SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
O AMOR E A BÍBLIA
Temos basicamente 4 (quatro) palavras gregas para se traduzir como
AMOR. São elas: 1. Eros (físico, sexual), 2. Storge (familiar), 3. Philia
(amizade) e 4. Ágape (amor incondicional).
1. EROS (físico, sexual)
Eros é o “deus grego do amor”, também conhecido como o “deus do caos”
cupido (amor em latim)
A primeira palavra grega é “Eros”. Aparece com freqüência na literatura
grega secular. Eros é o amor totalmente humano, carnal, voltado para o
sexo. Daí veio a palavra: ERÓTICO.
Esse tipo de amor pode até incluir algum sentimento verdadeiro; mas
sempre com interesse próprio, com expectativa de satisfação pessoal. Eros é
basicamente atração física; desejo sexual. O Eros apresenta-se como amor
pelo outro, mas é amor por si próprio (exemplo: eu amo você porque você me
dá prazer, porque você me faz feliz). É o AMOR entre os sexos; sempre há
um predominante físico, e sempre envolve o amor sexual.
Eros representa a parte consciente do amor que uma pessoa sente por outra.
É o amor que se liga de forma mais clara à atração física. Eros está
representado no livro de Cantares (onde Salomão deleitava-se com a beleza
de sua amada) e na tradução de Provérbios 7.18, onde uma prostituta faz o
seguinte apelo: “Vem, embriaguemo-nos com as delícias do amor, até pela
manhã”. Nesse versículo, “amor” é uma representação para Eros. Esta
palavra não aparece no NT em nenhum lugar, pois ela passou a ser ligada
com a concupiscência da carne mais do que com o amor. É a
sensualidade que leva a atração física e depois às relações sexuais. Algumas
traduções o descrevem como "o amor do corpo". “Eros” como alguém já disse,
é o amor ainda sem conversão.
2. PHILIA-philos-Fileo (amizade)
É o AMOR mais nobre para o GREGO SECULAR. Descreve um
relacionamento caloroso, íntimo e tenro com o outro. Inclui o lado físico, pois
“philein” que pode significar beijar ou acariciar, mas philía, como todas as
coisas humanas podem alterar-se, pode diminuir e seu calor esfriar. Em
Aristóteles – “amar é regozijar-se”.
A palavra “philia” é rotineiramente traduzida por amizade.
Philia é o amor da troca (50% dado 50% recebido), a alegria de amar.
Expressões usadas: metade da laranja; gostamos das mesmas coisas, meu
parceiro me completa, meu parceiro pensa como eu; fazemos muitas coisas
juntos; gostamos das mesmas coisas, sou feliz porque é bom para mim.
Em TEXTOS ANTIGOS, a philia denota um tipo de amor humano. É a
alegria de amar global, usado como amor entre a família, entre amigos, um
desejo ou a apreciação de uma atividade, bem como entre amantes.
Phileo - Também usados no Novo Testamento, é uma resposta humana a
algo que é bom e delicioso. Também conhecida como "amor fraternal".
Relaciona com a alma, mais do que com o corpo. Lida com a personalidade
humana, o intelecto, as emoções e a vontade. Envolve compartilhamento
mútuo. Em português, a palavra mais próxima é “amizade”. A forma
nominal é usada apenas uma vez no Novo Testamento (Tiago 4.4), mas o
verbo “amar”, no sentido de “gostar”, e o adjetivo “amável” são usados
muitas vezes.
Este é o grau de afeição que Pedro disse ter por Jesus quando este lhe
perguntou, “Simão, filho de João, tu me amas?”. O pescador respondeu:
