SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 111
Baixar para ler offline
Atualização dos protocolos de
IATF, SOV/OPU-FIV E TETF
para vacas de leite e de corte
Pietro Sampaio Baruselli, Laísa Garcia da Silva, Guilherme Machado
Zanatta, Flávia Morag Elliff, Mariana Pallú Viziack
Departamento de Reprodução Animal
Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Universidade de São Paulo
Amazon region
Private farms partnership Private farms partnership
Capricornia tropics (24
parallel)
USP Campus in Pirassununga
(experimental farm)
Provocações...
219 milhões bovinos89 milhões bovinos
Matrizes
Eficiência da cadeia de produção de carne
133,2 kg por animal/ano 45,8 kg por animal/ano
40
milhões
80
milhões
11 mi ton 10 mi ton
Matrizes
1º 2º
3º 1º
Cadeia de produção da carne bovina
Sistema de cria = 80.632.741
(vacas e novilhas em reprodução)
Anualpec, 2015
♀ 70% de pasto para cria (120 mi ha)
♂ 30% de pasto para recria e engorda (50 mi ha)
Sistema de cria: > 50% do
alimento necessário para
produção de 1 kg carne
Peter Hansen, 2014
1 Kg
Francisco Vila
Sociedade Rural Brasileira
Substituição de um negócio
não rentável por um lucrativo
Eficiência reprodutiva
do rebanho brasileiro
Quantidade e qualidade de bezerros produzidos
1. TAXA DE DESMAME (bezerros produzidos por vacas do rebanho)
2. IDADE AO PRIMEIRO PARTO (início da produção de bezerros)
0
20
40
60
80
100
120
AT-25C
AT-30
DE-100
DE-300
DE-1100
DE-1400
FR-80B
FR-80
FR-85
ES-80
ES-150
UK-70
UK-100
UK-105
IE-30
SE-95
SE-100C
PL-45
CZ-420
UA-295
UA-410
RU-450
CA-200A
CA-200B
CA-800B
CA-800A
US-160A
US-160B
US-600
MX-120
AR-800
AR-850
AR-1100A
AR-1100B
UY-220
UY-115
UY-150
BR-1200
BR-2500
CO-220
CO-400
CO-1100
CN-2
CN-140
ID-2
ID-3
ID-4
KZ-500
AU-200
AU-350
AU-540
AU-600
AU-880
AU-1550
ZA-200
ZA-250
ZA-350
ZA-400
NA-290
BW-30
Bezerros desmamados
por 100 vacas
calves per 100 cows & year
Fonte: Agri Benchmark 2015Sérgio Dezen e Thiago B. Carvalho
0,6
bezerros
20
25
30
35
40
45
AT-25C
AT-30
DE-100
DE-300
DE-1100
DE-1400
FR-80B
FR-80
FR-85
ES-80
ES-150
UK-70
UK-100
UK-105
IE-30
SE-95
SE-100C
PL-45
CZ-420
UA-295
UA-410
RU-450
CA-200A
CA-200B
CA-800B
CA-800A
US-160A
US-160B
US-500
MX-120
AR-800
AR-850
AR-1100
UY-220
UY-115
BR-1200
BR-2500
CO-220
CO-400
CO-1100
CN-2
CN-140
ID-2
ID-3
ID-4
KZ-500
AU-200
AU-350
AU-560
AU-600
AU-880
AU-990
ZA-200
ZA-250
ZA-350
ZA-400
NA-290
BW-30
Calving period 1 Calving period 2
Idade (meses) à primeira cria
Fonte: AgribenchmarkSérgio Dezen e Thiago B. Carvalho
Idade e peso à desmama de
bezerros machos
Fonte: Agri benchmark e Cepea
*Número na frente do nome do país refere-se ao total de animais de cada propriedade modal
Sérgio Dezen e Thiago B. Carvalho
IMPACTO DO AUMENTO DA TAXA E DO
PESO AO DESMAME
Eficiência reprodutiva + genética
TAXA DE DESMAMA
60,0% 65,0% 70,0% 80,0% 85,0%
PESO
DESMAMA
Kg bezerro/ha
150 82,3 88,5 94,7 106,7 112,6
170 92,0 98,8 105,6 118,8 125,2
200 106,0 113,7 121,3 136,0 143,2
230 119,4 127,9 136,3 152,4 160,2
260 132,3 141,6 150,6 167,9 176,3
Efeito da taxa de desmame e do peso do bezerro ao
desmame na produção de kg de bezerros por hectare
>100%
Base para cálculos:
- 1 UA (450Kg)/ha (1 vaca/ha e 0,17-0,22 bezerros/ha)
- 30Kg peso nascimento
- Desmame aos 7 meses
TAXA DE DESMAMA
60,0% 65,0% 70,0% 80,0% 85,0%
PESO
DESMAMA
Faturamento/ha
150 R$ 493,90 R$ 531,28 R$ 568,14 R$ 640,32 R$ 675,66
170 R$ 551,90 R$ 593,04 R$ 633,52 R$ 712,55 R$ 751,13
200 R$ 635,92 R$ 682,27 R$ 727,74 R$ 816,12 R$ 859,08
230 R$ 716,54 R$ 767,64 R$ 817,62 R$ 914,36 R$ 961,18
260 R$ 793,97 R$ 849,39 R$ 903,45 R$ 1.007,66 R$ 1.057,90
Efeito da taxa de desmame e do peso do
bezerro ao desmame no faturamento por
hectare/ano
>100%
Base para cálculos:
- 1 UA (450Kg)/ha (1 vaca/ha e 0,17-0,22 bezerros/ha)
- 30Kg peso nascimento
- Desmame aos 7 meses
- R$ 6,00 /Kg bezerro
2 vacas/ha = R$ 2.115,80
3 vacas/ha = R$ 3.173,70...
Oportunidades:
Cana de acúcar: = R$ 1.100,00
Soja (10 sacos/ha) = R$ 740,00
Milho (30 sacas/ha)= R$ 1.000,00
Custo manutenção
vaca/ano: R$ 600,00
Utilização de
tecnologia na
pecuária de corte
Aplicação planejada de
tecnologia
Utilização da IA para
o melhoramento
genético e produtivo
do rebanho de corte
brasileiro?
Utilização de tecnologia
Inseminação artificial vs. Monta Natural
IA aumenta o ganho genético e
controla doenças venéreas
(Vishwanath, 2003)
Entretanto...
A monta natural é a metodologia mais
frequentemente utilizada no mundo
(Thibier and Wagner, 2002; Lamb and Mercadante, 2016)
80% dos fazendeiros utilizam a monta natural
para produção de bezerros
Inseminação artificial vs. Monta Natural
Manejo reprodutivo do
rebanho brasileiro
~ 90 % das matrizes em idade reprodutiva
são cobertas por monta natural
~ 10 % das matrizes em idade reprodutiva
são iseminadas artificialmente
*
Mercado da IATF no Brasil
*Estimativa levando em consideração a venda
de produtos para sincronização
Pietro S Baruselli
Departamento de Reprodução Animal/FMVZ/USP
IA: 5 a 6% das matrizes
em reprodução
IA: 10 a 12% das matrizes em
reprodução
11,5 mi IATF
13,5 mi IA
Viana, 2017 (SBTE)
Conceito da tecnologia
+
IA < Touro
X
Impacto da IATF
para produção de
bezerros
Monta natural
X
Detecção de cio + IA
X
IATF
45 dias EM
TouroParto
55 dias
n=150
(Penteado et al., 2005)
45 dias EM
Cio / IA
Parto
55 dias
n=149
(Penteado et al., 2005)
IATF
45 dias EM
+ Cio / IAParto
55 dias
n=148
(Penteado et al., 2005)
IATF
45 dias EM
+ TouroParto
55 dias
n=150
(Penteado et al., 2005)
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90
Dias de Estação de Monta
TaxadePrenhez(%)
IA conv
IATF + IA
IATF+touro
Touro
TaxadePrenhez(%)
Figura. Curva de sobrevivência das vacas que se tornaram gestantes conforme os
dias da estação de monta. Análise de 4 programas reprodutivos durante
90 dias de estação de monta. (Penteado et al., 2005)
a
c
d
b
b
a
8.0%
Vacas que
receberam IATF:
redução de 22 dias
no intervalo entre
início da EM e
gestaão
11.8%
31.0%
21.0%
Touro (n=150)
Cio / IA (n=150)
IATF + Cio / IA (n=148)
IATF + Touro (n=149)
IA < NSAI < TouroIA > Touro
Novo conceito dos programas de IA
Calving
+ =
65 a
75%
21 days
FTAI
(50%)
50 days
Matural
breeding
(~20%; 1/20)
71 days
ICI = 11,2m ICI = 11,9m+ = 11,4m
(50%) (20%)
+
Until end of BS
(1/30)
1 FTAI + Bull
Monta natural
X
IATF + Monta natural
Impacto no retorno econômico da atividade de cria
90 dias EM
Parto
50 dias
Touro (monta natural)
100 vacas
4 touros
(1/25; 4%)
90 dias EM
Parto
50 dias
+
IATF + touro (repasse)
100 vacas
4 touros
(1/25; 4%)
IMPACTOS DA IATF NA
