Paradigmas da comunicacao

21.953 visualizações

Publicada em

Primeira aula da Daniela Bertocchi no Digicorp - ECA-USP

Publicada em: Educação
1 comentário
17 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
21.953
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
223
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
579
Comentários
1
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Paradigmas da comunicacao

  1. 1. “Paradigmas  da  Comunicação”   Teorias  da  Comunicação  Paradigma  funcionalista-­‐pragmá;co   Modelo  de  Laswell   Paradigma  conflitual-­‐dialé;co   Modelo  de  Lazarsfeld   Modelo  da  proposição  marxista   Modelo  da  dependência   Modelo  de  Klapper   Modelo  neo-­‐marxista   Modelo  de  usos  e  sa;sfações   Paradigma  culturológico  Paradigma  matemá;co-­‐informacional   Modelo  teórico-­‐cultural   Modelo  teórico-­‐matemá;co  da  Comunicação   Cultural  Studies  (Estudos  Culturais)   Modelo  de  Berlo   Paradigma  midiológico   Modelo  de  Schramm   Modelo  do  meio  como  a  mensagem   Midialogia  francesa  Paradigma  conceitual  ou  crí;co-­‐radical   Escola  de  Frankfurt   A  Pós-­‐modernidade   Modelo  teórico-­‐media;vo   Modelo  do  agir  comunicacional   Modelo  teórico-­‐recepcional    Paradigma  conflitual-­‐dialé;co   Paradigma  horizontal-­‐interacionista   Modelo  da  proposição  marxista   Modelo  da  virtualização   Modelo  da  dependência   Modelo  da  fissura  tecnológica   Modelo  neo-­‐marxista  
  2. 2. Paradigma  =     • ordenação     • série  organizada  de  apontamentos   • conjunto  de  formulações  genéricas   • afirmação  de  uma  iden;dade   • unitária,  uniforme   • contrasta  em  meio  à  mul;plicidade   • estruturação  de  modos  de  percepção  (“ver  as   coisas”)   • viés  ideológico   • quadros  de  referência   • cânone,  sistema,  estrutura  
  3. 3. Teoria  =     • construção  intelectual   • nada  a  ver  com  visão  deslumbrada  ou  contemplação   • o  modo  de  apresentar  um  saber   • explicam  a  realidade  tradicionalmente,  se  constrói  de  modo  indu/vo.   Primeiro,  a  hipótese  (suposições)   Depois,  a  observação  regrada   Então,  a  confirmação/invalidação  das  suposições  
  4. 4. Modelo=  •  A  teoria  desenha  um  “modelo”,  ou  seja,  um   instrumento  organizador.  •  O  modelo  é  sempre  uma  simplificação.    •  Uma  “maneira  de  fazer”.  
  5. 5. Lá  em  cima,  o  paradigma.   Lá  embaixo,  o  modelo.   No  meio,  a(s)  teoria(s).  
  6. 6. campo,  área,  linha,  pesquisa    •  Campo  =  igreja,  ciência,  arte,  polí;ca,   economia,  comunicação  etc.  •  Área  =  recorte  que  se  faz  no  campo  •  Linha  de  pesquisa  =  temas,  teses  e  hipóteses  •  Pesquisa  =  “busca  cuidadosamente   preparada”,  “indagação  minuciosa  e  realizada   com  critério”  
  7. 7. DENTRO  DE  UM  PARADIGMA  PODEM  EXISTIR   MODELOS  QUE  DIVERGEM.  
