O aluno com síndrome de asperger em sala de aula

17.607 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.607
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.027
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
227
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O aluno com síndrome de asperger em sala de aula

  1. 1. Temas sobre Desenvolvimento 2011; 18(102).CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NA ESCOLADe Marco, CLST. O aluno com síndromede de Asperger em sala de aula. Temas sobre Desenvolvimento 2011; 18(102):63-5.O aluno com síndrome de asperger em sala de aula Pedagoga, Psicóloga, Pós-graduada em Terapia Familiar Sistêmica (PUC/SP), Especialis-carmem lydia da silva t. de marco ta em Psicologia Escolar e Clínica (CRP), Diretora do Colégio Pauliceia e Projeto de Trabalho Integrado, São Paulo, SP. CORRESPONDÊNCIA Carmem Lydia da Silva Trunci de Marco direcao@colegiopauliceia.com.brRESUMO O ALUNO COM SÍNDROME DE ASPERGER EM SALA DE AULA: Neste artigo se enfatizam características da síndrome de Asper- ger relevantes para a escolarização de alunos com essa condição. Discorre-se sobre o papel da escola no atendimento às necessi- dades educacionais especiais de alunos com essa síndrome, bem como são listadas orientações aos professores que tenham em sua sala de aula alunos com a síndrome de Asperger. Enfatiza-se tanto o papel da família quanto o vínculo família-escola para o su- cesso da escolarização desses alunos. Descritores: Síndrome de Asperger, Inclusão escolar, Necessidades educacionais especiais.ABSTRACT THE STUDENT WITH ASPERGER’S SYNDROME IN THE CLASSROOM: Characteristics of Asperger’s syndrome relevant for the school inclusion of students with such condition are emphasized in this paper. The role of the school for attending the special educa- tional needs of students with this syndrome is discussed, and orientations to teachers are listed. The role of the family and the im- portance of the family-school bond of union are emphasized for the success of the school inclusion of students with Asperger’s syn- drome. Keywords: Asperger’s syndrome, Inclusion, Special educational needs. O autismo é considerado um transtorno do desenvol- A SA é um quadro de alta funcionalidade no qual sevimento de base neurobiológica, caracterizado por quadro constatam alterações nas três áreas de desenvolvimentocomportamental peculiar. As características básicas são observadas nos quadros autísticos. São pessoas comanormalidades qualitativas e quantitativas que, embora habilidades cognitivas extremamente irregulares, nasmuito abrangentes, afetam de forma mais evidente as quais convivem expoentes de memória repetitiva e habili-áreas da interação social, da comunicação e do compor- dades visuais com profundos déficits de senso comum e 1tamento . de julgamento. Chama atenção a rigidez e a resistência a Os estudos atuais complementam e refinam, mas não mudanças, os comportamentos repetitivos (estereotipias) ealteram de modo fundamental, a descrição desse transtor- o discurso incomum. Observa-se falta de interesse espon-no do desenvolvimento feita por Kanner e Asperger há tâneo em dividir experiências e falta de reciprocidade soci-seis décadas. O autismo é uma síndrome de gravidade al, alguns padrões de comportamentos repetitivos e este-variável e de consequências cognitivas e comportamentais reotipados, inflexibilidade para mudanças de rotinas, com 2bastante irregulares . a presença ou não de rituais não funcionais. No geral, Muito embora não conste de nenhuma classificação ofi- tendem ao isolamento social com expressiva falta de habi-cial, o termo Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) tem lidade para interagir. Essa inabilidade social advém dasido amplamente utilizado para se referir a três dessas incapacidade de reconhecer de maneira suficiente o pen-condições que têm aspectos em comum: o autismo infantil samento dos outros, impedindo-os de ter uma postura(AI), a Síndrome de Asperger (SA) e o Transtorno Global do empática (teoria da mente). 1Desenvolvimento sem Outra Especificação (TGD-SOE) . As pessoas com SA apresentam nível intelectual médioVamos nos ater, neste artigo, à síndrome de Asperger (SA), ou acima da média, fala e linguagem peculiares, superfici-condição que ocorre com variações expressivas de níveis almente perfeitas em expressão, embora com alteraçõesde severidade. de prosódia, timbre, tom e altura de voz, com falhas de compreensão, incluindo interpretações literais. No nível de comunicação não verbal apresentam uso limitado de ges- 63