EFICIÊNCIA REPRODUTIVA E
RETORNO ECONÔMICO
+ 8% bezerros ao final EM
(79 vs 87%)
44% prenhez início EM
(antecipação dos nascimentos e maior peso a desmama)
75% prenhez início EM
(56% IATF + 19% 1º repasse touro)
(antecipação dos nascimentos e maior peso a desmama)
TOURO IATF + TOURO
Cruzamento industrial
(ganho pela heterose)79% prenhez final EM
Touro
(monta natural)
+
IATF + touro
(repasse)
Diferença = R$ 21.076,10 (+25%)
2014
Investimento = R$ 5.000,00
Ganho = 21.076,10 (+400%)
Impacto da IATF na
cadeia de produção
Produção de carne e fertilidade das novilhas
Época de nascimento x desempenho confinamento
15/09
Estação de monta
31/03
1º ano 2º ano 4º ano
Estação de
Nascimentos
15/07 30/1
Idade do garrote
26 meses
01/08
CONFINAMENTO
30/11
20 meses
Fazenda Banco Alfa – PR
MV Luciano Penteado
0
100
200
300
400
500
600
700
Jul/2015 Ago/2015 Set/2015 Out/2015 Nov/2015 Dez/2015 Jan/2015
PESO ABATE PESO ENTRADA PESO DESMAME TEMPO DE CONFINAMENTO
543 kg
24 M
BOIS TERMINADOS EM CONFINAMENTO
(n=672)
+ 44 kg
+ 8,1%
+ 1,6 @
+ R$ 246,40
587 kg
29 M
92 dias
115 dias
+ 82 kg
+ 21,9%
+ 2,7 @
+ R$ 410,00
457 kg
26 M
375 kg
20 M
297 kg
215 kg
+ 82 kg
+ 38,1%
+ 2,7 @
+ R$ 492,00
- 25 dias
- 27,2%
Diária = R$ 8,20
- R$ 205,00
+ R$ 451,40
+ 14,7%
MV Luciano Penteado
Taxa de prenhez à IATF de novilhas Nelore (14 meses de
idade; n=1041) de acordo com o mês de nascimento
(Freitas, 2015)
46.7%
39.4%
26.5%
0.0%
5.0%
10.0%
15.0%
20.0%
25.0%
30.0%
35.0%
40.0%
45.0%
50.0%
Setembro Outubro Novembro
N=525 N=355 N=151
Estação de Monta
01/11 31/01
Estação de monta
31/0101/11
1º mês 2º mês 3º mês
1º ANO 3º ANO
MÊS DE CONCEPÇÃO (1ª EM) x IDADE DA NOVILHA NA 1ª IATF (3ª EM)
Concepção
1º mês
15/08 14/09
(13,5 a 14,5m)
Idade
1ª IATF
2º mês
15/09 16/10
(12,5 a 13,5m)
3º mês
15/10 15/11
(11,5 a 12,5m)
X = 14 meses
X = 13 meses
X = 12 meses
O programa reprodutivo com novilha precoce tem
início no momento da concepção da vaca
46,7%
(n=525)
39,4%
(n=355)
26,5%
(n=151)
IATF X Monta natural
Conclusão
- Mais bezerros de melhor qualidade
- Mais prenhez no inicio da estação de monta
- Maior retorno econômico
♂ Antecipa a idade
ao abate
♀ Antecipa a idade
ao primeiro parto
Ressincronização
2/3 IATFs
1. Aumentar o números de vacas gestantes por IA
2. Diminuir a quantidades de touros na propriedade
 Melhoramento Genético
Conceito da tecnologia
IA > Touro
XIATF
IATF
Métodos de
ressincronização
1. Sincronização no momento do
diagnóstico de gestação
2. Sincronização antes do diagnóstico de
gestação
Parto
50 dias
IATF
D0 D30
US
Ressincronização
2ª IATF
D40
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29
Dias após a IATF
%dasvacasqueretornaram
emcio
D21
1. Ressincronização
(Sincronização após diagnóstico de gestação)
40 dias EM
Parto
50 dias
IATF
D0
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29
Dias após a IATF
%dasvacasqueretornaram
emcio
D21
2. Ressincronização
(Sincronização sem diagnóstico prévio de gestação)
32 dias EM
2ª IATF
D32D30
US
D22
Ressincronização
BE
2mg
Monta natural (touro)
X
IATF + Monta natural
X
IATF + Ressincronização
//
Synchronization
Calving
Day 0 Day 22
Synchronization
Day 32
1st TAI 2an TAI
Day 90Day 42
// // //
Natural Service40 days 10 dias22 dias
TAI + RE 22 + NS (n=248)
//
Synchronization
Calving
Day 0 Day 30
Synchronization
Day 40
1st TAI 2nd TAI
30 days
Day 90Day 50
// // //
Natural Service
45 dias40 days 10 days
TAI + RE 30 + NS (n=245)
//
Synchronization
Calving
Day 0 Day 10 Day 90
1st TAI
10 dias
//
Natural Service40 days
TAI + NS (n=200)
//
Calving
Day 0 Day 90
//
Natural Service50 days
Natural service (n=266)
Rubin et al., 2015 (Animal Reproduction 12, 659
Touro (n=266)
IATF +Touro (n=200)
IATF+RE30+Touro (n=245)
Figura. Taxa de prenhez acumulativa de vacas subemetidas a direfentes programas
reprodutvidos durante 90 dias de estação de monta.
Rubin et al., 2015 (Animal Reproduction 12, 659
45.1%a
71.0%b
83.7%c
81.5%c
IA < NSRe-IA > Touro
IA < NSIA > Touro
Re-IA > TouroRe-IA > Touro
IATF+RE22+Touro (n=248)
3 IATF
100% de bezerros por IA
(sem a utilização de touros)
Analise de diferentes
manejos reprodutivos
1 IATF + Touro X 2 IATF + Touro X 3 IATF
Número de vacas:
1505
//
Synchronization
Calving
Day 0 Day 22
Synchronization
Day 32
1st TAI 2an TAI
Day 64Day 42
// // //
Natural Service40 days 10 dias22 dias
TAI + RE22 + NS (n=300)
//
Synchronization
Calving
Day 0 Day 10 Day 64
1st TAI
10 dias
//
Natural Service40 days
TAI + NS (n=455)
//
Synchronization
Calving
Day 0 Day 22
Synchronization
Day 32
1st TAI 2an TAI
Day 64Day 54
// //
40 days 22 dias22 dias
TAI + RE22 + RE22 (n=755)
Synchronization
3rd TAI
64 days breeding season
Figure. Pregnancy rate in Bos indicus beef cows after timed artificial insemination
(TAI) with subsequent resynchronization or natural mating.
Crepaldi et al. (2017) Animal Reproduction 14, p. 698.
Bull Bull
IA < NSRe-IA > Touro
Custo da prenhez de acordo com o manejo
reprodutivo utilizado em vacas Nelore
multíparas paridas
Crepaldi et al., 2014
3 IATF 2 IATF + Touro
(1/120)
1 IATF + Touro
(1/50)
1ª IATF R$ 68,78 R$ 68,18 R$ 70,31
2ª IATF R$ 151,34 R$ 132,21 -
3ª IATF/ touro R$ 110,44 R$ 149,50 R$ 216,61
Média R$ 85,20 R$ 84,53 R$ 95,18
No manejo 2 IATF + touro a relação touro/vaca correspondeu a 1/27 vacas vazias
No manejo 1 IATF + touro a relação touro/vaca corresponde a 1/17 vacas vazias
Conceito da tecnologia
+
Cio + IA > IATF
X IATF
Eficiência reprodutiva
• Grupo Estro/IA (n=467)
Parto 150 dias60 dias
Observação de cio e IA
Parto 50 dias
P4
60 dias
IATF
Observação de cio e IA
150 dias
Teixeira et al, 2008
• Grupo IATF + Estro/IA (n=495)
Teixeira et al., 2008
Gráfico – Intervalo parto/1ª e 2ª IA (dias) em vacas de leite
de alta produção inseminadas com cio detectado ou com
IATF, Descalvado, 2008.
n=467 n=495n=283 n=344
P < 0,001
a
b
d
c
Teixeira et al., 2008
Gráfico – Taxa de concepção (%) de vacas de leite de alta
produção inseminadas com cio detectado ou com IATF,
Descalvado, 2008.
P > 0,05
n=467 n=495
Teixeira et al., 2008
P < 0,05
Gráfico – Intervalo parto/concepção em dias (150d EM) de
vacas de leite de alta produção inseminadas com cio
detectado ou com IATF, Descalvado, 2008.
n=205 n=207
Qual é o motivo de utilizarmos
pouca tecnologia de IA?
Protocolo de sincronização?
10% das matrizes de leite e de corte?
Média mundial = 20%
1. Duração protocolo?
2. Número de manejos?
3. Tratamentos adicionais?
Efeito da duração do
protocolo e do número de
manejos na eficiência dos
programas de IATF
Dispositivo de P4
BE
D0 D8 D10
IATF
24h
PGF
D9
24/30h
BE
   
