SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
HUMANISMO
O homem na busca de si
HOMEM: CENTRO DO UNIVERSO
HUMANISMO LITERÁRIO
 Usado comumente para designar o estudo
das letras humanas em oposição à Teologia.
 Na Idade Média, predomina a concepção
teocêntrica, em que tudo gira em torno dos
valores religiosos.
 A partir do Humanismo, desenvolve-se uma
nova concepção de vida: os eruditos
defendem a reforma total do homem;
 acentuam-se o valor do homem na terra, tudo
o que possa tornar conhecido o ser humano;
 preocupam-se com o desenvolvimento da
personalidade humana, das suas faculdades
criadoras;
 têm como objetivo atualizar, dinamizar e dar
uma nova vida aos estudos tradicionais;
 empenham-se em fazer a reforma
educacional.
Portugal
 Transição de um país caracterizado por valores
puramente medievais para uma nova realidade
mercantil, em que se percebe a ascensão dos ideais
burgueses.
 A economia de subsistência feudal é substituída
pelas atividades comerciais; inicia-se uma retomada
da cultura clássica, esquecida durante a maior parte
da Idade Média; o pensamento teocêntrico é deixado
de lado em favor do antropocentrismo
Crise no sistema feudal
 Peste Negra(1/3 da
população foi
eliminada)
 Guerra dos Cem Anos:
Inglaterra e França –
(1346 a 1450)
envolvimento ambíguo
de Portugal
Terra X Dinheiro
 Escassez de mão-de-obra
 As mudanças nas relações
sociais
 Igreja: crises: dois papas –
um em Roma e outro em
Avignon
 Crise do sistema feudal-
poder centralizado nas mãos
do rei.
 Nos primórdios do
feudalismo, a terra, sozinha,
constituía a medida da
riqueza do homem. Com a
expansão do comércio,
surgiu um novo tipo de
riqueza – a riqueza em
dinheiro.
Portugal:marco cronológico
 Revolução de Avis (1383-85). O choque entre a nobreza
decadente e a nascente burguesia, contrária ao feudalismo,
verifica-se logo depois da morte do rei D. Fernando.
 Com o perigo da aproximação de Portugal aos reinos
castelhanos, a burguesia busca apoio de povo e fortalece a
liderança de João, o Mestre de Avis.
 Com a revolução e a Aclamação de João como rei de Portugal,
desenvolve-se uma política centralizada no poder nas mãos do
rei, compromissado com a burguesia mercantilista.
 Desse compromisso, resulta a expansão ultramarina
portuguesa: a partir de 1415, com a tomada de Ceuta, primeira
conquista ultramarina, Portugal inicia uma longa caminhada de
um século até conhecer o apogeu.
 Ao entrar no século XVI, Portugal possuía colônias na África,
América e Ásia e em ilhas espalhadas pelo Atlântico, Índico e
Pacífico.
Produção Literária
 Autores gregos e latinos.
 A estética medieval – rude e grosseira – é substituída pela grego-latina –
harmoniosa e culta.
 O latim passa a ser a língua de muitos humanistas, que se deixam tomar de
grande entusiasmo pelo saber, pelas artes clássicas.
 A produção literária portuguesa desse período pode ser subdividida em:
Prosa:
 a) Crônicas de Fernão Lopes
 b) Prosa doutrinária
 c) Novela de cavalaria
Poesia: Poesia palaciana
Teatro: Obra de Gil Vicente

