SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
CUBISMO




                Fig. 1- Pablo Picasso, As meninas de Avinhão (1907)
História A, leccionada   Trabalho realizado por: - Adriano Lourinho nº 2 12º12
pelo professor Carlos
Vieira                                            - Diogo Spencer nº 5 12º12
Introdução
   Iremos abordar ao longo deste trabalho uma das
    correntes artísticas que marcaram o século
    XX, corrente essa o Cubismo.


   Falaremos das suas origens, principais
    artistas, características e ainda apresentaremos
    algumas obras.


   Serão ainda tratadas as duas vertentes do Cubismo, o
    Cubismo Analítico e o Cubismo Sintético.
Cubismo-Origens
   O Cubismo é um movimento artístico que surge no
    principio do século XX, mais propriamente em
    1907, após a elaboração do quadro “Les Demoiselles
    d´Avignon” de Pablo Picasso, que é tido como o marco
    inicial desta corrente artística.


   Fortemente influenciados pelo geometrismo de
    Cézanne e pela estilização volumétrica da arte
    africana foram Pablo Picasso e Georges Braque
    (principais pioneiros do cubismo), que se lançaram no
    desenvolvimento lógico desta nova concepção
    artística.
Cubismo-Origens




Fig. 2- Paul Cézanne, uma das figuras que mais influenciou os pintores cubistas
Cubismo-Origens
O ponto de partida para os cubistas




                                      Fig. 3- Paul
                                      Cézanne, O
                                      Vale de
                                      Riaux, Próximo
                                      de Estaque
                                      (1883)
Cubismo-Características
    Esta corrente artística evidencia uma série de
    características muito próprias das quais podemos
    destacar:


   A substituição da natureza por figuras geométricas.


    A representação das partes de um objecto no mesmo
    plano.


   Utilização de cores austeras e de elementos da arte
    Africana (como máscaras e figuras).
Cubismo-Características



   A “destruição” da perspectiva, ou seja, a
    desfragmentação da pintura em diversas formas
    geométricas, o que permite ao observador ter várias
    visões de perspectiva sobre o quadro, dando assim
    uma sensação de movimento.
Cubismo-Artistas


 Tendo sido uma das correntes que mais
     influenciou os artistas do século
  xx, podemos destacar alguns artistas
plásticos e escultores cubistas tais como:
Cubismo-Artistas




Fig. 4- Pablo Picasso (1881-1973)   Fig. 5- Georges Braque (1882- 1963)
Cubismo-Artistas




Fig. 6- Juan Gris (1887-1927)   Fig. 7- Albert Gleizes (1881-1953)
Cubismo-Artistas




Fig. 8- Jean Metzinger (1883-1956)   Fig.9- Jacques Lipchitz (1891-1973)
Cubismo-Artistas




Fig. 10- Raymond Duschamp-Villon (1876-1918)
Cubismo-Correntes
Cubismo Analítico :



   Corresponde á fase inicial do cubismo iniciado por
    Pablo Picasso e Georges Braque.



   Caracteriza-se pela fragmentação da obra onde o
    artista coloca todos os seus elementos em planos
    sucessivos e sobrepostos, procurando a visão total da
    figura em todos os ângulos.
Cubismo-Correntes

   Em vez de um volume fechado e circunscrito utilizou-
    se um volume aberto que ocupa todo o espaço do
    quadro.




   As cores restringiram-se aos tons de castanho, cinza
    e azuis de forma a não perturbar o rigor geométrico
    da representação.
Cubismo(Analítico)-Obras




               Fig. 11- Georges Braque, Casas
               d’ Estanque (1908)
Cubismo(Analítico)-Obras




                   Fig. 12- Pablo
                   Picasso, Casas no
                   monte ou Horta
                   de Ebro (1909)
Cubismo(Analítico)-Obras




              Fig. 13- Albert
              Gleizes, Retrato de Jacques
              Nayral (1911)
Cubismo(Analítico)-Obras




               Fig. 14- Jean Metzinger, Hora
               do Chá (1911)
Cubismo-Correntes
Em conclusão:


   O objectivo do cubismo analítico era o de produzir
    uma imagem conceptual de um objecto, em vez da
    sua imagem perceptiva ou visual.