ECP ou BE momento da retirada (D8) e 24h após (D9)
Dispositivo de P4
BE
D0 D8 D10
IATF
48/54h
PGF +
CE
  
Benzoato de estradiol
Cipionato de estradiol
Dias após tratamento
1 2 3 4 5 6 7 8 9
Quando ocorre o pico
de LH e da oculação
após a administração
de BE ou CE?
P4
BE
24h
LH
22h 26h
P4
CE LH
46h 26h
72h
72h
Maio et al., 2007
Sales et al., 2007
BE e CE vs pico LH e ovulação
Figura. Taxa de concepção de vacas Nelore inseminadas em
tempo fixo com Cipionado (CE) ou Benzoato (BE) de estradiol
%
Penteado et al., 2005
P>0,05
(56/119) (57/122)
3 manejos
4 manejos
Taxa de prenhez após diferentes períodos
de permanência do dispositivo (8 vs 9 dias) com
1,2g de progesterona (FERTILCARE®) em
protocolos para IATF de vacas Nelore lactantes
DEPARTAMENTO DE REPRODUÇÃO ANIMAL
FMVZ – USP
SÃO PAULO - 2016
Barbuio, et al. (SBTE 2016)
Delineamento Experimental
Barbuio, et al. (SBTE 2016)
8 dias
9 dias
Taxa de prenhez à IATF (30 dias)
(FERTILCARE 8 dias X FERTILCARE 9 dias)
55.8 56.1
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
P4 8 dias P4 9 dias
Taxadeprenhez(%)
156 157
P = 0.96
Barbuio, et al. (SBTE 2016)
Barbuio, et al. (SBTE 2016)
8 dias
9 dias
59.9 62.9
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
D8 D9
Taxadeprenhez(%)
146 151
P = 0.59
Barbuio, et al. (SBTE 2016)
Taxa de prenhez à IATF (30 dias)
(Crestar 8 dias X Crestar 9 dias)
Barbuio, et al. (SBTE 2016)
8 dias
9 dias
46.7
43.0
0
10
20
30
40
50
60
70
80
90
100
D8 D9
Taxadeprenhez(%)
107 107
P>0,05
Barbuio, et al. (SBTE 2016)
Taxa de prenhez à IATF (30 dias)
(Crestar usado 8 dias X Crestar usado 9 dias)
(n = 143)
DG
D30
Dispositivo de P4
D-1 D8 D10
IATF
1 mL CE
2 mL PGF2mL BE
Protoloco
9 DIAS
9 DIAS
D6
DG
D60
Dispositivo de P4
D-1 D8 D10
IATF
2mL BE
Protoloco
8 DIAS
(n = 145)
D0
2 mL PGF
1 mL CE
8 DIAS
DG
D30
DG
D60
Mingoti, et al. (ICAR, 2016)M.V. Thiago Carneiro
Taxa de prenhez aos 60 dias
24.8%
21.7%
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
35%
Permanência do Dispositivo de P4 por 8 dias
Permanência do Dispositivo de P4 por 9 dias
P = 0.47
36/145 31/143
Mingoti, et al. (ICAR, 2016)M.V. Thiago Carneiro
Eficiência de protocolos de IATF
na taxa de concepção de vacas leiteiras
(sete vs oito dias)
ROMULO GERMANO DE REZENDE
PIETRO SAMPAIO BARUSELLI
M.V. Thiago Carneiro
27% 25%
0%
5%
10%
15%
20%
25%
30%
35%
40%
7 Dias 8 Dias
Taxa de prenhez aos 30 dias, em
relação ao tempo de permanência do
dispositivo
68/255 64/250
P= 0.554
M.V. Thiago Carneiro
Justificativa
Inserção do implante de P4
Retirada do implante de P4
IATF
Legenda:
7 DIAS DE IMPLANTE 8 DIAS DE IMPLANTE
Manejo
reprodutivo em
apenas DOIS dias
da semana
Manejo
reprodutivo em
TRÊS dias da
semana
Efeito do momento de administração da PGF
na taxa de prenhez de vacas Holandesas de
alta produção submetidas à IATF
Veras, M.B.1; Lima, F.A.1; Sales, J.N.S.2; Teixeira, A.A.3; Crepaldi, G.A.3; Souza,
E.D.F3; Maio, J.R.G.3; Baruselli, P.S.2
Pioneiros
Carambeí – PR
SBTE 2010
DELINEAMENTO EXPERIMENTAL
CE
(1mg)
Dia 0 Dia 8 Dia
38
DG
US
P4
EB (2 mg)
Dia
10
IATF
Grupo PGF-D8 (n=152)
48 h
Dia 0 Dia 8 Dia
38
DG
US
P4
EB (2 mg)
Dia
10
IATF
Grupo PGF-D7 (n=149)
Dia 7
48 h
PGF
(530μg)
CE (1mg)
+
PGF (530 μg)
Figura. Influência dos tratamentos em relação a taxa de expressão
de estro e prenhez
73,15%
67,76%
29,50% 27%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
PGF-D7 PGF-D8
Expressçao estro Prenhez
Expressão
Veras et al., 2010 (SBTE)
109/149 44/149 103/152 41/152
P > 0,05
Pioneiros, Carambeí - PR
Figura. Influência da expressão de estro na taxa de prenhez
Veras et al., 2010 (SBTE)
68/212 17/89
P < 0,05
Pioneiros, Carambeí - PR
DG
D30
P4
D0 D8 D10
IATF2mL BE
1 PGF2α
+
eCG® 400UI
Grupo Controle (n=153)
D9
1mg BE
DG
D30
P4
D0 D8 D10
IATF
2mL BE+ 2
GnRH
1 PGF2α
+
eCG® 400UI
Grupo GnRH (n=160)
D9
1mg BE
Vieira et al., 2014 (SBTE)
DG
D30
P4
D0 D8 D10
IATF2mL BE
PGF2α
eCG 400UI
Grupo 2 PGF (n=153)
D9
1mg BE
PGF2α
DG
D30
P4
D0 D8 D10
IATF
2mL BE+
GnRH
PGF2α
eCG 400UI
Grupo GnRH + 2 PGF (n=163)
D9
1mg BE
PGF2α
D7
D7
Vieira et al., 2014 (SBTE)
Vieira et al., 2014 (SBTE)
Vieira et al., 2014 (SBTE)
CIDR®
D9
CE
+
eCG
D11D0
BE
2) 9 dias de permanência do dispositivo de P4
2
IATF
CIDR®
D7
CE
+
eCG
D9D0
BE
1) 7 dias de permanência do dispositivo de P4
PGF
IATF
1
+
n=308
n=374
Vacas Nelore
PGF
+
55h
48h
SANTOS, (2016), Esalq/USP
56.2% 54.2%
7D 9D
P = 0,49
195/347 167/30
8
SANTOS, (2016), Esalq/USP
Eficiência de diferentes protocolos para IATF
(8 vs 9 dias) na taxa de prenhez
de vacas da raça Nelore
DEPARTAMENTO DE REPRODUÇÃO ANIMAL
FMVZ – USP
SÃO PAULO - 2016
Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
Delineamento (Dispositivos Novos, 2º e 3 usos)
SINCROGEST®
PROTOCOLO 8 DIAS / 3
MANEJOS
Grupo 1
DG
D40 / D41
SINCROGEST® - 8 DIAS
D8 D10
IATF2 mL
BE
D0
2 mL PGF
1 mL CE
300UI eCG
1 mL CE
300UI eCG
CIDR®
PROTOCOLO 9 DIAS / 4
MANEJOS
Grupo 4
DG
CIDR® - 9 DIAS
D0 D9 D11
IATF
2mL BE
D7
2 mL
PGF
D40 / D41
CIDR®
PROTOCOLO 8 DIAS / 3
MANEJOS
Grupo 2
DG
D40 / D41
CIDR® - 8 DIAS
D8 D10
IATF
2 mL
BE
D0
2 mL PGF
1 mL CE
300UI eCG
1 mL CE
300UI eCG
SINCROGEST®
PROTOCOLO 9 DIAS / 4
MANEJOS
Grupo 3
DG
SINCROGEST® - 9 DIAS
D0 D9 D11
IATF
2mL BE
D7
2 mL
PGF
D40 / D41
Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
Desenho Experimental
(Implantes Novos, 2º USO e 3º USO)
Parto D0
45 DPP
DIVISÃO
DO LOTE
D8 D10
D40 / D41
3 manejos
4 manejos
RETORNO DOS
ANIMAIS AO
LOTE INICIAL
DG
IATF do
protocolo de
4 manejos
IATF do
protocolo de
3 manejos
CIDR®
SINCROGEST®
SINCROGEST®
CIDR®
D7 D9 D11
Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
54.1% 52.5%53.5% 54.3%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
DISPOSITIVO 1,9g SINCROGEST®
8 DIAS
3 MANEJOS
9 DIAS
4 MANEJOS
CIDR®
Protocolo, P=71
Efeito Dispositivo de P4, P=0,97
Interação Dispositivo*Protocolo, P=0,75
269/497 258/482 249/474 265/488
Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
Taxa de Prenhez à IATF (40 dias)
(3 vs 4 manejos)
53.4% 53.9%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
80%
8 DIAS
3 MANEJOS
9 DIAS
4 MANEJOS
Efeito Protocolo, P=0,71
518/971 523/970
Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
Taxa de Prenhez à IATF (40 dias)
(8 dias 3 manejos X 9 dias 4 manejos)
DelineamentoExperimental
CIDR® 3º Uso
D8
PGF
+
CE
+
eCG
D10D0
BE + PGF
n=50
1
1) 8 dias PGF no D0 e D8 (3 manejos)
CIDR® 3º Uso
D9
CE
+
eCG
D11D0
BE
2) 9 dias com PGF no D7 (4 manejos)
D7
PGF
1
US CL
US CL
Lote 1
3 manejos / 8 dias
NOVILHAS
2
Lote 2
4 manejos / 9 dias
COLLI et al., (2016) SBTE
IATF
IATF
57.3% 57.1%
8D-PGF-D0eD8 9D-PGF-D7
PTRAT = 0.92
PTRAT*CLD0 = 0.42
COLLI et al., (2016) SBTE
110/192 100/175
CIDR®
D9
CE
+
eCG
D11D0
BE
2) 9 dias com PGF no D7 (4 manejos)
D7
PGF
2
Lote 2
4 manejos / 9 dias
IATF
CIDR®
D9
CE
+
eCG
D11D0
BE
1) 9 dias com PGF no D0 e D9 (3 manejos)
PGF
IATF
1
+
Lote 1
3 manejos / 9 dias
n=223
n=228
Novilhas Girolando
MENDANHA et al., (2012) SBTE
PGF
40.3% 42.1%
9D-PGF-D9 9D-PGF-D7
3 manejos 4 manejos
MENDANHA et al., (2012) SBTE
P > 0,05
92/228 94/223
Duração do protocolo (n= 2.552)
Número de manejos (n= 3.048)
Tratamento com GnRH na IATF
DISPOSITIVO DE P4®
BE
(2,0mg)
D0 D8
PGF2
+
300 UI eCG
+
0.3mg ECP
D10
54h
IATF
Aplicação
da Tinta
Bastão
Avaliação
remoção da tinta
(Estro)
Com ou Sem
GnRH
(10 g Buserelina)Com ou sem cio ?
Gráfico. Efeito da manifestação de estro na taxa de prenhez após IATF de vacas de
corte tratadas com dispositivo intravaginal de progesterona e cipionato de
estradiol.
43.9%
63.3%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
SEM COM
Manifestação de Estro
TaxadePrenhez
P<0.001
253 286
Sá Filho et al., 2009
Gráfico. Efeito da manifestação de estro e do tratamento com GnRH no momento da
IA na taxa de prenhez após IATF de vacas de corte tratadas com
dispositivo intravaginal de progesterona e cipionato de estradiol.
40.3%
47.3%
65.5%
61.1%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
SEM CIO-SEM GnRH SEM CIO-COM GnRH COM CIO- SEM GnRH COM CIO- COM GnRH
TAXADEPRENHEZ Efeito CIO- P<0.0001
Efeito GnRH- P= 0.81
CIO x GnRH- P= 0.22
124 129 142 144
Sá Filho et al., 2009
P4
D0 D6/7/8/9
BE (2 mg) CE (1.0 mg)
eCG
D9/10/11
IATF
Base farmacológica do protocolo de IATF
BE+P4 sincronização
da nova onda folicular
PGF induz luteólise em fêmeas com
CL (reduz P4 durante o protocolo e
aumenta a pulsatilidade de LH para
o crescimento e ovulação do FD)
(4 manejos)
CE para nduzir ovulação e
reduzir o número de manejos
PGF induz
luteolise
eCG estimula o
crescimento folicular e a
ovulação em fêmeas em
anestro; Vaca, 300U indicus
400UI taurus; Novilhas
200UI indicus 300UI taurus
PGF2
PGF2
PGF2
PGF induz luteólise em fêmeas com
CL (reduz P4 durante o protocolo e
aumenta a pulsatilidade de LH para
o crescimento e ovulação do FD)
(3 manejos)
GnRH em vacas
sem manifestação
de cio
Ressincronização
Duration of the breeding season (d)
IDEAL MODEL
AI - 21 d estrus return
21 d between AI
AI AI AI
RESYNCH 22
22 d after TAI
32 d between TAI
TAI TAI TAI SR 21d = (21/32) = 66%32d 32d
SR 21d = (21/40) = 52.5%TAI TAI TAI40d 40d
TRADITIONAL
RESYNCH
30 d after TAI
40 d between TAI
RESYNCH 14
14 d after TAI
24 d between TAI
TAI TAI TAI24d SR 21d = (21/24) = 87,5%
SR 21d = 100%21d
806448420
24d
21d
Aumento do número de
biotecnologia da
reprodução na fazenda
Utilizar a tecnologia
existente!
Mercado da IA e
da IATF no Brasil
Baruselli, 2016 (CFMV)
Valor do
processo/ano
R$ 567.000.000,00
Baruselli, 2016 (CFMV)
3. Perspectivas da reprodução
programada em bovinos de
corte e de leite
Gráfico. Perspectiva de crescimento das doses de sêmen comercializadas e da IATF de
2015 a 2028. Considerou-se para este cálculo taxa de crescimento anual de 5% para doses
de sêmen comercializadas e de 8% para IATF.
~ 3.500 veterinários
(3.000 IATF/especialista)
~ 7.000 veterinários
(3.000 IATF/especialista)
~ 10% das
matrizes
~ 20% das
matrizes
20% Média mundial
AGRADECIMENTOS
• Instituições
• FAPESP
• CNPq
• Veterinários
• Proprietários
• Empresas parceiras
• Pós graudandos
• Roberto Mendes Porto Filho
• Márcio de Oliveira Marques
• Rodolfo Cassimiro de A. Berber
• Nelcio Antônio Tonizza de Carvalho
• Cláudio Coutinho Bartolomeu
• Antônio Jorge Del Rei Moura
• João Batista de Carvalho
• Everton Luis Reis
• Marcelo Trigo
• Manoel de Sá Filho
• Luis Nasser
• Lindsay Gimenes
• Rinaldo Batista Viana
• José Ribamar Torres Junior
• Claudiney Martins
• Alexandre Henrily Souza
• Henderson Ayres
• Márcio Leão Ferraz
• Gabriel Armond Crepaldi
• Kédson Alessandri Lobo Neves
• Alessandra Teixeira
• Ana Paula Mantovani
• José Nelio de Sousa Sales
• Roberta Ferreira
• Rodrigo Vasconcellos Sala
• Lais Vieira
• Julia Soares
• Evandro D. Ferreira de Souza
• Bruna Martins Guerreiro
• Bruno Moura Monteiro
Bernardo Marcozzi Bayeux.
Diego Cavalcante de Souza
Ricardo Carbonari Chebel
Rodolfo Daniel Mingoti
Emiliana de Oliveira Santana Batista.
Rômulo Germano
Lisbek Cruz Lugo
Guilherme Machado Zanatta
Walter Antonio Gonçales Junior
Flávia Morag Elliff
Laísa Garcia da Silva
Mariana Ortolan
Mariana Viziack
Damiana Chello
Augusto Rodrigues