  2. 2. Temas sobre Desenvolvimento 2011; 18(102).tos, linguagem corporal desajustada, expressão facial Pensar na modificação do comportamento é pensar nalimitada ou imprópria, olhar fixo, peculiar e dificuldade para modificação do ambiente. Aprender é sempre assim! Aproximidade física. Geralmente apresentam interesses diferença é que, para esses indivíduos, o processo deobsessivos por áreas específicas. É comum observar-se generalização, preservado nas pessoas com comporta- 1presença de hiperlexia ou memória para calendários . mento típico, não existe espontaneamente; logo, é preciso partir da habilidade a ser ensinada em pedacinhos e, as-O papel da escola sim, construir a nova aprendizagem. Pensar educação de forma a promover uma inclusão Considerando que se encontra documentado e aceito com resultados é uma tarefa altamente desafiadora. Ima-que houve uma escalada na taxa de diagnóstico de autis- ginar que isso possa ocorrer numa mesma classe com 2mo nas últimas duas décadas , a escola tem que se posi- muitos alunos e preocupações conteudistas é no mínimocionar quanto ao atendimento dessas crianças. Observem ingênuo.bem: se uma única criança com essa condição chegar a Nesse sentido, defendo a manutenção de uma classequalquer escola, ela deve ser bem cuidada. No entanto, com menor número de alunos, onde os educadores envol-estatisticamente é provável que muitas cheguem a todas vidos estudem essas questões e promovam os ajustesas escolas. educacionais / comportamentais necessários. Essa classe Pensando nesse aspecto é importante refletir sobre a é composta por alunos que possam ter suas necessidadesforma como as crianças aprendem, como as escolas ensi- educacionais especiais atendidas, constituindo-se umnam e o que ensinam, onde se pretende chegar e como sistema efetivo de aprendizagem contínua. Mesmo emorganizar o currículo, a proposta pedagógica, os professo- classes com essa característica, algumas vezes é neces-res e a escola como um todo para desempenhar o seu sária a presença de AP (atendimento personalizado), situ-papel com os alunos que apresentam essa condição. ação em que mais um educador, treinado nos princípios Quando pensamos em um programa educacional para da Análise do Comportamento, estará trabalhando comindivíduos com TEA, devemos nos preocupar em auxiliá-los alunos com TEA que necessitem de apoio específico.a adquirir habilidades funcionais e, assim, desenvolver seu Essa estratégia tem sido utilizada sempre que os padrõespotencial e minimizar comportamentos mal adaptativos que de comportamento aberrantes impeçam o aproveitamentopossam interferir na sua aprendizagem. Essas duas ques- pedagógico almejado.tões caminham sempre juntas. A escolarização desses Esse programa exige da escola um plano de trabalhoalunos requer dos educadores atenção diferenciada. O multidisciplinar, realmente individualizado, a fim de atenuarplano de trabalho a ser seguido deve ser multidisciplinar e os déficits de habilidades, aumentar o controle comporta-individualizado. Nosso principal objetivo será obter mudan- mental e garantir resultados satisfatórios. É importanteças comportamentais funcionais que se generalizem. contar com uma equipe composta de psicólogos especia- O êxito do programa depende de uma avaliação listas em Análise do Comportamento, fonoaudiólogosabrangente do planejamento coordenado dos aspectos escolares, terapeutas ocupacionais e professores habilita-médicos, psicológicos, terapêuticos auxiliares e educacio- dos treinados nessa metodologia e envolvidos com seusnais. Os serviços devem ser centralizados no indivíduo e alunos e com os resultados a serem obtidos.em sua família, e todos devem estar orientados em umamesma direção. Orientando os professores Resultados satisfatórios têm sido obtidos a partir daAnálise do Comportamento Aplicada, sob o foco da Teoria O primeiro passo é preparar o professor fornecendo-do Desenvolvimento, e utilizando os princípios do ensino lhe a possibilidade de compreender o que acontece com oestruturado. Uma boa avaliação de repertório nos dará a seu aluno. É útil explicar as características da síndrome,linha de base da qual partiremos para estruturarmos os fazendo-o entender que, apesar do quadro, cada criança /programas. jovem / adulto é único, e que cabe a nós organizarmos o O currículo a ser desenvolvido deve ser abrangente, ambiente para que ele (o aluno) possa se aproximar dofuncional e manter uma sequência estruturada, dentro de que esperamos dele. Nesse sentido, é fundamental orien-um ambiente de ensino que ofereça oportunidade de aqui- tá-lo (o professor) a partir dos princípios da Análise dosição e generalização das habilidades trabalhadas, com Comportamento, de forma a ensiná-lo a realizar uma ava-previsibilidade e rotina. O programa deve prever o plane- liação de contingências (análise funcional) dos comporta-jamento da transição para outros contextos e o envolvi- mentos disruptivos, além de preparar sequências de ensi-mento da família. no adequadas. O que é o aprendizado nesses casos? É a modificação É importante que tenhamos boa avaliação de repertóriodo comportamento a partir da qual o indivíduo passará a para que, a partir dela, possamos construir uma linha dedar respostas diferentes das que dava inicialmente. Ora! base para os programas almejados. A inclusão se efetiva64