   Em poucas palavras, o pintor cubista pinta aquilo que
    sabe que existe mas que só poderia ver em
    sucessivos momentos sendo que nalgumas obras os
    níveis de expressão ameaçam ultrapassar a
    compreensão do observador.
Cubismo-Correntes
Cubismo Sintético:


   O cubismo sintético introduziu alterações ao nível da
    utilização de novos materiais, incorporando-os na
    obra ao misturarem tinta com materiais exteriores.


   A partir deste método os quadros passam então a
    integrar objectos comuns, pelo método da
    colagem, como o
    papel, cartão, tecido, madeira, corda, entre outros
    objectos do quotidiano.
Cubismo(Sintético)-Obras




              Fig. 15- Pablo Picasso, A
              guitarra (1913)
Cubismo(Sintético)-Obras




               Fig. 16- Georges
               Braque, Vidro, Cano
               e Jornal (1917)
Cubismo(Sintético)-Obras




             Fig. 17- Juan
             Gris, Guitarra
             numa cadeira
             (1913)
Cubismo-Correntes
Em conclusão:


   Estas alterações, verdadeiramente inovadoras,
    ofereciam múltiplas possibilidades: criavam, com o
    relevo, novos planos no quadro, enriqueciam as
    tonalidades do colorido confinadas, até então, ao uso
    da tinta, mas, sobretudo, acentuavam a essência e a
    verdade das representações, objectivo que o cubismo
    perseguia desde o início.
Cubismo-Escultura


   Os escultores cubistas procuraram também abrir o
    objecto e facetá-lo de forma a mostrar vários ângulos
    em simultâneo, transportando os ideais do cubismo
    para as suas esculturas.
Cubismo-Escultura




Fig. 18- Jacques Lipchitz, Marinheiro com   Fig.19- Duchamp-Villon, O Cavalo
             Guitarra (1914)                        Grande (1914)
Conclusão
Concluindo, a corrente cubista foi verdadeiramente
importante para o mundo artístico da
época, contribuindo para o aparecimento de novas
vanguardas artísticas uma vez que:


   Alargou os horizontes plásticos introduzindo neles
    materiais comuns, de uso quotidiano, até aí
    completamente alheios ao mundo artístico.
    Graças a esta inovação abriu caminho aos
    dadaístas, que aproveitaram as técnicas de colagem
    dos cubistas do período sintético e as aplicaram nas
    suas obras através da colagem, fotomontagem, etc.
Conclusão

   Destruíram por completo as leis tradicionais da
    perspectiva e da representação, que ainda se
    mantinham válidas nesta altura.
    Através desta inovação abriu caminho à arte
    abstracta.


   Através da representação de visões simultâneas
    devido aos vários pontos de perspectiva presentes
    nas suas obras, abriram caminho aos futurismo
    (corrente que dava especial atenção ao movimento).
Bibliografia
   O Tempo da História, 1ª parte História A- 12º ano, Célia Pinto do Coelho e Maria
    Antónia Monterroso Rosas, pags- 65 a 69


   http://pt.wikipedia.org/wiki/Cubismo


   http://www.infoescola.com/artes/cubismo/


   http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/cubismo/


   http://www.nga.gov/fcgi-bin/timage_f?object=54129&image=13290&c


   http://www.wikipaintings.org/pt/pablo-picasso#supersized-featured-224554


   http://www.wikipaintings.org/pt/georges-braque#supersized-analytical-cubism-
    193648


   http://www.wikipaintings.org/pt/albert-gleizes#supersized-featured-290379
Bibliografia
   http://www.wikipaintings.org/pt/jean-metzinger#supersized-featured-299077


