ESCOLA DE FAMÍLIA – AULA 7 
FAMÍLIA: AFETIVIDADE E AFETO
FAMÍLIA: AFETIVIDADE E AFETO 
AFETIVIDADE É UM DOM DE DEUS 
 O mundo afetivo é o lugar da vulnerabilidade, ou seja, pela ...
A PERCEPÇÃO E A EMOÇÃO 
 Vida interior do homem, sentimentos, reações e emoções começam com a percepção das coisas ao seu...
A PERCEPÇÃO E A EMOÇÃO 
 Está constatado que a emoção quando é provocada por valores espirituais (bondade, caridade, etc)...
AFETIVIDADE E AFETOS 
 Afetividade: componente básico do conhecimento e intimamente ligado ao sensorial e intuitivo. Se m...
AFETIVIDADE E AFETOS 
 A presença ou ausência do afeto determina a forma com que um indivíduo se desenvolverá: quando uma...
AFETO, AMOR E SEXUALIDADE 
 O afeto é a primeira manifestação de amor que encontramos na nossa existência. É natural. É i...
O AMOR E A SEXUALIDADE HUMANA 
Sexualidade Humana: verdade e significado – Orientações educativas em família, 11 
Pontifíc...
AMOR 
Deus Caritas est – Bento XVI 
Nº 2: “O Termo “amor” tornou-se hoje uma das palavras mais usadas, e mesmo abusadas, à...
QUATRO NÍVEIS DE PROFUNDIDADE DA SEXUALIDADE 
“SEXO” 
Aprofundando 
EROS 
FILIA 
AGAPE 
Biológico 
Interpessoal - amizade ...
Subsídio nº 7 – Escola de Família – Pontifício Instituto João Paulo II para estudos sobre o Matrimônio e Família. 
(Pe Rai...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012

372 visualizações

Publicada em

Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012

www.sagradafamilia.org.br

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escola de Família_aula 7 - Família_Afetividade e Afeto_07.10.2012