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dietas de-confinamento
Dietas de-confinamentoDietas de-confinamento
Dietas de-confinamentoExagro
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leiteKiller Max
 
Manejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteManejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteFabrício Farias
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosLeonora Mello
 
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosPráticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosMichel Oliveira
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosKiller Max
 
Manejo & sanidade de peixes
Manejo & sanidade de peixesManejo & sanidade de peixes
Manejo & sanidade de peixesThais Magalhães
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteAndré Ferreira
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosKiller Max
 
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdfaula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdfDeniseGuerreiro4
 
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...Cristiane Assis
 
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinosUltrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinosPedro Augusto
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraMarília Gomes
 

Mais procurados (20)

Dietas de-confinamento
Dietas de-confinamentoDietas de-confinamento
Dietas de-confinamento
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
Manejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corteManejo reprodutivo em gado de corte
Manejo reprodutivo em gado de corte
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e GatosProtocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
Protocolos de Vacinação e Vermifugação em Cães e Gatos
 
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalosPráticas gerais de arraçoamento para cavalos
Práticas gerais de arraçoamento para cavalos
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de Equinos
 
Biosseguridade da avicultura
Biosseguridade da aviculturaBiosseguridade da avicultura
Biosseguridade da avicultura
 
Manejo & sanidade de peixes
Manejo & sanidade de peixesManejo & sanidade de peixes
Manejo & sanidade de peixes
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdfaula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
aula-1-evolucao-situacao-e-perspectivas-da-avicultura-no-brasill--11-03-2019.pdf
 
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
Zoonoses emergentes e reemergentes e sua importância para saúde e produção an...
 
Codornas
CodornasCodornas
Codornas
 
Aula 1 valor nutricional
Aula 1 valor nutricionalAula 1 valor nutricional
Aula 1 valor nutricional
 
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinosUltrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
Ultrassonografia diagnóstica do sistema locomotor de equinos
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 

Semelhante a Atualização dos protocolos de IATF, SOV/OPU-FIV E TETF para vacas de leite e de corte

Palestra araguaina christian
Palestra araguaina christianPalestra araguaina christian
Palestra araguaina christianJorge Ferreira
 
Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...
Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...
Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...ANCP Ribeirão Preto
 
Gestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarme
Gestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarmeGestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarme
Gestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarmebuzzcp
 
11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas Reproducao
11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas Reproducao11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas Reproducao
11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas ReproducaoBeefPoint
 
CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...
CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...
CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...AgroTalento
 
06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao Lucro
06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao Lucro06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao Lucro
06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao LucroBeefPoint
 
COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...
COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...
COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...RG Genetica Avançada Girotto
 
06 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-2012
06 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-201206 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-2012
06 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-2012AgroTalento
 
Fórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de Corte
Fórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de CorteFórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de Corte
Fórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de CorteANCP Ribeirão Preto
 
Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...
Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...
Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...DanielSmith55437
 
Realidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
Realidade Reprodutiva e Planejamento de FazendaRealidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
Realidade Reprodutiva e Planejamento de FazendaNatália Borges
 
Fórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de cria
Fórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de criaFórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de cria
Fórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de criaExagro
 
Seminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última década
Seminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última décadaSeminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última década
Seminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última décadaANCP Ribeirão Preto
 
Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...
Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...
Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...ANCP Ribeirão Preto
 
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticosAgroTalento
 
Coletiva imprensa syntex
Coletiva imprensa syntexColetiva imprensa syntex
Coletiva imprensa syntexAgriPoint
 
Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016 Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016 Jose Ferrão
 

Semelhante a Atualização dos protocolos de IATF, SOV/OPU-FIV E TETF para vacas de leite e de corte (20)

Palestra araguaina christian
Palestra araguaina christianPalestra araguaina christian
Palestra araguaina christian
 
Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...
Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...
Seminário ANCP 2019 - Precocidade Sexual: Interação Nutrição × Genética (Resu...
 
Gestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarme
Gestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarmeGestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarme
Gestão do programa reprodutivo em bovinos de corte: da inseminação ao desarme
 
11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas Reproducao
11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas Reproducao11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas Reproducao
11 091022 Pietro Baruselli Tecnicas Reproducao
 
CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...
CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...
CRV Lagoa - Palestra: O impacto da fertilidade dos touros sobre os resultados...
 
06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao Lucro
06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao Lucro06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao Lucro
06 091022 Luis Adriano Teixeira Cfm Beneficios Genetica Producao Lucro
 
Tecnologia de sêmen.ppt
Tecnologia de sêmen.pptTecnologia de sêmen.ppt
Tecnologia de sêmen.ppt
 
COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...
COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...
COMO ELIMINAR O GARGALO "PRIMÍPARAS". ALTERNATIVAS PARA MELHORAR A TAXA DE PR...
 
Touros melhoradores
Touros melhoradores Touros melhoradores
Touros melhoradores
 
06 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-2012
06 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-201206 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-2012
06 pietro-baruselli-workshop-cria-beefpoint-2012
 
Fórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de Corte
Fórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de CorteFórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de Corte
Fórum Expogenética 2013- Precocidade Sexual em Bovinos de Corte
 
Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...
Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...
Seminário 2023: Precocidade sexual em fêmeas e machos jovens: a ciência a fav...
 
Realidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
Realidade Reprodutiva e Planejamento de FazendaRealidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
Realidade Reprodutiva e Planejamento de Fazenda
 
Fórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de cria
Fórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de criaFórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de cria
Fórum Exagro 2015 - Oportunidades no sistema de cria
 
Seminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última década
Seminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última décadaSeminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última década
Seminário ANCP 2022 - Mudança da demanda do mercado de genética da última década
 
Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...
Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...
Seminário ANCP 2016 – Ricardo Viacava – Precocidade sexual em novilhas Nelore...
 
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
[Palestra] Luis Adriano Teixeira: Dicas de manejo cfm e resultados praticos
 
Coletiva imprensa syntex
Coletiva imprensa syntexColetiva imprensa syntex
Coletiva imprensa syntex
 
Encontro ANCP/Zoetis 2019
Encontro ANCP/Zoetis 2019Encontro ANCP/Zoetis 2019
Encontro ANCP/Zoetis 2019
 
Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016 Apresentação terceira 2016
Apresentação terceira 2016
 

Mais de buzzcp

Antony luenenberg
Antony luenenbergAntony luenenberg
Antony luenenbergbuzzcp
 
CALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA REBANHOS DE GADO DE CORTE
CALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA  REBANHOS DE GADO DE CORTECALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA  REBANHOS DE GADO DE CORTE
CALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA REBANHOS DE GADO DE CORTEbuzzcp
 
Tecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidade
Tecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidadeTecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidade
Tecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidadebuzzcp
 
The impact of heat stress on fertility and milk production
The impact of heat stress on fertility and milk productionThe impact of heat stress on fertility and milk production
The impact of heat stress on fertility and milk productionbuzzcp
 
Uterine Health in Dairy Cows
Uterine Health in Dairy CowsUterine Health in Dairy Cows
Uterine Health in Dairy Cowsbuzzcp
 
Seneda palestra siraa_2018
Seneda palestra siraa_2018Seneda palestra siraa_2018
Seneda palestra siraa_2018buzzcp
 
Alternativas de comercialização pós desmama
Alternativas de comercialização pós desmamaAlternativas de comercialização pós desmama
Alternativas de comercialização pós desmamabuzzcp
 
Beef & Veal
Beef & VealBeef & Veal
Beef & Vealbuzzcp
 
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e FertilidadeSomatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidadebuzzcp
 
Situação e tendências para o mercado de leite no Brasil
Situação e tendências para o mercado de leite no BrasilSituação e tendências para o mercado de leite no Brasil
Situação e tendências para o mercado de leite no Brasilbuzzcp
 
Utilización de semen sexado en rebaños de leche y de corte
Utilización de semen sexado en rebaños de leche y de corteUtilización de semen sexado en rebaños de leche y de corte
Utilización de semen sexado en rebaños de leche y de cortebuzzcp
 

Mais de buzzcp (11)

Antony luenenberg
Antony luenenbergAntony luenenberg
Antony luenenberg
 
CALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA REBANHOS DE GADO DE CORTE
CALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA  REBANHOS DE GADO DE CORTECALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA  REBANHOS DE GADO DE CORTE
CALENDÁRIO SANITÁRIO (PREVENÇÃO) PARA REBANHOS DE GADO DE CORTE
 
Tecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidade
Tecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidadeTecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidade
Tecnologias para aumentar a produtividade da pecuária de corte com rentabilidade
 
The impact of heat stress on fertility and milk production
The impact of heat stress on fertility and milk productionThe impact of heat stress on fertility and milk production
The impact of heat stress on fertility and milk production
 
Uterine Health in Dairy Cows
Uterine Health in Dairy CowsUterine Health in Dairy Cows
Uterine Health in Dairy Cows
 
Seneda palestra siraa_2018
Seneda palestra siraa_2018Seneda palestra siraa_2018
Seneda palestra siraa_2018
 
Alternativas de comercialização pós desmama
Alternativas de comercialização pós desmamaAlternativas de comercialização pós desmama
Alternativas de comercialização pós desmama
 
Beef & Veal
Beef & VealBeef & Veal
Beef & Veal
 
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e FertilidadeSomatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
Somatotropina Recombinnte Bovina: Produção, Saúde e Fertilidade
 
Situação e tendências para o mercado de leite no Brasil
Situação e tendências para o mercado de leite no BrasilSituação e tendências para o mercado de leite no Brasil
Situação e tendências para o mercado de leite no Brasil
 
Utilización de semen sexado en rebaños de leche y de corte
Utilización de semen sexado en rebaños de leche y de corteUtilización de semen sexado en rebaños de leche y de corte
Utilización de semen sexado en rebaños de leche y de corte
 

Atualização dos protocolos de IATF, SOV/OPU-FIV E TETF para vacas de leite e de corte