“Sim, Senhor, tu sabes que te amo”. No original grego, o sentido é:
“Sim, Senhor, tu sabes que gosto de ti, que sou teu amigo” (João 21. 15-16
A philos de Philia (φιλία), amizade no GREGO MODERNO, um amor
virtuoso desapaixonado; conceito desenvolvido por Aristóteles. Inclui a
lealdade aos amigos, à família, e à comunidade; e requer a virtude, a
igualdade e a familiaridade. Aristóteles escreve: “O prazer do amante é
contemplar a sua amada, o prazer da amada é receber as atenções do seu
amante, mas quando murchar a beleza da amada, a amizade (philia) às
vezes murcha também, visto que o amante já não acha prazer na visão da
sua amada, e a amada não recebe atenção do amante”.
3. STORGE (amor familiar)
No GREGO ANTIGO Storg (polytonic | στοργή) storgē) é o afeto natural
como a que sente por pais para filhos, é o amor social.
Storge; palavra no GREGO SECULAR é a palavra do AMOR n amor no lar,
do amor dos pais para com os filhos e dos filhos para com os pais, do amor
entre irmãos e irmãs, amor entre parentes. Este amor envolve reciprocidade.
Este amor é objetivo, pois unem almas, vidas, corações corpos. Exige-se
disciplina lealdade entre os dois que amam.
É o amor mais relacionado à família – Romanos 12.10 – Amai-vos
cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra
uns aos outros, mais do que a vocês. É o amor que pode desaparecer; amor
mencionado em Romanos 1.31 – insensatos, pérfidos, sem afeição natural,
sem misericórdia. 2 Timótio 3.3 – sem afeto natural, irreconciliáveis,
caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons.
O AMOR FAMILIAR – Pela Palavra filhos de Adão; pois nem todos são
filhos de DEUS, somente os nascidos de novo, regenerados pelo poder da
Palavra de DEUS, assim a família de DEUS só é formada por salvos em
CRISTO.
A família moderna estrutura-se basicamente em torno do casamento, e
nesse sentido, é uma família conjugal – sabemos que há a “família pós-
moderna” e seus novos arranjos sociais (exemplo: pais separados, casais
homo afetivos, adoção por avós e outros).
A relação familiar é algo extremamente complexa e dinâmica. Daí o amor se
constitui em um desafio de escolha diária: escolher amar o outro apesar das
diferenças e do desgaste que muitas vezes a relação apresenta diante do
fator tempo; mas em geral, mantêm ligações bastante duradouras e estáveis.
(Eclesiastes 9.9).
Você pode estar pensando que isso não é fácil, mas com a sua escolha
adicionada à graça de Deus torna-se possível. Porque família é projeto de
Deus em primeiro lugar; Ele é o maior interessado por ela. Mas família
também tem que ser projeto de homens e mulheres; ou seja, é preciso
participação de cada membro da família no sentido da ajuda mútua.
Os cristãos acreditam que Jesus mandou: “Amar a Deus de todo o coração,
mente e força e amar ao teu próximo como a ti mesmo”. (Marcos 12.31).
4. ÁGAPE (amor incondicional)
No GREGO SECULAR tem-se pouca orientação. Ágape é uma palavra nova
que descreve uma qualidade nova, uma palavra que indica uma atitude
nova para com os outros, uma atitude nova dentro da Comunidade, e
impossível sem a dinâmica e vida cristã. “Todos os seres humanos possuem,
por natureza, os três tipos de amor já mencionados (“eros”, “fileo” e “storge”),
