafios para a sustentabilidade do SUS
Edson Araújo – Desafios para a sustentabilidade do SUS
 
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-AraucáriaDomínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
 
Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico Derrame pleural parapneumonico
Derrame pleural parapneumonico
 
Hidrografia do paraná
Hidrografia do paranáHidrografia do paraná
Hidrografia do paraná
 
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúdeGestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
 
Módulo 1 - aula 2
Módulo 1 - aula 2Módulo 1 - aula 2
Módulo 1 - aula 2
 
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicasAula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
Aula 02 - A construção do SUS no contexto das políticas públicas
 
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
 
Aula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal AgudaAula Insuficiência Renal Aguda
Aula Insuficiência Renal Aguda
 
Influenza Aviária - 2015
Influenza Aviária - 2015Influenza Aviária - 2015
Influenza Aviária - 2015
 
Inspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.cursoInspeção de bovinos.curso
Inspeção de bovinos.curso
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
Relatório matadouro público de araripina
Relatório matadouro público de araripinaRelatório matadouro público de araripina
Relatório matadouro público de araripina
 
Brucelose Bovina
Brucelose BovinaBrucelose Bovina
Brucelose Bovina
 
Bioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros MarinhosBioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros Marinhos
 
Hidráulica apostila 1
Hidráulica   apostila 1Hidráulica   apostila 1
Hidráulica apostila 1
 
SAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVASAÚDE COLETIVA
SAÚDE COLETIVA
 
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de EnfermagemEstrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
Estrutura Organizacional e os Serviços de Enfermagem
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
 

Destaque

PDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade Inovação
PDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade  InovaçãoPDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade  Inovação
PDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade Inovação
Deise Mara do Nascimento
 
Cidade Inteligente e Sustentável BR - Smart City
Cidade Inteligente e Sustentável BR - Smart CityCidade Inteligente e Sustentável BR - Smart City
Cidade Inteligente e Sustentável BR - Smart City
Deise Mara do Nascimento
 
Recuperação, conservação e preservação de nascentes
Recuperação, conservação e preservação de nascentesRecuperação, conservação e preservação de nascentes
Recuperação, conservação e preservação de nascentes
CBH Rio das Velhas
 
Apostila conservação de nascentes
Apostila conservação de nascentesApostila conservação de nascentes
Apostila conservação de nascentes
Luiz Oliveira
 
Prad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latãoPrad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latão
Danielle Rocha
 
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes UrbanasProjeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
CBH Rio das Velhas
 
Projeto Semeando Nascentes
Projeto Semeando NascentesProjeto Semeando Nascentes
Projeto Semeando Nascentes
Maíra Mainart
 
Projeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BA
Projeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BAProjeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BA
Projeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BA
TvSaj
 
Cartilha formato online
Cartilha formato onlineCartilha formato online
Cartilha formato online
Thais F. G. Rocha
 

Destaque (9)

PDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade Inovação
PDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade  InovaçãoPDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade  Inovação
PDSI – Pesquisa Desenvolvimento Sustentabilidade Inovação
 
Cidade Inteligente e Sustentável BR - Smart City
Cidade Inteligente e Sustentável BR - Smart CityCidade Inteligente e Sustentável BR - Smart City
Cidade Inteligente e Sustentável BR - Smart City
 
Recuperação, conservação e preservação de nascentes
Recuperação, conservação e preservação de nascentesRecuperação, conservação e preservação de nascentes
Recuperação, conservação e preservação de nascentes
 
Apostila conservação de nascentes
Apostila conservação de nascentesApostila conservação de nascentes
Apostila conservação de nascentes
 
Prad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latãoPrad da nascente e app do córrego do latão
Prad da nascente e app do córrego do latão
 
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes UrbanasProjeto de Valorização das Nascentes Urbanas
Projeto de Valorização das Nascentes Urbanas
 
Projeto Semeando Nascentes
Projeto Semeando NascentesProjeto Semeando Nascentes
Projeto Semeando Nascentes
 
Projeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BA
Projeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BAProjeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BA
Projeto Brotar Nascente, GANA, S.A.Jesus-BA
 
Cartilha formato online
Cartilha formato onlineCartilha formato online
Cartilha formato online
 

Semelhante a Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014

CONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdf
CONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdfCONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdf
CONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdf
Deise Mara do Nascimento
 