  8. 8. Simplicação  Modelos  “PICOS”   6   5   3 8   4   2   1   7   3 1910            1920          1930          1940          1950          1960          1970          1980          1990          2000          2010          2020   Lorem  ipsum  dolor  sit  amet,   consectetur  adipiscing  elit.     Lorem  ipsum  dolor  sit  amet,   consectetur  adipiscing  elit.     1.  Artes,  cinema,  literatura,  pintura,  música...   2.  Ciência,  tecnologia,  games,  invenções...   3.  Esportes,  olimpíadas,  campeonatos...   4.  Polí;ca,  países,  guerras,  governos,  presidentes,  regimes...   5.  Moda,  es;lo  de  vida,  celebridades,  shows  de  TV...   6.  Mundo  corpora;vo,  marcas,  criações:  Coca-­‐Cola,  IBM,  Apple  etc.   (individual)  +  Sua  linha  pessoal:  fatos  marcantes    
  9. 9. 1.  Paradigma  funcionalista-­‐pragmá/co   “A  massa  não  possui  an;corpos”    
  10. 10. a)  Em  1948  -­‐  O  modelo  de   Harold  Lasswell  (EUA)  Laswell  desenvolve:  Quem  diz  o  quê,  por  qual  meio,     a  quem  e  com  quais  efeitos?   1902  –  1978   (Universidade  de  Chicago,  EUA)   Paradigma  funcionalista-­‐pragmá/co  
  11. 11. b)  O  modelo  de  Paul   Lazarsfeld  -­‐  Os  meios  não  têm  esse   poder  hipnó;co  e   alienador.  -­‐  É  preciso  considerar  os   “opinion  leaders”,  a   Sociólogo  Paul  Lazarsfeld  (à  dir.)   idéia  do  “two-­‐step  flow   (1901-­‐1976  –  de  Viena,  Áustria)   of  communica;on”   Universidad  de  Princenton  (EUA)  -­‐  Ele  diz  que  a  exposição  à   mídia  é  uma   “experiência  de  grupo”   Paradigma  funcionalista-­‐pragmá/co  
  12. 12. c)  O  modelo  teórico  dos   efeitos  de  Joseph   Klapper  (EUA)    •  “estudos  dos  efeitos”  •  campanhas  eleitorais  •  comunicação  persuasiva  •  psicologia  experimental   Joseph  Thomas   Klapper  (1917-­‐1984)  Paradigma  funcionalista-­‐pragmá/co  
  13. 13. d)  Modelo  de  usos  e  sa/sfações  (Uses  and   Gra;fica;ons)  •  “usos”  (percepção  dos  conteúdos  mediá;cos)  •  “sa;sfações”(efeitos  midiais)  •  principais  autores:  J.G.  Blumler  e  Elihu  Katz.  •  Eles  escreveram  que  as  necessidades  seriam   basicamente  as  seguintes:     –  Entretenimento  (despressurização  emocional)   –  Relacionamento  pessoal  (“companhia”)   –  Iden;ficação  proje;va  (reforço  de  opiniões)   –  Vigilância  e  fiscalização  (“entender  o  mundo”)  
  14. 14. 2)  Paradigma  matemá/co-­‐ informacional  (anos  50)  •  experiências  em  laboratório  •  aferição  cienwfica  •  John  Watson  criou  o  Behaviorismo   (o  comportamento  humano   somente  pode  ser  compreendido   mediante  a  ocorrência  de  uma   “ação  observável”)  •  O  matemá;co  Norbert  Wiener  =   sistemas  de  controle  e  produção  de   comportamentos  automá;cos  •  Criou  a  idéia  de  Ciberné;ca  como   uma  ciência  que  abrangeria  todos   os  sistemas  de  auto-­‐regulação  •  É  a  formalização  matemá;ca  do   controle  comportamental  a  par;r  da   previsibilidade  e  o  cálculo  de  seus   sinais  aparentes.  
  15. 15. a)  Modelo  teórico-­‐matemá/co  da  comunicação    -­‐  Claude  Shannon  e  Warren  Weaver  (1949),  livro  Teoria  Matemá;ca  da   Comunicação  -­‐  Foi  a  primeira  vez  em  que  se  falou  de  fonte  de  informação,  mensagem,   transmissão,  sinal,  canal,  codificação,  decodificação  e  “ruído  na   comunicação”.  -­‐  Ciência  da  Informação.   Paradigma  matemá/co-­‐informacional    
  16. 16. b)  Modelo  Teórico  de  David.  Berlo  •  Mantém  o  tom  “informacional”  mecânico,  mas  dá   uma  roupagem  mais  sociológica  para  o  modelo  dos   engenheiros  •  Começa  a  falar  de  “produção  de  sen;dos”   Paradigma  matemá/co-­‐informacional    