  • 1. Atualização dos protocolos de IATF, SOV/OPU-FIV E TETF para vacas de leite e de corte Pietro Sampaio Baruselli, Laísa Garcia da Silva, Guilherme Machado Zanatta, Flávia Morag Elliff, Mariana Pallú Viziack Departamento de Reprodução Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade de São Paulo
  • 2. Amazon region Private farms partnership Private farms partnership Capricornia tropics (24 parallel) USP Campus in Pirassununga (experimental farm)
  • 4. 219 milhões bovinos89 milhões bovinos Matrizes Eficiência da cadeia de produção de carne 133,2 kg por animal/ano 45,8 kg por animal/ano 40 milhões 80 milhões 11 mi ton 10 mi ton Matrizes 1º 2º 3º 1º
  • 5. Cadeia de produção da carne bovina Sistema de cria = 80.632.741 (vacas e novilhas em reprodução) Anualpec, 2015 ♀ 70% de pasto para cria (120 mi ha) ♂ 30% de pasto para recria e engorda (50 mi ha) Sistema de cria: > 50% do alimento necessário para produção de 1 kg carne Peter Hansen, 2014 1 Kg
  • 6.
  • 7. Francisco Vila Sociedade Rural Brasileira Substituição de um negócio não rentável por um lucrativo
  • 8. Eficiência reprodutiva do rebanho brasileiro Quantidade e qualidade de bezerros produzidos 1. TAXA DE DESMAME (bezerros produzidos por vacas do rebanho) 2. IDADE AO PRIMEIRO PARTO (início da produção de bezerros)
  • 11. Idade e peso à desmama de bezerros machos Fonte: Agri benchmark e Cepea *Número na frente do nome do país refere-se ao total de animais de cada propriedade modal Sérgio Dezen e Thiago B. Carvalho
  • 12. IMPACTO DO AUMENTO DA TAXA E DO PESO AO DESMAME Eficiência reprodutiva + genética
  • 13. TAXA DE DESMAMA 60,0% 65,0% 70,0% 80,0% 85,0% PESO DESMAMA Kg bezerro/ha 150 82,3 88,5 94,7 106,7 112,6 170 92,0 98,8 105,6 118,8 125,2 200 106,0 113,7 121,3 136,0 143,2 230 119,4 127,9 136,3 152,4 160,2 260 132,3 141,6 150,6 167,9 176,3 Efeito da taxa de desmame e do peso do bezerro ao desmame na produção de kg de bezerros por hectare >100% Base para cálculos: - 1 UA (450Kg)/ha (1 vaca/ha e 0,17-0,22 bezerros/ha) - 30Kg peso nascimento - Desmame aos 7 meses
  • 14. TAXA DE DESMAMA 60,0% 65,0% 70,0% 80,0% 85,0% PESO DESMAMA Faturamento/ha 150 R$ 493,90 R$ 531,28 R$ 568,14 R$ 640,32 R$ 675,66 170 R$ 551,90 R$ 593,04 R$ 633,52 R$ 712,55 R$ 751,13 200 R$ 635,92 R$ 682,27 R$ 727,74 R$ 816,12 R$ 859,08 230 R$ 716,54 R$ 767,64 R$ 817,62 R$ 914,36 R$ 961,18 260 R$ 793,97 R$ 849,39 R$ 903,45 R$ 1.007,66 R$ 1.057,90 Efeito da taxa de desmame e do peso do bezerro ao desmame no faturamento por hectare/ano >100% Base para cálculos: - 1 UA (450Kg)/ha (1 vaca/ha e 0,17-0,22 bezerros/ha) - 30Kg peso nascimento - Desmame aos 7 meses - R$ 6,00 /Kg bezerro 2 vacas/ha = R$ 2.115,80 3 vacas/ha = R$ 3.173,70... Oportunidades: Cana de acúcar: = R$ 1.100,00 Soja (10 sacos/ha) = R$ 740,00 Milho (30 sacas/ha)= R$ 1.000,00 Custo manutenção vaca/ano: R$ 600,00
  • 15. Utilização de tecnologia na pecuária de corte Aplicação planejada de tecnologia
  • 16. Utilização da IA para o melhoramento genético e produtivo do rebanho de corte brasileiro? Utilização de tecnologia
  • 17. Inseminação artificial vs. Monta Natural IA aumenta o ganho genético e controla doenças venéreas (Vishwanath, 2003) Entretanto...
  • 18. A monta natural é a metodologia mais frequentemente utilizada no mundo (Thibier and Wagner, 2002; Lamb and Mercadante, 2016) 80% dos fazendeiros utilizam a monta natural para produção de bezerros Inseminação artificial vs. Monta Natural
  • 19. Manejo reprodutivo do rebanho brasileiro ~ 90 % das matrizes em idade reprodutiva são cobertas por monta natural ~ 10 % das matrizes em idade reprodutiva são iseminadas artificialmente
  • 20. * Mercado da IATF no Brasil *Estimativa levando em consideração a venda de produtos para sincronização Pietro S Baruselli Departamento de Reprodução Animal/FMVZ/USP IA: 5 a 6% das matrizes em reprodução IA: 10 a 12% das matrizes em reprodução 11,5 mi IATF 13,5 mi IA
  • 23. Impacto da IATF para produção de bezerros
  • 24. Monta natural X Detecção de cio + IA X IATF
  • 25. 45 dias EM TouroParto 55 dias n=150 (Penteado et al., 2005)
  • 26. 45 dias EM Cio / IA Parto 55 dias n=149 (Penteado et al., 2005)
  • 27. IATF 45 dias EM + Cio / IAParto 55 dias n=148 (Penteado et al., 2005)
  • 28. IATF 45 dias EM + TouroParto 55 dias n=150 (Penteado et al., 2005)
  • 29. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 75 80 85 90 Dias de Estação de Monta TaxadePrenhez(%) IA conv IATF + IA IATF+touro Touro TaxadePrenhez(%) Figura. Curva de sobrevivência das vacas que se tornaram gestantes conforme os dias da estação de monta. Análise de 4 programas reprodutivos durante 90 dias de estação de monta. (Penteado et al., 2005) a c d b b a 8.0% Vacas que receberam IATF: redução de 22 dias no intervalo entre início da EM e gestaão 11.8% 31.0% 21.0% Touro (n=150) Cio / IA (n=150) IATF + Cio / IA (n=148) IATF + Touro (n=149) IA < NSAI < TouroIA > Touro Novo conceito dos programas de IA
  • 30. Calving + = 65 a 75% 21 days FTAI (50%) 50 days Matural breeding (~20%; 1/20) 71 days ICI = 11,2m ICI = 11,9m+ = 11,4m (50%) (20%) + Until end of BS (1/30) 1 FTAI + Bull
  • 31. Monta natural X IATF + Monta natural Impacto no retorno econômico da atividade de cria
  • 32. 90 dias EM Parto 50 dias Touro (monta natural) 100 vacas 4 touros (1/25; 4%) 90 dias EM Parto 50 dias + IATF + touro (repasse) 100 vacas 4 touros (1/25; 4%)
  • 33. IMPACTOS DA IATF NA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA E RETORNO ECONÔMICO + 8% bezerros ao final EM (79 vs 87%) 44% prenhez início EM (antecipação dos nascimentos e maior peso a desmama) 75% prenhez início EM (56% IATF + 19% 1º repasse touro) (antecipação dos nascimentos e maior peso a desmama) TOURO IATF + TOURO Cruzamento industrial (ganho pela heterose)79% prenhez final EM
  • 34. Touro (monta natural) + IATF + touro (repasse) Diferença = R$ 21.076,10 (+25%) 2014 Investimento = R$ 5.000,00 Ganho = 21.076,10 (+400%)
  • 35. Impacto da IATF na cadeia de produção Produção de carne e fertilidade das novilhas
  • 36. Época de nascimento x desempenho confinamento 15/09 Estação de monta 31/03 1º ano 2º ano 4º ano Estação de Nascimentos 15/07 30/1 Idade do garrote 26 meses 01/08 CONFINAMENTO 30/11 20 meses Fazenda Banco Alfa – PR MV Luciano Penteado
  • 37. 0 100 200 300 400 500 600 700 Jul/2015 Ago/2015 Set/2015 Out/2015 Nov/2015 Dez/2015 Jan/2015 PESO ABATE PESO ENTRADA PESO DESMAME TEMPO DE CONFINAMENTO 543 kg 24 M BOIS TERMINADOS EM CONFINAMENTO (n=672) + 44 kg + 8,1% + 1,6 @ + R$ 246,40 587 kg 29 M 92 dias 115 dias + 82 kg + 21,9% + 2,7 @ + R$ 410,00 457 kg 26 M 375 kg 20 M 297 kg 215 kg + 82 kg + 38,1% + 2,7 @ + R$ 492,00 - 25 dias - 27,2% Diária = R$ 8,20 - R$ 205,00 + R$ 451,40 + 14,7% MV Luciano Penteado
  • 38. Taxa de prenhez à IATF de novilhas Nelore (14 meses de idade; n=1041) de acordo com o mês de nascimento (Freitas, 2015) 46.7% 39.4% 26.5% 0.0% 5.0% 10.0% 15.0% 20.0% 25.0% 30.0% 35.0% 40.0% 45.0% 50.0% Setembro Outubro Novembro N=525 N=355 N=151
  • 39. Estação de Monta 01/11 31/01 Estação de monta 31/0101/11 1º mês 2º mês 3º mês 1º ANO 3º ANO MÊS DE CONCEPÇÃO (1ª EM) x IDADE DA NOVILHA NA 1ª IATF (3ª EM) Concepção 1º mês 15/08 14/09 (13,5 a 14,5m) Idade 1ª IATF 2º mês 15/09 16/10 (12,5 a 13,5m) 3º mês 15/10 15/11 (11,5 a 12,5m) X = 14 meses X = 13 meses X = 12 meses O programa reprodutivo com novilha precoce tem início no momento da concepção da vaca 46,7% (n=525) 39,4% (n=355) 26,5% (n=151)
  • 40. IATF X Monta natural Conclusão - Mais bezerros de melhor qualidade - Mais prenhez no inicio da estação de monta - Maior retorno econômico ♂ Antecipa a idade ao abate ♀ Antecipa a idade ao primeiro parto
  • 41. Ressincronização 2/3 IATFs 1. Aumentar o números de vacas gestantes por IA 2. Diminuir a quantidades de touros na propriedade  Melhoramento Genético