entretanto, o amor “ágape” só se adquire quando se nasce de novo, ou seja,
ele passa a operar na vida do homem, quando este se torna templo do
Espírito Santo (Gl 5.16-22)”.
No idioma original das Escrituras Gregas Cristãs, a palavra para este
quarto tipo de amor é “ágape”. Essa palavra ocorre em 1 João 4.8, que diz:
“Deus é amor.” De fato, “amamos porque (Deus) nos amou primeiro”. (1 João
4.19) O cristão cultiva esse amor primeiro por Deus e, daí, pelos seus
semelhantes. (Marcos 12.29-31) A palavra ágape é também usada em
Efésios 5.2, que diz: “Prossegui andando em amor, assim como também o
Cristo vos amou e se entregou por vós.” Jesus disse que esse tipo de amor
identificaria seus verdadeiros seguidores: “Por meio disso saberão todos que
sois meus discípulos, se tiverdes amor (ágape) entre vós.” (João 13.35).
Ágape se encontra também em 1 Coríntios 13.13: “Permanecem a fé, a
esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o “amor” (ágape).”
No Novo Testamento AGAPE é caridade, é amor altruísta e incondicional. É
amor paternal e a maneira que Deus ama a humanidade; visto na criação do
mundo, na morte e ressurreição de Jesus Cristo; na regeneração de criatura
para filho. Por isso, é visto pelos cristãos como o tipo de amor que os homens
têm de aspirar a um ou outro.
Agostinho disse a respeito de Deus que Ele ama a todos como se houvesse
uma só pessoa para Ele amar; o amor cristão deve modelar-se no amor de
Deus. Há um sentido em que o “amor cristão” difere radicalmente do amor
humano comum. O amor humano comum é a reação do coração; é algo que
simplesmente ocorre. Mas ÁGAPE, o “amor cristão” é um exercício da pessoa
integral (espírito, alma, corpo). É um estado não somente do coração, mas
também da mente; faz parte dos sentimentos, emoções, vontade. Não é
alguma coisa que simplesmente acontece e que não podemos evitar, mas
sim, é algo que temos que desejar. Não é algo com que não temos nada a
fazer; é uma conquista e uma realização.
É verdade que o “amor cristão” não é uma coisa fácil e sentimental; não é
uma resposta emocional automática e não procurada. É uma vitória sobre o
próprio “eu”. O “amor cristão” é o fruto do Espírito; e é impossível
manifestá-lo sem a presença e a força de Jesus Cristo. Amar é um
sentimento que nunca deveria ser extinto do ser humano, apesar de a
Palavra de Deus afirmar que, “por se multiplicar a iniqüidade (o pecado), o
amor (“ágape”) de muitos se esfriará.” (Mt 24.12).
Entendendo que Deus nos ama como somos, a despeito de nossas falhas, das
nossas atitudes e atos egoístas; refletindo sobre este amor, observando e
agradecendo as manifestações diárias deste amor, aprenderemos a amar de
verdade. Como Deus derramou do Seu amor em nossos corações, por meio do
Espírito Santo que Ele nos concedeu (Rm.5.5).
“O fruto do Espírito é amor…” (Gl 5.22). Assim, seremos capazes de amar
com o “amor incondicional”.
A verdade simples é que o mundo não pode praticá-la; somente o
cristão cheio do Espírito e dedicado a Jesus Cristo pode fazer e
viver esta Verdade do Senhor, o AMOR INCONDICIONAL.
Por: Pastora “Mérces Vasconcellos”
Bibliografia:
 Bíblia Sagrada
 pt.wikipedia.org
 Instituto Gamaiel.com
 As Obras da Carne – O fruto do Espírito-
William Barclay