  3. 3. Temas sobre Desenvolvimento 2011; 18(102).na metodologia e no currículo. O próximo passo será o técnico que o preparasse para o passo seguinte, que seriaajuste curricular. Devemos aproximá-lo do ponto em que o buscar formação específica para desenvolvimento dealuno está e buscar novas aquisições, preferencialmente games. É importante salientar a participação intensa da 3utilizando a aprendizagem sem erro , e é útil trabalharmos família tanto ao nível de apoio afetivo / comportamentala partir do centro de interesse do aluno. quanto na área técnica, uma vez que o pai domina esse Temos obtido bons resultados com o aproveitamento repertório. Após seis meses de programa, o aluno foidesses interesses, às vezes obsessivos e disfuncionais no aprovado para ingresso à universidade, e hoje cursa atrabalho pedagógico. Isso exige uma programação criteri- Faculdade de Tecnologia em Jogos Digitais no Senac.osamente estruturada que associe essas questões ao todo Mantém todas as características do quadro, tem necessi-pedagógico a ser ensinado. tado alguns ajustes, mas permanece firme em seu interes- Para as questões comportamentais aberrantes, temos se que está se tornando funcional.utilizado registros de frequência e análise funcional docomportamento com a introdução do reforçamento dife- Considerações finaisrencial. Em geral, essas estratégias envolvem a presençade AP. Apesar das inúmeras dificuldades, é possível oportuni- Programas que contemplam diversos talentos (como zar ao aluno com síndrome de Asperger uma escola ade-música, teatro, dança, desenho, informática e academia de quada, que tenha como objetivo ajudar indivíduos comginástica) têm se mostrado bastante eficientes para alguns esse transtorno a adquirir habilidades funcionais e concre-alunos. Citamos, como exemplo, o caso do aluno L, con- tizar seu potencial assim como a reduzir a frequência decluinte do Ensino Médio alternativo no Colégio Pauliceia comportamentos mal adaptativos que possam interferir noem 2010, onde obteve muito sucesso por frequentar clas- seu desempenho.ses com menor número de alunos, professores especialis- Para que isso efetivamente ocorra é preciso um trata-tas de área acompanhados por professor tutor, adequação mento multidisciplinar e individualizado. Dessa maneira, écurricular e estímulo direcionado ao seu centro de interes- possível atenuar os déficits de habilidades, aumentar ose. L apresentava alteração significativa no padrão intera- controle comportamental e garantir resultados satisfatóriostivo, comunicação peculiar com presença de estereótipos a médio e longo prazo.(como manter ouvidos tamponados pelos dedos e olhos Intervenções educacionais precoces, orientadas defechados), grande inflexibilidade para mudança de rotinas, modo comportamental e associadas a terapias reabilitado-e interesses específicos, no caso conteúdos relacionados ras suplementares cientificamente comprovadas, e acom-a “ninjas” (incluindo que se dizia um) e à informática. Ao panhamento farmacológico adequado (quando necessá-longo do seu processo escolar, o aluno recebeu estimula- rio), nos parecem o melhor caminho. Ainda assim, háção nas diferentes áreas de estudo com currículo adapta- diferenças individuais bastante grandes na resposta aodo, construído a partir das suas aquisições. O assunto tratamento.“ninja” virou um excelente programa na academia de gi- Devemos buscar atividades que se mostrem prazerosasnástica mantida pelo colégio, que muito favoreceu o seu para esses alunos e torná-las reforçadores poderosos. Taisdesenvolvimento. Quanto à questão da informática, L atividades quase sempre estão associadas a interessessempre demonstrou interesse. Com 7-8 anos já era bem específicos que podem, assim, se transformar em algoativo. Segundo relato da mãe, frequentava fóruns de deba- funcional.te e, embora não soubesse o idioma inglês, se interessava Finalizando, deve-se salientar a importância da partici-tanto pelos conteúdos que conseguia se comunicar. Ao pação da família. É preciso um programa contínuo dechegar à escola em 2008, no 1º ano do Ensino Médio, era orientação de pais e cuidadores, baseado nos princípiosum excelente usuário de informática e atento jogador de da Análise do Comportamento, buscando o alinhamentogames. No final do 3º ano, ficou bem claro para nós e para entre Lar e Escola, fundamental para a evolução do aluno.ele que, além de jogar, L queria desenvolver games. Nes-sa altura do processo, nossos professores na área de Referênciasinformática já haviam ensinado o que sabiam a ele. Noano seguinte à conclusão do Ensino Médio, propusemos 1. Schwartzman JS, Araújo CA. Transtornos do Espectro do Autismo. São Paulo: Memnon; 2011.um projeto especifico para L. Esse projeto envolvia áreas 2. Tuchman R. Autismo: Abordagem neurobiológica. Porto Alegre: Artmed;pedagógicas que o preparariam para o vestibular e uma 2009.professora que, no caso, era uma arquiteta pós-graduada 3. Sidman M. Aprendizagem sem erros e sua importância para o ensino doem educação especial e com repertório necessário para deficiente mental. Psicologia 1985; 11(3):1-15.ministrar aulas que o levassem a adquirir instrumental 65

×