Comparação de instituições
Comparação de instituiçõesComparação de instituições
Comparação de instituições
andre6990
 
PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS
PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS
PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS
PauloSergioGomes7
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de una
Karlla Costa
 
Projeto Residencial Beija-flor
Projeto Residencial Beija-florProjeto Residencial Beija-flor
2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai
2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai
2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai
Victor Ha-Kã Azevedo
 
Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01
Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01
Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01
CNC
 
Agricultura urbana na prática
Agricultura urbana na práticaAgricultura urbana na prática
Agricultura urbana na prática
John Herbert Badi Zappala
 
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Felipe Fonseca
 
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta KubruslyAula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Habitação e Cidade
 
Projeto Água Também é Mar
Projeto Água Também é MarProjeto Água Também é Mar
Projeto Água Também é Mar
escolamanguecomunica
 
Cartilha agricultura urbana na pratica baixa resolução
Cartilha agricultura urbana na pratica baixa resoluçãoCartilha agricultura urbana na pratica baixa resolução
Cartilha agricultura urbana na pratica baixa resolução
Alexandre Panerai
 
Cartilha colhendo novo_baixa
Cartilha colhendo novo_baixaCartilha colhendo novo_baixa
Cartilha colhendo novo_baixa
Alexandre Panerai
 
Educacao ambiental
Educacao ambientalEducacao ambiental
Educacao ambiental
Kelvin Oliveira
 
Entreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanente
Entreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanenteEntreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanente
Entreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanente
THCM
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Cepagro
 
Artigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemig
Artigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemigArtigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemig
Artigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemig
André Rocha Franco
 
Projetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentávelProjetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentável
Jean Pires
 
Plano De Projeto Finalizado Data 04
Plano De Projeto Finalizado Data 04Plano De Projeto Finalizado Data 04
Plano De Projeto Finalizado Data 04
guest18166af
 
Projeto educambiental
Projeto educambientalProjeto educambiental
Projeto educambiental
Lidiane Reis
 

Semelhante a Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014 (20)

CONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdf
CONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdfCONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdf
CONEXÕES REGENERATIVAS URBANAS 2023.pdf
 
Comparação de instituições
Comparação de instituiçõesComparação de instituições
Comparação de instituições
 
PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS
PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS
PARQUE MÚLTIPLO INTEGRADO RECANTO DOS BURITIS DE PARANAÍBA/MS
 
Plano ambiental de una
Plano ambiental de unaPlano ambiental de una
Plano ambiental de una
 
Projeto Residencial Beija-flor
Projeto Residencial Beija-florProjeto Residencial Beija-flor
Projeto Residencial Beija-flor
 
2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai
2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai
2016 materia mes de julho 2016 patrulha ambiental do rio ivai
 
Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01
Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01
Ecos prog-sustentabilidadecnc-sesc-senac-maronabi-abib-110526111914-phpapp01
 
Agricultura urbana na prática
Agricultura urbana na práticaAgricultura urbana na prática
Agricultura urbana na prática
 
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
Ong's - fóruns de conhecimento - questões socioambientais (por Juliana Bussol...
 
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta KubruslyAula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta Kubrusly
 
Projeto Água Também é Mar
Projeto Água Também é MarProjeto Água Também é Mar
Projeto Água Também é Mar
 
Cartilha agricultura urbana na pratica baixa resolução
Cartilha agricultura urbana na pratica baixa resoluçãoCartilha agricultura urbana na pratica baixa resolução
Cartilha agricultura urbana na pratica baixa resolução
 
Cartilha colhendo novo_baixa
Cartilha colhendo novo_baixaCartilha colhendo novo_baixa
Cartilha colhendo novo_baixa
 
Educacao ambiental
Educacao ambientalEducacao ambiental
Educacao ambiental
 
Entreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanente
Entreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanenteEntreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanente
Entreverdes Campinas - Programa de educação ambiental permanente
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
 
Artigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemig
Artigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemigArtigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemig
Artigo parauninha xx_simposio_brasileiro_recursos_hidricos_final_fapemig
 
Projetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentávelProjetodesafio sustentável
Projetodesafio sustentável
 
Plano De Projeto Finalizado Data 04
Plano De Projeto Finalizado Data 04Plano De Projeto Finalizado Data 04
Plano De Projeto Finalizado Data 04
 