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaEncontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaMayconAntonySilvaDia
 
Namoro, noivado e s
Namoro, noivado e sNamoro, noivado e s
Namoro, noivado e sFUNVIC
 
Temas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igrejaTemas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igrejaDilean Melo
 
Maldição hereditaria
Maldição hereditariaMaldição hereditaria
Maldição hereditariaJoão Campos
 
Aula 02.o adolescente conhecendo a bíblia
Aula 02.o adolescente conhecendo a bíbliaAula 02.o adolescente conhecendo a bíblia
Aula 02.o adolescente conhecendo a bíbliaPastor Paulo Francisco
 
Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil Andréia Eufrazio
 
O Fruto do Espírito Santo
O Fruto do Espírito SantoO Fruto do Espírito Santo
O Fruto do Espírito SantoQuenia Damata
 
Pregação para crianças - Conversão: a história de Zaquel
Pregação para crianças - Conversão: a história de ZaquelPregação para crianças - Conversão: a história de Zaquel
Pregação para crianças - Conversão: a história de ZaquelRogerio Souza
 
Palestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritual
Palestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritualPalestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritual
Palestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritualCaroline Calaça
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneMárcio Martins
 
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - alunoEbd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - alunoSergio Silva
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministérioJoel Silva
 
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBDPLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBDEdnaldo Santos de Jesus
 

Mais procurados (20)

Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaEncontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
 
Histórias da bíblia e atividades para crianças
Histórias da bíblia e atividades para criançasHistórias da bíblia e atividades para crianças
Histórias da bíblia e atividades para crianças
 
Namoro, noivado e s
Namoro, noivado e sNamoro, noivado e s
Namoro, noivado e s
 
Temas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igrejaTemas atuais que tem afastado os jovens da igreja
Temas atuais que tem afastado os jovens da igreja
 
Maldição hereditaria
Maldição hereditariaMaldição hereditaria
Maldição hereditaria
 
Aula 02.o adolescente conhecendo a bíblia
Aula 02.o adolescente conhecendo a bíbliaAula 02.o adolescente conhecendo a bíblia
Aula 02.o adolescente conhecendo a bíblia
 
O Plano de Deus - ECC - Texto
O Plano de Deus - ECC - TextoO Plano de Deus - ECC - Texto
O Plano de Deus - ECC - Texto
 
As Cartas de Paulo
As Cartas de PauloAs Cartas de Paulo
As Cartas de Paulo
 
Amor
AmorAmor
Amor
 
Apostila palestra para casais
Apostila   palestra para casaisApostila   palestra para casais
Apostila palestra para casais
 
Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil Apresentação discipulado infantil
Apresentação discipulado infantil
 
O Fruto do Espírito Santo
O Fruto do Espírito SantoO Fruto do Espírito Santo
O Fruto do Espírito Santo
 
Pregação para crianças - Conversão: a história de Zaquel
Pregação para crianças - Conversão: a história de ZaquelPregação para crianças - Conversão: a história de Zaquel
Pregação para crianças - Conversão: a história de Zaquel
 
Palestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritual
Palestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritualPalestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritual
Palestra congresso de mulheres transformação e crescimento espiritual
 
O jovem cristão na contramão do mundo
O jovem cristão na contramão do mundoO jovem cristão na contramão do mundo
O jovem cristão na contramão do mundo
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
1º encontro Quem sou eu?
1º encontro   Quem sou eu?1º encontro   Quem sou eu?
1º encontro Quem sou eu?
 
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - alunoEbd classe kids   1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
Ebd classe kids 1º quadrimestre 2012 - o que é a bíblia - aluno
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBDPLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
 

Destaque

Destaque (20)

Amor, A Virtude Suprema
Amor, A Virtude SupremaAmor, A Virtude Suprema
Amor, A Virtude Suprema
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
O humanismo em portugal
O humanismo em portugalO humanismo em portugal
O humanismo em portugal
 
Estudo sobre anatureza humana
Estudo sobre anatureza humanaEstudo sobre anatureza humana
Estudo sobre anatureza humana
 
Humanismo2.0
Humanismo2.0Humanismo2.0
Humanismo2.0
 
Lição 4: Mulheres na Bíblia Abigail e eu
Lição 4: Mulheres na Bíblia Abigail e euLição 4: Mulheres na Bíblia Abigail e eu
Lição 4: Mulheres na Bíblia Abigail e eu
 
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair AguilarMartinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
Martinho Lutero - Prof. Altair Aguilar
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Slide amar o proximo
Slide amar o proximoSlide amar o proximo
Slide amar o proximo
 
Confronto histórico
Confronto históricoConfronto histórico
Confronto histórico
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Amor ao próximo
Amor ao próximoAmor ao próximo
Amor ao próximo
 
Amor e filosofia
Amor e filosofiaAmor e filosofia
Amor e filosofia
 
Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
 
Tipos de amor según los griegos
Tipos de amor según los griegosTipos de amor según los griegos
Tipos de amor según los griegos
 