  17. 17. c)  Modelo  Teórico  de  Wilbur  Schramm  •  Foi  ele  quem  falou  que  o  comunicador  codifica   a  mensagem  e  que  o  receptor  a  decodifica  e   que  ambos  se  situam  em  “campos  de   experiência”  (vivências  sociais  e  culturais   adquiridas  na  vida  co;diana).  A  mensagem  liga   um  campo  a  outro.  •  Existe  uma  retroalimentação  (feedback),   conceito  pouco  explorado  até  a  época.  •  Em  1970,  Schramm  reconhece  a  complexidade   do  campo  da  Comunicação,  concluindo  que  é   um  processo  social.   Paradigma  matemá/co-­‐informacional    
  18. 18. Paradigma  matemá/co-­‐informacional    
  19. 19. 3)  Paradigma  crí/co-­‐radical  a)  Escola  de  Frankfurt,  Alemanha  (anos  30-­‐40)  •  T.  Adorno,  M.  Horkheimer  –  1923,  fundação  do  Ins;tuto  de  Pesquisa  Social   de  Frankfurt,  Filosofia  marxista  (método  marxista  de  análise  da  história)  •  Em  1930,  revisaram  o  marxismo,  juntaram  com  a  psicanálise  de  Freud,  o   que  gerou  a  teoria  cri;ca  da  cultura.  •  Dedicados  a  estudar  os  mal-­‐estares  das  sociedades  capitalistas   industrializadas  no  mundo  ocidental  •  Eles  não  usam  o  “cultura  para  a  massa”  (mass  culture),  mas    “indústria  da   cultura”  •  São  completamente  contra  às  certezas  empíricas  do  funcionalismo   sociológico  americano  (dizem  que  são  análises  instrumentais)  •  Herbert  Marcuse,  radicado  nos  EUA,  pensador  da  Escola  de  Frankfurt,   importante  cri;co  da  cultura  e  da  burguesia  •  “Tudo  está  mal,  errado”-­‐  é  a  teoria  que  foi  cri;cada  por  não  encaminhar,   na  prá;ca,  qualquer  ação  polí;ca.  •  O  controle  exercido  sobre  a  mídia  pode  explicar,  entre  outras  questões,  a   sobrevivência  do  capitalismo  ao  fim  da  segunda  guerra  mundial  •  Os  meios  dominam  e  controlam  as  pessoas,  promovendo  uma  “falsa   consciência”  dos  fatos  reais.  
  20. 20. b)  Modelo  do  “agir  comunicacional”  (anos  70-­‐80)  •  J.  Habermas,  alinhado  com  Frankfurt  •  Observa  que  nem  a  linha  posi;vista  (funcionalismos,  determinismos)  e  nem   a  Teórico-­‐crí;ca  (de  Frankfurt)  definem  de  maneira  sa;sfatória  a  relação   entre  o  “saber  especializado”  (ou  “tecnologias”)  e  o  uso  polí;co  que  delas   se  faz.  •  Em  1981,  ele  cria  o  conceito  de  “agir  comunicacional”  (ou  agir   comunica;vo)    •  outro  conceito:  “esfera  pública”  =  caixa  de  ressonância  dos  debates   temá;cos  e  das  trocas  comunicacionais  que  animavam  a  vida  burguesa   A  teoria  dos  atos  de  fala   faz  com  que  seja   possível  a  construção  de   uma  espécie  de  síntese   entre  a  ação  e  a   linguagem,  já  que  quem   fala  age  e  estabelece   relações,  modifica  algo   no  mundo.   Paradigma  crí/co-­‐radical  
  21. 21. 4)  Paradigma  conflitual-­‐dialé/co   a)  Modelo  da  proposição  marxista  (anos  70)  •  classes  dominantes  detém  o  controle  dos  meios  •  controle  /dominação  ideológico  •  as  pesquisas  em    Comunicação  nesse  paradigma  assumem   o  seguinte:  •  1)  abordagem  estruturalista  (a  ideologia  embu;da  nas   mensagens)  •  2)  abordagem  polí;co-­‐econômica  (meios  e  economia/ polí;ca)  •  3)  abordagem  culturalista  (preocupa-­‐se  em  descobrir  por   que  apenas  algumas  culturas  recebem  atenção  dos  meios)  •  Autores:  H.  Schiller,  F.  Jameson,  A.  Pasquali,  MoragasySpa,   Raymond  Williams,  Stuar  Hall.  A.  Dorfman,  A.  Makelart.  