Fernão Lopes
 Conhecido como o “Pai da Historiografia
portuguesa”, foi encarregado por D. Duarte de
guardar os arquivos da Torre do Tombo, onde
se achavam os principais documentos sobre
Portugal.
 Incumbido de escrever relatos sobre os
acontecimentos de diversos períodos históricos
(as chamadas crônicas), destacou-se como um
prosador dono de um estilo rico e movimentado.
 Não se limitando a tecer elogios a reis, como a
outros cronistas da época; fez descrições
detalhadas não só do ambiente da corte, mas
também das aldeias, das festas populares e,
principalmente, do papel do povo nas guerras e
rebeliões.
Obras
 A Crônica de El-Rei D. Pedro I: narrativa dos principais
acontecimentos de seu reinado;
 A Crônica de El-Rei D. Fernando: narrativa dos fatos que
ocorreram desde o casamento de D. Fernando com Leonor
Telles até o início da Revolução de Avis;
 A Crônica de El-Rei D. João I: narrativa dos acontecimentos
relativos a seu reinado (1385-1411), quando é assinado a paz
com Castela.
Importância
 É reconhecido como historiador de inegável méritos e
verdadeiro narrador-artista preocupado não apenas com a
verdade do conteúdo de suas narrativas, mas também com a
beleza da forma.
 É reconhecido também pela sua capacidade de observar e
analisar personagens históricas.
 Fernão Lopes analisou com objetividade e justiça os
documentos históricos: foi cauteloso em determinar a verdade
histórica, ao confrontar textos e versões sobre um mesmo
acontecimento.
Cronista-historiador
 Ele redimensiona o gênero cronístico ao
limitar as narrativas tradicionais, abrindo
espaço de autonomia da narrativa histórica
através de uma metodologia em que pudesse
chegar a uma “verdade nua”.
Metodologia
 Fernão Lopes ordena as os fatos
cronologicamente, buscando uma hierarquia
explicativa para os acontecimentos.
 Enquanto cronista, assumia uma posição de
autoridade, de distanciamento e isenção,
atributos capazes de detectar e controlar os
subjetivismos dos discursos (mundanal
afeiçom) e, assim, chegar à “verdade nua”.
Estilo
 Do ponto de vista da forma, o seu estilo representa
uma literatura de expressão oral e de raiz popular.
Ele próprio diz que nas suas páginas não se
encontra a formosura das palavras, mas a nudez da
verdade. Era um autodidata.
 Foi um dos legítimos representantes do saber
popular, mas já no seu tempo um novo tipo de saber
começava a surgir: de cunho erudito-acadêmico,
humanista, clássico.
 Para uma metodologia da escrita da história
comprometida com a “verdade nua”, a partir da
Crônica de D. João I: a mundanall afeiçom,
ordenação dos fatos, autoridade e concepção
temporal
Mundanall Afeiçom
 Fernão Lopes entende que a afeição é inerente à
condição humana, que escapa ao controle racional.
 Assim, considera que as paixões e certas influências
modificam a narrativa, o que implicaria em uma
dificuldade de se apreender a verdade.
 Daí, a necessidade de o cronista-historiador em
controlar a mundanall afeiçom, a fim de garantir o
espaço de autonomia do discurso histórico,
separando os desejos e interesses.
 Desta forma, compreende que os atributos do
cronista devem ser a isenção e a autoridade.
Mundanall afeiçom:a artifical e a
natural
 Mesmo inferindo que a mundanall afeiçom
afeta a todos os homens, Fernão Lopes
entende que esta muda de acordo com os
grupos sociais em diferentes níveis de
subjetividade.
 Assim, analisa a mundanall afeiçom em dois
grupos: os da ordem senhorial, mais
próximos ao rei; e os mais distantes da
ordem senhorial e do rei.
Primeiro grupo
 Ela se caracterizaria pelos valores
tradicionais presos ao servilismo ao rei e ao
modelo panegírico, conferindo uma
parcialidade e um artificialismo que poderia
trazer um falseamento da realidade.
Segundo grupo (os mais afastados do
rei)
 Seriam os portadores da “nua verdade”, pois
a mundanall afeiçom destes, corresponderia
aos laços de afeição e paixões naturais do
homem, portanto, desligada do artificialismo
e cerimônias do servilismo.
Equilíbrio
 Fernão Lopes buscava certo equilíbrio entre
o discurso propriamente histórico e o
discurso panegírico (escrita elogiosa). Assim,
mesmo quando o cronista precisava se
utilizar do discurso panegírico, ele o fazia
apenas para cumprir uma necessidade
formal (decoro), mas optando por um
panegírico fraco e breve para não
comprometer seu compromisso em mostrar a
“verdade nua”.
Tempo
 A concepção temporal ocorre de forma
bipartida, à medida que ele faz a distinção da
forma panegírica e do discurso propriamente
histórico, abrindo um espaço de autonomia
para a narrativa histórica, que possibilite a
produção de uma “verdade nua”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Os Gêneros Literários
Os Gêneros LiteráriosOs Gêneros Literários
Os Gêneros Literários
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01Escolas literarias aula 01
Escolas literarias aula 01
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
Modernismo no Brasil (Tabelas)
Modernismo no Brasil (Tabelas)Modernismo no Brasil (Tabelas)
Modernismo no Brasil (Tabelas)
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 

Destaque (20)

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Humanista
HumanistaHumanista
Humanista
 
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNTTrabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
Trabalho Humanismo (1° ano do Ensino Médio) Normas ABNT
 
Teoria Humanista de Rogers
Teoria Humanista de RogersTeoria Humanista de Rogers
Teoria Humanista de Rogers
 