  • 42. Conceito da tecnologia IA > Touro XIATF IATF
  • 43. Métodos de ressincronização 1. Sincronização no momento do diagnóstico de gestação 2. Sincronização antes do diagnóstico de gestação
  • 44. Parto 50 dias IATF D0 D30 US Ressincronização 2ª IATF D40 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Dias após a IATF %dasvacasqueretornaram emcio D21 1. Ressincronização (Sincronização após diagnóstico de gestação) 40 dias EM
  • 45. Parto 50 dias IATF D0 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Dias após a IATF %dasvacasqueretornaram emcio D21 2. Ressincronização (Sincronização sem diagnóstico prévio de gestação) 32 dias EM 2ª IATF D32D30 US D22 Ressincronização BE 2mg
  • 46. Monta natural (touro) X IATF + Monta natural X IATF + Ressincronização
  • 47. // Synchronization Calving Day 0 Day 22 Synchronization Day 32 1st TAI 2an TAI Day 90Day 42 // // // Natural Service40 days 10 dias22 dias TAI + RE 22 + NS (n=248) // Synchronization Calving Day 0 Day 30 Synchronization Day 40 1st TAI 2nd TAI 30 days Day 90Day 50 // // // Natural Service 45 dias40 days 10 days TAI + RE 30 + NS (n=245) // Synchronization Calving Day 0 Day 10 Day 90 1st TAI 10 dias // Natural Service40 days TAI + NS (n=200) // Calving Day 0 Day 90 // Natural Service50 days Natural service (n=266) Rubin et al., 2015 (Animal Reproduction 12, 659
  • 48. Touro (n=266) IATF +Touro (n=200) IATF+RE30+Touro (n=245) Figura. Taxa de prenhez acumulativa de vacas subemetidas a direfentes programas reprodutvidos durante 90 dias de estação de monta. Rubin et al., 2015 (Animal Reproduction 12, 659 45.1%a 71.0%b 83.7%c 81.5%c IA < NSRe-IA > Touro IA < NSIA > Touro Re-IA > TouroRe-IA > Touro IATF+RE22+Touro (n=248)
  • 49. 3 IATF 100% de bezerros por IA (sem a utilização de touros)
  • 50. Analise de diferentes manejos reprodutivos 1 IATF + Touro X 2 IATF + Touro X 3 IATF Número de vacas: 1505
  • 51. // Synchronization Calving Day 0 Day 22 Synchronization Day 32 1st TAI 2an TAI Day 64Day 42 // // // Natural Service40 days 10 dias22 dias TAI + RE22 + NS (n=300) // Synchronization Calving Day 0 Day 10 Day 64 1st TAI 10 dias // Natural Service40 days TAI + NS (n=455) // Synchronization Calving Day 0 Day 22 Synchronization Day 32 1st TAI 2an TAI Day 64Day 54 // // 40 days 22 dias22 dias TAI + RE22 + RE22 (n=755) Synchronization 3rd TAI 64 days breeding season
  • 52. Figure. Pregnancy rate in Bos indicus beef cows after timed artificial insemination (TAI) with subsequent resynchronization or natural mating. Crepaldi et al. (2017) Animal Reproduction 14, p. 698. Bull Bull IA < NSRe-IA > Touro
  • 53. Custo da prenhez de acordo com o manejo reprodutivo utilizado em vacas Nelore multíparas paridas Crepaldi et al., 2014 3 IATF 2 IATF + Touro (1/120) 1 IATF + Touro (1/50) 1ª IATF R$ 68,78 R$ 68,18 R$ 70,31 2ª IATF R$ 151,34 R$ 132,21 - 3ª IATF/ touro R$ 110,44 R$ 149,50 R$ 216,61 Média R$ 85,20 R$ 84,53 R$ 95,18 No manejo 2 IATF + touro a relação touro/vaca correspondeu a 1/27 vacas vazias No manejo 1 IATF + touro a relação touro/vaca corresponde a 1/17 vacas vazias
  • 54. Conceito da tecnologia + Cio + IA > IATF X IATF
  • 55. Eficiência reprodutiva • Grupo Estro/IA (n=467) Parto 150 dias60 dias Observação de cio e IA Parto 50 dias P4 60 dias IATF Observação de cio e IA 150 dias Teixeira et al, 2008 • Grupo IATF + Estro/IA (n=495)
  • 56. Teixeira et al., 2008 Gráfico – Intervalo parto/1ª e 2ª IA (dias) em vacas de leite de alta produção inseminadas com cio detectado ou com IATF, Descalvado, 2008. n=467 n=495n=283 n=344 P < 0,001 a b d c
  • 57. Teixeira et al., 2008 Gráfico – Taxa de concepção (%) de vacas de leite de alta produção inseminadas com cio detectado ou com IATF, Descalvado, 2008. P > 0,05 n=467 n=495
  • 58. Teixeira et al., 2008 P < 0,05 Gráfico – Intervalo parto/concepção em dias (150d EM) de vacas de leite de alta produção inseminadas com cio detectado ou com IATF, Descalvado, 2008. n=205 n=207
  • 59. Qual é o motivo de utilizarmos pouca tecnologia de IA? Protocolo de sincronização? 10% das matrizes de leite e de corte? Média mundial = 20% 1. Duração protocolo? 2. Número de manejos? 3. Tratamentos adicionais?
  • 60. Efeito da duração do protocolo e do número de manejos na eficiência dos programas de IATF
  • 61. Dispositivo de P4 BE D0 D8 D10 IATF 24h PGF D9 24/30h BE     ECP ou BE momento da retirada (D8) e 24h após (D9) Dispositivo de P4 BE D0 D8 D10 IATF 48/54h PGF + CE   
  • 62. Benzoato de estradiol Cipionato de estradiol Dias após tratamento 1 2 3 4 5 6 7 8 9
  • 63. Quando ocorre o pico de LH e da oculação após a administração de BE ou CE?
  • 64. P4 BE 24h LH 22h 26h P4 CE LH 46h 26h 72h 72h Maio et al., 2007 Sales et al., 2007 BE e CE vs pico LH e ovulação
  • 65. Figura. Taxa de concepção de vacas Nelore inseminadas em tempo fixo com Cipionado (CE) ou Benzoato (BE) de estradiol % Penteado et al., 2005 P>0,05 (56/119) (57/122) 3 manejos 4 manejos
  • 66. Taxa de prenhez após diferentes períodos de permanência do dispositivo (8 vs 9 dias) com 1,2g de progesterona (FERTILCARE®) em protocolos para IATF de vacas Nelore lactantes DEPARTAMENTO DE REPRODUÇÃO ANIMAL FMVZ – USP SÃO PAULO - 2016 Barbuio, et al. (SBTE 2016)
  • 67. Delineamento Experimental Barbuio, et al. (SBTE 2016) 8 dias 9 dias
  • 68. Taxa de prenhez à IATF (30 dias) (FERTILCARE 8 dias X FERTILCARE 9 dias) 55.8 56.1 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 P4 8 dias P4 9 dias Taxadeprenhez(%) 156 157 P = 0.96 Barbuio, et al. (SBTE 2016)
  • 69. Barbuio, et al. (SBTE 2016) 8 dias 9 dias
  • 70. 59.9 62.9 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 D8 D9 Taxadeprenhez(%) 146 151 P = 0.59 Barbuio, et al. (SBTE 2016) Taxa de prenhez à IATF (30 dias) (Crestar 8 dias X Crestar 9 dias)
  • 71. Barbuio, et al. (SBTE 2016) 8 dias 9 dias
  • 72. 46.7 43.0 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 D8 D9 Taxadeprenhez(%) 107 107 P>0,05 Barbuio, et al. (SBTE 2016) Taxa de prenhez à IATF (30 dias) (Crestar usado 8 dias X Crestar usado 9 dias)
  • 73. (n = 143) DG D30 Dispositivo de P4 D-1 D8 D10 IATF 1 mL CE 2 mL PGF2mL BE Protoloco 9 DIAS 9 DIAS D6 DG D60 Dispositivo de P4 D-1 D8 D10 IATF 2mL BE Protoloco 8 DIAS (n = 145) D0 2 mL PGF 1 mL CE 8 DIAS DG D30 DG D60 Mingoti, et al. (ICAR, 2016)M.V. Thiago Carneiro
  • 74. Taxa de prenhez aos 60 dias 24.8% 21.7% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% Permanência do Dispositivo de P4 por 8 dias Permanência do Dispositivo de P4 por 9 dias P = 0.47 36/145 31/143 Mingoti, et al. (ICAR, 2016)M.V. Thiago Carneiro
  • 75. Eficiência de protocolos de IATF na taxa de concepção de vacas leiteiras (sete vs oito dias) ROMULO GERMANO DE REZENDE PIETRO SAMPAIO BARUSELLI M.V. Thiago Carneiro
  • 76. 27% 25% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 7 Dias 8 Dias Taxa de prenhez aos 30 dias, em relação ao tempo de permanência do dispositivo 68/255 64/250 P= 0.554 M.V. Thiago Carneiro
  • 77. Justificativa Inserção do implante de P4 Retirada do implante de P4 IATF Legenda: 7 DIAS DE IMPLANTE 8 DIAS DE IMPLANTE Manejo reprodutivo em apenas DOIS dias da semana Manejo reprodutivo em TRÊS dias da semana
  • 78. Efeito do momento de administração da PGF na taxa de prenhez de vacas Holandesas de alta produção submetidas à IATF Veras, M.B.1; Lima, F.A.1; Sales, J.N.S.2; Teixeira, A.A.3; Crepaldi, G.A.3; Souza, E.D.F3; Maio, J.R.G.3; Baruselli, P.S.2 Pioneiros Carambeí – PR SBTE 2010
  • 79. DELINEAMENTO EXPERIMENTAL CE (1mg) Dia 0 Dia 8 Dia 38 DG US P4 EB (2 mg) Dia 10 IATF Grupo PGF-D8 (n=152) 48 h Dia 0 Dia 8 Dia 38 DG US P4 EB (2 mg) Dia 10 IATF Grupo PGF-D7 (n=149) Dia 7 48 h PGF (530μg) CE (1mg) + PGF (530 μg)