   http://www.wikipaintings.org/pt/pablo-picasso#supersized-synthetic-cubism-224560

   http://www.wikipaintings.org/pt/georges-braque/glass-pipe-and-newspaper-1917


   http://www.wikipaintings.org/pt/juan-gris/guitar-on-a-chair-1913


   http://www.google.com/imgres?q=jacques+lipchitz+-+Sailor+with+guitar&um=1&hl=pt-
    PT&biw=1366&bih=667&tbm=isch&tbnid=RDbHQ7Aj6EbaEM:&imgrefurl=http://theredlist.fr/wiki
    -2-351-861-1411-1428-1429-1431-view-abstract-profile-lipchitz-
    jacques.html&docid=Anve45_0jZbP-
    M&imgurl=http://theredlist.fr/media/database/fine_arts/sculpture/20_th_century/before_1945/a
    bstract/jacques_lipchitz/012-jacques-lipchitz-theredlist.jpg&w=485&h=650&ei=-
    1KpUOjQDIy4hAeZ84GgCA&zoom=1&iact=hc&vpx=852&vpy=271&dur=1029&hovh=260&hovw
    =194&tx=124&ty=107&sig=103561654931116834217&page=1&tbnh=141&tbnw=104&start=0
    &ndsp=29&ved=1t:429,r:16,s:0,i:114


   http://www.google.com/imgres?q=Duchamp-Villon+The+Large+Horse&um=1&hl=pt-
    PT&biw=1366&bih=667&tbm=isch&tbnid=463U9cUapD9XfM:&imgrefurl=http://www.flickriver.co
    m/photos/hanneorla/tags/1914/&docid=vXl6MbEyygS9fM&imgurl=http://farm8.static.flickr.com/
    7024/6493529331_b441d5fab6.jpg&w=375&h=500&ei=ylOpUIqHBsyHhQed3IDoBw&zoom=1&ia
    ct=hc&vpx=182&vpy=84&dur=726&hovh=259&hovw=194&tx=129&ty=147&sig=10356165493
    1116834217&page=1&tbnh=135&tbnw=117&start=0&ndsp=20&ved=1t:429,r:14,s:0,i:108

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Futurismo
FuturismoFuturismo
Futurismo
 
Pablo Picasso
Pablo PicassoPablo Picasso
Pablo Picasso
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Primeira metade do século XX
Primeira metade do século XXPrimeira metade do século XX
Primeira metade do século XX
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
Vanguardas Europeias
Vanguardas EuropeiasVanguardas Europeias
Vanguardas Europeias
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Picasso
PicassoPicasso
Picasso
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 

Destaque

A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoPaulo Gama
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoJoaquim Melro
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slideErica Frau
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismolipexleal
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasAlexandre Misturini
 
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeEmpirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeRafael Oliveira
 
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao SalgadoGénesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgadomaditabalnco
 
Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Roger Pimentel
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaCarson Souza
 
Introdução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaIntrodução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaCursoDeFerias
 

Destaque (20)

A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444Filosofia moderna 22 444444
Filosofia moderna 22 444444
 
Filosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas característicasFilosofia moderna e suas características
Filosofia moderna e suas características
 
Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333Filosofia moderna 22 33333
Filosofia moderna 22 33333
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
Filosofia moderna 22 2 2
Filosofia moderna 22 2   2Filosofia moderna 22 2   2
Filosofia moderna 22 2 2
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Filosofia Moderna
Filosofia ModernaFilosofia Moderna
Filosofia Moderna
 
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e HumeEmpirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
Empirismo Inglês - Bacon, Locke e Hume
 
Criticismo
CriticismoCriticismo
Criticismo
 
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao SalgadoGénesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
Génesis;Tribute to Earth- Master Photographer Sebastiao Salgado
 
Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.Pablo Picasso e o Cubismo.
Pablo Picasso e o Cubismo.
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Introdução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia ModernaIntrodução à Filosofia Moderna
Introdução à Filosofia Moderna
 
Cristiano Mascaro
Cristiano MascaroCristiano Mascaro
Cristiano Mascaro
 

Semelhante a Cubismo em

História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao SurrealismoHistória da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao SurrealismoRaphael Lanzillotte
 