  22. 22. b)  Modelo  da  dependência  (anos  70)  •  dependência  mesmo  entre  países  no  sistema   capitalista  •  países  do  centro  e  os  da  periferia  •  EUA,  centro;  America  La;na,  periferia  •  Conceitos  de  “Imperialismo  cultural”,   “hegemonia  cultural”  (Gramsci)  •  Imperialismo  yankee  •  Tudo  tem  a  ver  com  a  dominação  (superes;ma  a   economia)  •  Um  certo  maniqueísmo  •  Não  considera  as  mediações,  por  exemplo.   Paradigma  conflitual-­‐dialé/co  
  23. 23. c)  Modelo  neo-­‐marxista  (anos   70-­‐80)  •  L.  Althusser  cunhou  a   expressão  “aparelho   ideológico  do  Estado”  (Igreja,   Escola,  Forças  Armadas,  Poder   Judiciário,  Par;dos  Polí;cos,   Comunicação)  –  os  meios   reproduzem  incessantemente   as  ideologias  do  capitalismo   Paradigma  conflitual-­‐dialé/co  
  24. 24. 5)  Paradigma  culturológico  a)  Modelo  teórico-­‐cultural  (70-­‐80)  •  Origem  européia  •  Edgar  Morin,  Roland  Barthes,  Umberto  Eco  •  Dá  menos  importância  aos  meios  e  mais  às   produções  culturais  significa;vas:  filmes,  seções  de   jornais,  revistas  especializadas,  história  em   quadrinhos,    etc.  •  Análise  estrutural  (da  narra;va)    •  É  precursora  de  um  modelo  Teórico  recepcional   (teoria  da  recepção)  •  Pega  onda  na  pop  art  dos  anos  60,  com  Warhol  e   Lichenstein  •  São  autores  que  escreveram  inúmeros  ensaios   (muito  bem  escritos),  ;nham  domínio  do  que   falavam  e  a  “cabeça  aberta”  •  Os  meios  de  comunicação  são  uma  “fuga  onírica”  •  Relacionam  mitologia,  antropologia  cultural  e  mídia  •  ECO  escreve:  Apocalíp;cos  (Frankfurt)  e  integrados   (funcionalistas),  evidenciando  que  nenhum  dos  dois   estava  certo  porque  não  consideravam  sociedade,   cultura  e  mídia  ao  mesmo  tem  pó  
  25. 25. b)  Cultural  Studies  (Estudos  Culturais)  •  Autores:  os  marxistas  R.  Williams  e  Stuart  Hall   (Inglaterra)  •  retoma  o  paradigma  crí;co-­‐radical,  mas  não  via  Karl   Marx,  mas  via  o  italiano  Gramsci,  que  dá  mais  foco  nas   prá;cas  de  negociação  e  mediações  nas  relações   sociedade  e  mídia.  •  Os  frankfur;anos  colocam  a  polí;ca  como  fato  cultural.  •  Os  estudos  culturais  colocam  a  cultura  no  centro  da   sociedade.  •  Ou  seja,  o  receptor  possui  repertório  cultural  (algo   esquecido  pelos  frankfur;anos)  •  É  Gramsci  e  seus  estudos  sobre  o  folclore  que  traz  a   cultura  pro  centro  do  debate  •  Os  estudos  culturais  admitem  haver  um  “sistema   cultural  dominante”  •  Foca  muito  nas  classes  sociais   Paradigma  culturológico  
  26. 26. 6)  Paradigma  midiológico  a)  Modelo  do  meio  como  a  mensagem  •  M.  McLuhan  –  ele  bebe  no  funcionalismo  americano,   mas  consegue  se  livrar  dos  empirismos  esquemá;cos  •  É  um  modelo  histórico-­‐evolucionista  ou  técnico-­‐ antropológico  •  Não  se  preocupa,  como  os  crí;cos  radicais,  com  os   efeitos  ideológicos  •  O  meio  é  “prótese  técnica”  do  corpo  humano  que   intensifica  a  percepção  •  É  determinista  tecnológico  •  “toda  tecnologia  de  comunicação”  contribui   decisivamente  para  a  configuração  de  um  meio  social   novo  •  Adotar  uma  tecnologia  traz  transformações  sociais,   culturais,  polí;cas  e  de  civilização  •  Idéias-­‐chave:   –  Os  efeitos  dos  meios  são  novos  “ambientes”  criados   –  Cada  novo  “ambiente”  reprograma  a  vida  sensorial   –  Uma  inovação  técnica  é  uma  informação  nova,  perturbadora   –  As  sociedades  são  mais  moldadas  pelos  meios  do  que  pelas   mensagens   –  As  tecnologias  mudam  a  nossa  maneira  de  perceber  o   mundo   –  Um  meio  interfere  no  outro   –  O  mundo  está  eletronicamente  ligado,  é  uma  aldeia  global  