Teoria humanista
Teoria humanistaTeoria humanista
Teoria humanista
 
Humanismo aula 1
Humanismo aula 1Humanismo aula 1
Humanismo aula 1
 
Kurt goldstein
Kurt goldsteinKurt goldstein
Kurt goldstein
 
Renascimento e grandes navegações
Renascimento e grandes navegações Renascimento e grandes navegações
Renascimento e grandes navegações
 
Pedagogia humanista - RENASCIMENTO
Pedagogia humanista - RENASCIMENTOPedagogia humanista - RENASCIMENTO
Pedagogia humanista - RENASCIMENTO
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Educacao hulmanista
Educacao hulmanistaEducacao hulmanista
Educacao hulmanista
 
Pedagogia humanista e renascimento
Pedagogia humanista e renascimentoPedagogia humanista e renascimento
Pedagogia humanista e renascimento
 
A EducaçãO Renascentista
A  EducaçãO  RenascentistaA  EducaçãO  Renascentista
A EducaçãO Renascentista
 
Educação humanistas
Educação humanistasEducação humanistas
Educação humanistas
 
Resumo educação humanista
Resumo   educação humanistaResumo   educação humanista
Resumo educação humanista
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Abordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na EducaçãoAbordagem Humanista na Educação
Abordagem Humanista na Educação
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestalt
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 

Semelhante a O Humanismo e Fernão Lopes

Humanismo
HumanismoHumanismo
HumanismoLikaa
 
Literatura aula 02 - humanismo
Literatura   aula 02 - humanismoLiteratura   aula 02 - humanismo
Literatura aula 02 - humanismomfmpafatima
 
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteLiteratura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteMiriam Zelmikaitis
 
O Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdf
O Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdfO Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdf
O Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdfferrure
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesastcnsaidjv
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Bruno Marques
 
História da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição ExternaHistória da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição ExternaAndre Nascimento
 
UFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos IdentitáriosUFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos IdentitáriosNome Sobrenome
 
Trabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimentoTrabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimentoGonçalo Tavares
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5cattonia
 
LITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMO
LITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMOLITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMO
LITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMOSônia Guedes
 
Trabalho de lingua portuguesa
Trabalho de lingua portuguesaTrabalho de lingua portuguesa
Trabalho de lingua portuguesaAyrton Lucas
 

Semelhante a O Humanismo e Fernão Lopes (20)

Humanismo nota de aula
Humanismo nota de aula Humanismo nota de aula
Humanismo nota de aula
 
Aula 02 humanismo
Aula 02   humanismoAula 02   humanismo
Aula 02 humanismo
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Literatura aula 02 - humanismo
Literatura   aula 02 - humanismoLiteratura   aula 02 - humanismo
Literatura aula 02 - humanismo
 
Humanismo1
Humanismo1Humanismo1
Humanismo1
 
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicenteLiteratura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
Literatura - Humanismo e o Teatro de Gil vicente
 
O Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdf
O Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdfO Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdf
O Humanismo de forma simplificada, uma visão do que foi na história.pdf
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 
INTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURAINTRODUÇÃO À LITERATURA
INTRODUÇÃO À LITERATURA
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
 
Revisão literatura
Revisão   literaturaRevisão   literatura
Revisão literatura
 
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
Os Tempos Modernos (Renascimento e Reforma)
 
História da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição ExternaHistória da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
História da Igreja I: Aula 13: Oposição Externa
 
UFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos IdentitáriosUFCD - CP4 - Processos Identitários
UFCD - CP4 - Processos Identitários
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimentoTrabalho de história sobre o renascimento
Trabalho de história sobre o renascimento
 
Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5Introdução ao módulo 5
Introdução ao módulo 5
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
LITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMO
LITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMOLITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMO
LITERATURA -HUMANISMO E CLASSICISMO
 
Trabalho de lingua portuguesa
Trabalho de lingua portuguesaTrabalho de lingua portuguesa
Trabalho de lingua portuguesa
 

Mais de Aparecida Mallagoli

As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]Aparecida Mallagoli
 
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileiraAs concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileiraAparecida Mallagoli
 
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]Aparecida Mallagoli
 
Estruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoEstruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoAparecida Mallagoli
 
Estruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoEstruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoAparecida Mallagoli
 

Mais de Aparecida Mallagoli (20)

Identidade do povo_brasileiro
Identidade do povo_brasileiroIdentidade do povo_brasileiro
Identidade do povo_brasileiro
 
João cabral de_melo_neto
João cabral de_melo_netoJoão cabral de_melo_neto
João cabral de_melo_neto
 