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptxRoseli Gomes Martins
 
As principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticasAs principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticasnpjorgecosta
 
Cubismo !
Cubismo ! Cubismo !
Cubismo ! Laguat
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismobabelisa
 
CUBISMO.pptx
CUBISMO.pptxCUBISMO.pptx
CUBISMO.pptxEEMAS
 
Introdução ao movimento cubista_compressed.pdf
Introdução ao movimento cubista_compressed.pdfIntrodução ao movimento cubista_compressed.pdf
Introdução ao movimento cubista_compressed.pdfThaisVasconcelos44
 
História da Arte - Cubismo
História da Arte - CubismoHistória da Arte - Cubismo
História da Arte - CubismoTiago Toledo Jr.
 

Semelhante a Cubismo em (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_20112C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
2C26_Cubismo_Museu Lasar Segall_2011
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
História da Arte: Cubismo
História da Arte: CubismoHistória da Arte: Cubismo
História da Arte: Cubismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao SurrealismoHistória da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
História da Arte: Arte moderna - do Impressionismo ao Surrealismo
 
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
13. VANGUARDAS EUROPEIAS - EDIÇÃO 2020.pptx
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
As principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticasAs principais vanguardas artísticas
As principais vanguardas artísticas
 
Cubismo !
Cubismo ! Cubismo !
Cubismo !
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 
História da Arte: Cubismo
História da Arte: CubismoHistória da Arte: Cubismo
História da Arte: Cubismo
 
920
920920
920
 
CUBISMO
CUBISMOCUBISMO
CUBISMO
 
CUBISMO.pptx
CUBISMO.pptxCUBISMO.pptx
CUBISMO.pptx
 
Seminário sobre o cubismo
Seminário sobre o cubismoSeminário sobre o cubismo
Seminário sobre o cubismo
 
Introdução ao movimento cubista_compressed.pdf
Introdução ao movimento cubista_compressed.pdfIntrodução ao movimento cubista_compressed.pdf
Introdução ao movimento cubista_compressed.pdf
 
História da Arte - Cubismo
História da Arte - CubismoHistória da Arte - Cubismo
História da Arte - Cubismo
 
[HA2012] 06 - Cubismo
[HA2012] 06 - Cubismo[HA2012] 06 - Cubismo
[HA2012] 06 - Cubismo
 

Mais de Carlos Vieira

Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCarlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
 