  1. 1. ESCOLA DE FAMÍLIA – AULA 7 FAMÍLIA: AFETIVIDADE E AFETO
  2. 2. FAMÍLIA: AFETIVIDADE E AFETO AFETIVIDADE É UM DOM DE DEUS  O mundo afetivo é o lugar da vulnerabilidade, ou seja, pela afetividade o homem é marcado pela realidade que o circunda, pela presença de outras pessoas cujo contato o interpela e, consequentemente, provoca-lhe uma reação.  A afetividade é um dom de Deus.  O homem é corpo e alma. O corpo não é apenas uma somatória de massas e tecidos.  O homem possui vontade e liberdade para escolher as coisas, as circunstâncias e os modos de ação que perpassam a sua afetividade => chamamos de alma ou espírito.  Alma-espiritual unida ao corpo dá ao homem a capacidade de transcender a matéria e assim perceber o que habita no seu interior, tocar no interior do outro e relacionar-se com Deus.
  3. 3. A PERCEPÇÃO E A EMOÇÃO  Vida interior do homem, sentimentos, reações e emoções começam com a percepção das coisas ao seu redor e como elas o afetam (tocam).  Percepção e emoção: matérias básicas para entender a vida psíquica do ser humano e sua capacidade de amar.  Percepção: reação dos sentidos às excitações produzidas pelos objetos materiais. Está intimamente ligada ao conhecimento que vem pelos sentidos externos (tato, olfato, visão, paladar, audição) e internos (memória do objeto).  Pela questão emocional a percepção pode ser mais duradoura e forte ou fraca e passageira.  Emoção: reação sensorial provocada pelo objeto, onde, diferentemente da percepção, o que prevalece é o valor do objeto.
  4. 4. A PERCEPÇÃO E A EMOÇÃO  Está constatado que a emoção quando é provocada por valores espirituais (bondade, caridade, etc) é bem mais profunda do que aquela que é provocada ou tem como objeto valores materiais.  Quando a percepção se une à emoção, o seu objeto penetra a consciência do homem e grava-se nela com maior nitidez e ganha mais importância. Isto acontece, também, no contato entre pessoas de sexo diferente.  Ex: “a primeira impressão”. Aqui começa o amor humano.  Percepção e emoção são matérias primas para a afetividade e para os afetos.
  5. 5. AFETIVIDADE E AFETOS  Afetividade: componente básico do conhecimento e intimamente ligado ao sensorial e intuitivo. Se manifesta pelo clima de acolhimento, empatia, inclinação, desejo, gosto, paixão, ternura, compreensão => para: consigo, os outros e o objeto do conhecimento.  Facilita a comunicação e promove a união. Envolve as pessoas e multiplica suas potencialidades.  No âmbito psicológico: indica o conjunto de sentimentos e das emoções de um indivíduo, além do caráter assumido por um estado psíquico particular.  O percurso de estruturação dos afetos se dá desde o nascimento até a maturidade.
  6. 6. AFETIVIDADE E AFETOS  A presença ou ausência do afeto determina a forma com que um indivíduo se desenvolverá: quando uma criança recebe afeto de pessoas significativas, consegue crescer e desenvolver com segurança e determinação.  Ausência ou pouco afeto gera transtornos: depressão, fobias, somatizações, ansiedades generalizadas, homossexualidade, etc.  A afetividade influencia o desenvolvimento cognitivo e comportamental e norteia a inclinação e pulsão sexual.  A vida afetiva é composta por dois afetos básicos: amor e ódio.
  7. 7. AFETO, AMOR E SEXUALIDADE  O afeto é a primeira manifestação de amor que encontramos na nossa existência. É natural. É imerecido porque não precisa ter essa ou aquela qualidade para que alguém afete (ame), ou seja afetado (amado) por uma outra pessoa. Porém, não é um sentimento irracional. Não é simples impulso, mas é efetivamente uma procura.  O afeto começa sempre com um primeiro conhecimento, isso porque ninguém é amado sem ser conhecido em precedência.  O afeto carrega sempre consigo uma intenção unitiva que guia as pessoas a procurarem uma posterior união afetiva. Essa dinâmica é a fonte do amor e, por assim dizer, o minadouro da sexualidade.  Distúrbios afetivos causam sérios distúrbios na sexualidade!
  8. 8. O AMOR E A SEXUALIDADE HUMANA Sexualidade Humana: verdade e significado – Orientações educativas em família, 11 Pontifício Conselho para a Família A sexualidade humana é, portanto, um Bem: parte daquele dom criado que Deus viu ser “muito bom” quando criou a pessoa humana à sua imagem e semelhança e “homem e mulher os criou” (Gn 1,27). Enquanto modalidade de se relacionar e se abrir aos outros, a sexualidade tem como fim intrínseco o amor, mais precisamente o amor como doação e acolhimento, como dar e receber. A relação entre um homem e uma mulher é uma relação de amor: “A sexualidade dever ser orientada, elevada e integrada pelo amor, que é o único a torná-la verdadeiramente humana”.
  9. 9. AMOR Deus Caritas est – Bento XVI Nº 2: “O Termo “amor” tornou-se hoje uma das palavras mais usadas, e mesmo abusadas, à qual associamos significados completamente diferentes.[..] Em toda esta gama de significados, porém, o amor entre o homem e a mulher [...] sobressai como arquétipo de amor por excelência, de tal modo que, comparados com ele, à primeira vista todos os demais tipos de amor se ofuscam.” Nº3: “[...] das três palavras gregas relacionadas com o amor – eros, philia (amor de amizade) e agape – os escritos neotestamentários privilegiam a última, que na linguagem grega era quase posta de lado. Quanto ao amor de amizade (philia), este é retomado com um significado mais profundo no Evangelho de João para exprimir a relação entre Jesus e seus discípulos. A marginalização da palavra eros, juntamente com a nova visão do amor que se exprime por meio da palavra agape, denota, sem dúvida, na novidade do cristianismo, algo de essencial e próprio em relação à compreensão do amor.”
  10. 10. QUATRO NÍVEIS DE PROFUNDIDADE DA SEXUALIDADE “SEXO” Aprofundando EROS FILIA AGAPE Biológico Interpessoal - amizade Amor oblativo, doação Psicológico - desejo Dimensão corporal Dimensão espiritual
  11. 11. Subsídio nº 7 – Escola de Família – Pontifício Instituto João Paulo II para estudos sobre o Matrimônio e Família. (Pe Raimundo Mário de Santana) Italo J. Passanezi Fasanella

×