Noivado do sepulcro
Noivado do sepulcroNoivado do sepulcro
Noivado do sepulcro
 
Mulheres de atenas
Mulheres de atenasMulheres de atenas
Mulheres de atenas
 
João de deus
João de deusJoão de deus
João de deus
 
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
 
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileiraAs concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
 
Almeida garret -_poemas
Almeida garret -_poemasAlmeida garret -_poemas
Almeida garret -_poemas
 
A intertextualidade[1]
A intertextualidade[1]A intertextualidade[1]
A intertextualidade[1]
 
Estruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoEstruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismo
 
Romantismo -slides (2)
Romantismo  -slides (2)Romantismo  -slides (2)
Romantismo -slides (2)
 
Romantismo -slides (1)
Romantismo  -slides (1)Romantismo  -slides (1)
Romantismo -slides (1)
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Estruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoEstruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Sóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforadoSóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforado
 
Sóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforadoSóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforado
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
 

O Humanismo e Fernão Lopes

  • 1. HUMANISMO O homem na busca de si
  • 2. HOMEM: CENTRO DO UNIVERSO
  • 3. HUMANISMO LITERÁRIO  Usado comumente para designar o estudo das letras humanas em oposição à Teologia.  Na Idade Média, predomina a concepção teocêntrica, em que tudo gira em torno dos valores religiosos.  A partir do Humanismo, desenvolve-se uma nova concepção de vida: os eruditos defendem a reforma total do homem;  acentuam-se o valor do homem na terra, tudo o que possa tornar conhecido o ser humano;
  • 4.  preocupam-se com o desenvolvimento da personalidade humana, das suas faculdades criadoras;  têm como objetivo atualizar, dinamizar e dar uma nova vida aos estudos tradicionais;  empenham-se em fazer a reforma educacional.
  • 5. Portugal  Transição de um país caracterizado por valores puramente medievais para uma nova realidade mercantil, em que se percebe a ascensão dos ideais burgueses.  A economia de subsistência feudal é substituída pelas atividades comerciais; inicia-se uma retomada da cultura clássica, esquecida durante a maior parte da Idade Média; o pensamento teocêntrico é deixado de lado em favor do antropocentrismo
  • 6. Crise no sistema feudal  Peste Negra(1/3 da população foi eliminada)  Guerra dos Cem Anos: Inglaterra e França – (1346 a 1450) envolvimento ambíguo de Portugal
  • 7. Terra X Dinheiro  Escassez de mão-de-obra  As mudanças nas relações sociais  Igreja: crises: dois papas – um em Roma e outro em Avignon  Crise do sistema feudal- poder centralizado nas mãos do rei.  Nos primórdios do feudalismo, a terra, sozinha, constituía a medida da riqueza do homem. Com a expansão do comércio, surgiu um novo tipo de riqueza – a riqueza em dinheiro.
  • 8. Portugal:marco cronológico  Revolução de Avis (1383-85). O choque entre a nobreza decadente e a nascente burguesia, contrária ao feudalismo, verifica-se logo depois da morte do rei D. Fernando.  Com o perigo da aproximação de Portugal aos reinos castelhanos, a burguesia busca apoio de povo e fortalece a liderança de João, o Mestre de Avis.  Com a revolução e a Aclamação de João como rei de Portugal, desenvolve-se uma política centralizada no poder nas mãos do rei, compromissado com a burguesia mercantilista.  Desse compromisso, resulta a expansão ultramarina portuguesa: a partir de 1415, com a tomada de Ceuta, primeira conquista ultramarina, Portugal inicia uma longa caminhada de um século até conhecer o apogeu.  Ao entrar no século XVI, Portugal possuía colônias na África, América e Ásia e em ilhas espalhadas pelo Atlântico, Índico e Pacífico.
  • 9. Produção Literária  Autores gregos e latinos.  A estética medieval – rude e grosseira – é substituída pela grego-latina – harmoniosa e culta.  O latim passa a ser a língua de muitos humanistas, que se deixam tomar de grande entusiasmo pelo saber, pelas artes clássicas.  A produção literária portuguesa desse período pode ser subdividida em: Prosa:  a) Crônicas de Fernão Lopes  b) Prosa doutrinária  c) Novela de cavalaria Poesia: Poesia palaciana Teatro: Obra de Gil Vicente 