Último

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

Cubismo em

  • 1. CUBISMO Fig. 1- Pablo Picasso, As meninas de Avinhão (1907) História A, leccionada Trabalho realizado por: - Adriano Lourinho nº 2 12º12 pelo professor Carlos Vieira - Diogo Spencer nº 5 12º12
  • 2. Introdução  Iremos abordar ao longo deste trabalho uma das correntes artísticas que marcaram o século XX, corrente essa o Cubismo.  Falaremos das suas origens, principais artistas, características e ainda apresentaremos algumas obras.  Serão ainda tratadas as duas vertentes do Cubismo, o Cubismo Analítico e o Cubismo Sintético.
  • 3. Cubismo-Origens  O Cubismo é um movimento artístico que surge no principio do século XX, mais propriamente em 1907, após a elaboração do quadro “Les Demoiselles d´Avignon” de Pablo Picasso, que é tido como o marco inicial desta corrente artística.  Fortemente influenciados pelo geometrismo de Cézanne e pela estilização volumétrica da arte africana foram Pablo Picasso e Georges Braque (principais pioneiros do cubismo), que se lançaram no desenvolvimento lógico desta nova concepção artística.
  • 4. Cubismo-Origens Fig. 2- Paul Cézanne, uma das figuras que mais influenciou os pintores cubistas
  • 5. Cubismo-Origens O ponto de partida para os cubistas Fig. 3- Paul Cézanne, O Vale de Riaux, Próximo de Estaque (1883)
  • 6. Cubismo-Características Esta corrente artística evidencia uma série de características muito próprias das quais podemos destacar:  A substituição da natureza por figuras geométricas.  A representação das partes de um objecto no mesmo plano.  Utilização de cores austeras e de elementos da arte Africana (como máscaras e figuras).
  • 7. Cubismo-Características  A “destruição” da perspectiva, ou seja, a desfragmentação da pintura em diversas formas geométricas, o que permite ao observador ter várias visões de perspectiva sobre o quadro, dando assim uma sensação de movimento.
  • 8. Cubismo-Artistas Tendo sido uma das correntes que mais influenciou os artistas do século xx, podemos destacar alguns artistas plásticos e escultores cubistas tais como:
  • 9. Cubismo-Artistas Fig. 4- Pablo Picasso (1881-1973) Fig. 5- Georges Braque (1882- 1963)
  • 10. Cubismo-Artistas Fig. 6- Juan Gris (1887-1927) Fig. 7- Albert Gleizes (1881-1953)
  • 11. Cubismo-Artistas Fig. 8- Jean Metzinger (1883-1956) Fig.9- Jacques Lipchitz (1891-1973)
  • 12. Cubismo-Artistas Fig. 10- Raymond Duschamp-Villon (1876-1918)
  • 13. Cubismo-Correntes Cubismo Analítico :  Corresponde á fase inicial do cubismo iniciado por Pablo Picasso e Georges Braque.  Caracteriza-se pela fragmentação da obra onde o artista coloca todos os seus elementos em planos sucessivos e sobrepostos, procurando a visão total da figura em todos os ângulos.
  • 14. Cubismo-Correntes  Em vez de um volume fechado e circunscrito utilizou- se um volume aberto que ocupa todo o espaço do quadro.  As cores restringiram-se aos tons de castanho, cinza e azuis de forma a não perturbar o rigor geométrico da representação.
  • 15. Cubismo(Analítico)-Obras Fig. 11- Georges Braque, Casas d’ Estanque (1908)
  • 16. Cubismo(Analítico)-Obras Fig. 12- Pablo Picasso, Casas no monte ou Horta de Ebro (1909)
  • 17. Cubismo(Analítico)-Obras Fig. 13- Albert Gleizes, Retrato de Jacques Nayral (1911)
  • 18. Cubismo(Analítico)-Obras Fig. 14- Jean Metzinger, Hora do Chá (1911)
  • 19. Cubismo-Correntes Em conclusão:  O objectivo do cubismo analítico era o de produzir uma imagem conceptual de um objecto, em vez da sua imagem perceptiva ou visual.  Em poucas palavras, o pintor cubista pinta aquilo que sabe que existe mas que só poderia ver em sucessivos momentos sendo que nalgumas obras os níveis de expressão ameaçam ultrapassar a compreensão do observador.
  • 20. Cubismo-Correntes Cubismo Sintético:  O cubismo sintético introduziu alterações ao nível da utilização de novos materiais, incorporando-os na obra ao misturarem tinta com materiais exteriores.  A partir deste método os quadros passam então a integrar objectos comuns, pelo método da colagem, como o papel, cartão, tecido, madeira, corda, entre outros objectos do quotidiano.