Humanismo -slides
Humanismo  -slidesHumanismo  -slides
Humanismo -slides
 
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNELIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
LIÇÃO 03 - O PERIGO DAS OBRAS DA CARNE
 
Slides Humanismo
Slides   HumanismoSlides   Humanismo
Slides Humanismo
 

Semelhante a Os 4 tipos de amor na Bíblia e suas definições

Deus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptx
Deus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptxDeus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptx
Deus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptxMartin M Flynn
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIMaria Rebelo
 
Fruto Do EspíRito Modulo 3
Fruto Do EspíRito Modulo 3Fruto Do EspíRito Modulo 3
Fruto Do EspíRito Modulo 3fogotv
 
O Fruto do Espírito
O Fruto do EspíritoO Fruto do Espírito
O Fruto do Espíritofsouza40
 
Deus cartitas est
Deus cartitas estDeus cartitas est
Deus cartitas estLeutherio
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosPatiSousa1
 
Série Comunhão - Amor - Lição 3
Série Comunhão - Amor - Lição 3Série Comunhão - Amor - Lição 3
Série Comunhão - Amor - Lição 3Osana Oliveira
 
Amor e Filosofia.ppt
Amor e Filosofia.pptAmor e Filosofia.ppt
Amor e Filosofia.pptIgor da Silva
 
Caridade e lei do amor
Caridade e lei do amorCaridade e lei do amor
Caridade e lei do amorAlice Lirio
 
Adoração - Aula 3 - A Essencia da Adoração
Adoração - Aula 3 - A Essencia da AdoraçãoAdoração - Aula 3 - A Essencia da Adoração
Adoração - Aula 3 - A Essencia da Adoraçãofa.sodre
 
Carater cristao aula 7 - amor cristao
Carater cristao   aula 7 - amor cristaoCarater cristao   aula 7 - amor cristao
Carater cristao aula 7 - amor cristaojvictormm
 
Carater cristao aula 7 - amor cristao
Carater cristao   aula 7 - amor cristaoCarater cristao   aula 7 - amor cristao
Carater cristao aula 7 - amor cristaojvictormm
 
Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012
Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012
Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012Comunidade Sagrada Família
 
Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptx
Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptxSérie IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptx
Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptxTiago Silva
 
Amor naysla e sarah
Amor   naysla e sarahAmor   naysla e sarah
Amor naysla e sarahJoel Barbosa
 

Semelhante a Os 4 tipos de amor na Bíblia e suas definições (20)

Deus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptx
Deus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptxDeus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptx
Deus é Amor - 1 - Benedicto XVI.pptx
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
 
Amor conjugal
Amor conjugalAmor conjugal
Amor conjugal
 
Fruto Do EspíRito Modulo 3
Fruto Do EspíRito Modulo 3Fruto Do EspíRito Modulo 3
Fruto Do EspíRito Modulo 3
 
O Fruto do Espírito
O Fruto do EspíritoO Fruto do Espírito
O Fruto do Espírito
 
Deus cartitas est
Deus cartitas estDeus cartitas est
Deus cartitas est
 
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigosEae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
Eae 89 Amor a Deus, ao próximo e aos inimigos
 
Série Comunhão - Amor - Lição 3
Série Comunhão - Amor - Lição 3Série Comunhão - Amor - Lição 3
Série Comunhão - Amor - Lição 3
 
AMOR ORIGENS.pptx
AMOR ORIGENS.pptxAMOR ORIGENS.pptx
AMOR ORIGENS.pptx
 
Amor e Filosofia.ppt
Amor e Filosofia.pptAmor e Filosofia.ppt
Amor e Filosofia.ppt
 
Amor evilene
Amor   evileneAmor   evilene
Amor evilene
 
Caridade e lei do amor
Caridade e lei do amorCaridade e lei do amor
Caridade e lei do amor
 