  27. 27. B)  Midialogia  francesa   •  Régis  Debray  –  logosfera  (escrita),  grafosfera  (imprensa),   videoesfera  (audiovisual)  //  Deus,  razão  e  emoção  //   Teocracia,  Ideocracia  e  Videocravia  //  Santos,  Heróis  e  Estrelas   •  Ele  diz  que  estamos  na  videoesfera,  na  globalização   •  N.  G.  Canclini  (showmícios)   •  Temos  mais  consumidores  que  cidadãos   •  Debray  fala  de  4  Ms:   –  Mensagem  =  militância,  missão  =  é  uma  prá;ca  =  momento   –  Mídia  =  maquinário  =  tecnologia  =  época   –  Meio  =  mundo  e  modo  =  ecologia  =  espaço  (solo)   –  Mediação  =  mistura  =  antropologia  =  milenar,  trans-­‐histórica   •  O  midiólogo  se  preocupa  em     resolver  a  eficácia  simbólica   •  Cri;ca  à  TV:  sua  função  é  distrair,    não  instruir;  desrealiza,  serializa,     pasteuriza  Paradigma  midiológico  
  28. 28. 7)  A  Pós-­‐modernidade  •  Baudrillard,  Fukuyama,  Lyotard,  Foucault,  Bauman  •  O  fim  da  história  •  Individualismo,  presente,  agora,  tudo  é  “mise-­‐en-­‐scène”  
  29. 29. a)  Modelo  teórico-­‐media/vo  •  J.  Marwn-­‐Barbero:  as  mediações  •  Barbero  recupera  algumas  proposições   dos  Cultural  Studies,  mas  refuta  as  teses   da  Escola  de  Frankfurt  •  Não  acredita  no  receptor  passivo  •  Não  ignora  que  existam  mecanismos  de   manipulação,  mas  coloca  o  foco  nas   interações  •  Ele  fala  que  as  tecnologias  são   “organizadoras  da  percepção”,   “reorganizadoras  da  experiência”  •   “Mediar  significa  fixar  entre  duas  partes   um  ponto  de  referencia  comum,  mas   eqüidistante,  que  a  uma  e  a  outra  faculte  o   estabelecimento  de  algum  ;po  de  inter-­‐ relação.  Mediações  são  estratégias  de   Comunicação”  •  Ele  considera  nas  mediações  a  cultura,  a   sociedade,  o  indivíduo.  Pós-­‐modernidade  
  30. 30. b)  Modelo  teórico-­‐recepcional    •  Teoria  da  recepção  •  H.R.  Jauss  e  W.  Iser  (Alemanha)  •  Leitura,  foco  no  leitor:  Não  existe  ler  errado  ou  certo,  há   leituras  •  O  “Horizonte  de  expecta;vas”  de  Jauss  •  Recuperam  Cultural  Studies  para  entender  o  “receptor”  como   um  sujeito  complexo,  inserido  num  sistema  social  e  cultural   complexo.  •  Mexicano  Guilhermo  Orozco  Gomes  =  recepção  na  Educação   Pós-­‐modernidade  
  31. 31. 8)  Paradigma  horizontal-­‐interacionista  a)  Modelo  da  virtualização  (anos  90....)  •  P.  Lévy  •  Ciberespaço  •  Inteligência  cole;va  •  Virtual  x  Real  •  Recupera  McLuhan  •  D.  Kerckhove  
  32. 32. b)  Modelo  da  fissura  tecnológica  (anos  90...)  L.  Sfez  Au;smo  /  tau;smo  tecnológico  A  Comunicação  Representa;va  (metáfora  da  “máquina  de  comunicar”  ou  “bola  de  bilhar”)    A  Comunicação  Expressiva  (metáfora  do  “organismo”)    A  Comunicação  Confusional  (metáfora  do  “Frankstein”,  ou  seja,  representa;va  +  expressiva)  tau;smo  (tautologia  +  au;smo,  cunhado  por  SFEZ),  simulação  (mundo  desontologizado),  interação,  totalitarismo.  
  33. 33. Avaliação  Entrega  em  25  de  Abril  na  secretaria  •  Resenha  de  um  texto  (ar;go  cienwfico  ou   entrevista  em  periódico  acadêmico  ou  capítulo  de   livro)  de    um  autor  citado  na  aula.  •  Times  New  Roman,  12,  espaçamento  1,5  •  Máximo  de  1200  caracteres  (com  espaço).  •  Capa:  nome  do  aluno,  disciplina,  professora  e   curso.  •  +  Linha  do  tempo  pessoal  

×