  • 21. Cubismo(Sintético)-Obras Fig. 15- Pablo Picasso, A guitarra (1913)
  • 22. Cubismo(Sintético)-Obras Fig. 16- Georges Braque, Vidro, Cano e Jornal (1917)
  • 23. Cubismo(Sintético)-Obras Fig. 17- Juan Gris, Guitarra numa cadeira (1913)
  • 24. Cubismo-Correntes Em conclusão:  Estas alterações, verdadeiramente inovadoras, ofereciam múltiplas possibilidades: criavam, com o relevo, novos planos no quadro, enriqueciam as tonalidades do colorido confinadas, até então, ao uso da tinta, mas, sobretudo, acentuavam a essência e a verdade das representações, objectivo que o cubismo perseguia desde o início.
  • 25. Cubismo-Escultura  Os escultores cubistas procuraram também abrir o objecto e facetá-lo de forma a mostrar vários ângulos em simultâneo, transportando os ideais do cubismo para as suas esculturas.
  • 26. Cubismo-Escultura Fig. 18- Jacques Lipchitz, Marinheiro com Fig.19- Duchamp-Villon, O Cavalo Guitarra (1914) Grande (1914)
  • 27. Conclusão Concluindo, a corrente cubista foi verdadeiramente importante para o mundo artístico da época, contribuindo para o aparecimento de novas vanguardas artísticas uma vez que:  Alargou os horizontes plásticos introduzindo neles materiais comuns, de uso quotidiano, até aí completamente alheios ao mundo artístico. Graças a esta inovação abriu caminho aos dadaístas, que aproveitaram as técnicas de colagem dos cubistas do período sintético e as aplicaram nas suas obras através da colagem, fotomontagem, etc.
  • 28. Conclusão  Destruíram por completo as leis tradicionais da perspectiva e da representação, que ainda se mantinham válidas nesta altura. Através desta inovação abriu caminho à arte abstracta.  Através da representação de visões simultâneas devido aos vários pontos de perspectiva presentes nas suas obras, abriram caminho aos futurismo (corrente que dava especial atenção ao movimento).
  • 29. Bibliografia  O Tempo da História, 1ª parte História A- 12º ano, Célia Pinto do Coelho e Maria Antónia Monterroso Rosas, pags- 65 a 69  http://pt.wikipedia.org/wiki/Cubismo  http://www.infoescola.com/artes/cubismo/  http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/cubismo/  http://www.nga.gov/fcgi-bin/timage_f?object=54129&image=13290&c  http://www.wikipaintings.org/pt/pablo-picasso#supersized-featured-224554  http://www.wikipaintings.org/pt/georges-braque#supersized-analytical-cubism- 193648  http://www.wikipaintings.org/pt/albert-gleizes#supersized-featured-290379
  • 30. Bibliografia  http://www.wikipaintings.org/pt/jean-metzinger#supersized-featured-299077  http://www.wikipaintings.org/pt/pablo-picasso#supersized-synthetic-cubism-224560  http://www.wikipaintings.org/pt/georges-braque/glass-pipe-and-newspaper-1917  http://www.wikipaintings.org/pt/juan-gris/guitar-on-a-chair-1913  http://www.google.com/imgres?q=jacques+lipchitz+-+Sailor+with+guitar&um=1&hl=pt- PT&biw=1366&bih=667&tbm=isch&tbnid=RDbHQ7Aj6EbaEM:&imgrefurl=http://theredlist.fr/wiki -2-351-861-1411-1428-1429-1431-view-abstract-profile-lipchitz- jacques.html&docid=Anve45_0jZbP- M&imgurl=http://theredlist.fr/media/database/fine_arts/sculpture/20_th_century/before_1945/a bstract/jacques_lipchitz/012-jacques-lipchitz-theredlist.jpg&w=485&h=650&ei=- 1KpUOjQDIy4hAeZ84GgCA&zoom=1&iact=hc&vpx=852&vpy=271&dur=1029&hovh=260&hovw =194&tx=124&ty=107&sig=103561654931116834217&page=1&tbnh=141&tbnw=104&start=0 &ndsp=29&ved=1t:429,r:16,s:0,i:114  http://www.google.com/imgres?q=Duchamp-Villon+The+Large+Horse&um=1&hl=pt- PT&biw=1366&bih=667&tbm=isch&tbnid=463U9cUapD9XfM:&imgrefurl=http://www.flickriver.co m/photos/hanneorla/tags/1914/&docid=vXl6MbEyygS9fM&imgurl=http://farm8.static.flickr.com/ 7024/6493529331_b441d5fab6.jpg&w=375&h=500&ei=ylOpUIqHBsyHhQed3IDoBw&zoom=1&ia ct=hc&vpx=182&vpy=84&dur=726&hovh=259&hovw=194&tx=129&ty=147&sig=10356165493 1116834217&page=1&tbnh=135&tbnw=117&start=0&ndsp=20&ved=1t:429,r:14,s:0,i:108