Projeto educambiental
Projeto educambientalProjeto educambiental
Projeto educambiental
 

Projeto Nascentes Urbanas - Atualização 2014

  • 2. Deise Nascimento Campinas 2014 “Dedicamos esse projeto às futuras gerações que poderão caminhar à sombra destas árvores e ouvir o canto dos pássaros que aqui encontrarão refúgio... Aos peixes e aos rios que seguirão livres os destinos das águas... À chuva e à terra como nossas companheiras na vida que se renova a cada dia...”
  • 3. Missão do Instituto Árvore da Vida: Realizar ações e projetos de preservação ambiental e inclusão social, envolvendo o meio ambiente e a cultura. Difundir o conhecimento de técnicas e aplicações de tecnologias e produtos ambientalmente corretos, cursos de educação sócio ambiental e projetos técnicos na área do meio ambiente, preservação e proteção da fauna e flora. Breve Histórico sobre o Instituto Árvore da Vida: O Instituto Árvore da Vida é uma OSCIP que tem por objetivo a preservação ambiental e a inclusão social. Teve sua fundação registrada no dia 06 de setembro de 2005. Foi qualificada como OSCIP pelo Ministério da Justiça em 28 de novembro de 2005. Os integrantes desta entidade acumularam experiências ao longo de uma trajetória de trabalhos vinculados às questões ambientais, sociais e culturais. No contexto de uma região metropolitana, conturbada com o desequilíbrio ambiental, o caos social e toda a degradação que os grandes centros urbanos oferecem, entendemos que nossa contribuição para um mundo melhor e para o futuro da humanidade é dedicar nossas habilidades intelectuais, artísticas e condições físicas ao desenvolvimento de uma postura reformadora diante destes fatos. Da união de diversos profissionais capacitados e intencionados, movidos por este propósito, criou-se esta entidade. Acreditando também que o 3 Setor é o fiel da balança de nossos tempos, realizamos este feito, criar uma OSCIP de preservação ambiental e inclusão social. O Instituto Árvore da Vida é nosso instrumento de ação, nossa palavra e nossa contribuição para nossa cidade, nosso país, nosso planeta. Trabalhamos para a cura do planeta.
  • 4. Conceito do Projeto Nascentes Urbanas • O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o uso de tecnologias sociais objetivando o urbanismo ambiental, recuperação e preservação de recursos hídricos, recuperação e preservação ambiental e paisagismo.
  • 5. Linha do Tempo – Previsão de atividades a partir de 2014 a 2020.
  • 6. 2014 2016 2018 2020 Linha do Tempo 2014- Criação de módulos independes através da definição do conceito de célula urbana 2016 – Inter conexão e interação de células urbanas para formação de super-células urbanas 2018 - Configuração de corredores ecológicos na RMC e munícipios que compõem a UGRH5 – Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos 5 2020 – Reengenharia finalizada de corredores ecológicos e integração de células urbanas
  • 10. A ÁREA DO PROJETO:
  • 14. UGRHI 05 Louveira Águas de São Pedro Mombuca Americana Monte Alegre do Sul Amparo Monte Mor Analândia Morungaba Artur Nogueira Nazaré Paulista Atibaia Nova Odessa Bom Jesus dos Perdões Paulínia Bragança Paulista Pedra Bela Campinas Pedreira Campo Limpo Paulista Pinhalzinho Capivari Piracaia Charqueada Piracicaba Cordeirópolis Rafard Corumbataí Rio Claro Cosmópolis Rio das Pedras Elias Fausto Saltinho Holambra Salto Hortolândia Santa Bárbara d’Oeste Indaiatuba Santa Gertrudes Ipeúna Santa Maria da Serra Iracemápolis Santo Antonio de Posse Itatiba São Pedro Itupeva Sumaré Jaguariúna Tuiuti Jarinu Valinhos Joanópolis Vargem Jundiaí Várzea Paulista Limeira Vinhedo
  • 15. Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos no.5 - UGRHI 5, correspondente às Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, localiza-se na região leste do Estado de São Paulo
  • 17. A ÁREA DO PROJETO : Macrozonas – Super células do projeto – período 2014 /2016
  • 20. A ÁREA DO PROJETO – O que nos inspirou – MÓDULO BARÃO GERAL: O projeto Nascentes Urbanas visa a recuperação de áreas remanescentes do bioma Mata Atlântica, inseridas num contexto de ocupação urbana, pertencentes às Bacias do Ribeirão das Pedras, Córrego da Fazenda Monte D'Este, Bacia do Ribeirão Anhumas, Setor de Drenagem do Rio Atibaia e Bacia do Ribeirão Quilombo, situadas na Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos-URGH5; no distrito de Barão Geraldo e entorno da REPLAN em Paulinia.