Família cristã saudável
Família cristã saudávelFamília cristã saudável
Família cristã saudável
 
Adoração - Aula 3 - A Essencia da Adoração
Adoração - Aula 3 - A Essencia da AdoraçãoAdoração - Aula 3 - A Essencia da Adoração
Adoração - Aula 3 - A Essencia da Adoração
 
Carater cristao aula 7 - amor cristao
Carater cristao   aula 7 - amor cristaoCarater cristao   aula 7 - amor cristao
Carater cristao aula 7 - amor cristao
 
Carater cristao aula 7 - amor cristao
Carater cristao   aula 7 - amor cristaoCarater cristao   aula 7 - amor cristao
Carater cristao aula 7 - amor cristao
 
Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012
Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012
Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012
 
Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptx
Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptxSérie IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptx
Série IGREJA QUE AGRADA A DEUS. Tem ESPERANÇA AMOR.pptx
 
O que deus uniu
O que deus uniuO que deus uniu
O que deus uniu
 
Amor naysla e sarah
Amor   naysla e sarahAmor   naysla e sarah
Amor naysla e sarah
 

Mais de ANTONIO INACIO FERRAZ

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZAULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZANTONIO INACIO FERRAZ
 
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZAULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZAULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Mais de ANTONIO INACIO FERRAZ (20)

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZAULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
 
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZAULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZAULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
AULA 3-ANATOMIA SISTEMA TEGUMENTAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA-AGROTÓXICO.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 