  • 80. Figura. Influência dos tratamentos em relação a taxa de expressão de estro e prenhez 73,15% 67,76% 29,50% 27% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% PGF-D7 PGF-D8 Expressçao estro Prenhez Expressão Veras et al., 2010 (SBTE) 109/149 44/149 103/152 41/152 P > 0,05 Pioneiros, Carambeí - PR
  • 81. Figura. Influência da expressão de estro na taxa de prenhez Veras et al., 2010 (SBTE) 68/212 17/89 P < 0,05 Pioneiros, Carambeí - PR
  • 82. DG D30 P4 D0 D8 D10 IATF2mL BE 1 PGF2α + eCG® 400UI Grupo Controle (n=153) D9 1mg BE DG D30 P4 D0 D8 D10 IATF 2mL BE+ 2 GnRH 1 PGF2α + eCG® 400UI Grupo GnRH (n=160) D9 1mg BE Vieira et al., 2014 (SBTE)
  • 83. DG D30 P4 D0 D8 D10 IATF2mL BE PGF2α eCG 400UI Grupo 2 PGF (n=153) D9 1mg BE PGF2α DG D30 P4 D0 D8 D10 IATF 2mL BE+ GnRH PGF2α eCG 400UI Grupo GnRH + 2 PGF (n=163) D9 1mg BE PGF2α D7 D7 Vieira et al., 2014 (SBTE)
  • 84. Vieira et al., 2014 (SBTE)
  • 85. Vieira et al., 2014 (SBTE)
  • 86. CIDR® D9 CE + eCG D11D0 BE 2) 9 dias de permanência do dispositivo de P4 2 IATF CIDR® D7 CE + eCG D9D0 BE 1) 7 dias de permanência do dispositivo de P4 PGF IATF 1 + n=308 n=374 Vacas Nelore PGF + 55h 48h SANTOS, (2016), Esalq/USP
  • 87. 56.2% 54.2% 7D 9D P = 0,49 195/347 167/30 8 SANTOS, (2016), Esalq/USP
  • 88. Eficiência de diferentes protocolos para IATF (8 vs 9 dias) na taxa de prenhez de vacas da raça Nelore DEPARTAMENTO DE REPRODUÇÃO ANIMAL FMVZ – USP SÃO PAULO - 2016 Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
  • 89. Delineamento (Dispositivos Novos, 2º e 3 usos) SINCROGEST® PROTOCOLO 8 DIAS / 3 MANEJOS Grupo 1 DG D40 / D41 SINCROGEST® - 8 DIAS D8 D10 IATF2 mL BE D0 2 mL PGF 1 mL CE 300UI eCG 1 mL CE 300UI eCG CIDR® PROTOCOLO 9 DIAS / 4 MANEJOS Grupo 4 DG CIDR® - 9 DIAS D0 D9 D11 IATF 2mL BE D7 2 mL PGF D40 / D41 CIDR® PROTOCOLO 8 DIAS / 3 MANEJOS Grupo 2 DG D40 / D41 CIDR® - 8 DIAS D8 D10 IATF 2 mL BE D0 2 mL PGF 1 mL CE 300UI eCG 1 mL CE 300UI eCG SINCROGEST® PROTOCOLO 9 DIAS / 4 MANEJOS Grupo 3 DG SINCROGEST® - 9 DIAS D0 D9 D11 IATF 2mL BE D7 2 mL PGF D40 / D41 Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
  • 90. Desenho Experimental (Implantes Novos, 2º USO e 3º USO) Parto D0 45 DPP DIVISÃO DO LOTE D8 D10 D40 / D41 3 manejos 4 manejos RETORNO DOS ANIMAIS AO LOTE INICIAL DG IATF do protocolo de 4 manejos IATF do protocolo de 3 manejos CIDR® SINCROGEST® SINCROGEST® CIDR® D7 D9 D11 Mingoti, et al. (SBTE, 2016)
  • 91. 54.1% 52.5%53.5% 54.3% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% DISPOSITIVO 1,9g SINCROGEST® 8 DIAS 3 MANEJOS 9 DIAS 4 MANEJOS CIDR® Protocolo, P=71 Efeito Dispositivo de P4, P=0,97 Interação Dispositivo*Protocolo, P=0,75 269/497 258/482 249/474 265/488 Mingoti, et al. (SBTE, 2016) Taxa de Prenhez à IATF (40 dias) (3 vs 4 manejos)
  • 92. 53.4% 53.9% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 8 DIAS 3 MANEJOS 9 DIAS 4 MANEJOS Efeito Protocolo, P=0,71 518/971 523/970 Mingoti, et al. (SBTE, 2016) Taxa de Prenhez à IATF (40 dias) (8 dias 3 manejos X 9 dias 4 manejos)
  • 93. DelineamentoExperimental CIDR® 3º Uso D8 PGF + CE + eCG D10D0 BE + PGF n=50 1 1) 8 dias PGF no D0 e D8 (3 manejos) CIDR® 3º Uso D9 CE + eCG D11D0 BE 2) 9 dias com PGF no D7 (4 manejos) D7 PGF 1 US CL US CL Lote 1 3 manejos / 8 dias NOVILHAS 2 Lote 2 4 manejos / 9 dias COLLI et al., (2016) SBTE IATF IATF
  • 94. 57.3% 57.1% 8D-PGF-D0eD8 9D-PGF-D7 PTRAT = 0.92 PTRAT*CLD0 = 0.42 COLLI et al., (2016) SBTE 110/192 100/175
  • 95. CIDR® D9 CE + eCG D11D0 BE 2) 9 dias com PGF no D7 (4 manejos) D7 PGF 2 Lote 2 4 manejos / 9 dias IATF CIDR® D9 CE + eCG D11D0 BE 1) 9 dias com PGF no D0 e D9 (3 manejos) PGF IATF 1 + Lote 1 3 manejos / 9 dias n=223 n=228 Novilhas Girolando MENDANHA et al., (2012) SBTE PGF
  • 96. 40.3% 42.1% 9D-PGF-D9 9D-PGF-D7 3 manejos 4 manejos MENDANHA et al., (2012) SBTE P > 0,05 92/228 94/223
  • 97. Duração do protocolo (n= 2.552) Número de manejos (n= 3.048)
  • 98. Tratamento com GnRH na IATF DISPOSITIVO DE P4® BE (2,0mg) D0 D8 PGF2 + 300 UI eCG + 0.3mg ECP D10 54h IATF Aplicação da Tinta Bastão Avaliação remoção da tinta (Estro) Com ou Sem GnRH (10 g Buserelina)Com ou sem cio ?
  • 99. Gráfico. Efeito da manifestação de estro na taxa de prenhez após IATF de vacas de corte tratadas com dispositivo intravaginal de progesterona e cipionato de estradiol. 43.9% 63.3% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% SEM COM Manifestação de Estro TaxadePrenhez P<0.001 253 286 Sá Filho et al., 2009
  • 100. Gráfico. Efeito da manifestação de estro e do tratamento com GnRH no momento da IA na taxa de prenhez após IATF de vacas de corte tratadas com dispositivo intravaginal de progesterona e cipionato de estradiol. 40.3% 47.3% 65.5% 61.1% 20% 30% 40% 50% 60% 70% SEM CIO-SEM GnRH SEM CIO-COM GnRH COM CIO- SEM GnRH COM CIO- COM GnRH TAXADEPRENHEZ Efeito CIO- P<0.0001 Efeito GnRH- P= 0.81 CIO x GnRH- P= 0.22 124 129 142 144 Sá Filho et al., 2009
  • 101. P4 D0 D6/7/8/9 BE (2 mg) CE (1.0 mg) eCG D9/10/11 IATF Base farmacológica do protocolo de IATF BE+P4 sincronização da nova onda folicular PGF induz luteólise em fêmeas com CL (reduz P4 durante o protocolo e aumenta a pulsatilidade de LH para o crescimento e ovulação do FD) (4 manejos) CE para nduzir ovulação e reduzir o número de manejos PGF induz luteolise eCG estimula o crescimento folicular e a ovulação em fêmeas em anestro; Vaca, 300U indicus 400UI taurus; Novilhas 200UI indicus 300UI taurus PGF2 PGF2 PGF2 PGF induz luteólise em fêmeas com CL (reduz P4 durante o protocolo e aumenta a pulsatilidade de LH para o crescimento e ovulação do FD) (3 manejos) GnRH em vacas sem manifestação de cio
  • 103. Duration of the breeding season (d) IDEAL MODEL AI - 21 d estrus return 21 d between AI AI AI AI RESYNCH 22 22 d after TAI 32 d between TAI TAI TAI TAI SR 21d = (21/32) = 66%32d 32d SR 21d = (21/40) = 52.5%TAI TAI TAI40d 40d TRADITIONAL RESYNCH 30 d after TAI 40 d between TAI RESYNCH 14 14 d after TAI 24 d between TAI TAI TAI TAI24d SR 21d = (21/24) = 87,5% SR 21d = 100%21d 806448420 24d 21d
  • 104. Aumento do número de biotecnologia da reprodução na fazenda Utilizar a tecnologia existente!
  • 105. Mercado da IA e da IATF no Brasil
  • 106.
  • 107. Baruselli, 2016 (CFMV) Valor do processo/ano R$ 567.000.000,00
  • 109. 3. Perspectivas da reprodução programada em bovinos de corte e de leite
  • 110. Gráfico. Perspectiva de crescimento das doses de sêmen comercializadas e da IATF de 2015 a 2028. Considerou-se para este cálculo taxa de crescimento anual de 5% para doses de sêmen comercializadas e de 8% para IATF. ~ 3.500 veterinários (3.000 IATF/especialista) ~ 7.000 veterinários (3.000 IATF/especialista) ~ 10% das matrizes ~ 20% das matrizes 20% Média mundial
  • 111. AGRADECIMENTOS • Instituições • FAPESP • CNPq • Veterinários • Proprietários • Empresas parceiras • Pós graudandos • Roberto Mendes Porto Filho • Márcio de Oliveira Marques • Rodolfo Cassimiro de A. Berber • Nelcio Antônio Tonizza de Carvalho • Cláudio Coutinho Bartolomeu • Antônio Jorge Del Rei Moura • João Batista de Carvalho • Everton Luis Reis • Marcelo Trigo • Manoel de Sá Filho • Luis Nasser • Lindsay Gimenes • Rinaldo Batista Viana • José Ribamar Torres Junior • Claudiney Martins • Alexandre Henrily Souza • Henderson Ayres • Márcio Leão Ferraz • Gabriel Armond Crepaldi • Kédson Alessandri Lobo Neves • Alessandra Teixeira • Ana Paula Mantovani • José Nelio de Sousa Sales • Roberta Ferreira • Rodrigo Vasconcellos Sala • Lais Vieira • Julia Soares • Evandro D. Ferreira de Souza • Bruna Martins Guerreiro • Bruno Moura Monteiro Bernardo Marcozzi Bayeux. Diego Cavalcante de Souza Ricardo Carbonari Chebel Rodolfo Daniel Mingoti Emiliana de Oliveira Santana Batista. Rômulo Germano Lisbek Cruz Lugo Guilherme Machado Zanatta Walter Antonio Gonçales Junior Flávia Morag Elliff Laísa Garcia da Silva Mariana Ortolan Mariana Viziack Damiana Chello Augusto Rodrigues