  • 21. AÇÕES DO PROJETO: Toda ação que ocorre no solo de uma bacia hidrográfica pode afetar a qualidade de sua água, ou ocasionar sua escassez. Partindo desta premissa, o projeto Nascentes Urbanas visa a recuperação e preservação de nascentes e córregos existentes no tecido urbano e rural. Objetiva a manutenção da rede hídrica e sua capilaridade; contribuindo com uma participação efetiva na preservação de águas subterrâneas e na reposição de estoques dos aquíferos. Almeja plantio ciliar de indivíduos arbóreos (Resolução SMA 47de 26/11/2003), preservação, manutenção e recuperação de matas ciliares, bem como o combate e prevenção das causas e efeitos da poluição, das inundações, das estiagens, da erosão do solo e do assoreamento dos cursos d'água. Como ação transversal permanente a educação sócio- ambiental integrada a ações culturais e tecnologias sociais que integrem meio ambiente e a cultura. Envolverá a região contida na Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos - UGRH, bacias hidrográficas, rios, córregos e nascentes que se encontram em estado de risco e desequilíbrio. Visa minimizar os impactos ocasionados pelo crescimento das cidades e invasão dos mananciais e consequente deterioração dos recursos hídricos e crescente aumento da demanda de água.
  • 22. O PROJETO: Um olhar holístico para o meio ambiente Projetos de recuperação ambiental em áreas urbanas Praças, Remanescentes de Leitos Ferroviários, APPs e Áreas Verdes Remanescentes de Mata Atlântica
  • 23. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA PROPOSTA: • O projeto “Nascentes Urbanas” irá desenvolver duas linhas de trabalho distintas para a ação de preservação da flora. • a) Plantio de espécies nativas arbóreas , de acordo com o anexo à Resolução SMA 47de 26/11/2003, listados e indicados de acordo com sua ocorrência natural no bioma / ecossistema e região ecológica. (Bioma / Ecossistema: FES – Floresta Estacional Semidecidual; Regiões Ecológicas: SE – Sudeste. • b) Cultivo em viveiro de mudas para destinação e plantio em outros locais, biomas e regiões ecológicas de espécies ameaçadas de extinção, de acordo com a lista de espécies da flora ameaçadas de extinção divulgada pelo IBAMA, através da Portaria n° 37-N de 3 de abril de 1992. • Esta ação visa alavancar processos de preservação destas espécies, bem como a geração de renda para manutenção do projeto, através da comercialização destas mudas.
  • 24. Meio Ambiente & Cultura • Na área cultural, o projeto contempla atividades ligadas à educação ambiental. Esta vertente do projeto tem duas finalidades específicas. • 1-Promover a Educação ambiental e preservação. • 2-Dar abertura à participação popular no processo de implantação e manutenção do projeto. As propostas culturais pertencentes ao projeto Nascentes Urbanas objetivam alavancar a produção Cultural com bases na sustentabilidade ambiental e dar subsídios a uma vanguarda popular que dissemine os conceitos de uma nova sociedade, onde o equilíbrio ambiental, a ética e a cidadania. Serão oferecidas diversas oficinas e eventos, criação artística, bioconstrução e permacultura Os profissionais envolvidos com o projeto Nascentes Urbanas acumulam experiências e informações diversificadas e interação em movimentos socioculturais, criando deste modo a linguagem diferenciada da proposta, partindo do conceito holístico na reconstrução sócio-ambiental. • 3 - Projetos Culturais em parceria com entidades locais Inclusão Social – Cultura – Meio Ambiente
  • 25. 1- Promover a Educação ambiental e preservação.
  • 26. 2 – Oficinas culturais aliadas ao conceito de sustentabilidade . Estas oficinas podem ocorrer em diversos locais de Campinas e região metropolitana. Colar feito com “pérolas” e objeto confeccionados com papel
  • 27. 3 - Projetos Culturais em parceria com entidades locais Inclusão Social – Cultura – Meio Ambiente
  • 28. Contempla as seguintes ações: ● Desenho de praças, equipamentos e mobiliário urbano ● Recuperação de áreas urbanas degradadas ● Recuperação de áreas remanescentes de mata nativa ● Reflorestamentos ● Plantios ciliares ● Viveiros de mudas ● Educação ambiental ● Cursos e palestras ● Atividades de Permacultura ● Oficinas de bioconstrução e solocimento ● Projetos de urbanismo e habitações ● Habitação popular em bioconstrução ● Bambu e suas aplicações ● Pavimentação ecológica ● Uso de energia eólica e solar ● Programas de reciclagem ● Ações voltadas ao desenvolvimento sustentável ● Análise emergética de sistemas ● Ações de reposição de estoques e alimentação de sistemas detectados com deficiências ou desequilíbrios