Os 4 tipos de amor na Bíblia e suas definições

  • 1. O AMOR E A BÍBLIA Temos basicamente 4 (quatro) palavras gregas para se traduzir como AMOR. São elas: 1. Eros (físico, sexual), 2. Storge (familiar), 3. Philia (amizade) e 4. Ágape (amor incondicional). 1. EROS (físico, sexual) Eros é o “deus grego do amor”, também conhecido como o “deus do caos” cupido (amor em latim) A primeira palavra grega é “Eros”. Aparece com freqüência na literatura grega secular. Eros é o amor totalmente humano, carnal, voltado para o sexo. Daí veio a palavra: ERÓTICO. Esse tipo de amor pode até incluir algum sentimento verdadeiro; mas sempre com interesse próprio, com expectativa de satisfação pessoal. Eros é basicamente atração física; desejo sexual. O Eros apresenta-se como amor pelo outro, mas é amor por si próprio (exemplo: eu amo você porque você me dá prazer, porque você me faz feliz). É o AMOR entre os sexos; sempre há um predominante físico, e sempre envolve o amor sexual. Eros representa a parte consciente do amor que uma pessoa sente por outra. É o amor que se liga de forma mais clara à atração física. Eros está representado no livro de Cantares (onde Salomão deleitava-se com a beleza de sua amada) e na tradução de Provérbios 7.18, onde uma prostituta faz o seguinte apelo: “Vem, embriaguemo-nos com as delícias do amor, até pela manhã”. Nesse versículo, “amor” é uma representação para Eros. Esta palavra não aparece no NT em nenhum lugar, pois ela passou a ser ligada com a concupiscência da carne mais do que com o amor. É a sensualidade que leva a atração física e depois às relações sexuais. Algumas traduções o descrevem como "o amor do corpo". “Eros” como alguém já disse, é o amor ainda sem conversão.
  • 2. 2. PHILIA-philos-Fileo (amizade) É o AMOR mais nobre para o GREGO SECULAR. Descreve um relacionamento caloroso, íntimo e tenro com o outro. Inclui o lado físico, pois “philein” que pode significar beijar ou acariciar, mas philía, como todas as coisas humanas podem alterar-se, pode diminuir e seu calor esfriar. Em Aristóteles – “amar é regozijar-se”. A palavra “philia” é rotineiramente traduzida por amizade. Philia é o amor da troca (50% dado 50% recebido), a alegria de amar. Expressões usadas: metade da laranja; gostamos das mesmas coisas, meu parceiro me completa, meu parceiro pensa como eu; fazemos muitas coisas juntos; gostamos das mesmas coisas, sou feliz porque é bom para mim. Em TEXTOS ANTIGOS, a philia denota um tipo de amor humano. É a alegria de amar global, usado como amor entre a família, entre amigos, um desejo ou a apreciação de uma atividade, bem como entre amantes. Phileo - Também usados no Novo Testamento, é uma resposta humana a algo que é bom e delicioso. Também conhecida como "amor fraternal". Relaciona com a alma, mais do que com o corpo. Lida com a personalidade humana, o intelecto, as emoções e a vontade. Envolve compartilhamento mútuo. Em português, a palavra mais próxima é “amizade”. A forma nominal é usada apenas uma vez no Novo Testamento (Tiago 4.4), mas o verbo “amar”, no sentido de “gostar”, e o adjetivo “amável” são usados muitas vezes. Este é o grau de afeição que Pedro disse ter por Jesus quando este lhe perguntou, “Simão, filho de João, tu me amas?”. O pescador respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que te amo”. No original grego, o sentido é: “Sim, Senhor, tu sabes que gosto de ti, que sou teu amigo” (João 21. 15-16
  • 3. A philos de Philia (φιλία), amizade no GREGO MODERNO, um amor virtuoso desapaixonado; conceito desenvolvido por Aristóteles. Inclui a lealdade aos amigos, à família, e à comunidade; e requer a virtude, a igualdade e a familiaridade. Aristóteles escreve: “O prazer do amante é contemplar a sua amada, o prazer da amada é receber as atenções do seu amante, mas quando murchar a beleza da amada, a amizade (philia) às vezes murcha também, visto que o amante já não acha prazer na visão da sua amada, e a amada não recebe atenção do amante”. 3. STORGE (amor familiar) No GREGO ANTIGO Storg (polytonic | στοργή) storgē) é o afeto natural como a que sente por pais para filhos, é o amor social. Storge; palavra no GREGO SECULAR é a palavra do AMOR n amor no lar, do amor dos pais para com os filhos e dos filhos para com os pais, do amor entre irmãos e irmãs, amor entre parentes. Este amor envolve reciprocidade. Este amor é objetivo, pois unem almas, vidas, corações corpos. Exige-se disciplina lealdade entre os dois que amam. É o amor mais relacionado à família – Romanos 12.10 – Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros, mais do que a vocês. É o amor que pode desaparecer; amor mencionado em Romanos 1.31 – insensatos, pérfidos, sem afeição natural, sem misericórdia. 2 Timótio 3.3 – sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons. O AMOR FAMILIAR – Pela Palavra filhos de Adão; pois nem todos são filhos de DEUS, somente os nascidos de novo, regenerados pelo poder da Palavra de DEUS, assim a família de DEUS só é formada por salvos em CRISTO.