  • 10. Fernão Lopes  Conhecido como o “Pai da Historiografia portuguesa”, foi encarregado por D. Duarte de guardar os arquivos da Torre do Tombo, onde se achavam os principais documentos sobre Portugal.  Incumbido de escrever relatos sobre os acontecimentos de diversos períodos históricos (as chamadas crônicas), destacou-se como um prosador dono de um estilo rico e movimentado.  Não se limitando a tecer elogios a reis, como a outros cronistas da época; fez descrições detalhadas não só do ambiente da corte, mas também das aldeias, das festas populares e, principalmente, do papel do povo nas guerras e rebeliões.
  • 11. Obras  A Crônica de El-Rei D. Pedro I: narrativa dos principais acontecimentos de seu reinado;  A Crônica de El-Rei D. Fernando: narrativa dos fatos que ocorreram desde o casamento de D. Fernando com Leonor Telles até o início da Revolução de Avis;  A Crônica de El-Rei D. João I: narrativa dos acontecimentos relativos a seu reinado (1385-1411), quando é assinado a paz com Castela.
  • 12. Importância  É reconhecido como historiador de inegável méritos e verdadeiro narrador-artista preocupado não apenas com a verdade do conteúdo de suas narrativas, mas também com a beleza da forma.  É reconhecido também pela sua capacidade de observar e analisar personagens históricas.  Fernão Lopes analisou com objetividade e justiça os documentos históricos: foi cauteloso em determinar a verdade histórica, ao confrontar textos e versões sobre um mesmo acontecimento.
  • 13. Cronista-historiador  Ele redimensiona o gênero cronístico ao limitar as narrativas tradicionais, abrindo espaço de autonomia da narrativa histórica através de uma metodologia em que pudesse chegar a uma “verdade nua”.
  • 14. Metodologia  Fernão Lopes ordena as os fatos cronologicamente, buscando uma hierarquia explicativa para os acontecimentos.  Enquanto cronista, assumia uma posição de autoridade, de distanciamento e isenção, atributos capazes de detectar e controlar os subjetivismos dos discursos (mundanal afeiçom) e, assim, chegar à “verdade nua”.
  • 15. Estilo  Do ponto de vista da forma, o seu estilo representa uma literatura de expressão oral e de raiz popular. Ele próprio diz que nas suas páginas não se encontra a formosura das palavras, mas a nudez da verdade. Era um autodidata.  Foi um dos legítimos representantes do saber popular, mas já no seu tempo um novo tipo de saber começava a surgir: de cunho erudito-acadêmico, humanista, clássico.  Para uma metodologia da escrita da história comprometida com a “verdade nua”, a partir da Crônica de D. João I: a mundanall afeiçom, ordenação dos fatos, autoridade e concepção temporal
  • 16. Mundanall Afeiçom  Fernão Lopes entende que a afeição é inerente à condição humana, que escapa ao controle racional.  Assim, considera que as paixões e certas influências modificam a narrativa, o que implicaria em uma dificuldade de se apreender a verdade.  Daí, a necessidade de o cronista-historiador em controlar a mundanall afeiçom, a fim de garantir o espaço de autonomia do discurso histórico, separando os desejos e interesses.  Desta forma, compreende que os atributos do cronista devem ser a isenção e a autoridade.
  • 17. Mundanall afeiçom:a artifical e a natural  Mesmo inferindo que a mundanall afeiçom afeta a todos os homens, Fernão Lopes entende que esta muda de acordo com os grupos sociais em diferentes níveis de subjetividade.  Assim, analisa a mundanall afeiçom em dois grupos: os da ordem senhorial, mais próximos ao rei; e os mais distantes da ordem senhorial e do rei.
  • 18. Primeiro grupo  Ela se caracterizaria pelos valores tradicionais presos ao servilismo ao rei e ao modelo panegírico, conferindo uma parcialidade e um artificialismo que poderia trazer um falseamento da realidade.
  • 19. Segundo grupo (os mais afastados do rei)  Seriam os portadores da “nua verdade”, pois a mundanall afeiçom destes, corresponderia aos laços de afeição e paixões naturais do homem, portanto, desligada do artificialismo e cerimônias do servilismo.
  • 20. Equilíbrio  Fernão Lopes buscava certo equilíbrio entre o discurso propriamente histórico e o discurso panegírico (escrita elogiosa). Assim, mesmo quando o cronista precisava se utilizar do discurso panegírico, ele o fazia apenas para cumprir uma necessidade formal (decoro), mas optando por um panegírico fraco e breve para não comprometer seu compromisso em mostrar a “verdade nua”.
  • 21. Tempo  A concepção temporal ocorre de forma bipartida, à medida que ele faz a distinção da forma panegírica e do discurso propriamente histórico, abrindo um espaço de autonomia para a narrativa histórica, que possibilite a produção de uma “verdade nua”.