  • 30. • Recuperação de áreas urbanas em APP em estado de degradação, plantios, limpeza e manutenção de áreas ciliares e nascentes. Proposta de desenho urbano e de paisagismo associado ao conceito de sustentabilidade ambiental, plantio ciliar, preservação de nascentes e córregos, projetos sócio culturais e participação da sociedade. Construção de equipamentos urbanos através da autoconstrução, utilizando para esta finalidade os recursos das oficinas que atenderão ao público. • A Instalação de um Viveiro de Mudas Nativas permitirá que a OSCIP Instituto Árvore da Vida, administradora do projeto Nascentes Urbanas, desenvolva a produção de mudas para os programas de Recuperação de Áreas Degradadas e Programa de Educação Ambiental. Objetivos Específicos:
  • 31. Programa de Recuperação em Áreas Degradadas: • -Áreas Verdes, praças, matas ciliares e espaços públicos; • -Restauração ecológica ; • -Conexão das matas de brejo através de corredores ecológicos; • -Recomposição das matas de brejo ; • -Programa de Educação Ambiental: • -Educação Ambiental; • -Educação Ambiental para grupos especiais; • -Educação Ambiental para a comunidade do entorno; • -Educação Ambiental para a sociedade.
  • 32. MAPAS EVOLUTIVOS DA COBERTURA VEGETAL NO ESTADO DE SÃO PAULO a partir da situação primitiva, e respectivamente nos anos de 1886, 1907, 1920, 1935, 1952, 1962 e 1973.
  • 33. • Como estratégia o plantio ciliar associado ao plano de proteção da fauna e flora visa dar condições à criação de corredores ecológicos, preservando a biodiversidade, compatibilizando o gerenciamento dos recursos hídricos com desenvolvimento regional e proteção do meio ambiente, estimulando a proteção das águas contra ações que possam comprometer o uso atual e futuro. • Optou-se por iniciar as ações com plantio ciliar, fortalecendo núcleos que ainda são caracterizados por um grau adequado de conectividade e progressivamente estimular ações que promovam a integração ecossistêmica entre as principais áreas-alvo, ampliando-as gradativamente. • Serão realizadas ações sócio-educativas sobre uso racional das águas, prevenção à erosão do solo nas áreas urbanas e rurais, promoção e integração de ações na defesa contra eventos hidrológicos críticos que ofereçam riscos à saúde, segurança pública, prejuízos econômicos e sociais. Tais ações serão viabilizadas através de uma rede de parceiros que compõem o corpo técnico do projeto e uso de tecnologias sociais. A participação da comunidade em tais ações será viabilizada através de núcleos de trabalho distribuídos.
  • 35. • O projeto visa recuperar áreas remanescentes de biomas e florestas contidos nas áreas urbanas e rurais e áreas de conurbação entre municípios. Além dos plantios compensatórios, as áreas serão contempladas com projetos de arquitetura e paisagismo utilizadas de forma sustentável, de acordo com o permitido pelo DEPRN, para lazer, contemplação, descanso, integração sócio-cultural e educação sócio- ambiental, em consonância com as diretrizes propostas pelo Plano Diretor de cada município envolvido no projeto, Objetivos do Milênio, Agenda 21, Convenção do Clima, Convenção da Diversidade Biológica, Declaração Universal dos Direitos da Água e Convenção da Diversidade Cultural. Os objetivos finais convergem na recuperação e preservação de nascentes e córregos, através de plantios ciliares, visando a relação direta de recurso hídricos superficiais, reposição de aqüíferos e águas subterrâneas e educação sócio-ambiental através da rede de parceiros.
  • 36. Fases do Projeto • Estudos e coleta de dados • Contato com a comunidade e parcerias • Projeto – Plantas, desenhos , croquis , fotos , etc. • Documentação do projeto – contratos , etc. • Busca de recurso financeiros – patrocínios e outros • Implantação e execução • Continuidade e manutenção
  • 44. Praça em área urbana contemplada pelo projeto Nascentes Urbanas
  • 45. Praça em área urbana contemplada pelo projeto Nascentes Urbanas
  • 46. Praça Pau Brasil – Bairro Solar de Campinas
  • 55. Projeto Nascentes Urbanas Proponente: Instituto Árvore da Vida Apresentação:Deise Nascimento Contato: (19)21210192 (19)989002424 E-mail: deisemaradonascimento@gmail.com http://ongiav.blogspot.com
  • 56. Visite o link http://ongiav.blogspot.com e acesse o projeto completo Obrigada! deisemaradonascimento@gmail.com