  • 4. A família moderna estrutura-se basicamente em torno do casamento, e nesse sentido, é uma família conjugal – sabemos que há a “família pós- moderna” e seus novos arranjos sociais (exemplo: pais separados, casais homo afetivos, adoção por avós e outros). A relação familiar é algo extremamente complexa e dinâmica. Daí o amor se constitui em um desafio de escolha diária: escolher amar o outro apesar das diferenças e do desgaste que muitas vezes a relação apresenta diante do fator tempo; mas em geral, mantêm ligações bastante duradouras e estáveis. (Eclesiastes 9.9). Você pode estar pensando que isso não é fácil, mas com a sua escolha adicionada à graça de Deus torna-se possível. Porque família é projeto de Deus em primeiro lugar; Ele é o maior interessado por ela. Mas família também tem que ser projeto de homens e mulheres; ou seja, é preciso participação de cada membro da família no sentido da ajuda mútua. Os cristãos acreditam que Jesus mandou: “Amar a Deus de todo o coração, mente e força e amar ao teu próximo como a ti mesmo”. (Marcos 12.31). 4. ÁGAPE (amor incondicional) No GREGO SECULAR tem-se pouca orientação. Ágape é uma palavra nova que descreve uma qualidade nova, uma palavra que indica uma atitude nova para com os outros, uma atitude nova dentro da Comunidade, e impossível sem a dinâmica e vida cristã. “Todos os seres humanos possuem, por natureza, os três tipos de amor já mencionados (“eros”, “fileo” e “storge”), entretanto, o amor “ágape” só se adquire quando se nasce de novo, ou seja, ele passa a operar na vida do homem, quando este se torna templo do Espírito Santo (Gl 5.16-22)”.
  • 5. No idioma original das Escrituras Gregas Cristãs, a palavra para este quarto tipo de amor é “ágape”. Essa palavra ocorre em 1 João 4.8, que diz: “Deus é amor.” De fato, “amamos porque (Deus) nos amou primeiro”. (1 João 4.19) O cristão cultiva esse amor primeiro por Deus e, daí, pelos seus semelhantes. (Marcos 12.29-31) A palavra ágape é também usada em Efésios 5.2, que diz: “Prossegui andando em amor, assim como também o Cristo vos amou e se entregou por vós.” Jesus disse que esse tipo de amor identificaria seus verdadeiros seguidores: “Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor (ágape) entre vós.” (João 13.35). Ágape se encontra também em 1 Coríntios 13.13: “Permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o “amor” (ágape).” No Novo Testamento AGAPE é caridade, é amor altruísta e incondicional. É amor paternal e a maneira que Deus ama a humanidade; visto na criação do mundo, na morte e ressurreição de Jesus Cristo; na regeneração de criatura para filho. Por isso, é visto pelos cristãos como o tipo de amor que os homens têm de aspirar a um ou outro. Agostinho disse a respeito de Deus que Ele ama a todos como se houvesse uma só pessoa para Ele amar; o amor cristão deve modelar-se no amor de Deus. Há um sentido em que o “amor cristão” difere radicalmente do amor humano comum. O amor humano comum é a reação do coração; é algo que simplesmente ocorre. Mas ÁGAPE, o “amor cristão” é um exercício da pessoa integral (espírito, alma, corpo). É um estado não somente do coração, mas também da mente; faz parte dos sentimentos, emoções, vontade. Não é alguma coisa que simplesmente acontece e que não podemos evitar, mas sim, é algo que temos que desejar. Não é algo com que não temos nada a fazer; é uma conquista e uma realização. É verdade que o “amor cristão” não é uma coisa fácil e sentimental; não é uma resposta emocional automática e não procurada. É uma vitória sobre o próprio “eu”. O “amor cristão” é o fruto do Espírito; e é impossível manifestá-lo sem a presença e a força de Jesus Cristo. Amar é um sentimento que nunca deveria ser extinto do ser humano, apesar de a Palavra de Deus afirmar que, “por se multiplicar a iniqüidade (o pecado), o amor (“ágape”) de muitos se esfriará.” (Mt 24.12). Entendendo que Deus nos ama como somos, a despeito de nossas falhas, das nossas atitudes e atos egoístas; refletindo sobre este amor, observando e agradecendo as manifestações diárias deste amor, aprenderemos a amar de verdade. Como Deus derramou do Seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que Ele nos concedeu (Rm.5.5). “O fruto do Espírito é amor…” (Gl 5.22). Assim, seremos capazes de amar com o “amor incondicional”.
  • 6. A verdade simples é que o mundo não pode praticá-la; somente o cristão cheio do Espírito e dedicado a Jesus Cristo pode fazer e viver esta Verdade do Senhor, o AMOR INCONDICIONAL. Por: Pastora “Mérces Vasconcellos” Bibliografia:  Bíblia Sagrada  pt.wikipedia.org  Instituto Gamaiel.com  As Obras da Carne – O fruto do Espírito- William Barclay