Notas do Editor

  1. Este modelo pode ser usado como arquivo de partida para fornecer atualizações para um projeto do projeto.SeçõesClique com o botão direito em um slide para adicionar seções. Seções podem ajudar a organizar slides ou a facilitar a colaboração entre vários autores.AnotaçõesUse a seção Anotações para anotações da apresentação ou para fornecer detalhes adicionais ao público. Exiba essas anotações no Modo de Exibição de Apresentação durante a sua apresentação. Considere o tamanho da fonte (importante para acessibilidade, visibilidade, gravação em vídeo e produção online)Cores coordenadas Preste atenção especial aos gráficos, tabelas e caixas de texto.Leve em consideração que os participantes irão imprimir em preto-e-branco ou escala de cinza. Execute uma impressão de teste para ter certeza de que as suas cores irão funcionar quando forem impressas em preto-e-branco puros e escala de cinza.Elementos gráficos, tabelas e gráficosMantenha a simplicidade: se possível, use estilos e cores consistentes e não confusos.Rotule todos os gráficos e tabelas.
  2. Este modelo pode ser usado como arquivo de partida para fornecer atualizações para um projeto do projeto.SeçõesClique com o botão direito em um slide para adicionar seções. Seções podem ajudar a organizar slides ou a facilitar a colaboração entre vários autores.AnotaçõesUse a seção Anotações para anotações da apresentação ou para fornecer detalhes adicionais ao público. Exiba essas anotações no Modo de Exibição de Apresentação durante a sua apresentação. Considere o tamanho da fonte (importante para acessibilidade, visibilidade, gravação em vídeo e produção online)Cores coordenadas Preste atenção especial aos gráficos, tabelas e caixas de texto.Leve em consideração que os participantes irão imprimir em preto-e-branco ou escala de cinza. Execute uma impressão de teste para ter certeza de que as suas cores irão funcionar quando forem impressas em preto-e-branco puros e escala de cinza.Elementos gráficos, tabelas e gráficosMantenha a simplicidade: se possível, use estilos e cores consistentes e não confusos.Rotule todos os gráficos e tabelas.
  3. Do que se trata o projeto?Defina a meta deste projetoÉ semelhante a projetos anteriores ou se trata de um novo esforço?Defina o escopo deste projetoÉ um projeto independente ou está relacionado a outros projetos?* Observe que este slide não é necessário para reuniões de status semanais
  4. Os seguintes slides mostrar vários exemplos de linhas do tempo usando gráficos SmartArt.Inclua uma linha do tempo para o projeto, marcando claramente as etapas, datas importantes, e destaque em ponto o projeto se encontra agora.
  5. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  6. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  7. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  8. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  9. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  10. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  11. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  12. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  13. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  14. Duplique este slide, conforme o necessário, se houver mais de uma questão.Este slide e slides relacionados pode ser movido para o anexo ou oculto, se necessário.
  15. Prepare slides para o apêndice caso detalhes adicionais ou slides complementares venham a ser necessários. O apêndice também será útil se a apresentação for distribuída posteriormente.